graviola

Magic Graviola – The Best Cancer Cure
The Sour Sop or the fruit from the graviola tree is a miraculous natural cancer cell killer 10,000 times stronger than Chemo. Why are we not aware of this? It’s because some big corporation want to make back their money spent on years of research by trying to make a synthetic version of it for sale.

Keep reading

Sour Sop or the fruit from the graviola
tree is a miraculous natural cancer cell killer 10,000 times stronger than Chemo.

Why are we not aware of this? Its because some “big corporation” want to make back their money spent on years of research by trying to make a “synthetic” version of it for sale. So, since you know it now you can help a friend in need by letting him know..or just drink some sour sop juice yourself as prevention from time to time..the taste is not bad after all. It’s completely natural and definitely has no side effects. If you have the space, plant one in your garden.

mudei o horário do despertador para seis e meia. quando acordei, escolhi uma blusa qualquer no armário e não fui trabalhar com meu uniforme. deixei para tomar café na esquina de casa e pensei em você.
fui para o trabalho por um caminho diferente e precisei fazer integração de transportes públicos. ao invés de dar continuidade à leitura matinal, me peguei ouvindo chico buarque. fui desmembrando “construção”, avaliando suas terminações com proparoxítonas e pensei em você.
trabalhei na mesa do meu amigo que estava de férias. escrevi os e-mails usando “boa tarde” pela manhã e “bom dia” na parte da tarde. fiz daquela reunião semanal maçante, algo divertido e busquei novas ideias com a equipe. fui almoçar naquele restaurante que vive cheio e não me importei em ficar esperando naquela longa fila. experimentei um molho que não lembro mais o nome, pedi um suco de graviola, mesmo sem saber se era bom e pensei em você.
não fiquei até tarde na empresa, como sempre fiz e vi o sol se pondo enquanto caminhava pela cidade. não fui de imediato para casa e quis simplesmente andar pelo centro sentindo o mundo se embaralhar ao meu redor.
peguei o metrô para o lado contrário a minha casa e desci na estação siqueira campos. quis ver o mar, andei pela orla de copacabana e pensei em você.
no caminho de volta para casa, conversei com uma senhora sobre política, mas em algum momento o assunto se perdeu e ela me contou sobre o seu passado em São Paulo. sua vivência me era curiosa, mas a viagem curta não me permitiu maiores detalhes e pensei em você.
depois do banho quente e de estar deitado em minha cama, repassei todos os momentos vividos naquele dia e agradeci por ter me permitido fazer tudo diferente. não quis viver a rotina.

mesmo fazendo tudo diferente, eu pensei em você. conclui que por mais que eu mude tudo, na minha vida você sempre vai ser presente.

antes de dormir, eu mais uma vez pensei em você e sorri.

é uma pena você não estar aqui para saber disso.

Canalha

Tava ali tomando uma jarra de suco de graviola numa barraquinha de cachorro quente aí tive que me afastar e dar uma mijada perto de um muro e escutei o papo de um cara segurando uma latinha de skol embaixo de um orelhão : “amor, deu pane na parte elétrica do carro.Vou esperar o guincho. Vou chegar só de manhã. O celular tá descarregando. Vou ficar sem bateria. Dá um beijo nas crianças” aí ele dá uma bela golada na cerveja, puxa o celular do bolso e liga para amante: “ketlen,passa aqui na barraca do julhinho. Vem rápido. Já reservei o quarto no motel e encomendei 5 gramas pra gente brincar” o canalha é sempre um mentiroso clássico. Um escritor em potencial. A esposa passará a madrugada preocupada enquanto a amante gozará até o sol raiar. Apostaria nesse cara como favorito para o prêmio jabuti em 2020, mas ele cagaria para literatura e acha que gozar e trepar com amantes mais futuro que fazer literatura.

Diego Moraes