eu-quero!

Eu nunca tentei
Sempre fiquei no meu canto, aos prantos
Desejando que algo me salvasse
Até que um dia eu levantei, olhei pra dentro de mim e enxerguei,
Se eu quero ser feliz, eu vou me fazer feliz.
  Reiterastes

É tão bonito enxergar o amor alheio e desejar só o bem! É lindo apaixonar-se pelo amor dos outros. Seus olhares puros, seus sorrisos sinceros, e essa vontade enorme de fazer tudo dar certo, mesmo com tantas dificuldades. Sim! Vai ser difícil; agora, depois, nunca vai ser fácil. Sinto muito te assustar com isso agora, mas eu quero que você perceba que é isso que vai fortalecer o amor, que sozinho não se basta. É ali, nos momentos difíceis que você vai perceber se essa pessoa se segura em você e/ou segura você, procura apoio, escuta conselhos ou os dá. É aqui, nesse momento, que você vai fechar os olhos e pensar “é você, só poderia ser você”. É tão bonito ver a cumplicidade, as manias, o êxtase por redescobrir a pessoa que você já conhece tão bem. Você passa a perceber o amor como um quebrador de correntes internas, e um libertador de prisões externas também. Você passa a perceber a importância de cada instante, de cada detalhe, da atenção, do carinho, até das bobagens divertidas. Apesar de tudo, você entende o sacrifício que cada um faz para manter essa “chama acesa” muito comentada pelos poetas que, move as pessoas a descobrir alguém que nunca imaginaram ser. Além de comemorar e valorizar as pequenas coisas, como um simples​ bilhete lembrando que o amor existe. Cada história tem suas provações, e eu agradeço imensamente pelas nossas, e por estarmos quebrando de pouquinho em pouquinho, retirando pedra por pedra que um dia obstruiu o nosso caminho. E a cada pedra que deixamos para trás, sabemos que mais pedras virão, irregulares como são por essência, e uma mais pesada que a outra, porém nada que nos faça dar um passo atrás, desistindo de procurar o que nos espera além. Eu amo você, e além disso, te respeito. Toda vida necessita de uma motivação, e você é a minha.

O amor que flutua.

Pessoas vão, e eu sendo uma também parto. Ás vezes cedo, outras tarde. tarde até demais.

Mas o que me importa no momento, é o meu bem-estar e não o seu, não como antes. E sabe o por que? Porque você queria abracar o mundo inteiro, menos a mim. Você quis tudo, menos eu. Você queria ter alguém de verdade, mas não me olhava desse jeito. O seu problema, é querer o que tem ao lado e o meu problema é dar mais para quem me da menos.

Me desculpe, mas no momento eu quero pouco me importar com você e com o que você sente, não por vingança ou por ódio de você. Muito pelo o contrário tudo isso é para eu dar valor mais a mim, e saber tratar as pessoas como me tratam. Tudo isso parece um discurso de ódio, mas aqui vai eu pouco me importo para o que você. E aqui vai mais uma, sou responsável por minhas palavras e atitudes, o que você entende não é do meu interesse.

Você se foi e não disse a hora, o dia e tampouco a estação. Mas ao partir você desapareceu como uma miragem, e ao aparecer mostrou ser a ilusão de quem você no fundo não era. É verdade que usamos máscaras, mas você. Bem você roubou todas as possíveis e impossiveis.

Você não está mais aqui, e de primeiro momento machucou, me fez sentir como a pior pessoa do mundo. Mas no terceiro instante eu pude perceber, que a sua falta não era uma falta tão uma falta assim, era apenas aquilo de “você nunca existiu”. Não pelo menos do jeito que você queria demonstrar.

Você é como um café, em outras palavras como a fumaça dele. Que vem de algo quente, mas que ás vezes demonstra ser vazia e outras uma lembrança, uma saudade e um monte de outras coisas que não consigo explicar. Você também é como um cigarro, a final você é tão nulo quanto um, e digo nulo porque você gosta de ser apenas uma felicidade de momento, e não aquela que te faz pensar naquilo o dia inteiro com um sorriso bobo no rosto.

Você é imenso como o mar, tanto por dentro, quanto por fora. Mas não sabe ter isso, porque esta coisa é um trabalho grande demais, para um trabalhador pequeno e limitado. Ás vezes penso, se você tem um coração ou se inventou ele, a final isso não é nada para quem inventa sentimentos pelo o outro por medo de estar só. Mas me intriga ver isso você não gosta da solidão, mas faz ser só assim como o resto de uma bebida qualquer em um copo qualquer.

