freneticamente

tu me tirar o ar.
meus pulmões diminuem
freneticamente e é difícil manter uma respiração compassada, porque tu, meu bem me afeta, me espreme, me comprimi.

tu me deixa sem ar
e eu não consigo respirar.

vem, e me tira o ar num beijo apaixonado, me deixa sem freio de mão,
me deixa sem rumo,

me tira o oxigênio,
me respira a alma,
pegue pra você,
tudo pra você,
amor.

Meu marido é um voyeur...

Olá para todos, sou a Danielle tenho 23 anos e sou casada com o Ronny a quase 3 anos. Quero avisar a todos, principalmente as mulheres casadas que estiverem começando a ler esta historia que se tiverem rigidos principios morais fechem o texto agora e nao o leiam. Agora se estiverem dispostas a quebrar velhos tabus vao em frente pois assim como voces tambem norteei minha vida com muita moralidade ate o dia em que ocorreu esse evento, e a pedido do meu marido escrevi e aqui estou publicando.

Um dia meu marido me falou sobre manage, como nasci e me criei no interior eu nem sabia direito o que era, entao ele me explicou que muitos casais convidam outra pessoa para juntos se divertirem, sexualmente falando. Fiquei furiosa com ele pois pensei que ele estivesse querendo transar com outra mulher, entao num impulso de raiva perguntei a ele o que sentiria se eu transasse com um outro homem e fiquei mais perdida ainda quando ele me respondeu, tesao muito tesao. Nao disse nada apenas fiz sinal de negativo com a cabeça e fui dormir. O Ronny veio logo depois mas eu fingi que estava dormindo pois queria pensar direito naquela conversa. E fui noite adentro pensando, as vezes eu concluía que meu marido nao me amava mais, outras vezes ficava pensando em como seria transar com outro homem. A noite passou e na manha seguinte meu marido me pediu desculpas pelo que disse, eu perguntei se ele ainda me amava como antes, e ele jurou que seu amor em nada tinha mudado que eu poderia ter certeza disso, entao eu o abracei e beijei muito porque tambem o adoro demais.
Ele viajou naquela tarde e ficou fora 10 dias, apesar de conversarmos todos os dias por telefone eu ja nao aguentava mais de saudades, nas transavamos quase todos os dias e 10 dias sem ele era para mim uma tortura ja que aos 22 anos, sexo é coisa que vinha a cabeça toda hora, inclusive eu ansiava para que tocasse naquele assunto novamente, mas ele n?o falou mais nada sobre aquilo.
Numa sexta-feira o Ronny anunciou que no dia seguinte estaria de retorno e que me levaria a um motel para matarmos a saudade, fiquei tao feliz e desde que acordei no sabado tratei de cuidar de mim, fui ao salao de beleza, fiz massagens, me depilei toda como ele gosta e ate comprei lingerie nova para juntos comemorarmos a sua volta. 
Assim que ele chegou no sabado a tarde tomou banho e fomos jantar, de tanta ansiedade nao comi quase nada, pois nao via a hora de irmos ao motel, ainda mais que ele prometia ser aquela noite inesquecivel. Quando chegamos ao motel ele me deixou dentro do carro e entrou na recepçao e lá demorou uns 15 minutos, quando voltou desculpou-se pela demora e disse que estava fazendo o pedido da bebida que tomariamos na suite. Entrarmos ele foi logo tirando minha blusa e a sainha que eu usava, e fiquei muito feliz por ter notado e elogiado minha lingerie, era uma tanguinha bem pequena e delicada e um sutiã meia taça, que segundo ele ficou muito sexy em mim. Notei que o elogio era sincero porque senti que seu penis fazia volume ao encostar em meu bumbum, entao o chamei, sentei ao lado da cama e tirei sua roupa. Ao ver que ele ja estava excitado eu comecei a masturba-lo, ele colocou as duas maos em minha cabeça e eu entendi o que ele queria, alias eu tambem estava querendo sentir o seu penis na boca. Comecei a fazer sexo oral e estava tudo t?o excitante que nem percebi quando bateram na porta da suíte. Meu marido afastou minha cabeça e disse que deveria ser o garçon trazendo a bebida que ele havia pedido e mesmo pelado foi atender a porta. Fiquei sentadinha na cama aguardando ele voltar para continuarmos com aquele ato que estava me dando tanto prazer.
Escutei outra voz masculina conversando com meu marido na ante-sala e logo o vi entrando no quarto junto com um rapaz de pele castanha escuro, alto, forte, parecendo um segurança, trajando apenas uma sunga exageradamente cavada. Trazia em sua mao uma bandeja com o champagne e duas taças. Enquanto colocava a bebida nas taças o Ronny aproximou-se de mim, estendeu a mao, me levantou da cama e me beijou, eu falei a ele com tom ironico, que aquilo é que era serviço de quarto, me referindo ao rapaz. Meu marido deu um sorriso maroto disse que eu ainda nao tinha visto nada. O rapaz encheu as taças, deu uma ao meu marido e com a outra veio em minha direção, estendi a mao para pegar ele me pediu para por a bebida em minha boca. Olhei para o Ronny e ele fez sinal de afirmativo com a cabeça. O rapaz se posicionou atras de mim e levou a taça ate minha boca, enquanto eu bebia, ele com a outra mao acariciava meu ombro. O Ronny que ja tinha largado sua taça no balcao me olhava e ao mesmo tempo massageava o proprio pinto. Veio ate nos e pegou a taça da mao do rapaz, que aproveitou para com as duas maos massagear meus ombros. Imaginei tratar-se de um daqueles massagistas profissionais que atendem em domicilio e que eu receberia uma gostosa massagem relaxante antes do sexo. Confesso que estava muito bom sentir aquelas maos grandes massagearem meus ombros e por um momento ate esqueci que nos encontravamos num motel, meu marido pelado e eu apenas de roupas íntimas sendo massageada por um homem que eu nunca tinha visto.
Fui surpreendida quando as maos do rapaz seguraram meus seios. Me assustei, ao mesmo tempo me arrepiei toda, pois voltou a minha cabeça o motivo pelo qual estavamos no motel. Abri rapidamente os olhos e quando ia fazer uma reclamaçao pela ousadia notei que o Ronny se masturbava a toda velocidade, entao ainda meio confusa nao esbocei reaçao alguma. A confusao na minha cabeça aumentou ainda mais quando o rapaz desabotoou meu suti? e tirou-o do meu corpo, voltando a segurar meus seios e aperta-los firme mais carinhosamente. Aí num impulso de moralidade olhei preocupada para o Ronny, que percebendo minha reaçao parou de se masturbar, aproximou-se, me beijou e disse que eu sou o grande amor da vida dele. Pensem o desconserto das minhas id?ias, eu ouvia as palavras de carinho do meu marido e sentia as maos grandes daquele estranho espremerem meios seios, era uma confusao total na minha cabeça. 
 O Ronny afastou-se um pouco e eu senti as maos do rapaz deslizar pela minha cintura deixando enroscar os polegares nas cordinhas laterais da minha tanguinha e assim ele foi baixando as maos pelas minhas pernas abaixando junto minha lingerie ate o meio das coxas. O Ronny mais uma vez interrompeu sua masturbaçao, ajoelhou-se na minha frente e terminou de tirar a última peça de roupa que cobria meu corpo, depositando-a sobre a cama.
 Imaginem voces, eu estava totalmente nua na frente de um homem estranho quase nu, meu marido tambem pelado, excitado e se masturbando, voces conseguem imaginar a cena, O rapaz saiu de tras de mim e veio ate a minha frente onde os dois ficaram olhando meu corpo, o rapaz comentou que eu parecia uma menininha, imaginei que ele estava se referindo ao meu sexo por eu estar toda depilada. 
Meio que involuntariamente eu olhei em direçao da cintura do rapaz e vi que a sunga dele ja nao mais comportava ocultar por completo o volume que se formou dentro dela. Na minha cabeça passavam-se mil pensamentos, por um lado os principios morais me cobravam uma reação imediata de repodia aquilo tudo, e por outro lado meu corpo estava todo excitado e eu tremia inteirinha. Novamente o rapaz veio atras de mim, e com o canto dos olhos vi sua sunga cair sobre a cama ao lado da minha lingerie. Me contive a nao olhar para o corpo do rapaz temendo nao poder me controlar, pois ja imaginava o que a sunga estava ocultando, por isso me limitei a continuar imovel, talvez esperando compreender melhor aquela situação. Fiquei paralisada quando ele novamente pos as maos sobre meus ombros, ai decidi que mesmo excitada daquele jeito colocaria um fim naquela cena. Abri meus olhos procurando em meu marido reunir mais forças para resistir a tentaçao mas o vi olhando atentamente para nos, masturbando freneticamente o proprio pinto, e como se nao bastasse senti o membro duro do rapaz encostar no meu bumbum e ai nao tive mais forças de lutar pela moralidade. O Ronny se aproximou e levou a mao ate meu sexo, e sorriu para mim ao ver o quanto eu estava excitada, pediu que eu abrisse as pernas para que pudesse tocar melhor em mim, ao fazer isso o rapaz aproveitou para empurrar o seu membro entre as minhas coxas, me deixando montada sobre o seu pinto. Era demais sentir a pulsação do seu membro entre as pernas, O Ronny ainda apertava a cabeça do pinto do rapaz contra o meu sexo, de tao molhada que eu estava ele quase conseguiu penetrar em mim a ponta do pinto, mesmo eu estando em pé. Nao resisti e tive o maior dos orgasmos ali mesmo, lambuzando ao mesmo tempo o penis do rapaz e a mao do Ronny que insistia em pressionar daquele pinto contra o meu sexo. Foi um orgasmo tao intenso que me faltou forças nas pernas e se o rapaz nao me segurasse pela cintura teria caido no chao. Me levantou nos bra?os, colocou-me de bruços na cama e come?ou a beijar meu bumbum e logo estava passeando com a lingua pelo meu sexo, apesar da intensidade do orgasmo que acabara de ter nao consegui parar de sentir prazer, com os olhos fechados escutava o barulho que meu marido fazia ao se masturbar bem do meu lado.
O rapaz parou de me chupar pegou um edredon, estendeu no chao e me pos de joelhos sobre a coberta, sentou-se ao lado da cama abriu as pernas e me chamou para dentro delas, foi aí que eu tive a vis?o do paraíso ao ver aquele pinto, grande, grosso e rijo, as bolas penduradas para fora da cama davam a impressão de estarem pesadas, cheias de esperma dando a entender que aquele rapaz precisava e muito de sexo. De joelhos entre suas pernas e sem conseguir desviar o olhar do seu membro escutei ele dizendo ao meu marido que queria ser manipulado. O Ronny passando a mao no meu cabelo me mandou (com estas mesma palavras) ?bater punheta para o rapaz, segurei no seu membro e comecei a masturba-lo e parecia que quanto mais eu o manipulava mais duro ficava. O Ronny acompanhava tudo de perto fazia pequenas pausas em sua masturbação dizendo estar a ponto de gozar, o rapaz, me mandava tocar punheta e olhar para o meu marido e mostrar a ele como seu pau estava duro com o meu carinho. Senti as duas m?os do rapaz segurarem minha cabe?a e a puxando em direção ao seu membro, foi so abrir a boca e receber a ponta do seu penis que pulsava ao contato da minha lingua. Por varios minutos me entreguei de corpo e alma aquele ato de olhos fechados apenas ouvindo os gemidos do meu marido se masturbando e do rapaz que insistia em colocar o que podia aquele penis dentro da minha boca, muitas vezes quase me afogando. Escutei meu marido dizer alguma coisa que nao entendi e com o pinto na boca olhei para ele, e num segundo fui alvejada no ombro e nas costas por jatos fortes de esperma vindo do seu pinto, gemendo gozava muito me pedindo para continuar chupando o rapaz, sem tirar o penis da boca vi o pinto do meu marido ir aos poucos diminuindo a intensidade dos jatos até ficar apenas gotejando esperma no carpet, ele continuava gemendo e quase chorando de prazer, balançando seu penis que agora um pouco menos duro mas ainda volumoso. 
Assim que o Ronny terminou de gozar, o rapaz afastou minha cabeça do seu membro, levantou-se e cobriu com o hedredon um balc?o que tinha no meio do quarto, me pos sentada sobre o balcao e posicionou-se entre minhas pernas, meu marido atras de mim me apoiava as costas e enquanto brincava com meus seios o rapaz passava a ponta do pinto no meu sexo, me deixando maluca. Ent?o vagarosamente foi forçando a entrada daquele membro no meu corpo. Meu sexo nao estava acostumado com aquele tamanho e mesmo muito excitada nao conseguia relaxar o suficiente para acolher aquele colosso dentro de mim. Mas com muita paciencia ele foi me invadindo lentamente e apesar do aspecto rude o rapaz foi ganhando a minha confian?a e carinhosamente colocando seu pinto dentro de mim me fazendo ter varios orgasmos durante a penetração. Assim que introduziu grande parte do membro ele parou um pouco e deixou meu corpo se acostumar so entao deu inicio aos movimentos de vai e vem me fazendo perder o juizo e gozar alucinadamente aos gritos com o meu marido mordendo a ponta da minha orelha. Por quase uma hora meu corpo foi explorado pelo rapaz, quando anunciou que ia gozar me deitou no balc?o e encostou a ponta do pinto quase explodindo na minha boca e mal eu passei a lingua ele começou a despejar esperma na minha boca, era tanto liquido que precisei engolir um pouco para nao me afogar. Apontou o pinto para os meus seios e ali soltou mais uma esguichada e acabou em cima do meu sexo e nas coxas, depois ainda subiu novamente com o membro ja um pouco mais mole e espalhou esperma por todo o meu rosto. 
Me elogiou muito como mulher e foi tomar banho. O Ronny me pegou nos braços e deitou-me na cama e novamente me deu mais uma prova do seu grande amor pois nao teve preconceitos de beijar minha boca e meu rosto mesmo eu estando toda lambuza de esperma de outro homem. Pegou a camera e tirou varias fotos para somente depois me enxugar. Assim que o rapaz voltou do banho fomos eu e meu marido para o chuveiro ai procurei retribuir um pouco do prazer que eu havia sentido, masturbei e chupei seu penis ate faze-lo gozar na minha boca provando que a partir daquele dia eu começava a gostar de sentir esperma nos labios, ate nao pelo gosto mas por sentir que nos mulheres mesmo com nossa fragilidade conseguimos atravez de nossa delicadeza e maciez acalmar corpos tesos e rudes.
Quando terminamos nosso banho, havia mais uma garrafa de champagne sobre a mesa, tomamos e eu estava morta de cansada deitei e peguei no sono ouvindo os dois conversando na ante-sala. Acordei no outro dia estava morrendo de fome, escutei barulho do meu marido arrumando a mesa na ante-sala, levantei e me deparei com uma mesa linda super arrumada e cheia de delicias. Um lindo buquet de flores enfeitava o meu lugar, com o buquet um cartao agradecendo pela noite, assinado pelo nosso mais novo amigo. Sob a minha xicara uma caixinha preta com um maravilhoso anel, presente do meu marido com muitas juras de amor. Com todos esses mimos e fiquei devedora pois tambem tive a maior noite de prazer da minha vida…
♤👰🐮💜

