estou ficando velha

Devem haver mais coisas bonitas neste mundo. Por exemplo: agora, em minha pele, uma série de mitoses estão ocorrendo. Milhares de células estão morrendo para darem lugar ao nascimento de outras milhares. Neste processo meu corpo perde, aos poucos, algumas de suas capacidades e a velocidade de regeneração diminui. Isso quer dizer que há mais coisas bonitas neste mundo, tipo esse processo que é incrível, mas culmina para o envelhecimento.
Eu descobri que a gente envelhece. Achei triste, depressivo, olho no espelho e choro quase todos os dias. Ser um adulto minimamente funcional é um dos papéis mais difíceis para se interpretar. Tenho tido problemas de saúde física, da mente, da alma. Acordo todos os dias 5:20 da manhã, beijo meu cachorro, vou ao espelho do banheiro e concluo: estou ficando velha.
Isso tudo explica o fato de você ter ido embora dizendo que sou burra e feia. Tá tudo bem. Você só esqueceu de dizer que agora estou burra, feia e velha.
Devem existir coisas mais bonitas no mundo. Tenho andado triste, me sinto sozinha, vejo Elis Regina cantando “Atrás da Porta” e me vem à mente a nítida vontade de desaparecer. Não porque quero que sintam minha falta, mas porque eu não aguento mais chorar. Não era um hábito que eu tinha quando mais nova.
A certeza que eu tenho é que caras legais (e os que não são também) gostam de ter garotas inteligentes e bonitas e psicológica e emocionalmente estáveis ao seu lado. Alguém que valha a pena apresentar aos amigos. Não é o meu caso, é óbvio.

Iraque

não lembro do dia de hoje, nem dos vestígios que me fizeram te ter sempre. há um barulho alto na rua e eu estou com um calor que à quatro horas atrás não existia. estou deitada, acordei com cólica e meu estômago está num nível enjoado alto, não peguei remédio. meu pensamento voa lá no alto quando penso que as coisas deveriam ser diferentes. acho que estou ficando velha. o gosto de sangue na minha boca me faz lembrar coisas absurdas. ontem eu lembrei de um amigo meu e ainda escrevi para ele. não sei se ele está vivo. me arde o peito de pensar que não. o note está com o bloco de notas aberto com um conto que não terminei. já tirei metade da minha roupa e fico encarando minha calcinha azul e imagino como seria se eu fosse magra. tudo está diferente agora. não entendo mais os meus sentimentos e tento dizer que vai dar tudo certo mas o medo me cerca e quem me assegura que vai dar? os tiros da rua de trás me fazem pensar que eu realmente não entendo do mundo. tenho medo de ficar depende dos outros. já não sou a mesma pessoa de semana passada. acho que piorei. talvez amanhã tudo se resolva. amanhã. sempre o amanhã.

Enfim, a vida está me obrigando a viver. Ela está me jogando fora da minha cama e gritando: viva, viva sua vida! Acho que mesmo que você se esconda dentro do armário, a vida irá te achar. Não podemos e não conseguimos nos acomodar por muito tempo. Eu acho isso uma droga. Adoro minha cama e meu gato esquentando meus pés, mas acabou. Estou ficando velha e notando o que eu sou e o que eu consegui conquistar: nada. Se você não conquistou nada na vida, você ainda pode ser alguém. Se você é um nada na vida, você ainda pode conquistar algo. Agora, se você é um nada e não conquistou nada, bom, nesse caso a vida vai te obrigar a viver, querendo ou não. Eu não quero. Droga!
—  Sonhavam