eu nojento

:・゚✧*:・゚* exo couples bios :・゚✧*:・゚*

:・゚✧*:・゚* credite no twitter @fckwufan e dê like no post!! xx :・゚✧*:・゚*

hunhan :・゚✧*:・゚*

“sou hunhan shipper com orgulho” ai coitada

eu sei que ninguém gosta de mim pq sou hunhan shipper, eu não quero que vcs gostem pra mim é uma honra vcs não gostarem de mim, gente vcs são nojentos

eu shippo hunhan sim mas vejam pelo lado bom………………. pera não tem lado bom quando se shippa hunhan

i shipp hunhan because i believe in love

sehun makes luhan strong

taoris :・゚✧*:・゚*

taoris shippers vão pro inferno  bando de acéfalas!!! me esperem quando vcs forem

olha levando em consideração que eu sou taoris shipper você pode me chamar de iludida sim

se eu soubesse que viraria taoris shipper saia na primeira punheta do meu pai

[kris] i’m love with tao and all his little things

taoris makes me strong and weak at the same time :( 

when you say love i hear taoris

baekyeol :・゚✧*:・゚*

acho estranho, sempre quando vejo um caminhão de lixo sou jogada lá dentro, deve ser pq shippo baekyeol

contei pra minha mãe que shippava baekyeol e ela me expulsou de casa dizendo dizendo que isso não era coisa de deus

acho que dancei growl na cruz pra ser baekyeol shipper

[baekhyun’s voice] my first real crush was park chanyeol

[chanyeol voice’s] and im in love with baek

kaisoo :・゚✧*:・゚*

satanás deixou recado na caixa postal mandando um alô pras kaisoo shipper falando que espera nois com muito amor lá gente to emocionada

eu não gosto de niggas nem de baixinhos, ainda bem que sou kaisoo shipper

shippar kaisoo  é a passagem pro inferno

kaisoo’s love is so true, when they look each other it seems that ignore everything that is around and enjoying the moment

kyungsoo be with jongin so happily

xiuchen :・゚✧*:・゚*

não vou na igreja mais, da ultima vez falei pro padre que era xiuchen shipper e ele tampou um balde de água benta na minha cara não entendi

sabe do que que xiuchen shipper ta precisando????? não é só de Jesus não, é de uma coça de cabo de vassoura tbm

iludida sim xiuchen shipper também 

não basta ser xiuchen shipper tem que ler fanfic gay

give me xiuchen or go away

sulay :・゚✧*:・゚*

tava eu subindo a escadinha pro ceu dai jesus apareceu “amorzinho lugar de sulay shipper é mais embaixo”

suho e lay? todos vêem que por trás deles dois existe algo e só vc que não enxerga isso sua cega

enquanto eu shippo sulay vc tá ai iludida achando que vai casar com um deles coitada de vc amor

shippar sulay é pedir pra tomar no cú

i prefer sulay  than pizza, so, am i sick?

(algumas bios tem como vcs trocarem o couple, espero que vcs gostem. não esqueçam dos créditos e de dar like ♥)

creditos >> http://requiemstyles.tumblr.com/

—————————————

Me olhei no espelho novamente e fiquei na dúvida. O vestido preto que eu  estava usando era mais colado e curto do que todos que eu tinha,mas era ele que tinha me dado.´O vestido ficava tipo,quatro dedos abaixo da minha bunda,e era todo aberto nas costas. Abaixei um pouco a saia do vestido e me olhei novamente. Com aqueles saltos ele parecia mais curto,mas ele havia me dado. Ele ia gostar de me ver com aquele vestido. “Eu trouxe pra você de Paris” Zayn disse com um sorriso no rosto,enquanto eu abria as centenas de presentes que ele havia trago.

Eu iria encontrá-lo no Funky Buddha,e as garotas já estavam me apressando.

- Se eu tivesse uma bunda desse tamanho,eu iria andar só de calcinha - Gemma disse e eu ri sem graça. Droga,eu odiava meu corpo e minha bunda gigante era só apenas a pior parte pra mim.

- Se eu fosse o Zayn,jamais eu te daria esse vestido,quer dizer,olha pra você! - Lou disse e eu tampei meu rosto com as mãos,me virando em direção ao closet pra trocar de roupa,mas elas me impediram.

- Eu to desconfortável - Minha voz saiu abafada enquanto elas me colocavam sentada na cadeira novamente,terminando de arrumar meu cabelo pra gente poder finalmente ir.

- Você está absolutamente linda - Gemma disse novamente e eu sorri para ela. Talvez de todas as outras garotas,ela fosse a que eu mais gostava. Minutos se passaram até que finalmente Lou me deixou ir,e pegando todas as nossas bolsas e tranqueiras,saímos de casa e seguimos nosso caminho.

[…]

A música estava tão alta que eu mal podia ouvir meus pensamentos,e logo eu senti a mão de Gemma segurando a minha,me puxando entre a multidão até o andar de cima. Quase me encolhi devido a quantidade de olhares de todos os tipos que foram lançados na minha direção,enquanto elas riam disso.

- Até parece que você é timida - Lou disse e eu dei um sorriso amarelo. Definitivamente eu não era tímida,mas a sensação de que Zayn não iria gostar do que ia ver me deixava ansiosa. Nós subimos até a área VIP e eu pude perceber que nós fomos as primeiras a chegar. Logo elas estavam conversando com algumas pessoas que eu nunca vi na vida,enquanto eu estava dançando sozinha no alto. Aquilo era extremamente desconfortável e tudo o que eu queria era estar no meio daquela multidão,de olhos fechados e dançando.

- Vai lá,eu aviso pra ele quando ele chegar - Gemma gritou no meu ouvido e eu hesitei por um momento,antes de descer as escadas e atravessar a multidão,ficando no meio da pista,primeiro fechando os olhos e colocando as mãos para cima,sentindo a música. E então eu comecei a me mover,dançar como eu não dançava há tempos,deixando a música levar tudo de ruim que aconteceu nos últimos meses,todo o estresse,toda a raiva,todo o cansaço. Não sei por quanto tempo eu fiquei ali,eu estava totalmente fora desse mundo até que senti mãos compridas ao redor da minha cintura,e dei um sorriso.

- Quem deixou você ser toda gostosa assim ? - Zayn beijava meu pescoço e falava no meu ouvido,me trazendo pra junto dele,colando seu corpo no meu. Eu dei um sorriso e ele envolveu minha cintura com os braços,mordendo o lóbulo da minha orelha e me fazendo arrepiar.

- Não faz assim,meu namorado é ciumento - Eu disse e Zayn riu,seus olhos brilhavam de malícia quando ele me beijou,puxando delicadamente meu pescoço e brincando com a minha língua. Naquele momento eu era dele e ele poderia fazer o que quisesse comigo,eu não me importava. Quando Zayn me soltou eu já estava sem fôlego,e ele sorriu com isso.

- Vou pegar uma bebida pra gente - Ele disse no meu ouvindo e eu acenei com a cabeça,e então Zayn sumiu no meio da multidão. Começou a tocar  Yeah do Usher e puta que pariu,eu amo essa música. Não tinha ideia de como eu estava dançando,só sei que eu me movia do jeito que meu cerebro mandava,de um lado para outro e de cima para baixo,até que eu senti novamente mãos no meu quadril,mas dessa vez eu não sorri,não eram as mãos de Zayn. Eu me virei e empurrei o homem loiro de camiseta branca que tentava me agarrar. Ele era enorme,em todos os sentidos e lados.

- Não faz assim - Eu pude ler os seus lábios antes dele me puxar pelo braço e me segurar pela nuca,forçando seu rosto contra o meu. Aquilo me deu ânsia e eu batia e arranhava ele em todos os lugares possíveis,até que finalmente meu joelho o acertou e ele se soltou de mim.