O que você não pode é perder as esperanças. Perder teus sonhos, teus objetivos. Porque problemas são obstáculos aos quais não conseguiremos nunca desviar. Sempre vamos estar correndo freneticamente tentando chegar em algum lugar quando, de repente, levamos aquele capote feio pra lembrar que temos que ir mais devagar. Quem chega lá no final do caminho onde tem luz,  sorrisos, glórias e aplausos, são as pessoas que nunca deixaram a peteca cair. São as pessoas que sempre mantiveram-se firmes, com a cabeça erguida. Que sempre souberam lidar muito bem com as falhas. Coloque nessa sua cabecinha de vento que a vida é assim mesmo. E que nem tudo está perdido.
—  Estopins.

Para minha futura esposa.

Oi querida, eu nem te conheço ainda, mas tenho tanto pra falar sobre a gente… Gostaria de começar dizendo que sinto sua falta, mesmo antes de te conhecer e que não sei realmente se esses são os planos de Deus pra minha vida, mas estou preparado se for e torço pra ser.

Escrevo esse texto para você saber, que muito antes de chegar, eu já te procurava, e eu passei por várias coisas nessa ansiosa espera, mas posso te contar elas outro dia enquanto estivermos deitados no chão da sala assistindo um filme, ou no intervalo de um programa qualquer, você vai rir certamente.

Quero aproveitar pra dizer que te fazer sorrir, será uma das coisas que mais me darão prazer.

Bem, eu tenho buscado freneticamente em Deus por você, e quanto mais faço isso, mais Ele me faz esperar. Não sei o motivo, Ele sabe, eu só tenho abaixado a cabeça em reverência e tento por meu coração no lugar dele, que é bem enganoso por sinal, mas Deus não é.

Eu oro por você, teve alguns dias que me desesperei com outros problemas e esqueci, desculpa por isso, mas no geral, orar pela gente tem sido prioridade na minha vida, e esse ato me faz te amar, é… eu te amo, antes de te conhecer fisicamente, mas sei lá… Me sinto ligado emocionalmente a você, sei que o Senhor não vai errar quando nos aproximar, sinto isso tão real quanto as teclas que toco pra te escrever isso.

Tomara que você pratique oração, porque vamos orar juntos sempre.

Eu desejo que você seja próxima de Deus, muito próxima por sinal, que me ensine sobre Ele, que me ajude a entende-Lo, que resplandeça dEle em você. Desejo que compartilhe comigo suas orações, que seja paciente e corajosa, que tenha pulso firme pra falar a verdade e um coração enorme cheio de perdão, eu quero ser conhecedor de ti. Quero te entender com o olhar, e decifrar os teus enigmas.

Quero te confortar, seja com uma palavra ou um abraço e por favor faça o mesmo por mim. Quero entender o Espírito Santo com a tua ajuda, e exercer os mandamentos de Deus ao teu lado, acho que seremos bons companheiros.

Quero te fazer rir, minhas piadas são boas, pelo menos minha mãe acha graça. Quero enxugar suas lágrimas, eu já fiz isso quando a Luísa caiu e cortou o cotovelo. Você vai amar a Luísa, ela é uma criança inteligente e imperativa, talvez já esteja maior quando você chegar, ela é minha única irmã.

Eu quero ajudar você a vencer seus medos e dificuldades, em troca eu só te peço que segure minha mão quando o dia não tiver bem.

Eu tenho estudado bastante pensando em você e nos nossos filhos sabia? Eu já dei nome pra eles, tomara que você não ache ruim, e eu quero ter 4, mas não me incomodo se você quiser 5, 6 ou 7. (É sério)

Minha mãe diz que já estava grávida de mim, na minha idade (20), eu acho que é uma indireta, então não demora por favor.

Eu estudo Arquitetura, trabalho e amo obras, arranho um pouco de Teologia, e eu espero que você seja boa em cálculos, tenha bom gosto pra revestimento e seja uma teóloga praticante, porque eu vou recorrer a você sempre que tiver uma duvida. Isso pode acontecer as 4:00hr da manhã quando eu não conseguir resolver algum dilema, me ame mesmo assim.

Eu não desejo uma vida luxuosa, espero que seu coração não esteja ligado a isso. Eu quero apenas uma casa aconchegante pra chegar no fim do dia, lençóis macios e um abraço confortante. Nós vamos viver uma vida longa juntos e talvez você me encontre perdido no meio dos meus trabalhos, eu gosto disso, mas me tome a atenção pra ti, eu vou errar algumas vezes. Se eu dormir na mesa em cima dos meus projetos, me acorde e me leve pra cama, ou me traga um café, eu amo café.

Quando estiver lendo isso, provavelmente já vai saber que eu amo fazenda, animais, criança, música e esportes… Espero que não tenha problema, eu tenho vontade de passar a semana no sítio e o final de semana em casa, é impossível, eu sei, não será assim, mas não deixa de ser uma vontade. Eu queria ter uma dúzia de cachorros, mas vai dar trabalho e nossa rotina não vai deixar a agente dá atenção devida, mas pode ser reduzido a dois. Eu amo crianças, e esse é um dos maiores interesses da minha vida, quero ter várias, não me negue isso por favor! Eu toco pouco, mas juro que farei uma música pra você, não se incomode com minha voz, é terrível. Os esportes é um hobby, se você não fizer comigo, vai perder a graça com certeza.

Bem, eu penso em ti frequentemente, e luto contra a ansiedade, porque ela trás frustrações, eu tomara que você pratique isso, porque agora tô te buscando em Deus e lá você pode me achar também.

Eu não quero te comparar a minha mãe, eu não faria isso, mas quero encontrar qualidades dela em você. Ela é a pessoa que mais amo na vida, espero que vocês se deem bem, ela vai ser uma boa sogra pra você, garanto que vai te amar como filha.

Meu pai é brincalhão, espero que você tenha senso de humor pra piadas, ele pode te inventar um apelido antes mesmo de perguntar seu nome, mas tem sérios conselhos e com certeza ele vai querer conversar com a gente pra saber nossos planos de vida.

Eu tenho buscado ser alguém melhor, ser melhor pra você. E tenho praticado isso com minha família, pra então construir a nossa, se o Senhor me ajudar, serei melhor todos os dias.

Tem várias coisas que tô te esperando, pra poder fazer… Como; plantar uma árvore e escrever nossas iniciais nela, viajar pro Sul, nadar em alto mar, pular de paraquedas. Seja destemida e goste de aventuras, vai ser divertido.

Eu quero construir uma casa na árvore pros nossos filhos, um balanço de pneus, brinquedos de madeira. Quero instruí-los a ler, por mim não terão tablets, computadores e celular, até que cheguem a adolescência, se seu coração estiver sincronizado ao meu, acho que vai me entender.

Desejo que nossos filhos aprendam com a gente as lições práticas de vida e que a bíblia seja o manual de sobrevivência deles, eu já os amo tanto.

Eu não me incomodo com aparência, você já deve ter visto que vou pra qualquer lugar de jeans e havaianas, mas gostaria que você tivesse preferência em vestidos e saias, do que em bermudas, bem, eu acho lindo e adoraria ver você sempre assim.

Se você amar a Deus, idosos, crianças e animais, meu coração será o mais contente que alguém pode ter, realmente terei achado um tesouro.


