j core

Train Rides: Young!James Potter x Reader *Smut*

A/N: Okay, so, this wasn’t suppose to go out until after ‘Wait For Me’ part two, but I’m like, physically and mentally not able to write that right now, and I don’t know why, so I just decided to finish this. Oh and also, I decided to post this tonight instead of tomorrow cause it was basically done, ops. 

If you didn’t read the title, this is a smut, this is also my first attempt at writing smut so, it may not be fantastic. I apologize if it doesn’t go into great detail or anything, like I said, I’m new to writing smut so this was really awkward for me to write, but I had to start somewhere, soz.

As smuts go, please do not read this if you’re uncomfortable with sexual situations, it’s tots fine to skip out on this one, my dude. 

Anyway, Enjoy! ♥

Word Count: 1504

Warnings: Mild Smut, Fluff(ish)

Keep reading

Cores de Uma Amizade (Parte 2)

- Jung Hoseok/J-Hope

- Romance/Uma pitada de comédia/Smut

Originally posted by osyub

 Bem provavelmente estávamos tendo a mesma ideia. Engoli em seco, desviando o olhar e mexendo nos meus cabelos completamente suados. Suspirei e me levantei, pensando em ir até Hani, mas antes de qualquer coisa, Hoseok agarrou meu pulso.

-Estamos pensando na mesma coisa ou foi só uma loucura que passou na minha cabeça? – Ele perguntou, observando-me atentamente. Dei de ombros, respirando fundo.

-Talvez tenha sido só uma loucura que passou pelas nossas cabeças… Não acho que seja a coisa certa a se fazer, Hoseok – O garoto assentiu, ajeitando sua postura. – Além do mais, nem sentimos nada um pelo outro, não é? – Dei uma risada fraca, mas parei quando percebi que estava mentindo.

Era óbvio até demais que eu sentia algum tipo de atração por ele, seria quase impossível não sentir. Desviei o olhar e observei Hani, que conversava com uma outra menina da aula de dança. J-Hope aos poucos soltou meu pulso, parecendo hesitante.

-Tudo bem.. – Ele limpou a garganta, pegando sua água e a abrindo. – Foi só uma loucura mesmo. – Então o liquido desceu todo pela sua garganta. Sorri sem mostrar os dentes, fazendo uma rápida e leve reverência. Virei-me e fui até Hani, sentando-me ao seu lado e fechando os olhos.

-Vocês bem que combinam pra caramba, sabia? Sobre o que estavam conversando? – Respirei fundo, abrindo os olhos para encará-la.

-Não sei se ele estava pensando de verdade na mesma coisa que eu, mas estávamos conversando sobre estar na fossa e que poderíamos, sabe, ajudar um ao outro. – Hani ergueu a sobrancelha e arregalou um pouco os olhos.

-Sexo casual?

-Amizade colorida. – Um sorriso enorme se abriu no rosto de Hani e ela me abraçou.

-Seria a coisa mais fofa do mundo, porque sabe como é, né? Sempre, em uma amizade colorida, um dos dois acaba se apaixonando… Caso ainda não esteja apaixonado. – Ela piscou e me deu um empurrão usando seu ombro.

-Não tem chance de ele estar apaixonado por mim, pelo amor dos Deuses. – Ela fechou os olhos e deu um tapa em sua própria testa.

-Você é pior que uma mula algumas vezes, _______. Vamos logo, o professor já nos liberou. Precisamos ir na sua casa colocar uns assuntos em dia. – A menina me levantou e continuou me puxando até sairmos da sala.

Antes de passar pela porta, dei uma rápida olhada para onde Hoseok e percebi que o garoto havia ido embora. Levei um susto quando um rosto surgiu do meu lado com um sorriso malicioso nos lábios.

-Procurando por alguém? – Perguntou Hani, mordendo minha bochecha e depois rindo.

Chegamos na minha casa bem rápido, considerando que tivemos que correr da tempestade que parecia só piorar. O cheiro do perfume de J-Hope estranhamente ainda continuava por cada canto daquele lugar, como se o menino tivesse morado ali por anos.

-Onde vocês dois dormiram? – Hani perguntou, andando pela cozinha para procurar por comida.

-No quarto debaixo das escadas. – Respondi, me sentando em um dos bancos ao redor da ilha. Hani me encarou sorrindo maliciosamente sem mostrar os dentes e com um bolo em sua boca.

-Aquele que é super apertado? O que vocês provavelmente devem ter dormido abraçados um no outro? – Sua voz saía abafada por causa da comida.

-Esse mesmo. – Falei, pegando o celular e vendo uma mensagem na tela. Era de Hoseok. Meu coração acelerou repentinamente.

Esqueci meu colar da sorte aí. Posso ir buscar qualquer hora?

Engoli em seco, sem saber se conseguiria ficar sozinha com ele de novo. Deixei o aparelho sobre a bancada, fui até o quarto onde dormimos e procurei por esse tal colar. Realmente, Hoseok havia o deixado lá.

-Você acha que ele deixou aí sem querer mesmo? – Hani disse, segurando meu celular em suas mãos e me encarando. – Por favor, ______, não seja tão ingênua. Já tem idade o suficiente para saber desse truque.

-Sim, até considerei a possibilidade, mas J-Hope não faria uma coisa dessas. Eu o conheço e sei disso. – A menina suspirou, dando de ombros e se sentando no chão com uma maçã entre os dedos.

-Talvez. Mas pode ter certeza que esse garoto sente alguma coisa por você, dá pra ver nos olhos dele. – O silêncio foi preenchido apenas pelo som de seus dentes arrancando um pedaço da fruta.

-O que você acha que eu deveria fazer? Estou na fossa há tanto tempo e isso está começando a me deixar maluca. Eu preciso sentir alguma coisa, mesmo que seja só, sei lá, um beijo. – Hani sorriu, me abraçando de novo e apertando minhas bochechas.

-VOCÊ CONSEGUE SER FOFA FALANDO DE QUALQUER COISA, SUA BESTA. – Ela gritou, mordendo-me no nariz. Comecei a rir, tirando-a de cima de mim.

-E você tem alguns parafusos faltando, mas enfim – Continuei rindo um pouco, então suspirei para me controlar. – Sério, eu estou tão perdida.

-Se eu fosse você, teria sim uma amizade colorida com J-Hope. Vocês dois se conhecem há tanto tempo, precisam disso e pode ser que esse passo ajude ambos a criar mais intimidade na relação que já tem.

-Então eu devo falar com ele de novo? Sobre isso? – Hani assentiu, segurando minha mão.

-Novas experiências sempre são bem-vindas, _______. Mantenha isso em mente daqui para frente – Ela sorriu, piscando e então suspirando. – Sabe o que vamos fazer primeiro? –A garota perguntou, levantando e me levando junto. – Ir ver como está o estado de suas roupas de baixo, porque se você quer mesmo transar com qualquer pessoa, tem que parecer apresentável.

Respirei fundo, deixando meu corpo ser puxado até o quarto. Assim que chegamos lá, Hani me jogou na cama e abriu a gaveta de roupas íntimas. Sua expressão dizia tudo. Ela levantou uma calcinha que eu costumava usar para dormir e que era completamente confortável.

-Sério, eu entendo que conforto é necessário, mas isso era da sua bisavó por acaso? Vá lá embaixo pegar uma bolsa, vamos colocar isso no lixo.

-Mas o pano pode ser usando para tantas coisas e-

-Você. Pegar a sacola de lixo. Agora. – Ela disse, apontando para mim e depois para a porta. Suspirei, obedecendo. Se eu queria mesmo chegar em algum lugar nesse mundo adulto, precisava ouvir Hani. Aquela garota literalmente sabia de TUDO sobre o assunto.

Peguei uma pequena sacola de lixo e a deixei do lado de Hani. No final de tudo, o que sobrou na minha gaveta foi alguns sutiãs básicos e meias pequenas que eu usava com tênis. Mas nenhuma calcinha. Afundei a cara no travesseiro, sentindo uma leve vontade de jogar minha melhor amiga pela janela.

