garota incomum

Eu sempre fui uma garota incomum. Minha mãe dizia que eu tinha uma alma de camaleão. Sem uma bússola de moral apontando pro norte, sem personalidade fixa. Apenas uma indecisão interior tão ampla e ondulante como o oceano. E se eu dissesse que não planejei isso, pra ficar desse jeito, eu estaria mentindo. Porque eu nasci pra ser a outra mulher. Eu não pertencia a ninguém, e pertencia a todo mundo. Não tinha nada e queria tudo, com um desejo ardente por cada experiência, e uma obsessão pela liberdade que me aterrorizava ao ponto de eu não poder nem falar sobre isso. Não tínhamos nada a perder, nada a ganhar, nada do que desejássemos mais,  exceto tornar nossa vida em uma obra de arte.Viva rápido, morra jovem. Seja selvagem, e se divirta. E o meu lema é o mesmo de sempre. Eu acredito na bondade de estranhos. E quando eu estou em guerra comigo mesma, eu dirijo.
—  Lana Del Rey.