igual aos outros

Você não era nada igual aos outros. Nada. Tinha olhos de uma cor tão linda, que eu nunca vir em nenhum outro olhar. Tinha um sorriso tão lindo, tão convidativo, te ver sorrir era como um convite a sorrir também. O som do seu sorrio, tinha som de inocência, de pureza. Eu sempre amei a criança que existia em seu riso. Seu andar, seu rebolado involuntário, seus passos medidos. Sua preguiça charmosa e irritante. Seu ar sexy. Sua voz. Ah! Sua voz! Ouviria ela todos os dias, do outro lado da linda, no toque do celular, nos auto-falantes da cidade, com sorte ao pé do ouvido. Suas mãos. Sempre gostei de pensar que elas tinha o encaixe perfeito para as minhas. Seu jeito, seus trejeitos. Suas manias, suas covinhas. As cicatrizes da sua alma, da sua pele. Seu coração. Seu amor. Sua companhia. Nada em ti era igual a qualquer outro. E foi isso que amei em você. Isso que sempre amarei em você. E se você fosse igualzinho aos outros? Amaria também. Porque ainda seria você.
—  C.
Eu quero me dedicar pela gente.

Eu sei que antes de mim já te disseram que gostariam de se dedicar por você, ou pelo menos algo parecido. Sei que antes de mim você se permitiu viver coisas com pessoas que demonstravam querer cuidar de você, mas que se mostraram pessoas mais dispostas a fazer sofrer e, assim, nada responsáveis com o que você sentia. Eu sei. Eu sei que até que eu consiga provar ser alguém legal, serei só mais um alguém em potencial para te machucar. A realidade é bastante cruel. O mundo mudou e hoje a gente coleciona mais histórias ruins do que boas. Eu sei! As coisas nunca foram fáceis mas agora se tornaram quase impossíveis. Mas, se você quiser e deixar, eu gostaria de me dedicar pela gente. Eu entendo seus receios porque imagino que as coisas que estou te dizendo soam familiares de tempos antes de mim. Mas, assim como aqueles tempos são outros, eu não me sinto alguém igual aos outros. E isso não me faz alguém melhor que todas, pelo contrário, mas me motiva a te mostrar ainda mais quem eu sou. Eu não consigo, porém, te provar que eu sou alguém diferente sem te fazer nada. Eu só vou ficar aqui falando e falando, mas eu não quero ser essa pessoa. Eu quero te mostrar. O único ponto para isso acontecer é que eu preciso de um voto de confiança seu. Eu quero me dedicar pela gente mas isso só vai funcionar se você quiser também, se você se permitir – mesmo com tantas feridas abertas antes de me conhecer -, se você avaliar como possível confiar na minha vontade de trocar seus dias ruins da vida por alguns bons. O que eu quero te mostrar é que grande parte das suas dores eu já sofri também. Que eu já mergulhei em histórias que me afogaram, que eu já acreditei em verdades que sempre foram mentiras, que eu basicamente vivi grande parte das bostas que você viveu, mas eu acho que isso sempre me preparou para fazer bem a alguém, tipo pela gente agora.

Eu não quero te assustar, tampouco te pressionar.

Eu só quero te mostrar que da mesma forma que você deixou de confiar nas pessoas – e com razão -, também pode ser bom quando a gente abre uma exceção. Mas eu só quero isso se você estiver bem. Hoje, por enquanto, eu sou só alguém com vontade de fazer bem a você, a mim e a nós. Eu quero ver como a gente vai conseguir colorir os dias que pintaram de cinza. Eu quero ver como a gente vai rir do nosso passado e como vamos celebrar as chances que damos a nós mesmas para a nossa vida melhorar um pouco. Eu sei que tá foda, mas vai que juntas a gente não vê se fica um pouco menos, né?

Escolhi mudar, escolhi novos ares, novos lugares, novos olhares, escolhi ser eu mesmo, sem preconceito do que eu sou, sem me julgar por minhas escolhas, troquei, mudei, e me formatei, me disfiz, e me refiz, mas entre tudo isso, não deixei que dentro do meu coração se perde-se o essêncial, que era não me sentir anormal por não ser igual, aos outros.
—  Gravetos
Meu coração dói

Meu coração dói porque eu acreditei em você, eu realmente achei que você não era igual aos outros canalhas os quais conheci, achei que você não me machucaria, achei que você se importava de verdade. Mas o que mais dói é que você me fez acreditar em tudo isso e no final, você só foi mais uma decepção pra minha lista. Você me fez gostar de você e agora tá indo embora e eu tô aqui, sentindo sua falta. Estupidez né!? 