-Sabe, eu consegui transar com alguns caras usando essas roupas de baixo. Não precisava jogar tudo fora. – Falei, me sentando novamente. Hani cruzou os braços e ergueu a sobrancelha.

-E há quanto tempo foi isso mesmo? Que tal uns anos? - Não respondi, simplesmente fechei os olhos e dei de ombros. – Estou fazendo essas coisas porque te amo, caso contrário te deixaria caída no fundo da fossa mesmo. Comprar novas lingeries pode te ajudar a ter uma autoestima incrível, sabia?

-Minha autoestima é ótima, tá?

-Ah claro, essa peça diz mesmo isso – Ela pegou uma outra calcinha que eu usava nos dias em que estou sozinha e sem compromissos. – Por favor, essa coisa não é bonita e nem vai te fazer sentir sexy.

-Quem disse que eu preciso me sentir sexy para ter uma boa autoestima? Estou muito bem desse jeito, Hani.

-______, por favor entenda. Não vai querer se olhar no espelho e pensar ‘Meu Deus, que gostosa que eu sou’’? Toda mulher quer se sentir assim e não adianta negar. Faz parte de certo fator… Hm… Biológico.

-Fator biológico? – Perguntei de forma debochada enquanto erguia uma sobrancelha.

-Você me entendeu. Chega de papo furado, vamos comprar algumas coisas mais sexys para esse seu corpo ficar fantástico agora, conheço várias lojas que mais parecem paraísos.

Entramos no carro e ligamos o som. Hani fez questão de colocar algumas músicas mais sexys para que entrássemos no clima de tudo isso. Cenas imaginárias de coisas que poderiam acontecer entre mim e J-Hope rodeavam minha cabeça, me deixando confusa.

-Sempre mantenha o contato visual, entendeu? – Assenti, virando o automóvel na rua correta depois de quase quatro tentativas. Hani não era muito boa com direções.

-Tudo bem, onde é a loja? – Perguntei, suspirando.

-Pode encostar, é aqui mesmo. – Estacionei e então saímos de dentro do carro correndo para escapar da chuva. Não tive nem tempo de olhar o nome do lugar, mas consegui ver claramente todas aquelas roupas íntimas em cada canto daquela loja.

-Hani! – A vendedora disse, correndo para abraçar minha melhor amiga. Seu olhar rapidamente caiu sobre mim, então dei um sorriso fraco e fiz uma reverência leve.

-Então, hoje não estou aqui por mim. Precisamos ajudar essa coitada aqui, ela não sabe o que é o toque humano há vários e vários meses. – Dei um tapa forte na cabeça de Hani por ter dito aquilo para praticamente toda a loja.

-Hm… Vamos ver o que podemos fazer, certo? – Disse a vendedora. – Me sigam direto para o paraíso da sensualidade feminina. – A mulher saiu correndo de forma engraçada, fazendo eu e Hani cairmos na gargalhada.

-‘’Paraíso da sensualidade feminina’’? – Perguntei, encarando Hani com uma das sobrancelhas erguidas.

-Se você acha que eu tenho uns parafusos faltando, espere até conhecer Clara. – A garota disse, apressando os passos para alcançar a vendedora. Revirei os olhos e as segui o mais rápido que pude.

Assim que chegamos no tal paraíso da blá blá blá, Hani já correu para ver conjuntos bem diferentes dos que eu costumava usar. Fui até ela, analisando as peças em sua mão. Nenhuma delas jamais passaria pela minha cabeça se eu estivesse sozinha. Eram sexys até demais.

-Hani, eu não acho que sej-

-Você vai experimentá-las e aí nós conversamos – Ela virou o rosto para mim, piscando e continuando a pegar algumas coisas. – Escolha algumas você mesma, ocupe seu tempo.

Respirei fundo, fazendo o que ela havia pedido. Peguei algumas peças, mas nada demais. Em todo o processo, Hoseok se recusava de todos os jeitos possíveis a deixar minha cabeça em paz.

Fomos até o provador e então foi aí que eu comecei a ficar hesitante. Tudo aquilo era bem diferente e não sabia se estava bem pronta para mudar desse jeito. Já estava com um conjunto em meu corpo, mas não conseguia me sentir completamente confortável com meu reflexo.

-Quer uma ajud-

Hani colocou a cabeça para dentro do provador, fazendo-me pular para fora dos meus pensamentos.

-Nossa, sua gostosa. Esse com certeza vai. O que me diz? – Seus olhos me analisavam inteira, o que me fazia sentir vulnerável.

-Eu não sei, Hani. Não consigo me sentir confortável. – Ela fez uma expressão triste, entrando no provador comigo. Suas mãos agarraram minhas bochechas.

-Era disso que eu estava falando. Você não está se sentindo confortável com o seu corpo. Porque eu tenho uma lingerie parecida e ela é muito boa de usar. Sério, agora olhe no espelho. O que está vendo?

-Quer mesmo que eu diga? – Ela suspirou, apoiando a cabeça no meu ombro.

-Tudo bem, eu vejo umas curvas muito atraentes que antes eram escondidas por aquelas roupas de vovó. Querida olhe esse quadril, acha mesmo que Hoseok não piraria se te visse assim? Estamos aqui por causa dele também, afinal.

Ao ouvir o nome de J-Hope, meu rosto imediatamente corou. Respirei fundo, tentando não pensar nele.

-Olhe toda essa renda, tão discreta, mas marcando certa presença. Essas duas peças são bem sexys e ficam realmente bem em você. Podemos levar? – Encarei meu reflexo mais uma vez, suspirando e assentindo.

-Acho que vou ter que me acostumar.

-ESSE É O ESPÍRITO! – Hani disse, dando um tapa forte na minha bunda e saindo do provador enquanto ria. – Sua gostosa.

Sorri sem mostrar os dentes e revirei os olhos, partindo para a próxima.

O dia foi inteiro assim. Provando, analisando, comprando. Além de lingeries, também compramos algumas roupas com mais personalidade, sapatos e saimos para comer alguma coisa bem gordurosa.

Cheguei em casa simplesmente devastada. Deixei Hani em casa e fui direto para minha, todas as bolsas no banco de trás. As encarei pelo espelho e comecei a pensar se foi mesmo um bom investimento.

Não tive muito tempo para continuar com todo questionamento, porque antes mesmo de guardar o carro consegui ver quem estava na frente da minha porta. Jung Hoseok. Suspirei, continuando a dirigir.

Assim que guardei, corri para abrir a porta. O menino estava com o cabelo um pouco úmido, mas não tanto quanto pensei que fosse estar. Ele sorriu, me encarando.

-Decidiu dar uma saída com Hani? – Ele perguntou, colocando as mãos nos bolsos. Assenti, tentando ao máximo tapar a visão que Hoseok poderia ter de todas as bolsas que estavam sobre a ilha da cozinha.

-Só fomos comer alguma coisa… Hm, por que está aqui?

-Meu colar. Você não me respondeu, então pensei que isso fosse algum tipo de sinal afirmativo – Ele riu um pouco, então sorri e assenti, não admitindo que foi porque havia esquecido mesmo. – Posso entrar?

-NÃO!… Quer dizer, deixa que eu pego pra você. – Sorri de forma desajeitada, saindo o mais calmamente possível da porta e rezando para que ele não visse as bolsas.

O que não aconteceu.

Antes mesmo de chegar ao quarto, consegui ouvir a voz de Hoseok.

-Acho que vocês duas não só saíram para comer alguma coisa. – O menino riu, indo para a sala. Meu rosto corou completamente e senti como se não fosse capaz de encará-lo sem virar um pimentão.

Peguei a droga do colar e voltei para sala, tentando manter o controle da vergonha. Entreguei o objeto para o menino, que continuou sentado. Não me sentei, apenas fiquei ali parada e de pé.

-O que foi? – Perguntei, mexendo no meu cabelo mais uma vez. Os olhos de J-Hope ainda estavam em mim, me observando profundamente.

