garota boba

“Ela é boba, ri de tudo e faz palhaçada. Ela sabe ser seria, fria e grossa. Ela é romântica, sentimental e se apega muito fácil. Ela se apaixona por sorrisos, gosta de abraços apertados e de andar de mão dada. Ela gosta de gente que a valoriza, gosta de se sentir importante e mais ainda quando é mimada. Ela ama fazer carinho, mexer no cabelo dos outros e de “morder” as pessoas que gosta. Ela é uma garota difícil de lidar, está cada hora de um jeito e é péssima em demonstrar o que sente. Ela se importa,tem medo de perder e sente muito ciumes. Ela é um doce de menina, mas não a machuque pois esta pode ficar amarga.”                     

Sabe quem eu sou? Sou aquela que escuta The Scientist do Coldplay e chora por ainda gostar de você. Continuo sendo aquela garota boba de dois anos atrás, que apesar de ter o coração partido diversas vezes, ainda se importa com você. Sou aquela que tem fé, que ainda tem esperança acesa de que você vá voltar logo após a sua partida.
Sou o seu porto, ainda esperando o momento em que você vá ancorar o seu barco definitivamente no meu cais.
—  Gabriela.

Desculpa por não ser suficiente; por fazer tudo errado, por tão idiota como eu sou. Eu sou assim, toda errada, toda cheia de defeitos. Me desculpa por todas as vezes que precisou de mim e que não te ajudei tanto assim, me desculpe por errar tanto assim com você; com nós. Eu tento de todas as formas ser a pessoa que você tanto sonhou, a que mais te faz sorrir, que está do seu lado sempre, mas também dói em mim não ser assim. Desculpa por ser tão idiota e conseguir acabar estragando tudo.  Realmente o que eu mais quero é você. E metade de mim  é ciúmes, junto com medo de te perder e o peso na consciência de não ser “desse jeito”. De não poder te abraçar toda noite e dizer o que eu sinto de verdade, de não poder te beijar, de não poder te tocar. Desculpa amor… por te amar tanto e depender tanto de ti, desculpa esse meu jeito idiota de ser, de garota mimada egoista e boba. Mas saiba antes de tudo que eu não vou desistir nunca da gente. Me permite nunca sair da sua vida? Eu te amo .

Ela é boba, ri de tudo e faz palhaçada. Ela sabe ser seria, fria e grossa. Ela é romântica, sentimental e quando ama é pra valer. Ela se apaixona por sorrisos, gosta de abraços apertados e de andar de mão dada. Ela gosta de gente que a valoriza, gosta de se sentir importante e mais ainda quando é mimada. Ela ama fazer carinho, mexer no cabelo dos outros . Ela é uma garota difícil de lidar, está cada hora de um jeito e é péssima em demonstrar o que sente. Ela se importa, tem medo de perder e sente muito ciúmes. Ela é um doce de menina, mas não a machuque pois esta pode ficar amarga. Ela sou Eu.

Stephanny Oliveira, 19 anos.

Desculpa por não ser suficiente; por fazer tudo errado, por tão idiota como eu sou. Eu sou assim, toda errada, toda cheia de defeitos. Me desculpa por todas as vezes que não pude estar do seu lado, que não te ajudei quando você precisou, me desculpe por errar tanto assim com você; com nós. Eu tento de todas as formas ser a pessoa que você tanto sonhou, a que mais te faz sorrir, que está do seu lado sempre, mas também dói em mim não ser assim. Porque dói ter esse vazio aqui, sem ter você pra preencher, sem ter nada, sem sentido, sem vontade de viver. Olhar pra trás e ver o que éramos, e o que podíamos ser por minha culpa; por ser tão idiota e conseguir acabar com tudo. Com que a gente era um pro outro, com o que significávamos, porque realmente o que eu mais quero é você. Sabe, é difícil passar por cima desse meu orgulho, abaixar a cabeça e mostrar o verdadeiro lado que tá doendo por sua falta. E metade dele é ciúmes, junto com medo de te perder e o peso na consciência de não ser “desse jeito”. De não poder te abraçar toda noite e dizer o que eu sinto de verdade, de não poder te beijar, de não poder te tocar. Desculpa amor… por te amar tanto e depender tanto de ti, desculpa esse meu jeito idiota de ser, de garota mimada e boba. Mas saiba antes de tudo que eu não desisti, que pode ter um novo começo; um novo “nós”. Me permite ser só tua, sua princesa, ser o motivo do teu sorriso. Me permite, entrar na sua vida e nunca mais sair? Eu te amo .

