gradativamente

eu te abracei como quem olha pro sol e não desvia o foco. espera gradativamente arder e perder a visão e mesmo assim continua encarando. mesmo que depois não saiba mais até onde a vista alcança

{o sol nasce pra todo mundo, mas o meu se pôs e me deixou meio cega.
te vejo até onde não devo}.

5 metas de leitura para 2017

- “Orgulho e Preconceito” (Jane Austen)

Um livro “água com açúcar” que coloquei nas minhas metas, pois gosto de ler coisas que me distanciam um pouco apenas do real e cotidiano. Já assisti ao filme diversas vezes, e decidi adquirir o livro para ter uma visão mais aprofundada daquilo que já amo. Conta a história de um “amor impossível” entre duas pessoas, que aparentemente não possuem nenhuma ligação, mas com o decorrer da trama, seus sentimentos se provam ser maior do que qualquer orgulho ou preconceito. 

- “Esquerda Caviar” (Rodrigo Constantino)

O título por si só já resume muito do que é a grande parte daqueles que se dizem defensores do socialismo, mas vivem a mercê dos privilégios de um sistema capitalista. Este é um dos livros que mais tenho vontade/curiosidade de ler, pois retrata as hipocrisias, incoerências e falácias da esquerda, principalmente no quesito do populismo de alguns “ídolos” da vertente. 

- “Não, Sr. Comuna” (Evandro Sinotti) 

Este é um livro que fala sobre política de uma maneira leve e até mesmo engraçada, refutando falácias que são típicas esquerdistas, como frases tão divulgadas e reproduzidas de Paulo Freire. Gosto de livros que ao mesmo tempo lhe proporcionam conteúdo, consigam fazer isso de uma maneira descontraída, para ler em momentos que não necessitam de uma ampla concentração, e dê para ler em momentos até para relaxar. Este é um dos demais motivos pelo qual me interesso muito pelo livro.

- “O guia politicamente incorreto da história do Brasil” (Leandro Narloch) 

Muitas da coisas que crescemos ouvindo, e que são frisadas pelas escolas, em sua grande maioria, são mentiras. E infelizmente muitos acabam levando esses ensinamentos manipulados como uma verdade absoluta, sem querer buscar informação. Este livro desmistifica todo esse ciclo de falsos ensinamentos que continuam sendo reproduzido por todos. Pessoas, que assim como eu, cresceram ouvindo que Zumbi dos Palmares foi herói, fariam bom proveito deste livro.

- “Jardim das Aflições” (Olavo de Carvalho)

Um dos livros do Olavo que pretendo ser este ano, resolvi começar a minha meta pelo Jardim das Aflições, no qual já ingressei na leitura. É um livro sobre reflexões e argumentações de corriqueiras atitudes politicas “despretensiosas”, que com seus discursos enfeitiçadores conseguem com que as pessoas façam coisas, que “lúcidos e informados, não se prestariam em fazer”. (”tout commence en mystique et finit en politique”)

Tenho uma infinidade de outros livros que aguardam na minha lista de metas, mas estes cinco são os que mais me agradam no momento e pretendo começar por eles. Assim como também tenho uma infinidade de filmes e documentários, que nos ajudam, gradativamente, a sairmos dessa bolha de falsas verdades e ignorância. 

