gifs de idiotas

IMAGINE HARRY STYLES

Pedido: “ Faz um imagine(do Harry) que eles brigam bem feio daí ele expulsa ela da casa dele e ela sofre eu acidente de carro? ”

Acordei com uma dor de cabeça horrível,abro meus olhos lentamente para me acostumar com a claridade do quarto.

“Esse não é o meu quarto” pensei comigo mesma. Passei meus olhos atentamente no local,o quarto é branco sem muitos detalhes. Ao meu lado direito esta uma escrivaninha branca com um jarro de rosas vermelhas sobre ela,no meu lado esquerdo aparelhos de batimento cardíaco com fios que estavam ligados a mim.

Ah sim,eu estou em um hospital. Ainda estou meio grogue, não me lembro de nada. Não me lembro como cheguei aqui.

Estava em meus devaneios quando entrou em meu quarto um homem alto,grisalho,vestindo um jáleco branco.

- Que bom que está acordada Sra. Füicher - o Dr. se aproximou da cama fazendo anotações em sua prancheta e foi mecher nos aparelhos que estava no meu lado.

- Se lembra de alguma coisa S/n,posso te chamar assim?

- Oh claro. Eu me lembro de tudo, menos como vim parar aqui - falei devagar,pensando nas palavras para falar,realmente eu devo estar sobre efeito de um remédio muito forte.

- Fica tranquila,você vai recordar de tudo em breve, por sorte você não perde a memória. Sua memória voltara por completo em algumas horas,no máximo dias. Agora vou deixar você descansando, a enfermeira vira atender suas necessidades. Boa tarde - dito isso ele se retirou do quarto.

Enquanto a enfermeira não vinha,tentei me lembrar de como vim parar aqui. Será que fui atropelada? Assaltada? Bati o carro? Escorreguei em algum lugar e bati a cabeça?

Ainda pensando, senti fortes agulhadas na cabeça,fechei meus olhos e fortes fleches de luz apareciam. Até que abri meus olhos,mas quando fechei novamente,o flashback veio.

FLASHBACK ON

Eu e meu namorado Harry estávamos na casa dele, assistíamos a um filme qualquer que passava na televisão da sala. Senti meu celular vibrando em meu colo,Harry logo olhou para ver quem era e eu logo atendi. Era o Chris,um amigo de trabalho.

-“Oi Chris…sim…haha você gosta?…tudo bem,nos vemos mais tarde”

Chris me ligou para saber o que eu levaria de aperitivo para a confraternização que vai acontecer no meu trabalho. Ele é um grande amigo pra mim e Harry morre de ciumes dele.

- O que ele queria?- Harry já perguntou desconfiado.

- Só queria saber o que eu levaria na confraternização,agora eu vou subir pra tomar um banho se não chego atrasada - dei um selinho nele e subi até seu quarto.

Peguei minha roupa que estava no closet dele e entrei no banheiro. Me despi e liguei o chuveiro. Enquanto a água quente caia em meu corpo eu pensava na surpresa que iria fazer para Harry de noite, já faz tempo que não nos “divertimos”, se é que me entendem.

Sai do banheiro já vestida e com uma toalha secando meu cabelo,quando me deparo com Harry mechendo na minha bolsa.

- HARRY? QUE PALHAÇADA É ESSA? POR QUE TA MECHENDO NAS MINHAS COISAS? - falei indo na direção dele, tirando minha bolsa de suas mãos.

- PALHAÇADA DIGO EU S/N. QUE PORRA É ESSA? -ele jogou na minha cara a fantasia sexual que eu tinha comprado para usar com ele mais tarde- EU SABIA QUE VC ESTAVA ME TRAINDO COM AQUELE DESGRAÇADO,COMO VC PODE SER TÃO VADIA?

- O que??? Harry do que você ta falando? Ta ficando louco?

- VOCÊ ESTÁ LEVANDO ESSA FANTASIA PRA TRANZAR COM ELE, NÃO É? - Harry chegou perto de mim e eu me estremessi toda,ele estava muito bravo.

-Para de ser idiota Harry,essa fantasia é para usar com você! - falei mantendo a calma,não vai adiantar eu revidar os berros.

- HA HA HA - ele riu sarcástico- E POR QUE VOCÊ ESTA LEVANDO ELA NA SUA BOLSA? A MESMA BOLSA QUE VOCÊ VAI NA QUELA MALDITA FESTA DO SEU TRABALHO?

- Harry você esta ouvindo o que você está falando? Não faz sentido nada do que sai da sua boca - falei com a voz tremula, Harry sempre foi ciumento mas nunca chegou nesse ponto doentio.

- O que não faz sentido é você ainda estar aqui - ele falou com a voz mais baixa agora, ele estava com as mãos sobre o rosto ,olhando para baixo - sai da minha casa S/n.

Nessa hora meu coração pareceu parar,eu não podia acreditar que Harry estava fazendo isso comigo. Uma dor forte invadiu meu peito e por um momento eu pensei que fosse desmaiar.