-Você ainda quer falar daquilo? Sabe, do que pensamos na aula hoje? Não vou mentir, ficou na minha cabeça o dia todo.

-Também pensei nisso o dia todo, talvez até demais. – As palavras saíram da minha boca rápido demais, fazendo eu me arrepender na mesma hora. J-Hope sorriu, se levantando.

-Então ambos estávamos pensando em ajudar um ao outro? O dia todo? – Ele continuou sorrindo enquanto andava lentamente até mim. Seu olhar havia mudado de amigável para ‘’Vou fazer você parar de andar em uma noite’’. Afastei-me levemente, hesitante.

-É o que parece. – Continuei andando para trás até alcançar uma maldita parede. Hoseok se aproximou bem de mim, colocando os braços ao lado dos meus ombros e se curvando na minha direção.

-E então, o que você me diz? – Seu rosto estava completamente próximo do meu. Seu nariz encostava no meu, nossos lábios separados por nada além de dois centímetros. Meu coração acelerou de uma forma que não imaginei ser possível e decidi que aquela era hora de experimentar experiências novas.

Era hora de experimentar algumas cores de uma amizade.

 //MinSuga

LITTLE GREEN - Perfect - (JONGDAE, PT. 14) [CHRONICLES OF THE WOLF SERIES] *NC-17*

Last part of Jongdae is here!

Enjoy babies :)

-

[ Jongdae | Little Green ]

  \ perfect

 -

Soft light seeped into Jongdae’s room, falling gently onto your soft skin. Jongdae couldn’t help but to stare in awe at the sight. To see his mate sprawled on his bed, tangled in the covers and sleeping peacefully made his beast rumble in content.

He was very happy to see that you’ve been recovering steadily. He saw the rays of sun hitting your thigh, making it glisten in the light. You’ve gained back some of the weight you lost during the torture. It still wasn’t enough, if anyone asked Jongdae, because you still looked too frail and breakable in his eyes, but it was on a good path to return back to normal.

Keep reading

Cores de uma Amizade (Parte 4)

- J-Hope/Jung Hoseok

- Romance/Smut/Uma pitada de comédia

Originally posted by yoongiski

-Podemos dizer que eu vou ter certa dificuldade para dançar hoje. – Os olhos de Hani se arregalaram e um sorriso levemente se formou em seu rosto. Comecei a rir, deitando a cabeça em seu ombro. Encarei J-Hope rapidamente desviando. Seu olhar em mim e um sorrisinho tomava conta de seus lábios.

-Vocês transaram mesmo? Está falando sério?! – Ela ainda não acreditava e nem eu. Continuei rindo, assentindo e suspirando. Hani sorriu e bateu no meu ombro, me empurrando para o chão. – Eu não disse? Era só você trocar aquela roupa de baixo horrível e tudo se resolveria.

-Ok, ok… De certa forma, você estava certa.

-Eu sempre estou certa. – Ela riu no momento em que o professor entrou na sala. Levantamos e nos esticamos um pouco. Os olhos de Hoseok não saiam de mim, o que me fazia sentir uma onda quente subir pelas minhas pernas. 

 Encarei meu reflexo no espelho e lembrei de tudo que aconteceu na noite anterior. Como havia mudado tão rápido… Não conseguia olhar para Hoseok sem lembrar dele agindo de forma dominadora e não conseguia ver meus próprios olhos me observando de volta sem pensar no modo que agi.

-Você vai me contar cada detalhe, entendeu? – Disse Hani, puxando meu braço para próxima de si e tirando-me daquele transe. Pisquei algumas vezes, assentindo. Ela sorriu e saiu para ir até seu par na dança. Passei as mãos nos cabelos, suspirando e sorrindo de leve sem conseguir tirar aqueles pensamentos da cabeça.

-Lembrando do que aconteceu ontem? Podemos fazer aquilo mais vezes, sabe disso… – Disse Hoseok, se aproximando de mim por trás. Suas mãos seguraram a minha cintura e ele respirava perto do meu ouvido. Afastei-me levemente, apenas para não levantar tantas suspeitas

.-Nós vamos fazer aquilo mais vezes – Respondi, piscando e indo até minha bolsa pegar a garrafa de água. J-Hope sorriu, me seguindo com as mãos nos bolsos da calça. Senti sua mão na minha cintura e a afastei rapidamente. – Não me toque desse jeito na frente dos outros, não quero deixar tão claro assim o que está acontecendo entre nós.

-Você acha que eu me importo com a opinião alheia? – Ele respondeu, segurando minha cintura e me colocando para perto dele. Sorri, forçando-me para me afastar.

-Não é questão de se importar, mas respeitar a opinião alheia. Acha que é divertido para eles nós dois ficarmos nos agarrando desse jeito em público? – J-Hope levantou uma sobrancelha, considerando a opção, e me soltou. Tomei alguns goles de água e afaste uns fios de cabelo da minha testa.

-Quando posso te encontrar de novo? – Ele perguntou enquanto eu me abaixava para guardar a garrafa. Vê-lo daquele jeito, acima de mim enquanto estava de joelhos, aqueceu meu corpo e senti meu rosto ficar vermelho.

-Quando você quiser. – Respondi, me levantando o mais rápido que consegui e sem olhar em seus olhos. Hoseok agarrou minha cintura, me pondo próxima novamente.

-Por mim, poderíamos pular a aula de hoje e ir direto para a sua casa, o que me diz?

-Tentador, mas acho melhor não. Afinal, a apresentação não está tão longe quanto pensamos, não é? – Respondi, apertando seu nariz e indo para o meio do pessoal que já se preparava para dançar.

 A aula começou e pude perceber alguns olhares sobre nós, principalmente de algumas meninas que eu sabia que tinham uma quedinha por J-Hope. Ignorei-as e continuei dançando até que minhas pernas e braços gritassem por socorro. O que mais complicou minha vida foi a coreografia sexy. Não tinha como não entrar no clima com toda aquela dança, todo aquele toque entre mim e Hoseok.

 Ao fim do ensaio, depois de seis horas de muito treino, o professor nos dispensou. Ainda continuava a chover, mas não tão forte. Algumas ruas estavam cheias de água e os carros passavam correndo por nós.

 Eu e J-Hope andávamos lado a lado, meu coração batendo forte apenas sentindo-o próximo. Encarei-o caminhando, parecia estar muito pensativo. Dei um empurrão em seu ombro, chamando sua atenção.

-Vai passar a noite lá em casa hoje? – Perguntei, evitando algumas poças na calçada.

-Possivelmente, com essa chuva vai ser bem difícil ir embora e-

-J-Hope! Quer uma carona? Aproveita que é a sua única chance. – Disse Suga, abrindo a janela do seu carro. Hoseok me encarou, sem saber o que dizer. Apenas sorri e acenei, me afastando. O menino acenou de volta, sorrindo também.

A cada passo, mais rápida eu ficava. Cheguei correndo em casa, os cabelos completamente molhados. Tirei o máximo da chuva que pude das minhas roupas e entrei na casa, indo correndo para o banheiro. Tomei um banho sem demorar muito e fui até o quarto.

 Deitei-me na cama e peguei o celular para usá-lo um pouco, queria apenas descansar hoje. Havia quase a China inteira em forma de mensagens esperando para serem lidas. Suspirei, percebendo que a maioria eram de Hani. Ao invés de ler, liguei para ela e esperei que atendesse rapidamente.

-ME CONTA TUDO AGORA. – Ela berrou do outro lado da ligação.

-Alô para você também – Rimos e Hani apenas continuou implorando para que eu contasse toda a história. Comecei a descrever tudo que aconteceu e o silêncio do outro lado da linha era total, pensei até que a garota tivesse desmaiado. – E foi isso. – Falei quando terminei.

-‘’Isso’’. Isso? Eu sonho em transar com alguém desse jeito desde que me conheço por gente. Você conseguiu isso em um dia. Está me devendo sua alma agora, sua vagabunda.

-Obrigada. – Respondi, rindo. Continuamos conversando sobre assuntos aleatórios por horas e quando me dei conta, havia adormecido no meio da chamada.

