feixes

Escalada a Banyadores

Ayer sabado 14/1 repetimos en Banyadores con Rosa. El parking estaba que asustaba por la cantidad de coches, pero como íbamos tarde, pero tarde de verdad como los auténticos escaladores de deportiva, la pared se fue vaciando.

Estuvimos en el sector Can Feixes. Reseñas aquí.

Rosa empezaba de primera en roca de verdad.

Como los cuartos estaban ocupados, hicimos Farigola Power V, luego Banyadores Way of Life IV+ y Trecking Vertical IV+.

Rosa resolviendo el techito de Trecking Vertical IV+

Todo perfecto y sin ningún problema. Las molestias en mi pie también han disminuido y me permitieron disfrutar de las vías yendo de primero, esta vez. Guay!

Después visita a Travessa para que se comprara una flamante cuerda Singing Rock de 10.0 mm y 70m. Ready to climb!!

Yo en el mismo techito de Trecking Vertical

má drugada

Uma flecha rajada de cores fortes,
rasga o céu de um confuso sonho.
Contemplo ali o senhor das mortes
Deus da dor, disforme e medonho.

Um barro viscoso escorre do morro.
Animais esqueléticos, relva morta,
oxigênio quente, maresia fervente
céu fechado, insetos por todo lado.

Indago comigo mesma se não seria
o maldito lugar que minha mãe dizia
onde alma vil pecadora padecia,
lugar este que me aguardava um dia.

Um feixe de luz reflete no vitral.
Surdo e trágico, o trovão rebenta.
Libertando-me da praga maternal
conduzindo-me à usual tormenta.

Fecho os olhos, tentando vagamente
acalmar as labaredas de vertigem.
Feridas recém-sofridas, dor recente,
e alguns antigos traumas me atingem.

Entretanto, me encontro, de repente,
numa escuridão maciça novamente.
Se antes, o sofrimento era estridente
agora não: restou uma vazia mente.

Na quietude pude construir meu templo.
Harmoniosamente um lúcido festim.
Enfrentando minhas dores em silêncio
cada câncer se extingue e chega ao fim.

Quando o Senhor trouxe os cativos de volta a Sião, foi como um sonho. Então a nossa boca encheu-se de riso, e a nossa língua de cantos de alegria. Até nas outras nações se dizia: “O Senhor fez coisas grandiosas por este povo”.  Sim, coisas grandiosas fez o Senhor por nós, por isso estamos alegres. Senhor, restaura-nos, assim como enches o leito dos ribeiros no deserto. Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes.
—  Salmos 126:1-6
Sob os ramos da Figueira

Eu quis buscar um lugar onde eu pudesse pensar como mais clareza. Longe da coluna de fumaça que pesava sobre a minha cabeça e das vozes invisíveis que me atormentavam de fora pra dentro. E sobretudo longe das paredes de me enclausuravam e me cerceavam; Longe do meu próprio fantasma de outrora. Em minha fuga da realidade algoz, procurei um abrigo em meio a vastidão do céu e do mar: nas serras, onde ninguém mais queria entrar.

Os feixes de luz que que passavam por entre a folhagem da mata deixava o ambiente daquela clareira com uma coloração esverdeada; sentia-me ali como se o mundo estivesse prestes a me engolir. Havia também um completo silêncio - salvo o farfalhar das árvores - como se toda a mata se empenhasse num grande esforço coletivo de respiração e concentração. Encontrei ali mais vida do que na cidade. Foi quando eu notei uma névoa, não muito espessa envolvendo o tronco de uma grande figueira. Aproximei-me. Tive a impressão de ouvir uma calma pulsação vindo daquela árvore. Pus minha mão em seu tronco. 

“Não há medo em seu toque.” 