quando eu tinha dezessete anos, não me amava. eu observava o corpo das outras garotas e me culpava por ser diferente. com dezessete anos eu cogitei parar de comer, talvez assim alguém notasse meu esforço desesperado de me encaixar. e permitisse que eu fizesse parte de algo.

quando eu tinha dezessete anos, usava blusa largas tentando disfarçar as gorduras e despejava minhas ansiedades comendo mais. quando eu tinha dezessete anos, ser igual aos outros me parecia ser a coisa mais importante do mundo [eu percebi que não era]

com dezoito anos, eu tentei me amar. mudei o cabelo, emagreci, engordei, tive estrias, aprendi a me aceitar. com dezoito anos eu entendi que quem forma os padrões somos nós e o meu padrão sou eu, mas eu condicionei meu amor próprio ao amor de alguém. se alguém me achasse bonita o suficiente para me amar, eu também me amaria. mas essa não é a realidade

com dezenove anos, eu entendi. durante toda a adolescência eu lutei por estar num lugar que não me pertencia. cada um pertence a um espaço no universo e cada um tem um mundo de planetas bonitos demais dentro de si.

com dezenove anos eu entendi que o amor próprio não estava condicionado à nada, ele apenas é

como uma música que surge numa roda de amigos e vira um sucesso total
ele apenas é
como um beijo que acontece entre duas pessoas que estão magnetizadas
ele apenas é

Ops! Engravidei - Mãe de Primeira Viagem

O que eu diria às mamães de primeira viagem, com base no que eu vivi e no que eu gostaria de ter vivido:
Faça um chá de bebê.
Não pelos presentes que você irá ganhar, mas para ter um momento descontraído entre amigas.
Por um tempo você sentirá falta disso.
Tire muitas fotos grávida.
Esse barrigão deixará muita saudade. Acredite.
Converse com seu bebê na barriga e quando ele mexer, pare tudo o que está fazendo e curta esse momento.
Amamentar não é tão fácil quanto parece.
Se for preciso busque orientação de um especialista.
Mas não desista.
Cheire seu bebê logo que ele nascer.
É o cheiro mais maravilhoso do mundo.
Sua vida irá mudar, você passará por momentos difíceis, mas se sentirá extremamente feliz.
Diga não às visitas quando estiver cansada. As pessoas entenderão.
Bebês choram.
Não se desespere com o choro.
Sua calma transmite calma a seu filho.
Escove os dentes e faça xixi logo ao acordar, mesmo que para isso seu bebê precise esperar um pouquinho.
Muitas vezes quando você se envolve em atender seu pequeno você não terá tempo pra isso.
Sentimentos contraditórios são absolutamente normais.
Não espere que seu esposo compreenda o que você está sentindo.
A maioria não entende e jamais entenderá os sentimentos de uma mãe.
Seus banhos não serão mais os mesmos, por isso sempre que tiver ajuda com o bebê tome um banho tranquilo.
Isso ajuda a descansar e se recuperar das noites mal dormidas.
Palpites enchem o saco, mas não se desgaste por conta deles.
As pessoas não fazem por mal.
Faça cara de paisagem e ouça apenas seu coração.
Não se queixe pelas renúncias que terá que fazer, tudo é apenas uma fase e logo as coisas voltam a ser como antes.
A única coisa que não volta é o tempo com seu bebê.
Essa história de contar até dez é balela. Conte até um milhão.
Chorar de cansaço faz parte.
Enxergue o mundo com os olhos de uma criança e serás uma mãe mais leve.
Jamais compare seu filho com outros bebês. Cada um tem seu tempo.
Não se frustre a toa.
Seu bebê é normal.
Nenhum filho é igual ao outro.
Você será mãe de primeira viagem independente de quantos filhos tiver.
Ore pelos seus filhos.
A oração de uma mãe é poderosa.
Certo é aquilo que traz paz ao coração.

(texto lindo e verdadeiro que encontrei na página Jeitinho de Mãe)

Sim, você é I-N-C-R-Í-V-E-L!