- Seu nojento! Eu tenho namorado! - Eu gritei com ele e as pessoas que estavam ao nosso redor estavam nos olhando,mas sem parar de dançar

- Que isso gatinha,com esse vestido aí e dançando desse jeito sozinha,não tem como resistir - Ele disse e me puxou novamente,e dessa vez eu fui mais rápida e dei um tapa em seu rosto. Tapa forte o suficiente pra que minha mão ficasse doendo.

- Me solta seu tarado! - Eu tentei bater novamente quando ele não me soltou,só que ele segurou minha mão,e eu estava presa. O homem estava me puxando pra perto novamente quando magicamente,a voz de Zayn pareceu estar mais alta do que a música.

- Ela disse pra você soltar ela - Zayn falava em seu tom normal,e eu senti todo o meu corpo ficar arrepiado. Ele  estava com uma garrafa na mão. Aquilo não era bom,e eu sabia muito bem o quão ciumento e possessivo Zayn era.

- E quem vai me obrigar? - O homem disse olhando para Zayn,que sorriu um sorriso torto.

- O namorado dela - Ele disse e eu logo fui pro lado de Zayn e olhei pra cima,procurando qualquer um dos garotos para me ajudar. Ia dar merda,eu sabia. O loiro mediu Zayn de cima à baixo enquanto eu tentava empurrar Zayn para fora da pista de dança,tudo o que eu queria evitar era briga.

- Zayn por favor,não - Eu sussurrei contra a boca dele mas ele não me ouvia mais,seus olhos estavam semi cerrados e ferozes. Aquilo me assustava. Eu beijei seus lábios e ele olhou pra mim por um momento,e então o loiro fez tudo o que não podia acontecer : passou a mão na minha bunda. Zayn sorriu mais uma vez e então me empurrou para o lado,partindo pra cima do homem loiro. Eu pude ver exatamente  o momento em que ele levou um soco na boca,enquanto quebrava a garrafa na cabeça do homem,socando seu rosto ao mesmo tempo. Ele parecia um animal e ninguém parecia querer ajudar a apartar a briga,ao contrário,todos estavam com seus celulares,filmando enquanto Zayn e o homem loiro rolavam no chão,aos socos. E então Zayn estava estava em cima do homem,o segurando pelo colarinho e desferindo vários socos em seu rosto. Não me dei conta que eu estava gritando com Zayn até que Louis me puxou para fora da pista,enquanto Harry e Liam tiravam Zayn de cima do homem,e Niall verificava se ele continuava vivo. Eu estava completamente em choque. Aquilo nunca tinha acontecido antes,Zayn era ciumento,mas violento…aquela era a primeira vez. Louis me levou até os fundos da boate e eu senti o ar puro queimando meus olhos. Meus ouvidos zuniam por conta do barulho,e eu me encostei na parede de tijolos atrás de mim. Louis me olhava com…pena. Acho que era isso,e quando eu ia abrir a boca pra falar,a porta bateu e de lá saíram um Zayn furioso e Harry e Liam,tentando acalma-lo. Seu lábio inferior estava cortado e sangrando e seu olho esquerdo começava a inchar.

- Zayn eu… - Eu ia abraçá-lo,estava assustada com tudo aquilo,mas antes que eu pudesse terminar a frase,Zayn me agarrou pelo braço e saiu me arrastando até onde o carro estava,me fazendo tropeçar e quase cair várias vezes no trajeto. - Minha bolsa… - Resmunguei,meio desnorteada quando Zayn me jogou dentro do carro,batendo minha cabeça na porta do mesmo. Rapidamente eu me endireitei no banco do carro e ele entrou do outro lado,pisando no acelerador,quase atropelando um grupo de pessoas que chegava a boate. Seus olhos estavam em chamas e havia sangue na sua camiseta azul. Ele parecia deliciosamente perigoso. - Zayn…

- Cala a boca - Zayn me cortou quando eu comecei a falar,e foi como se eu tivesse levado um tapa. A culpa de nada daquilo tinha sido minha.

- Mas…

- Eu disse pra você calar a porra dessa boca (s/n)! - Zayn berrou comigo e eu estremeci,me calando imediatamente. Ele suspirou pesadamente e acelerou mais o carro,nós já estavámos acima do limite de velocidade.

Sem saber o que fazer,eu olhei para as minhas mãos,encarando o modo que a mão que eu havia batido no homem estava vermelha e um pouco inchada,comparada a outra. Será que aquele homem estava vivo? Nós chegamos na casa de Zayn em dez minutos,e quando ele estacionou eu desci do carro relutante,ainda olhando para baixo. Ele abriu a porta e eu entrei na frente,acendendo as luzes. Quando eu ouvi Zayn fechando a porta atrás de si eu me virei. Precisava me explicar,precisava pedir desculpas,precisava que ele se acalmasse. Mas não deu tempo.

- Então você gosta de ficar se esfregando com outros caras por aí? - Ele disse puxando o meu cabelo e andando em direção ao sofá

- Zayn,ai,não! - Eu choraminguei devido ao seu jeito bruto. Aquilo iria doer mais ainda amanhã

- Não foi o que eu vi (s/n),ou você acha que eu não vi quando ele te abraçou? - Sua íris estava dilatada ao ponto dos seus olhos parecerem completamente negros. Eu coloquei minhas mãos sobre as suas,enquanto ele puxava meu cabelo para baixo,me fazendo sentar sem jeito no sofá de couro escuro.

- Eu não…

- CALA A BOCA! - Ele gritou e na mesma hora eu me calei. - Quem mandou você ir assim? - Ele disse olhando para o meu vestido,enquanto eu lutava contra as lágrimas que estavam começando a surgir.

- Você me deu esse vestido Zayn,por favor! - Eu choraminguei,mas ele não ouviu. Com a mão livre ele enfiou a mão dentro do meu vestido,para então com um movimento brusco,rasgar uma parte dele. Eu gritei com o susto e ele olhou para o meu rosto.

- Eu. Mandei. Você. Calar. Essa. Boca! - Ele disse pausamente,segurando o meu queixo com força. Aquilo estava me machucando e eu não podia estar mais assustada. E então ele soltou meu cabelo e se dedicou a rasgar selvagemente meu vestido,enquanto eu gritava,assustada. Suas unhas arranhavam a minha pele e eu tentava impedir ele,colocando minhas mãos na frente do meu corpo. E então o vestido se acabou,mas ele continuou o ataque,me dando tapas por todo o meu corpo,enquanto eu me encolhia,diante da dor. Nunca pensei que isso pudesse acontecer,mas aqui estava eu,apanhando dele. - PARA DE GRITAR SUA CADELA! - Zayn berrou e novamente me agarrou pelos cabelos,me arrastando até o chão,onde ele me colocou ajoelhada. E então veio o primeiro tapa e eu caí. Zayn era extremamente forte,e eu era extremamente fraca. O tapa no rosto ardia e corroía minha alma,acabando com tudo aquilo que eu sonhei. Quando eu tentei me levantar veio o segundo tapa,me deixando sem reação,minha mente estava em branco,eu não sabia o que fazer ou por quem chamar. O terceiro tapa e eu me encolhi novamente,abaixando minha cabeça e a protegendo com os meus braços. Então veio algo mais forte que o tapa,senti sua mão fechada batendo contra minha cabeça num soco forte,parecia que ele ainda estava batendo no homem loiro. Zayn estava usando seus aneis,e eu berrava para que ele parasse. E então a dor estava se espalhando pelo meu corpo,ele me dava tapas e socos,puxava meu cabelo e gritava comigo,jogando tudo na minha cara,me humilhando,chutando minhas pernas e costelas. E ficamos assim por uma eternidade,eu estava lá,chorando,encolhida ao pé do sofá,sentindo o sangue escorrer da minha nuca pelas minhas costas quando os golpes cessaram. Eu podia ouvir a respiração ofegante de Zayn,junto com os meus soluços abafados.

