estrategistas

O pior é que ele sabe de cada artifício meu, e não importa qual jogada eu use, nada é bom o suficiente. Sem querer me gabar, mas eu não tô acostumada com esses caras difíceis, correr atrás de alguém (eu sou bem sedentária, pra ser sincera) ou ser ignorada. Não que eu tenha algum tipo de poder de sedução, mas as pessoas quererem estar comigo sempre foi simples, eu nunca precisei fazer nenhum esforço. E agora vem ele, com toda essa cara de “você é comum” pra mim. Como? Como não tá funcionando? Como assim ele não faz questão de falar comigo? Ele analisa, pára, pensa e atira certeiro no ponto cego. Eu fiz o primeiro movimento jurando que faria o último, mas ele já tinha planejado umas 80 jogadas antes de eu ter feito a primeira. A criatura é um estrategista, como eu. Aliás, bem melhor do que eu. É, parece que eu subestimei esse palhaço frouxo. E parece que ele nunca foi tão frouxo assim.
—  Aleff Tauã.
A Thing For Musicians || Estrategistas ||

O movimento na ala estava agitado, todos se moviam apressadamente. A grande maioria cochichava tentando descobrir qual seria a missão tão importante que estava por vir, enquanto os outros – Josh estava nesse grupo – apenas aguardavam sentados tranquilamente à chegada do chefe dos Estrategistas que reunido com os outros chefões preparavam as tarefas e decidiam quem iria ficar responsável pelo projeto.

Com uma xícara de café nas mãos, Josh observava o movimento dos mais agitados. Todos os colegas estavam ansiosos, torcendo para não serem convocados para a missão. O que não era novidade, afinal pelo grau de importância envolvida nela, seriam necessárias muitas noites sem sono para montar a estratégia e bem… Tanto Josh, quanto os colegas queriam era mais pegar casos tranquilos em que eles poderiam entrar no horário e sair da A.N.E no horário normal. Nada de hora extra, por gentileza.

  Depois de quase uma hora de espera, finalmente o Sr. Frank apareceu, sua imagem como sempre impunha respeito e autoridade. Frank era um cara alto e esguio, seus ombros eram largos e seu rosto sempre sem expressão. Sério passou por todos nós e entrou diretamente na sala de reuniões. Os estrategistas sabiam que naquele momento ele chamaria o nome dos responsáveis pela missão para passar os detalhes. Podia se ouvir as respirações de toda a equipe, que nervosa cruzavam os dedos para não serem os escolhidos. Frank então apareceu novamente na porta da sala de reuniões, pigarreou e então começou a chamar — Josh Norton. — Josh imediatamente largou a sua xícara de café e caminhou com cara de poucos amigos praguejando o fato de seu nome ter sido o primeiro a ser chamado. Respirando fundo passou por Frank e sentou-se em uma das cadeiras, aguardando os próximos sortudos serem chamados. 

shield-o-futuro asked:

Quem vocês acham que ganharia em uma batalha entre Superman e Batman? ~se a Liga quiser opinar também, são bem-vindos kk~

Adrian: Eu, o Dante, a Olivia e o Spencer achamos que o Clark ganharia.

Gregory: Acho daria uma treta de proporções épicas, mas eu, o Jason, o Jeremy e a Courtney damos uma chance pro Bruce. Ele é um ótimo estrategista.

Michael: Olha, eu prefiro que os dois se estranhem, mas não briguem realmente. Isso ia dar muita dor de cabeça pra todo mundo. Porém, acho que o Bruce não teria chance…

Laura: Também acho que daria muito problema, mas eu ficaria do lado do meu pai.

Clark: Acho que não seria bom nós dois brigarmos.

