esssa

Não tem jeito! Para eles conforto e praticidade são fundamentais em um jeans!! Esssa bermuda black com lavagem amaciada é perfeita e ainda deixa o look lindo!
Marketing: @mkt_lamode
#jeans #jeanswear #fashion #style #stylish #beauty #beautiful #model #outfit #ootd #outfitoftheday #lookoftheday #fashiongram #currentlywearing #lookbook #ootdshare #outfit #clothes #wiw #mylook #fashionista #todayimwearing #instastyle #instafashion #outfitpost #fashionpost #fashiondiaries by mkt_lamode http://ift.tt/1Dlmmw6

Tomboy

Hoje aconteceu na UFSCPA o primeiro encontro do curso de extensão gênero, saúde & cinema. O curso se propõem a exibir filmes que tratem de assuntos ligados a sexualidade na infância e adolescência, diversidade sexual, relação entre sexo e gênero, enfim, a temática do corpo, gênero e sexualidade. O curso é gratuito e após a exibição dos filmes há um debate com um profissional que se encaixe no tema principal que o filme da semana aborda.

Esssa semana foi exibido o filme Tomboy, filme francês de 2011 dirigido por Céline Sciamma. Tomboy, para quem não sabe, é “moleque”, “maria-rapaz”, “maria joão”. O filme conta a história de  Laure, uma menina de cabelo curitinho, que usa “roupas para garotos” e se apresenta para os amigos como Mickael (em segredo dos pais). Vale uma breve introdução:

“O filme trata da história de uma menina de dez anos, Laure (Zoé Héran), que tem comportamentos e maneiras de se vestir tipicamente relacionadas ao gênero masculino. A mãe de Laure está em período final de gestação, o pai é bastante atencioso, apesar de trabalhar fora o dia inteiro, e a irmã menor, Jeanne (Malon Levana), é um vórtex de animação e carinho para com Laure.O enredo inicia quando a família muda-se para um novo condomínio em uma nova cidade. Logo nos primeiros dias, Laure decide sair do seu apartamento para conhecer o condomínio e os novos vizinhos. Nesse momento conhece Lisa (Jeanne Disson), uma menina do bloco ao lado, para quem se apresenta como Mickael. Neste momento do filme, o nome da protagonista não havia sido pronunciado nenhuma vez, o que deixa o espectador com a dúvida se, de fato, Laure é do sexo feminino ou do sexo masculino.

O filme trata de maneiras doce (e com alguns momentos que nos deixam bastante angustiados) do tabu dos gêneros, das crianças trans, ou seja, aqueles que não se identificam com a construção social que foi designada ao seu sexo biológico. Laure mantém seu sexo biológico em segredo durante todo o filme até que sua mãe descubra e a leve (de vestido) na porta de todos os amigos para contar “a verdade”.

Durante o debate depois da exibição do filme, ficou claro que esta “verdade” pode ser muito questionada. A palestrante comentou em um momento que, em sua pesquisa do doutrado, muitos entrevistados trans contaram como era desgradável a pergunta “mas você tem cirugia?!?! tem ou não tem?!?!”. “Te interessa?!” - disse a palestrante. Ou seja, se uma pessoa não se identifica com seu sexo biológico, por que cabe a ela apresentar-se como menino ou menina? “Por que não vivemos todos simplesmente como pessoas?”. 

Chega a ser ridículo eu tratando um assunto desta complexidade em um texto tão curto e direto, mas quero apenas apresentar um pouco do que foi debatido durante a palestra e como o filme Tomboy mostra que falta um visão mais mente aberta e liberal no “nosso mundo binário”.

O filme trata muito da violência psicológica que é feita com as pessoas trans. Em determinado momento do filme, temos a impressão de que Mickael vai apanhar dos amigos, mas isso não acontece. Eles apenas fazem perguntas, estão curiosos para entender o que acontece com ele, mas isso de maneira brutal, através de violência psicológica, claramente o colocando como um “ser diferente”.

Mas é interessante perceber algumas personagens, como Lisa, a sua grande amiga no filme. Lisa fica chateada ao descobrir que Mickael “é na verdade uma garota”, Laure. Mas fica claro que Lisa fica muito mais chateada com o fato de Mickael ter mentido para ela do que o fato de ele ter escondido seu sexo biológico. Lisa fica meio “tá, mas por que você não me contou, nós somos amigos!!”. Ou seja, me fez parecer ser criado um tabu tão grande em cima de algo que talvez para crianças, que ainda não estão tão formadas binariamente no mundo como os adultos, não seja algo tão “horrível”, apenas algo novo. Por isso se reforçou durante todo o debate a necessidade de uma educação sexual desde o início da escola, para que esse estranhamento fosse se tornando cada vez algo mais aceitável!

A personagem que certamente chama mais atenção é a irmã mais nova de Mickael, Jeanne:

“Jeanne, irmã menor, aparentemente infantil se mostra a personagem mais madura de todo o filme. Ao descobrir a mentira da irmã, mostra-se confusa por querer contar à mãe, mas prudentemente espera para conversar primeiro com Laure. Após algumas barganhas de Laure (“Se você não contar para a mãe eu te levo todos os dias para brincar junto com a gente”), Jeanne decide não contar e dar suporte para a irmã. Claro que a barganha indica que, sim, Jeanne é uma criança, mas acima de tudo, mostra o grau de pureza da menina ao não enxergar grandes problemas no fato de Laure ser “Mickael” (ou o contrário). Jeanne, quando a verdade vem à tona, se mostra madura o suficiente para estar do lado da irmã, lhe dando atenção e carinho, quando até mesmo a mãe a havia feito passar por uma situação de exposição. Livre de estruturas mais rígidas, Jeanne é o exemplo de como deveríamos lidar com os seres humanos, seus desejos, seus anseios e suas limitações.”

O papel da irmãzinha Jeanne foi muito comentado durante a palestra. Jeanne representa a “mente limpa”, aberta e “inocente” de uma criança. Ela não viu em momento nenhum problema em sua irmã se vestir diferente do padrão ou em andar apenas com meninos. Quando ela ouviu outra pessoa chamando sua irmã Laure de Mickael, ela apenas ficou confusa. Ela não achou aquilo um problema. Para ela, tanto Laure quanto Mickael são a mesma pessoa e tem o mesmo coração do parente que ela ama. 

______

Estou tratando a questão de gênero no meu TCC da faculdade e estas questões são tão complexas e estão tão longes de deixar de serem tabus que eu fico até chateada só de pensar na amplitude do assunto!! Como disse a palestrante, aqueles que estudam gênero e sexualidade estão longe de estarem dizendo verdades absolutas, mas sim, estão se esforçando para dar visibilidade ao assunto. Por isso, todos estavam muito felizes de ver o curso com auditório lotado para assistir ao filme!

O povo já não gostava agora que não vai gostar mesmooooooo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk seguraaaaaa esssa seus merda 😂😂😂😂😂✌💤💥