eu não lembro de nada sem você

E como foi que aconteceu mesmo? Porque se eu me lembro bem, você me chamou pra conversar e me vi com os olhos em você e eu não conseguia fazer outra coisa, foi aí que eu vi esse sorriso tão lindo, mas quem me dera se fosse só isso, porque você era lindo, mas em todos os sentidos. E, da mesma maneira que chegou você já me teve, simples assim. Sem contestações, sem dificuldades e sem barreiras. Você realmente me fez acreditar que eramos só eu e você e que nada iria atrapalhar isso, e sou tão grato por ter você comigo. O mais estranho de tudo isso, foi que eu estava tão cego procurando alguém que me completasse, que do nada, sem pedir e sem esperar, chegou a pessoa certa, eu então senti como se toda aquela espera e aquela dor valesse a pena, depois de ver que ele esta ali, pronto pra ser amado e eu aqui louco pra poder amá-lo. Uma vez eu tinha lido que “você sabe que alguém é certo pra você, quando invés de lágrimas ela te trás sorrisos” e eu queria lhe dizer que desde que eu te conheci eu nunca mais deixei de ser feliz.
—  O Pequeno Bob.
Eu não me lembro exatamente quando, ou como aconteceu, nem quando nossos olhares se cruzaram e sua mão esbarrou na minha, nem o momento que senti seu cheiro doce pela primeira vez. Mas, eu me lembro do exato momento em que nossos lábios se tocaram, e seu corpo foi de encontro ao meu, sem hesitar, nem por um segundo, e foi ali que eu soube, que era você quem eu queria, e nada poderia mudar isso.
—  June, 1998.
Não tem um dia, um dia mesmo, que eu não sinta a sua falta, que eu não lembre de você e do seu sorriso bonito, da sua voz gostosa, e principalmente, do seu jeitinho que me conquistou e me fez ficar apaixonado por você. Essa saudade, que sufoca o meu peito, que não me deixa dormir e deixa o coração doendo. Para você não achar que é mentira minha, estou escrevendo sentado no chão da faculdade. Essa é uma pequena prova, bem pequena mesmo, que você não sai do meu pensamento por nada, mesmo depois desse tempo sem nos falarmos. Sinto falta do seu carinho, mesmo que de longe, mas que me confortava, dos seus conselhos preciosos, da sua preocupação comigo, seja quando eu chegava tarde da rua ou da faculdade, até mesmo para não dormir tarde. De chegar à noite, e saber que era a hora mais feliz do meu dia, pois eu ia te ver e ficar um pouquinho mais perto de você. Lembro como se fosse ontem, dos dias incríveis que passamos juntos, o nosso final de semana perfeito e tão aguardado, e me pergunto, onde foi que eu te perdi? Me diz. Sempre fiz de tudo por você, por nós, tentei ser a melhor pessoa possível, e eu tenho consciência que fui. Tentava me reinventar, para não deixar o nosso relacionamento cair na rotina, mesmo sabendo que essa era uma missão difícil, por causa dessa distância entre nós. Sempre fiquei ao seu lado, independente da situação, seja para te apoiar ou para te consolar, mas estava ali, contigo. Me fala, por quê você se foi? O que mais dói em mim, é saber que você está bem, que não se arrependeu da decisão que tomou, enquanto eu, estou aqui, na esperança boba de ser você a me chamar no Whatsapp, toda vez que aparece uma notificação para mim. De achar, que em uma madrugada qualquer, você vai me ligar, só para ouvir a minha voz, a que você dizia amar, e dizer que está arrependida, que o mundo não tem graça, sem eu ao seu lado. Não tive coragem de apagar a nossa conversa, nem as suas fotos, e tem vez, que eu me perco, e quando reparo, já estou olhando, só para matar um pouco da saudade. Às vezes me pergunto, como você conseguiu superar tão rápido, se não teve um dia sequer, que você sentiu minha falta, mas não me procurou para ficar balançada ou qualquer outra coisa. Jurava que você ia vir falar comigo, para saber se eu estava melhor, quando falei com você que estava doente, mas isso não aconteceu. Você não sabe como é horrível, deitar, chorar e ter que abafar com o travesseiro, só para ninguém saber o que está acontecendo. Não sabe o quão triste é se apegar muito a alguém, que não pensou duas vezes em ir embora. Já chorei na frente de amigos que nunca me viram chorar, que sempre me acharam forte, e cheguei até mesmo, a ouvir comentários como “eu nunca o vi assim”, “o que está acontecendo com ele?”. Preciso deixar essas lembranças para trás, pois sei que não vou suportar carregá-las comigo por muito tempo, mas olha só para mim, ainda te espero todos os dias, e sabe o que é pior? Saber que isso não vai acontecer, pois você encontrou o seu caminho, e eu me perdi totalmente no meu. Em certos momentos, acabo olhando para você, e vendo que seu sorriso continua o mesmo. Acho que você não se deu conta de que, deixou passar um cara que era completamente apaixonado por você, que faria qualquer coisa, para te deixar feliz. Mas, isso não vai mudar o fato de que, sempre vou carregar você comigo, que você é e sempre será o grande amor da minha vida, e apesar de tudo, se me perguntassem uma coisa boa com apenas quatro letras, eu diria: Iara.
—   Rodrigo Avila
De amiga iniciante, para amiga iniciante.

Se você está pensando em desistir de tudo, com apenas duas semanas de tentativas, apenas porque seu peso na balança não diminuiu, ou porque você não viu resultados imediatos, vou dar uma dica para vocês: Se liguem nos detalhes.

Quais detalhes? Aqueles que ninguém notaria além de você, e que as vezes nem você nota.
Vou me usar como exemplo:
Estou a duas semanas seguindo a Ana, e emagreci 2 kilos. Não é nada comparado com o que já vi meninas emagrecerem, com o que as dietas dizem que você pode perder em até uma semana.
Isso poderia ser um motivo para eu desistir, porém eu sei, e acredito que todas sabem, que nada é de imediato, não vamos secar em 15 dias. Se você for como eu, a ansiedade vai te dominar e você vai querer ter perdido 10 kilos no primeiro dia NF que fizer. Desculpa amiga, isso não vai acontecer. Você não terá resultados imediatos, mas sempre, eu digo SEMPRE terá detalhes.

Em três dias eu notei que estava indo muito ao banheiro, eu tomo bastante chá verde, então concluí que era aquela tal retenção de líquido. Devido a isso, minha barriga estava menos inchada, apesar da balança não estar fazendo nenhuma diferença.

Em uma semana eu notei meu rosto mais magro, os ossinhos da minha costela querendo aparecer, e sentia menos fome. Havia perdido apenas 1 kilo. O que não é quase nada, se você se basear em dietas que prometem perder até 10.

Em duas semanas, meus seios e minha bunda diminuíram um pouco. Em minhas pernas já esta começando a aparecer um pequeno espaçamento. Consigo passar horas sem sentir fome. O ossos da clavícula estão mais salientes e meu anel mais frouxo no dedo. Apenas 2 kilos perdidos.

Cada vez que eu me peso, eu lembro: “Músculo pesa mais que gordura.”

