exatamente!!!

(…) dizem:  " a maior prova de fé é ressuscitar os mortos, se você pode ressuscitar os mortos, você tem “a” fé!” E eu digo: “É?!” Então me perguntam: “E qual é o maior ato de fé?”Para mim é olhar no espelho da Palavra de Deus e ver todas as minhas falhas, todos os meus pecados, todas as minhas deficiências, e acreditar que Deus me ama exatamente como Ele diz que me ama.
—  Paul Washer

mar-da-poesia  asked:

Você é importante demais pra mim , hoje faz exatamente 2 anos que você ta na minha vida , vim agradecer por tudo , pelas palhaçadas , pelas histórias , pelas dificuldades , até pelas nossas brigas elas nos fortaleceu , pelo nosso FUTEBOL que falamos sempre kkkk , uma pena você ser PALMEIRENSE (fzr o q ne?)kkkk, você é incrível é um prazer ter você comigo , espero que seja pra sempre , obrigado por não desistir de mim obrigado por sempre ta presente , EU TE AMO , amo demais 💗

Obrigado por me aturar , na verdade sou estranho dms e você  sempre estava aqui , mesmo eu me afastando de tudo e de todos, você  sempre estava aqui mandando ask mandando msg , tinha uma vez que vc mandou mais de 30 msgs só pq demorei pra responder KKKKKKKKKK 
queria lembrar o dia que a gente conheceu realmente , só lembro desse ano ter falado com vc ( me perdoa , eu sou muito esquecido)
são 2 anos?
eu queria realmente ver essas coisas que vc falou sobre mim , só que não consigo , todos dias eu magoo alguém  , já perdi pessoas que eram muito importante pra mim … só que percebi quando tinha perdido realmente …
eu to realmente cansado … enfim kkkkkk foi um desabafo :S
Meu permeira é dms u.u pena que vc torce pro flamengo , pena mesmo , juro que vou te da uma camisa do palmeiras pra vc 
realmente ally obg POR SER ESSA PESSOA QUE VC E ME PERDOA POR TUDO 

Seja a versão de si mesmo que você sonhou em ser quando criança. Seja o tipo de pessoa que esse mundo precisa. Sinta-se. Floresça de novo, a cada primavera. Seja a rosa entre os espinhos. Ou seja os espinhos que protegem as rosas. Seja verdadeiro. Seja exatamente quem você é.
—  Larissa Dias.
Encontrar alguém que te aceite por inteiro, que ame até seu defeitos, é uma missão quase impossível. Alguém entra em nossa vida, acaba idealizando algo que a gente não é, com o tempo acabamos não conseguindo suprir as expectativas que o outro criou em cima de nós e o que era pra ser algo bonito acaba se transformando em um campo de guerra e com isso pouco a pouco se aproxima o fim do amor. E como resultado um quer jogar para o outro aquele amontoado de erros e culpas, por que somos orgulhosos pra admitir que também erramos. Esquecemos que amor não é como um restaurante self-service que vamos em um dia qualquer e que você pega o que gosta e te agrada e rejeita o que não quer. Precisamos aprender e ser maduro o suficiente para entender que quando alguém vem pra nossa vida, essa pessoa chega com um passado que você não poderá mudar, precisa saber que ninguém é perfeito, pois não existe príncipes e princesas, que todos temos inúmeras qualidades, mas que junto vem um amontoado de defeitos e falhas, que vai existir dias que um ou outro vai se tornar insuportável. E são nesses momentos onde o caos esta presente, onde tudo esta fora do lugar que descobrimos o que é verdadeiramente amor, pois se você diz que só consegue amar uma pessoa porque ela é daquele jeito, conforme a imagem que você criou e que você a vê, e não consegue vê-la de uma outra forma, você provavelmente não a ama. Existe uma grande diferença entre amar e só ficar porque você se sente bem com aquele alguém. Quem ama vai entender que o outro pode mudar, ter opiniões diferentes do que tinha a um mês ou a duas semanas atrás, pois estamos aqui pra evoluir e vamos passar por transformações ao longo de nossa vida, precisamos entender que ninguém vai estar sempre em um dia bom pra dizer somente o que queremos ouvir ou fazer as coisas que achamos certo pra nós, pra quem sente amor de verdade o sentimento não muda e certamente vai compreender que somos vulneráveis aos acasos da vida e quando é realmente amor, não vai deixar de aceitar o outro exatamente como ele é!
