infanty

Eu menti porque você – sendo você – projetaria milhões de medos e fantasias e paranoias e fantasmas do passado em cima de um acontecimento tão trivial. Eu menti porque eu sabia que você faria essa tempestade de lágrimas e acusações infantis. Eu menti porque eu sei como você é.
—  Gabito Nunes.
Eu gosto de você de formas objetivas e subjetivas. Reais e verdadeiras. Naturais e puras. Alucinógenas e infantis. Gosto de você de muitas maneiras. Do avesso. Ao contrário. Do outro lado. Esquerda. Direita. Frente. Verso. Gosto de você com champagne e morangos. Com água e nhá benta. Te gosto com amor e com ódio. Com mágoa e alegria. Com decepção e, quem sabe, esperança. Te gosto em todos os significados da palavra “gostar”. Significados existentes e inventados.
—  Clarissa Corrêa.
Quero renunciar a tudo.
O empalidecer das ânsias,
as loucuras confidenciais, a morte,
tudo!
Quero estagnar o tempo e jovializar
meus sonhos já gastos;
tenho que realizá-los, necessito realizá-los!
Há tanto foco para futilidades,
e neste passo os homens abismam
qualquer irrelevância.
Por que meus sonhos que seriam
os ridículos?
Por que meus quereres são infantis,
se toda alma enrugada de desprazer
anseia por mocidade?
Deixem-me abolir o esquecimento,
permitam que meu corpo se banhe
do perenemente onírico
e se satisfaça daquilo que não é
tangível.
Deixem que eu me descuide sem asas
e pouse na imensidão 
das coisas insabidas!
—  Lorenzo Fonseca
2.3.11

is it selfish of me for wanting him to stay? I honestly would give anything to have him stay. I have only gotten to spend two weeks with him. It’s not fare. I swear it’s like Dear John. I never thought that it could happen in real life, but it has. I’m not in love with Jared, but I feel myself falling. And he leaves tomorrow morning at 8:30. What am I supposed to do for five months? I know I’m going to be worrying myself sick about whether I’ll get to talk to him or whether he’s okay. I know that my family and Whit will make sure that I don’t go crazy. And I plan on going and seeing his family whenever I get the chance to. It’s just going to hurt so much when he leaves.

Quando você foi, foi o dia que eu fui também. Fui deixando o que eu costumava entender sobre a vida. Em plenos dezoito anos, sentia como se tivesse vivido sessenta. Eu queria escrever alguma coisa pro dia de hoje, sobre você. Alguma coisa que não me doesse tanto e, que infelizmente no fundo dói. Eu fico me esforçando para ir adiante com alguém, sem perceber que a única coisa que acumulo com todas as tentativas — infantis — são mágoas e saudades. Quando você foi, eu fui também. Para o outro lado da margem, para o outro lado de mim que eu nunca conheci direito e, que sem querer você me fez olhar com cuidado. Quando você foi, eu fui.
Quando você foi, também se tornou um alguém que eu escrevo sobre. Você foi embora e ao invés de te varrer da cabeça, continuarei acomodando você de um jeito bonito dentro de mim e, dentro de tudo que eu escrevo.
—  Amanda Medina
Acho engraçado quando leio um poema que escrevi e me lembro do que motivou aqueles versos. De vez em quando sinto saudade, porém, na maioria das vezes, eu só sorrio. É bom ver que passou mas que também foi bom. Não me arrependo de nenhum segundo que passei ao seu lado, apesar de tudo, das brigas, da bebida e das palavras cuspidas. Eu passei tanto tempo te odiando por tudo. Culpava meu fracasso no nosso relacionamento. Foi mesmo brutal, e me destruiu inteiramente. Eu estava apaixonada e não pretendia ir embora. Você me roubou por inteira, talvez tenha passado dos limites, mas eu gostei. Eu gostei de tudo. Eu gostei de você. Eu ainda gosto. No começo eu estava apavorada com tudo, com a possibilidade de ter que me enfrentar, mas quando você estava comigo parecia que a balança equilibrava e a corda não arrebentava apenas para o meu lado. Era com você que eu dividia meus problemas infantis e eu sinto falta disso, muita falta. É difícil achar alguém que você possa contar seus segredos, que pare e te escute, mas você fazia isso. Escutava meus profundos desabafos, e me confortava. Muitos dos meus poemas vieram de momentos de dificuldade que você estava lá. Mas agora não está, e a pior parte de cair na tentação de lê-los são as lindas lembranças de você que eles me trazem. Lembranças que me faz querer voltar no tempo e poder continuar andando ao teu lado, com nossas mãos juntas e sem se separarem por nada. Mas elas se separaram. Hoje eu vivo aqui, e você aí do outro lado. Porém, eu ainda te quero aqui. Do meu lado, com as mãos nas minhas e sem me deixar novamente apenas com as lembranças de velhos poemas.
—  By: Renata, Beatriz, Samara and Ana Laura written in imperfeita-s
A felicidade anda tão escassa que vão passar a escrever histórias a respeito em livros infantis e eles ficaram tão impressionados quanto em um espetáculo de mágica.
—  Sued Nunes
Não tenho mais idade para me encantar com os programas infantis