Nunca achei que isso fosse acontecer,jamais. Eu não sabia como lidar com isso,não sabia se eu queria olhar para ele,ou se eu ainda queria viver. Eu me sentia suja e humilhada,todo o meu corpo doía e droga,eu não tinha feito absolutamente nada! E mesmo que eu tivesse,nada justificaria aquilo. Zayn tinha me batido como se eu fosse um homem,com a mesma força dele.

Lentamente a respiração de Zayn foi se acalmando,e eu o ouvi suspirar. Pra então se sentar no sofá. Tudo o que eu mais queria era morrer,deixar de existir. Mais um tempo se passou e eu senti Zayn saindo de perto de mim,indo para a cozinha,abrindo a torneira,tomando água. E eu ainda não sabia o que fazer. Zayn retornou e se agachou ao meu lado,e então eu senti um pano gelado na minha nuca,fazendo pressão,estancando o sangue.  Zayn se sentou ao meu lado e ficou segurando o pano,limpando o sangue,enquanto eu controlava as minhas lágrimas.

Minutos se passaram,talvez horas,e então eu finalmente levantei o meu rosto,devagar. Os olhos de Zayn pareciam arrependidos,e de repente tudo o que eu queria era estar sem seus braços.

- Eu… - Ele sussurrou e eu explodi em lágrimas,enquanto Zayn me abraçou e beijou o topo da minha cabeça. A pior sensação de todas era saber que mesmo depois daquilo,eu ainda precisava dele,mais do que antes até. - Eu amo você,por favor,me perdoa - Ele sussurrou no meu ouvido e tudo o que eu consegui fazer era chorar mais,até o ponto em que eu estava soluçando e tremendo,enquanto Zayn me abraçava mais forte e me ninava.

Ficamos uma eternidade daquela maneira.

E então Zayn se levantou e me pegou no colo,me levando para cima,passando pelo nosso quarto e indo direto até o banheiro. Lá ele me colocou no chão e acendeu a luz,examinando meu rosto. Eu não queria me ver no espelho,nunca mais. Zayn suspirou como se fosse começar a chorar,e então passou a mão carinhosamente pelo meu rosto. Ele ligou o chuveiro e me deu um banho rápido,me enrolou numa toalha felpuda e me levou até a cama. Lá ele enxugou meu corpo com cuidado e me vestiu com a sua camiseta velha e furada do Pink Floyd. Ele me sentou na cama e amarrou o meu cabelo,depois foi até o closet e pegou o kit de primeiros socorros,limpando e tampando o meu machucado na nuca. Eu me deitei e o observei,seu olho já estava bem inchado e roxo,e o sangue da sua boca já estava praticamente seco. Ele estaria lindo,se eu não estivesse tão magoada. E então ele ficou só de cueca e se deitou ao meu lado,me puxando para os seus braços,beijando minha testa e mexendo cuidadosamente no meu cabelo. E as lágrimas não paravam de cair. Lentamente meu choro foi aumentando,e eu estava me agarrando à ele,que cantarolava “The Scientist” baixinho no meu ouvido. E com o tempo o choro foi ficando mais fraco,meus olhos mais pesados,o cansaço estava me vencendo e eu estava adormecendo,sabendo que no fundo,aquela seria a última noite que nós teríamos.

____________________________________________

Zayn P.O.V

Mesmo dormindo ela ainda soluçava,estremecia e gemia de dor. Seu corpo iria ficar com marcas roxas,e por sorte eu não havia machucado ela mais seriamente. Não sei o que me deu,não sei como eu fui capaz,eu conseguia me lembrar de absolutamente tudo,sabendo que desde o início,não havia motivos ou justificativa para aquilo. Eu fui um monstro com ela,e meu coração se apertava em pensar que talvez quando ela acordasse,ela iria embora e nunca mais olharia na minha cara. Ela teria motivos pra isso,e eu não tinha como pedir perdão. Meu rosto doía,e eu imaginava a dor que ela estava sentindo naquele momento. O modo como ela se encolheu diante dos meus ataques,e o modo como ela me abraçou depois partiam meu coração ao meio,assim como o dela. Fechei os olhos e eu sabia que não ia conseguir dormir,precisava amenizar a dor dela,precisava fazer ela se sentir segura,precisava mostrar pra ela que eu e amava,e que isso jamais ia se repetir. Eu não sabia da minha própria força. E no fundo,eu rezava para que a noite se arrastasse e o dia nunca chegasse,pra que ela nunca fosse embora.

Pedido: Faz um do Harry que a S/n pega ele na cama com a MÃE DELA e perde o bebê por causa do choque (gravidez de risco). Depois de uns anos, a S/n termina bem com OUTRO homem e o HARRY e a mãe da S/n ficam sem ela e eles terminam solitários. – Anônimo

*Aqui nesse link http://hot-1d-imagine.tumblr.com/pedidos vocês podem ver quais e a ordem que em os imagines vão ser postados, se o seu não estiver na lista é porque infelizmente não chegou, vou estar sempre atualizando a lista*
***

Imagine do Harry: a (S/n) pega o Harry na cama com a mãe dela .

Eu estava finalmente grávida, eu pensei que fosse infértil, pois o medico disse que eu tinha grandes possibilidades de ser, mas aconteceu um milagre e eu estou grávida, Harry é o pai do meu filho e eu não poderia estar mais feliz. Mas tem um porem, minha gravidez é de risco o que me deixa preocupada, mas irei tomar todos os cuidados para eu tornar meu sonho de ser mãe em realidade .

Eu estava voltando do meu trabalho quando resolvo passar na casa da minha mãe, para poder ver como ela estava .

Minha mãe pode ter uns 48 anos, mas é uma mulher bonita, ela está sempre arrumando uns namorados novos por causa de seu rosto.

Chegando na casa dela eu abro a porta com a chave que até hoje eu tenho e vou adentrando na sala e vejo que a casa está muito silenciosa .

Será que ela saiu?

Mas o carro dela está estacionado na garagem então ela deve estar no quarto .

Fecho a porta e caminho até as escadas e as subo devagar . Entro no corredor dos quartos e vou me aproximando do quarto dela. Escuto gemidos e suspiros .

Reviro os olhos .

Ela está transando com um dos seus ficantes .

Me para viro para ir embora quando eu escuto algo á mais .

- Harry, mais rápido… – Minha mãe grita com prazer e eu sinto meu corpo todo paralisar no meio do corredor .

- Não é possível- Digo baixinho e escuto um gemido rouco de homem . Eu já ouvi esse gemido antes .

Sinto meu sangue borbulhar e uma sensação horrível dominar o meu corpo.

Me aproximo da porta coloco a mão em cima da maçaneta e respiro fundo e abro  a porta com tudo e vejo a pior cena que já vi em minha vida, a cena que acabou comigo e deixou meu coração em pedaços minúsculos .

Harry, meu noivo, estava nu em cima da minha mãe, ela estava com as pernas presas na cintura dele e ela o arranhava nas costas e ele apertava os seios dela . Os dois gemiam enquanto ele penetrava ela com força .

MEU NOIVO ESTÁ TRANSANDO COM A MINHA MÃE .

O MEU HARRY ESTÁ TRANSANDO COM A MINHA MÃE.

Fecho a porta com força fazendo o maior barulho e cruzo os braços encarando as pessoas que acabaram com a minha vida.