E meu tesouro, seja minha melhor amiga, eu prometo ser o seu melhor amigo.


João Victor Rodrigues Neto.

Você me confunde demais, e é por isso que eu odeio você. Você me confunde, bagunça minha vida, desorganiza a faxina que acabei de fazer no coração, e é por isso que eu sinto vontade de te estapear, porque você volta e me tem. Você volta e meu sorriso brilha, meu coração pula, as borboletas no meu estômago começam a voar freneticamente, meu pensamento não consegue mudar de assunto, só tem você. Aquele frio na barriga volta, como se eu fosse desfilar numa escola de samba. E ai, eu sinto vontade de te ter hoje, amanhã, e depois. Só que você é inconstante demais. Hoje você quer, amanhã não mais. Você me confunde demais.
—  O Homem que eu amei.

Esquece isso menina, você nunca vai se comportar ou simplesmente parecer com aquelas garotas que aparecem no explorar do instagram. Mas me fala uma coisa, quem foi que te disse que sua forma singular é feia?
Quem disse que o seu cabelo caído no rosto é feio? Ou a forma que os seus olhos acompanham tudo o que acontece em volta? Como você morde freneticamente a boca quando está ansiosa? Quem disse para você isso? Quem foi que estabeleceu um padrão falando que você tem que ser igual a menina que aparece no explorar?
Enquanto você se olha no espelho e começa a numerar os seus defeitos, Jesus olha para você e começa a numerar as suas qualidades. Ele está doido para te contar cada uma delas, mas está esperando que parta de você um “Jesus, deixa eu me olhar com os Seus olhos?”
O próprio Amor é perdidamente apaixonado por você, a ponto de ter morrido de amores por você. Se ame da mesma forma que Ele te ama.
O seu valor não está relacionado com a quantidade de curtidas que você tem nas fotos, quantos te acham bonita, ou quantos querem simplesmente “ficar” com você. O seu valor é o próprio Amor crucificado no seu lugar, para que você permanecesse viva. E vamos concordar? Não precisamos de mais nada, só isso basta!
- Pietra Borges

O amor te deixa assim; as pernas ficam bambas, o coração palpita freneticamente, a respiração fica ofegante e existem mais de um milhão de borboletas em seu estômago prestes a sair e pronunciar as mais belas palavras, tudo por que ela está bem ali, na sua frente, Deus deu esse momento tão de vocês e se foi presenteado por ele ninguém é capaz de mudar isso.

Rayza Siqueira

[…] Ma intanto ti esaminavo disperatamente, freneticamente, tentando di risolver l’enigma, decifrare il fascino anzi la magia che emanava da te. C’era qualcosa in te, mi dicevo, che nel medesimo tempo attraeva e respingeva, struggeva e terrorizzava. Come quando si guarda dall’ultimo piano di un grattacielo e ci sembra di volare, ma insieme ci sembra di precipitare nel vuoto.
—  Oriana Fallaci, Un uomo. 

Chupa com tesão

Vem trazer emoção

Faz a língua dançar

Freneticamente alcançar

Do meu corpo abusar

E depois me lambuzar

Mapeando minhas curvas

Em nossas preliminares

Encaixando sua boca

E com os teus dedos dedilhares

Com todo esse desejo

Que me faz delirar

Com o doce sabor do teu beijo

Como não se apaixonar

No lascivo do prazer

Vou cair na tentação

Nesse amor que seduz

Te darei meu coração !

Analice Michelly

Imagine - Louis Tomlinson

* Pedido: Finalmente pedidos abertos 👏 faz do lou q eles estão casados e ela é blogueira de moda e sempre fica dando opinião nas roupas do Louis mas ele tem aquele estilo despojado e gosta de roupas esportivas até q um dia ele se irrita c/m ela por causa disso o que acaba numa grande discussão c/m direito a grito e choro, eles passam a ignorar um ao outro dentro da própria casa e a convivência fica ruim ate o dia q ela precisa de ajuda pra motar um look e ele é quem ajuda e ai eles se entendem, obrigada



- Você vai assim?

Ele perguntou pedindo para que ele respondesse que não, que estava indo se arrumar. Ele, por sua vez, olhou para sua própria roupa tentando ver o que tinha de errado com a roupa que ele tinha escolhido para usar.

- Vou. Algum problema?

- Você vai de calça de moletom, tênis e camiseta branca nesse jantar?

- É um jantar causal com os nossos amigos. Não precisa ir tão arrumado.

- É um jantar com os nossos amigos sim, ok. Não precisa ir tão arrumando; eu concordo. Mas também não precisa ir tão desleixado assim, né?! – ela tentava o convencer a mudar sua roupa.

- É uma roupa normal, (S/N). Eles já estão acostumados a me ver desse jeito. Não vejo nenhum problema em ir assim. – ela se segurou para não rolar os olhos. – Não demora ai, já estamos atrasados.

- Você é sempre assim, né, Louis? – ele voltou a encará-la. – Poxa, sempre com esse estilo largado, nunca se arruma direito, está sempre, em todos os lugares, com esse tipo de roupa.

- Eu só não sou como você, que ama moda e que quer estar arrumada até pra ir na esquina. Eu gosto desse tipo de roupa; é o meu estilo.

- Tudo bem, eu sei que é seu estilo. Mas você poderia se arrumar um pouquinho mais, às vezes pelo menos.

- Eu não gosto disso, (S/N). Eu não ligo para essas coisas, e você sabe disso. Nunca fui de ficar me arrumando, pra nada.

- Eu sim, Louis! – ela gesticulava e falava alto, assim como ele. – Mas você poderia, ao menos, se esforçar para se arrumar um pouquinho mais, em algumas ocasiões pelo menos.

- Mas eu não gosto! – falou mais alto ainda, assustando a mulher. – Eu não sou igual a você. Não gosto de moda, não gosto de ficar me arrumando pra tudo. Eu não sou igual a você, que fica se preocupando com essas coisas banais, que só pensa em roupas e moda. Você só pensa nisso. Só moda, roupas, tendências. Eu não sou assim, (S/N).

As palavras dele a atingiram de uma maneira arrebatadora. Foi um baque escutar essas coisas justo dele, que parecia não se importar com isso. Ele sempre se divertia enquanto ela ficava escolhendo suas roupas, desde para ir a um jantar simples na casa dos amigos, até para ir a um evento importante.

Seus olhos estavam transbordando em lágrimas. Ela olhava para ele ainda sem acreditar no que acabara de ouvir do seu próprio marido.

- Então somos o oposto. Porque você é um desleixado, mal arrumado, relaxado. Nunca está nem ai pra nada; sempre desse jeito ai. – apontou para ele. – Bom saber que é dessa forma que você me vê; como uma pessoa banal , e que só se preocupa com coisas banais! – secou algumas lágrimas e só então ele percebeu o que tinha feito. Ela fungou e secou suas lágrimas. – Eu não vou mais a essa merda de jantar. Espero que você se divirta lá, com pessoas não banais! – jogou todos seu cinismo e sarcasmo em cima dele. Jogou a peça de roupa que segurava em cima da cama e se trancou no banheiro.

Ele sabia que ficar ali e insistir numa conversa seria pior. Decidiu espairecer um pouco, e dar um tempo para ela fazer o mesmo.  

Depois daquele dia, eles passaram a se ignorar dentro da própria casa. Não trocavam uma única palavra, mal se olhava. Eram como completos estranho, dividindo o mesmo teto. Ela era a que mais fazia questão de agir assim.

Estava sendo torturante para os dois, mas ambos eram orgulhosos demais para ir atrás do outro e se desculpar; até porque os dois achavam que tinham razão. E de certa forma tinham.

Ele achava que ela não precisava ter feito aquele escarcéu todo só por causa de uma roupa pra ir na casa de uns amigos. Esse era o estilo dele, ela deveria ter se acostumado com esse jeito dele. Ele nunca gostou de moda, só sabia de algumas coisas por causa dela. Esse é o jeito dele. E, para ele, ela deveria o aceitar assim.

Já ela achava que ele não precisava ter sido tão grosso com ela, e ter dito aquelas coisas. Ela não é uma pessoa banal, que só se preocupa com moda e estar sempre bem vestida. Claro que ela gosta de estar arrumada, com roupas boas e na moda. Afinal esse é o seu trabalho; ela vive da moda, convive com ela todos os dias; é uma das maiores referencias e um ícone desse mundo da moda. Mas essa não é sua única preocupação na vida. Ele pegou pesado.

- Amiga, eu estou muito nervosa! – Nicole dizia do outro lado da linha.

- Fique calma, vai dar tudo certo!

- Você vai chegar cedo, né? Que roupa você vai usar?

- Eu pretendo! Ainda não sei nem o que vestir! – fez um bico enorme, mesmo sabendo que sua amiga não veria. – Mas certamente será uma peça da sua marca!

Ela estava no seu closet, apenas com um roupão, olhando a imensidão do seu armário de roupas e tentando escolher alguma para usar. Mas não consegui escolher uma única peça de roupa. Seu cabelo já estava bem limpo e escovado, e sua maquiagem já estava pronta; leve e bem iluminada.

- Pede ajuda ao Louis! Ele vai te ajudar a achar uma coisa legal! – ela soltou uma risadinha. – Ele vai com você, né?!

- Eu não sei. – mordeu o lábio. – Eu acho melhor não. Vou sozinha mesmo. – fez um barulho com a língua.

- (S/A), está tudo bem? – ela percebeu o tom triste e chateado da amiga.

- Sim, está! – mentiu. Não queria preocupar a amiga; ainda mais num dia tão importante como esse. – Eu vou desligar. Preciso terminar de me arrumar. Nos vemos lá! Beijos!

Viu um meio de se livrar daquela ligação e daquele assunto. (S/N) não queria entrar nesse assunto; não agora. Jogou o celular na poltrona e voltou para sua difícil tarefa de escolher uma roupa pra usar.

O evento era importante, com toda a mídia presente e outros nomes da moda. Sua melhor amiga, Nicole, iria lançar sua grife hoje e junto teria a inauguração da sua loja. Ela tinha que achar uma roupa a altura desse evento. Mas tudo que ela conseguia pensar era na falta que os palpites de Louis estavam fazendo.

Do lado de fora do quarto, Louis escutava tudo que ela conversava com a amiga. Ali ele percebeu que tinha a magoado de verdade, e o quanto as suas palavras naquele dia a atingiram. Ele foi muito rude com ela.

Chegando perto da porta do closet, viu ela roendo uma unha e batendo o pé freneticamente. Ela sempre fazia isso quando não consegui se decidir em uma escolha; principalmente quando o assunto era roupa. Ela bufou irritada, fazendo com que ele sorrisse.

- Eu voto no macaquinho branco ou no vestido vermelho. Você vai ficar linda com qualquer um dos dois!

Ela olhou para ele e não disse nada, nem esboçou nenhuma reação. Ignorou a presença dele e o que ele disse, voltando sua atenção para suas roupas. Mas agora, claro, focando nas duas peças que ele havia sugerido. Mas ela não daria o braço a torcer.

Ele chegou perto dela, abraçando a cintura dela, deu alguns beijinhos no seu pescoço e apoiou seu queixo no ombro dela.

- Por que você não experimenta?! – sugeriu.

Ela respirou fundo com a aproximação do moreno. Mas, ao lembrar de tudo que ele disse e de tudo que tinha acontecido naquela noite, se afastou. Ele suspirou.

