esfrega

youtube

PORRA DJ! PORRA DJ Cah Silveira RELOADED! PORRA TEASE 2012, Funk Glamour? Ai, mas é muito glamour… assim você me mata, DE VERGONHA PORRA!

PORRA DJs! Depois do último post, muita gente ficou curiosa para conferir a “performance” da DJ, então confere aê PORRA!

E eu tô que tô e tô que tô… Mas não precisa de HOMI prá PORRA nenhuma não viu? PORRA! Só pro strip esfrééguis no palco, PORRA! PORRA DJ!

PORRA! Sinceramente, meio lamentável, quer dizer, totalmente lamentável, mesmo. Mas… cada um ganha a vida como pode né? PORRA!

Via vídeo publicado no YouTube de djcahsilveira

Postado por @porradj.

Hora da Piada: Esfrega, Esfrega, Esfrega

Um vendedor de sabão em pó vai fazer uma demonstração em domicílio:
- Boa tarde, minha senhora. Estamos lançando uma nova marca de sabão em pó, e eu gostaria de fazer uma demonstração. A senhora me permite?

- Sim, claro. Por favor, entre e venha ate o tanque.

- Com licença. Veja esta camisa: a senhora põe um pouquinho do nosso sabão, esfrega, esfrega, esfrega! Que cheirinho gostoso! Sinta só (e coloca a camisa próxima do nariz dela).

- Realmente, ficou muito cheirosa….

- Agora essa calça de seu marido: põe-se um pouquinho de sabão, esfrega, esfrega, esfrega e hum! Que cheirinho gostoso!

Não contente,o vendedor continua:
- E essa calcinha da senhora: Um pouco de sabão, esfrega, esfrega… Hum! Esfrega, esfrega, esfrega… Ahn! Esfrega, esfrega, esfrega…

Quero ficar no teu corpo
Feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem

E também pra me perpetuar
Em tua escrava
Que você pega, esfrega
Nega, mas não lava

Quero brincar no teu corpo
Feito bailarina
Que logo te alucina
Salta e se ilumina
Quando a noite vem

E nos músculos exaustos
Do teu braço
Repousar frouxa, farta
Murcha, morta de cansaço

Quero pesar feito cruz
Nas tuas costas
Que te retalha em postas
Mas no fundo gostas
Quando a noite vem

Quero ser a cicatriz
Risonha e corrosiva
Marcada a frio
Ferro e fogo
Em carne viva

Corações de mãe, arpões
Sereias e serpentes
Que te rabiscam
O corpo todo
Mas não sentes

—  Tatuagem-Chico Buarque de Hollanda

Ele vai sair correndo do quarto e te acordar. Vai subir na nossa cama e te sacudir até que levante e faça o suco dele. Tão crescido, mas ainda tão dependente. Parecerá ter sido ontem que ainda falávamos do nosso filho como um sonho distante. E eu que dei o nome a ele. Você não concordou muito, mas no final até que gostou. Em pé na cozinha num sábado de manhã, sei que não pensará em trocar aquele afazer por mais cinco minutos de sono.

Nosso menino é quem estará puxando a barra do short do seu pijama e sorrindo enquanto esfrega os olhos. Aquela cena valerá tudo. Você irá se virar pra geladeira pra pegar queijo e presunto para fazer um sanduíche e refletirá, diante de chambinhos, chandelles, yakults e toddynhos, que toda a mudança foi muito rápida. Poderá ter levado uns bons sete anos, mas sempre parecerá que foram sete dias.

Voltará na sala para arrumar a mesa e se pegará olhando pra porta do quarto. Pensará que eu podia ter acordado também, mas meu sono (desde) sempre foi mais pesado que o seu. Ah, e o seu sanduíche é bem melhor que o meu. Nosso filho já terá descoberto isso e, por isso, te atacará nessas manhãs. E quando qualquer um demorar a levantar, aí sim, ele lançará uma bomba atômica de pulos bem no meio da nossa cama.

Não haverá quem consiga dormir, né?

Depois de colocá-lo sentado pra tomar café, você se pegará olhando pros porta-retratos. Já te vejo refazendo a trajetória completa da nossa vida nas fotos que insistirão em denunciar que somos felizes. Engraçado, mas porta-retratos sempre soam como pedantes, portadores de uma felicidade que se perdeu no tempo e não voltará. Bobagem.

Essa felicidade estará sempre por aqui, encrostada nas paredes, misturada ao cheiro da roupa limpa e visível nos olhares, que levaremos daqui pro mundo. Da nossa casa para outros olhares. Nosso amor multiplicado. E é o jeito que ele vai te olhar enquanto come aquele sanduíche. É o jeito que ele vai se levantar depois e dizer “obrigado, mamãe”. É o jeito que realizaremos tudo isso que sonhamos e planejamos um dia.

Acontecendo bem diante dos nossos olhos desde o dia em que eu te disse “vem?” e você me disse “vou “.