Minha mãe é a primeira a me notar e arregala os olhos .

- (S/N) – Ela grita o meu nome e Harry sai rapidamente de cima dela e de dentro dela também. Sinto meu estomago revirar furiosamente na minha barriga . Encaro Harry e vejo os olhos verdes deles cheios de surpresa e arrependimento .

- Eu não acredito, eu não consigo acreditar – Falo baixo mas eu sei que os dois escutaram – As duas pessoas que eu mais AMAVA na minha vida me traíram da maneira mais baixa e suja, eu nem consigo expressar o que eu sinto, eu quero matar os dois com as minhas mãos, mas vocês são tão nojentos que eu não quero me sujar – Falo e sinto as lágrimas descerem pelo meu rosto com força e rapidez .

Harry se levanta da cama .

- NÃO, VOCÊ… SENTA – Gritei apontando para ele, que se assustou com minha reação, não vou mais deixar ele fazer minha cabeça como fazia antes comigo .

- (S/n) … – Harry tenta falar .

- Não pronuncia meu nome, ele não merece sair pela sua boca imunda – Digo limpando minhas lágrimas .

Sinto fortes dores no meu ventre, mas eu não ligo, apenas encaro os dois traidores na minha frente .

- Como a senhora pôde fazer isso comigo, mãe? – Pergunto chorando e ela deixa algumas lágrimas caírem – A mulher que eu sempre admirei, mas eu estou te odiando tanto, mas tanto, eu nem consigo mais te ver como sendo minha mãe – Falo e sinto algo molhado descer por minhas pernas e encaro as feições de Harry e da minha mãe .

Eles encaram assustados as minhas pernas e encaro o que eles estão olhando .

É sangue, minhas pernas estão cobertas de sangue e eu começo a chorar mais forte e sinto minha visão ficar turva .

- O meu filho, salvem o meu filho – Falo sussurrando e percebo Harry correr em minha direção com tudo – MEU FILHO – Grito e cai desmaiada nos braços de Harry . A ultima coisa que eu vejo é a preocupação e o arrependimento estampados em seus olhos verdes .

***
Acordo em um quarto todo branco e vejo que estou deitada em uma cama muito desconfortável . Sinto uma agulha em minha veia do braço e já começo a me sentir pior que já estou .

As imagens que passam em minha cabeça sobre o momento antes de eu desmaiar me deixam completamente enjoada .

Me mexo na cama e a única coisa que eu quero saber é como está o meu filho, eu quero ele mesmo ele sendo filho do Harry, o meu bebê não tem culpa do pai que tem .

Escuto a porta abrir e Harry entra, suas roupas estão amassadas e sua expressão é de cansaço .

- O que você está fazendo aqui? Não quero ver você nunca mais na minha frente – Digo soltando minha fúria nas palavras que eu lanço contra ele .

- (S/n) podemos conversar? – Harry pergunta e eu dou uma risada cínica .

- Conversar? Conversar sobre o que? Sobre como minha mãe é melhor na cama do que eu? Harry, pelo amor de Deus, não tem o que conversar, só de olhar no seu rosto eu sinto nojo e se você me tocar é capaz de eu vomitar – Digo sentindo meu estomago revirar.

Harry engole em seco .

- Me desculpa . – Ele pede de cabeça baixa e eu suspiro .

- Mesmo que eu perdoe você, nunca conseguiria superar o fato de que te peguei na cama com a minha mãe, COM A MINHA MÃE, PORRA – Falo me descontrolando e me sinto tonta .

Escuto mais uma vez a porta se abrir e vejo um médico extremamente atraente passar pela porta .

- Bom dia, bom eu tenho más noticias, para você – Ele diz lendo o papel em suas mãos, eu sinto meu coração afundar . – Sua gravidez era de risco e com as fortes emoções que você passou, a senhorita perdeu o bebê, eu sinto muito – O medico me encara como se quisesse passar a suas forças para mim .

Começo a deixar minhas lágrimas a caírem pelo meu rosto e soluço sem querer, a tristeza me domina mais a casa minuto .

- (S/n) o nosso filho … – Harry tenta dizer e me toca no braço . Me solto dele rapidamente.

- Não toque em mim, isso tudo é culpa sua e da minha mãe, eu tenho nojo de vocês dois – Falo chorando mais.

- Esse homem está incomodando a senhorita? – O médico pergunta me encarando com seus olhos lindos.

- Sim, está – Respondo parando de soluçar.

O médico abre a porta e deixa aberta .

- Sugiro que se retire, não quero que incomode a minha paciente . – Ele diz e vejo Harry ficar vermelho de raiva .

- Eu sou o NOIVO dela – Harry diz e eu dou uma risada triste.

- EX noivo – O corrijo e retiro meu anel de noivado e jogo na cara dele – Agora saia do meu quarto e nunca mais apareça na minha frente – Digo segurando minhas lágrimas e vejo Harry me encarar e sair bufando do local .

O medico fecha a porta e me encara.

- Não sei pelo o que está passando mas posso garantir que um dia vai passar, essa sua dor vai passar, mas isso leva tempo, você tem que seguir em frente de qualquer jeito a vida não para só porque estamos sofrendo – Ele diz e passa sua mão forte pela minhas costas, eu o encaro e tento sorrir .

- Não sei se vai passar, eu amava aquele homem, mas depois do que eu vi… não sei se vou conseguir seguir em frente, e tem também o meu bebê, eu tenho problemas para engravidar e agora que eu perdi um filho, vai ser mais difícil ainda – Explico e o médico senta ao meu lado e segura minha mão.

- Você pode ter dificuldades para engravidar, mas você ainda pode ter um bebê, a perda de um não afeta o seu futuro como mãe, e sobre aquele homem, ele é um idiota por ter feito uma mulher tão linda como você sofrer – Ele diz e sorri e eu sinto meu rosto corar . – A propósito eu me chamo Louis .

***
Três anos depois

Eu estava tão feliz, eu finalmente tenho uma pessoa em quem confiar e amar, sim, o meu médico, Louis Tomlinson, virou meu marido. Nem eu consigo acreditar .

Depois que eu recebi alta do hospital, Louis me chamou para sair e acabou que viramos amigos, eu contei tudo o que aconteceu para ele e Louis simplesmente queria ir até a casa de Harry e dar uns murros nele, sorte que eu consegui aquietar a fera .

Louis é o meu porto seguro, durante os primeiros meses que eu fiquei bastante ruim ele estava lá e me mantinha feliz o tempo todo com suas piadas e suas historias de medico, acabou que essa nossa amizade virou outra coisa quando ele me beijou com desejo na frente da casa dele quando eu estava de saída .

Depois desse beijo nós começamos uma amizade colorida, eu confesso que foi uma ótima decisão.

Depois de um ano eu me senti segura o bastante para me entregar a ele de maneira carnal, fizemos sexo no apartamento dele e no final ele me contou o que sentia por mim e me pediu em namoro bem ali mesmo e eu aceitei e logo depois fizemos amor.

No ano seguinte foi o melhor ano da minha vida, o nosso namoro era maravilhoso, mas claro que tinha as nossas brigas de sempre, as vezes tinha o ciúmes dele comigo e tinha o meu ciúmes que eu sentia dele, mas sempre acabava em sexo no sofá, na cozinha e teve um dia que foi em cima da maquina de lavar . Louis nunca me fez ficar insegura e passei a confiar bastante nele .

No nosso terceiro ano juntos, ele me pediu em casamento, e eu aceitei e nos casamos com tudo que um casamento tem direito .

Já fazia três anos que eu não via Harry e nem minha mãe, não sinto mais tristeza pelo o que aconteceu, porque por causa deles eu conheci Louis.