- Não faz assim! – pediu. – (S/A), olha pra mim. – Por fim ela encarou os olhos azuis do marido. – Me desculpa. Eu falei tudo aquilo sem pensar. Eu não fiz por mal. Me desculpe!

- É isso mesmo que você pensa de mim, Louis? Você realmente acha que eu sou uma pessoa banal?

Ele consegui perceber a manha na voz dela e sorriu com isso. Se sentou na poltrona e a puxou para que ela sentasse no seu colo.

- Claro que não! Eu jamais teria me casado com você se achasse isso! – ela sorriu minimamente. – Eu sei que você ama moda, vive com isso todos os dias. É o seu trabalho! E é claro que isso não é banal. – colocou uma mecha do cabelo dela atrás da sua orelha.

- Então por que você disse tudo aquilo? Poxa, eu só queria que você se arrumasse um pouquinho mais! – fez sinal de pouco com o indicador e o dedão.

- Eu fiquei irritado, você sempre diz que eu tenho que me arrumar mais! – ele riu. – E, de cabeça quente, acabei falando coisas sem pensar; e não pesei as palavras que joguei em cima de você. Eu falei sem pensar, e, nem de longe, queria te magoar.

- Então eu não sou banal?! – um sorrisinho surgia no seus lábios, e ela levantou as duas sobrancelhas.

- Eu acho que você é a pessoa mais incrível desse mundo! E eu amo você e amo esse seu jeitinho. Eu juro que eu não fiz por mal. Me desculpa?

Ela se derreteu com cada palavra dita por ele. Era impossível não ceder com ele falando desse jeito, olhando pra ela dessa forma e dizendo tudo que ela acabou de escutar.

Ela sorriu grandemente e assentiu, fazendo com que ele sorrisse aliviado.

- Eu desculpo você!

Ele a encarou e beijou seus lábios com carinho; finalizando com uma mordidinha no lábio inferior dela.

- Eu posso ir com você? – ela sorriu.

- Eu vou amar se você me acompanhar! – ele sorriu e deu mais um beijo nos lábios avermelhados dela.

- Eu ainda não sei que roupa eu vou usar! – fez um bico enorme, que ele fez questão de morder.

- Eu te ajudo a escolher!



Reaction BTS: Alguém dando em cima da S/N


Taehyung: Taehyung e você  estavam em uma balada, acompanhados por amigos. Após algumas doses de vodka você estava ficando um pouco alterada e decidiu ir dançar um pouco,Tae não te acompanhou pois suas amigas o fizeram. 

Suas amigas já haviam saído da pista de dança, mas você permanecia no mesmo lugar dançando muito, até que alguém chegou por trás de você e começou a te paquerar, você se afastou e disse que não queria nada, mas o rapaz insistiu e sem pensar, Taehyung que observava tudo, se aproximou:

Keep reading

One Shot Louis Tomlinson

  • Pedido - Tay quero um do Louis que ela é ex dele e eles têm um filho mas ele não liga para a criança e ambos voltam para a cidade natal e se reencontram


As coisas nunca foram fáceis quando (seu nome) se descobriu grávida, não fazia muito tempo que tinha terminado o namoro de dois anos com Louis e para ele isso foi como se ela estivesse tentando reatar o que tiveram. Ele ajudava em algumas coisas, mas sempre deixava claro que não seria muito presente por ser um filho que ele não desejava, ela não sabe ao certo quando ele começou a ser extremamente indiferente quando se tratava dela, mas era visível que não poderiam nem ter uma amizade.

Assim como os meses de gestação passaram, os anos também foram passando e Louis foi ficando cada vez mais distante. Hoje Christopher tem cinco anos e a última vez que Louis apareceu em suas vidas foi no primeiro aniversário do garoto, depois disso (seu nome) não o procurou e nem insistiu para que ele fosse pai para o seu filho, ela não queria que ele aparecesse e sumisse sempre, isso deixaria seu filho desestabilizado.

(Seu nome) fazia de tudo para que Christopher não sentisse a falta de um pai na sua vida, ela o amava imensamente e fazia questão de lembrar isso sempre para que ele não lembrasse que também poderia ter o amor de outra pessoa. Somente uma vez por ano ela não conseguia o confortar completamente, o dia dos pais sempre foi um pouco triste desde que o garoto entrou para a escolinha.

No primeiro ano estudando, quando (seu nome) foi o pegar em sua sala, ele estava com a cabeça apoiada sobre os bracinhos em cima da mesa e quando ela o chamou pelo nome, ele correu até ela a abraçando enquanto seus olhos e nariz estavam vermelhos por causa do choro. A professora explicou que eles estavam na semana de preparação para a apresentação e presentinhos para os pais e que quando Christopher disse que ele não tinha um, as crianças riram dele causando o choro que não cessou durante todo o resto de aula.

O caminho para casa foi silencioso diferente dos dias em que Christopher se empolgava contando sobre o que havia feito na escolinha e todo esse silêncio cortava o coração de (seu nome) pois ela sabia que podia fazer nada para colocar sorriso no rosto dele, isso infelizmente não dependia dela. Quando entraram em casa, Christopher foi direto para o quarto de brinquedos e sentindo a dor de ver o filho tão triste, (seu nome) buscou o número de Louis em sua agenda, mas o número não era mais dele.

Ele não poderia se importar menos com o filho, nem ao menos ligou para atualizar o contato. Suspirando de olhos fechados, nesse dia (seu nome) decidiu que toda a semana que antecede o dia dos pais, Christopher não frequentaria as aulas para poupá-lo da decepção de se sentir abandonado.

— Chris, amor, vamos logo!

(Seu nome) o chamou do andar de baixo enquanto erguia uma caixa do chão, eles estavam se mudando para a sua cidade natal e o caminhão da mudança já havia ido, ela ficou para trás encarregada de levar a Christopher e a caixa onde ficava os seus pertences mais frágeis.

— Já estou indo, mamãe! — Christopher gritou do andar de cima correndo em direção as escadas.

— Ei, não corra ao descer as escadas. — obediente o garoto parou de correr — Temos que ir logo, o caminhão vai chegar antes de nós.

— A vovó vai estar nos esperando? — ele perguntou caminhando para fora de casa na frente da mãe.

— Vai sim, vamos morar naquela casa ao lado da dela, você se lembra? — o garoto assentiu freneticamente e (seu nome) apoiou a caixa sobre a coxa segurando-a com uma mão enquanto trancava a porta com a outra.

— Na casa da tia vovó que me dava biscoitos sempre que eu ia lá. — ele disse sorrindo ao se lembrar — Vamos morar com ela?

— Não… Ela fez uma viagem para o céu e a mamãe comprou a casa. — ela explicou do mesmo jeito que havia o explicado quando o bisavô morreu.

— Eu nunca mais vou ver ela? — ele fez um biquinho assistindo a mãe caminhar até ele.

— Não, meu amor… Mas ela está em um lugar melhor agora, isso é bom não é?! — (seu nome) tentou animá-lo enquanto abria a porta de trás do carro onde colocou a caixa e logo depois o garotinho o prendendo a cadeirinha.

— Sim, ela pode ficar o pai do vovô. — ele voltou a sorrir seguro de que a senhora ficaria bem.

— Agora vamos para a nossa nova casa. — (seu nome) falou animada depois de entrar no carro e deu partida ligando o rádio em uma música infantil.

A semana na casa nova havia sido muito legal para Christopher, o bairro era bem tranquilo e agora que morava ao lado da casa da avó, ele corria para lá sempre que queria e isso era o máximo no pensamento dele. Quando sua mãe saia para o trabalho que ela havia encontrado, ele podia ficar com a avó sem ter que ficar com as babás chatas que não deixava que ele fizesse nada que gostava, diferente da avó que deixa que ele faça de tudo e mais um pouco.

A manhã de sábado havia nascido com um sol radiante e como (seu nome) prometeu a Christopher que o levaria ao parque, às seis da manhã ele estava ao lado de sua cama chamando-a animado para o passeio. Ela havia se esquecido que não podia prometer nada a ele.

Depois de enrolar para que ficasse um pouco mais tarde, eles foram ao parque onde ele foi chegando e fazendo um amiguinho chamado Davi. Eles estavam inseparáveis desde que Christopher chegou, (seu nome) estava procurando uma forma de convencê-lo a ir embora quando desse a hora de almoçar enquanto assistindo-os brincar de pega-pega e às vezes correm de mãos dadas correndo o risco de cair, mas ela não queria cortar o barato deles os mandando parar.

Era quase impossível não sorrir assistindo a inocência dos dois ao brincarem quando nem ao menos se conheciam há muito tempo, ela se perdeu completamente do que havia ao seu redor apenas olhando os dois não muito longe.

— Ele está tão crescido…

(Seu nome) sentiu seu corpo gelar quando ouviu a voz que veio pelas suas costas e quando ela se virou devagar, lá estava Louis olhando para o filho de uma forma que ela não podia identificar. Ela não sabia se havia amor ou algum afeto refletido naquele olhar.

— L-Louis? — ela perguntou ainda surpresa, havia criado dentro de si uma confiança de ele nunca mais voltaria a aparecer em suas vidas — O que está fazendo aqui? — perguntou assim que se recuperou um pouco.

— Eu fiquei sabendo que se mudou e hoje eu estava passando por aqui e te vi, resolvi me aproximar. — foi por acaso, ele não se dispôs nem ao menos bater em sua porta para ver o filho quando soube que estavam na cidade.

— Eu não sabia que você estava morando aqui… — porque se soubesse, ela nunca teria a ideia de se mudar.

— É… Eu me mudei não faz nem três meses. — ele disse e se sentou ao lado da mulher — Isso é ruim para você?

— Não é ruim… É péssimo. — ela foi sincera, não havia porque ser gentil com uma pessoa que não sente amor pelo próprio filho — Christopher não precisa de um pai fantasma. Você nos fazia mal estando longe, não quero imaginar o que fará estando perto.

— Você fala de mim como se eu fosse um monstro. — ele suspirou — Eu não estava preparado.

— Eu também não estava, mas eu não deixei o meu filho, nunca o deixaria. — (seu nome) voltou o olhar para o filho que ajudava Davi se levantar depois que ele caiu e assoprava o joelho ferido do amigo — Ele é a coisa mais preciosa da minha vida, você é um irresponsável, mas me deu o meu maior presente.

— Eu me arrependi de ter o deixado… Tudo bem que não seriamos uma família, mas ele é meu filho. — Louis disse olhando o garoto se aproximar segurando a mão do amigo que tinha lágrimas nos olhos.

— Mamãe, sem querer eu puxei o Davi forte. — Chris disse com um biquinho se sentindo culpado pelo machucado do amigo — Eu não queria fazer dodói nele.

— Tudo bem, querido, vai ficar tudo bem com o Davi. — (seu nome) disse se levantando e se abaixou próxima aos garotos — Onde está sua mãe, doce? — ela perguntou ao menininho que coçava os olhos todo manhoso, ele apontou para o lado e ela pôde ver um homem sentado no banco do outro lado da praça, um tanto irresponsável por estar mexendo no celular e sem nenhuma atenção na criança — Eu vou te levar até lá.