Você é uma obra-prima, mas não sabe ter a beleza de tal. A final a sua moldura é o acúmulo de sentimentos que os outros tiveram por você e nada mais. E a sua gravura, é algo mais inventado do que feito. Você tinha de tudo para ser um livro, mas preferiu rasgar a sua capa, e a sua própria história.

E não você não sente saudade, a final o que importa para você é se alguém vai fazer os seus agrados ou não. Se fizer, está no seu mundinho. Se não fizer, é tratado como resto de algo que nunca vai existir. E não diga que dói, não ter eu ao seu lado. Pois eu sei que nas minhas madrugadas de insônia, você dormia.

E não você não sabe o que é ser uma pessoa machucada, pois da o veneno, mas não prova do mesmo, pelo menos ainda não. Você tem uma alma bela, mas é uma pessoa pobre e não é de dinheiro. E sim das riquezas que a vida, o amor, e outros sentimentos podem dar. Você não sente muito, até porque você se faz pouco, você se torna pouco. E quem se faz pouco, não sabe o que é muito e tampouco mais.

Acha que eu desejo o seu mal? Não, eu desejo o bem para você, mas um bem. Bem longe de mim. Ainda carrego cicatrizes dos machucados que você me deu, mas também carrego algo que você não conhece, mas que se chama reciprocidade. Não digo que você foi uma perda de tempo, pelo o fato de que você me ensinou a ser mais para mim, e o suficiente para os outros. Sem isso de mais para um, e de menos para outro.

“Eu sempre soube me recuperar.
Sempre soube levantar a cabeça, sacudir a poeira e dar a volta por cima….
O fundo do poço nunca foi minha morada por muito tempo.
Pois não gosto de lamentações, e nem do papel de vítima.
Passo pelos meus desertos praticamente em silêncio, e quem lida comigo nem imagina o sangue que carrego nos pés.
As feridas cicatrizadas que levo e as que ainda estão em processo.
E será sempre assim, boca fechada,
superação e gratidão.

Só paro de lutar, só paro de avançar, quando ela OXUM, me parar”!

No final das contas sempre chego onde eu quero.
Sou de Oxum, Minha Vitória é certa!

Ora iêiê ô minha amada mãe Oxum
A força que me faz seguir em frente…

Sou D'axé
#Povo da floresta🌿🍀
Retirado da pagina fb religião respeito humildade

So, last night I rewatched The Way He Looks (Hoje Eu Quero Voltar Sozinho), and of the million and one reasons why everyone should watch this movie, here are a few:

This is Gabriel (left) and Leo (right)

  • It’s on netflix, which most of you probably have, so it’s accessible
  • How many queer stories are there that feature a protagonist with a disability? Not many, but this one does! Leo is blind, he’s the main character, and I feel they handled his disability well (this is coming from a non-disabled person, though, so feel free to disagree)
  • It’s a pretty stereotypical indie teen romance movie, but the queer aspect already makes it 100x more interesting
  • a realistic parent-child relationship, with bonus awesome grandma
  • there’s no “omg, am I gay???” freak out. In fact, both characters are pretty much 100% ok with being into each other, and they’re main worry is “i don’t know if they like me back, but i know i want to stay friends with them at least, what do i do??” with a tiny sprinkling of jealousy, cause, well, stereotypical teen romance
  • a very beautiful and loving girl-boy friendship with lots of casual, platonic intimacy
  • there’s nothing super angsty?? like, no death or super homophobic parents/classmates or having to hide that they’re queer. it’s honestly such a feel-good movie???
  • what homophobia there is, it comes as teasing and there are never any hints of anything turning violent, and in fact, at one point, when the bully character is teasing Gabriel and Leo for being boyfriends, Leo shows him that they are, in fact, real-life boyfriends, and the bully’s friends start teasing him for trying to make fun of them when they’re actually boyfriends
  • the girl best friend isn’t narratively pushed to the side when the new boy (love interest) comes in. In fact, her (Giovana) and Leo’s friendship is shown to be just as important as Leo and Gabriel’s relationship
  • everything works out and you’re left with a lovely, sweet, happy ending that’s honestly just so nice to see in a young queer romance??? 
  • I really love this movie, and there’s also a short-film!! on youtube that I recommend, too!