geraldos

OKAY SO I JUST REALISED SOMETHING

SO back in during the revolutionary war the British soliders sang a song called Yanke Doodle (which is now a famous American song and even the state anthem of Connecticut).

SO MY QUESTION TO YOU IS, WHAT DOES THIS SONG HAVE IN COMMON WITH THE 2004 GREEN DAY SONG AMERICAN IDIOT?

1. Okay so American Idiot is quite simple what the title means. But you don’t really know what Yankee Doodle means right.

Okay so Yankee is basically an American person. But what the fuck is a doodle?

Wait wait. So Doodle means “fool” right. Technically this means that the song is literally called American Idiot. But that’s not everything.

2. The meaning in American Idiot is according to Wikipedia that Green Day and Billy Armstrong makes fun of the American people.

Examples:  “American Idiot” contends that mass media has orchestrated paranoia and idiocy among the public. Citing cable news coverage of the Iraq War, Billie Joe Armstrong recalled, “They had all these Geraldo-like journalists in the tanks with the soldiers, getting the play-by-play.“ He felt with that, American news crossed the line from journalism to reality television, showcasing violent footage intercut with advertisements.[2]  and Armstrong went on to write the song after hearing the Lynyrd Skynyrd song "That’s How I Like It” on his car radio.[3] “It was like, ‘I’m proud to be a redneck’ and I was like, 'oh my God, why would you be proud of something like that?’ This is exactly what I’m against.” )

But what is the meaning of Yankee Doodle? According to Wikipedia:

Traditions place its origin in a pre-Revolutionary War song originally sung by British military officers to mock the disheveled, disorganized colonial “Yankees” with whom they served in the French and Indian War, apparently written c. 1755 by British Army surgeon Dr. Richard Shuckburgh while campaigning in upper New York.[13] The British troops sang it to make fun of their stereotype of the American soldier as a Yankee simpleton who thought that he was stylish if he simply stuck a feather in his cap.[1]

You see a pattern here? Yankee Doodle IS LITERALLY A 18TH CENTURY VERSION OF AMERICAN IDIOT.

O “messias” está voltando!
Fonte: Nelson Almeida / AFP

Pesquisa CUT/Vox Populi mostra “O Messias” (que não é Jair Bolsonaro) como favorito para eleições presidenciais.

Realizada entre os dias 6 e 10 de abril e divulgado ontem, 18, pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), pesquisa revela que Luiz Inácio, venceria em todos os cenários nas eleições presidenciais.

Contra o Aécio (PSDB-MG), 44% a 9%.
O “salvador” da pátria, Bolsonaro (PSC-RJ), subiu de 7% para 11% (e a CUT/Vox Populi jura que não entrevistaram meninos de 12 anos que gostam de games).
A líder da Rede “Santa” Marina Silva, se manteve com 10%.
Quem também se manteve, foi o “alto falante ambulante” Ciro Gomes (PDT-CE) com os mesmos 4% (pouco pelo tanto que fala).
Em um cenário com o Alckmin (PSDB-SP), Luiz Inácio venceria de 45% a 6%.
Em outro cenário, com o prefeito “reality show” de São Paulo, João Dória
(PSDB), Luiz Inácio venceria de 45% a 5%.

Segundo turno

Enfrentando Alckmin, Luiz Inácio teria 51% dos votos válidos contra 17% do tucano.
Se o candidato fosse Aécio, o ex-presidente levaria 50% dos votos válidos e o senador teria 17%. Contra a “Santa” Marina, Luiz Inácio venceria as eleições por 49% a 19%.
E claro, a pesquisa não divulgou nenhum cenário em que o Luiz Inácio não estaria no segundo turno (claro que não, a pesquisa é CUT/Vox Populi, repito, CUT).

Pesquisa espontânea

No voto espontâneo, quando os entrevistados falam em quem votariam sem uma lista de nomes, Lula tem 36% das intenções de voto. Doria aparece com 6%; Aécio, 3%; Marina, 2%; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Alckmin têm 1%.
Apesar dos bons números do “Messias”, 66% dos entrevistados acham que Luiz Inácio cometeu erros, apesar de ter feito “muito mais coisas boas pelo povo e pelo Brasil”.


Em dezembro, esse índice era de 58%.

A pesquisa entrevistou 2.000 pessoas em 118 municípios de todos os Estados e do Distrito Federal. A margem de erro é de 2,2%, com um índice de confiança de 95%.
Na real, não tem muita gente preocupada com as delações, ou nomes envolvidos em algum escândalo.
E não acusando nenhum dos nomes citados (não nas delações, me refiro ao texto), o povo tá meio assim:
“É do povo, tem cara de povo, vai fazer alguma coisa, por mais pequena e duvidosa que seja, tá bom!”

Já passou da hora de discutirmos políticas públicas de verdade, e parar de procurar salvadores da pátria, messias ou gurus.

flickr

Fiery-throated Hummingbird - Colibri insigne by Johanne Charbonneau
Via Flickr:
San Geraldo de Dota, Costa Rica

flickr

Geraldo De Paula by Geraldo De Paula
Via Flickr:
Campeonato Mundial de Karate Cadete e Junior | 2013 | Espanha

flickr

Magnificent Hummingbird - Colibri de Rivoli by Johanne Charbonneau
Via Flickr:
San Geraldo de Dota, Costa Rica

Tá vendo aquele edifício moço?
Ajudei a levantar
Foi um tempo de aflição
Eram quatro condução
Duas pra ir, duas pra voltar
Hoje depois dele pronto
Olho pra cima e fico tonto
Mas me chega um cidadão
E me diz desconfiado, tu tá aí admirado
Ou tá querendo roubar?
Meu domingo tá perdido
Vou pra casa entristecido
Dá vontade de beber
E pra aumentar o meu tédio
Eu nem posso olhar pro prédio
Que eu ajudei a fazer

Tá vendo aquele colégio moço?
Eu também trabalhei lá
Lá eu quase me arrebento
Pus a massa fiz cimento
Ajudei a rebocar
Minha filha inocente
Vem pra mim toda contente
Pai vou me matricular
Mas me diz um cidadão
Criança de pé no chão
Aqui não pode estudar
Esta dor doeu mais forte
Por que que eu deixei o norte
Eu me pus a me dizer
Lá a seca castigava mas o pouco que eu plantava
Tinha direito a comer

Tá vendo aquela igreja moço?
Onde o padre diz amém
Pus o sino e o badalo
Enchi minha mão de calo
Lá eu trabalhei também
Lá sim valeu a pena
Tem quermesse, tem novena
E o padre me deixa entrar
Foi lá que cristo me disse
Rapaz deixe de tolice
Não se deixe amedrontar

Fui eu quem criou a terra
Enchi o rio fiz a serra
Não deixei nada faltar
Hoje o homem criou asas
E na maioria das casas
Eu também não posso entrar

— 

Zé Geraldo