(Seu nome) pegou o menino em seu colo começando a andar em direção ao homem, Christopher iria a seguir, mas Louis segurou sua mão sorrindo para ele e por algum motivo o garoto não ficou com medo do estranho e apenas esperou a mãe onde estava. Ao se aproximar do homem, (seu nome) chamou sua atenção com um pigarreio e assim que o homem se colocou de pé, ela o entregou a criança.

— Bom dia, eu vim trazer o seu filho, ele estava brincando com o meu menino acabou caindo… — (seu nome) apertou os lábios em um sorriso sem jeito.

— Sua mãe já te disse para não ficar correndo. — o homem repreendeu o menino que se encolheu em seu colo — Obrigado, moça.

— Imagina… Qualquer dia desses você e Christopher se veem por aí, Davi. — ela acenou para o menino e ele devolveu o gesto.

Quando (seu nome) se virou para caminhar de volta para o lugar que estava, pôde ver Christopher correndo em sua direção e assim que ele a encontrou, abraçou suas pernas fortemente enquanto Louis vinha logo atrás correndo também.

— O que você fez com ele? — seu rosto assumiu uma carranca no mesmo momento que o garotinho a apertou mais.

— Ele disse que é o meu pai, mamãe… Ele é o meu pai? — os olhos do garotinho estavam cheios de lágrimas quando ele ergueu a cabeça para olhar a mulher.

— Você disse isso para ele? — (seu nome) falou de forma irritada — Quem você pensa que é para invadir assim a vida do meu filho? Pai você não é porque desde o primeiro aniversário dele você não ligou nem para saber se ele estava vivo. Você não pode simplesmente decidir a hora que sai ou entra na vida dele, ele é uma criança e você está o confundindo.

— Eu pensei que ele se lembrava de mim… Eu não sabia que ele ficaria assustado. — Louis disse um pouco envergonhado e com um pouco de dor por não ser bem recebido pelo filho.

— Há muitas coisas sobre ele que você não sabe, Louis. — (seu nome) pegou seu garotinho no colo — Você abriu mão quando resolveu que não queria a responsabilidade de se manter presente na vida dele.

A mulher deu as costas para o homem e começou a caminhar de volta para casa com o menino fungando em seu pescoço. Ela entendia o filho, o assunto ‘pai’ não é bem visto para ele desde seu primeiro ano na escolinha e isso a chateava bastante, não queria que o seu pequeno guardasse mágoa ou medo do passado.

— (Seu nome)? — Louis a chamou fazendo-a se virar antes que estivesse longe o suficiente — Como posso fazer para voltar ser um pai para ele?

— Só… Vai devagar com isso. — ela respondeu sem saber se era uma boa — E só faça isso se for realmente ficar, se pretende fugir depois de um tempo continue sendo um nada para ele, por favor.

Louis assentiu decidido que se colocaria na vida do filho para ficar, não iria fugir ou desistir de conquistar o lugar que ele reivindicou anos atrás. Dessa vez ele assumiria a responsabilidade e não faria mais o seu filho chorar.




Espero que tenham gostado ^.^

- Tay

REAÇÃO DO BTS ao descobrir que você tem um filho.

Rap Monster (Kim NamJoon): Nam ficaria bravo no início por você ter escondido isso por tanto tempo. Vocês estavam saindo a um tempo considerável e ele já se encontrava apaixonado por você. Ele acharia imatura a forma como lidou com isso.

“Você devia ter me contado desde o início, (S/N). Você ter escondido isso torna tudo mais complicado”.

Suga (Min YoonGi): Yoongi ficaria surpreso ao te encontrar na rua de mãos dadas a um garotinho tão pequeno, você não havia visto o homem se aproximar e continuou a andar com seu filho normalmente, que te chamou de “mamãe” bem no momento que o mais velho tocou seu braço. O espanto para o homem seria grande e você não teria reação alguma no momento.

“Ele te chamou… Como assim, (S/N)? Não acredito que me escondeu algo assim!”

Jungkook (Jeon JungKook): Jungkook ficaria surpreso e até um tanto bravo. Ele sabia que você tinha tido um relacionamento anteriormente mas não sabia que havia sido algo tão intenso. Ele encarava a foto da garotinha que você mostrava e olhava para o seu semblante nervoso freneticamente, procurando as palavras certas.

“Aigoo! Como assim uma filha? Por que não me contou antes?”

Jin (Kim SeokJin): Jin sentiria-se confuso com a situação, pensaria mais na forma como seu filho lidaria com a presença dele do que com o fato de você ter escondido isso por medo. E se o pequeno garoto não o aceitasse ou achasse que ele estava tentando roubar o lugar do pai?

“Eu não sei o que te dizer… Eu gosto de você mas não quero que seu filho me veja como um intruso que está tentado roubar o lugar do pai”.

Jimin (Park JiMin): Ele não conseguiria esconder a expressão de choque, apoiaria a cabeça nas mãos e sentiria-se confuso com tantas coisas passando por sua mente ao mesmo tempo. Ele sabia que estava te deixando mais nervosa ainda, mas precisa pensar na situação.

“Eu não sei o que devo fazer agora, eu gosto de você e quero muito levar as coisas pra frente mas isso muda tudo. E se… Se sua filha não gostar de mim?”

V (Kim TaeHyung): Taehyung pensaria muito antes de falar se queria continuar com o relacionamento. Seu maior sonho era montar uma família e descobrir que você já tinha uma - mesmo que fosse apenas você e seu filho - tinha sido um choque para o homem. Ele se veria perdido por gostar de você mas sentiria medo da situação, entretanto tentaria fazer dar certo.

“Você sabe que eu amo crianças, e eu também amo você. Sei que podemos levar isso adiante se nos esforçarmos”.

J-Hope (Jung HoSeok): Hoseok não teria uma reação muito grandiosa quando você o dissesse sobre sua filha, ele apenas deixaria um “wow” escapar de seus lábios e permaneceria te encarando. Na sua cabeça varias coisas se passariam e ele se perguntaria se conseguiria lidar com aquilo.

“Eu não vou dizer que isso não é chocante mas… Eu realmente não sei o que dizer…”

Honeymoon

— Yoongi smut; 2176 palavras

N/A: jjhfrjebrberjbgjrg O QUE É ESSE GIF AAAA

Originally posted by hobjoon

“O que foi?” Taehyung perguntou, vendo seu amigo nervoso. Yoongi olhava de um lado para o outro, as mãos tremendo involuntariamente e, mesmo que fosse imperceptível - ele mantinha aquele olhar todos os dias, já era comum para todos -, Taehyung sabia que havia algo de errado com Yoongi.

“Eu não aguento mais ficar aqui.” Yoongi disse após alguns segundos, segurando a taça de champagne. Taehyung deu uma risada gostosa, jogando a cabeça para trás e colocando a mão no ombro de Yoongi.

Keep reading

Buongiorno Kon-igi. Ho letto con più dispiacere che interesse la diatriba sulla bambina morta di malaria, che su altri blog è andata anche oltre i limiti della decenza. Ho una domanda: come è possibile che non si sia riusciti a curare la bambina?


Prima di risponderti nello specifico apro una parentesi verbosa che cercherò di ridurre ai minimi termini.

Siamo sempre a un passo dal morire.

Il nostro organismo (inteso come insieme di organi) lavora in una perfetta sinergia di equilibrio chiamata omeostasi organica e quando una funzione si altera, l’intero organismo lavora freneticamente affinché siano ripristinate le condizioni ottimali (in maniera autonoma oppure con l’aiuto di farmaci) ma la rappresentazione popolare della medicina moderna, purtroppo, ha dato la falsa percezione che si possa sempre e comunque intervenire in maniera efficace e risolutiva.

Purtroppo non è così.

Quando un fegato va in insufficienza epatica per un’infezione virale o per un avvelenamento, quando subentra una meningite, una pancreatite, un’arteriopatia o un danno degli alveoli polmonari, i medici spesso possono solo tamponare con trattamenti quasi ininfluenti e incrociare le dita sperando nella capacità di ripresa dell’organismo.

Nel caso della bambina, si è trattato di una variante cerebrale della malaria e questo significa che se nella maggior parte dei casi il plasmodium viene efficacemente tenuto a bada da farmaci antimalarici (artemisina, meflochina etc), in questo caso è successo che prima di tutto si è trattato della variante falciparum, la più aggressiva, e poi che sfortunatamente l’azione deformante che questo sporozoo opera sugli eritrociti (il plasmodium entra nel globulo rosso e ne altera la sua forma discoidale) è avvenuta a livello cerebrale perché riuscito a passare la barriera emato-encefalica e quindi in poche ore i globuli rossi deformati e deboli si sono rotti, si sono coagulati e hanno creato micro-ischemie da stenosi capillare del circolo cerebrale con conseguente come e morte.

Purtroppo i sintomi della malaria sono inizialmente scarsi e sovrapponibili a una qualsiasi banale influenza, tanto che la diagnosi differenziale di triage si fa chiedendo se il paziente è stato all’estero in paesi tropicali e nel caso della bambina niente faceva supporre questo tipo di infezione.

Se i medici avessero avuto la sfera di cristallo forse si sarebbe potuto intervenire con terapie mirate ad evitare le complicanze ma difendo con cognizione di causa i miei colleghi dicendo che il Dott.House è un personaggio di fantasia e che se tutti dovessero supporre l’improbabile e intervenire in tal senso, il nostro sistema sanitario nazionale crollerebbe nel giro di un mese.

BTS reaction: Você está grávida

Yoongi: Provavelmente passaria pelo menos 20 minutos olhando fixamente para o teste de gravidez, chocado. E muito feliz. Você podia jurar que ele estava mais pálido do que realmente era.
“Meu Deus, eu vou ser pai.”

Jungkook: Engasgaria assim que você o desse a notícia, quase caindo da cadeira. Começaria a tremer e chorar de felicidade, os meninos sem entender nada o olhariam preocupados/confusos e Namjoon teria que pegar o telefone porque Jungkook estava quase infartando.
“Hyung… E-eu, eu, vou ser p-pai Hyung!”

Seokjin: Ele teria percebido os sintomas antes de você, seu instinto maternal falava mais alto. Por isso, ele comprou o teste e soube qual era o resultado quando ouviu o grito que veio do banheiro.
“Sabia. Hey Jagiya, abra a porta, vamos comemorar, seremos pais em breve!”

Jimin: Você não fora ao encontro que ele tinha preparado naquele dia, e ele ficou preocupado. Então fez o caminho até a sua casa, a porta abriu quase que imediatamente, ele nem teve tempo de processar o que havia acontecido. Você havia pulado no colo dele repetindo uma frase. Ele apenas assimilou as palavras: “Grávida” “Bebê” e “Pais”.
“Calma ai. Você está me dizendo que, está grávida?”
Você assentiu freneticamente.
“Eu acho que precisamos ir ao hospital.”
Você perguntou o porquê, já que o teste tinha dado positivo.
“Eu to’ muito tonto. Jesus, eu vou ser pai.”

Rap Monster: Náuseas. Vômitos. Atraso na menstruarão. Isso apenas significava uma coisa, com medo de um resultado falso de teste de farmácia, você foi a unidade de saúde mais próxima e fez um exame de sangue. E foi confirmado, você estava grávida. Namjoon chegou ao seu apartamento e estranhou o resultado de um exame de sangue em cima da bancada, e um papel escrito “Parabéns, papai!” Ele levou alguns minutos para assimilar e sair berrado seu nome.
“S/N?! Se isso for pegadinha eu vou ter um troço! Jagiya?! Nós vamos ser pais??!”