One Shot com Harry Styles.

-Acha que vai estar aqui para o seu aniversário?-Perguntei fitando o teto do meu quarto.

-Eu já disse que não sei.-Harry suspirou do outro lado da linha.

-Eu pensei que passaríamos o dia juntos.-Resmunguei.

-Você acha que eu gosto dessa situação, s\n? De passar o meu aniversário longe da minha família? Pois adivinhe, eu não gosto nada disso, mas eu não posso simplesmente virar de costas para a minha vida e correr para onde a minha namorada está.-Ele disse tudo rapidamente, meus olhos encheram de água.

-Haz…-Disse em um fio de voz, eu não queria que ele soubesse que estava prestes a chorar, mas ele me conhecia demais. Harry suspirou pesadamente do outro lado.

-Conversamos quando eu voltar em alguns dias, okay?-Fechei meus olhos e senti as lágrimas escorrerem.

-Okay, eu amo você.-Então o outro lado ficou em silencio, Harry havia desligado sem se despedir, sem responder ao meu ‘amo você’.

Repassei a conversa que tivemos aquela noite três dias atrás enquanto fingia um sorriso para Anne, no dia seguinte a briga Harry ligou para a mãe e lhe disse que viria passar o aniversário na cidade, meu coração doeu ao saber disso, por que ele nem se importara em me informar.

Gemma, então, preparara uma festa surpresa em sua casa, estavam todos lá, a banda, amigos de Harry, família, só faltava uma pessoa, ele.

-Harry está chegando.-Alguém gritou da porta, as luzes foram apagadas e todos ficaram em silencio, pouco depois a porta abriu, as luzes acenderam e a expressão de Harry se misturava a felicidade e surpresa.

-Surpresa!-As pessoas atrás de mim gritaram, mas eu fiquei paralisada, observando-o abraçar alguns dos amigos.

-Haz!-Gemma pulou no colo do irmão quando ele se aproximou de nós, depois do abraço ele me olhou e sorriu.-Abrace a sua namorada, maninho.-Empurrou o irmão para cima de mim, que me tomou em seus braços. Enterrei o rosto na curva do pescoço de Harry e inalei seu perfume.

-Feliz aniversário, meu amor.-Sussurrei.-Eu amo você.

-Obrigado.-Ele sorriu e se afastou, meu coração desmanchou. Meus olhos se encheram de lágrimas ao vê-lo rindo junto com os amigos.

-s\n, está tudo bem?-Gem perguntou colocando uma mão em meu ombro.

-Está, só uma dor de cabeça.-Sorri forçadamente.-Vou tomar um remédio.

-Não quer ajuda para encontrar?

-Não, obrigado, aproveite a festa.-Sorri mais uma vez e fui para a escada.

Me senti desabar ao sentar na cama, as lágrimas começaram a escorrer com facilidade, eu parecia uma garota boba e ingenua, mas meu coração simplesmente não parava de doer.

Me deitei e me cobri com a coberta dobrada nos pés da cama, ouvi a porta ser aberta e fiquei quieta.

-Está tudo bem?-A voz dele ecoou pelo quarto.-Gemma disse que você estava com dor de cabeça, achou o remédio?

-Achei.-Minha voz estava fina, quase embargada.

-Você está chorando?-Ele sentou na ponta da cama.-Está doendo tanto assim?

-Não, é impressão sua.-Tentei controlar meu tom, mas era perceptível.

-Não acha melhor irmos ao médico?-Colocou a mão em minha perna coberta.