1. Você costumava chegar em casa e não me avisar

Embora eu achasse você chata por isso…

2. Você costumava virar os olhos e ficar vesga para mim

Embora eu achasse você chata por isso…

3. Você costumava não querer tirar fotos juntos

Embora eu achasse você chata por isso…

4. Você costumava sempre ficar encima do muro de onde devíamos ir

Embora eu achasse você chata por isso…

5. Você costumava sempre me fazer ouvir kpop

Embora eu achasse você chata por isso…

6. Você costumava sempre não querer ficar no meu colo e sim me dar colo

Embora eu achasse você chata por isso…

7. Você costumava dizer que me amava mais

Embora eu achasse você mané por isso…

8. Você costumava sentar em qualquer lugar da mesma maneira encima das pernas

Embora eu achasse você mané por isso…

9. Você costumava sempre ficar roxa de tanto bater a perna na mesinha de centro

Embora eu achasse você mané por isso…

10. Você costumava beber coisa pra caramba pra tentar arrotar na minha frente

Embora eu achasse você mané por isso…

11. Você costumava tentar me abraçar forte mesmo sabendo que não conseguiria

Embora eu achasse você mané por isso…

12. Você costumava me tirar do sério enquanto eu estava no telefone

Embora eu achasse você mané por isso…

Embora eu sempre tenha dito que você não era muito normal, que você era bem diferente, saiba que você é incrível, mesmo que eu tenha dito isso a você várias vezes e você nunca tenha colocado fé, sempre dizia que era toda errada e uma pessoa imperfeita, saiba que você é sim garota, você é incrível, uma imperfeita incrível. Eu sempre te disse que nunca iriamos precisar ser igual aos outros, nós somos quem somos e não devemos mudar para agradar um ao outro, devemos ser fiel a quem somos, igual o colar que eu te dei e você dizia estar errado… mas o que quero dizer é que não devemos ser e viver do jeito que os outros querem que vivemos, não devemos agradar aos outros, devemos agradar a nós mesmos, afinal, quem vive o que vivemos somos nós, quem passa pelo o que passamos somos nós, ninguém sabe o quão é difícil estar na nossa pele, enfrentar tudo e todos por nós mesmos, são tantos problemas, tantas dores de cabeça… as pessoas nem imaginam. Mas você é incrível, embora suas manias fossem peculiares, as vezes me incomodavam e eu te achava chata, as vezes me alegravam e eu tinha todos os motivos pra te chamar de mané, mas elas tinham todas algo em comum, elas me encantavam, porque não importava se fazia isso pra me irritar ou pra me alegrar, no final das contas, você fazia por mim e eu achava aquilo incrível, incrível como você.

PS: VOCÊ É INCRÍVEL! EU AMO VOCÊ E TÔ MORRENDO DE SAUDADES.

I didn't realize

a minha necessidade de ser de alguém era tão grande que eu não percebi. Eu não percebi que não era recíproco, que você era igual aos outros, que você só estava comigo por carência, que você era pequeno demais pra qualquer um caber em você, que eu me machucava pra te curar, que eu não devia ter me envolvido. Eu simplesmente não percebi, e quem pode me culpar? você parecia ser a melhor coisa do mundo mas quando você se foi a ficha caiu. Eu merecia mais. Eu mereço mais. Você é pequeno demais pra minha imensidão, você merece alguém tão limitado quanto você e eu sou grande, eu sou infinito e me orgulho disso. Sentir não é errado, meu bem.

Estou cansada, cada vez mais incompreendida e insatisfeita comigo, com a vida e com os outros. Diz-me, porque não nasci igual aos outros, sem dúvidas, sem desejos de impossível? E é isto que me traz sempre desvairada, incompatível com a vida que toda a gente vive…
—  Florbela Espanca.

sobre o primeiro amor

essa história é batida e clichê. me apaixonei pela primeira vez aos treze anos e durante seis anos mantive esse sentimento dentro de mim por acreditar que o amor sobrevive à todos os obstáculos e vence cada um deles. eu costumava acreditar que o amor era suficiente em todas as suas camadas. e não é.

quando se diz as três palavras quase que proibidas “euteamo”, um portal se abre e você passa a se conectar com alguém num nível maior-ao menos na minha perspectiva- e é aí que começa o perigo. ao meu primeiro amor, eu dedico essas palavras. o amor pode ser traiçoeiro. você se apaixonou por uma eu que não existe e eu me apaixonei por um você que não existe. porque como uma amiga já me explicou fisicamente, nós nunca nos tocamos verdadeiramente e, psicologicamente, nós só amamos a ideia que construímos de alguém. e eu te fiz muito maior do que você era. [sem querer te diminuir, mas você nunca foi meu príncipe encantado e essa história de amor eterno não existe].

