implicantes demais

“Escreve num papel qualquer, amassa e joga fora…"
— Ainda ta bravo?
— Eu? Não, nem tava. Não perco mais tempo com essas coisas.
— Então eu sou perca de tempo? — Ela disse aumentando o tom de voz.
— Começou… Agora quem ta irritada é você. — Ele respira fundo. — Cansei dessas coisas, a gente sempre briga por tudo.
— Você é implicante demais.
— Eu respiro e tu grita comigo já…
Silêncio.
— Ei, imagina quando nos casarmos? A gente briga e tu vai dormir no sofá.
— Eu? Claro que não, sou o homem da casa, eu fico na cama do seu lado, caso não gostar vá pro sofá você.
— Como é? Eu tranco a porta do quarto pra você não entrar, vai ser obrigado a dormir na sala.
— E outra coisa, faça umas aulas de culinária porque você cozinha mal demais. — Ele começa a rir.
— Eu cozinho bem quando quero.
— Difícil é querer né? — Ele continua rindo enquanto ela faz careta.
— Porque planeja tanto um futuro comigo?
— Gosto de planejar o impossível…
Ela o olha torto e se afasta dele. Ele se aproxima e encosta a cabeça em seu ombro a olhando.
— Ei…
— Que foi?
— Que foi digo eu. O que tu tem?
Silêncio.
— Desculpa. É que, a gente ta tão sei lá que parece impossível nos casarmos ou termos filhos um dia, morar junto e tudo mais…
— Casar? Quer se casar?
Ele olha pra cima.
— Responde, quer se casar?
— Eu?
— Não. To perguntando pra televisão. — Ela sorri forçado.
— Ah… Legal…
— Me responde garoto.
— Sinceramente? Não quero não.
— Não? Hm, porque?
— Meus avós viveram diversos anos juntos, e não eram casados sabe? Apenas juntaram as tralhas e foram pra um lugar longe de tudo, sem julgamentos. Eles só viviam juntos…
— E o que isso tem haver?
— Tem haver que meus pais se casaram e nunca se amaram.
— E…?
— E que eu quero ficar contigo, a gente não precisa casar na frente de uma multidão pra eu ser seu e você minha. Podemos só ficar juntos, mesmo que seja sozinhos numa cama apertada.
Ela o abraça e beija sua testa.
— E se a gente brigar? Porque você é um chato e vamos brigar sempre.
— Se a gente brigar, tu escreve tudo o que quer me dizer, as besteiras, palavrões e xingamentos…
— O que faço depois de escrever?
— Amassa e joga fora. Afinal a raiva vai passar mas o nosso amor vai ser pra sempre.”