falta o resto........

Hoje ganhamos mais uma estrela no céu. Uma pessoa que batalhou muito pra chegar até aqui. Você deixou vários filhos sozinhos, mas eles saberão seguir os mesmo passos que você trilhou. Deixaste netos que tem amam pra trás, e nós iremos nos inspirar no que você nos ensinou. Você, que nunca fez mal à ninguém, mas sempre ajudou quem precisava. Você, que não merecia, mas se foi, talvez cedo demais. E assim como todo grande guerreiro, você teve de por um fim na luta, e descansar. Eu vou sentir tua falta, assim como todo o resto de nossa família. Espero que encontre meu avô, seja lá onde você estiver, e espero que não sinta mais dor.
—  Para a velhinha durona.
Una juez ordena la exhumación del cuerpo de Salvador Dalí tras una demanda de paternidad

MADRID(Reuters) - Una juez en Madrid ha ordenado que los restos del pintor español Salvador Dalí sean exhumados para poder obtener muestras de ADN tras una demanda de paternidad de una mujer de Gerona, dijo el tribunal el lunes.
El tribunal identificó a la mujer como María Pilar Abel. Dijo que eran necesarias pruebas de ADN debido a la falta de restos biológicos o personales con los cuales poder hacer una comparación genética con el artista.
Abel alega que su madre tuvo una aventura con el pintor en los años 50 y que ha estado luchando por que se reconozca a Dalí como su padre desde 2007, dijo el diario El País.
Dalí, que murió en 1989, fue uno de los artistas más famosos del movimiento surrealista del siglo XX. Es el autor de cuadros icónicos como el de los relojes que se derriten en la obra de 1931 titulada “La persistencia de la memoria” pero también trabajó en los mundos del cine, la escultura y la publicidad.
El excéntrico artista, fácilmente reconocible por su largo y encerado bigote, era famoso por su comportamiento escandaloso, como por ejemplo, dar charlas vestido con un traje antiguo de buzo y conducir de España a París en un Rolls Royce blanco repleto de coliflores.

(Información de Paul Day. Traducido por Carla Raffin en la redacción de Madrid.)

Não dá mais para acreditar em nada, os limites acabaram junto com qualquer força e fé que havia presente! Todos foram embora para algum canto longe daqui a procura de algo que eu não os podia oferecer, algo que pelo qual eu também costumava a procurar mas não pude ter, que eu precisava ter para conseguir ter forças para continuar em pé mas infelizmente não deu, não era meu dia, não era meu mês, não era meu ano, ou apenas a sorte não estava a meu favor, ou a culpa seja minha, enfim, apenas não sobraram forças e nem vontade alguma. Tudo aqui dentro se encontra vazio e fraco, um vácuo do tamanho do universo dentro de uma alma que se habitava amor. A o amor, aquele lindo amor que tanto usou sua função e no final sempre acabou amando demais, sentindo demais sem seu remédio, sem ao menos ser cuidado quanto mais correspondido. Pois assim foi sendo o primeiro a ir embora, todo o amor que havia ali dentro desapareceu depois de tantas tentativas falhas, depois de tantos hematomas nele deixado simplesmente se foi. A força continuou, tentou trazê-lo de volta mas infelizmente nada mais podia ser feito, não sozinho pelo menos, não sem amor, sem carinho sabe? Não sem tudo aquilo que não foi encontrado mesmo depois de tanta procura. Já estava tudo acabado, só restava o corpo mesmo, as lembranças tomaram conta de alguma parte, a ilusão de outra, e a falta de amor completou o resto. Olhar para o horizonte e sentir que qualquer lembrança lhe causa dor, que qualquer tempo vago faz uma bagunça de pensamentos e qualquer detalhe lhe trás falta de atenção fazendo tudo se reverter para seus sonhos que hoje não são mais possíveis de se acreditar. Os olhos diariamente se arregalavam em conversas consigo mesmo, dúvidas e intimações do porque tudo aquilo havia acontecido, do porque nada daquilo podia ter dado certo… Perguntas sem respostas, dores de decepções apareciam sempre em seguida, junto com as lágrimas que naquele momento era sua grande parceira, ela nunca havia o abandonado nem nos melhores e nem nos piores momentos sempre estava ali o acolhendo e o abraçando com suas funções de aliviar e trazer toda a dor, novamente. É realmente nada havia restado dentro dele, nada do que ele havia preservado para quando conseguisse finalmente realizar seu sonho, nada mais existia, nem mesmo a esperança de se recuperar tudo isso…
—  Lucas Vieira
Talvez, baby, tenhamos sido amaldiçoados com a felicidade de encontrar o amor em corpos errados.

Por bem, hoje eu desisti do amor da minha vida. Dizem que você sabe a hora de sair de um relacionamento quando te faz mais mal do que bem, mas é difícil equilibrar os pesos na balança quando se trata de amor. É difícil não pensar que vai melhorar, querer acreditar nas promessas de mudanças, mesmo sabendo que no fim o filme sempre se repete. É uma luta incansável por uma pessoa que diz, diz, diz, mas nunca faz. E esse ciclo vicioso se repete, a cada dia deixando tudo mais exaustivo. Mas o que eu realmente coloquei na balança foi que: eu me entreguei para as primeiras palavras bonitas que apareceram, mera tolice, eu sei, jamais repetirei isso, mas antes do nunca mais eu precisava saber que eu tinha tentando de tudo. Precisava conseguir olhar pra ela e em vez de pensar “quero de novo” pensar “você já tentou, não deu certo e não vai dar agora, o caminho é em frente.” Amor? Do que adianta o amor quando falta todo o resto? Eu já fui tão mais feliz. Eu só queria poder sorrir um sorriso meu, um sorriso verdadeiro, sem choros escondidos, sem maquiagem, sorrir um sorriso puro. Será que eu consigo? Queria poder rir a toa a qualquer hora porque as coisas estão dando certo. Depois de anos e anos construindo e demolindo sonhos com a mesma pessoa, desde de todas certezas me vejo aqui, no fim disso tudo. A parte mais temida chegou. Não há nada mais trágico e dolorido como o fim do amor. É como se a gente visse o sol se pondo e ele nunca mais nascesse. O fim do amor arde, sufoca a alma. Sinto muito se o “nós” morreu.

Charlie Tango.