meu primeiro amor me ensinou que fantasias não existem e eu não sou uma princesa a ser salva. meu primeiro amor me ensinou a não confiar em olhares brilhantes e palavras bonitas. é preciso acreditar em atos. fatos. e nada disso estava presente. meu primeiro amor me tirou a inocência e eu sou grata por isso. para viver numa cidade de pedra que destrói sonhos, é preciso ter malícia e reconhecer os olhares brilhantes que escondem a maldade de dez assassinos em série. porque os heartbreakers são assim.

meu primeiro amor me ensinou a ter um coração partido e me ensinou a repará-lo. quando seu coração é partido pela primeira vez, o chão te engole, o céu fica cinza e nada mais importa. nada é maior do que a sua dor naquele momento. essa não é a verdade, nem de perto. o primeiro amor sempre vai te marcar. você sempre se lembrará do primeiro beijo e de como você pensou que passaria o resto dos seus dias naquele abraço. mas por trás de um primeiro amor existem milhares de outros. e tudo bem aceitar o fato de que não se ama só uma vez

tudo bem aceitar o fato de que não se ama só uma vez e que nenhum amor será igual ao outro. porque nós temos a terrível mania de comparar sentimentos. é preciso lembrar que sua próxima paixão será uma pessoa diferente, com um passado diferente, com manias diferentes, sorrisos e beijos diferentes. e tudo bem. a mudança pode ser boa

o meu ponto nesse monte de palavras juntas é lembrar que primeiros amores existem e eles podem-ou não- serem eternos. o meu não foi. e é preciso ser forte para realmente deixar ir. não se amarrar nem mesmo a tristeza por esse ser o último pedaço da pessoa em ti.

primeiros amores existem
segundos e terceiros também
pessoas vêm e vão e só você fica.
que o seu primeiro amor seja você mesmo(a).