- S/N SAI DA MINHA CASA PORRA - Harry falou me despertando, não disse mais nada,apenas peguei minha bolsa e sai do quarto enquanto lagrimas teimosas caiam sobre minhas bochechas.

Bati forte a porta da sala e fui em direção ao meu carro. Eu estava muito triste,não podia acreditar no que estava acontecendo. As lágrimas embasavam minha visão, e o dia estava chuvoso deixando as ruas lisas.

Por um distração, enquanto secava as lágrimas com as mãos, senti uma forte luz e uma buzina.

FLASHBACK OFF

Abri os olhos depressa. Fiquei parada olhando para o teto tentando decifrar tudo o que acabou de acontecer. Olhei para o lado e vi que ele estava ali. Harry estava sentado na poltrona me encarando,com os olhos inchados e vermelhos.

- Amor - Harry veio em minha direção e sentou na beirada da cama - como eu senti sua falta - ele falou deixando algumas lágrimas caírem em seu rosto enquanto acariciava minha bochecha.

Recuei um pouco assim que senti seu toque. Eu não culpo Harry pelo acidente,mas estou muito magoada e chateada por ele não confiar em mim e pensar que um dia eu trairia ele.

- Harry - falei com a voz baixa,saiu quase num sussurro - o que você faz aqui? Você não me quer mais -falei já sentindo meus olhos lacrimejarem.

- Pelo amor de Deus S/n,nunca mais repita isso, eu estava com a cabeça quente aquele dia e joguei o estresse do trabalho em cima de você -nunca vi Harry chorando tanto,ele realmente deve estar arrependido- só de pensar em te perder eu fico louco S/n,por favor me perdoa?

- Você promete confiar mais em mim? Promete tentar diminuir esse ciúmes Harry? - falei encarando aqueles olhos verdes que eu amo tanto.

- Por você eu faço qualquer coisa meu amor - ele se inclinou para me beijar,mas recusei novamente.

- Eu estou a dias desacordada,você não vai ser louco de me beijar - dei risada e Harry abriu um sorriso.

- Foda-se - dito isso ele me beijou.

Que saudade que eu estava dele,se Harry realmente me ama,ele vai mudar por mim ❤


∆Sandra

Creí que solo era una broma de algún idiota, de esos que viven de estupideces; pero que mas da, no lo reviviré; estúpida enfermedad. Bowie tan solo tenía 69 años, los cuales le bastaron para crear lo que se llama buena musica, de la que los ignorantes de hoy en día no llegan, ni llegarán a comprender aún escuchandola su vida entera, la cual desaprovechan escuchando lo primero que su inconciente medio razona. Y yo días atrás emocionada por ver el último concierto para escuchar mi canción de madrugada. ✘Lxgm✘ ✘MD✘

  • 1s Zayn Malik. 

- Você está estranha. -Zayn diz pela décima vez na noite-

- Meu irmão tem razão, o que houve?

- Não gostou do jantar querida?  -minha sogra pergunta eu nego rapidamente.

Olho para meu relógio e vejo que ainda nem são dez da noite, desde quando eu fiquei tão sem paciência? Não aguento mais ser bombardeadas de perguntas idiotas, meu marido ficou fora por um ano e ninguém nem perguntou como eu me senti em relação a isso. Todos que me ligavam só queriam saber como o médico da família estava, ninguém perguntava como a professora do pré estava, se ela precisava de uma companhia, ou até mesmo de uma ajuda com a enorme casa que habitava sozinha.

- Meu amor, porque está chorando? -Zayn pega minha mão mas eu a solto indo em direção a porta. Antes que ele possa vir atrás pego minha bolsa e abro a porta e vou correndo em direção ao meu carro. Bato a porta e abaixo o pino, minhas lágrimas se misturam com a breve chuva que molhou meu rosto, deixando tudo pior ainda.

-  S/n espera -Zayn berra da porta, enquanto pega o guarda-chuva.

Dou partida no carro e em poucos segundos o Zayn se torna um pequeno ponto no meio da grande rua, dirijo o mais rápido que posso enquanto sinto minhas lágrimas escorrendo em meu rosto. Queria poder parar no quarto quarteirão e chamar pela minha mãe, tenho certeza que ela me atenderia, me acolheria e me daria um chá para tomar, de maçã, seu preferido. Mas ela se foi, se foi quando ele estava fora e ele nem ao menos me consolou quando chegou, apenas ficou falando de suas cirurgias e de como era ótima a sensação de salvar vidas. Sinto tanta falta daquela que me deu a luz!

Minha memória dela é um pouco diferente. Tenho certeza que todos se lembram de sua própria versão dela. Versões que eu nem reconheceria. Isso é tudo que sobra de alguém quando ele se vai.

