idealizable

Sabe, não sou nem de longe a melhor filha do mundo, muito menos a filha que você idealizou a vida inteira. Mas mesmo com todos os meus defeitos, mesmo com meu caminhar em Ziguezague, eu a amo. A amo tanto, que jamais poderei expressar tal amor com palavras, talvez nem com ações. Você é uma mãe engraçada, eu adoro isso. Agradecimentos pelos banhos, pelas noites perdidas, eu deixo pro dia dos pais, não é? Contudo, os agradecimentos pelos valores, pelo amor, pela humildade, pela capacidade de olhar o outro com igualdade, eu devo a você. Obrigada também por acreditar em mim, por depositar sua fé nos meus sonhos e por me apoiar. Sinto muito se não gosto de lavar a louça ou de limpar a casa, e reclamo e só reclamo quando eu faço. Você é corajosa (desde que não envolva cobras), fiel, muito temente a Deus, e como toda mãe, és uma guerreira. Obrigada por me amar de uma maneira imensurável e obrigada por ter me ensinado um pouco desse amor. E você é personificação perfeita da frase: “coração de mãe sempre cabe mais um.” CÉUS, todo dia me aparece um irmão diferente, mas tudo bem. Não é sua culpa se não sou uma pessoa simpática (o que você me lembra muito) e social, o que não vem ao caso hoje. Só quero que saiba que eu a amo e que sou grata por cada segundo que dedicaste a mim, embora não parece, porque meu coração parece mais uma pedra que um órgão. É que não sei demonstrar essas coisas, você sabe. Enfim, te amo. Feliz dia do: “outro livro?” Potter também te ama, então não fique brava se ele se empolgar demais e morder você, às vezes kkkkkk. E tu é uma rainha mesmo, o nome não nega.
—  Para Regina.
O “super-homem” de Nietzsche idealizou um sistema sem Deus onde ele mesmo controlaria seu próprio destino. Porém, como uma criança mimada que foge de casa, bastou a primeira sensação de fome para a humanidade descobrir que não tem autonomia sobre as rédeas da história. Precisamos de Deus e isso é um fato!
—  Trecho retirado do livro: Escavando a Verdade - Rodrigo P. Silva