-Não, pode voltar para a sua festa.-Fechei meus olhos sentindo meus olhos arderem mais.

-s\n, senta e olha pra mim.-Disse baixo.

-Estou bem assim.-Mordi meu lábio inferior.

-Agora.-Suspirei e o fiz, mas não o olhei, fitei minhas mãos que estavam em meu colo.-Por que está chorando? Sei que não está com dor.

-Você ainda me ama, Harry?-Perguntei o olhando.

-Que pergunta é essa?-Ele disse rindo.

-Responda, por favor.-Senti mais uma lágrima escorrer pelo meu rosto.

-É claro que eu te amo.-Disse se sentando mais perto e secando minhas lágrimas.-Por que está perguntando isso agora?

-A gente brigou e você…

-Acha que uma briguinha vai acabar com o meu amor por você?-Perguntou sorrindo.-O meu amor por você é muito grande para acabar por uma coisa simples assim, s\n.

-Mas você não me respondeu ao telefone e nem aqui.-Disse baixo.

-Eu sei, eu fui um idiota, mas eu estava triste, achei que não passaria o meu aniversário do seu lado e quando cheguei fiquei tão feliz ao ver os meus amigos que meti os pés pelas mãos, o que eu posso fazer para me desculpar?

-Pode me abraçar, para começar.-Falei fazendo-o sorrir, Harry me puxou para mais perto e me apertou em seus braços.

-Eu te amo, pequena.-Sussurrou em meu ouvido.

-Eu também te amo, seu idiota.-Harry sorriu e colou nossos lábios.

-Como posso continuar o meu pedido de desculpas?-Perguntou subindo em cima de mim, depositando alguns beijos em meu pescoço.

-Harry, seus convidados.-Sussurrei em reprovação.

-Eles podem ficar sozinhos um pouquinho.-Disse sorrindo e beijando minha boca. Me rendi aos encantos de Harry e passei meus braços pelo seu pescoço, Harry afastou a coberta e colocou minhas pernas ao redor da sua cintura. De repente a porta abriu e Gemma sorriu sem graça.

-A mamãe quer cantar parabéns.-Disse e saiu, fechando a porta, Harry me olhou fazendo uma careta.

-Vamos lá.-Disse o empurrando.

-Não.-Harry resmungou se sentando enquanto eu saía da cama, fui até o banheiro e retoquei minha maquiagem.

-Vamos?-Perguntei me aproximando e estendendo a minha mão para ele.

-Temos coisas mais interessantes para fazer aqui.-Disse me puxando e me fazendo sentar em seu colo.

-Haz.-Sussurrei ao sentir seus lábios em meu pescoço.-Temos mesmo que ir.-Me afastei rapidamente, Harry bufou e se levantou, indo até a porta.-Hey.-Agarrei seu braço antes que ele saísse.-Depois que a festa acabar nós voltamos aqui e terminamos isso, okay? -Harry não respondeu, veio até mim e me beijou, puxando meu lábio inferior com os dentes no final.

-Okay.-Piscou-me um olho e saiu sorrindo.

Talvez, em algum dia, você vai se da conta do quanto eu amava você, ou até mesmo do quanto você era importante em minha vida. E assim perceberá que iludiu a única pessoa que tinha o mais puro sentimento por você, a pessoa que realmente gostava de ti, o que sempre te apoiava, e que fazia tudo para ver o seu lindo sorriso estampado em seu rosto. Aquela idiota que todo dia te mandava mensagem perguntando se estava bem, aquela que tudo que queria era estar com você, e te amar. Pode ser que neste dia, você perceba a grande merda que você fez, perceba que você conseguiu destruir o meu coração em vários pedacinhos, eu era só uma garota que não sabia que era possível se sentir a pior pessoa do mundo. E nesse dia você vai querer voltar atrás, irá lembrar de tudo o que eu já te disse e vai querer me querer de volta, vai tentar me conquistar com palavrinhas bonitas e textos de amor.
Mas neste exato dia, a garota boba que só tinha olhos pra você, não estará mais aqui, ou melhor, ela estará, mas com outra pessoa que a faça feliz, coisa que você também conseguiu fazer, mas não o suficiente. Daí com toda certeza do mundo, você se sentirá um fracassado, não só por ter destruído o coração de uma simples garota que gostava de você, mas também por ter o deixado ir embora. Mas neste exato dia, aquela garota boba que só tinha olhos pra você, não estará mais aqui, ou melhor, ela estará, mas com outra pessoa que a faça feliz, coisa que você também conseguiu fazer, mas não o suficiente. Daí com toda certeza do mundo, você se sentirá um fracassado, não só por ter destruído o coração de uma simples garota que amava você, mas também por ter o deixado ir embora.