 Meus sonhos não envolveram nada sobre J-Hope por mais estranho que fosse. Na verdade, apenas idealizei como seria a grande apresentação daqui uns meses. Apesar de tudo aquilo estar acontecendo, minha cabeça não conseguia parar de pensar e se preocupar sobre as danças, os dançarinos, os ensaios e afins.

 Acordei em um sobressalto, meu coração acelerado demais. Um raio forte havia me arrancado do sonho, tremendo até mesmo o chão. Deve ter caído perto da casa. Apressei-me para tirar as coisas da tomada e ficando em uma imensidão escura.

 O pânico começou a se instalar no meu peito, não poderia ficar muito mais tempo na escuridão. Peguei uma vela e acabei me lembrando do que dia em que J-Hope dormiu aqui em casa. Não que houvesse passado tanto tempo, de qualquer maneira. Sentei-me no sofá com a vela na mesa de centro e fiquei observando-a dançar com a brisa que entrava pela janela.

 Os raios estavam bem fortes e aquilo fazia meu coração disparar. Ficava olhando para trás e para os lados quase que o tempo todo. Minhas pernas tremiam com o medo querendo tomar conta de mim.

 O som do meu celular tocando me fez quase pular para fora do sofá. O peguei e atendi, sem nem ver quem estava me ligando.

-________? – Era a voz de J-Hope. Engoli em seco antes de responder.

-Sou eu. Por que me ligou?

-Queria saber se você está bem. A energia caiu aí também? – Aquela frase fez meu coração disparar e meu rosto corar. Suspirei, assentindo, mas aí lembrei que ele não estava ali comigo.

-Sim, caiu sim.

-Está tudo bem com você?

-Um pouco. Estou com medo sim, mas tenho uma vela comigo e sabe… A vela é uma ótima companheira. – Falei, sem saber direito como responder. Eu não estava bem, não gostava do escuro e me dava uma sensação de pânico estar naquela situação, mas não falaria isso para Hoseok.

-Quer que eu vá aí? Posso pedir para Suga me dar uma carona.

-Não, tudo bem. Não se preocupe comigo. Está tudo bem mesmo. – Falei, tentando esconder meu medo. J-Hope suspirou do outro lado da linha, hesitando falar.

-Por que eu não consigo confiar em você quando diz isso? – Sua voz exalava certa decepção por eu estar mentindo. Respirei fundo, sentindo uma pontada estranha no meu peito. Apesar de tudo que aconteceu, J-Hope era meu melhor amigo e a última coisa que queria era deixá-lo daquele jeito. 

A ligação caiu – ou ele havia desligado -, me deixando sem maneiras de pedir desculpas. Deitei-me no sofá, sentindo o pânico se alastrar pela minha pele, cada átomo do meu corpo. Agarrei minhas pernas, deitando em posição fetal e tentando ao máximo me controlar para não surtar.

 Conseguia sentir o suor se formando na minha testa e a fraqueza tomando-me. Fechei os olhos por não sei quanto tempo, ouvindo minha respiração acelerada e descompassada, as batidas do meu coração altas e fortes e sentindo meu corpo tremendo.

 Escutei batidas na porta, altas e fortes. Pareciam até mesmo desesperadas. A luz da vela havia se apagado e tudo que me restava agora era uma escuridão sem fim. Aquilo foi o que eu precisava para perder o controle do medo.

 Tentei me levantar, mas caí no chão, tremendo e chorando. Aquilo não acontecia há anos, quer dizer, com tanta intensidade. Claro que eu tinha ataques ás vezes, mas nunca tão fortes ao ponto de não conseguir me levantar.

Minha visão estava embaçada pelas lágrimas e pela tontura que me atingia rapidamente. Em meio ao turvo, vi uma sombra na janela da sala batendo no vidro. Tentei me levantar, mas não conseguia de jeito nenhum. Fechei meus olhos e deixei meu corpo tremendo, indefeso, no chão de madeira.

 Ouvi um som de clique, como se alguém tivesse destrancado a porta. Alguns segundos depois, senti mãos quentes me levantando do chão e me acolhendo. Lábios sedosos beijaram minha testa enquanto dedos gentis acariciavam meus cabelos.

-Eu estou aqui agora, você não está sozinha no escuro. Entendeu? – Disse J-Hope, levantando-me e deitando meu corpo no sofá. Suas mãos continuaram acariciando meu cabelo enquanto ele tentava me acalmar.

 Depois de um tempo, eu já estava melhor e Hoseok já havia ligado o celular com a luz noturna. Minha respiração ainda estava descompassada e um pouco acelerada, assim como meu coração, mas eu estava levemente melhor. Encarei J-Hope, vendo-o sorrir para mim.

-Como aquela coisinha sexy se tornando essa garota em pânico na minha frente em tão pouco tempo, hm? – Ele perguntou, aproximando um pouco o rosto do meu e beijando meu nariz. – Tem que ser você mesmo, _______. Sempre me surpreendendo.

-O-obrigada, Hoseok. – Falei, segurando sua mão que estava mais perto da minha. Ele sorriu, beijando-a.

-Melhores amigos coloridos estão aqui para isso. Nunca vou te deixar sozinha, principalmente em um ataque de pânico, sabe disso. Não se faça de boba. – Sorri, me aconchegando e notando todo aquele sentimento ruim indo embora.

-Pode ficar aqui pelo resto da noite? – Hoseok assentiu, sem nem pensar direito.

-Estranhamente, eu trouxe algumas roupas. – Ele disse, sorrindo e piscando.

-Tinha que ser você, J-Hope. Sempre bem preparado. – Respondi, respirando fundo enquanto encarava-o.

-Sempre – Ele disse, piscando mais uma vez. – Já tomei um banho lá em casa, então só preciso colocar meu pijama para dormir. Já tomou um banho? – Assenti, hesitando um pouco quando J-Hope fez uma careta. – Você pareceu que suou bastante, acho melhor tomar outro, mas só mais tarde.

 Ergui uma sobrancelha para ele, sorrindo um pouco. Ele apenas se levantou e foi até a cozinha, mexendo no seu cabelo.

-Você quer alguma coisa para comer? Ouvi dizer que é bom se alimentar e se hidratar depois de um ataque desses. Precisa recompor-se.

-Estou bem, obrigada. – J-Hope suspirou e abriu os armários da cozinha, pegando um saco de biscoitos com gotas de chocolate e um pouco de café.

-Você vai comer. – Ele disse, colocando as coisas sobre a mesa de centro e me ajudando a sentar. Hoseok se sentou ao meu lado e pegou as coisas, me dando.

-Obrigada… – Respondi, pegando a xícara de café primeiro. J-Hope começou a comer os biscoitos, olhando pela janela.

-Por que essa tempestade nunca passa? Já está chato – Murmurei um som estranho, concordando. Hoseok me encarou, confuso, e logo começou a rir, imitando-me.

 Respondi, fazendo um som parecido e assim a ‘’conversa’’ se prolongou. Era minha vez de fazer um som estranho e do nada, J-Hope segurou meu maxilar, beijando-me lentamente. Meu coração pulou de susto, mas não me afastei. O beijo não era intenso, era lento e delicado.

 Ele se afastou depois de um tempo, respirando fundo e olhando para a janela. Comecei a rir, colocando a xícara sobre a mesa de centro.

-Por que fez isso? – Perguntei, virando-me para ele.

-Você estava linda, eu não… Não consegui me segurar. – Ele disse, olhando fundo em meus olhos. Pude perceber que estava falando mais sério do que nunca.

 O que era esse sentimento estranho nascendo e crescendo dentro do meu peito toda vez que ele falava daquele jeito?  

//MinSuga
Forbidden [Kim Jongin] - Part 6

Summary: Your kiss escalates to something more.