Bruce: Melhor as coisas ficarem do jeito que estão.

eexponews.com
Gartner indica que IoT vai fomentar novos fornecedores de software

O movimento de deslocar o valor investido em hardwares para aplicar em softwares que utilizam em dispositivos, O Gartner sinaliza que as empresas, dessa forma, desenham uma estratégia de licenciamento classificada como “adequada”. Além disso, com essa prática crescente de tirar um pouco do foco no hardware para intensificar as atenção aos softwares, os estrategistas de fabricação de produtos podem maximizar o potencial dos valores de receita angariados no mercado global. “A IoT está criando um

via: http://eexponews.com/gartner-indica-que-iot-vai-fomentar-novos-fornecedores-de-software_5667226394820608
Nunca deixe o inimigo escolher o campo de batalha nem a hora do confronto. Nunco deixe o inimigo antecipar a força ou a direção do seu ataque. Não o deixe te ver chegando. Ataque inesperadamente.
NUNCA se deixe atrair para uma armadilha. Esse monstro é um estrategista.
Ele ja te forçou a violar metade dos protocolos da guerra… Antes mesmo de te ver no campo de batalha. Isso é guerra.
—  Capitão America.
Bolsas asiáticas fecham em queda; foco passa para temporada de balanços

Por Saikat Chatterjee
HONG KONG (Reuters) - A maioria dos índices acionários asiáticos fechou em queda nesta quinta-feira, em meio à queda dos preços das commodities, mas as perspectivas de crescimento mais forte nos Estados Unidos nos próximos meses fizeram as bolsas da Austrália e do Japão contrariarem a tendência e encerrarem o pregão em alta.
Às 7h43 (horário de Brasília), o índice MSCI que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão recuava 0,32 por cento.
A temporada de resultados corporativos começa na semana que vem e a expectativa é que companhias divulguem números decepcionantes na esteira de indicadores econômicos fracos nos últimos meses, particularmente para o comércio.
A demanda exerna contida deve pesar sobre os resultados corporativos, com estrategistas da CLSA esperando que o crescimento do lucro no primeiro semestre em companhias da China e de Hong Kong seja fraco e que as previsões para o terceiro trimestre não devem ser melhores.
. Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 1,08 por cento, a 20.522 pontos.
. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,49 por cento, a 24.497 pontos.
. Em XANGAI, o índice SSE perdeu 2,20 por cento, a 3.705 pontos.
. Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 0,91 por cento, a 2.019 pontos.
. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 1,03 por cento, a 8.651 pontos.
. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 1,05 por cento, a 3.249 pontos.
. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,81 por cento, a 5.669 pontos.

                “I tried to be a good guy but I failed.”

BASICS

FULL NAME:  Dustin Richard McCarther Jr.

NICKNAME(S):  Dustin, Duzz, McCarther, Ricky

AGE: 21

BIRTHDAY: 12/07/1994

SPECIES: Humano

NATIONALITY:  Americano

GENDER: Masculino

ROMANTIC ORIENTATION: Em construção.

SEXUAL ORIENTATION: Confuso / Aberto a novas opções

RELIGION: Católico

OCCUPATION(S): Traficante, estrategista e negociador de diversos produtos para diversas pessoas.

APPEARANCE

FACECLAIM: Luke Mitchell (younger)

EYE COLOR(S): Azul.

HAIR COLOR(S): Loiro.

DOMINANT HAND: Destro.

HEIGHT: 1,75

WEIGHT: 72 kg

BODY BUILD: Alto, atlético.

PIERCINGS: Nenhum.

SCARS: Existem poucas espalhadas pelo seu corpo, uma próxima às costelas, de uma bala perdida que o atingiu quando tinha 17 anos e o deixou no hospital por algumas semanas, uma pequena quase escondida pela sobrancelha esquerda, marca de uma briga da qual quase não sai inteiro e uma também pequena logo atrás do braço direito, de uma antiga queimadura,

TATTOOS: Uma âncora pequena no pulso direito, um pássaro voando próximo ao ombro esquerdo, e uma última na cintura, do lado direito, não muito grande escrita “Shaja’at”.

BACKGROUND

HOMETOWN:  Chicago

FINANCIAL STATUS:  Classe Média Baixa

EDUCATION LEVEL:  Terminou o colégio, mas nunca entrou numa faculdade.

RELATIONSHIPS

BIRTH ORDER: Filho único.

PARENTS:  Beatrice Sanders McCarther e Richard McCarther

SIBLINGS:  Nenhum.

FAMILY: Nenhuma

SIGNIFICANT OTHER(S): William Parker, Miles Parker, Mario Grant, Reed Gatterbelt.