—  Giulia S.
Era pra não existir distância entre duas pessoas que se amam. Era pra existir uma forma de uma estar ao lado do outro, talvez um túnel do tempo, qualquer outro tipo de solução. Ou ela poderia morar na outra rua da minha casa. E assim poderíamos estar juntos. A distância atrapalha em estar ambos juntos. Mas de certa forma, o nosso amor cresce a cada dia. Talvez pelo fato do desejo estar um ao lado do outro e poder distribuir todo esse amor que guardamos um pelo outro. Mas cá entre nós, sinto como se tivesse mil borboletas dentro de mim, em uma apenas um: Bom dia, seu. Sinto em outra dimensão quando estou conversando com você, me sinto vivo, me sinto outra pessoa. É louco o efeito que tu me trás e me faz, mas o que seria de bom sem essa loucura sem você? Nada, exatamente nada. Pois você é o grande motivo da minha felicidade.
—  Alef Santos.
Não quero ter alguém apenas por ter. Quero alguém que me transborde, que saiba exatamente o que necessito apenas pelo meu jeito de agir. Posso estar querendo demais, mas ter uma pessoa ao seu lado que é capaz de decifrar as suas entrelinhas, é algo sem preço. Quero poder chegar em casa após um longo dia de serviço, e ser recebido com muito amor e carinho, e logo após o jantar, ficarmos abraçadinhos sobre o sofá, ou até mesmo no chão, assistindo filmes juntos, durante algumas trocas de beijos. Acompanhados, é claro, de algumas barras de chocolates. Quero dormir com este alguém entre meus braços enquanto ouvimos o barulho de chuva sobre o telhado, após uma longa noite de amor intenso e ofegante.
—  Pedricovick.
Não há o que fazer, o que precisa acontecer simplesmente irá acontecer. Não brigue com o destino, ele é inevitável. Mas, calma. Só irá ocorrer quando você estiver preparado. Por isso, não reclame, apenas faça. É exatamente nesse momento que você está pronto para superar o que está havendo em sua vida. Exatamente agora. Nem um segundo a mais ou a menos. Levanta a cabeça, estufa o peito e enfrente. Aconteça o que acontecer, esse é o momento perfeito para isso. O seu momento perfeito.
—  Pedro Peixoto.
Ela é incrível. Ela é tudo o que eu nunca soube que poderia querer. Eu me viciei nela, me viciei em seu jeito, em seus gostos, na sua voz, me viciei por completo. Ela é minha droga e eu não me canso de querer mais. Mas também, é exatamente o oposto disso tudo, ao mesmo tempo ela é minha cura, ela é o que me alivia. Ela é minha reabilitação. Ela realmente é incrível.
—  Carta de Noah para Julie.