Quer saber? Cansei, tô deixando tudo pra trás. Essa história de nós dois, esse lance bobo de eu e você e você e eu ta velho, me desiludi, me desencantei. Tô deixando o conto de fadas pra lá, isso de amor não é comigo, sou uma pessoa complicada, e amar me deixa mais complicada ainda. Esperar pelo príncipe encantado? Cansei também, acho que nasci pra ter um caso curto com um vilão. Tô abrindo a mão daquela nossa história mal acabada, sei lá, tô achando que não vai valer a pena, até porque ela não irá terminar com um “felizes para sempre“. Aprendi a desapegar e tô vivendo bem assim, então por tanto, me desfiz de tudo que me fazia lembrar você, exclui aquela nossa música do iPod, fiz questão de deixar tudo pra trás, bem pra trás. Sabe de uma? Tô querendo escrever uma história nova, com personagens inteligentes e diferentes, não quero mais esse drama pra minha vida, aquele livro da nossa história, eu rasguei, e não quero mais um drama assim, nem um romance complicado como esse, não tô querendo uma vida baseada nos livros do Nicholas Sparks. Tô deixando todas as mágoas e angústias para trás, sabe por que? Porque eu quero ser feliz, e coleções de mágoas e angústias, só me traz infelicidade, e tudo que eu menos quero agora é substituir sorrisos por lágrimas. Eu estou dando um passo pra frente, tô cansada de ficar empacada naquela ilusão de garota boba, não tenho mais doze anos, e quem vive de passado é museu e de futuro é vidente, eu quero é viver meu presente. Fiz a promessa de que irei parar de chorar, e independentes das minhas escolhas agora ou situações ocorrentes, eu vou é sorrir pra vida. Me toquei que não tô precisando de um amor, tô precisando é me amar e te deixar la no fundo do baú, se tem uma coisa que eu cansei mesmo, essa coisa é você. Eu te dei meu mundo e você não aproveitou bem, agora eu vou viver é por mim, e tenho dó é daquele que é depentende de alguém como eu fui meses por você. Cansei, cansei é de me lamentar, nunca estive errada, você quem esteve, então quem deveria se lamentar é você que não vai achar pessoa melhor que eu por ai. E agora que tomei o rumo da minha vida, aproveita e toma o rumo da sua também, e mude essa sua falta de caráter pra não ter que cansar outras pessoas também.
Reações dos paqueras se a Docete ficasse surda

————————————————-

Muito obrigada, amorzinho (♡ >ω< ♡)

————————————————-

Armin: E agora? Como é que eu vou falar com ela?! Mas o que eu estou falando, estamos no século XXI, tem rede social e aplicativos de mensagem! Tudo está resolvido agora.

 Castiel: Como eu vou falar com ela? Como vou poder zoar essa garota boba? *não faz a menor ideia do que fazer perto da Docete*

Kentin: *fica mais amigável com a Docete e sempre faz companhia para ela. Acaba aprendendo a língua de sinais para poder conversar com ela*

Lysandre: *tem dificuldade de aprender a língua de sinais porque sempre se esquece dos sinais. Adota a opção de falar com a Docete apenas por mensagens até conseguir usar os sinais sempre problemas. A Docete já sabe que quando ele fica longe do celular por muito tempo, perde facilmente, então quando ele demora a responder, ela já sabe qual o problema*

Nathaniel: Se você está pensando que isso vai me parar, está enganada. Vou aprender a língua de sinais e não vou te deixar sozinha nem por um minuto, sempre estarei perto de você. Se alguém ousar fazer piadinhas com a sua deficiência, vai se ver comigo.