Então assim meninas, se a balança não mostra resultados para vocês, antes de desistirem procurem detalhes no seu corpo. Sempre vai ter algum. Se você, nessas primeiras semanas, se comprometeu e mudou seus hábitos ao menos um pouco, então algum resultado você vai ter. Ele vai ser pequeno e imperceptível para os olhos dos outros, mas pra você que conhece o seu corpo, ele vai aparecer.
E esse pequeno resultado, esse pequeno detalhe, pode lhe dar uma sensação tão grande de que você consegue, que simplesmente a idéia de desistir, some.

E o maior incentivo que se pode ter para não desistir, é o incentivo que os resultados no seu corpo dão. E acreditem, a menor mudança que vocês notarem, vai ser um incentivo gigante.

Outra coisa que ajuda a você a nota os pequenos detalhes, são fotos. Tire fotos de você mesma. Do seu corpo de frente, de lado, de costas. Da suas pernas, dos seus braços, do seu rosto.
Em duas semanas, apenas comparando uma simples foto do meu corpo de frente, notei que minha cintura teve uma diminuição considerável. Um detalhe que eu não havia percebido até comparar as fotos.

O texto é grande, mas a mensagem fica. NÃO DESISTA.
Você é forte, você consegue, você está tendo resultados. Basta querer enxerga-los.

Alice#

Então você voltou a estudar? Quer dizer, depois de três anos parado, sem fazer absolutamente nada, você voltou a estudar? Bom, muito bom isso Dex. Ouvi dizer que você está fazendo faculdade, eu quase não acreditei. Mas me diz, faculdade de quê? Não me diga que é de pedagogia por favor, você odiava crianças, eu lembro muito bem disso. Você sempre dizia que não tinha nada contra elas mas que as vezes elas eram uns…como é mesmo a palavra que você usava… aah sim, “capetinhas”. Então por favor não me diga que é isso ou me avise a escola porque não vou poder colocar meu filho lá se você se formar. Mas e a música? Você desistiu? Não, isso é impossível não é? Você é a pessoa mais eclética que eu já conheci. Tocava violão, guitarra, bateria, piano, não me diga que desistiu de tudo aquilo? Bom, pelo que parece a música não é a única coisa que você dizia amar mas também desistiu não é? Você dizia o mesmo de mim e desistiu. Sumiu. Partiu. E eu fiquei aqui. Mas enfim, tá fazendo faculdade de quê?
—  I miss you, Dexter. (Flávia Oliveira) 
Eu tenho certeza que não existe uma linguagem que te faça esquecer uma pessoa, eu acho que a única coisa que pode fazer isso é o tempo. Caramba, as vezes nem o próprio tempo pode fazer isso, o tempo passou e eu não posso dizer “eu esqueci tal pessoa”, por enquanto eu só posso dizer “bom, eu lembro sem dor”. Mas eu acho que isso já é o suficiente. O que que eu posso te dizer é que não perca tempo, não perca nenhum dia se quer. Se for pra passar o dia chorando, sei lá, ao menos arrume alguém pra chorar do seu lado, não adianta ser orgulhoso e fingir que nada tá acontecendo você precisa de amigos. Não tem nada melhor do que escutar “eu to com uma garrafa de vodca pro que você precisar”, isso é maravilhoso. Procure a sua religião ou algo que faça você se sentir melhor, mas não fique parado esperando essa dor passar , não fique parado esperando ele ou ela voltar. Eu quero que a partir de hoje você siga em frente, ta me entendendo?. U ma hora você vai encontrar alguém que te ame de verdade que te faça feliz. Olha o amor que você sente por essa pessoa, você seria capaz de fazer qualquer coisa por ela, olhe bem esse amor e agora por favor sinta ele por você mesmo. Seja capaz de fazer qualquer coisa por você, inclusive ser feliz. O segredo tá em confundir o seu cérebro, tente gostar de outra pessoa, somente pra que o seu cérebro mesmo que por alguns segundos não saiba o que ele quer. Quando você está gostando de duas pessoas ao mesmo tempo, nesse momento quer dizer que você não está amando nenhuma das duas, isso acredite, já é um grande começo. Substituir um sentimento é muito mais rápido e fácil do que simplesmente destruí-lo. Por tanto não se iluda com palavras bonitas, mesmo elas sendo feitas olhadas em seu olho, tem uma grande porcentagem de elas terem sido da boca pra fora. Não que fossem mentira o que ela te disse, mas algo que ela queria sentir mas não sente, algo que ela pensou que fosse mas não é. Eu já ouvi coisas como “eu nunca vou te esquecer” ou “eu vou te esperar a vida toda”, essas palavras entravam na minha cabeça e não conseguiam sair, mas se você me perguntar onde estão os donos dessas palavras, bom eu nem saberia lhe responder. Existe uma frase que diz  "Ninguém sofre por amor, a gente sofre pela falta dele", se essa falta não esta em você, então olha, de graças a Deus e siga em frente. Você fez tudo o que podia mas chega uma hora que você precisa se valorizar, pensar um pouco em você. É clichê, mas antes de amar qualquer pessoa ame a você mesmo. Pessoas entram e saem da nossa vida a toda hora, enquanto você e sua consciência vão viver juntas até o fim. As vezes você esquece uma pessoa quando abre os olhos, quando você enxerga que ela também fez coisas ruins pra você, que ela te ofendeu, gritou, disse e fez coisas pra te magoar de propósito. Chega, não dá pra mudar quem não quer ser mudado, isso ele ou ela vai aprender sozinho e te perder é uma das coisas que vai fazer isso acontecer. Queria saber amar, assim como a palavra amor devia ser merecida pra ser usada, por que o verdadeiro amor não deveria nos tornar possessivo. Gostaria de ser menos desconfiado e não morrer de ciúmes, gostaria de nem por um segundo sentir raiva, e então eu a estaria amando. O amor deveria existir pra duas pessoas se tornarem melhores juntos, amor deveria se resumir em uma grande admiração. Eu gostaria que o sorriso dele fosse capaz de me deixar completamente feliz mesmo que esse sorriso todos os dias fosse pra outra pessoa, gostaria de aprender a ser feliz somente pelo o que aconteceu, sem ficar triste pelo o que acabou. Mas quer saber o que eu me transformei? em uma pessoa mais forte do que você pensa, diferente dos outros homens que se dizem homens , mas não são capazes de aceitar um sentimento tão bonito como o amor. Não sou mais de dar um tempo, não sou mais de vai e volta, não sou mais de brincar com meus sentimentos e muito menos me aceitar sendo um brinquedo. Aprendi a valorizar as pessoas em quanto é tempo mas também em não acreditar facilmente nelas. Não procuro mais perfeição, apenas com certeza um pouco de maturidade. Se me deixar sofrendo com a intenção de que eu sinta sua falta, talvez você acabe sentindo a minha falta. E esse sou eu, esse sou o que estou me tornando e que por favor Deus, eu preciso ser.
—  Autor Desconhecido
O que incomoda mesmo são essas músicas, textos, fotos, frases, términos dos meus casais favoritos nas séries. Os filmes de drama que eu amo assistir que vão me lembrar de nós dois a cada fala da mocinha com o amor dela. O que incomoda são esses pequenos detalhes que sempre estiveram aqui e passaram despercebidos pelo simples fato de ter você comigo sempre que os via. Nada disso magoava quando eu sabia que você estava aqui. Mas sem você tudo dói, tudo mesmo, de uma letra de uma música até uma frase que eu li na parede da esquina. A minha playlist toda me machuca, os meus textos e tudo que eu vejo. Tudo dói, e nem é porque eu lembro de você, mas sim porque eu lembro que não tenho mais você. Não ter você dói de forma absurdamente insuportável.
—  Bianca Autran
Vai doer, te juro que vai. Vai doer como dói em mim, só que nesse dia eu não sentirei mais nada. E então eu vou esperar um “oi” seu na minha caixa de mensagem, vou esperar você voltar achando que tudo o que deixou ainda está aqui. E quando você voltar, verá que aqui não há mais nada seu, além do vazio. A cada dia em que acordo, eu lembro de tudo, e tenho a mais convicta certeza de que você ir foi a melhor coisa que me aconteceu. Eu sei que não te devo explicação alguma, mas eu gostaria de esfregar na sua cara que eu conheci alguém. Sem enrolação, devaneios, e acima de tudo, sem me por para baixo. E se por acaso você tiver mais um daqueles surtos de quando a gente acabou da primeira vez, saiba que eu já me certifiquei de ligar para a minha operadora e te bloqueie de uma vez por todas. A gente se dava bem, eu sei. Eu lembro. Mas somos passageiros, limitados, a gente tem fim. Não culpo a mim, nem a você. Culpo o nós. Os nós. A gente se ver por ai, ou não.
—  Invernario & Cuidarias
Conhecendo a mulher da minha vida