Já estávamos quase fazendo quatro anos juntos quando descobri que estava grávida, eu fiquei tão feliz e quando eu contei para Louis ele fez uma festa, ele sabe o quanto isso era importante para mim . Ele estava extremamente atencioso e cuidadoso comigo, vivia acariciando minha barriga de maneira instintiva sem nem notar .

Quando eu estava com cinco meses e minha barriga já estava maior, fomos dar um passeio no parque de Londres, esse parque ficava lindo durante o inverno .

Louis segurava minha mão com firmeza e eu sorria das coisas que ele me contava .

Quando viramos em uma curva vejo Harry, reconheci seus cachos mais longos de cara . Ele me encarou surpreso e eu engoli em seco e apertei a mão de Louis, ele já encarava Harry com um aviso no rosto dele que dizia “Fique longe da minha família, se não irei espancar você”, mas Harry parece que não percebeu a expressão mortal de Louis e se aproximou .

- (S/n) como vai ? – Ele pergunta e me encara e para seus olhos na minha barriga maior .

- Estou muito bem – Respondo e Louis dá um sorriso cínico para ele .

- Ela está muito bem casada e esperando um filho nosso, acho que nunca fui tão feliz, (S/n) é a mulher que eu pedi a Deus – Louis diz e eu dou um sorriso e ele beija minha testa . Encaro Harry e vejo que ele está bastante mal, está magro, usa roupas amassadas – Mas agora temos que ir, daqui a pouco vamos saber o sexo do nosso filho, eu estou bastante animado, vamos amor? – Ele pergunta para mim e eu assinto .

- Tchau, Harry – Digo e ele assente e eu me afasto . E caminho junto com meu marido, eu estou definitivamente feliz com ele .

(POV Harry)

Eu não queria ter transando com a mãe da (S/n) mas o meu desejo e libido falou mais alto e quando fui ver eu já estava dentro daquela mulher do demônio .

Quando vi (S/n) parada na porta nos encarando, meu mundo caiu, eu fiquei louco, eu estraguei tudo por causa do desejo que eu sentia pela mãe dela .

Depois que vi o sangue escorrendo pelas pernas dela, aquilo me matou mil vezes porque eu entendi o que estava acontecendo, e ela pedindo para eu salvar o filho dela, o nosso filho, me matou mais umas milhões de vezes .

Eu nunca mais tinha voltado a falar com a mãe dela depois do que aconteceu, mas fiquei sabendo que a mulher entrou em uma profunda depressão e que estava sendo tratada em uma clinica, mas eu não ligo, eu só queria a (S/n) aqui comigo. Eu fui um babaca completo.

(S/n) cumpriu o que ela falou, eu não vi ela por longos três anos, quase 4 anos.

Mas quando eu vi ela andando toda sorridente de mãos dadas com aquele médico, eu percebi o que eu tinha perdido realmente. Eu perdi a oportunidade de ter uma família, uma mulher maravilhosa do meu lado . Eu percebi a barriga dela e isso me matou, porque poderia ter sido eu no lugar daquele idiota do médico . Ela estava linda grávida, ela é linda de qualquer jeito.

Agora eu estou aqui, virei um alcoólatra, desempregado, quase depressivo e completamente solitário.

Espero que tenham gostado, se sim, mandem uma ask me contando

funny bios

tô sem criatividade mas se salvar/usar dê like no post pfvo amo vcs bjs

  • eu sei ngm gosta de mim eu nao quero que vcs gostem pq glorifica que eu sou diferente gente vcs sao nojentos 
  • eu so darksexual pfvr respeita 
  • agora q eu vi q eu incomodo horrores eu vo aproveitar 
  • isso aqui chama-se o fundo do poço 
  • criei um twitter achando que ia bater altos papos com meus idoloskkkkkkkk fui otária como sempre 
  • a vida eh muito curta pra escrevr tduo certo no twitte
  • bem vindo ao meu mundo cor de preto 
  • quando o casamento com as trevas vai ser liberado 
  • sou gotica rockeira das trevas assassina partiu ouvir katy perry aquela cantora satanica cheia de coisa satanica nas coisa tudo
  • hj tirei o dia p ser trouxa amanha vo ser otária p variar um pouco a rotina 
  • cheguei ao fundo do poço e entalei 
  • fazendo uma chapinha na samara aqui no fundo do poço 

IDEIAS PARA STARTERS. são realmente só ideias, preferi não aprofundar o assunto para não limitar que tipo de personagem pode usar e onde ele usaria. é a primeira vez que faço isso, então desculpa se as ideias forem ruins. não tem muitos, mas vou adicionar mais com o tempo. 

Keep reading

Aí um casal se beija na minha frente:

O que eu tenho vontade de fazer:

“ Vocês sabiam que vocês estão compartilhando milhões de bactérias e germes nojentos? E eu espero q vocês tenham herpes e nunca mais se beijem na minha frente.”

O que eu realmente faço:

“Não olha, não olha, não olha”

Eu adoro cheirar o fundo da sua cueca usada e digo isso sem ter medo de soar escroto ou vulgar ou os dois. Já sou velho e também já passei da fase de esconder sentimentos, isso é coisa de gente da quinta série, sexto ano ou o caralho a quatro, to pouco me importando pra essas regras imbecis que só me confundem. To pouco me importando pra quase tudo. Quase mesmo. Porque generalizar é coisa de gente que vive em fúria com tudo e todos. Eu adoro cheirar o fundo da sua cueca enquanto você ta no chuveiro do motel imundo que você ousou me levar. O cheiro do gozo me atrai tanto quanto o próprio gozo em si, não que eu saia por ai engolindo o gozo de qualquer homem, não que você não seja qualquer homem. Você é qualquer homem, mas mesmo assim, engulo sua esperma como se a mesma fosse um liquor de maçã. Eu tenho inúmeras coisas pra te dizer, mas não quero, em hipótese alguma, parecer repetitivo. Tenho nojo de coisas assim, de palavras/frases sendo ditas um milhão de vezes em um mesmo texto, em um mesmo parágrafo, numa mesma frase. É ridículo acharem que só é amor quando é um só, que o amor não pode ser vulgar e escroto. O amor é a coisa mais vulgar já inventada e eu gostaria de compartilhar com você todos os meus amores, todos os meus desejos, os mais inocentes e principalmente os mais sórdidos. Queria dividir com você o meu desejo secreto não mais secreto de fazer todas as posições do kama sutra, e que eu um dia farei, com você ou não. Não me importa. Sexo não é amor nem prova do mesmo. Eu gostaria de dividir com você todas as minhas dores, te mostrar de modo escancarado que eu sou sim uma pessoa esculhambada pela vida, pelas pessoas e principalmente por você. Você. Tão estúpido e grotesco, com um ego tão assustadoramente maior que seu delicioso pênis. Na sexta-feira da semana passada, depois de horas seguidas de gemidos e gritos abafados, fiquei completamente estupefato ao ouvir você falar sobre amor, confesso, nunca pensei que fosses capaz de amar, nunca pensei que fosses capaz de definir tão perfeitamente o amor. Por favor, não me pergunte agora a definição que você deu, tenho uma memoria falha e traidora, mas lembro que, fiquei perplexo ao ouvir as suas doces palavras ditas de modo frio. Eu amo cheirar o fundo da sua cueca. Eu nunca ingeri drogas ilícitas, mas ouço que elas deixam você completamente anestesiado, inerte, e é assim que eu me sinto quando cheiro o fundo da sua cueca ou até mesmo, no final da transa, passo a mão na minha barriga e melo meus dedos de esperma, os levo até meu nariz e os cheiro. Pode - e é (ou não) - parecer anormal e nojento, mas eu sou uma anormalidade e nojento todo ser humano é.

Luiz Filipe.