Eu tinha dezessete anos e era louca por um cara com quem trocava olhares, não mais que isso. Ele era o legítimo ‘muita areia pro meu caminhão’ e jamais acreditei que pudesse vir a se interessar por mim, o que me deixava ainda mais apaixonada, claro. Mulher adora um amor impossível.
Então chegou o dia do meu aniversário. No final da manhã eu estava em casa, contando os minutos para uma festa que daria à noite, quando a empregada apareceu com um cartão nas mãos, dizendo que o zelador o tinha encontrado embaixo da porta do prédio. Abri e fiquei azul, verde, laranja: era dele! Corri para o telefone e liguei para a minha melhor amiga. ‘Que trote bobo, você quase me mata de susto, pensa que não sei que foi você que escreveu o cartão?’ Ela jurou por todos os santos que
não. Liguei para outra amiga. 'A letra é igual a sua, eu sei que foi você!’ Não tinha sido. Liguei para outra: 'Você acha que eu vou acreditar que um cara lindo que nunca me disse bom dia veio até aqui largar um cartão amoroso desses?’:Ela me recomendou terapia. Bom, diante de tantas negativas, só me restou pensar: 'Outra hora eu descubro quem é que está tirando uma comigo’. E esqueci o assunto.
Semanas depois estava caminhando na rua quando encontrei o dito cujo. Ele resmungou um oi, eu devolvi outro oi, e então ele perguntou se eu havia recebido o cartão de aniversário. Minha pressão caiu, minhas pernas fraquejaram, eu só pensava: mas que idiota eu fui! O que iria responder? 'Recebi, mas jamais passaria pela minha cabeça que um homem espetacular como você, que pode ter a mulher que escolher, fosse entrar numa papelaria, comprar um cartão, escrever um texto caprichado, depois descobrir meu endereço e então pegar o carro, ir até a minha rua,
colocar o envelope embaixo da porta feito um ladrão, e aí voltar para casa e aguardar meu telefonema. Olhe bem pra mim, eu não mereço tanto empenho.’
Respondi: 'Que cartão?’
Ele soltou um 'deixa pra lá’ e foi embora se sentindo o mais esnobado dos homens. E assim terminou uma linda história de amor que nunca começou. Anos depois nos encontramos casualmente e tivemos um rapidíssimo affair, mais aí já não éramos os mesmos, não havia clima, ficamos juntos apenas para ver como teria sido se. Vimos. E não escutamos sinos, não fomos flechados pelo Cupido. Cada um voltou para a sua vida e nunca mais tivemos notícia um do outro.
Contei essa história para um amigo outro dia e ele comentou que conhecia outras mulheres assim. Epa, assim como? Ora, assim medrosa, desconfiada, temendo pagar micos diante da vulnerabilidade que toda paixão provoca. Ele estava certo. Era assim mesmo que eu me sentia aos dezessete anos: medrosa e incapaz de levar um grande amor adiante. Quando recebi o tal cartão, deveria ter ligado imediatamente para o meu príncipe encantado para agradecer e convidá-lo para a festa.
E se ele tivesse dito: 'Que cartão?’
Eu responderia: 'Deixa pra lá, mas venha à festa assim mesmo’. E então eu assumiria as conseqüências, não importa quais fossem. O nomezinho disso: vida. É sempre uma incógnita, portanto não vale a pena tentar fugir das decepções ou dos êxtases, eles nos assaltarão onde estivermos. Se você for uma garota boba como eu fui, acorde. Ninguém é muita areia pra ninguém. Pessoas aparentemente especiais se apaixonam por outras aparentemente banais e isso não é um trote, não é uma pegadinha, não é nada além do que é: um inesperado presente da vida, que todos nós merecemos.
—  Doidas e Santas - Martha Medeiros.