Via- amor-seemfim

O Felipe Caneca (Parte 2) - Você Me Faz Viver

O que é o amor? Amigos dizem “eu te amo”? Sim, eles dizem. Sabe aquela pessoa que você sabe que pode contar para qualquer coisa? Essa é Amarylis. Eu a amo! Pelo menos isso é o que Felipe diria se você perguntasse “O que você acha da Amarylis Caneca?”. E de todo não estaria mentindo, era sua melhor amiga no colégio e em todas as horas. Tantas vezes que o Felipe contou com ela, eles passavam horas conversando sobre conselhos. Preferia pedir dicas de relacionamento a ela, apesar dele nunca ter beijado antes.

Uma vez ele tentou perguntar ao seu pai Porthos como era….você sabe, mas a explicação foi meio confusa. Ele disse. “Olha, filho, sabe quando existem dois bifes e você esfrega eles com força? A carne esquenta e enruga, mas fica macia e mais saborosa para fritar. Então, outro dia eu encontrei uma pedra roxa no quintal e perguntei se deveria guardá-la em nossa coleção, mas lembrei que você está no campeonato de xadrez e não fez a lição de casa hoje, o que está esperando?”

Ok! Nunca ia saber o que era um oba-oba pelo velho Porthos. Era para isso que existia a “Mariles” (como ele costumaria chamá-la se ela REALMENTE se chamasse Amarylis). Ela, na verdade era bem avançada com relação a isso, não era virgem e possuía um namorado. Alfredo Gentil.

Vamos chamá-lo de Alfie, todos chamam assim! Era um homem forte e de certa forma bem precoce para sua idade, tinha 16 anos mas sua expressão daria pelo menos uns 22. Alfie era sério e dedicado nos estudos, talvez por ser pobre dava valor ao seu futuro, o que contrariava o Felipe, que apesar de ser um gênio não ganhou a medalha de melhor aluno por conta dele. Felipe sentia ciúmes dele com a Amarylis, Não necessariamente por ela. Ele….

…era apaixonado pelo Alfie. Borboletas reviravam seu estômago sempre que o via mas ele nunca contaria para a amiga (não vou chamá-la de tia).

Uma vez que Amarylis o trouxe para casa, Alfie contou sua história. Estudava para a academia de polícia de Willow Creek e para isso vivia se exercitando. Ele amou o fato de saber que Felipe tinha uma academia só dele, mas amou mais ainda quando Felipe lhe disse que podia vir treinar em casa sempre que quisesse. Era uma troca de favores, ele os ajudava nos estudos e podia frequentar a academia de casa.

Fala sério! Você não acha que isso tá indo longe demais não? É muito errado furar o olho da amiga, ainda mais quando ela é sua tia, por isso mesmo que Felipe decidiu ficar bem afastado de Alfie quando ele estivesse por lá, isso deveria dar certo, mas ele em sua bondade (claro!) ia sempre dar uma subidinha para bater um papo.

Alfie lhe agradeceu. Segurou sua mão e disse “Felipe, valeu, cara! Não sei o que seria sem você!” Felipe tinha sorte do amigo ser hétero…

(CONTINUA)

Quando ela sorri ela meio que fecha os olhos. Morde os lábios pra tentar seduzir. Tem um lado doce que encanta e um lado de mulher que provoca, instiga e me faz ir além com um simples abraço e um beijo bem dado. Ela me bagunça com os carinhos inesperados. Mexe no meu cabelo e faz cafuné do jeito que eu gosto. Ela gosta de chegar de mansinho. De deitar no meu peito e logo em seguida subir pra barba. Se esfrega, se entrega e se torna minha de novo. A nossa sintonia é tão grande que não precisa palavras pra dizer o que estamos sentindo no momento. Ela se entrega como das outras vezes e nos permitimos ser quem somos. Sem forçar nada. Ela tem brilho nos olhos e me confessa que gosta tanto de mim que eu nem imagino o quanto. Eu retruco com um beijo seguido de mordida. Não sei ao certo o que quer de mim mas prometi fazer o possível pra que tudo se acerte e que a gente continue levando adiante esse nosso caso mal contado. Que não nos falte força para prosseguir baby! Que os seus sorrisos continuem iluminando as minhas manhãs! Que o teu gostar continue me elevando e que a nossa vida a partir de agora aconteça como a gente espera. De todas as coisas boas que me aconteceram nessa vida, você foi a melhor. Que seja como um mantra repetido incansavelmente: Viver bem ao lado de quem a gente gosta. E ponto.   - Rogério Oliveira

A MÃO REVOGA PROMESSAS. - Migueljaco

"A poesia não precisa ter um norte, ao contrário de uma redação, ela se basta por suas obscuridades",
MJ.

Me perder é impossível,
Já faço parte de você,
Te amar é meu prestígio,
Vamos juntos envelhecer.