Genere: Smut, fluff (at the end… idk)

Warnings: Sex

AU: Royals

Pairing: Kim Jongin x Reader

Originally posted by dazzlingkai


He almost immediately kissed me back. His soft lips against mine made me remember how much I wanted him. That night in the garden was a true revolution in my life. Rejecting Jongin was actually the best thing I could do. But now, I just didn’t care. I didn’t care about the differences between us. He was a prince and I was a servant. It just didn’t matter anymore. I even forgot about lady Shin.

I felt him nibbling on my bottom lip, asking for entrance. My lips parted and his tongue swept into my mouth. He brought me even closer to him and I slowly started to lose control. I tangled my hand in his hair and tilted his head, so I could deepen the kiss. Now, I was kneeling on the mattress, while Jongin was sitting on it. Without breaking the kiss, his hand caressed my cheek, as he pulled me onto his lap.

“I just can’t” he whispered against my lips “I just can’t stay away from you”

He started to kiss my jawline and next he moved to my neck. Sucking and nibbling on it. One of my hands was still in his hair and I used the second one to cover my mouth, muffling my moans. Breath hitched in my throat when he found my sweet spot and sucked on it viciously.

“No, baby” Jongin took my hand away from my lips “I want to hear you”

He gently rubbed my sides and once more attached his lips to my neck. This time, I didn’t hold back. I let out a moan, feeling him smile against my skin.

“If you want me to stop” Jongin placed a kiss on my collarbone “Then just tell me” another one a bit lower “I won’t make any further move”

I knew I had to stop it. He even gave me an opportunity to do it. I knew how this is going to affect our future, but I promised myself one thing. That I will listen to my heart. Only my heart.

“No” I whispered and Jongin looked up at me “I’m yours. Do what you want. Kiss me, touch me, just… Just take me”

In that moment he connected our lips together. The kiss was much more rough than the previous ones we shared, but sweet at the same time. There were all words and feeling we wanted to say and express, but we couldn’t. Anxiety, pain, cowardice, fear. But also hope, courage and love.

His hand slowly traveled against my thigh and pushed back the dress I was wearing. I felt myself shiver.

“What happened?” Jongin quickly pulled away “Too much?”

He was worried and shocked at the same time. I could see it clearly.

Should I tell him? Was there anything I could lose? I guess not. I already risked almost everything I got. For unknown reason, I had a feeling I could tell him everything. There was something in our complicated relationship that just made me trust him.

“I-I’ve never… “ I stuttered unable to match the words “Jongin I’ve n-never…”

He looked at me and smiled gently.

“You’ve never done…” he paused for a while “That?”

I nodded shyly, blush spreading against my cheeks.

“That’s okay. There’s nothing to be shy about” he said “We don’t need to hurry. It’s your decision”

“But I want to do it” serious tone of my voice surprised me “I want to do it with you”

I saw some kind of spark in his eyes. Now, I realised how straightforward I was. He rubbed my back and asked:

“Are you sure?”

Unable to say anything, I just nodded. Jongin smiled, gently kissing my forehead, my cheek, and finally, my lips.

“I promise I’m going to make it perfect to you” he whispered, brushing strand of my hair off my face “At least, I’ll do everything to make it like this. It’s all about you now”

Taking a deep breath, I lowered my head to connect our lips. It wasn’t rushed or forced. Any of our kisses was like that, but they tend to be more rough. This one was something new, something I’ve never felt before. It was slow, sweet and gentle. His soft lips were working against mine, making me feel like I am on cloud nine. I used my hand to undo the first button of his shirt. While I was doing it, he pushed up the hem of my clothing and carresed my thigh. His touch was making me shiver, but not in a wrong way. I just needed him. And I needed him now.

I didn’t even realise how quickly his shirt fell of his arms. When he finally pulled away from the kiss, my eyes immediately went to his toned chest. I knew Jongin was good-looking and I should expect him having some muscles, but I felt shocked somehow. My cheeks went red. I used one of my fingers to caress his chest. The prince sighed loudly. His hand traveled up my thigh to my stomach, while he used the second one to unbutton my shirt.

“Are you sure?” he asked quietly, still savouring my touch “We can still stop”

I looked down at him. His eyes were half-opened and he was breathing heavily.

“No” I kissed him quickly “Please, don’t ask me that question anymore”

The servant who helped me change left the underwear on me. I didn’t know if I was grateful or not. I took his palm and placed it on the clasp of my bra, kissing his jawline.

“Take me” I whispered against his skin “I’m all yours”

His lips found mine for a thousand time, while he took of my bra. Without breaking the kiss, he placed his hands on a small of my back. Gently moving me from his lap onto bed, Jongin moved his lips to my neck. Now, I was laying on my back, the prince hovering above my half-naked body. For some reason, I didn’t feel any urge to hide myself. The only thing I was wearing, were some panties. He pulled away from my neck and his eyes traveled up and down my body.

“God” he whispered “You are beautiful”

Blush creeped up my cheeks, as he lowered himself to place butterfly kisses on my stomach. Every single one was making me want him more and more. My hands went to his arms and caressed them. He stopped kissing my body and I whined loudly, feeling like something’s missing. Now, I realised how fast was my heart racing. It felt like it could jump out of my chest in any second.

“I’m sorry” he chuckled, his eyes all over me once more “I just had to look at you once more”

I blushed at his words and said quietly:

“There’s nothing impressive in me”

Without even knowing, I moved my arms to cover my naked chest. Before I could do it, Jongin grabbed them and pinned to bed.

“How dare you say that?” he asked “You are the most beautiful, gorgeous woman I have ever seen”

He kissed me roughly, shoving his tongue into my mouth. I moaned loudly against his lips and quickly started to push his pants down. I’ve never felt this before. I never wanted anyone the way I wanted Jongin now.

His hand caressed my thigh and moved to the hem of my panties. He broke the kiss and looked deeply into my eyes. It was like a question, our last decision, but I was sure. Without hesitating, I gave him a small nod and he pulled my down slowly. I closed my eyes, feeling the heat on my cheeks. Suddenly, I heard his pants, the last piece of clothing separating us, hit the ground.

He gently kissed my neck and breath caught in my throat.

“Do you trust me?” he asked

“Yes” I whispered

“It may be a bit uncomfortable at first, but then it’ll feel good” his words made me open my eyes “Do you believe me?”

I saw that he was also afraid. I could feel that. But not because it was his first time too. It was because he was afraid to hurt me.

“I do” I said with a shaky voice

Jongin kissed me and slowly lined himself with my entrance. I felt the tension between us grow. My heart started to race faster, if that was even possible. He slid himself inside me, a loud gasp escaping my lips.

“Everything’s fine?” he breathed out “Does it hurt? Do you want me to stop?”

It was uncomfortable, just like he said it’s going to be, but I was trying to be prepared for that. I knew Jongin didn’t want to do anything wrong so I just shook my head.

He slowly pushed in further, making me moan. The prince growled slightly and gave me a few seconds to adjust. I felt his hot breath against the skin of my neck. The feeling of that uncomfortable stretch passed away after some time. The need of him was stronger than anything else.

“P-please” I whined “Move”

Jongin looked at me and started to set a slow pace, pushing himself inside and out of me. That rhythm was just perfect. He didn’t hurt me in any way. The only thing he gave me was pleasure I’ve never felt before. I grabbed at his shoulders and let out another moan:

“Oh, God”

His lips found mine in a sweet, yet heated kiss. I felt him speed up a little, a sudden yelp escaping my mouth. This was something I’ve never felt before. I knew I won’t regret giving all of me to Jongin. I trusted him and I loved him. I didn’t say that before because I was afraid to. I wasn’t sure what he felt. I was scared that I was just another girl for him, but now I knew that it was just dumb of me thinking that way. Somehow now, I was sure.

I bit on my bottom lip, trying not to scream when he hit that spot. The pleasure now was delightful. It was something better than before. I lifted up my hips, so I could feel him even more.

Suddenly, I felt something strange build up my core.