Nos conhecíamos a tão pouco tempo, mas eu já sabia o que aquele olhar queria dizer: Sexo. Uma simples troca de olhares era quase uma transa entre nós, apenas aquele cheiro de meu homem que ele tinha já me deixava excitada. Quando me dei conta ele já estava com a boca no meu pescoço, mordendo, chupando e sentindo meu corpo. Meus lábios sentiam uma necessidade tremenda do seu beijo, meu corpo tinha pressa em sentir ele todo dentro de mim. As mãos dele exploravam por entre minhas pernas já bambas, ele me conhecia tão bem, eu não queria que parasse, gemidos saiam da minha boca involuntariamente. Eu não era de muitas loucuras mas ele trazia todos os meus desejos e instintos a tona e eu não me importava, só queria que aquilo não acabasse. Ele me puxa pela cintura e morde de leve minha boca, eu sei que agora é minha vez. Desço minhas mãos pelo seu corpo até chegar exatamente onde eu queria, ele já estava pronto pra mim não penso duas vezes e começo passando minha língua lentamente pela cabecinha do seu pau, ele puxa meu cabelo com força e então eu começo a chupá-lo intensamente, arrepios subiam pela sua coluna dorsal e gemidos quase inaudíveis saiam da sua boca, eu realmente sabia como enlouquecer aquele homem. De repente ele me para, e coloca-me em cima da bancada enquanto sua boca encontra ardentemente a minha, não paro pra pensar e coloco minhas pernas em volta da cintura dele, ele sabe que isso é um pedido de “me fode com força”, e é o que ele faz, penetra fundo em mim, metendo ora rápido ora devagar me fazendo gritar de prazer, nossos corpos se perdem em sincronia e o cheiro do nosso sexo se espalha pelo ar. Ele não só fode comigo, a gente faz amor.
—  Simone Ribeiro in um conto erótico.
Ele me deu um pé na bunda. E doeu. Fiquei sem entender direito o motivo. Tudo parecia bem. A gente parecia bem. O mundo parecia um lugar bonito e seguro. Eu parecia bonita e segura. E de repente as coisas mudaram. Ficou um vazio grande no lugar dele. Ficou uma sensação de perda dentro de mim. Na hora em que o calo aperta e o coração quase derrete não adianta falar de tempo. Enfia o tempo no bolso e sai daqui! Não quero saber se o tempo cura, não quero ouvir que ele é o melhor remédio para todos os males. Não quero sair, não quero conhecer gente nova, não quero achar novo amor. Aproveita e enfia o novo amor no bolso também. Eu quero é ele. Ele, ele, ele. É que não tem ninguém igual. É que não vai ter sentimento igual. É que não vai ter outra pessoa que seja assim, tão única, tão perfeita, tão, tão…sabe? Não vai ter, eu sei. Eu sei e todo mundo sabe, não sei por qual motivo, razão ou circunstância ficam me enrolando e tentando me passar a perna com esse lance de o-que-é-seu-tá-guardado. Tenho certeza que ele é a minha alma gêmea. Eu nunca acreditei nisso. Até conhecer aquele homem. Meu Deus, ele é a metade da minha laranja. Por ele eu mataria e morreria. Por ele eu seria sempre melhor. Por ele eu seria até capaz de virar Amélia, a mulher de verdade. Por ele. Ele, que fez com que eu entendesse o amor. Ah, o amor. Aquele cretino. Aquele safado. Aquele ordinário. Aquele sem vergonha que faz a gente entregar o coração e acabar de mãos abanando e sangrando. Nunca mais vou amar ninguém. Não quero. Não vou. E não adianta você voltar com aquela história do tempo. E não adianta querer me levar pra sair, pra conhecer gente, pra esfriar a cabeça. Não quero saber de toda aquela baboseira de cortar o cabelo, renovar o guarda-roupa, começar a malhar, frequentar novos lugares, mudar velhos hábitos, incrementar o dia a dia. Não quero saber de tudo aquilo que as mulheres fazem para tentar achar A Cura. Não quero me curar. Quero beber todo dia uma vodca barata. Ou cara, depende do dia do mês. Quero beber e ficar sozinha. Prometo que não vou encher os ouvidos das amigas, das colegas de trabalho, dos