“ Conto em G# “


Eu sempre fui um cara simples, minha pele negra e cabelo crespo, meu corpo sempre foi acima do peso depois dos meus 14 anos. Na escola sempre fui considerado nerd, e como sou muito tímido sempre ficava sozinho na sala de aula. Na verdade não ficava sozinho, tinha um ou dois amigos, mas nunca passava disso e foi assim até me formar no terceiro ano. Por mais que eu fosse tímido as pessoas lembravam do meu nome, já que ele era muito incomum. Acho que eu era o único Édipo que existia naquela escola, e talvez o único de São Paulo. Além do fato de ser nerd, usar óculos de armação grossa e sempre falar de assuntos como “Vídeo game” e “Star Wars” com meus amigos. Por outro lado Mayara era o extremo oposto, onde passava os rapazes paravam para olhar, os rapazes e as garotas também. Mayara era do tipo de menina que fazia até professores se apaixonarem por ela.

Estudamos na mesma sala desde a sétima série, porém nos falamos apenas duas vezes na vida. Uma vez foi em um trabalho onde o professor sorteou os grupos e eu e ela caímos juntos. Eu mal falava com ela pois a sua presença me encabulava. Mesmo assim ela sempre foi muito simpática comigo, me tratava super bem e interagia com todos do grupo durante os estudos, por um tempo até achei que começaríamos uma amizade, mas quando entregamos o trabalho tudo voltou ao normal. Varias pessoas cercavam ela na escola, era quase impossível conseguir falar com ela, ou pelo menos era quase impossível para mim. A segunda vez foi no terceiro ano, na formatura, no baile de colação ela me deu um abraço e disse “Tudo de bom para você” seguido de um beijo no meu rosto. Apesar dela ter feito isso com todos da nossa sala eu fiquei sem chão por alguns momentos. Eu sabia que nunca mais a veria, e por mais que gostasse de vê-la todos os dias eu sabia que ela nunca olharia para mim do jeito que eu queria que ela olhasse.

Após me formar eu comecei a pensar em qual faculdade fazer, escolhi o curso de audiovisual pois sempre gostei de Design e queria trabalhar com cinema. No primeiro dia de aula tivemos o trote, todos os calouros tinham que andar de mãos dadas na rua e pedir esmolas no farol, nas nossas cabeças estava escrito de tinta guache “bichos”. Fomos divididos em grupos baseados em nosso curso, enquanto conversava com o pessoal do audiovisual percebi que uma pessoa que estava no grupo do trote de nutrição me era familiar, o cabelo preto e a pele branca, as curvas dos seios e da cintura, o sorriso inconfundível. Era Mayara, ela estava na mesma faculdade que eu.

Todas as vezes que o semáforo ficava verde tínhamos que ir até o líder do grupo e entregar o que tínhamos conseguido das esmolas, quem estivesse sem dinheiro tinha que tomar uma dose de cachaça. Por 6 vezes eu não consegui nenhuma moeda. Eu sempre conseguia beber muito e ficar bem, minha altura e meu peso me ajudavam a ser resistentes ao álcool, porém aquelas 6 doses me deixaram bêbado rápido. Quando percebi já estava na frente de Mayara dizendo que estava feliz em vê-la e que ela estava ainda mais linda sem o uniforme da escola. Não me lembro do que ela respondeu, mas sei que depois daquele dia a evitava nos corredores da universidade.

No segundo mês de aula teve uma festa na casa de um dos alunos de Design Gráfico. A casa dele era bem grande e eu fui. Diferente da escola, na faculdade as pessoas não te julgavam ou faziam piadas sobre meu peso e meu nome, o que me deixava mais a vontade, pelo menos com o pessoal da minha sala.

Mayara estava lá, com uma calça jeans justa, e um top azul. A Maquiagem era leve e o salto realçava sua bunda. Ao vê-la fiquei excitado. Mesmo assim não fiz nada. Em um momento da festa, enquanto dançava a vi em uma parede com uma aluna do curso de Administração. As duas se beijavam com muito tesão, Mayara passava a mão pelo corpo da garota, colocava a mão dentro da camisa de menina e acariciava seus seios. Mayara estava dominando a aluna. Ver aquilo fez minha mente viajar, um amigo da minha sala ao perceber que eu não parava de olhar a cena me deu um copo de vodka e disse “bebe cara, aproveita a festa” e eu respondi “não posso beber estou dirigindo”. A cena durou mais. Mayara colocou a mão dentro da calça da garota e, mesmo com o som alto deu para perceber a menina gemendo. As duas subiram as escadas e entraram em um quarto, neste momento eu senti que era hora de ir para casa.

No caminho de casa passei em um delivery 24 horas do Burguer King e pedi um lanche para jantar. A festa tinha muito bebida e nada de comida, a noite inteira só tinha tomado coca cola e energético. O Burguer King era no meio da cidade, o que me fez levar alguns minutos para chegar até lá. Na volta eu passei na rua onde acontecia a festa e na esquina vi uma garota sentada no meio fio vomitando. Era Mayara.

Parei o carro e fui na direção dela. Ela estava bêbada e suja, seu braço estava ralado e os cotovelos sangravam um pouco, provavelmente deve ter caído tentando ir para casa. Eu a segurei e levei até meu carro. Quando olhou nos meus olhos fez cara de estranhamento e disse “Édipo?”. Eu apenas continuei dirigindo e respondi “Continue deitada, já estamos chegando na minha casa”. Quando fiz isso ela abriu um sorriso e colocou a mão entre as minhas pernas “Eu já sei o que você quer”. Fiquei excitado novamente, mas mesmo assim retirei a mão dela do meu pau e disse “Eu não vou fazer nada com você nesse estado, por mais que eu queira” Ela insistiu mais algumas vezes durante a noite. eu a levei para o banheiro. Apenas passei uma toalha molhada em algumas partes do corpo dela para tirar a sujeira e coloquei para dormir. Deixei um balde do lado da cama para caso ela precisasse vomitar mais. Como era a única cama do meu apartamento eu me deitei na sala, liguei meu plasytation e joguei um pouco de battlefield antes de dormir.

