hallef

Não deu certo, e nunca aconteceria,
pois não era meu número.
Eu não preciso ter a medida
de todas as paixões que chegam,
e por todas aquelas que me atraem.
Às vezes elas foram feitas para
pessoas específicas,
por isso não cabem em mim.

De qualquer forma, eu não fui
feita para caber em ninguém.
Fui feita para caber em mim mesma,
e ainda assim, transbordar.
Quem decidir vir para ficar,
terá que se acostumar com o
que sobrou de espaço.
Afinal, o amor existe quando ambos
não precisam mais serem completados.
Uma relação acontece com a união
de duas pessoas inteiras.

Então por que eu vou me
apaixonar por seres incompletos?
Eu já sofri o bastante para saber
que não se doa amor estando vazio.

Quem quiser, que se adapte aos
tamanhos que já existem em mim.
Sim, eu valho o suficiente para
escolher quem pode e quem não
pode ficar na minha vida.

O mundo é descomunal e
há milhares de coisas
— e pessoas dispostas a amar —
que me esperam por aí.

Se um não quis, se um não coube,
não há porque se despedaçar
e arruinar as minhas chances
de voltar a amar.
Minha suficiência irá atrair quem,
de fato, merece a minha infinitude
e toda a minha intensidade.
Quem, de verdade, merece me ter.

Eu estou respirando fundo.

E nunca mais me torturarei
por coisas que não tenho controle.

Escrito por Emanuel Hallef

Você chega em casa, cumprimenta seu pai ou sua mãe, joga a bolsa em cima do sofá, deseja boa noite e diz que o dia foi ótimo, sorri e continua andando. Abre a porta do seu quarto, pega a sua toalha e uma roupa, vai até o banheiro e liga o chuveiro. Lá, fica vendo a água cair, e quando a sua ficha também cai, você desaba… E ninguém escuta. Ninguém percebe. Só você.
—  Emanuel Hallef

Eu confiava em você a ponto de me jogar
de um precipício e esperar que você
estivesse lá embaixo, no concreto,
com os braços estendidos para me segurar,
mas você não estava e eu bati de cara no chão.

Eu confiava em você a ponto de mergulhar
em oceanos e esperar que você me puxasse
de volta à superfície, quando eu gritasse por socorro,
mas você não me ouviu e eu morri afogada.

Hoje eu sei que você nunca
quis estar, de fato. Era eu, uma cega amante,
que achava que tudo que você
sentia se resumia a amor.

Mas você só estava carente…
E eu era o “tapa buraco” perfeito.

Escrito por Emanuel Hallef

  • Eu sei que aí dentro tá
    tudo bagunçado,
    mas isso é coisa de
    quem sente demais.

    Orgulhe-se de
    ser uma pessoa
    que transborda amor,
    e não ódio.

    Emanuel Hallef

eu era tão forte, e você, tão fraco. você era um ótimo interprete, quando fingia me amar; e seu amor era tão líquido, e apesar disso, eu nunca me saciava.

agora que tudo passou, eu consigo ver que você nunca conseguiu lidar com a forma que eu crescia. eu corria, e você andava; eu até precisava diminuir meus passos para você alcançar o meu ritmo.

mas isso ficou para trás. hoje, eu estou perdoando tudo. corrigindo tudo. eu já não me lembro mais.

[nem seu nome eu guardei]

Emanuel Hallef.