Se você perdeu algo ou alguém agora, primeiramente, acalme-se, você não perdeu nada, confia em mim, ok? Pensa comigo, lá quando era mais novo, aquela fila que era formada pela sua Professora Rosinha com todos os seus alunos queridos, o maior ficava pro final, certo? Então pense assim, a vida é como aquela fila que era feita na sua juventude, o maior fica pro fim, ou seja, você vai passar por muitas coisas menores antes de conseguir alcançar o topo, porque pra que a gente possa lidar com o infinito, é necessário aprender a conviver com o finito e assim ir crescendo gradativamente. Você quando nasce, por acaso já ta no seu tamanho maior possível? Não! É necessário crescer de uma forma natural e ai crescemos… crescemos e simplesmente crescemos aos poucos, isso é uma lei natural da vida e junto com todo o crescimento vem o famoso amadurecimento e o tal do aprendizado. Então meu amigo, não tenha pressa, mas sempre lembre-se, tenha foco, força, fé e paciência, pois nada é eterno, logo suas dores passam e coisas melhores virão, nada é por acaso e a sua dor de hoje mais pra frente será apenas mais um pouquinho de aprendizado para tudo o que está por vir seja feito da melhor maneira possível por você, mas pera, como eu sei disso? Bom, não é uma exclusividade minha e sua, é nossa, de todos nós, infelizmente, aprendemos muito quando sofremos muito… e bom, como a vida é dura com todo mundo e a dureza trás dor, dor trás aprendizado e o aprendizado trás consciência suficiente pra que a gente seja capaz de pra fazer um hoje diferente e melhor do que já foi feito no passado.
Um relacionamento não acaba de uma hora para outra, isso acontece gradativamente com os pequenos erros acumulados conforme o tempo. Quando você se dá conta que o fim chegou se pergunta qual foi a razão que levou a tal fracasso. Não vai se lembrar de quando tudo começou a desandar, nem mesmo quando foi que começou o primeiro pequeno erro, o segundo pequeno erro e os seguidos pequenos erros, talvez se lembre dos grandes erros, mas isso já não importará mais pois o fim chegou! E você tem uma porcentagem nesses erros. E acredite, sempre ambos são culpados.
—  Arrastam.

Meu coração estava ocupado, talvez não estivesse pronto para tanto amor, mas o destino deu um jeitinho de nos juntar. Pouco a pouco, saída após saída, foi nascendo uma amizade, gradativamente, o companheirismo. São incontáveis todos os momentos que temos, todos os planos, experiências que tive, todas as descobertas. A maturidade, o conhecimento, são coisas que vieram pelo caminho, que aprendemos e praticamos juntos. Juntamente, carinho, felicidade, compreensão, e principalmente, o amor. Este sentimento que ganhou seu espaço e se faz presente em nós. São dias, meses e muitos anos. Coisas inimagináveis, todas ao teu lado. É como um álbum de lembranças, que ainda estamos construindo, expandindo cada vez mais, pois, agora somos três. Você, eu e nosso bebê, nosso pequeno, que está trazendo cada vez mais alegria para nós. Um dia de cada vez, continuaremos a caminhar, de mãos dadas, até o fim.


Seu coração é tudo que eu tenho, baseado na história de Maria Clara.

O sentimento é algo um tanto quanto difícil de entender. Eu tinha tanto medo de te perder, J. E quando você se foi, doía de uma forma absurda. Mas eu fui me acostumando com a ausência gradativamente e hoje, te vejo por aqui perambulando com outros caras e não dói mais tanto assim. E a complexidade de compreensão se faz baseada na incógnita que fica pairando na minha cabeça: será que te esqueci ou será que o sentimento que tenho por você está hibernado em alguma parte do meu corpo? Eu não entendo. Talvez eu tenha te superado ou talvez você vive em algum lugar aqui dentro que não me afeta tanto. 

Frases de Livros de Romance Que Mais Gosto♥

• “Me apaixonei do mesmo jeito que alguém cai no sono: gradativamente e de repente, de uma hora para outra.” -  A Culpa é das Estrelas – John Green

• ” — Não fique tão preocupado. Quando somos jovens, tudo parece cem vezes pior do que de fato é.” - Hades  – Alexandra Adornetto

•  “ Quando alguém que amamos é arrancado de nós, quase sempre é muito difícil fazer planos.” -  Depois de você - Jojo Moyes

• “ Eu lhe disse… Você não se vê com tanta clareza. Não é como ninguém que eu conheça. Você me fascina.” (Edward Cullen) Crepúsculo -Stephenie Meyer

• “Vamos ser honestos ****. Você está apaixonada por mim. E eu estou apaixonado por você” Hush Hush-Sussurro  – Becca Fitzpatrick