Harry Styles Imagine (isso está mais para uma comédia)

Eu e Harry estamos acordados na nossa cama conversando sobre nada, exatamente isso, só besteiras.
Eu nunca conheci um garoto para perguntar tantas coisa sem noção como o meu namorado, o pior é que as vezes ele me perguntava mesmo já sabendo, coisas como:
“Uma mulher é capaz de fingir um orgasmo, não é?” Aí eu olhava para sua cara e falava “Você já me perguntou isso e eu já te respondi” aí ele lembrava e começava outro assunto sem noção e logo depois virar para me olhar novamente e perguntar “Você já fingiu?”, Harry Styles consegue ser bem estranho quando quer.
A conversa da noite era mulher e não me sinto tão bem nesse momento, pois Harry pergunta coisas na cara e na coragem sem medo de está falando de coisas muito íntimas.
- Aí você usa aquele negócio para não se sujar? - ele perguntou e eu ri um pouco, ele estava tão interessado na minha menstruação, que ruim.
- É Harry, claro que tenho que usar o absorvente, aí não fico toda suja - falei tentando me virar para o outro lado e dormir, mas ele não parecia ter terminado.
- E como é a sensação? - me virei para o encarar e comecei a rir.
- Você quer mesmo saber qual a sensação de sangrar pela vagina? - ele me olhou chateado.
- É, para de rir, eu quero saber como se sente - se apoiou no cotovelo para que me olhasse melhor.
- Eu não vou te falar isso Harry, é nojento.
- (S/n), nós namoramos a quase quatro anos, não pode existir segredos - falou realmente sério e eu eu de novo.
- É tipo… Fazer xixi de sangue? - falei tentando não rir, mas quando ele soltou aquela gargalhada engraçada não me agüentei e ri junto.
- Você faz xixi de sangue? Então tipo, você está andando da rua e do nada faz xixi de sangue? Não incomoda, sei lá - ri mais ainda.
- Não, eu falei errado, nem consigo sentir quando vem na verdade, ou até tem mulheres que tem um preparo como a cólica, ficar até mais gordinha e eu por exemplo, fico com acne no rosto - ele levantou as sobrancelhas - sim, mulher sofre meu amor, tem sorte de ser homem.
- Você já usou aquele negócio que parece um pinto de algodão? - falou tentando mostrar como era o objeto.
- Você deve está falando do absorvente interno - ele concordou meio exagerado e pediu explicação - bem, eu não usava antes de namorar com você…
- Hã? O que eu fiz? - ele falou assustado e eu ri um pouco.
- Você tirou minha virgindade.
- Ah… E?
- Aquele negócio me incomoda mesmo depois de você ter entrado em mim várias vezes, imagine como é com uma menina que nunca teve nada lá - Harry jogou a cabeça para trás rindo - mas só uso quando precisa mesmo, de verdade, odeio aquilo.
- Quando já usou? - ele perguntou normalmente.
- Eu hein Harry, já ta bom! Para de me fazer essas perguntas!
- Ah, vai lá amor, me conta, conversa comigo que estou sem sono - fez aquela cara que eu idiota sempre me rendia.
- Idiota - falei numa voz cansada - quando fomos para aquela premiação que você ganhou um prêmio sozinho, era um prêmio individual - ele concordou - eu tinha comprado aquele vestido branco fazia tempos e já sonhava em usar, aí fiquei no meu período e não queria ficar com uma mancha horrível e ser o assunto nos sites, imagina “namorada de Harry Styles fica literalmente ‘vermelha’ na frente de todos”, aí eu comprei e usei aquilo, a combinação perfeita foi o salto alto!
- Ah, por isso tanto me pediu para vir logo em casa - falou lembrando e rindo um pouco - eu queria poder um dia ter essa sensação.
- Eca não, você realmente não iria querer.
- Falou a que disse que queria ter um pinto para ficar pulando na frente do espelho - gargalhei enquanto me sentava na cama e me aproximei mais de Harry.
- Isso deve ser um sonho! Você realmente nunca fez isso, amor? - ele bateu de leve na minha cabeça.
- Óbvio que não, que homem faz isso - ri um pouco o abraçando.
- Eu faria - respondi fechando um pouco os olhos.
- Vocês podem fazer 'aquilo’ nesses dias? - abri os olhos novamente e encarei o teto dando um suspiro.
- Na verdade sim e tem casal que acha super normal e que bom que falou nisso, eu fico muito feliz quando tenta alguma coisa e quando descobre que estou nesses dias para imediatamente, eu acho tão nojento - fiz um careta - e também acho meio que uma falta de respeito, eu fico dolorida e mal, aposto que outras mulheres se sentem assim aí o homem vem e ela dá para ele mesmo toda machucada.
- É verdade, já escutei minha mãe falando que é como se fosse uma ferida da mulher e eu nunca iria querer te fazer ficar mal, ou até fazer sexo por uma opção só minha e meio que mexendo na sua 'ferida’ - ele falou num suspiro e deitou com os braços atrás da cabeça.
Por mais que ele seja maluco e me prenda várias noites falando sobre suas besteiras sem fundamentos, era tão respeitador e um verdadeiro cavalheiro, eu o amava demais e não conseguia me ver sem ele aqui.
- Eu te amo - falei com o queixo em seu peito e ele riu um pouco antes de se aproximar e me dar um selinho.
- Também te amo - falou mexendo nós meus cabelos, deitei na cama novamente e ele me abraçou, estava com tanto sono.
Meu olhos estavam pesados, Harry fazia um carinho nas minhas costas que me dava mais sono, quando quase estava chegando lá escuto sua voz um pouco alta demais por conta do lugar em silêncio absoluto.
- Você acha que quem veio primeiro foi a galinha ou o ovo?
Ah não, Harry.

Gabi
(desculpa quem fez esse pedido, acho que foi o meu melhor hahahah)

Você está me causando repugnância. Não era isso que eu esperava de você quando te conheci, ou melhor dizendo, você cresceu e se tornou um domador de palavras ferinas, usando contra mim. Pergunto-me sempre o que eu fiz com você? Sempre te tratei diferente de todos eles, com mais amor, carinho, sempre estive ali estendendo a minha mão pequena para você. Eu sou isso que você ver, sou bobo, carinhoso, dou amor, me preocupo demais e não adianta você querer fazer mudar-me por que não vai conseguir. Estou cansado de ser apedrejado por você, nunca me compreende. Eu sinto muito se você não gosta do meu jeito delicado de ser com você, talvez, você só vai dar a valor a alguém quando você ficar sozinho nesse mundo nojento. Se eu estou sendo um empecilho na sua vida, vá embora, deixe-me, porque eu não consigo me afastar de você por mais que essa seja a única saída, mas eu não consigo, o meu sentimento por você é muito mais ilimitado da vontade que eu tenho de me afastar. Talvez seja só na hora da raiva apenas. Você disse que precisava de mim, que me amava. Mas quem ama não arranca lágrimas, não faz sentir ser menos importante, não briga e nem apedreja palavras para machucar. E quer saber, você está certo, eu sou um doido alucinado por criar uma miragem sua e querer está certo que tudo num passou de um mal entendido.

Quando eu era pequena, odiava os meninos. Não gostava que eles brincassem comigo, eu não gostava o fato de ter um menino perto de mim, para mim eles eram nojentos. Eu odiava eles apenas pelo fato de eu ser uma menina e eles meninos. 

E o tempo passou, sou uma adolescente e no momento o que eu mais quero é ser amada. E não ser amada por amor de mãe. Eu quero um amor que me abrace, me beije, diga que me ama, me chame de namorada e o mais importante de todos: Seja meu melhor amigo e meu amor ao mesmo tempo.