Jhope: Você saiu do banheiro, tremendo com o teste nas mãos. Hoseok que estava no sofá da sala, te encarou preocupado e caminhou até você. Você o entregou e ele franziu as sobrancelhas, não entendo o que aqueles riscos significavam.
- Eu estou grávida.
- Ah sim. - Ele te devolveu o teste. - EsperA O QUE?!!
Você riu e sorriu, notando o que você havia dito, agora, distribuindo beijos pelo seu rosto e te rodando pela sala, não acreditava que seria pai. Não conseguia conter sua alegria, mais que o normal.

Taehyung: O tipo paizão. No dia seguinte que você descobrira que estava grávida ele já tinha comprado todos os tipos de brinquedos, livros infantis, roupinhas de bebê, e duas latas enormes de tinta de parede azul repousavam perto do quarto de hóspedes. Que nos planos de Taehyung, já seria o do futuro filho de vocês.
“Jagiya eu comprei azul, mas será que ele vai gostar? Verde ficaria melhor? E essa bola colorid- ” Ele passaria a tarde inteira mostrando tudo o que comprara enquanto você ria.
~~
*morrendo de fofura*
~mochi

Imagine Louis Tomlinson

Pedido: “Quero um cm o Louis, que ela vai tá no elevador do trabalho e ele tá esperando por ela e aí o elevador para e da defeito e ele fica desesperado, depois o elevador ameaça cair e tal. Bem pânico mesmo. Mas cm final feliz.”. - Anônimo.

*Gente, eu já fiquei presa em um elevador e sei o quando isso é horrível e assustador, REAL OFICIAL! Cara, é muito ruim hahaha evitem! A parte do draminha e desespero básico ficou para o Louis! Hahaha espero que gostem! 😘❤”


*****


Louis batia freneticamente o pé no chão. Ele sabia que era exatamente esse horário que ela saía para almoçar. E ele precisa falar com ela. Ele estava na portaria, esperando ela atravessar a porta do elevador para que pudessem conversar.

- Louis! – Caren, secretária de (S/N), o cumprimentou sorrindo.

- Oi, Caren! – sorriu. – Cadê a (S/A)?

- Ah! Ela está lá em cima ainda. Estava terminando uma videoconferência. Não deve demorar! – ele sorriu.

- Tá… Será que eu posso subir, e esperar na sala dela?

- Claro! Décimo oitavo andar! – sorriu e saiu de perto dele.

Ele chamou o elevador e ficou esperando. Cinco minutos depois e nada. Ele já estava mais que impaciente.

- Com licença. – o rapaz da portaria o olhou. – Sabe se tem alguma coisa de errado com o elevador? Nenhum deles chega.

- Um minuto, vou verificar.

Nesse momento a sirene de emergência começou a tocar. O barulho  era alto, e os seguranças começaram a se agitar. Eles começaram a entrar em contato com a central de segurança e todos ali começaram a se desesperar.

- O que está acontecendo?

- Teve um problema com o elevador. Ocorreu um erro mecânico, e ele travou. Mas nós já estamos resolvendo isso, senhor.

O elevador parou bruscamente, fazendo com que ela derrubasse suas coisas no chão e quase caísse. A luz de emergência no elevador ascendeu, e ela se intrigou. Pegou seu celular para tentar contato com alguém, mas estava sem área. O jeito seria esperar…

Do lado de fora, tudo estava uma correria para resolver logo o problema com o elevador. Antes que alguém se machucasse…

Louis observada toda a correria, os seguranças corriam pra lá e pra cá, já com os técnicos do elevador. Uma coisa que o segurança disse chamou sua atenção: “temos que ser rápidos, antes que ela se machuque.”.

- Tem alguém dentro do elevador? – a recepcionista engoliu em seco. Ela sabia quem ele era e a espera de quem ele estava.

- Nós já estamos trabalhando para resolver isso, senhor.

- Quem está ai dentro?

- Senhor…

- Quem?

- É… É a senhora (S/N). Mas nós já estamos resolvendo isso.

- O quê? A (S/N) está dentro desse elevador? – se desesperou.

- O que está acontecendo aqui? – Caren pergunta.

- A (S/N) está presa dentro desse elevador, ameaçando cair.

- O elevador não vai cair, nós já vamos resolver o problema e ele vai voltar a funcionar normalmente.

Um estalo alto se fez presente e Louis se desesperou.

O elevador balançou e a luz de dentro apagou. Ela apertou o botão de emergência, para tentar conseguir falar com alguém.

- Mas que merda! – (S/N) falou quando não conseguiu contato com ninguém. – Que saco! – bufou.

O ar condicionado estava desligado, a luz apagada. Parecia mais um forno ali dentro. Ela sentou no chão, já impaciente. Fazia mais de meia hora que ela estava ali dentro.

- Pelo amor de Deus, andem logo com isso. Já faz 1 hora que ela está presa ai. – ele dizia impaciente. – E se acontecer alguma coisa? E se ela se machucar? E se essa merda cair? – ele dizia desesperado.

- Louis, para de pensar no pior. Não vai acontecer nada com ela! Eles vão resolver isso logo logo, você vai ver! – Caren tentava acalmar ele. Totalmente em vão.

- Caren, já faz algum tempo que eles estão tentando resolver isso, e até agora nada. Eu tô desesperado.

- Eu sei, eu também estou preocupada. Mas não adianta se desesperar, e muito menos pensar no que de pior pode acontecer. Vai ficar tudo bem! – Caren tentava passar tranquilidade para ele.

(S/N) já sentia o ar começar a faltar. Ela suava, sua cabeça doía, estava com sede, cansada, com medo. Sempre odiou lugares fechados demais, sem ventilação alguma. Seu corpo já estava mole, sua visão já estava começando a ficar turva. Sua pressão estava caindo; e sempre que isso acontece ela desmaia.

- Vamos ter que esperar mais quanto tempo pra tirarem ela dai? – as horas passavam e nada de conseguirem resolver o problema com o ventilador. Já fazia mais de 2 horas. Ele estava desesperado, e não era pra menos.

Passado mais alguns minutos, finalmente conseguiram destravar a porta.

- Graças a Deus! – Caren disse aliviada.

- (S/A)! – Louis correu até ela. – Meu amor, você tá bem?

- Tô! Agora tô! – ele sorriu e a ajudou a se levanta e a sair dali.

- Você tá bem mesmo? Não quer ir na enfermaria, ou alguma coisa assim?

- Não! Eu tô bem, já passou. – ela se sentou no sofá da portaria e Caren lhe entregou um copo de água bem gelada.

- Eu fiquei apavorado! – ele selou os lábios dela e se ajoelhou na sua frente. Ela sorriu, passando a mãe na lateral no rosto do marido.

- Eu também! Mas já passou, eu tô bem agora. – ele sorriu.

- Vamos pra casa? Você não vai mais trabalhar hoje! – ela riu e assentiu.

- Me lembre de nunca mais pegar um elevador e usar mais as escadas!


*

sameoldtrust: que ela é uma angel da VS ai foi o primeiro desfile dela e tals ai depois da after party eles vão pra casa e tem uma noite de sexo e no fim Zayn elogia p desfile

— Preparada ? — um dos caras da produção me perguntava 

— Sim — suspirei e cerrei os punhos

— Sua hora! Arrasa gata! — ele me incentivou 

Era meu primeiro desfile como Angel da VS. Passei a semana toda ansiosa e apreensiva com o evento, e agora sinto que meu coração vai sair pela boca. 

Sempre elogiei aquelas garotas pela TV e hoje eu estou aqui usando essas lingeries caríssimas e usando um arco de penas extremamente pesado. 

Coloquei os pés naquela passarela, respirei fundo e fui, exibindo aquele corpinho que Deus me deu. 

A energia daquele lugar era incrível, eu queria gritar o quanto eu estava feliz por aquilo. 

— Ai meu Deus, ai meu Deus — eu voltei para os bastidores nervosa e orgulhosa do meu primeiro desfile — Eu consegui 

— É isso aí — uma das modelos fez um toque de mãos comigo 

— Agora vamos nos livrar dessas penas porque tem uma festinha aguardando vocês — um cara dizia tirando aquelas penas de mim 

Finalmente me livrei daquelas penas pesadas e daquelas mini peças brancas que usava, vestindo enfim um vestido preto de franjas para curtir a after party. 

Cheguei até o evento e passei por vários cliques logo no início. 

A festa era regada de famosos e bebidas caras. Meu olhar logo se cruzou com meu sonho de consumo: Zayn Malik, ex integrante do One Direction e minha paixão platônica desde sempre. 

— Vejo que se encantou por ele — uma das modelos disse com uma taça em mãos 

— Ele é lindo — eu dizia como uma adolescente hipnotizada com a beleza dele 

— Ele tá olhando pra você. Boa sorte! 

Zayn logo chegou próximo a mim exalando um cheiro maravilhoso. De perto ele era ainda mais lindo. Fiquei nervosa sem saber direito o que fazer. 

— É uma Angel nova, certo ? — a voz rouca dele ecoou pelos meus ouvidos 

— Sim, sou — sorri — Era meu sonho. 

— Você é linda, sem duvidas. Como demoraram tanto para achar você ? 

— Muito gentil da sua parte, Zayn! 

— Como é seu nome ? — ele deu um gole na taça que segurava 

— S/n — respondi 

— Nome lindo assim como você! O que achou do seu primeiro desfile ? 

— Fiquei nervosa mas no final deu tudo certo. A energia daquele lugar é incrível — eu dizia animada com o evento 

— Eu imagino! — ele riu — Se importa de me acompanhar até meu apartamento ? 

Eu não acreditava na proposta que tinha acabado de ouvir. Não pensei duas vezes e aceitei seu convite, seguindo até um carro preto com ele. 

— Damas na frente — ele disse parado na porta de seu apartamento dando passagem para eu entrar 

O apartamento dele era extremamente luxuoso e confortável. 

— Enfim, a sós — ele disse chegando próximo de mim — Vem — me puxou pela mão me levando até seu quarto. 

Zayn não perdeu tempo e logo atacou meus lábios. Os lábios carnudos dele tinha um enorme contato com os meus, num beijo quente e excitante. 

— Você é tão cheirosa — ele dizia distribuindo beijos pelo meu pescoço — Anda, tira esse vestido 

Logo o vestido que eu usava estava jogado no chão do quarto dele, me deixando apenas de calcinha. 

Ele se sentou na cama e me colocou em pé no meio das pernas dele, começando a chupar e sugar meus seios como um bebê faminto. 

— Porra, Zayn — eu jogava a cabeça para trás sentindo o contato dele com meus seios 

As mãos tatuadas do moreno tiraram minha calcinha com delicadeza, logo ele deslizou um dedo para dentro de mim. 

— Tá pingando, baby — a voz dele saiu falha 

— Zayn — eu gemia sentindo o dedo dele dentro de mim

— Vai, linda, rebola no meu dedo 

Zayn seguia sentado na beira da cama enquanto eu estava em pé rebolando no dedo dele. 