Sabe aquele olhar que os cachorros de rua dão para os frangos sendo assados na vitrine giratória do supermercado? Então, passei a dominar este olhar com o passar dos anos. Não me leve a mal, pois não me refiro àquela sensação que a grama do vizinho é sempre mais verde, que o cabelo da fulana é mais bonito ou que aquela sua rival dos tempos de escola está namorando o cara “perfeito”. Não é esse tipo de invejinha que todo mundo tem e nega a que me refiro. Sabe quando sair todo final de semana, ter vários “crushes” ou se exibir com o cara mais bombado da balada já não faz mais sentido? Primeiro porque quando sai a primeira coisa que você faz é procurar um lugar para sentar e segundo porque você acha “crush” uma gíria idiota de adolescente. Neste momento você começa a refletir que não faz tanto tempo que saiu da adolescência e já acha várias coisas irritantes. Você começa a se questionar em que momento da vida desgostou das boys bands, deixou de ter um ídolo teen e parou de pesquisar fofocas sobre o mundo dos famosos. A maioridade que você tanto almejou chegou e impôs o seu preço. Você começa a mudar gradativamente, revê conceitos, formula princípios e muda algumas opiniões. Você cresce e torna-se uma estranha. O namorado “gêmeo” do Taylor Lautner que outrora você tanto desejou dá lugar a outro que está com você nos piores momentos. Seu festival de amizades de balada dá espaço a um círculo restrito que você é capaz de contar com os dedos de uma só mão. Em determinado momento você passa a desejar apenas um emprego estável, boas amizades, um parceiro leal e uma casa aconchegante para voltar no fim do dia. Creio que o olhar de um cachorro de rua desejando um frango assado é o mesmo olhar que adquirimos quando amadurecemos. É o nosso jeito de encarrar que mesmo algumas coisas indo bem outras darão errado, este é o nosso modo de demonstrar que ter vinte e poucos anos pesa.
—  Tainara, d-istopia.
Ela finalmente se sente bem. Com ela mesma, com a vida. Com as escolhas que fez. Mas ela não conseguiu isso sozinha, seria tolice acreditar que sim. E pensar que antes passava todo tempo lamentando… Não que sua vida fosse ruim, mas também não havia mais sentido em continuar. Não do jeito que estava. Sendo a pessoa que era, antes das decepções, doce e sorridente, com aquela pitada de impaciência, e também de uma transparência desconcertante, já que nunca foi a melhor em disfarçar quando algo a fazia muito bem ou muito mal. Ela nunca teve muitos amigos, e os poucos que teve mostraram gradativamente não saber o que significa a amizade em si. Depois de tanta frustração, ela não transparecia mais se importar quando alguém a apunhalava pelas costas. Mas isso não quer dizer que não doía; ela sentia tudo e muito. Demonstrar só a deixaria mais fraca do que já se encontrava, então ela aprendeu a esconder. Só que isso nunca fez bem a ninguém e com ela não teria sido diferente. Então ela se afastou. O isolamento parecia o paraíso. Até o instante em que o conheceu… Em seu período estagnado, ela esquecera como a vida costuma funcionar. Quando menos esperava, apareceu o improvável: o amor. Àquela altura, não tinha porquê esperar que algo tão grandioso chegaria, a acolheria e acalentaria seu coração, que sempre foi como um vulcão e se encontrava adormecido. Ela esqueceu que é em momentos como esse que se costuma surpreender. Não foi de cara. No início, ela achou que era mais uma piada. Mais uma dessas pessoas que não se importam com nada além do próprio umbigo. Ele era diferente. E tava ali, parado, tentando entender o porquê do interesse dela. Nem ela sabia. Até então.
—     Íris Gomes.   (via imaginosa)
Imagine Harry Styles

  • Pedido:  oi , vc poderia fazer um imagine hot do harry em que a sn é mais nova tipo com 16 anos ,nada de romantismo ok , pegada forte, porem carinhosa , algo como daddy issues , obrigada

————–

Não sei se ficou como esperava… Mas espero do fundo do coração que goste!!

———-


Toco a campainha e em segundos Harry abre a porta. Me encara sorrindo e me dá um beijo de tirar o fôlego. Isso já é o bastante para minhas pernas ficarem bambas. 

- Que bom que você chegou! Estava com saudade! - ele diz abraçando minha cintura. 

- Eu também estava! - deixei um beijo estalado no seu pescoço. 