Não sei se sou muito exigente, mas eu quero alguém que me ame, que faça loucuras por mim, que não me ache estranha pelo fato de eu preferir passeios calmos e românticos, e não uma balada. Quero um alguém que aceite minhas diferenças, que me entenda quando eu disser que prefiro séries do que filmes (não que eu não goste de filmes, mas série é mais empolgante) ou talvez quando eu disser que prefiro programas legais em casa ao invés de sair. 

Eu sou uma menina romântica, gosto de receber flores mesmo sabendo que elas iram murchar. Gosto de surpresas, mas quando ganho uma não sei qual reação usar. Eu gosto de filmes que me façam rir, as vezes até vejo alguns que me emociono, como Marley e eu. Também sou uma caixinha de surpresas, quem abrir terá alguns probleminhas, pois sou complicada, mas ira receber muito amor, contanto que me dê amor também. 

Mas voltando ao assunto, como deve ser a sensação de se sentir amada? Como sera que deve ser emocionante quando um menino te pede em namoro? Eu não sei nada disso, nunca tive ambas sensações. Quantos amam e não recebem amor de volta? Milhares e milhares de pessoas estão aí querendo achar um amor, ou talvez tenham medo de amar de novo e serem deixadas após de se apaixonar. 

Então senhor cupido, a onde você esta? O ano esta se acabando já e você ainda não apareceu, sera que vale a pena esperar?

anonymous asked:

JV, algum de vcs já sofreu ou sofre bullying na escola?

Connor: Nunca tive esse problema.

Scarlett: Também nunca tive esse problema, não mexem com quem é de algum time da escola. E sinceramente, mesmo que tentassem mexer comigo, eu saberia me defender bem.

Logan: Pode parecer estranho, mas já implicaram comigo algumas vezes.

Aiden: Tento me dar bem com todo mundo, então não. Também já ajudei alguns alunos que estavam tendo esse tipo de problema. Não tenho medo de valentões de escola.

Hazel: As vezes me enchem o saco, mas como eu ando com a Scarlett e o Aiden não é tão frequente.

Henry: É o único ponto negativo de ser tipo nerd na escola. Mas me viro bem com esse tipo de coisa.

Sam: Eu odeio esses nojentos que tem que importunar outras pessoas pra se sentirem melhor ou superiores. Acho que eu sou como o Aiden, não tenho medo de comprar briga com babacas assim

anonymous asked:

Vandalismo é coisa de ladrão ao invés de pichar um muro por quê não o pinta seu nojento eu odeio pichadores coisa de favelado sem estudo isso não é coisa de bandido!!!!!!!!!!!

Porra mano primeiro aprende a escrever, você pode pensar o que quiser dizer que eu não tenho estudo me chamar de favelado a sociedade rótula o pixador como o pior ser no mundo o mundo tem tanta miséria e tragédia quem tem dinheiro tem o prazer de pisar naquele que não tem dinheiro uma condição de vida boa e etc, o sistema rouba de você todo santo dia a polícia do Brasil ta cada vez pior o preconceito não para, todo dia um negros é humilhando por um Burguês de merda ou um gay é espancado. TODO DIA EU VEJO UMA CRIANÇA NA RUA PASSANDO FRIO OU FOME E ISSO ME INDIGNA CADA VEZ MAIS O PROBLEMA DO PAÍS OU DE OUTROS LUGARES NAO É A TINTA NO MURO E SIM A FALTA DE AMOR E UNIÃO DO SER HUMANO! E VIVA O PIXO

anonymous asked:

Pra falar a verdade eu nunca entendi o amor gay as vezes eu acho isso nojento.

O amor não é pra entender e sim sentir. Olha eu não vou te julgar, não vou xingar, ou te dar um sermão só porque disse que acha o “amor gay nojento”, mas eu quero que você entenda meu bem, que os gays estão tomando um chá de nem ai para o que os outros pensam. 

Capitulo 26 - Um Novo Contrato

- Ah… o que você faz aqui ? – Van indagou, sentindo-se sonolenta.
- Evitando que outra idiota venha aqui – disse – Fabrícia quebrou o acordo.

- Ah, mas tão rápido ? – Van indagou, sentando-se lentamente na cama – “e agora eu estou à mercê de qualquer uma… que merda!”.

- Ela não é fiel. Ela não se agüenta, ela estava na festinha do pessoal do terceiro ano – disse – E como eu não te achava em lugar nenhum, acabei imaginando que estaria aqui.

- E veio fazer o que aqui ? Aproveitar-se de mim ? – indagou, rindo baixinho.

- Você… está bêbada ? – indagou, sentindo o hálito da caloura.

- Estou – disse, continuando a rir.

Clara levantou-se e puxou Van pelo braço, ela ajudou a loirinha a calçar os seus chinelos e a retirou do quarto de Fabrícia, passando por algumas garotas do quarto ano. No final do corredor encontrou Mayra que lhe sorriu.

- Obrigada, May – Clara agradeceu, acenando para a garota.

- De nada! – disse, erguendo seu celular.

Na verdade, Mayra acabou promovendo essa festinha e avisou a Morena. E conhecendo bem a garota ela sabia que ela não seria fiel a Van e quebraria o acordo. O que ela fez foi esperar a Morena aparecer na festa para que a pegasse em flagrante, avisasse Clara onde estava a menor e a pegar de volta.
Vanessa andava atrás de Clara, sua mão era puxada pela mais velha; elas não estavam caminhando até o dormitório mas sim até as arquibancadas que estavam vazias agora. Elas sentaram-se em um dos degraus. Van segurava sua cabeça com uma mão e Clara a observava em silêncio.
- Eu perdi a cabeça, Van. Eu não queria ter feito aquilo… eu me arrependo tanto – disse.

- Meu corpo ainda dói – revelou.

- Eu… eu imagino – disse, sentindo uma pontada no peito - Volta para mim – pediu.

- Para você ter um ataque de nervos de novo e me violentar ? – indagou.

- Eu não vou ter mais um ataque de nervos – disse – olha, se você quiser… pode fazer o mesmo comigo agora mesmo, eu não vou me mover.

Vanessa olhou para Clara que estava com os braços abertos, mostrando-se entregue a ela. A mão de Van moveu-se com força e velocidade, desferindo um tapa no rosto de Clara, que o aceitou em silêncio.

- Idiota, eu nunca vou fazer isso com alguém – disse – nunca. A dor é terrível, ninguém merece isso. Esse colégio é nojento. Eu quero sair daqui logo.

- Você não vai sair daqui tão rápido. Não é tão fácil quanto você pensa, ainda tem que contratar um advogado, isso leva tempo. Enquanto isso, deixe-me protegê-la aqui. Fique comigo – disse.

- Tinha outra garota que estava me querendo… – disse baixinho, num tom provocante – será que eu vou com ela ?

- Não brinque com isso. Qual o nome dela ? – indagou.

- Cássia – disse.

Clara riu baixinho, ela conhecia bem aquela garota. A karateca havia se envolvido em muitas brigas com Cássia, pois ela também era mal humorada.

- Ela não ia fazer acordo, ela ia te traçar – Clara disse – agora pare de ser tão idiota e aceite minha proteção. Se quiser Van, eu nem sequer toco em você.

Desta vez Vanessa deu atenção a Clara, ela o olhou com seriedade gostando daquela proposta.

- Não vai tocar em mim se eu não quiser ? – indagou.

- Sim, eu não relo um dedo sequer em você. Apenas não quero que ninguém tente fazer nada contra você – disse – não quero ver você dormindo com um monte de gente.

- Eu já dormi com Fabrícia – disse.

- Eu imagino – comentou, fechando suas mãos com força.

- Não vai me bater ? – indagou, rindo baixinho.