CHILDREN:  Nenhuma

SIGNIFICANT RELATIONSHIPS: William Parker (Melhor amigo de longa data), Reed Gatterbelt (Amigo e parceiro de vendas e troca de favores), Miles Parker (Afilhado e cúmplice)

ENEMIES: - Frank O’Donnell, Carson Hartcher, e resto da turma deles.

PHOBIAS AND DISEASES

PHOBIA(S): Atiquifobia, ermitofobia, thantofobia, athazagorafobia, aracnofobia.

MENTAL DISEASE(S): Nenhum.

PHYSICAL DISEASE(S): Nenhum.

HANDICAP(S):  Não identificado.

PSYCHOLOGY

SIX POSITIVE TRAITS:  Agitado, amigável, adorável, brincalhão, inteligente e sonhador.

SIX NEGATIVE TRAITS: Neurótico, ciumento, teimoso, trapaceiro, manipulador e egocêntrico.

MISC

HOGWARTS HOUSE: Grifinória.

ZODIAC: Câncer.

ELEMENT: Água.

ANIMAL: Falcão.

RPG CLASS: Arqueiro.

GAME NICKNAME: MrDuztin

FAVORITE MUTATION: Manipulação de probabilidade.

Empresas podem adiar captações após decisão da Standard & Poor's

O eventual rebaixamento da classificação de risco do País já está incluído em boa medida no preço dos ativos brasileiros, mas pode representar uma pá de cal no mercado de capitais, onde as empresas se financiam. As companhias podem ter de adiar algumas emissões de títulos de renda fixa e ficará ainda mais difícil as vendas de papéis de renda variável previstas para o ano.

Profissionais do mercado financeiro olham essa possibilidade com seriedade. Para Vladimir Caramaschi, estrategista-chefe do Crédit Agricole Brasil, o anúncio da S&P surpreendeu no ‘timing’ e reflete o agravamento do cenário político e o fato de o governo ter reconhecido que não poderá entregar um superávit primário das contas públicas mais robusto. A chance de o Brasil perder o grau de investimento por causa da incapacidade de crescer e combater a deterioração fiscal, diz ele, é maior do que a chance de mantê-lo.

“Vivemos uma situação semelhante ao que se viu no sul da Europa, especialmente na Grécia, onde a necessidade de ajuste muito forte e recessivo aprofunda a desaceleração econômica e afeta negativamente o próprio ajuste.” Para Caramashi, a perda do grau de investimento pode ocorrer ainda este ano e pela própria Standard & Poor’s.

A próxima janela de emissões de ações e de renda fixa que se abre com o fim das férias do Hemisfério Norte e após a divulgação dos resultados referentes ao segundo trimestre começa, portanto, a ficar comprometida. Assim, o ajuste fiscal poderá sofrer mais um golpe, já que as ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) previstas são de empresas que têm como sócia a União e foram colocadas à mesa no contexto do ajuste fiscal.

Entre as companhias estão o ressegurador IRB Brasil Re, a subsidiária da Petrobras BR Distribuidora e a Caixa Seguradora, sendo que a última está prevista para ocorrer no fim do ano. No IRB, por exemplo, a oferta, até aqui, está prevista para o fim de setembro e nela o governo prevê reduzir sua participação na companhia de 27,56% para cerca de 10%, afirmam fontes que têm conhecimento no assunto.

Segundo um gestor de recursos, para conseguir atrair investidores, as emissões terão de ter “um grande potencial ou desconto”. Para ele, muitos ativos estão ainda com preços defasados tendo em vista a conjuntura.

Em renda fixa, a situação é a mesma e a percepção de que o segundo semestre seria mais positivo em termos de captações após a primeira metade do ano vai por água abaixo. Comenta-se no mercado que alguns bancos coordenadores podem levar a certas empresas a sugestão para que desistam, por enquanto, de emissões que estavam sendo estruturadas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Empresas podem adiar captações após decisão da Standard & Poor's

O eventual rebaixamento da classificação de risco do País já está incluído em boa medida no preço dos ativos brasileiros, mas pode representar uma pá de cal no mercado de capitais, onde as empresas se financiam. As companhias podem ter de adiar algumas emissões de títulos de renda fixa e ficará ainda mais difícil as vendas de papéis de renda variável previstas para o ano.

