hifen

Após muitas análises, cheguei finalmente a uma conclusão. Chega a um momento da vida em que as pessoas que são intensas demais, não só em relacionamentos amorosos mas também em amizades, acabam por ficar com nada dessa intensidade. Nem amores transbordantes, nem amores rasos, nem amizades transbordantes, nem amizades rasas. Muito menos as feridas ou cicatrizes que, por as pessoas serem tão intensas, acabavam sempre por adquirir depois duma desilusão ou faca nas costas.
Sempre me questionei o porquê de ser eu a sentir tudo demais, de ser eu a sofrer e a levar golpes na minha alma. Nunca soube bem porquê, mas hoje já tenho a noção que as pessoas de verdade são assim. Intensas, com um coração enorme, um mundo dentro da mente e da alma, e um par de cicatrizes e feridas na alma e no corpo. Nem todo o mundo enxerga isso, e continuam a fazer “trinta por uma linha”. E nós? Nós vamos levando a nossa vida, sofrendo, desmaiando, caminhando com os pés cheios de feridas, um coração que já nem coração é, e uma alma desgastada e sem lugar para mais nenhuma cicatriz. De tão desgastados que estamos, nossa intensidade deixa de existir, nossa vontade de viver é zero, e a nossa mente deixa de ter a beleza de antes. Acho que é nesse momento, onde todos os sentimentos se desvanecem e o que sobra é simplesmente um vazio, que, nos transformamos num abismo existencial. Porque esse vazio, é um vazio tão infinito, doloroso e, que nem um sentimento cabe mais dentro de nós por medo de ser sugado para dentro do abismo.
Acho que por maneira a se proteger, a nossa essência se torna num vazio emocional. No fundo todo o mundo se cansa, e por isso, a gente muda e, mudamos para o que a nossa mente acha mais correto e mais acolhedor. Por mais que haja sofrimento na mesma, o vazio é sempre melhor do que ser açoitado por todo o mundo e ter uma dor constante em seu peito.
—  Redbird, em conversa com Jadson Lemos.
Moça, eu não sou toda essa poesia que você diz enxergar em mim

na verdade, não sou nem um pouco. eu sou podre como você, ou como aquele cara sentado no meio-fio bem ali na nossa frente. eu peco. por maior que seja meu esforço: eu erro. não deixe-se levar pelo que mostro nas minhas atitudes cotidianas, ou até pela simples beleza daquela vez que ajudei uma senhora a atravessar a rua. eu sou desengonçado que nem minha escrita. minha vida é repleta de hifens, escondo-me em parênteses (você não vai, nunca, conseguir me encontrar aqui). independente do número de banhos, continuo sujo. se me escondo, é pra não te afetar; se apareço, é pra te alertar. meu par de ouvidos não são merecedores dessa tua voz mansa. não aproxime-se. eu não sou Quintana, muito menos Pessoa. bata suas botas daqui, não inunde teus pés nos meus rios de mágoas. eu te amo, mas prefiro ver você ir.

porém, se és firme o suficiente para aguentar os temporais, e calma o bastante para aproveitar as mais leves brisas que posso te dar…

podes ficar. por favor.

(avisos não dados para um destinatário que nem precisou tê-los para ir)