amigos gays, da vizinha do andar de cima, da minha mãe. Prometo que nem vou buzinar nos ouvidos do terapeuta. Juro que me comporto. Fico eu, o pouco de sanidade que resta, o copo sempre cheio de vodca, algumas lágrimas e um punhado de recordações. Quero isso. Quero a depressão. Quero a fossa. Quero me acabar. Quero ficar arrasada para sempre. Quero ficar pensando nele o dia todo. Recordando cada momento que passamos juntos. Não quero saber de me entupir de chocolate e carboidratos. Vou fazer greve de fome até morrer. E antes vou deixar um bilhete: morri, seu idiota. Morri. Acho que agora estou entrando naquela fase da raiva. Aquela em que a gente imagina o cara de terno e gravata fazendo cocô. Aquela em que a gente começa a pegar nojinho. Aquela em que a gente usa todos os palavrões para definir o infeliz. Aquela em que a gente sai da fase da música de corno para cantar bem alto “I’m Every Woman” de braços abertos, abraçando o infinito, até ficar rouca e louca. Guardei as fotos em uma caixa e escondi ela no fundo do armário. Melhor deixar longe. Melhor não ver. Melhor parar de fuçar no Facebook. Melhor deixar de seguir no Twitter. Melhor deletar o telefone do meu celular. Melhor não dar uma espiada na vida da ex. Não quero mais saber o que ele come, se sente frio, se reatou com a antiga namorada, se continua lindo de morrer, se acabou comprando aquele tênis que eu disse que combinava com ele. Não quero saber nada disso. Quero virar autista e fingir que ele nunca existiu. Assim sofro menos. Assim vivo mais. Hoje eu reparei que as olheiras diminuíram. E que deixei de chorar. Me achei mais corada. Menos pálida. Mais bonita. Uma beleza melancólica. Tem um pouco de tristeza nos meus olhos. Mas vou me maquiar. Senti vontade de me arrumar. Pra mim. Para meu espelho. Pra me animar. Uma amiga me convidou pra um happy hour. Vou. Uns caras me olharam, me senti mais mulher, me senti bem. Quase não lembrei dele. Estou trabalhando bastante. É bom ocupar a cabeça. Parei um pouco de beber. Arrumei minhas gavetas. Joguei umas coisas fora. Decidi limpar as coisas por aqui. Acendi um incenso. Dancei sozinha na sala. Ri. Fui na padaria. Comprei pão francês e queijo cottage. Decidi dar uma volta no Ibirapuera. O dia está tão lindo. Encontrei uma velha conhecida. Conversamos. Marcamos um sushi para o dia seguinte. Fui jantar com a velha conhecida. Me diverti. Voltei pra casa, assisti um filme bobo, lembrei dele, chorei, sequei as lágrimas e me perguntei: por que estou chorando? Entrei no Facebook e vi uma foto dele com uma mulher peituda. Chorei mais. Dormi chateada e pensei isso-nunca-vai-passar. Comecei a caminhar todos os dias pela manhã. É melhor, vou para o trabalho com mais ânimo. Um cara bem interessante caminha por lá também. Não usa aliança, está sempre sozinho, ouvindo música e com o olhar longe. Parece eu. Me distraí. Esbarrei no cara. Ele se desculpou e sorriu. Nossa, que sorriso bem lindo. Senti uma coisinha no peito. Sorri de volta e segui andando. Na outra volta encontrei ele de novo, que sorriu mais uma vez. Para, que vou morrer aqui. Na outra volta eu já estava cansada, mas ansiosa por aquele sorriso. Ele sorriu. Me derreti. Parecia uma abobada. Voltei pra casa. No outro dia acordei feliz da vida, o cara sorridente ia estar lá de novo. E estava. E sorriu. E sorri. E ficamos nessa por uma semana. Até que ele pediu meu telefone, eu dei e ele me ligou. Quer ir ao teatro comigo? Quero. Enquanto eu me arrumava ele me ligou. Ele, que me deu um pé na bunda. Não atendi. Sorri. E tentei lembrar a última vez que lembrei dele. Não consegui. Talvez eu volte a acreditar no amor de novo. Talvez eu nunca mais sofra. Talvez. A vida é cheia de “talvez”, mas uma coisa é certa: o tempo ajuda. E não adianta você dizer que não e tentar lutar contra isso.
—  Clarissa Corrêa.