Acordei as 9 da manhã, era sábado mas mesmo assim eu tinha costume de acordar cedo para estudar e desenhar. Acordei e fiz um café forte para Mayara, sabia que ela ia estar com muita dor de cabeça, ela acordou e levantou, ainda tonta tentou ir até o banheiro, nem percebeu minha presença na sala. Me levantei e a ajudei a se equilibrar.

-Quero que você saiba que não fiz nada com você ontem.

- Ok. Eu me lembro vagamente de quase tudo — Ela respondeu com os olhos cerrados.

Ela foi até o banheiro e eu a entreguei uma toalha junto com uma bermuda minha de elástico e uma camisa com estampa de Game of Thrones.

- Eu sei que sou meio gordo mas você amarrar o elástico da bermuda para não cair.

Ela saiu do banho com minhas roupas e estava mais sexy do que nunca. Apesar da camisa ser muito maior que ela dava para ver o volume dos seus seios sem sutiã e o bico que aparecia pela camisa.

Ela se sentou ao meu lado no sofá e disse:

- Porque você não me comeu ontem?

- Você estava bêbada, eu não queria me aproveitar de você naquele estado.

Ela fez silêncio por alguns minutos e logo em seguida voltou a falar.

- É a primeira vez que alguém me respeitou desse jeito na minha vida. Muito obrigado.

Fiquei encabulado novamente, mesmo assim respondi “De nada, eu apenas quero que você fique bem”.

Não conseguia olhar para ela por muito tempo, mas quando olhava percebia um sorriso em seu rosto. Ela olhou para mim e disse:

- Você gostava de mim na época do Toufic não é? (Toufic era o nome da nossa escola).

Ri sem graça e apenas fiz o sinal de “sim” com a cabeça.

Ela veio para cima de mim no sofá, colocou a mão na minha coxa e disse perto do meu ouvido. “Acho que você merece um prêmio pelo o que fez ontem”. Nem tive tempo de responder, quando virei o rosto ela beijou minha boca e se jogou em cima de mim no sofá. A ultima vez que tinha beijado alguém foi com 16 anos.

Ela pegou minha mão e levou até seus seios. Prendeu a mão no meu cabelo e começou a morder meu pescoço. Eu apertei sua bunda e fiquei excitado e nervoso ao mesmo tempo. Ela começou a descer pela minha barriga e eu segurei seu rosto e disse “Não, eu sou virgem, você não vai gostar. Eu não sei fazer nada”. Ela voltou até meu rosto, me beijou novamente e disse no meu ouvido de novo “Eu te ensino tudo o que você precisa saber”.

Eu estava deitado e ela estava em cima de mim. Ela tirou a camisa e colocou seu seios em minha boca. Após isso se levantou, tirou a minha bermuda que ainda estava usando e ajoelhou na frente do sofá. Puxou minha calça para baixo e começou a chupar meu pau. Ele já estava duro e eu sentia que iria gozar a qualquer momento. Ela chupava, forçava a cabeça e tentava colocar ele inteiro na boca. Masturbava ele enquanto deixava a cabeça dentro da boca. Eu estava fazendo de tudo para não gozar. Mas do nada ela fez algo que eu não aguentei. Eu ainda estava deitado no sofá e ela subiu em cima de mim novamente. Colocou a boceta na minha boca e pediu para que eu chupasse. Fiz como ela pediu e pude ouvir ela gemendo enquanto fazia o boquete. Não aguentei e gozei, Ela se levantou, olhou para mim e deu uma risada leve. Cuspiu na lixeira que ficava na minha escrivaninha. Eu estava sem graça. Provavelmente ela já deve ter transado com caras que fez ela gozar a noite inteiro por horas, e eu gozei na boca dela em alguns minutos.

Após isso me sentei, ela veio na minha direção e se sentou no meu colo, novamente falou baixinho “Você já gozou, agora é minha vez”. Me puxou pela camisa e começamos a nos beijar de novo. ela me puxou para cima dela e entrelaçou suas pernas nas minhas costas. Depois de um tempo nos beijando ela me empurrou para baixo até chegar na sua boceta de novo. Comecei a chupar a boceta dela, com uma mãe segurava suas coxas, com a outra apertava seus seios. Certa hora ela disse “Coloca um dedo dentro”. Eu coloquei e a fodia com o dedo enquanto a chupava. De repente fiquei excitado de novo. Ela falou “Agora coloca dois dedos” Ela gemia alto, tão alto que eu achava que os vizinhos já estavam ouvindo. Fui aumentando a intensidade dos dedos até que ela prendeu minha cabeça com as coxas e soltou um grito alto. senti a pressão da força que ela fazia com as pernas e pude ver o gozo dela na minha boca e no sofá. Ela me puxou para cima e voltou a me beijar, colocou a mão no meu pau e disse “Acho que alguém já está pronto para outra”. Ela me fez deitar no sofá de novo e sentou no meu pau, ela cavalgava e eu tinha a visão do seu rosto e dos seus seios balançando. Eu passava a mão por sua bunda e seios, as vezes levantada um pouco e colocava a boca no bico dos seus seios e mordia. Ela gemia alto e eu tentava me segurar o máximo possível. Ela colocou a mão na boceta e começou a se masturbar, percebi ela gozando de novo enquanto subia e descia no meu pau, foi então que não aguentei mais e gozei de novo. Depois disso ela se deitou no meu peito e ficamos o resto da tarde no sofá. Conversando, relembrando coisas da escola e nos beijando muito.

Ela então levantou, colocou sua roupa e disse que precisava ir embora, me deu um beijo e se foi. Eu acreditei que aquele momento mágico tinha acabado, e forçava para não perder nenhuma imagem na minha mente.

Na segunda feira, sempre que alguém me perguntava como tinha sido meu final de semana eu relutava para não falar que tinha transado com a garota mais gostosa da universidade. Eu sabia que fazer isso seria algo muito babaca. Mas então aconteceu o que eu não esperava, no intervalo entre aulas eu vi Mayara vindo na minha direção, eu estava sentado em um banco junto com outros rapazes da minha sala. Ela chegou perto de mim e disse “Eu estava te procurando”. Se sentou no meu colo e falou “Você não vai me apresentar para os seus amigos?”. Neste momento eu percebi que tinha começado o namorar. Os rapazes olhavam sem saber o que dizer, eu a abracei pela cintura disse “Galera, essa é a Mayara.”