Profissionais do mercado financeiro olham essa possibilidade com seriedade. Para Vladimir Caramaschi, estrategista-chefe do Crédit Agricole Brasil, o anúncio da S&P surpreendeu no ‘timing’ e reflete o agravamento do cenário político e o fato de o governo ter reconhecido que não poderá entregar um superávit primário das contas públicas mais robusto. A chance de o Brasil perder o grau de investimento por causa da incapacidade de crescer e combater a deterioração fiscal, diz ele, é maior do que a chance de mantê-lo.

“Vivemos uma situação semelhante ao que se viu no sul da Europa, especialmente na Grécia, onde a necessidade de ajuste muito forte e recessivo aprofunda a desaceleração econômica e afeta negativamente o próprio ajuste.” Para Caramashi, a perda do grau de investimento pode ocorrer ainda este ano e pela própria Standard & Poor’s.

A próxima janela de emissões de ações e de renda fixa que se abre com o fim das férias do Hemisfério Norte e após a divulgação dos resultados referentes ao segundo trimestre começa, portanto, a ficar comprometida. Assim, o ajuste fiscal poderá sofrer mais um golpe, já que as ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) previstas são de empresas que têm como sócia a União e foram colocadas à mesa no contexto do ajuste fiscal.

Entre as companhias estão o ressegurador IRB Brasil Re, a subsidiária da Petrobras BR Distribuidora e a Caixa Seguradora, sendo que a última está prevista para ocorrer no fim do ano. No IRB, por exemplo, a oferta, até aqui, está prevista para o fim de setembro e nela o governo prevê reduzir sua participação na companhia de 27,56% para cerca de 10%, afirmam fontes que têm conhecimento no assunto.

Segundo um gestor de recursos, para conseguir atrair investidores, as emissões terão de ter “um grande potencial ou desconto”. Para ele, muitos ativos estão ainda com preços defasados tendo em vista a conjuntura.

Em renda fixa, a situação é a mesma e a percepção de que o segundo semestre seria mais positivo em termos de captações após a primeira metade do ano vai por água abaixo. Comenta-se no mercado que alguns bancos coordenadores podem levar a certas empresas a sugestão para que desistam, por enquanto, de emissões que estavam sendo estruturadas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Baixa liquidez ajuda Ibovespa a seguir com menor composição desde 2010

Por Paula Arend Laier
SÃO PAULO (Reuters) - O próximo rebalanceamento do Ibovespa deve manter o índice de referência da bolsa paulista com o menor número de ações em sua composição desde 2010, em um ambiente de menor liquidez no mercado acionário local.
De acordo com o estrategista do Citibank, Fernando Siqueira, houve uma diminuição de liquidez nos mercados emergentes em geral, com o movimento no Brasil afetado ainda por perspectivas de crescimento econômico mais fraco e situação política difícil.
“E como o Ibovespa é baseado em liquidez, quando há uma redução a carteira fica mais concentrada”, disse.
A primeira prévia de três para o indicador que irá vigorar a partir de 8 de setembro será divulgada pela BM&FBovespa em 3 de agosto. As outras duas preliminares serão conhecidas em 17 de agosto e 4 de setembro.
Três de cinco avaliações do mercado compiladas pela Reuters estimam que o Ibovespa seguirá com 66 ações - mesmo número da atual carteira, que fica em vigor até 4 de setembro. Das duas restantes, uma prevê aumento para 67 ativos e a outra espera queda para 65 papéis. Este ano começou com 68 ativos.
A última vez que a composição do Ibovespa teve menos ações que o patamar atual foi no quadrimestre iniciado em janeiro de 2010, antes da mudança da metodologia do índice, com 63 ações. Na carteira seguinte, em maio, o número subiu para 66 ativos. Em setembro de 2013, quando a Bovespa anunciou alterações, a carteira somava 73 papéis.
Dados de volume na Bovespa corroboram a percepção sobre menor volume de negócios nos últimos meses.
O giro médio financeiro diário em maio somou 7,2 bilhões de reais, caiu a 6,3 bilhões em junho e em julho, até o dia 27, estava em 5,5 bilhões de reais. A média de negócios enquanto isso caiu de cerca de 946 mil por dia para 800 mil.