Eu namoro o Harry há um ano, desde que completei 16 anos. E agora estou prestes a completar meus 17 anos. No inicio, nosso namoro não foi muito bem aceito, porque ele é mais velho que eu. Não é uma diferença exorbitante, mas é uma diferença considerável quando se tem 16 anos e começa a namorar um cara de 22 anos. Mas depois de um tempo, eles aceitaram. 

Harry sempre foi muito carinhoso comigo, gentil, educado, romântico. Um verdadeiro gentleman. Fico me perguntando se ele será assim também na cama. Não, nós nunca transamos. Ele sempre respeitou meu tempo, mesmo eu sempre dormindo aqui na sua casa. Como é o caso de hoje. Passarei o fim de semana aqui com ele. 

- O que você quer comer?! - pergunta me olhando.

- Ah, amor, qualquer coisa. - dei de ombro, encaixando minha cabeça na curvatura do seu pescoço e espirando seu cheiro. 

- Pizza?! - sugere e eu sorrio. 

- Quatro queijos! - ele ri e liga para a pizzaria e faz o pedido. 

Enquanto nossa janta não chega, ficamos no sofá vendo TV e curtindo a presença um do outro, jogando conversa fora e dando muita risada. Passado uma meia hora, a campainha toca anunciando que nossa pizza chegou. Ele vai pegá-la e eu vou pegar os pratos, talheres e copos na cozinha. Colocamos tudo na mesinha da sala e comemos juntos. 

O filme já estava quase no fim quando eu começo a sentir beijos serem depositados no meu pescoço exposto. Meu corpo inteiro se arrepia e eu prendo a respiração. 

- Amor… Acho que tem coisas melhores pra gente fazer. - sua voz sai sugestiva e abafada. 

Eu respiro fundo. Eu confio nele e creio que já esteja na hora de me entregar de fato para ele. Eu sei que ele tem as necessidades dele e eu tenho que supri-las ou ele irá procurar outra. E Deus me livre dessa possibilidade. 

O encaro e sem o responder, grudo nossos lábios num beijo profundo e com desejo. Ele me puxa para o seu colo e me sento com uma perna de cada lado de seu corpo. Rebolo lentamente e sinto seu membro duro, o que me faz jogar a cabeça para trás e soltar um gemido baixo. 

Ele começa a beijar meu pescoço e, quanto sinto um chupão ser plantado ali, agarro seus cabelos com força. Algo na minha intimidade pinicava, e minha roupa já me incomodava. 

As grandes mãos do meu namorado invadiu minha blusa e ele apertou minha cintura com força. Puxo seus cabelos, fazendo ele me encarar e beijo seus lábios com brutalidade. Ele arrancou minha blusa e eu fiz o mesmo com a sua. Encarei seu peitoral definido e mordi o lábios, vendo ele sorrir sacana. 

Ele arrancou seu sutiã de renda e jogou em algum canto da casa. Encarou meus seios como alguém faminto encara um prato de comida e os abocanhou em seguida. Ele massageava um com sua mão e o outro era trabalhado por sua boca. Eu gemia baixinho e chamava pelo seu nome. Ele inverteu os lados e continuou trabalhando nos meus seios. Um calor absurdo tomou meu corpo, meus gemidos se intensificaram e, quando ele mordeu o bico do meu seio, eu cheguei ao meu primeiro orgasmo devastador. 

Respirei fundo, me recuperando e normalizando minha respiração. Ele me pegou no colo e nos levou até seu quarto. Me colocou na cama e tirou minha calça. Beijos foram depositados por todo meu corpo. Ele tirou minha calcinha e me encarou. Eu estava totalmente nua, entregue a ele. Ele se ajoelhou na cama e abriu minha pernas e senti sua respiração bater na minha intimidade. No segundo seguinte, soltei um gemido alto quando sua língua quente entrou em contato com minha intimidade. Ele me chupava como se eu fosse a fruta mais deliciosa desse mundo. 

Foi o bastante pra mim quando ele começou a estimular meu clitóris com seu dedo. Puxei seus cabelos e atingi meu segundo orgasmo. Ele me encarou lambendo os lábios e me beijou. Era possível sentir o meu gosto ali. Inverti as posições e desci os beijos para seu pescoço. Descobri, quando recebi um aperto na bunda, que ali é seu ponto sensível. Eu iria me aproveitar disso! 