Saiu pela porta da frente e foi. Foi viver, foi amar, foi sonhar. Cansou de sofrer em meio ao escuro, em meio as lágrimas. Se libertou das correntes, bateu asas e voou. E para quem nunca tinha voado antes, no primeiro bater de asas pude ver a liberdade que reluzia em seus olhos. Ele merece. Na verdade, a gente merece esse grito não abafado, essa vontade de viver, esse chute bem dado no balde. A gente se aprisiona por nada, por medo de viver. Mas quando acordamos pra vida e decidirmos ser quem realmente somos, nada nem ninguém pode nos acorrentar de novo.
—  Tributo à Hifens.
Sabe, você tem continuado fazendo parte da minha vida. Sei que você já partiu há algum tempo, mas, sinceramente, você não me ensinou a esquecê-lo tão rapidamente como você saiu da minha vida. E é aí que reside a ironia do nosso amor. Você partiu quando era você que me amava mais, e sou eu quem continua aqui amando você com tudo o que tenho e tudo o que não tenho. Sendo clichê ou não, essa é somente a verdade. A verdade de que tentei fugir por meses, mas que não dá mais para fingir. Eu sei, eu sei, você nunca irá ler essa carta como nunca leu todas as outras. Todavia eu não posso arriscar me sufocar com palavras não ditas, eu preciso vomitar tudo o que sinto. Algumas pessoas podem nem entender toda essa complexidade de sentimentos que exponho aqui, contudo há sempre alguém que irá compreender. E é para essas pessoas que escrevo. Não para você. Você é só uma metáfora nesse momento, porque você já não está mais aqui, e nem compreende tudo o que eu sinto. Escrevo para que quem sinta o mesmo entenda que não está sozinho, que o amor é mesmo essa caixinha de surpresa e contraversão. Que o amor é uma gangorra, onde ora estamos em cima, ora estamos embaixo, mas nunca ficamos numa estabilidade. Porque com o amor não há média. Medíocres somos nós que não sabemos amar e jogamos a culpa de nossas falhas ao primeiro que passa. O problema é que quando um cansa e resolve sair da gangorra, nosso peso se estabiliza no ponto mais baixo e o outro lado se encontra vazio, e o nada nunca foi suficiente para fazer-nos levantar. E aqui ficamos, admirando o ponto mais alto no alto, esperando alguém para toma-lo. Mas nunca vem. Porque esse lugar é seu. E, mesmo que você diga ter cansado desse jogo e que não pretende voltar, eu continua a lhe esperar. Pois sem você não é a mesma coisa, não tem graça, não adianta alcançar o ponto alto, o céu, se eu não sinto aquele frio na barriga e um aperto no coração. Você é a minha metáfora de amor preferida.
Estão a ouvir?
Conseguem ouvir?
Ouçam minhas lágrimas queimando minha face. Ouçam minhas lágrimas embaterem no solo. Ouçam meu coração a palpitar forte no meu peito. Ouçam meu grito no silêncio da noite. Ouçam apenas o meu desespero. Sim, desespero de sair deste abismo.
Eu sei, eu sei que sou sozinha. Sou sozinha por ter uma personalidade complicada. Mas, é engraçado porque sempre me dizem que não sou complicada porém é a desculpa estampada quando me abandonam. E sabem que mais? Eu sinto! Sinto demais! Sou complicada sim, porque eu sinto, sinto demasiado e sou intensa. E, vocês não são assim. Se fossem ficariam, e ouviriam o que está no meu interior. O meu desespero de sair daqui. Deste labirinto existencial, e que me puxa para o abismo sempre que estou tentando voar.
Está vendo esse reflexo no espelho? Vê as olheiras profundas e bem delineadas por baixo dos meus olhos castanhos? Vê o suor e o cansaço espelhado em cada linha da minha cara? Vê esse ser morto e sofredor e sem esperança escondido atrás dos meus olhos? Atrás do meu sorriso amarelado?
Conseguem ver?
Conseguem enxergar esse tipo de dor num coração tão jovem como o meu?
É perceptível o quão mal eu me faço, como eu não consigo enfrentar meus problemas sem deixar cicatrizes por todo o meu corpo. São marcas por todas as partes, principalmente no meu interior. E cada lágrima que agora caí por cima desse papel e borra as minhas palavras já escritas é uma súplica para que essa dor cesse, que ela procure outro coração para apertar, porque o meu está exausto!
—  Ana Costa e Jadson Lemos.

fenrishion  asked:

ONIICHANNNNNNNNNNNN

1. First impression: Who dis crazy person
2. Truth is: crazy person be best senpai ever
3. How old do you look: luff younger than your age, probly 16 <w>
4. Have you ever made me laugh: ye all the time )b 
5. Have you ever made me mad: nuh, you are way too helpful and kind and gut
6. Best feature: All features are your best )b, helpful, friendly and always willing to help with things. O and your laugh is perf
7. Have I ever had a crush on you: pls i dont need no crush, i gotta love the Imouto )b
8. You’re my: Imouto senpai 
9. Should you post this too? you already did 

É que você é um iceberg. Não (só) por vez ou outra parecer frio e áspero, mas por deixar à mostra, apenas uma pontinha de você. É preciso mergulhar à fundo para descobrir quem você realmente é. Os icebergs são enormes, mas basta uma quentura para começar a derreter aquela parte que fica para fora, só que ainda que toda a parte exposta se liquefaça, o que está por dentro, por baixo d'água permanece intacto, assim como a sua essência. Olha, eu ainda estou no raso, mas gosto bastante do que consigo ver de você.
—  Gerberiar sobre hifens. 
Bom dia, eu liguei para dizer que: Eu sinto muito, de verdade. Sinto muito pela ignorância; pelos dias que fingia não me importar; por todas as vezes que disse não á amar, eu não queria demonstrar, não queria me apegar; quando disse que não queria você por perto, ou até mesmo você aqui; por todos os sonos que tirei de você e lagrimas que arranquei; pela minha incapacidade; pela minha intolerância; pelo meu vazio; pela frieza. Oh , eu queria dizer o quanto eu te amo, o quanto você é importante, única, e a pessoa mais incrível que conheci. Todas as garrafas estão vazias e cigarros tragados. Estou em frente seu túmulo, espero que esteja bem. Eu te amo.
—  bomdiadavi
De maneira alguma você tem que ser diferente para se “proteger” das pessoas. Isso é necessário e com um tempo você cria uma certa resistência e vai passar a demorar bem mais pra confiar nas pessoas. Você não foi inocente, você foi você, e isso te faz diferente dos outros.
—  levantar-ancora para hifens