A mão revoga promessas,
Mas logo contrata outras,
E os teus olhos padecem,
Dum sofrimento as soltas.

Se o amor vira doença,
O mando para inferno,
Não padeço de demência,
O meu amar é moderno.

O amor é intrometido,
Promete mas não entrega,
Nos rouba o bom sentido,
Para nos dar uma esfrega.

À Tv não tenho apego,
Gosto mesmo do silêncio,
Não idolatro chamego,
A solidão eu já venço.

Eu sinto o teu beijo quente,
Salivado ao meu gosto,
Pois avermelha meu rosto,
Recebo-o com muito gosto.

Na tormenta do mosquito,
Entrava quem bem queria,
Lacrau piolho de cobra,
E a pulga se divertia.

Vai rebolar este gato,
Pra desfazer o mau feito,
Pois ele fora flagrado,
Com a gata do prefeito.

Para mim ficastes bela,
Despida da peça intima,
Pobreza não trás mazelas,
Pode optar por ser Índia.

Sou do tempo que a vida,
Era um suspiro divino,
E o fato de ser cretino,
Redundava em feridas.

Enviado por Miguel Jacó em 28/03/2015
Código do texto: T5186107 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas. http://dlvr.it/98ZM8K

Me assustei com quão frágil ainda sou.
Te ligar agora e te falar tudo que venho guardando nesses dias agonizantes, destruiria a armadura que levei anos pra construir.
Como é bizarro isso!
Você passa a vida se poupando, evitando, e daí o diabo vem, atrapalha tudo, vira tudo do avesso e te esfrega na cara que não adiantou nada esconder o coração pro mundo não reparar.
Meu coração tá exposto.
Meu coração é uma carne no vidro do açougue.
Antes fosse picanha. Não é. E você sabe.
Você desdenha disso tudo, faz pouco caso. Age com indiferença. Não come carne, finge não gostar. Ou realmente não gosta?
Nunca saberei!
Uma ligação sua hoje, mudaria os rumos da minha vida.
Eu te deixaria sem rumo. Eu te daria um rumo. Você nunca teve isso. Você não faz ideia do que é isso.
Por que entrou nesse açougue se não come carne?

Annelise W.

O calor da sua boca fazia ronda no meu corpo me percorrendo do ponto à ponta, o teu hálito querente ascendia no meu pescoço até alcançar o rosto como um sopro ardiloso ao longo dos pêlos em riste, eu me sentia então mais lasciva a lânguida saliva… que você. Esfrega com a língua, Entorpecida, ainda ereta, Espalhando seu gosto distraída desde o ombro até o umbigo seus lábios lúbricos me escalam os seios… Arrebatando meus excitados anseios seus dentes me tatuam, por fim: Antes as costas… depois o ventre, E eu me abro: Saio de mim para que outro beijo me entre.

Você e o meu hoje.
Eu hoje  sou de você.

Hoje eu sou mais você, temos uma historia de amor meu amor uma trajetória de vida.

Não fugimos a regra somos como as pessoas que nos cercam.
Aprendemos o cercado com elas.

Gritamos podemos sentir grito penetrar em nossas almas.

Aprendemos com a nossa fúria insana.

Podemos sentir cada minuto de nossa existência, os nossos sentimentos.

Aflorando arrepiando a pele fulminando as nossas almas, ao mesmo tempo o nosso corpos formigando, se querendo.

Hoje eu sou mais você… Hoje eu sou de você… Hoje eu sou mais você.

Hoje você e para mim, a doce cura, a minha doce erva, que se esfrega no meu corpo e me cura.
Jamais vi tamanha doçura, como podes amar esta alma insana.

Hoje eu sou mais você… Hoje eu sou de você… Hoje eu sou mais você.
Você e o meu hoje.
Hoje eu sou de você.
Emanuel Rezende de Carvalho
16/03/2015

Quero ficar no teu corpo
Feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem

E também pra me perpetuar
Em tua escrava
Que você pega, esfrega
Nega, mas não lava

Quero brincar no teu corpo
Feito bailarina
Que logo te alucina
Salta e se ilumina
Quando a noite vem

—  Tatuagem

Quero ficar no teu corpo
Feito tatuagem
Que é pra te dar coragem
Pra seguir viagem
Quando a noite vem
E também pra me perpetuar
Em tua escrava
Que você pega, esfrega
Nega, mas não lava
Quero brincar no teu corpo
Feito bailarina
Que logo te alucina
Salta e se ilumina
Quando a noite vem
E nos músculos exaustos
Do teu braço
Repousar frouxa, farta
Murcha, morta de cansaço
Quero pesar feito cruz
Nas tuas costas
Que te retalha em postas
Mas no fundo gostas
Quando a noite vem
Quero ser a cicatriz
Risonha e corrosiva
Marcada a frio
Ferro e fogo
Em carne viva
Corações de mãe, arpões
Sereias e serpentes
Que te rabiscam
O corpo todo

Mas não sentes