Raspei minhas unhas por todo seu peitoral, e ele respirou fundo. Desci minha mão até chegar em seu membro. Tirei sua calça e apertei seu membro ainda por cima da cueca. Ele prendeu a respiração em resposta. Sorri com o feito e me livrei dela, o deixando nu. Seu membro estava completamente duro. O segurei com minhas duas mãos e comecei movimento de sobe e desce, sem perder o contato visual com ele. Acelerei os movimentos e ele rosnou. 

- Isso! - sua voz saiu fraca. - Isso, continua. - gemeu alto.

Ele fechou os olhos com força e agarrou o lençol. Era completamente exitante vê-lo dessa forma, e eu já podia sentir minha intimidade molhada de novo e pinicando. 

Os movimento eram ainda mais rápidos e ele respirava descompassadamente. Passei minha língua pela sua glande ele foi o que bastou para que ele gozasse, soltando um grunhido sexy. 

Ele me encarou com seus olhos pegando fogo. Me deitou na cama e colocou uma camisinha. Meu corpo todo pinicava e era como se eu estivesse pegando fogo. Ele segurou minhas mãos acima da minha cabeça e senti seu membro fazer pressão na minha entrada. Prendi a respiração já sabendo que iria doer. 

- Se doer muito eu paro. Mas quero que você me diga. - assenti ainda com os olhos fechados. Ele deu um beijo carinhoso na minha testa e senti ele me invadir aos poucos. 

Ele gemeu baixo no meu ouvido e eu me arrepiei. Ele não se moveu, apenas esperou que eu me acostumasse. Ele começou a se mover depois de alguns minutos, mas não antes de ter a certeza de que eu estava bem e me sentia confortável. 

- Tão quente. Tão apertada. - disse com os dentes cerrados indo cada vez mais rápido. 

Eu cravo minhas unhas nas suas costas e ele urra de prazer. Ele continua com o movimento de vai e vem, ganhando mais ritmo gradativamente. Ele envolve minhas pernas em torno da sua cintura, apertando minha coxa e indo mais fundo. 

- Oh Harry. - gemo alto. - Eu, eu… - tento dizer, mas não consigo.

- Goze para mim, goze meu amor. - ele diz e imediatamente meu corpo atende. 

Sinto minhas intimidade contrair e apertar a dele. Uma onda de prazer toma conta do meu corpo e eu fico envolta numa nuvem onde não escuto e nem vejo nada. Ele dá mais uma estocada forte e atingimos nosso ápice juntos, chamando um o nome do outro.

Ele cai ao meu lado, completamente suado e com a respiração descompassada, assim como eu. Nos encaramos sorrindo e realizados.

- Você é incrível! - ele diz e eu sorrio. - Eu não podia querer uma namorada melhor!

- Digo o mesmo! - ele sorri. Ele beija minha testa e me deixo vencer pelo cansaço e pego no sono. 


[…]

Queria que fosse possível ele conseguir ler pelos meus olhos tudo o que está cravado aqui dentro, coisas que ele mesmo cravou sem mesmo saber que cravaria. Coisas alegres, brilhantes e bonitas e coisas negras, tempestuosos e, infelizmente, memoráveis.
Queria que ele pudesse enxergar como o toque das suas mãos quentes me fazia sentir em casa, fosse em qualquer parte do meu corpo, como apenas conseguir sentir a textura da barba na palma da mão me tranquiliza. Queria que ele soubesse, e se sentisse feliz de saber, que só de ouvir a voz dele tudo fica na paz e o que era nebuloso e cheio de saudade, se torna gracioso. Ele não sabe imitar um personagem famoso como o pateta ou o mickey, mas tem um senso de humor que te encanta.
Ele também mal pode imaginar que fazer cafuné em seu cabelo e ouvi-lo ressonando minutos depois é uma das coisas mais gostosas que pode se ter cravado no coração, e eu nunca me importaria de ter milhões de cãibras nas pernas pra ter esse prêmio.
Ele nunca soube, na verdade, o quão sou apaixonada por ele, mesmo que eu tente explicar em palavras ou em tesão, assim como a nem haja probabilidade de ler esse texto. Ele não tem ideia do quanto eu gosto do cheiro das suas roupas, do seu perfume é do quanto amo tudo isso me embolando em um abraço; quente e familiar. Ele também não imagina o quanto eu gosto de sentir que usar suas roupas é um tanto provocativo e, ao mesmo tempo, gostoso, só porque as roupas são dele.
Ele não tem ideia do quanto preciso dele, por mais que eu diga, grite, aperte suas bochechas enquanto falo olhando em seus olhos ou chore a noite toda sem abrir a boca no meio dos braços dele. E isso dói, mais do que bater o mindinho na quina dos móveis, mais do que enxaqueca. Dói tanto quanto saber que ele não precisa tanto de mim, e, gradativamente, aprende cada vez mais a não precisar.
—  Tua lua em Áries é o meu sol, as vezes me queima quando não uso protetor.