CONSTRUTORAS RECUAM E VAREJO CRESCE
Na nova metodologia, que começou a valer integralmente em maio de 2014, a BM&FBovespa passou a considerar além da liquidez o valor de mercado das companhias em circulação no mercado para inclusão no índice, entre outras mudanças. (http://bit.ly/1IryPW1)
Para o Credit Suisse, após a nova metodologia de cálculo do indicador, as alterações na composição do Ibovespa ficaram menos frequentes. A equipe da corretora da casa inclusive avalia que o ajuste no índice deve trazer pouca movimentação ao mercado.
É consenso entre as prévias compiladas que a ação da rede de farmácias Raia Drogasil deve ser incluída no Ibovespa, enquanto a incorporadora Gafisa tende a ser excluída da composição do índice, reduzindo mais uma vez o grupo de empresas do setor imobiliário do indicador. Em janeiro a construtora Rossi deixou de fazer parte da carteira.
Veja as cinco prévias do mercado para movimentações da carteira do Ibovespa compiladas pela Reuters:
ENTRADAS SAÍDAS
Citi Raia Drogasil Gafisa
Equatorial Energia

Itaú BBA Raia Drogasil Gafisa

BTG Pactual Raia Drogasil Gafisa
Equatorial Energia Marcopolo

Credit Suisse Raia Drogasil Gafisa
Equatorial Energia Gol

Morgan Stanley Raia Drogasil Gafisa
Equatorial Energia Gol
Duratex

O pior é que ele sabe de cada artifício meu, e não importa qual jogada eu use, nada é bom o suficiente. Sem querer me gabar, mas eu não tô acostumada com esses caras difíceis, correr atrás de alguém (eu sou bem sedentária, pra ser sincera) ou ser ignorada. Não que eu tenha algum tipo de poder de sedução, mas as pessoas quererem estar comigo sempre foi simples, eu nunca precisei fazer nenhum esforço. E agora vem ele, com toda essa cara de “você é comum” pra mim. Como? Como não tá funcionando? Como assim ele não faz questão de falar comigo? Ele analisa, pára, pensa e atira certeiro no ponto cego. Eu fiz o primeiro movimento jurando que faria o último, mas ele já tinha planejado umas 80 jogadas antes de eu ter feito a primeira. A criatura é um estrategista, como eu. Aliás, bem melhor do que eu. É, parece que eu subestimei esse palhaço frouxo. E parece que ele nunca foi tão frouxo assim.
—  Aleff Tauã.
Queda das a��es na China lembra estouro da bolha da internet, diz estrategista

Uma desacelera��o ampla na economia chinesa elevar� a probabilidade de uma recess�o econ�mica global

Queda das ações na China lembra estouro da bolha da internet, diz estrategista

A forte queda da segunda-feira no mercado de ações da China lembra o padrão visto durante o chamado estouro da bolha das empresas .com, do setor de internet nos Estados Unidos, afirmou nesta terça-feira (hora local) o estrategista-chefe da SMBC Nikko, Chotaro Morita.

Em uma base técnica, os avanços e quedas vistos na China são mais similares àqueles do índice Nasdaq, em 2000, que no caso da bolha no mercado de ações do Japão, no fim dos anos 1980, comparou ele.

Caso essa hipótese se confirme, as ações chinesas devem atingir um piso técnico no próximo mês, seguido por alguns meses de recuperação estável, antes de mais grandes quedas, disse ele. Enquanto as autoridades chinesas devem adotar mais passos para impedir mais declínios, “é possível que a queda no mercado de ações vá continuar”, o que pode resultar em uma recessão econômica na China, na avaliação de Morita.

Uma desaceleração ampla na economia chinesa elevará a probabilidade de uma recessão econômica global, ainda que essa seja uma questão mais provável para 2016 que para este ano, disse o estrategista. Após uma queda de 40% em um mês em 2000, o Nasdaq avançou moderadamente durante os quatro meses seguintes, antes de recuar novamente ao longo dos seis meses seguintes, para um nível 70% abaixo de seu pico. Fonte: Dow Jones Newswires.