“J-Jongin” I whispered “I-I’m-”

“I know” he interrupted me “I can feel you”

Then he shifted himself and nibbled on my ear, saying quietly:

“Come for me, baby”

His words send me over the edge. I dig my nails into his back and his name left my lips in a loud half-scream, half-moan. A wave of pleasure hit my body and a few seconds after, I heard Jongin growl, burying his face in the crock of my neck. I felt something warm inside me as he thrusted a few time before pulling away.

The prince fell down on the mattress next to me. Both of us breathing heavily, both of us covered in sweat. His hand sneaked around my waist and he pulled me closer to his body. I looked up and my eyes met his chocolate brown ones. With a gentle smile on my face, I moved his sticky hair from his forehead.

“You’re beautiful” he whispered, taking my hand and kissing my knuckles

I giggled and buried my face in his chest.

“What?” he chuckled

“You’re saying this again” I mumbled “And it’s embarrassing”

“But it’s the truth” the prince tickled me slightly “I wouldn’t lie to you about anything”

I sighed and closed my eyes, with a grin on my face. I tried enjoying the last few minutes in Jongin’s embrace. Soon I had to be going. It wasn’t safe to be here.

What am I even talking about?

Doing the thing we’ve done wasn’t safe. We were in the castle and I was sure someone heard us because, being honest, we weren’t as quiet as we wanted to be.

God. I just did what every girl in the kingdom dreamed of. I just gave my virginity to prince Kim Jongin. It was unbelievable.

I smiled and soon after it, I started to laugh.

“What is it?” he asked

“Nothing” I managed to say “I guess I’m just happy”

“That’s good” Jongin placed a kiss on my forehead “I promised that it’s going to be perfect, didn’t I?”

I nodded and turned around, so my back was facing him.

“I need to go” I said

“Why?” he pulled me into him once more

“Because you know what will happen when someone will find me here. It’s nearly 3pm. Anyone can come here in any minute”

“But they can’t entre without my permission” I felt the mattress sank as he shifted himself on his arm

“It’s better to be careful, Jongin”

I tried to sit up, pulling the covers with me, but suddenly I felt some pain between my legs, making me hiss quietly. That was something unexpected. No one told me it’ll hurt after. I decided to lay down.

“I think I’ll just stay for few more minutes” I curled up to Jongin’s chest once more with a huge grin on my face

Author’s note: I’m sorry.

Cores de uma Amizade (Parte 3)

- Jung Hoseok/J-Hope

- Romance/SMUT (BDSM)/Uma pitada de comédia

Originally posted by leojuseyo

Era hora de experimentar algumas cores de uma amizade.

 Coloquei minhas mãos em seu peito, o afastando um pouco. Isso pareceu surpreender Hoseok, que logo desarmou toda aquela aura de badboy. Sorri envergonhada, usando minhas unhas para arranhá-lo por cima da camisa ainda.

-Eu vou preparar um coisa, tudo bem? Me espere aqui. – Falei, curvando-me para sussurrar em seu ouvido. J-Hope sorriu de forma maliciosa, encarando-me pelo canto do olho. Beijei de forma lenta seu pescoço, apenas para poder deixá-lo no clima novamente. Senti as mãos de Hoseok segurando minha cintura firmemente, aproximando-me do seu corpo.

 Juntando todas as forças do meu corpo, me afastei e peguei a bolsa sobre o balcão, não ligando se ele havia visto ou não. A sensação da sua mão ainda permanecia na minha cintura, aquecendo meu corpo da cabeça aos pés. 

 Peguei a lingerie preta com rendas, a colocando rapidamente e me olhando no espelho. Meus cabelos caíam sutilmente sobre meus ombros. Hani estava certa, eu estava me sentindo sexy e aquilo era bom demais. Ajeitei alguns detalhes aqui e ali e então respirei fundo. Era mesmo aquilo que eu queria? 

Era, ah se era.

 Desci as escadas devagar, um pouco insegura quanto ao meu corpo por causa de Hoseok, vendo-o sentado no sofá. O garoto estava com a cabeça jogada para trás e a boca levemente aberta. Ainda usava todas as duas roupas, mas com uma de suas mãos, ele massageava o próprio membro ainda por cima da calça.

 Aproximei-me devagar, sentindo todo meu corpo se aquecendo. Coloquei meus braços ao redor do seu pescoço, beijando a parte de trás da sua orelha. O garoto se assustou de leve com a minha presença, mas logo voltou a relaxar.

 Ele colocou a cabeça mais para o lado, me dando mais visibilidade do seu pescoço. Seus olhos estavam fechados e sua mão ainda mexia no volume que só crescia em sua calça. Sorri entre os beijos em sua pele exposta, fazendo um bom uso da minha língua.

 Óbvio que não podia faltar um chupão básico mais na parte do seu maxilar, o que fez o menino suspirar mais alto. Passei minhas mãos em seus braços e seu abdômen, ainda por cima da roupa. J-Hope sorria de vez em quando.

-Sente na minha frente. – Ele disse, virando o rosto na minha direção e encarando-me profundamente. Assenti, deixando um último beijo na sua nuca. Andei da forma mais elegante possível até a parte frontal do sofá.

 Os olhos de Hoseok se escureceram assim que me viram. Luxúria pura, com certeza. Abri minhas pernas, sentando em seu colo. Lá no fundo, ainda estava mais nervosa do que nunca, como se fosse minha primeira vez, mas agir daquele jeito fazia eu me sentir muito, muito bem.

 Coloquei o cabelo em apenas um lado do ombro, deixando meu pescoço bem exposto. J-Hope passou as mãos por toda a extensão lateral do meu corpo, seus olhos praticamente me devorando.

 Apoiei meus braços em seus ombros, curvando-me para finalmente beijá-lo nos lábios. O encontro foi intenso e meu coração se aproximou de explodir. Nossas línguas traçavam caminho na boca um do outro, seguidas por suspiros e beijos profundos. Minhas mãos brincavam com fios do seu cabelo e as dele seguravam minha cintura, auxiliando-me a rebolar bem devagar sobre seu colo.

 Eu já estava completamente no clima. Uma de suas mãos desceu as alças do meu sutiã, o retirando sutilmente. Sua expressão de surpresa e admiração quando me viu daquele jeito foi o suficiente para enfraquecer minhas pernas. Meu coração batia como nunca antes, enviando uma sensação diferente por cada pequena articulação do meu corpo. Respirei fundo em meio ao beijo, fazendo J-Hope sorrir um pouco.

-Quer subir? – Ele perguntou com sua boca ainda roçando na minha. Assenti, colocando minhas pernas ao seu redor e sentindo suas mãos segurando com vontade minha bunda enquanto levantávamos.

 Continuei beijando seu pescoço até o momento em que chegamos dentro do quarto. Fui colocada nem tão gentilmente assim sobre o colchão, o que me fez sentir outra sensação que nunca havia passado por mim. J-Hope era com certeza diferente de todos os outros caras com quem eu tinha ficado.

Hoseok me colocou completamente deitada na cama e quando tentei me sentar, ele usou as mãos para empurrar de leve, mas firmemente, minha barriga e fazer-me abaixar de novo. Um jeito dominante? Não conseguia ver nada do que ele estava fazendo direito deitada daquele jeito, mas tinha uma noção de que iria ser bom. Apenas fechei os olhos, imaginando o que Hoseok estaria fazendo naquele momento pelos sons. Eram sons de… Tecido? 

 Abri os olhos para fechá-los novamente. J-Hope começou a beijar meus tornozelos, subindo por toda minha perna. Suas mãos o acompanhavam, passando por caminhos onde sua boca não passava. Suspirei, percebendo o quão perto ele estava chegando da famosa ‘’zona de perigo’’.

 Suas mãos macias retiraram lentamente minha calcinha, a impressão de seus dedos permanecendo na minha pele por mais alguns segundos. Meu coração se acelerou, aquele era o momento em que eu iria sentir o que não sentia há meses, talvez anos.

 Porém, diferente do que pensei, ele passou bem longe de lá, me deixando apenas no desejo. Abri meus olhos para encará-lo e levei um pequeno susto ao ver que Hoseok se encontrava já perfeitamente cara a cara comigo. Um sorriso malicioso tomava conta de seus lábios e seu olhar pesava sobre mim. 