As pessoas tendem a seguir padrões, e acabam sendo todos iguais, porém numa singularidade subjetiva, em seu interior, são todas diferentes. Todos buscam serem notados a todo momento, mas acham que ser diferente é a única fórmula de tornar isso efetivo. Fazem academia, tatuagem, compram o carrão, roupa de marca, viajei pra tal lugar, postei! Me vejam! Me notem!. As pessoas tendem a isso, fazem tudo igual aos outros, mas só resultam a elas serem diferentes quando a intimidade é consigo mesma. Fala-se de que somos todos uma exteriorização do que esta em nosso interior, eu penso que as pessoas exteriorizam sim o seu interior, mas por um crivo representativo, ou seja, expõem um personagem criado a partir de um emocional problemático, digamos distorcido, pois não possuem capacidade aperfeiçoada (maturidade psíquica) de externalizarem a legitimidade de si mesmas, por isso tanto teatro, tantas máscaras, tanto medo. Quase tudo é artificial, quase tudo é superficial, vivemos na superfície, e nos ancoramos em aparências para dar crédito a nossa identidade real, identidade tão ainda buscada e meio que implorada ao outro a partir de acessórios, brilho, espiritualidade grosseira e forçada, áudio, visual. Não temos uma essência e estamos considerando que sermos frívolos no contexto social nos torna o máximo, num mundo onde a maioria é composta por idiotas. Desculpe mas você é um idiota, e eu também sou. O filme da vida em cartaz tem sido “Debi & Lóide”, em que as tolices superam os dramas que nos fazem chorar e as comédias que nos fazem rir. Pelo menos assistindo um filme verdadeiro nos fazem expor sentimentos mais legítimos do que o teatro podre que tem sido nossas vidas, que tem gerado em nós mais frustrações do que êxitos morais e emocionais. Sim, tente usar menos máscaras e o preço sera altíssimo: isolamento, fobias sociais de qualquer tipo, traços ou estruturas de depressão, pânico, simplesmente porque a maioria das personalidades desse paradigma contemporâneo não tem uma identidade singular, uma identidade própria, preferem ser iguais, ao invés de únicas.
—  Ronaldo Antunes
Hoje em dia tudo passa extremamente rápido. Tudo é momentâneo. Você pisca os olhos e já é um outro, um novo dia. Mas esse novo dia acaba sendo exatamente igual a merda do dia anterior, que foi também igual aos outros e outros dias anteriores. E assim chegaremos até nossos últimos suspiros, percebendo que estaremos morrendo sem termos feito nada de interessante. Que grande porcaria.
—  Raphael Henrique, Desalentou.
Mais cedo ou mais tarde ele vai embora, vai fazer o que os outros sempre fazem. Ninguém aguenta ficar muito tempo em sua vida, ela é difícil de mais e acho que ele é mais um que não gosta de lidar com dificuldades. Mas ela o ama. Por mais difícil que seja acreditar nisso, é verdade. Ela não queria que fosse assim. Mas é o jeito dela e isso eu acho que não vai mudar. Ela não consegue fazer melhor, não consegue fazer mais do que ja fez, essa pode ser a sua chance de chegar e da uma sacudida nela e falar que a ama e que vai ficar do lado dela mesmo quando tudo tiver complicado, mesmo se ela pedir pra você sair porque não te ama mais. Vai lá e fala pra ela que você não é igual aos outros, que nunca vai abandonar ela porque você a ama. Não deixe-a acreditar que você é igual aos outros, porque pode acontecer dela se antecipar e querer fugir de você pra adiantar a tristeza e não ficar prolongando algo que acha que não vai pra frente. Mas vai depressa porque seu tempo pode acabar. E ela pode acabar não te esperando.
—  Ellen Souza
Eu nunca fui boa em matemática, nunca tive facilidade para aprender igual aos outros. Por outro lado, eu sou boa em redação, eu sou boa com textos argumentativos de sociologia. Eu não me imagino calculando nada futuramente, eu definitivamente não quero isso pra minha vida. Meu raciocínio é lento quando se trata de números, mas quando é pra dar minha opinião, escrever algo ou argumentar, ele é rápido. Por ser muito “do contra”, não concordo que eu tenha que estudar cálculos na escola, e se o Enem realmente quer me ajudar a entrar em uma faculdade, eu não deveria selecionar as matérias em que me dou bem?! Não concordo com médias da escola, adoraria entender o motivo pelo qual eu PRECISO atingir uma certa média. Se eu não fui bem em uma matéria e nao atingi a média (coisa que pouco me importa, sinceramente) eles ja mudam a cor da minha nota só para dar ênfase que eu definitivamente não fui boa naquilo. Se eu continuo indo ruim, fico de recuperação, a matéria que eu nao aprendi em dois meses, sou obrigada a aprender todinha para fazer uma prova! A escola ja me procurou para me dar aulas de reforço grátis? NÃO. O dinheiro gasto na minha aula particular, poderia estar sendo investido numa coisa que eu realmente sou boa. Não quero desmerecer nenhum professor com esse texto, não quero desmerecer as aulas, dizendo que só se eu fizer aula particular que eu passo, muito pelo contrário. Parabéns professor pelas suas aulas muito bem dadas, se todos conseguem aprender e eu não, obviamente o problema não é com você. Vejo anualmente na minha escola, os alunos premiados na Olimpíada Brasileira de Matemática sendo chamados para receber o prêmio na frente da escola toda, agora uma pergunta, se eu ganhasse uma olimpíada de português, eles me chamariam lá também?! Fica aí a minha dúvida. Se eu tiro total em redação, o que dizem? “Ah redação é fácil” e se  eu tiro uma nota bem baixa em matemática logo dizem que eu preciso estudar. O mesmo nao se repete com o aluno que tira total em matemática mas tira nota baixa em redação. Luto por direitos iguais, e mais que isso, luto para que eu seja reconhecida pelo que eu faço de bom, pelas matérias que eu me destaco. Não quero ser conhecida como a menina que não sabe calcular, quero ser conhecida como a menina que nao sabe, até tenta, mas o negócio dela é ser da humaninade. Eu sou de humanas.
