favzao

Não acredito em para sempre. Não
acredito em nada que necessite de
outra pessoa para se realizar. Evito
entrar no ringue com expectativas,
até porque não quero tomar uma
surra das frustrações. Treino o
suficiente para fazer a minha parte,
encarar a realidade de frente,
acreditando em sonhos, mas não em utopias. Se nesse mundo eu sou passageiro, porque nós não
seríamos? Sou cético, não acredito
em meias palavras, até porque me
conheço, não boto minha mão no
fogo nem por mim, vou botar pelos outros?
—  Frederico Elboni.
Há algo sobre você mesmo que você não sabe. Algo que você nega existir. Até ser tarde demais para fazer alguma coisa a respeito. É o único motivo pelo qual você levanta toda manhã. O único motivo pelo qual você aguenta o chefe intragável, o sangue, o suor e as lágrimas. É o porque você quer que as pessoas saibam o quanto você é bom, atraente, generoso, engraçado, maluco e inteligente. Tenha medo de mim ou me reverencie. Mas por favor, me considere especial. Compartilhamos um vício: a necessidade de aprovação. Todos nós queremos um tapinha nas costas e o relógio de ouro, o grito da torcida. Olha só o garoto inteligente com o brasão polindo o troféu. Continue brilhando, diamante maluco! Afinal, somos macacos de terno, implorando pela aprovação dos outros. Se soubéssemos disso, não faríamos isso tudo. Alguém está escondendo isto da gente e, se tivéssemos uma segunda chance, você perguntaria: por quê?

O ego é o pior dos trapaceiros em que podemos pensar, em que podemos imaginar, porque você não o vê.

O problema é que o ego se esconde no último lugar em que você procuraria: em si mesmo!

Ele disfarça os pensamentos dele com os seus pensamentos e os sentimentos dele com os seus sentimentos. Você acha que é você.

As necessidades das pessoas de proteger seus próprios egos não conhece limite. Elas mentem, roubam, enganam, matam, fazem o que for preciso para manter o que chamamos de fronteiras do ego.

As pessoas não têm idéia de que estão numa prisão, não sabem que há um ego, não conhecem a diferença.

Primeiro, é muito difícil para a mente aceitar que há algo além dela mesma. Algo mais valioso e mais capaz de discernir a verdade em si.

Na religião, o ego se manifesta como o demônio e, é claro, ninguém percebe o quanto o ego é esperto porque ele criou o demônio para que você culpe o outro.
Ao criarmos este inimigo externo imaginário, criamos um inimigo de verdade para nós mesmos e isto se torna uma ameaça real para o ego, mas isso é também criação do ego.
Não existe nenhum inimigo externo, não importa o que a voz na sua cabeça diga. Toda a percepção do inimigo é a projeção do ego como inimigo.

O seu maior inimigo, é a sua própria percepção, sua ignorância, o seu ego.
—  Revolver (2005)
Castles Made Of Sand
  • Castles Made Of Sand
  • The Jimi Hendrix Experience
  • Axis: Bold As Love
Play

“Castles made of sand é uma música sobre nossa família”, disse Leon Hendrix, o irmão de Jimi Hendrix. É minha música preferida do Jimi Hendrix por se tratar do fim das coisas, das transformações da vida e da aceitação das mudanças.

There was a young girl, whos heart was a frown
'Cause she was crippled for life,
and she couldn't speak a sound
And she wished and prayed she could stop living
So she decided to die.
She drew her wheelchair to the edge of the shore
And to her legs she smiled "you won't hurt me no more"
But then a sight she'd never seen made her jump and say
"look a golden winged ship is passing my way"

And it really didn't have to stop, it just kept on going...

And so castles made of sand slips into the sea, eventually

“Cada verso contêm descrições separadas de desapontamentos universais… Tudo não está perdido, apesar disso, quando no último verso a garota suicida que está "aleijada para a vida”, movendo sua cadeira de rodas para o penhasco, é salvada por uma espécie de epifania otimista…. A banda continua enquanto Hendrix fala as linhas finais, a sua voz e guitarra anda em círculos e ecoa para cima e além, para os céus.“

Tom Maginnis

Se alguém se aventurar
a dizer a você uma palavra,
isso tirará a sua paciência?
Mas quem pode refrear as palavras?

Pense bem! Você ensinou a tantos;
fortaleceu mãos fracas.

Suas palavras davam firmeza
aos que tropeçavam;
você fortaleceu joelhos vacilantes.

Mas agora que se vê em dificuldade,
você desanima;
quando você é atingido,
fica prostrado.

Sua vida piedosa
não inspira confiança a você?
E o seu procedimento irrepreensível
não dá a você esperança?

Jó 4:2-6