Eu sinto sua falta, não vou mentir dizendo que não sinto. É óbvio, como não poderia sentir? Sentir falta do teu carinho, da tua proteção, da segurança que você me passava, das risadas que você conseguia tirar de mim e dos sorrisos então? Os mais bobos e idiotas. É lógico que sinto falta, falta de quando você tinha tempo pra mim, quando eu passeava em teus pensamentos, falta de ser importante pra você sabe? Do mesmo jeito que começou, terminou. Não vou mentir, as vezes me pego vendo suas fotos e fico me perguntando se o erro foi meu ou era isso aí que ia acontecer, uma coisa boa porém passageira. Sinto falta da sua voz, da sua risada, até mesmo quando ficava de cara comigo. Eu sei que sou a teimosia em pessoa e velho, até da tua implicância com isso eu sinto falta. Lembro de tanta coisa, logo eu que não consigo lembrar de quase nada, mas quando se trata de você está tudo aqui. Memória por memória. Momento por momento. Cada conversa, os conselhos, os abraços, as brincadeiras, as vontades. Eu lembro. Cara, eu sinto falta de ir deitar e ter a certeza que no outro dia eu acordaria com o seu bom dia. Velho, há quanto tempo isso não acontece? Há quanto tempo não me sinto a pessoa importante que eu achei que era? Você me deu o céu, as estrelas e tudo de mais lindo que poderia dar, mas também me deu um grande vazio aqui dentro. Um buraco. Não dói, apenas está ali, sem nada, sem ninguém … vazio. Esperando você retornar, mas sinceramente? Já perdi a esperança que volte e se voltar, não vou ter a segurança, o conforto e a proteção que eu tinha contigo. Sinto muito, eu lamento por tudo. Eu não desisti da pessoa incrível que você é, não esqueci e nem pretendo, só estou vivendo minha vida, conhecendo pessoas e quem sabe eu encontro algum amor por aí. Fiz o que você mandou, eu viver minha vida, eu só não pensei que eu viveria sem você.
—  Precarizou.

e você foi o grito que de mim nunca saiu:
porque eu gostava de tentar arranhar a garganta por diversas vezes com projeções de versos e de discursos e de verbos e de acertos que criava repetidamente na minha própria cabeça na tentativa sempre inútil de nunca errar

mas errei contigo porque disse coisas demais justamente por pensar demais
e não fazer porra nenhuma

e você foi aquele sussurro que eu gostaria de ouvir quando a chuva estivesse forte e você pudesse segurar minha mão e só isso

mas tu nunca deixou de ser aquele incomodo bom que me lembra que ainda tá aqui dentro vivo de algum jeito

eu misturo tu e você nos meus textos pra tentar iludir meu cérebro de que não são sobre a mesma pessoa e que não repito você você você vezes demais: de nada adianta porque tudo vai ser sempre sobre a mesma pessoa e eu espero que não percebam

eu tento me enganar de que você vai embora simplesmente mas aí lembro de quantas e quantas gavetas de papel você me fez escrever
quantas canetas joguei fora com a tinta marcada de coisas que deveria ter dito
quantas caixas usadas eu tive que preencher e tampar só pra não deixar o mundo ver que eu já te amava sem saber

só pra não deixar o mundo saber que teu amor por revoluções era meu também
que provavelmente amaríamos um do outro nossas utopias, sabe?

Cada cômodo dessa casa me lembrava você. A cama, a banheira, a cozinha, a sala… Tudo tinha uma marca sua. Era cômico olhar para todos os cantos, e ver você lá, sendo que você havia partido. No rádio tocava aquela música que você cantarolava para mim, chorei mais um pouco. Já faziam três dias que eu chorava sem parar. É engraçado como as pessoas partem nosso coração com mais facilidade do que conquistam, já fazia três dias que chorava, e você já havia seguido em frente, havia deixado a minha casa com uma mochila com as suas coisas, e eu não fiz nada, não tinha forças. Lembro-me vagamente de estar sentada em choque no sofá e ouvir você falar… “Perdoa-me, deixarei você, sua casa, seus problemas, estou cansado disso… De você, acho que já está na hora de seguirmos em frente.” E a porta bateu logo depois, fiquei furiosa, destruí todo o apartamento em segundos, já faziam três dias que estava deitada no sofá, não via a luz do dia, e havia me esquecido do celular em algum dos cômodos que me lembra de você. Te amei, te cuidei, te protegi, e você havia partido, fiquei furiosa novamente, decidi que seguiria em frente. Aquela proposta que havia jogado fora, por você. Voltei atrás, e agora, seguirei em frente. Deixarei o amor que sinto por ti aqui, e a minha vida nova, me esperava porta a fora.
—  Anna Paula Varella.
siso

você era meu siso. Era uma parte de mim mas começou a machucar e então eu não tive outra opção a não ser arrancar de mim. Meu Deus como doeu, doeu tanto que eu mal pude respirar, fiquei dias de molho na cama sem querer existir porque ainda doía mas agora eu já não sinto mais nada. Ficou um buraco e ás vezes eu ainda lembro e a saudade aperta mas não me atinge mais. Me fazia mal, mas mesmo assim eu demorei para criar coragem para retirar da minha vida, e confesso, foi difícil e eu fiquei apavorada mas agora eu não sinto nada mais do que alívio porque não me dói mais, nem ter você pela metade e nem não te ter.

Ainda lembro como se fosse ontem, a nossa primeira conversa, primeiras risadas e o primeiro sorriso que tu arrancou de mim. Antes nada me fazia sorrir tão fácil, mas foi só você chegar que tudo mudou. Você tem um dom de me fazer sorrir, um dom de fazer eu me sentir a unica garota do mundo pra ti. Eu sei que é dureza lida comigo, mas você aprendeu e eu também aprendi. Aprendi que não posso viver mais sem você, que não posso ficar sem o teu amor, sem você. E por mais que minhas paranoias sejam do tamanho de um mar, que meu amor por ti seja exagerado como o Oceano, que meu ciumes seja do tamanho do infinito. E para falar a verdade, nesses últimos dias que se passaram, pensei apenas em você, noites em claro, banhos demorados, sorrisos apaixonados. Tá ai uma palavra que me define “paixão” estar apaixonada. Mas não pense que me apaixono por todo cara que me arranca sorriso. Com você é tudo diferente, porque você é diferente, você talvez, possa ser tudo o que eu desejei um dia, um homem que me faz feliz e que me intende quando eu mesmo não me intendo. Você sempre esta presente em minha vida e espero que continue assim, existindo o eu e você e que um dia possa existir o “nós”. Passei a ouvir as suas músicas preferidas, aprendi a fazer seu prato favorito, aprendi que a vida sem você, não é vida, passei a ver com outros olhos tudo que você faz para mim. Eu poderia fazer uma lista das coisas pelas quais eu me apaixonei em você, mas, é tudo, eu me apaixonei pela sua risada, pelo seu jeito tímido, pelo jeito que fala, enfim, tudo. E se eu pudesse, eu pararia o tempo e correria para seus braços e esqueceria de tudo e de todos. Eu nunca amei alguém, como eu amo você.
—  20 segundos de coragem
Imagine Cute Harry Styles .

Oiii amores !!! Então… achei esse imagine no meu bloco de notas . Ele é um pouco antigo mas resolvi compartilha-lo com vocês !!! Me desculpem se não estiver muito bom ,mas espero que gostem !!!
Lembrando que estou a disposição de vocês, então FAÇAM SEUS PEDIDOS!!!
Uma pessoa que está me ajudando muito aqui no tumblr ( Bjão Sara !!😍) me lembrou de ativar os Asks anônimos . Logo menos essa opção vai estar disponível pra vocês !
Beijão😘

DADDY STYLES


Darcy: Mamãe!Papai! Vocês gostaram da nossa apresentação?? - Darcy disse vindo em nossa direção e pulando nos braços do Pai .