One Shot Niall Horan

  • Pedido - Eu quero um do Niall que eles transam na casa dos pais deles, ele é cego e por isso ela foi passar a noite lá e tals (eles são namorados). Muito obrigada, eu amo sua escrita 😘


— Meus pais estão muito agradecidos por você ter vindo passar a noite aqui. Obrigado!

Niall falou enquanto estávamos no sofá, eu sentada e ele deitado com a cabeça em meu colo enquanto eu acaricio seus fios de cabelo castanhos e observo seu rosto e seus olhos desfocados.

— Imagina, Nih. — beijo sua testa de forma carinhosa — Eu amo ficar com você e eu estou amando ter que dormir aqui.

Vê o sorriso brotar em seu rosto é a coisa mais linda que já vi na minha vida, meu peito ganha uma ardência gostosa somente com essa cena. Niall é definitivamente o meu amor, a melhor pessoa que entrou na minha vida.

— Eu sou muito sortudo, sabia?! Eu nunca imaginei que alguém se interessaria por mim e cresci com a ideia de que eu morreria sozinho. — ele deu um sorriso amargo, talvez por lembrar da infância.

— Quem não iria querer ficar com você, Niall? Você é gentil, respeitoso, carinhoso, lindo-

— Cego… — ele interrompeu a minha fala — Eu sou cego e é suficiente para ninguém se interessar por mim a não ser você.

— Isso não tem nada a ver, Nih. Você é uma pessoa maravilhosa e isso não muda só por você poder enxergar ou não. — acaricio seu rosto — Você enxerga melhor do que muitas pessoas e isso é a sua maior qualidade. Sempre que eu estou triste você percebe e tem pessoas que enxergam e convivem comigo, mas não percebem, ou talvez apenas ignoram, mas o que eu quero dizer é que você sempre sabe como eu estou sem que eu precise falar com você.

— Talvez até seja, mas a verdade é que ninguém quer ter uma carga para carregar. Às vezes eu paro para pensar nos meus pais… Eles me carregam a vida inteira porque eu não posso ficar sozinho, sair sozinho ou fazer a maioria das coisas que pessoas normais fazem sozinhas. — sua expressão facial completamente

— Você é uma pessoa normal! — olhei em seus olhos mesmo que ele não pudesse ver os meus — Não diga ao contrário ou eu vou ter que tomar uma providência. O que eu mais quero é passar a minha vida com você, não vejo a hora para que isso aconteça, então não fale bobeiras desse tipo, você consegue fazer tudo e mais um pouco sem ajuda.

— Eu não-

— Não continue com isso ou eu vou cancelar os planos que eu tenho pra nós dois essa noite. — ele riu baixo e comprimiu os lábios — Ótimo! — me curvei em direção ao seu rosto e encostei de leve nossos lábios.

— Quais são os seus planos? O que você vai aprontar comigo? — Niall perguntou de forma divertida e eu ri baixo.

— Bem, eu quero que você me conheça-

— Mas eu já te conheço!

— Me deixe terminar? — coloco minha mão sobre sua boca — Eu quero que você me conheça completamente, sabe… — senti minhas bochechas arderem um pouco, nunca falamos sobre esse assunto em um ano de namoro — Eu quero que você me toque… Quero que explore o meu corpo com suas mãos para que conheça cada parte de mim.

