felipe-costa

youtube

Do you ever find yourself to be the smaller guy during a match? Do you ever find yourself wondering how you stand a chance against someone much bigger than you? Check out this video on having a winning mindset! 
In this video, Felipe – a member of the Brasa team and a roosterweight competitor (58kg) – talks about the obstacles he had to overcome and the methods he used to rise to the top. He describes the sports psychology tricks he applied to win tournaments, and explains how he approaches his training as a smaller jiu-jitsu player. We also see some rolling footage from his ‘light guys only’ training sessions, get-togethers reserved for jiu-jitsu players under 73kg.
Great video from BJJ Hacks!

Everyday in life your mind is trying to make you give up.. your mind is trying to make you do whatever is easier..it’s easier to sit on the couch and watch tv than it is to get your gi and go sweat in the mat..cuz the mind see you’re fighting, you’re in danger you can stop this now. Just stop. But the thing is you’re there because you want to. You want to challenge yourself. So you have to say "No I’m not giving up now I’m gonna go after this I’m gonna try harder I’m gonna go up to the last minute. I’m gonna resist a little bit more”“ - Felipe Costa
youtube

Felipe Costa. A much watch for any BJJ competitor who is smaller and/or has trouble dealing with the nerves of competition. 

youtube

Leozinho Leo Vieira rolling
leo Vieira rolling felipe costa. Some really cool sweeps in this vid.

Ser ou Ter: eis a nova questão

Desde que eu me entendo por gente, Raul Seixas (1945 – 1989), ou Raulzito para os mais íntimos, tem a fama de ter sido um cara polêmico, que não tinha medo da vida e muito menos da morte. Sempre ouvia meus pais, que vivenciaram o apogeu da carreira de Raul (década de 1970), o descreverem como um cara maluco, que não acreditava em Deus e que transpirava Rock ‘n’ Roll.

Não tinha como eu, que já vinha descobrindo um estilo alternativo para a minha playlist, não começar a ouvir Raul, ou pelo menos pesquisar mais a fundo sobre esse tal Maluco Beleza. Foi então que entrei pra lista dos hodiernos fãs de Raul Seixas.

Dentre o seu imenso repertorio, eu encontrava músicas, que apesar de terem sido escritas há décadas, se encaixavam perfeitamente com as condições sociais vividas hoje. O estopim da minha admiração por Raul foi “Ouro de Tolo”, gravada junto ao disco “Krig-há, Bandolo!” - sendo este o seu primeiro álbum solo, de grande sucesso e em genial parceria com o escritor Paulo Coelho - em 1973.

A música traz à tona a vida do eu-lírico, que já cansado de sua vida monótona e cheia de comodismo, percebe que viveu todos os anos de sua vida sem “viver”. Raul Seixas com toda sua excelência e voz esmarrida, deixa implícita uma crítica à maneira normal e cômoda de se viver, vazia e sem novas experiências. Mas por que “Ouro de Tolo”?

Depois de usufruir dos seus bens materiais (carro, dinheiro, apartamento) o eu-lírico percebe que tudo isso é bobagem, grande piada, uma tolice e que essa é a premiação, o “ouro” do tolo.

Apesar desta vida, que fica em destaque na letra da canção, ser considerada pelo eu-lírico como chata e sem graça, ele não foge da afirmação de que também é uma pessoa amargurada com a vida e que não vê graça em mais nada deste mundo.

“Eu devia estar contente

Por ter conseguido tudo o que eu quis

Mas confesso abestalhado

Que eu estou decepcionado

(…)

Ah! Mas que sujeito chato sou eu

Que não acha nada engraçado

Macaco praia, carro, jornal, tobogã

Eu acho tudo isso um saco”

Mesmo com toda essa explícita e demasiada crise existencial, é possível perceber que assim como um bom e velho sonhador o eu-lírico não deixa de manter viva a vontade de conquistar e viver coisas maiores em sua vida e que longe de toda essa “Matrix” ele costuma pensar em outra realidade (como uma válvula de escape).

“Porque longe das cercas embandeiradas

que separam quintais

No cume calmo do meu olho que vê

Assenta a sombra sonora de um disco voador”

Esse sentimento de infelicidade com a própria realidade e com a vida burguesa ficou muito presente nos jovens na época em que esta mesma música foi gravada. Diferente de alguns burgueses da Bossa Nova que compunham em seus apartamentos da Zona Sul, os jovens e grandes compositores dos anos 1970 tinham um sentimento bem diferente daquele de prosperidade e harmonia no país. Claro que o contexto era bem diferente.

Vivendo em plena Ditadura Militar, aqueles jovens que não tinham a coragem de ir para a luta armada contra o regime, ficavam também insatisfeitos com a cobrança por parte da família e sociedade para serem “alguém na vida”, caindo logo em seguida no conformismo e tendo de aceitar a realidade totalitária, “sentados em um trono de um quarto de apartamento esperando a morte chegar”.

Acredito naquela teoria de que alguns artistas compõem letras de músicas para completar outras já compostas e que essa teoria se encaixa muito bem ao perfil de composição de Raul Seixas. O tal do álbum conceitual. Músicas do mesmo álbum (“Krig-há, Bandolo!” - 1973) como “Metamorfose Ambulante” e “Rockixe” trabalham essa crítica ao American way of life e traduzem o sentimento de querer escapar o mais rápido possível dele.

Algumas outras do álbum seguinte (“Gita” - 1974) como “Sociedade Alternativa” e “S.O.S” entre outros grandes clássicos de Raul, completam perfeitamente sentido central de “Ouro de Tolo”. Veja a mínima, porém notável semelhança entre esses trechos de “S.O.S” e de “Metamorfose Ambulante”:

“Ô, ô seu moço do disco voador

Me leve com você, pra onde você for

Ô, ô seu moço, mas não me deixe aqui

Enquanto eu sei que tem tanta estrela por aí”

“Eu prefiro ser

Essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”

Em ambos os trechos, Raul deixa explicita a vontade dos eu-líricos em saírem da monotonia e da chata rotina, seja indo embora da Terra ou sendo uma metamorfose ambulante e se mantendo em constante mudança.

Teorias e interpretações a parte, tenho uma grande admiração por Raul Seixas, por causa de sua irreverencia, sua maneira alternativa de ter visto o mundo e pelo seu jeito Maluco Beleza de ter vivido. Talvez a afirmação dos meus pais sobre ele ser louco não esteja totalmente errada.

Por Felipe Costa

youtube

 

2013 IBJJF RULES

www.BrazilianBlackBelt.com & www.FelipeCosta.com talks you through the rules of Brazilian Jiu Jitsu competition.
It is a guide to the fighter who plans to compete in iBJJF competitions and who needs to understand the rules from a fighters perspective.

youtube

The Best Ways to Learn Jiu-Jitsu Online: Felipe Costa & Caio Terra || BJJ Hacks TV Episode 6.3

Viajante do vento

Se perguntarem por mim doravante
Diga sem peleja
“Tornou-se andante”
De pés no chão
No chão do céu
Pois aonde não me encontro
O vento sopra e me acha
Sopra forte –
Somente o vento forte
Põe a voar.