Harry: Nós amamos meu amor ! Você estava incrível. - Harry disse pegando Darcy no colo e dando um beijo em sua bochecha .
Darcy: E você mamãe? Você gostou ?- perguntou me encarando .
S/N: Mas é Claro que gostei meu amor ! Foi tudo lindo !!!

Era o Dia da Cultura na escola de Darcy Ela havia acabado de apresentar uma peça de teatro com sua Classe . A peça era “Alice no País das maravilhas” e adivinha quem tinha sido escolhida para o papel da Alice ? Sim,Darcy! Eu estava muito orgulhosa.
Darcy tinha 4 anos , mas era uma criança muito esperta .
Eu e Harry tínhamos desmarcado alguns compromissos para estar lá naquele dia tão importante para nossa filha .

Harry: Agora , vá se despedir de seus colegas e de sua professora . Já está na hora de ir . - disse colocando a pequena no chão .
Darcy: Tudo bem ! Eu já volto tá bom ?
Assentimos , e logo ela sai , para se despedir de todos .
É aí que harry vira pra mim, colocando as mãos sobre minha Cintura e eu envolvo meus braços por sua nuca .
Harry: Não tem preço ver ela assim , Feliz .
S/N: Sem duvidas .
Harry: Ela estava linda de Alice .
S/N: Sim. E quando ela subiu no palco , parece que todo o nervosismo que ela sentia no caminho pra cá havia desaparecido.
Harry: Ela não parava de falar dessa peça por um segundo sequer - disse rindo …

Minutos depois Darcy volta .

Darcy: Prontinho! Vamos ?
S/N: Vamos sim querida .
Pego Darcy no colo e nos direcionamos até a saída .
Mas nos assuntamos com toda aquela muvuca . Tinham descoberto que estávamos lá para a peça de Darcy. A Saída estava cheia de Paparazzis .Nós sempre zelávamos pela privacidade de Darcy , mas às vezes isso era inevitável. Ignoramos a presença deles , Harry segura minha mão com força e tentamos chegar até nosso carro, mas estava praticamente impossível. Os Flashs, os paparazzis gritando e nos fazendo várias perguntas enquanto atrapalhavam nossa passagem . Darcy estava um pouco assustada com tudo aquilo , e Harry já estava perdendo a paciência.

Harry: Vocês por favor podem nos dar licença ? - disse tentando manter a Calma.
Paparazzi: Depois de todos esses anos vocês Ainda não se acostumaram com isso ?
Harry: Por favor . Não me façam perder a paciência, eu estou pedido com educação! - disse já um pouco alterado .
É aí que um dos paparazzis passa dos limites, colocando a câmera praticamente no rosto de Darcy . Com isso o Flash atinge os olhinhos da pequena .
Darcy: Aí !Mamãe! Meus olhos ! - disse assustada colocando as mãozinhas sobre os olhos .
Em questão de segundos o Paparazzi vai parar no chão. Harry havia o atingido com um soco no rosto .
Todos a nossa volta ficaram surpresos . Mas sem duvidas aquilo os iriam render bons cliques .
Alguns vão até o cara para ajudá-lo. Harry pega Darcy de meu colo . Ela chorava baixinho . Então ele Agarra minha mão e com isso continuamos o trajeto até o carro .
Depois do que o Harry tinha feito , os paparazzis abaixaram a bola , o que facilitou nossa passagem …
Entramos no carro . Harry vai no banco do motorista e eu vou atrás com Darcy e com mais calma conseguimos conversar com A pequena.

S/N: Ei meu amor , Calma ! Calma ! - falei a acolhendo em meu colo .
Eu ainda estava um pouco ofegante depois de tudo o que tinha acontecido .
Harry: Princesa , o que você está sentindo ?? - perguntou inclinado pra trás .
Darcy: Papai. Meus olhos estão ardendo .
S/N: Harry, não acha melhor levá-la ao médico ?
Harry: Você tem razão.

Minutos depois estávamos no hospital.

O médico examina Darcy, que estava com os olhos vermelhos . Logo nos diz que ela estava bem , mas que por sorte não aconteceu nada demais , já que pelo fato da pequena ter apenas 4 anos , seus olhos ainda eram muito sensível. Ele nos receitou dois colírios .
Agradecemos e nos despedimos. No caminho até em casa , passamos em uma farmácia para comprá-los …
Darcy, já mais calma , acaba pegando no sono .
Chegando em casa , tiro ela do carro com cuidado com a ajuda de Harry e entro . Ele pega minha bolsa e a mochilinha de nossa filha e entra logo em seguida .

S/N: Eu vou colocá-la na cama ok?
Ele faz que sim com a cabeça ,deixa um beijo na testa da pequena e sussurra baixinho .

Harry : O papai te ama princesa .

Subo, coloco a pequena na cama , dou um beijo em sua bochecha e digo baixinho.
S/N: eu te amo meu amor .
Com isso apago as luzes e me retiro .
Volto ao andar de baixo e encontro Harry na cozinha sentando na mesa com um copo de wiski em uma mão e o celular em outra .

Chego por trás dele e começo a massagear suas costas .

S/N: Hoje o dia foi cheio não é mesmo ?
Ele respira fundo e diz .
Harry: Sim…
Com isso pego o celular de sua mão e vejo uma matéria comentando do Ocorrido .

“ Harry Styles agride Paparazzi na frente de sua mulher e filha. ”

S/N: Amor …
Harry: S/N. Eu não consegui me segurar. Você viu como ele chegou em Darcy?
S/N: Eu te entendo Harry. Não precisa se justificar . - falei me sentando em seu colo e dando um gole na sua bebida .
Harry: Você sabe o quanto eu luto para manter Darcy longe dos holofotes ,dessa vida louca … tudo isso é minha culpa.
S/N: Ei, Harry ! Não diz uma besteira dessas . - falei levantando seu queixo com o meu dedo indicador , o fazendo me encarar . - Amor , todos sabem o quanto você se esforça pela nossa filha . Você é um pai incrível. Lembra quando Darcy pediu pra você buscá-la na escola e você usou todo aquele disfarce para que ninguém te reconhecesse ? - eu disse o fazendo sorrir .
Harry: Darcy quase não me reconheceu .
S/N: E lembra de quando você estava com os meninos naquela premiação e voltou correndo pra casa quando descobriu que Darcy estava com febre?
Harry: Quando me contou por telefone , eu me desesperei.
S/N: Viu amor . Você é um pai incrível. Darcy não poderia ter pai melhor . Eu me lembro de um dia em que Darcy disse que Ainda bem que eu tinha escolhido você para ser o pai dela , por que senão ela não ia conseguir ser feliz sem um papai Harry na vida dela .
Harry solta um sorriso bobo .
Harry: Eu a amo tanto . Meu coração chega a doer .
S/N: Não tenho dúvidas disso . E pode ter certeza que ela o Ama muito .
Harry: Obrigada meu amor . Por me dar Darcy de presente .
S/N: Eu quem agradeço por ser o melhor pai e marido do mundo Harry.
Harry: Eu não seria nada sem vocês.- disse me beijando logo em seguida .
Harry: Eu te amo meu amor .
S/N: Eu te amo Harry.