Os olhos âmbar do moreno me encaravam os meus freneticamente e eu não aguentei por muito tempo, gozando em seu dedo. 

— Tão gostosa — ele disse lambendo o dedo melado com meu prazer 

Meu corpo estava mole devido ao orgasmo que acabara de ter. Zayn estava desabotoando a camisa social azul que usava, seu peitoral tatuado ficou exposto e naquele momento percebi que eu precisava gozar mais. 

— Posso ? — perguntei segurando o cós da calça dele 

— Claro — sorriu malicioso 

Tirei sua calça junto com sua bóxer branca, exibindo um pau grande e grosso, me deixando mais excitada se é que isso fosse possível. 

— Ele está latejando — ele disse com a mão no membro dele — Quer acalmar ele com sua boquinha ? 

Dei um sorriso sapeca e me ajoelhei na frente dele enfiando todo aquele membro enorme na boca. 

O pré-gozo já escorria e deixava tudo mais excitante. Zayn fez um rabo de cavalo em meus cabelos e começou a comandar os movimentos, dando gemidos baixos. 

Eu chupava aquele pau com gosto e passava a língua na cabecinha que fazia ele fechar os olhos e jogar a cabeça para trás. 

— Ai caralho — ele soltava alguns palavrões inaudíveis que me levava a loucura — Não posso mais aguentar, preciso sentir você. 

Zayn se deitou na cama e eu fiquei por cima, encaixando o pau dele na minha entrada. 

— Você está tão quente — eu dizia sentindo a cabeça do pau dele entrando em mim — Porra, Zayn… — gemi e fechei os olhos sentindo o pau dele todo dentro de mim 

— Que delicia sentir sua boceta apertada envolvendo meu pau 

As enormes mãos dele estavam na minha cintura me ajudando a subir e descer sobre seu pau. 

Eu havia transado poucas vezes e o pau de Zayn era enorme, o que fez com que a zona de contato entre nós fosse enorme. 

Eu apoiava minhas mãos sobre o peitoral dele e dava alguns arranhões de leve. Eu quicava e rebolava sentindo uma onda de prazer invadir meu corpo. 

— Eu vou gozar… — minha voz saiu falha 

— Vai, goza comigo dentro de você! 

Zayn começou a se mexer abaixo de mim fazendo os nossos corpos se chocarem com mais intensidade, e seus dedos passaram a massagear meu clitóris me masturbando. Dei um gemido alto e me derreti com o pau dele em mim. 

— Porra, S/n, como você é gostosa… 

Os olhos dele se escureceram e eu senti o líquido quente dele inundar minha intimidade. 

— Eu espero que você tome remédio regularmente — ele riu se referindo a ter gozado dentro

Sai de cima dele e me deitei ao seu lado, sentindo os braços tatuados dele envolverem minha cintura. 

Os cabelos negros dele estavam bagunçado e o suor na sua testa era visível. 

— Você é maravilhosa gozando — ele sussurrou no meu ouvido 

— Você também — mordi o lóbulo da orelha dele 

— E a propósito, você estava linda desfilando. Foi incrível, parabéns! 

— Obrigada, baby -dei um sorriso de satisfação 

Adormeci naquela posição, ouvindo a respiração baixa dele nos meus ouvidos.

Pedido: oiiii, vc pode fazer um imagine que ela sofre um acidente e fica em coma por mais ou menos 5 meses, ela perdi a memória mais depois volta…Ele cuida dela o tempo todo…Pode ser o Harry ou o Liam - @londonroseniall

Oi, obrigada por ter feito o pedido.❤

***

Imagine Liam Payne:

Pov’s S/n

-Tchau amor!
Gritei do andar de baixo e vi Liam descer rapidamente ainda sem camisa e tentado afivelar seu cinto.

-Espera! Eu te levo até o trabalho.
Liam falou se aproximando.

-Não precisa amor, eu estou muito atrasada e você ainda nem se vestiu, eu vou indo senão eu perco o meu ônibus.
Falei deixando um selinho em seus lábios e ele sussurrou um “Eu te amo, vai com Deus.” que eu retribui.

Estava indo para o trabalho, hoje a cidade está uma loucura!
Coloquei uma música em meus fones de ouvido e continuei na correria do dia a dia, se eu não chegasse logo no trabalho correria o risco de ser demitida.
Liam sempre disse que não tinha necessidade de eu trabalhar, ele ganha dinheiro o suficiente para sustentar nós dois e ainda sobra mas, eu acho bom ter um emprego, afinal de contas, não quero que Liam ache que eu só estou com ele por dinheiro ou que ele trabalhe para me sustentar, gosto de ter minhas responsabilidades.

Parei na calçada esperando que o sinal ficasse verde para atravessar, mas assim que olhei mais à frente onde fica meu ponto, vi o ônibus que eu teria que pegar, eu precisava chegar logo ali porque o próximo só viria daqui meia hora, mesmo com o sinal fechado, vi que não haviam muitos carros passando e então tentei atravessar, o primeiro carro parou buzinando e eu dei um pequeno pedido de desculpas mesmo que ele não pudesse ouvir, mas assim que iria passar pelo próximo, ele veio em alta velocidade e eu logo senti um grande impacto contra meu corpo, minha visão ficou turva e eu sentia fortes dores em meu braço e minha perna esquerda.

-Hey, moça você está bem? Não feche os olhos você precisa ficar acordada!
Ouvi uma voz e logo o que era embaçado começou a ficar escuro.

Pov’s Liam

S/n tinha ido para o trabalho e eu estava terminando de me arrumar, hoje tenho que ir para o estúdio terminar de gravar as minhas músicas. Peguei as chaves de meu carro e liguei o mesmo indo rapidamente para o estúdio.
Chegando no mesmo, cumprimentei todos que estavam lá e fiquei um tempo conversando com um dos seguranças já que estavam arrumando o estúdio. Enquanto falava com Paul, ouvi passar na TV um noticiário sobre um acidente perto de minha casa, estranhei o acontecido e me virei na direção da TV para prestar atenção.

“Ao que parece, hoje mais cedo uma moça estava indo atravessar a rua mas o farol estava aberto e os carros estavam passando em alta velocidade, um desses carros a atingiu em cheio, o motorista desceu do carro e a ajudou junto a alguns pedestres que estavam passando. Tudo o que sabemos até o momento é que ela foi levada ao hospital e parece que foi bem grave. Os ambulantes encontraram seus documentos, seu nome é S/n S/s.”

A repórter falou, meu coração parou no mesmo momento e eu aposto que havia ficado pálido pois logo me veio uma tontura e eu tive que me apoiar em Paul.

-Calma Liam, eu vou ligar para o hospital para saber como ela está e se você pode ir, Ok?
Paul falou me colocando sentado.

-Me-me leva…até ela, eu preciso vê-la Paul, por favor me leve ao hospital.
Implorei já sentindo lágrimas em meus olhos. Paul assentiu com pesar e pediu para que algumas pessoas ficassem de olho em mim caso eu passasse mal.

Logo o mesmo voltou com uma feição não muito boa e eu senti meu coração apertar ainda mais.

-Nós podemos ir, mas ela ainda não pode receber visitas, só depois de alguns procedimentos e exames.
Falou e eu assenti freneticamente sentindo a tontura voltar.

-Vamos logo então, pode dirigir?
Perguntei ao mesmo que assentiu.

Nos encaminhamos para o estacionamento pegando meu carro - que Paul dirigiu já que eu não estava psicologicamente apto para isso - e assim que chegamos no hospital já haviam repórteres na entrada. Eram tantos que não conseguimos entrar mas por sorte um enfermeiro nos viu e deixou que entrássemos pela parte onde entravam apenas pessoas autorizadas.
Paul e eu fomos apressadamente para a recepção.

-Onde se encontra a paciente S/n S/s?
Perguntei desesperado para a recepcionista.

-Ela acabou de entrar na sala de raio x.
Respondeu calma.

-Quando eu irei poder vê-la?
Perguntei novamente.

-Desculpe, mas só os médicos podem saber isso.
Respondeu e eu bufei.

Nos sentamos na sala de espera e ficamos lá vendo a movimentação do hospital. Ler revistas e ver peixes nadarem em um aquário já não estava mais me entretendo, isso sem contar todas as trufas que estavam em cima de uma mesinha e eu já havia praticamente triturado com os dentes. E nenhum sinal de minha namorada. Não havia nenhum médico que sequer passava por ali para que eu pudesse perguntar sobre como ela estava.
Até Paul já estava ficando ansioso pois me deixou um tempo sozinho para sair do hospital e acender um cigarro.

Até que um médico saiu da porta do pronto socorro e parecia que ele era minha única esperança naquele momento.

-Você é o Liam?
Perguntou com um pequeno sorriso.

-Sim sou eu, alguma notícia sobre S/n?
Me levantei de meu lugar ficando de frente para ele.

-Acontece que o acidente foi grave, ela acabou quebrando o braço e a perna esquerda e pelo impacto ela acabou ficando com alguns hematomas no rosto quase aconteceu algo pior com sua cabeça.
Falou olhando nas fichas.

-Algo pior? Como ela está?
Perguntei preocupado vendo-o ficar tenso.

-Como eu disse, ela poderia ter sofrido um traumatismo craniano, mas por sorte, isso não aconteceu. Ela está respirando com a ajuda de alguns tubos e no momento está…em coma.
Falou e eu arregalei os olhos.

-Você só pode estar brincando comigo. Isso é mentira?
Perguntei e vi Paul se aproximar.

-Desculpe, mas não, não é mentira.
Respondeu sério e eu senti as lágrimas quentes molharem meu rosto. Paul me abraçou e eu senti como se os meus pulmões fossem parar de trabalhar me fazendo ficar sem ar.

(…)

Depois de cinco horas esperando naquele hospital, a enfermeira me informou de que eu poderia ver minha namorada. Eu estava levemente feliz, por poder vê-la e não por saber que ela está naquele estado. Mas é como o médico disse, poderia ter sido pior.
Assim que acompanhei a enfermeira e entrei na pequena sala, me assustei ao ver ela ali, respirando com a ajuda de aparelhos, seu rosto e suas mãos pálidas, a única coisa que tinha cor eram seus hematomas e suas veias que estavam roxas pelas agulhas. Me aproximei da mesma vendo seu peito subir e descer devagar.

-Meu amor…
Sussurrei me ajoelhando ao seu lado.
Sem conseguir falar algo eu apenas continuei ali, acariciando sua mão e seu rosto e deixando alguns beijos em sua bochecha e seu braço. Me doía tanto vê-la naquele estado.

(…)

Após o médico me disse tudo o que havia acontecido, eu descobri que não havia um tempo exato para saber quanto tempo ela ficaria em coma, ele disse que tem pessoas que ficam apenas alguns meses e logo acordam…mas outras demoram anos e em alguns casos eles tem que desligar os aparelhos pois não podem ficar tentando por muito tempo. Isso foi o que mais me desesperou, saber que posso perdê-la é horrível.

Era o segundo dia que ia visitar ela no hospital, levei uma rosa para tirar aquele ar de hospital do ambiente, S/n sempre odiou hospitais.