- Não, eu não vou mais fazer isso. Eu juro – disse – agora me diga que aceita.

- Eu aceito, mas não toque em mim – disse.

Clara sentiu vontade de abraçar e beijar o corpo da menor, mas ela limitou-se apenas a deslizar sua mão pelos cabelos de Van, porém não aproveitou aquela carícia como queria, pois Vanessa afastou-se rapidamente dela, tremendo levemente.

- Não me toque – vociferou.

- Desculpe – disse, erguendo suas duas mãos – eu não vou te tocar. Mas quando estivermos em público, eu vou ter que lhe acariciar no mínimo, ou vão desconfiar.

- Tudo bem, isso eu posso suportar – disse – agora vou voltar para meu quarto. Eu estou com sono e… enjoada.

Clara a ajudou a se levantar, mas Van logo se esquivou de suas mãos, começando a caminhar de volta ao dormitório do terceiro ano. Clara deixou Van em seu quarto e saiu. Ela tinha que avisar a Fabrícia e algumas garotas que havia recuperado Van para ela. Parecia uma situação ridícula, mas se não o fizesse, ninguém ia saber e a loirinha poderia estar em perigo novamente.
Dois dias passaram-se, A morena havia se aproximado de Van novamente, pedindo desculpa por sua fraqueza, porém Vanessa não deu muita atenção, ela tratou A morena educadamente como sempre fazia. Clara não a tocou em nenhum momento, só uma certa vez que ela deu a mão para Van e beijou sua bochecha, enquanto estavam almoçando no refeitório.
Era um dia chuvoso, os raios cortavam o céu trazendo um estrondo em seguida. O cheiro forte de terra invadia as narinas de Vanessa, ela estava debruçada na janela de seu quarto, olhando para o horizonte com concentração. Seus azuis mergulhavam-se no céu acinzentado, e sua mente estava povoada de pensamentos aflitos.

- “Eu… queria parar de sentir tanta raiva” – pensava

A porta do seu quarto abriu lentamente, Van nem sequer olhou, ela reconhecia aquele perfume e sabia que era Clara que estava lhe fazendo companhia no quarto. Porém não se virou, não queria encará-la, ainda podia sentir Clara lhe agredindo e lhe dizendo coisas tristes.

- “Eu não fui sincera com você também, Clara. Eu acho que mereci um pouco de sua raiva” – pensou, ouvindo a mais velha sentar-se na sua cama.

Um vento forte começou a soprar, adentrando pelo quarto, jogando os cabelos da menor para trás.A loirinha acabou espirrando duas vezes seguida, ela estava usando apenas uma calça jeans azul e seu tronco estava exposto. Logo ficaria gripada.

- Vai pegar um resfriado.

A voz de Clara invadiu seus ouvidos. Van fechou a janela de vidro, ela virou-se e encostou-se a parede, olhando para a mais velha que estava sentado em sua cama, olhando-a com atenção. E mais um espirro fez Vanessa curvar-se, ela fechou sua mão em seu nariz e correu até o banheiro, pegando papel para se limpar. Quando retornou ao quarto, Clara estava parada em frente à janela.

- Você deveria colocar uma blusa – Clara sugeriu.

Van sentou-se na sua cama com um rolo de papel higiênico ao seu lado, e depois disso começou a espirrar novamente. Já não tinha mais volta, ela estava resfriada. A loira suspirou, ela olhou para a menor, sentindo vontade de abraçá-la e aquecê-la.

- Quando você acha que pode me perdoar ? – Clara indagou.

- Por que quer tanto o meu perdão ? – Van indagou.

Um sorriso desenhou-se na face de Clara, era a primeira vez em dois dias que Van lhe dirigiu a palavra. Ela estava sofrendo com aquele silêncio, até já havia esquecido o quão bonita e sedutora era a voz da caloura.

- Porque eu te amo – respondeu, sentando-se ao lado de Van.

- Quem ama não faz o que você fez – disse.

- Eu fiquei com ciúme. Eu sou possessiva, eu admito. Eu sou fraca, sou agressiva e não sei dialogar. Eu sou um animal mesmo… não consigo me relacionar muito bem – confessou com um pouco de dificuldade.

- E você se arrepende ? – indagou, rindo baixinho.

- Muito. Eu faria qualquer coisa para você me perdoar – disse – qualquer coisa.

- Como você é egoísta… quer que eu te faça mal, para que você pague seu débito comigo – disse – mas eu não vou fazer isso, eu não vou machucá-la e nem pedir para você fazer algo que se envergonhe. Está vendo qual é a grande diferença de nós duas Clara?

- Que… diferença ?

- Quando você está brava, você quer que os outros sofram. Com certeza, se a situação fosse contrária, você ia querer me punir se eu propusesse isso. Você ia pedir para eu fazer algo ruim e que me humilhasse. E é por isso que você está pedindo isso para mim, você quer que eu faça com você o que você faria comigo – disse, olhando para a face assustada de Clara.

- Eu… eu não… eu não sei se faria isso – disse.

- Claro que faria. Ia pedir para eu me humilhar para você. Mas Clara,agradeça, pois somos diferentes e eu não me sinto bem em colocar os outros no chão – disse – eu posso gostar de ver você no chão, mas você está no chão porque quer e não porque eu te pus. Viu qual é diferença ?

- Então… como você pode me perdoar ? – indagou, fechando sua mão na mão fria de Vanessa, puxando-a na sua direção.

- Eu disse que não era para você me tocar!

- Eu não agüento mais sua indiferença – revelou – você nem sequer falou comigo nesse tempo. Nem ao menos para me xingar… não haja como se eu não existisse!

- Solta minha mão – pediu, puxando seu braço para trás, mas Clara não a soltou e continuou a olhá-la com desespero.

- Van, lembra daquela noite… que você me tomou ?

- O que tem ? – indagou, fechando os olhos por um segundo, lembrando-se dos gemidos abafados de Clara.

- Eu disse que ia pedir algo para você em troca.

- Ah, claro. Quer me tomar agora, tudo bem, foi um acordo. Pode fazer o que quiser, mas não me machuque – disse, tremendo levemente de raiva.

- Não… eu queria que você me perdoasse – pediu.

- Esse é o favor ? Clara, mesmo que eu diga que te perdôo, não vai ser sincera – revelou – peça outra coisa. Eu não vou ser sincera.

- Então… eu peço para que seja minha amiga novamente.

Vanessa ficou em silêncio, pensando naquela proposta. Sua mão foi solta finalmente, ela dobrou seus joelhos na cama e os abraçou, afundando sua cabeça no meio de seus braços.

- Podemos ser amigas ? – Clara indagou.

- Tudo bem, apenas não me toque novamente – pediu.

Clara abriu um largo sorriso; o seu corpo moveu-se e abraçou Van com felicidade, afundando sua cabeça na curva do seu pescoço, aspirando o cheiro da caloura.

- Hei, hei! Que parte do “não me toque” que você não entendeu ? – indagou, empurrando Clara para trás.

- Desculpe, mas eu fiquei tão feliz… que não consegui me segurar. Não irá se repetir – disse, afastando-se de Van com um largo sorriso no rosto.

“Esse sorriso sincero de novo… ela pode realmente me amar ? eu não tenho dúvidas que Clara gosta de mim… talvez ela realmente me ame. Um amor doentio que faça ela me machucar” – pensou, olhando para Clara – “Eu não quero sentir aquela dor novamente… eu não vou agüentar”.

A porta do quarto abriu lentamente, era Luiza que adentrava com uma colega. As duas garotas olharam para Clara e começaram a se sentir intimidadas. A karateca nem sequer olhou para elas, no momento só conseguia olhar para Vanessa.