—  iriscgo
Hoje só pode ser domingo.
Os dias foram mais melhores, mas depois de sua partida tudo ficou sem graça, sabe, eu sinto a sua falta e é isso o problema eu sinto falta de tudo e tudo em minha volta traz tua falta, quando partiu eu jurei que nunca mais iria te amar novamente e ainda disse aquele velho texto decorado que já tinha guardado a anos para se caso alguém chegar a partir sem pensar duas vezes. Irá partir com a certeza que nunca mais irá ter o que deixou pra trás. E hoje depois de 3 meses e 4 dias em um pleno domingo ele decide ligar, mesmo que eu não sinta mais nada por ele o meu coração insiste pulsar rápido isso é inevitável. Será que é amor ? Ou eu gosto de sofrer ?
— Alô, Julia ?
— Alô . “ Eu sabia que era ele no telefone, mas sabe depois de tantos meses, ele resolve ligar pra que ?.” Sabe isso chega ser assustador, eu ainda sentir algo por um traste como ele, enfim. Vai passar, não vai ser uma ligação boba com um dialogo de 5 minutos que irei perdoá-lo “
— Ta tubo bem ?
— To levando, o que você quer ?
— Ah, eu quero conversar…
— Nos não temos nada que conversar, aliás, nos não temos nada em que falar, tentar falar comigo só vai deixar as coisas mais piores, por favor, me esqueça e finja que eu não existo.
— Não desligue, por favor…
— Adeus.
Sei que eu fui meio grossa mas se eu ficasse ali por alguns minutos a mais eu iria perder a minha pose de durona e iria me entregar novamente. Enfim o melhor eu já fiz.
Julia, no fundo sabia que amava muito ele, mas não queria aceitar isso, ela nunca aceita alguém que a magoa tanto e depois foge como se não tivesse nada a perder, eles se amavam, bom a Julia o amava-o
No dia que ele foi ela ainda disse: Só não deixa eu deixar de lado. Não deixa eu me arrepender, não deixa eu querer largar tudo pra trás. Não me deixa ficar como tanto faz. Porque caso eu decida não ligar mais, caso eu decida desistir, eu não volto atrás. Não tem saudade, não tem nem papo meia boca. É simples: se eu for, eu não volto mais.
Ela estava tão disposta a perder a única coisa de valor. E perdeu. O que ela disse não adiantou de nada, só teve mais motivos para o garoto partir pra outra, ele tem cara que não quer levar nada a sério, quer se divertir e tudo mais. E um garoto igual aos outros, machucam uma garota e depois partem pra outra sem hesitar.
È a vida ou melhor isso é amor de uma pessoa, o que mais dói é amar por um e sofrer por dois. E tudo isso aconteceu em um domingo, um domingo qualquer e morgado, tudo poderia acontecer mais e aconteceu o que ninguém poderia esperar, o que ela nunca esperava. Ele ligar depois de meses e querer conversar normalmente, como as velhas pessoas dizem. Hoje só pode ser domingo.
—  Guilherme. 
Todo ano tem 365 dias. 365 oportunidades, 365 dias de alegria pra alguns, de tristeza para outros, 365 dias de verdades e mentiras. 365 páginas de um capítulo. Dias que finalizaram vidas, que iniciaram outras. Dias marcados por percas e ganhos. Por risos e soluços. Dias de encontros e desencontros.Dias de chegadas e partidas. Dias de amor e ódio. Mas principalmente, dias de descobertas. Descobri que achar que um ano vai ser igual ao outro é tolice. Um ano sempre vai render mais que o outro. Um ano sempre terá surpresas boas ou ruins. Em grande parte todas nossas expectativas são frustradas. Pensar que as lágrimas levariam tudo de ruim foi uma delas.
—  Desencontrou e Seja-Agridoce
E daí se o João gosta do Eduardo? Se a Mariana gosta de ouvir funk e se o José gosta de usar a cor de rosa? E daí se o Roberto se casou com a Joana que é oito centímetros maior que ele e se a Beatriz está namorando com a Clarice? E daí se o Antônio decidiu que quer viver sozinho? Ora… Somos todos seres humanos, mas cada um possui suas individualidades, suas particularidades. Nem um ser é igual ao outro e ninguém possui as mesmas vontades e desejos. Cada um é feliz da sua maneira e deveríamos respeitar isso. Respeito é o mínimo que todo ser humano deveria possuir.
—  Gabriela Brantes
Diferente de textos publicitários. Não escrevo para vender. Falo de solidão sem expectativa que me façam companhia. Expresso minha carência sem a objetividade de ter alguém para me acariciar. Conto sobre como desejaria ser amado sem a ideia de que alguém me ame. Transcrevo meus sentimentos, mas não quero vende-los, mas que sintam. Isso não é vender. É transmitir o que se passa em mim, pois pode ser igual ao que acontece com outros. E isso é oferecer, gratuitamente, conforto.
—  (via escrevinhar)
Sinto muito por ter sido fraca
Sinto muito por ter acreditado
Sinto muito por ter me importado
Sinto muito por te querer
Sinto muito por ter me entregado
Sinto muito por ter permitido a sua entrada aqui dentro
Sinto muito por ter visto coisas boas em você
Sinto muito por pensar que você não era igual aos outros
Sinto muito por ter me apaixonado
Sinto muito
Muito mesmo
—  p.