frodo e sam

Trecho de "O Senhor dos Anéis: As Duas Torres"

“[…] Gollum desapareceu. Ficou longe algum tempo e Frodo, depois de alguns bocados de lembas, se afundou na samambaia castanha e adormeceu. Sam olhava para ele. A luz precoce do dia estava apenas começando a penetrar as sombras sob as árvores, mas ele via o rosto de seu mestre perfeitamente, e as mãos também, repousando no chão ao longo do corpo. Lembrou-se de repente de Frodo deitado, adormecido na casa de Elrond, depois daquele ferimento mortal. Naquela época, enquanto vigiava, Sam notara que algumas vezes uma luz parecia emanar de seu interior com um brilho fraco; mas agora a luz estava mais visível e forte. O rosto de Frodo estava tranquilo, as marcas do medo e da preocupação haviam sumido; mas parecia velho, velho e bonito, como se o cinzelar dos anos agora se revelasse em muitas linhas finas que antes estiveram escondidas, embora a identidade do rosto não estivesse alterada. Não que Sam colocasse as coisas para si mesmo desse modo. Balançou a cabeça, como se as palavras lhe parecessem inúteis, e murmurou:

‒ Eu o amo. Ele é assim, e algumas vezes isso se manifesta, de alguma forma. Mas o amo, quer isso aconteça ou não. […]”

J. R. R. Tolkien

O Senhor dos Anéis: As Duas Torres

Livro IV, Capítulo IV - “De ervas e coelho cozido”, pág. 265-266

- Mas - disse Sam, com as lágrimas brotando em seus olhos - achei que o senhor também ia desfrutar o Condado, por muitos e muitos anos, depois de tudo o que fez.

- Eu também já pensei desse modo. Mas meu ferimento foi muito profundo, Sam. Tentei salvar o Condado e ele foi salvo, mas não para mim. Muitas vezes precisa ser assim, Sam, quando as coisas correm perigo: alguém tem de desistir delas, perdê-las, para que outros possam tê-las. Mas você é meu herdeiro: tudo o que tive e poderia ter tido lhe deixo. E também você tem Rosa e Elanor; e o menino Frodo virá, e a menina Rosinha; e Merry, Cachinhos Dourados e Pippin, e talvez ainda outros mais que eu não consigo ver.

Suas mãos e suas atenções serão necessárias em todo lugar. Você será o prefeito, é claro, enquanto quiser ser, e o jardineiro mais famoso da história; e você lerá coisas no Livro Vermelho, e manterá viva a memória da era que se passou; assim as pessoas se lembrarão do Grande perigo e amarão mais ainda sua terra querida. E isso o manterá tão ocupado e feliz quanto alguém pode estar, enquanto prosseguir a sua parte da História.

                       

—Aonde o senhor vai, Mestre? - exclamou Sam, embora finalmente percebesse o que estava se passando.

—Para os Portos, Sam - disse Frodo.

—E eu não posso ir.

—Não, Sam. Pelo menos não por enquanto, não além dos Portos. Embora você também tenha sido um Portador do Anel, mesmo que por pouco tempo. O seu tempo pode chegar. Não fique muito triste, Sam. Você não pode sempre ficar dividido em dois. Terá de ser um e inteiro, por muitos anos. Ainda tem muito para desfrutar, para ser e para fazer.

(Trecho de O Retorno do Rei).