— Eu… — ri baixo vendo suas bochechas coradas como eu tenho certeza que as minhas estão no momento — Eu não sei nem o que dizer…

— Se você não quiser, tu-

— Eu quero! Eu quero, (seu nome)! — ele falou rápido e se sentou no sofá se virando para o lado que ele sabe que eu estou, mas seus olhos não estão focados nos meus e nem poderiam.

— Vamos para o quarto? — busquei sua mão com a minha e mordi meu lábio inferior nervosa com o que estava prestes a acontecer. E se ele não me achasse bonita?

— Vamos!

O sorriso em seu rosto me fez sorrir também, ele se colocou de pé e eu me levantei seguindo seus passos cuidadosos em direção ao seu quarto. Desde que eu comecei a frequentar a casa de Niall há um ano, as coisas sempre estão no mesmo lugar e nunca houve uma mudança porque é assim que Niall sabe onde está cada coisa. Ele já fez o caminho da sala para o quarto incansáveis vezes e sabe perfeitamente traçar esse caminho sem ajuda de ninguém, seus passos são cuidadosos apenas para o caso de que alguém tenha deixado algo pelo chão.

Ao entrar no quarto, Niall parou de frente para a cama e eu soltei sua mão ficando em silêncio junto a ele por alguns segundos, assim como eu, ele está bastante nervoso e eu sei disso só por ter sentido sua mão suar.

— Eu… Vou me despir e me deitar na sua cama. — olhei em sua direção e ele acenou com a cabeça concordando e passou as mãos sobre a calça jeans para enxuga-las.

Assim como eu disse, comecei a tirar minha roupa devagar porque teríamos a noite toda para fazer o que bem queremos porque os pais dele deixaram claro que passariam a noite fora. Já completamente nua, deixei minhas roupas no chão e soltei meu cabelo deixando-o cair sobre meus ombros caminhando até a cama onde me deitei de costas enquanto olhava em direção a Niall.

— Você pode começar quando quiser. — senti meu corpo arrepiar apenas ao imaginar seus dedos em minha pele.

— Tudo bem…

Niall puxou o ar para dentro de seus pulmões e o liberou novamente antes de dar os passos que faltavam para que ele chegasse a cama. Ele se sentou ao meu lado e levantou a mão levando alguns segundos antes de tocar meu pé levando a outra mão na mesma direção.

— Desculpe se minha mão estiver muito gelada… Eu estou um pouco nervoso. — ele disse me fazendo rir baixo.

— Não se preocupe com isso.

As pontas dos dedos de Niall deslizaram para cima de encontro às minhas canelas subindo lentamente até meus joelhos e depois coxas, seus toques sobre minha pele me deixou completamente arrepiada de forma que nunca estive antes.

— Você pode continuar… — dei a permissão quando não senti mais suas mãos em movimento.

Niall mais uma vez puxou a respiração e continuou a subir com seus dedos por meu corpo, em cada parte ele demorava alguns segundos, eu já podia sentir meu corpo quente principalmente quando seus dedos encontraram meus seios.

Se remexendo desconfortável com alguma coisa, ele logo tirou os dedos do alcance da minha pele e ao olhá-lo de cima a baixo, pude perceber que ele estava excitado assim como eu.

— Está tudo bem, não precisa parar. — me sentei de frente para ele vendo-o assentir levemente enquanto mordia firmemente o lábio.

Minhas mãos quase que automaticamente foram de encontro às suas às trazendo de volta para o meu corpo, as posicionei em meus seios e as fiz apertar levemente não podendo conter o gemido de satisfação.

— Eu quero você, Niall. — sussurrei de olhos fechados ainda mantendo minhas mãos em meus seios.

— Eu já sou seu… — sua voz saiu em um fio.

— Eu te quero de outra forma… Quero que se dê para mim como eu me dei para você. — sussurro novamente olhando em seus olhos desfocados.

— Eu nunca-

— Eu sei, faremos isso juntos. — ele assentiu me dando permissão.