Por que meu coração insiste em lembrar de você?

É impressionante o quanto você está em tudo, mesmo sem merecer. Estou prestes a me render, e simplesmente parar de lutar contra o que eu sinto.
Sim, eu ainda não te esqueci COMPLETAMENTE como eu disse.
Eu tento me privar ao máximo de pensar em você, porque você não merece que eu pense. Mas quem disse que o coração obedece? Em cada música tem um pedaço de você. E eu odeio isso.
Odeio o fato de mesmo depois de tudo que você fez, eu ainda sentir algo por ti. Não é mais amor, sabe? É saudade. Saudade do que nós éramos, do que fazíamos, das nossas brincadeiras e palhaçadas, dos nossos momentos…
Saudades, de você. Entretanto, eu serei forte. Confesso à ti, que chorei muito na noite do dia em que eu finalmente te revi. Não foi por VOCÊ, e sim por ter me tratado como um desconhecido. Como você consegue ser tão frio? Eu te amei tanto… eu fiz de tudo por você. E não, eu não consigo parar de me questionar o porquê de você ter me iludido. Eu sempre deixei claro o que eu queria e sentia, e pedia o mesmo à ti. Por que não fez isso?
Como conseguiu seguir adiante tão fácil? Como não teve uma recaída e me ligou chorando dizendo que me ama? Eu sei o porquê. Porque você nunca me amou de verdade, como sempre disse.
Eu serei forte, não por você, mas por mim. Pode demorar mil anos, mas um dia eu vou te esquecer. Eu não lembrarei mais de você como lembro hoje, todas as noites. Eu nunca te pedi nada de mais, só sinceridade. E nem isso você pôde me dar.
Tudo bem, não se preocupe. Você está muito melhor sem mim, eu sei disso, na verdade sempre soube. Também estou melhor sem ti embora ainda tenha algumas recaídas leves. Eu serei forte. Eu sou forte. Você não saberá mais nada sobre mim, embora eu queira muito saber como você está.

Eu não quero ter que fingir que não somos nada além de meros conhecidos. Não quero ter que fingir que o meu coração não dança no meu peito quando eu te vejo do outro lado da festa. Não quero ir até onde você está e te dar dois beijinhos no rosto, um abraço superficial, perguntar como vai a vida e dar meia volta para ficar te olhando de longe. Não quero ficar esperando uma mensagem que eu não sei quando vai chegar. Eu quero mais. Eu quero poder te mandar um trecho daquela música que eu ouvi de manhã e achei bonita. Eu quero poder chegar com você nos lugares, segurando a sua mão, sentindo o seu braço em volta da minha cintura. Quero ter certeza de que receberei suas mensagens e ligações a qualquer hora do dia. Quero aproveitar tudo com você. Quero fazer aquelas viagens para os lugares exóticos que agora nem lembro o nome. Quero me aventurar com você por aí, seja lá o que isso signifique. Mas eu não quero ir devagar. Não mais. Quero ser para você muito mais do que já fui para outra pessoa. E quero que você seja para mim o que ninguém ousou ser antes. Ombro amigo, coragem, certezas.  Já fui devagar demais, se você quer saber. Eu já esperei, sem fazer nada, por coisas que nunca iriam acontecer. Cansei. Perdi muito tempo. Agora eu quero arriscar. Com você, eu não quero ir devagar. Eu não vou. Você tem medo? Eu também tenho. E acho que é assim mesmo: essas coisas assustam. Mas eu seguro a sua mão. Vamos enfrentar tudo isso junto - monstros do futuro, assombrações do passado -, só vamos em frente, de mãos dadas, é assim que precisa ser. Quando se tem alguém do nosso lado, nada pode ser tão assustador. Vale à pena se arriscar, se jogar num abismo sem saber como é lá em baixo, criar expectativas, ter sonhos, planos e vontades. Porque o tempo voa, não podemos ficar para trás. E ninguém é feliz indo devagar.
—  Enamorava
Desculpe mas não te amo mais.
Você não me instiga mais, nem se quer faz meu coração acelerar. Você tem sido mais uma pessoa, que esteve em minha vida e não está mais. Você tem outra pessoa, e isso não me chateia mais.
Não, eu não estou com ódio de você e tampouco guardo rancor do que tivemos e não tivemos, apenas segui em frente, apenas dei um passo em minha vida sem você. Por um momento achei que você era o amor da minha vida, e até mesmo a minha vida, mas você é uma pessoa e pessoas não são isso. Você me decepcionou, e talvez faça ideia disso, você se culpou por certo tempo, mas chegou o momento que você encontrou uma pessoa e começou a ser feliz com ela.
E talvez eu não tenha sentindo saudades suas, quem sabe aquilo foi apenas nostalgia e lembranças boas de você. É diferente o que sinto por você agora, não é amor, não é saudade, acho que é amadurecimento, o coração que antes batia forte por você, agora não bate mais e sempre tem me mandado um sinal de que ele perdoou você, mas que isso não significa que ele vai lhe dar uma segunda chance quando você não tiver alguém para contar seus medos, seus sonhos, seus problemas, ou quando você não tiver alguém para beijar, abraçar, fazer amor, sair e dizer eu te amo. E se ele não lhe quer mais, eu também não quero.
Não quero mais isso de ter meu coração quebrado em dois pedaços por você, e muito menos quero que você venha atrás de mim dizendo que me ama, mas na verdade só me quer para tapar os buracos tanto do seu coração quanto os da sua vida. De primeira eu ainda te queria, e não aceitava ser feliz longe de você, mas hoje sei que estou bem fora da sua vida e do seu dia a dia. Eu ainda te amava, quando você já tinha outra pessoa, e chorava por ver o mesmo olhar que um dia foi meu, naquele momento pertencia a outra pessoa. Mas sabe, amar é deixar ir embora e ir embora, é colocar nas lembranças todos os momentos, como se sua memória fosse aquelas caixas escrita memorias no sotão, ou embaixo da cama estilo filme americano mesmo. É deixar que a pessoa seja de outra sem sentir mais nada por ela, e quando digo nada, me refiro a não sentir ciúmes, a não sentir saudades e tampouco sentir aquilo de volta para mim.
Me lembro dos nossos planos, e ainda mais dos momentos nós dois contra o mundo, mas isso não significa que eu ainda te quero, pelo o contrário isso são apenas consequências de ter te amado um dia. Eu ainda penso que alguém não tem motivos para se apaixonar por mim, e não acredito que uma pessoa é apaixonada por mim. E isso não tem haver com o amor próprio, e sim com o meu caos, com o meu verdadeiro eu. Uma hora eu terei outra pessoa, e espero não fazer nada do que eu fazia com você, e me refiro na questão dela ser minha notificação favorita, ou dela passar em meus pensamentos como o amor da minha vida, ou como a pessoa certa para mim. Porque na verdade isso de pessoa certa, é só mais um bla bla bla da humanidade e até mesmo uma canção para boí dormir. E disso me cansei.
Não espero que essa pessoa me faça feliz, e que a mesma me decepcione, pois esperei demais e agora o que quero é viver, mesmo que isso tenha essa coisa de se machucar, de se espetar em uma bela rosa. Até certo tempo pensava em você, e se você sentia minha falta o quanto eu sentia a sua, mas na verdade você não sentia, você dormia como se nada tivesse acontecido, e agora você morreu até mesmo dos meus pensamentos.
A hora do adeus foi a muito tempo, e só agora senti que dei realmente adeus a você por não sentir mais aquilo de querer ficar.
—  Someone.