Subitamente virei-me para procurar a moça de quem ouvi essas palavras. Havia qualquer coisa de melancolia em sua voz; e de fato – a despeito do susto – eu não tinha medo. Virei-me a tempo de vê-la em um dos ramos maiores da velha figueira; sua pele sem cor, a não ser pela tez esverdeada que refletia da mata, brilhava tanto quanto o brilho de turmalina de seu cabelo. E diante dos meus olhos suas formas se misturaram, como uma luz verde esfumaçada, desaparecendo perante o meu espanto.

Procurei-a em todas as direções; e tão depressa quanto ela desapareceu, materializou-se novamente diante dos meus olhos. Mais nítida agora. Mais real. De pé me minha frente, olhava-me nos olhos. E enquanto eu permanecia estático, tocou meu rosto com sua mão e mais uma vez desapareceu. 

“Há coragem em seu espanto.” 

Desta vez a voz vinha de todo o lugar, e de dentro de mim mais intensamente. Procurei-a por entre as árvores e chamei-a em vão. E nos dias que se seguiram tudo que se passou naquele breve minuto desafiou minha sanidade como uma ideia fixa, daquelas que, uma vez pensadas jamais se apagam. Eu queria saber se era real; queria saber quem era; queria prender-me a ela e entregar-lhe o brilho que havia no meu olhar. Voltei lá por um tempo e por vezes não quis voltar à cidade. Sentia que ali houvesse sido um dia meu lugar. Deixei ao pé da figueira um relógio, desses que não se fabricam mais, pra ver se um dia o tempo para; pra ver se ela vem me salvar.

Nunca me esqueci de voce, nem nos momentos em que estivemos mais distantes, sempre esteve presente em meus pensamentos. Você é e sempre foi a coisa mais real pra mim, é o meu sopro de vida, meu feixe de luz em meio a escuridão do meu ser, entao minha querida jamais teve qualquer chance de eu te esquecer, acho que é impossivel se esquecer da alma da gente e voce é a minha alma.
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor faz isso. O verdadeiro amor faz isso de verdade. Ele sofre, apanha, chora, grita! Mas não desiste. Acredita que tudo vai ficar bem, que uma hora você vai sair do escuro e encontrar aquele feixe de luz. Acredita nas menores coisas para que as maiores aconteçam. Espera o tempo que for, para voltar para o seu lar. Espera, para ouvir as palavras que tanto queria. Espera, para sentir aquele calor, que só uma pessoa pode nos dar. O amor espera tudo… Ele não cansa de esperar! Quando há amor, ninguém nunca sai do campo de batalha.
Transparency is scary.  We do not want other people to know us deeply and intimately because we’re afraid of what they might think. We’re afraid of what they might tell others.  These are rational fears, but they are not Christian fears.  In fact, they rob us of some of the most life-giving pieces of our relationships… We miss out on the richest parts of Christian relationships when we don’t give anyone the opportunity to know everything about us and love us anyway.
—  Cole Feix

O relógio marcava duas e quarenta e oito da manhã. Dentre as quatro paredes do quarto de Ana, a escuridão só não era plena porque um feixe insistente de luz da rua transpassava a cortina darkgoldenrod. Um silêncio ensurdecedor tomava conta do ambiente físico, bem como da alma da excêntrica e enigmática garota. A calmaria tornara - se rotina, desde o dia em que Ana Desvencilhou - se das amarras que simbolizam maus sentimentos tão somente pertinentes a um passado não tão distante ao qual Ana pertencera.

vimeo

Calvin Cardioid - Everything To Me from Philipp Feigenbutz on Vimeo.

This is the official music video for Calvin Cardioid’s “Everything To Me”,
animated by Studio Feix: Philipp Feigenbutz and Anna-Maria Scharf.
Character animation was done with markerless motion capturing using iPi Soft.

Calvin Cardioid
kingdeluxe.ca/cardioid/

Download the music
smarturl.it/heartacheEP
store.kingdeluxe.ca/album/heartache-without-warning-ep

vimeo.com/philippfeigenbutz
vimeo.com/annamariascharf
studiofeix.de/