 Hoseok beijou meu pescoço todo, respirando fundo algumas vezes e deixando com que seu bafo quente batesse em minha pele sensível. Minhas mãos estavam presas sobre a minha cabeça em formato de X por J-Hope. Estar me sentindo daquele jeito, dominada, era melhor do que eu havia imaginado.

-Não se mova tanto…

 Com uma de suas mãos ainda prendendo as minhas, o menino continuou descendo os beijos pela minha clavícula até que chegou em meus seios. Usando seus dedos livres, acariciou ao redor e entre eles lentamente, deixando pequenos beijos aqui e ali.

 Do nada, sua boca pegou meu seio esquerdo e a lambeu intensamente. Arqueei um pouco as costas, tanto de susto quanto de prazer. Fechei os olhos e tensionei o maxilar por causa da onda de sensações que me atingiu. Minhas mãos ainda estavam presas e aquilo fazia meu coração acelerar.

 Depois de uns bons e longos minutos de diversão com meus seios, J-Hope finalmente me soltou e seguiu em frente. Coloquei uma de minhas mãos em seu cabelo, involuntariamente abrindo minhas pernas enquanto ele descia seus beijos pelo meu abdômen.

 Suspirei e arranhei um pouco sua cabeça assim que senti sua respiração quente batendo no local mais sensível do meu corpo, o clitóris. Olhei para baixo, vendo-o me encarar e sorrir de leve. Não demorou nada para que eu sentisse a umidade da língua macia de Hoseok, arqueando quase que totalmente minhas costas.

 Um gemido alto deixou minha garganta, fazendo J-Hope sorrir ainda mais. O garoto continuou com movimentos circulares e para os lados, alternando entre as velocidades. Eu me contorcia de prazer, não sabendo se aguentaria ficar apenas gemendo. A sensação explodia no meu peito, apenas crescendo.

 Sem aviso nenhum, o garoto colocou dois dedos de uma vez só. Juntei minhas coxas deixando sua cabeça no meio por causa do sentimento que percorreu meu corpo rapidamente. Minha boca estava meio aberta e um suspiro/gemido mais fino que minha própria voz acabou escapando.

 Agora J-Hope havia estabelecido uma velocidade única e rápida, sem diminuir sequer um segundo. Eu podia notar que ele estava ficando cansado, então estiquei minha mão para tocar meus próprios seios e logo, descendo meus dedos até meu clítoris, circulando-o.

 De repente, uma dor percorreu rapidamente meu corpo e eu acordei de um quase transe. J-Hope havia me dado um tapa. Aquilo nunca havia acontecido comigo, então meu coração estava batendo muito forte e pensamentos de que eu tinha feito algo errado começaram a correr pela minha mente.

-Por acaso eu mandei você fazer isso? – Ele perguntou com a voz levemente mais grossa. Aquela situação toda, por mais estranha que fosse, estava me animando cada vez mais. – Me responda.

-Não… – Minha voz saiu baixa, porque eu estava sentindo um misto de medo e prazer. Tudo isso mexia com a minha cabeça e me deixava muito confusa.

-E o que eu devo fazer para que você aprenda a entender comandos? Eu mandei você não se mover tanto e olha só! Você tentou dar prazer para si mesma. Não estou fazendo um bom trabalho? – Neguei usando a cabeça várias vezes, sentando-me na cama e vendo-o fazer o mesmo. – Vou perguntar uma última vez, o que acha que devo fazer para entender comandos?

-Eu não sei. – Um pequeno sorriso surgiu em seus lábios, então ele se levantou da cama.

-Então me deixe te ensinar. – Hoseok se abaixou para pegar algo que estava debaixo da cama sem dizer uma palavra, o que fez arrepios subirem pela minha espinha. Quando se levantou, vi que estava com um pano em suas mãos.

-J-Hope…? – Ele sorriu sem mostrar os dentes enquanto andava na minha direção. Seus olhos estavam escuros e eu senti como se pudesse me entregar completamente naquele momento.

-Nada pessoal, _______. Mas você ­precisa saber me obedecer se não quiser apanhar. – A última palavra faz meu coração dar um pulo. Eu só havia visto aquilo em filmes ou lido em algum lugar, mas nunca tinha feito qualquer coisa parecida. 

 J-Hope segurou meus pulsos juntos, os amarrando tão firme que minha circulação ficou fraca naquela área. Meus braços estavam presos nas minhas costas e não importava o quanto tentasse, as amarras não se soltavam. 

 Hoseok ficou me encarando, esperando por alguma coisa. Eu não sabia o que fazer, simplesmente fiquei ali parada, observando-o. O garoto, depois de um tempo, suspirou e empurrou-me gentilmente, fazendo com que eu me deitasse. Então, me colocou de barriga para baixo, meu rosto contra o travesseiro. Meu sangue borbulhava e eu nem sabia o que estava acontecendo direito, só queria que começasse logo.

-Quero que conte em voz alta. – Não tive tempo para pensar direito quando o primeiro tapa veio. Um misto de dor e prazer correu por cada célula no meu corpo. Não falei nada, apenas soltei um gemido baixo, afundando a cabeça no travesseiro.

Do nada, mais um tapa, dessa vez muito forte, veio. O som percorreu o quarto todo e aquela sensação de um prazer estranho me consumiu de novo.

-Eu disse para contar em voz alta. Quanto mais você me desobedecer, mais fortes eles serão. – J-Hope segurou meu cabelo, puxando-o de leve e sussurrando em meu ouvido. Assenti com a boca meio aberta.

 Ainda segurando meu cabelo, com a mão livre os tapas continuaram e eu os contava com toda a força e autocontrole que me restavam.

1…

2…

3…

4…

5…

6…

7…

8…

9…

10…

Cada um mais forte e mais rápido que o outro. Com certeza aquilo me marcaria, mas apenas eu poderia ver. Assim que acabou, Hoseok deixou suas mãos descansando sobre minha pele e beijou minha nuca diversas vezes. 

 Suas mãos acariciavam meus ombros lentamente enquanto o garoto descia com seus beijos por todas as minhas costas. Respirei fundo, ainda me recuperando de tudo aquilo. Um pouco de suor escorria da minha testa, mas não liguei muito. Havia algo muito mais importante que merecia atenção.

 Fechei os olhos e deixei com a sensação de ter J-Hope voltando a fazer um oral em mim me consumisse de vez. Hoseok puxou-me um pouco para trás, me fazendo sentar em seu rosto. Senti minhas bochechas corando, mas tinha que admitir que era bom.

 Nunca na vida tinha feito nada parecido com nada daquilo. Agora sei o verdadeiro significado de arrependimento. Não ter minhas mãos livres era tão desesperador, mas não ruim. Nada que Hoseok estava fazendo podia ser. Meu ápice estava chegando rápido, o garoto tinha certa habilidade. Muita, aliás. Mas, como ele não é uma pessoa que tem piedade com o coração das pessoas, parou quando eu menos esperava. Respirei fundo, saindo de cima dele.

-Sente-se. – Ele mandou. Não hesitei em obdecer. J-Hope se levantou da cama e despiu-se inteiro, assim, do nada. Apenas fiquei observando, pasma. Não sabia direito o que estava sentindo, mas me encontrava prestes a explodir. 

 Hoseok se sentou na minha frente e passou a mão no cabelo, pude perceber que ele também estava suado. Soltando um suspiro alto por entre seus lábios, seus olhos se voltaram para mim.

-Você sabe o que fazer. – Olhei para seu membro, que já estava totalmente de pé, mas fiquei um pouco confusa.

-E minhas mãos?

-Estão presas. E é assim que vão ficar até quando eu quiser soltá-las. – O garoto me respondeu, me deixando, mais uma vez, sem saber o que falar. Fiquei de joelhos e me abaixei o máximo que pude, colocando seu membro em minha boca. Fiz movimentos indo para cima e para baixo, usando muito a língua. Era tudo que me restava, afinal. J-Hope parecia estar aproveitando aquilo ao máximo e, bom, eu também estava.