A primeira coisa que eu fiz foi puxar sua camisa para cima e tirá-la de seu corpo jogando-a no chão, estou borbulhando de desejo de sentir ainda mais de Niall em mim e sinto como se não pudesse esperar por mais tempo. Levo minhas mãos ao botão de sua calça a abrindo e assim que ele se coloca de pé desço da cama e fico de joelhos à sua frente abaixando sua calça junto a sua cueca quase sendo acertada no rosto por seu membro totalmente ereto. Me afasto um pouco de seu corpo e seguro seu membro de leve e passo minha língua em toda sua extensão vagarosamente.

— (Seu nome)… — arfando Niall leva suas mãos a minha cabeça e acerta o meu rosto de leve — Desculpa… — rindo baixo eu passo minha língua mais uma vez sobre seu membro.

— Eu não posso enrolar tanto quanto eu pretendia… — digo em relação a chupá-lo.

— Não enrola… Por favor… — saber que Niall me quer tanto quando eu o quero me faz sorrir.

— Sente-se na cama e encosta na cabeceira.

Niall faz o que eu mandei no mesmo segundo e esperou o meu próximo passo olhando fixamente para frente, me coloco sobre a cama macia devagar deixando um joelho de cada lado de suas coxas, apoiado uma mão em seu ombro e com a outra seguro o seu membro para posicioná-lo em minha entrada.

— Eu vou devagar no começo, não precisa se segurar. — digo ao vê-lo morder o lábio inferior fortemente e deixo um beijo em seu queixo — Só relaxa, você vai gostar.

Seguro seu rosto com a mão que estava em seu ombro e inicio um beijo delicado e sem pressa enquanto deslizo lentamente para baixo deixando seu membro me invadir da forma mais gostosa que existe enquanto nós dois deixamos gemidos escapar durante o beijo.

As mãos de Niall estão de cada lado de seu corpo então as pego e coloco em minha bunda as apertando ali como se o dissesse que estava autorizado a isso e logo sinto outro aperto que faz sorrir de leve em seus lábios antes de separá-los dos meus em busca de ar. Apoiando minha testa a de Niall, começo a subir e descer em seu membro, no começo devagar como o falei, e vou aumentando o ritmo gradativamente. Não muito depois o sinto gozar em jatos dentro de mim e continuo a me movimentar até alcançar o meu ápice.

Sorrindo completamente satisfeita, permaneço com Niall dentro de mim enquanto esperamos nossa respiração normalizar, meu corpo está completamente leve. Olho o rosto de Niall e ele está sorrindo graciosamente com suas bochechas coradas, deixo um beijo de leve em seu queixo e acaricio sua nuca.

— Eu te amo, (seu nome). — sinto meu coração acelerar e minhas inseguranças caírem e quebrarem instantaneamente.

— Eu também te amo, meu amor. Você é perfeito para mim.



Espero que tenham gostado… ❤

Desculpe qualquer coisa, eu nunca escrevi nada sobre deficiência visual, é a primeira vez então se deixei algo passar ignorem, eu dei uma pesquisada muito rápida, mas não adiantou nada.

- Tay

Na convivência, o tempo não importa. Se for um minuto, uma hora, uma vida. O que importa é o que ficou desses momentos, e dos nossos ficaram muitos. Não é necessário citar cada detalhe, posto que o que ficou, nós dois bem sabemos e guardaremos com todo o carinho (certas coisas nunca se perdem, nunca se esquecem).
Acredito que já estava escrito; eu, você, nós dois e tudo que nos faz ser o que somos, o que passamos, enfrentamos, descobrimos, sentimos e que se intensifica com o passar dos dias, meses, anos.
A afeição e o carinho que eu tenho por você são indiscutíveis, inabaláveis e, com certeza, mutáveis. Mutáveis no sentido de se ampliar gradativamente, sem sequer perceber, apenas acontece. 
Meus pensamentos foram tomados por você e, hoje, é visível que você me torna uma pessoa melhor e me faz um bem enorme. É segurança, é cumplicidade. Sempre esteve aqui, imensamente capaz de cuidar, amar e surpreender. 
Foi perfeito, do nosso jeito e cheio de clichê, mas foi e essa é a maior importância: a nossa convivência, o nosso aprendizado e aquilo que podemos chamar de amor, da forma real, mais sublime, o sentido mais perfeito da palavra.

Four years of dating 💏💕

—  Juliana Arsufi (@balburdiarr)