i: lua

Quando nada fazia sentido,
você chegou de mansinho,
sem avisar ou pedir licença.
Foi conquistando um espaço enorme,
que ninguém nunca havia conquistado,
na verdade, nem sequer tentado.
Hoje, tudo continua não fazendo sentido,
mas você me mostrou que a vida,
não precisa ter sentido, para fazer sentido.
E ter você aqui, é suficiente para mim.
Quero não fazer sentido algum, todos os dias,
ao seu lado.

só consigo pensar no teu nome, no teu sorriso e em tudo o que fez comigo.
dói no meu corpo todo, acho que dói até em partes que desconheço em mim mesma.
e não me conhecer é um problema,
como posso amar tanto uma pessoa
se não me amo nem um terço igual?
e foi por isso que eu abri mão de ti,
por isso eu não insisti.
porque contigo tava tudo bem, porque você me amava e isso me bastava.
mas percebi que teu amor não era totalmente meu, e que meu amor era totalmente teu.
percebi ai um vão, algo que falta, quase um abismo.
você se ama, se respeita, se cuida e se preserva.
e eu?
ainda tô aprendendo a fazer tudo isso por mim, não mais por ti.
eu penso o tempo todo,
como faço? o que eu faço?
como posso mudar tudo isso em mim?
será que quando eu me descobrir, você vai gostar da descoberta?
ou uma pergunta melhor, muito melhor, será que eu vou gostar?
porque você,
você já não importa mais [eu tento não me importar], gostar de mim ou não,
você fez suas escolhas, que nos afastaram
e eu, tô aqui, tentando fazer as minhas.

Eu sei que as coisas estão difíceis. Que você tá fazendo o possível pra se manter de pé. Sei também que você acha que não é suficiente mas eu acredito que a tua luz vai brilhar ainda mais forte. E eu vou continuar aqui ao seu lado. Durante os tempos difíceis, durante as alegrias.. permanecerei aqui.
—  Pra-lua