EU SEI, EU TO ATRASADA!
ME DESCULPA! NÃO DESISTE
DE MIM!!!!
AGORA VAMO PRO IMAGINE!
__________________________________________

Eu lembro de entrar no palco… Era o nosso especial de Natal na Nickelodeon. O nosso álbum foi um sucesso tão grande, meu relacionamento com a Dani parece estar melhorando, eu e os quatro meninos cada vez mais famosos… E aí agora…. Só sei disso.

Estou deitado em uma cama, ninguém comigo além de uma enfermeira. Olho para minhas mãos e tenho tatuagens nos braços. Chamo por ela, ela me olha, me chama de “senhor Payne” e avisa que vai chamar o doutor.

Ele me faz várias perguntas enquanto me examina, pede pra eu contar minhas últimas memórias, mas não parece muito normal quando eu conto o que sei. De repente, ele me conta que eu sofri um acidente de avião em uma turnê com a banda, pergunto sobre os meninos.

- Os três estão aí fora. - ele responde e completa, após minha expressão confusa - Harry, Niall e Louis. Eles vão te explicar tudo.

Eles entraram, me contaram que agora a banda somos só nós, que demos uma pausa de um ano e voltamos. Falaram que Zayn saiu da banda e segue carreira solo. Quando eu perguntei sobre a Dani, todos se olharam… Eles são tão adultos agora.

E é muito estranho lembrar de namorar com uma garota e seus amigos contarem que você está noivo de outra. Já se passaram seis meses e eu não me acostumei a estar noivo de alguém que eu nem conheço.

Seis meses sem conseguir lembrar muita coisa… Na verdade eu não lembro nada depois dá pausa com os meninos e não lembro de nada sobre s/n. Nós moramos juntos, eu escolhi assim, mas ela mudou de quarto pra me deixar no mais confortável.
Naquela manhã eu acordei, como sempre, desci as escadas e encontrei ela na cozinha, com a sua roupa de academia, tinha chegado da corrida e estava fazendo o café da manhã. Nos últimos meses, sem lembrar de muita coisa, eu tenho começado a olhar de uma forma diferente para ela. Os meninos me mostram coisas, até o Zayn tem ficado muito aqui… A gente está morando em Londres, mas soube que eu a conheci na Califórnia.
Mas daquela vez foi diferente. Eu tive um flashback que eu não sei de onde veio, mas sabia que era uma lembrança. Lembrei dela com uma camiseta e cabelo bagunçado, eu desci para falar com ela, ela sorriu, veio até mim e me deu um longo beijo. Eu sorri lembrando disso… Quis que ela o fizesse.
E aí, por impulso, fiz o que eu não esperava fazer.

-Bom dia. - falei, dando um abraço nela.

- Bom dia, Liam! - ela respondeu, com o mesmo sorriso amável que sempre me oferece - Como tem se sentido?

- Estou bem melhor, pra ser honesto. - respondi, mas omiti o flashback.

- Que bom! - ela respondeu, ainda de costas para mim.

- Vem cá, deixa eu olhar o seu rosto um pouco. - falei, virando ela pra mim e admirando aqueles lindos olhos profundos.

- O que foi?

- Eu não sei… - respondi sorrindo, passando a mão em seu cabelo - Mas me faz bem ficar assim com você.

- Fico feliz por isso. - ela respondeu - Sua mãe quer vir aqui hoje, depois liga pra ela.

- Você pode me dizer o número? - pedi.

- Você não lembra o telefone dela?

- Não… Não tenho ideia.

Vi os olhos dela se encherem de lágrimas antes de ela voltar a encarar o fogão, tentando mais uma vez ser forte. Respirei fundo… Eu queria abraçar e beijar ela, mas eu não sabia o quanto eu deveria fazer isso e se deveria. Fui andando até ela de novo, apoiei na bancada e chamei-a.

- S/n? Pode me dar um outro abraço?

- Claro, meu bem. - ela disse, vindo até mim e me abraçando.

Eu estava entre ela e a bancada central, meu rosto afundado em seu cabelo, um sorriso se formou em meus lábios. Eu quero isso, quero muito. Lentamente, ergui sua cabeça para mim, até que nossos narizes se chocassem e sorri para ela, esperando o retorno.

S/n passou os braços em volta do meu pescoço, olhando no fundo dos meus olhos, eu segurei sua cintura com mais firmeza, envolvendo-a com apenas um braço e coloquei minha outra mão em sua nuca.

- Você realmente quer fazer isso? - ela perguntou.

- Muito. - respondi, tocando nossos lábios.

Aquele beijo soava como lar… Ninho de passarinho e cama num dia chuvoso. Continuei beijando-a por muito tempo, não queria parar, mas não havia nada de erótico naquilo… Era como se eu finalmente entendesse tudo… O motivo de sorrir só de olhar pra ela.

- Eu me lembro… - falei, interrompendo o beijo - De uma manhã, você com uma camisa branca masculina, eu cheguei, você correu para me abraçar. Lembro que eu estava agitado para fazer alguma coisa.

- Você se lembra que manhã foi essa?

- Não… - respondi.

- Naquela manhã, você me afastou depois do que você narrou. - ela começou - Dois passos para atrás, tirou uma caixinha azul marinho de veludo do bolso, se ajoelhou…

- Foi quando eu te pedi em casamento. - eu sorri - É estranho…

- O que?

- Ouvir você narrar isso, é estranho como eu estou me sentindo. - respondi - É como se eu estivesse sentindo todo esse amor que dizem que eu senti.

- Como assim?

- Eu sei que a gente se conhece… Eu te conheço tem poucos meses… Sei que talvez eu nunca mais lembre de nada. - eu acariciei seu rosto - Mas eu tô muito feliz de recomeçar minha vida com você do meu lado… Não tem outro lugar que eu quisesse estar.

No oriente eu te busco, sigo sua essência, te sinto, te imagino, te seguro, te abraço. A saudades aperta aqui dentro do meu peito, e então eu choro. Em minhas mãos um punhado de lírios, sua flor favorita. Vou naquela cafetaria que fica na rua Sebastião e sento na mesa 4, a mesma mesa que sentávamos durante esses 6 anos juntos. Vou na praça, mas não é a mesma coisa sem você. Nas vezes que vou fazer compra no mercado, lembro das vezes que nos pendurávamos no carrinho e saiamos gargalhando, sua risada era o que fazia o meu dia perfeito. E na beira do mar, sentindo a aguá me tocar com sua leveza lembro de você, com suas mãos suaves feito ceda a tocar meu rosto, meu corpo. Eu olho para o céu, e grito aos sete ventos, desabafo aos berros a saudades, a falta que você me faz, nada, nada fará com que eu te esqueça. O meu amor por você esta pregado em meu coração, são pregos que não afrouxam, que não soltam.
—  Maiara Pietra Tomaz