hereagainforyou

Estou cansado de ser vilipendiado, incompreendido e descartado
Quem diz que me entende nunca quis saber
Aquele menino foi internado numa clínica
Dizem que por falta de atenção dos amigos, das lembranças
Dos sonhos que se configuram tristes e inertes
Como uma ampulheta imóvel, não se mexe, não se move, não trabalha.
E Clarisse está trancada no banheiro
E faz marcas no seu corpo com seu pequeno canivete
Deitada no canto, seus tornozelos sangram
E a dor é menor do que parece
Quando ela se corta ela se esquece
Que é impossível ter da vida calma e força
Viver em dor, o que ninguém entende
Tentar ser forte a todo e cada amanhecer.
Uma de suas amigas já se foi
Quando mais uma ocorrência policial
Ninguém entende, não me olhe assim
Com este semblante de bom-samaritano
Cumprindo o seu dever, como se eu fosse doente
Como se toda essa dor fosse diferente, ou inexistente
Nada existe pra mim, não tente
Você não sabe e não entende
E quando os antidepressivos e os calmantes não fazem mais efeito
Clarisse sabe que a loucura está presente
E sente a essência estranha do que é a morte
Mas esse vazio ela conhece muito bem
De quando em quando é um novo tratamento
Mas o mundo continua sempre o mesmo
O medo de voltar pra casa à noite
Os homens que se esfregam nojentos
No caminho de ida e volta da escola
A falta de esperança e o tormento
De saber que nada é justo e pouco é certo
E que estamos destruindo o futuro
E que a maldade anda sempre aqui por perto
A violência e a injustiça que existe
Contra todas as meninas e mulheres
Um mundo onde a verdade é o avesso
E a alegria já não tem mais endereço
Clarisse está trancada no seu quarto
Com seus discos e seus livros, seu cansaço
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
E esperam que eu cante como antes
Eu sou um pássaro
Me trancam na gaiola
Mas um dia eu consigo existir e vou voar pelo caminho mais bonito
Clarisse só tem 14 anos…
—  Clarisse - Legião urbana

E quando isso vai acontecer novamente? E quando você não tem saída? E quando você não tem mais o que fazer?
É, novamente vou me mudar. Quase idêntico ao ano passado. Despedidas, lágrimas, dias de solidão e um bom tempo sem ver as pessoas que eu amo. Não sei se dessa vez eu conseguirei superar. Foi tão difícil, é tão difícil pra mim. É tão difícil dizer adeus a vidas que eu me apeguei de uma forma tão linda e diferente. 

Nem triste nem feliz, nem animada nem desanimada, nem bem humorada nem mau humorada, nem amando nem desamando, nem apegada nem desapegada, apenas meio termo, apenas talvez, apenas tanto faz. Tanto faz estar feliz ou triste, tanto faz estar bem humorada ou mau humorada, tanto faz amar ou desamar, tanto faz você, tanto faz eu tanto faz o mundo. 

Ser humano, algo tão frágil, pobre, doentio, curioso, estranho, impaciente, irritante, culpado, pobre, sem espirito, sem alma. Ser humano tudo isso e mais um pouco e sempre empurrando tudo pra depois, se der deu, se não der esquece… sempre empurrando tudo pra depois pra um poço, um poço sem fim.

Estranha eu estar confusa, achando isso tudo muito novo, tão recente, impaciente as vezes, mas tão puro, tão questionável. Logo eu que nunca senti isso, dessa forma, por ninguém e talvez você seja o “ premiado ”, não um premio bom , mas um premio. Estranho essa louca vontade de sentir seu cheiro, sentir seu calor ao me abraçar, sentir você se e me arrepiar, estranho contar os dias, horas e minutos pra poder revê-lo, logo eu. Logo eu que imaginei que isso não iria acontecer e talvez esteja acontecendo, talvez essa minha carência fez me subconsciente a criar isso como uma certa desculpa, ou até mesmo para ter onde me apoiar, tem para onde correr quando bater a solidão.
 Estranhíssimo mesmo isso, talvez fictício, eu sorrir a receber um simples “ boa noite ”, ou um “se cuida”, ou mensagem de madrugada, ou ficar imaginando o porque de  você  lembrar de mim sóbrio, ou principalmente bêbado, pois sóbrio você lembra até de coisas insignificantes, mas bêbado você lembra apenas de coisas importantes e não tem medo nem receio de expressar seus sentimentos ou pensamentos, dessa vez vou deixar rola, não vou mais impedir, pois se realmente gostar, vou mergulhar ate o fundo e buscar uma nova historia. Mas de algo eu sei que eu não sei, se é que estou com medo. Mas enfim, deixa rolar…