 Assim que estava chegando perto, Hoseok colocou suas mãos no meu cabelo e acelerou meus movimentos. Mas parou antes de atingir o ápice. O garoto me ajudou a sentar novamente apenas para me colocar de barriga para baixo de novo.

 Segurando minhas mãos uma das suas e com a outra massageando meus seios, Hoseok perguntou baixo no meu ouvido:

-Posso te foder por trás desse jeito? – Eu não estava conseguindo pensar direito, meus desejos tão intensos estavam falando bem mais alto. Apenas assenti, esperando o melhor.

 Uma risadinha baixa fez meus braços se arrepiarem e logo J-Hope segurou meu cabelo firmemente, mas não puxando-o. Primeiro, antes de fazer o que ambos queríamos, ficou bricando com a entrada da minha intimidade, pondo apenas a cabeça e a tirando logo depois.

 Ouvi o som da camisinha sendo aberta e posta, meu coração acelerado apenas esperando o impacto. Sem um bom aviso prévio, Hoseok se colocou completamente dentro de mim e com força. Soltei um gemido quase gritado, sentindo meu cabelo sendo levemente puxado.

 Depois de segundos, tapas começaram a ser dados em mim de vez em quanto, mas eu não queria que parasse. O som dos nossos corpos se batendo e os gemidos se misturando era como uma orquestra para meus ouvidos. Sorri entre os gemidos, abaixando a cabeça e tentando manter o 1% de sanidade que me restava.

 Do nada, J-Hope começou a massagear meu clítoris com uma das mãos e foi nesse momento que tudo se perdeu. Meus gemidos já estavam descontrolados e eu, deplorável. O suor no meu rosto fazia os cabelos grudarem e minhas unhas arranham as palmas das minhas mãos.

 Eu estava quase chegando lá e, pelo jeito que as coisas estavam indo, J-Hope também. A velocidade aumentou e isso me fez perder o controle total do meu corpo.

  Assim que meu ápice finalmente chegou, gemi tão alto que a vizinhança toda deve ter ouvido. J-Hope não demorou tanto para chegar também, apenas alguns minutos. Quando já tínhamos nos acalmado, Hoseok ainda não havia se retirado de dentro de mim, pelo contrário, só tinha se colocado mais fundo.

 Deitei-me na cama e meu corpo relaxou assim que senti meus pulsos sendo soltos. Passei os dedos entre meus cabelos e percebi que me encontrava completamente suada. J-Hope finalmente se retirou de dentro de mim, tirando a camisinha e a colocando em algum lugar do chão.

 Deitamos um ao lado do outro, nenhum dos dois sabia direito o que dizer. Uma onda de vergonha passou por todo meu corpo e acabei rindo de toda a situação. Hoseok também começou a rir, colocando as mãos em seu rosto.

-O que foi isso? – Perguntei, ainda rindo. J-Hope respirou fundo, virando o rosto para me encarar. No momento em que nossos olhos se encontraram, foi como ver a pessoa que eu mais confio no mundo que não seja da minha família na minha frente.

 Mas aí Hani apareceu na minha cabeça, então deixa pra lá.

-Eu devo ter te chocado um pouco, não?

-UM POUCO? Querido, você me deixou boquiaberta. Não sabia que era desse jeito, nunca deu sinais… – Ele sorriu, tirando o cabelo do meu rosto.

-Ou talvez você nunca tenha percebido. – Dei de ombros, respirando fundo.

-Que loucura. Você conseguiu me deixar completamente entregue nos seus braços há uns minutos, como fez isso? – Perguntei, sorrindo. Ele começou a rir e depois fez um sinal de silêncio.

-Segredos de um mestre não podem ser revelados – Começamos a rir e então, do nada, J-Hope me colocou entre seus braços, minha cabeça em seu peito nu. – Me desculpe se te machuquei, tudo bem? Ás vezes pode ser que eu perca a noção e faça alguma coisa bem errada.

-Você não me machucou nem um pouco, pelo contrário, só me fez perceber o que eu estava perdendo em todos esses anos. – O garoto sorriu e mexeu no meu cabelo.

-Se você diz, então prepare-se para as próximas vezes. Isso foi só a ponta do iceberg.

(…)

 No dia seguinte, fomos para a aula juntos e eu notei que estava me sentindo diferente. Mais sexy, talvez? E com dores também, depois de uma noite dessas, quem não? 

 Chegamos na sala bem cedo, havia apenas cinco pessoas ali. Incluindo Hani. J-Hope foi falar com Namjoon, um de seus amigos, e eu corri para a mulher da minha vida.

-Nem te conto. – Falei, me sentando ao seu lado. Pelo menos tentando.

-O que aconteceu dessa vez? – Seus olhos quase brilhavam e ela parecia uma criança animada para receber um doce.

-Podemos dizer que eu vou ter certa dificuldade para dançar hoje.  

A/F: Me exaltei.

//MinSuga

exams; hybrid!jun smut

[y’all so shy ;-; pls request ;-;]

You dragged your feet to your room, ignoring Junhui’s presence. Junhui was a dog hybrid, so he has a monthly urge of mating. Poor you, today was his first day. You sat down on your study table as you placed your head down; almost drifting off to sleep, but someone disturbs you. “Yah!” He exclaims, pouting. “You’re ignoring meee!” said in a whiny voice, his tail wagging from side to side. “I’m sorry, baby. You know im on exam period and i need to study hard. Later, okay?” You said, stroking his arm. “Noooo~ i need you now~” he says, stomping his feet childishly. It was hard taking care of a hybrid, i mean; imagine almost every month hes like trying to break you down. Junhui was an aggressive one when hes on his monthly urge, meaning for 3 days you cant walk properly.

you took your books out and set them on the table, junhui sitting on your bed; pouting. “Jagiyaaaaa~” he calls out, you shrug in reply. “What?” Annoyed, you slam your text book onto the table, playfully glaring at him. “I cant take it anymoreeee~” it was true, you can see his member fully erected; you blush, walking to the bed as you sat infront of him.“You can enter inside me, but only one round. Okay?” you say in a reasuring tone, making him bright up like a new light bulb.

You start taking off his pants and boxers, his member springing out with confidence; you look at the tip oozing with pre cum, it was like it had its own life, it was begging for attention. You licked your thumb and played with the slit, causing Junhui to moan. “M-mh..” he grips the sheets, bracing himself for whats next. You started licking and sucking on the tip, Junhui trying to hold back his moans. “I didnt say you couldn’t moan.” You giggle seductively, making him moan happily. You sucked on his member for a few more times as his climax started to approach, “i-im close…” He moans out, you stop. “Im gonna finish studiying, biology is my weakest subject.” You say, walking over to your study table. Before you sit down, Junhui quickly sits down before you without you noticing. When you sat down, you felt his erect member against your back, “Jun!” You whine, stomping your feet childishly. “i won’t do a single thing.” He promises, smirking behind you.

You started listing down the important things down on a piece of paper, mumbling words that were connected to what you were studying, Junhui slowly ran his hand against your thigh; your hand quickly slapping his hand aways as he whimpers. “Jun…” You say in a warning tone, he whimpers like a dog in reply. “Im sowwy..” He replies, looking down as he pouts. “Pwease, (Y/N)?” He begs cutely, sending you to your limits. “Fine!” You reply annoyingly, continuing to study. His hand starts traveling to your inner thigh, slowly going to your core. He presses his middle finger against your core, feeling your wetness; you whimper softly as you grip the pen you were holding tightly. He slips his hand inside your underwear, starting to tease your wet core. You whimper and moan as he pumps his finger in and out your core, “j-jun~” you moan out as your climax started to approach, “i-im close~” he pulls out, carrying you over his shoulder as he spanks your ass.

“I’ll make you feel how you teased me.”

-admin sooji 💞 


hey kliner fam! please request more~ I’ll accept cosmic girls imagines for male or female readers! i, of course, a smut addict; will always accept any kpop smut request! Thank you~