-Oi baby, eu estava pensando e…você foi provavelmente a melhor coisa que já aconteceu em minha vida, você me fez sorrir…me fez chorar, me fez me sentir amado e descobrir o que era amor. E eu não poderia ser mais grato por você. Eu te amo. E irei dizer isso todos os dias de minha vida, mesmo que você não esteja mais aqui e mesmo que não possa me ouvir.
Falei e deixei um beijo em sua testa.
O médico disse que ela pode me ouvir e pensar mesmo estando em coma, do mesmo jeito que não, talvez elas não esteja me ouvindo, mas o que eu quero mesmo é que ela saiba de qualquer forma que eu estarei aqui.

| Terceiro dia |

Novamente eu estava no hospital, ontem eu havia postado no instagram uma explicação sobre tudo o que aconteceu, até porque, todos estavam preocupados com o acidente e com o meu pequeno sumiço. Liguei para a família de S/n e eles já estão vindo para cá para ficar por perto, avisei minha família e ontem à noite eles vieram e ficaram aqui enquanto eu fui para casa tomar um banho pois passava o dia inteiro no hospital.

| Um mês depois o acidente |

Já havia se passado um mês, hoje quando eu estava conversando com S/n e peguei em sua mão, ela apertou a minha, o médico disse que isso é muito bom e significa que ela consegue sentir quando a toco. Eu fiquei imensamente feliz só de poder sentir seu aperto que mesmo fraco segurava minha mão. Foi a parte mais emocionante daquele dia.

| Dois meses depois o acidente |

Após dois meses internada, eu ainda mantinha minhas esperanças quanto a ela acordar, ontem mesmo eu li alguns textos sobre pessoas que sobreviveram e ficaram anos em coma, isso me deu muita motivação, por isso estou confiante quanto a melhora dela.

-Sabia que todos estão morrendo de saudades suas? Até aquele seu primo que você sempre briga perguntou como você está. Você deve estar querendo voltar a perturbá-lo né?
Dei uma pequena risada e vi que seu peito começou a subir e descer mais rápido. Chamei um dos médicos e ele a olhou mexendo em algo e logo me explicando que ela havia tido algum sentimento, algo como raiva, felicidade, tristeza e etc que a fez acelerar os batimentos cardíacos. Isso me deixou bem mais esperançoso, se eu falei algo engraçado ela deve ter ficado feliz, ou triste por lembrar que está naquele estado. Mas pelo menos isso foi uma melhora.

| Três meses depois o acidente |

S/n estava mudando, ela estava ficando mais magra e parecia que sua aparência estava mais acabada. Como eu queria poder me colocar no lugar dela e passar tudo aquilo por ela, o único problema é que, ela ficaria desesperada igual eu, e isso é uma das últimas coisas que eu queria que acontecesse.

-Meu álbum está quase terminado, você vai ser a primeira pessoa que eu vou deixar escutar. Prometo.
Falei vendo que uma lágrima escorreu de seu olho.

| Quatro meses depois o acidente |

-Down to Earth
(Pés no chão)
Keep ‘em falling when I know it hurts
(Continuo deixando que caiam mesmo sabendo que dói)
Going faster than a million miles an hour
(Mais rápido do que um milhão de quilômetros por hora)
Trying to catch my breath some way, somehow
(Tentando recuperar o fôlego de algum jeito)
Down to Earth
(Pés no chão)
It’s like I’m frozen, but the world still turns
(É como se estivesse congelado, mas o mundo ainda gira)
Stuck in motion, but the wheels keep spinning 'round
(Preso no movimento, mas as rodas continuam girando)
Moving in reverse with no way out
(Me movendo ao contrário, não há como fugir)

-And now I’m one step closer to being
(E agora estou um passo mais perto de estar)
Two steps far from you
(A apenas dois passos de você)
When everybody wants you
(Quando todos querem você)
Everybody wants you
(Todos querem você)

-How many nights does it take to count the stars?
(Quantas noites levam para contar as estrelas?)
That’s the time it would take to fix my heart
(É o tempo que demorará para consertar o meu coração)
-Oh, baby, I was there for you
(Ah, querida, eu estava lá para você)
All I ever wanted was the truth, yeah, yeah
(Tudo o que sempre quis foi a verdade)
How many nights have you wished someone would stay?
(Quantas noites você desejou que alguém ficasse?)
Lie awake only hoping they’re okay
(Deitada, acordada, esperando que estivessem bem)
I never counted all of mine If I tried,
(Eu nunca contei as minhas noites)
I know it would feel like infinity
(Se tentasse, iria parecer uma eternidade)
Infinity, infinity, yeah
(Eternidade, eternidade Eternidade)
Infinity
Cantei a música que segundo ela foi a melhor do álbum Made in the A.M. Ela sempre me pedia para cantar essa música de noite para ela dormir.

| Cinco meses depois |

Já haviam se passado cinco meses, hoje eu irei mais tarde para o hospital já que a família dela está lá e eles querem ficar um pouco sozinhos, aproveitei esse tempo para me alimentar direito e dormir com mais calma. Mas logo o telefone tocou e eu tive que atender.

-Liam?
Ouvi a voz de Vitor o irmão dela no telefone.

-Sim?
Perguntei.

-A S/n, ela acordou!
Avisou e eu desliguei.

Minha alegria era tanta que aposto que estava a passando para qualquer um que se quer me olhasse. Peguei meu carro e dirigi apressadamente para o hospital.
Chegando no mesmo eu fui direto para o quarto onde ela estava a encontrando acordada e já sem o gesso na perna e no braço, apenas aquelas notas ortopédicas e uma faixa no braço.

-Meu amor! Que saudade, eu te amo muito.
Falei deixando vários beijos em sua boca.

-Quem é você?
Ela me empurrou de leve.

-Sou eu! Liam seu namorado.
Falei confuso vendo-a assustada.

-Eu não conheço você.
Falou se afastando mais ainda e segurando a mão de sua mãe.

O médico me chamou para fora da sala e me explicou que ela estava daquele jeito pois o tempo do coma a deixou sem memórias, ela só consegue se lembrar de sua família e poucas coisas sobre sua infância. Ou seja, é como se para ela, nós nunca existimos.
Meu coração se apertou mas logo um sorriso leve tomou conta de meu rosto. Posso fazê-la se apaixonar de novo por mim.
Nós saímos do hospital e ela aceitou ir para a nossa casa desde que sua mãe nos visitasse todos os dias. Eu consegui a deixar confortável, mas tive que dormir longe dela por ela não confiar muito em mim.

S/n passava todos os dias sobre meus cuidados e os de sua família, eu tentava a todo custo não deixá-la desconfortável para que tivesse mais confiança em mim, mas sua memória ainda não voltava.

|Um mês depois |

Foi um longo e cansativo mês, eu estou muito feliz por ela ter se recuperado e agora estar fazendo tratamento com o psicólogo para tentar se lembrar de algo. S/n até que tem uma relação boa comigo, ela não acha mais que sou um completo estranho que pode querer a matar mas também não confia o bastante para que eu a beije.

Hoje o dia estava calmo, ela já havia almoçado e estava em “nosso” quarto - que nesses últimos meses tem sido só dela - assistindo séries, eu até ficaria perto mas tenho medo dela me achar muito grudento e também para ela poder ter o espaço dela.

-LIAM!
Ouvi S/n me chamar e fui correndo até o quarto imaginando o que de pior poderia ter acontecido.

-Meu Deus o que foi?
Perguntei confuso tentando encontrar algo errado.

-Liam!

-O que?

-Eu me lembro de você! Eu me lembro Liam, de tudo, nosso primeiro beijo, nosso primeiro encontro…tudo! Eu te amo Liam!
Ouvir aquelas palavras foi como sentir uma luz se acender dentro de mim.

-V-você lembra?
Perguntei e ela assentiu. Logo senti braços me rodeando com força e seus lábios se chocando aos meus. Ela havia voltado, havia voltado completamente para mim.

-Me desculpe amor, eu não queria ter te esquecido…você sempre permaneceu em meu coração..
Ela se desculpava deixando alguns beijos em meu rosto. Como senti saudade daquilo.

-Não precisa se desculpar, você não preveu que aquilo iria acontecer, eu só quero que apartir de agora você me deixe te levar ao trabalho e que prometa tomar cuidado.
Falei sério vendo-a assentir.

-Eu prometo!
Respondeu confiante.

-Eu senti…senti que você ficou ao meu lado o tempo todo, foi estranho…um estranho bom, era como se eu sentisse o seu amor esquentando o meu coração e me deixando confortável mesmo que com aquele monte de aparelhos e sabendo que nao conseguiria abrir os olhos, falar ou me mexer. Você foi minha luz Liam, minha única esperança.
S/n falou séria e eu vi que ela não estava brincando, meus olhos já se encontravam marejados e eu só queria chorar como um bebê enquanto a abraçava.

-Você sentiu isso, porque eu te amo e sempre vou estar ao seu lado, te protejendo e cuidando de você.
Falei e começamos outro beijo, lento e calmo, para demonstrar tudo o que sentimos um pelo outro.

***

Espero que tenha gostado.😘

Nem acredito que consegui postar, achei que tinha perdido todo o meu imagine, mas graças a deus que eu consegui recuperar.

Eu acho que já me conformei com o fato de que eu nunca vou entender o que se passa na sua cabeça que mais parece um mapa enigmático do que qualquer outra coisa. O problema é que meu mundo sempre girou em torno do seu umbigo, Robin, mas você teimosa como sempre nunca quis abrir os olhos pra notar isso. Você pode agir arrogante como se a minha presença não te afetasse em nada, mas você ainda balança as pernas freneticamente quando senta do meu lado e ainda não sabe onde por as mãos quando eu chego perto demais. Eu sei que a gente tem mil problemas e que eu só faço merda e acabo de vez com tudo o que a gente tem quase todos os dias. Mas eu fico aqui porque a parada que eu sinto por você é incapaz de parar, e você volta porque sente o quanto isso é forte mesmo que eu seja tão fraco. É que você dá um tom diferente e bem melhor pra minha vida que foi sempre tão mais ou menos. Eu sempre quero desistir e largar tudo pra que você possa achar o que realmente procura, porque você nunca procurou por algo como eu assim como eu nunca procurei por você. Mas eu descobri que você era melhor do que as ideias que eu tinha na cabeça e deve ser por isso que eu te procuro toda noite sem conseguir abrir mão. Eu sei que a gente também não combina em nada, que você já fala três línguas diferentes e eu ficaria feliz em só entender a sua. Você passou no vestibular e eu passei pela sua casa, você aprendeu mais de vinte palavras em alemão e eu ainda sou o cara do palavrão. Mas eu sei que eu posso ser o certo pra você, mesmo que eu seja um total babaca que não sabe lidar com nada principalmente com esse seu jeito mulherão cheio de enigmas mas com coxas com cheiro de morango que detectam uma inocência de menina. Você é a personificação do que realmente significa ser menina-mulher, e eu ainda sou o cara comum que só quer saber o que você realmente quer. As suas mãos tremem agora porque você quer coloca-las junto das minhas e não sabe como fazer isso. Mas toda vez que eu levanto pra ir embora você puxa meu braço com força e crava as unhas com tanta vontade que eu ainda posso ver as marcas da última vez. Eu não sei o que você quer mas tenho leves suspeitas do que seja porque o que eu quero tá bem na frente agora, com as mãos coçando pra encostar em mim e me perguntando se eu tô realmente prestando atenção.
Ah Robin… Você não tem noção do quanto.

-Robin And Stubb