- Quando foi que você se tornou essa pessoa Zayn? -pergunto mesmo sabendo que ele não vai responder, não respondera pois não está aqui. Sabe essa sensação de abandono da parte dele já se tornou comum para mim, e por mais que eu o ame não sei se suporto isso.

Assim que entro em casa segurando meu sapato vejo Zayn deitado no sofá, fecho a porta e o mesmo se acorda, seus olhos primeiro se arregalam e depois se estreitam em minha direção, ele se levanta e dá passos grandes até mim, fecho os olhos quando ele passa a mão pela minha bochecha e sinto mais uma lágrima cair.

- Você quase me matou de susto -ele sussurra entre o abraço.

- Eu sei -digo e me solto dele.

- Parou para pensar em como eu ficaria sem você?

- Você só pensa em você mesmo né? Eu fiquei um ano inteiro da minha vida sem você, nosso primeiro ano de casados só para constar! Como acha que eu me senti quando acordei da nossa lua de mel e você não estava? Foi embora e só deixou um misero bilhete -começo a dizer mas me interrompo, e me viro para Zayn que está boquiaberto diante de mim.

- EU ESTAVA SALVANDO VIDAS -ele grita e em um ato inesperado eu o empurro fazendo o mesmo bater com as costas na parede fria.

- E EU ESTAVA AQUI NESSA CIDADE DE MERDA SOZINHA, MINHA MÃE MORREU E EU NÃO FUI NO ENTERRO PORQUE EU ESTAVA AQUI, EU VIM PARA CÁ POR VOCÊ E NA PRIMEIRA OPORTUNIDADE VOCÊ ME DEIXOU, SEU MERDA!

Berro aos prantos e dou um murro na parede, me arrependo em segundos pois sinto o rompimento do meu osso de imediato, urro de dor e então caminho até a cozinha. Zayn vem atrás de mim, me segura pelo pulso e me vira para ele, aperto os olhos e ele faz pressão com a mão no local.


- Quebrou. -ele diz e morde o lábio inferior.

- Eu não me importo, não preciso dos seus cuidados!

- Não seja infantil!

- Fui adulta por muito tempo Zayn, e você não viu. Não viu porque você me deixou, sozinha, na nossa casa. Jogou nosso casamento no lixo!

- Na alegria e na tristeza lembra? -ele me relembra com lágrimas nos olhos.

- Essa frase se tornou vazia depois de suas ações -digo e mordo o lábio não aguentando mais de dor.

- Nós juramos perante de Deus que ficaríamos juntos, e agora no primeiro ultimato você quer desistir?

- Quero. -grito e tento sair da cozinha mas ele me impede.

- Para com isso -pede enxugando minhas lágrimas- Não desiste de mim S/n!


Ele solta um suspiro e passa a mão pelos cabelos, seus olhos se tornaram um grande vulcão que já entrou em erupção muitas vezes em um dia.


- Não desiste de nós. - ele implora e eu sinto meu coração partir aos poucos.


Cirurgiões são criados para ser invulneráveis. É muito difícil os desnudar, porque eles sabemos exatamente o quão profundas algumas lesões podem ser. E ver o Zayn assim vulnerável diante de mim prova que ainda existe um pouco daquele que por quem me apaixonei dentro dele.


- Preciso de um tempo.

- O casamento é imperfeito e propenso a crises de silêncio meu bem, ser casado com quem se ama tem dessas. Nós vamos brigar, vamos nos entender e o importante é não desistir. -ele solta o ar com força e parece exausto-

- Tenho medo da gente forçar a barra, e estragar tudo aquilo que a gente já teve. Tenho medo de nossas brigas apagarem os nossos momentos especiais e inesquecíveis que tivemos juntos!

- Elas não vão, eu prometo meu amor. -suas palavras me deixam sem folego.

- Não faça mais promessas, por favor -peço de olhos fechados.

- Como quiser -ele sorri-

- Eu queria ficar discutindo mais com você, mas minha mão quebrada está doendo muito.

- Posso cuidar disso -ele me informa- posso cuidar de você também, dos nossos filhos e da nossa casa, você só precisa me dar uma chance! Eu sou o homem da sua vida S/n, e nem Deus pode mudar isso.



E foi nesse dia que eu entendi que, o juramento de na alegria e na tristeza não é, nem nunca será atoa. O casamento é deixar pra trás todas as expectativas do que você pensa que o casamento deveria ser, é ter paciência, é conhecer outro alguém assim como conhece a si mesmo, é alegria e, às vezes, tristeza. E, finalmente, o casamento é acreditar realmente nessa outra pessoa. Você pode construir uma casa com qualquer coisa, fazer que ela seja tão forte quanto você queira. Mas um lar… Um lar é mais frágil que isso. Um lar é feito com as pessoas que você o enche. E as pessoas podem ser quebradas, com certeza. Mas qualquer cirurgião sabe que o que está quebrado pode ser consertado. O que está machucado pode ser curado. Não importa o quão escuro esteja… O sol vai surgir de novo.