Mas há muito mais poesia neles que na programação adulta. Enquanto as novelas contam sobre a ambição, o sexo e a traição, no discovery kids vejo a história de Ruby. Ruby é um farol amarelo e preto que ilumina todas as noites. Ruby é quem impede os grandes naufrágios, que evita catástrofes… E todos os dias o pescador para frente a Ruby e a agradece por se manter parada, por não sair do lugar… Porque se não fosse estática, ele provavelmente, colidiria com rochas, perdido em seu percurso, provavelmente afundaria. Porque Ruby é a luz dos mares, é quem anuncia a costa, é quem assegura as viagens. E Ruby tem uma história tão mais bonita que esses enredos adultos de sexo implícito… E me parece que já não tenho idade para histórias bonitas assim. Já passei da idade de acreditar no mundo, de observar os detalhes, de admirar o pouco de beleza que reside nas pequenas coisas da vida. Mesmo assim, o faço. E, ainda bem, que sim.

Liza Bolarg

Não quero que você vá. Estar sem você me deixa um vazio, sinto que falta algo dentro de mim e que não estou mais completa. 
Quero sentir o que só sei sentir com você. O frio na barriga, mãos e pés suando, milhares de pensamentos bobos do tipo ‘será que ela vai me achar linda hoje’, 'quem irá dizer oi primeiro’, 'esperar que ela me beije e beijá-la?’. 
Sou bobona. Penso em coisas assim, infantis. Mas é o meu jeito. Gosto de sentir essas coisas. Gosto de passar horas pensando em um monte de coisas que pra você pode ser besteiras mas pra mim são sonhos que espero ser reais um dia. 
Me sinto sozinha sem você aqui. É como se eu tivesse perdido algo de mim. É como se nada pudesse me completar novamente. Não quero que você vá.
—  Carol Linhares
Sabe, eu pensei que era única pra você, afinal, você me fez sentir assim. Me deu todos os motivos para acreditar que eu era ela. A escolhida, que todos falam em filmes de comédia romântica. E o mais idiota de tudo, é que eu acreditei. O problema, é que eu queria estar em uma comédia romântica, com tudo tão planejado, você sabe exatamente a ordem dos fatos, e como lidar com cada um. O cara se apaixona pela garota, ele é um idiota ou ela é uma idiota, não importa a ordem. Eles se conhecem, mas sempre relutantes em estar um com o outro, então eles encontram algo que faz aquela faísca do romance desabrochar, e logo após o grande beijo, é descoberto algo que os separa, mas você nunca tem que se preocupar, porque é uma comédia romântica. Ela é feita para você acreditar no verdadeiro amor, igual a filmes infantis, que te fazem crer em papai noel, ou na fada do dente.
—  Onde foi que tudo deu errado? 

L'altra sera ero con lui a cena da madre, e finito di cenare lei mi ha mostrato delle carte che conserva di mio nonno. Sono dei fogli degli anni 60 che servivano ad appuntare su carta il proprio albero genealogico(sicuramente hanno un nome preciso ma adesso mi sfugge). Mio nonno aveva 12 tra fratelli(/sorelle), e fratellastri(/sorellastre), erano riportati tutti ad accezione di quelli morti infanti, con le rispettive date di nascita ed in alcuni casi di morte. Ovviamente con gli anni poi son morti quasi tutti, come è morto lui.
Ricordo che mio nonno era molto legato alle sue radici(i suoi fratelli erano rimasti praticamente tutti in campania), con alcuni si sentiva spesso, quindi li ricordo almeno per nome, come ricordo quanto si oscurava ogni volta che ne moriva uno, deve aver sofferto tanto. Ricordo visivamente solo uno di loro, che era la fotocopia di mio nonno.
Ho chiesto a madre se ce ne fosse qualcuno ancora in vita, non so perché ci speravo, e mi ha detto che una zia è ancora viva e nonostante sia molto anziana, è in salute. Ogni tanto la sente per telefono.
Le ho detto tipo: “Ma come una è ancora viva e non andiamo a trovarla?!” Mi ha risposto che somiglia pure lei tanto a nonno, e da quando è morto non riesce a vederla. Ha paura che le farebbe troppo male.

Io invece vorrei vederla, è una cosa difficile da spiegare, ma è come se qualcosa di mio nonno a cui ero legatissima, fosse ancora qui, in vita. Vorrei salutarla, vedere quanto gli somiglia, sentire qualche storia su mio nonno. Sentirlo ancora fisicamente un po’ qui.

Céu engarrafado numa alma em transe

Declives alucinógenos que num não-beijo se devoram

Luzes saltitantes que numa cratera se destoam

Borboletar intrínseco e incessante mergulhados num caos emanante


Desejo imparcial de desejar não-sei-o-quê

Um invisível caos de auras em preto e branco ou colorido que não saem de você

Vácuos encaixotados e num perene infinito engavetados


As vertigens curvas do horizonte sussurram algo que tento entender

As melodias berram mensagens inteligíveis para mim, que não sei ler

Minhas poematuridades infantis traduzem apenas partes do que se diz


Minh’alma arquiteta anseios num idioma desconhecido

Em formas de vestidos de acácias amarelas e outras viagens sem sentido,

Enquanto sinto resquícios de não-batalhas inconclusivas no porta-malas esquecidas


Buracos negros onde certezas são fundidas a inteiros mares de galáxias

Uma porção de reflexos distorcidos pelas águas

E assim termino sendo o espelho do espelho de respostas mal formuladas…