entrando

Jugando en SAI terminé haciendo a la hija de Valkyon y mi guardiana de .es~

Su nombre es Kyara. Siendo hija de una pareja de Obsidiana todos esperarían que formara parte de esa guardia junto a sus padres, pero debido a la sobreproteccion de estos, creció ignorante de los peligros de las afueras de Eel y termino entrando a la guardia con menos posibilidades de tener batallas de cuerpo a cuerpo: Absenta.

En resumen: es una Floppy 2.0

Golpe de Sorte

- Jung Hoseok/J-Hope

- Smut

N/A: Aqui está o primeiro Smut da série ‘‘Primeira vez com o BTS’‘ ^^ Para quem não sabe, eu e a ChimChim vamos fazer Smuts sobre a sua primeira vez com cada membro do Bangtan. Uma coisa bem simples, mas que nós nunca havíamos feito haha. Espero que gostem!

Originally posted by btsumari

-Parece que elas cuidam de toda a cidade, como pequenas guardiãs… – Falei, deitada na grama com meu namorado, J-Hope. Hope sorriu e me colocou um pouco mais próxima dele.

-Assim como eu sou o seu guardião, não é? – Dei uma risada curta e assenti, enfiando meu rosto em seu peito. – Sabe o que deveríamos fazer hoje? É uma noite tão especial, poderíamos torná-la mais importante ainda.

-Do que está falando?

-Vamos para dentro do carro, Babe. Está ficando tarde e ambos temos que trabalhar amanhã. – Assenti e nós nos levantamos, entrando no automóvel e olhando para as estrelas pelas janelas.

Estava tão perdida em meus próprios pensamentos que nem notei a mão quente de Hoseok em minha coxa, se aproximando muito de uma área que nunca havia sido tocada por outra pessoa. Olhei imediatamente para ele, tentando ignorar as batidas tão rápidas do meu coração que pareciam marteladas.

-O que foi? – Perguntou ele, olhando para as estrelas pela janela, agindo como se nada daquilo estivesse acontecendo. Para mim, tudo isso era muito novo e J-Hope sabia. Sabia que eu era uma virgem.

-O que foi? Você está fazendo isso de propósito, Hoseok? – Perguntei, rindo e tentando afastar sua mão da minha perna, mas o menino resistia. Seus olhos encontraram os meus e percebi que ele estava segurando ao máximo sua risada.

-Eu sei que você também quer… – J-Hope disse de repente, se tornando mais sério. – Não precisa ter medo, juro não te machucar. – Ele disse, se aproximando de mim até que seus lábios ficassem muito perto dos meus.

-Você tem certeza disso? Eu posso fazer alguma coisa errada e-

-Eu vou ir liderando tudo e você pode ir se sentindo mais confortável com as coisas, tudo bem? – Assenti e senti os lábios macios de Hoseok tocarem os meus, lenta e intensamente. Por um momento, quando fechei meus olhos, parecia que estava em outro mundo.

Senti a mão de J-Hope subindo um pouco mais pela minha coxa por cima da calça. Logo, seus dedos tocaram de leve a minha intimidade ainda coberta. Um pequeno suspiro deixou minha boca, o que o fez sorrir e aprofundar mais ainda o beijo. Então, sua mão desabotoou meu jeans.

Alguns segundos depois, senti aquele contato que mandou arrepios pelo meu corpo todo.

Sua mão estava dentro da minha calça, massageando minha intimidade por cima da calcinha. Hoseok continuou fazendo isso até que finalmente um gemido mais alto deixou meus lábios. Então o menino afastou sua mão, levando-a até sua boca, umedecendo seus dedos, colocou a roupa íntima para o lado e prosseguiu com os movimentos circulares até que eu estivesse molhada o suficiente.

-Se doer me avise. – Ele disse com seus lábios roçando nos meus. Um pequeno sorriso surgiu em meu rosto e J-Hope pareceu ficar um pouco confuso.

-Sou virgem, não inocente. – Falei, sorrindo de forma maliciosa. Hoseok pareceu ter pego o que eu quis dizer e enfiou logo de cara dois dedos dentro de mim. Arqueei de leve as costas, fechando os olhos e mordendo os lábios. J-Hope começou a beijar meu pescoço, claramente deixando uma ou duas marcas ali e usando bastante sua língua.

Minha respiração estava acelerada e meu coração também. Segurei seu braço com força, me preparando para o que estava por vir. Eu já sentia crescendo aquela sensação cada vez mais rápido. Sempre fui boa em segurar meus gemidos quando estava sozinha em meu quarto, mas com alguém fazendo isso por mim e ainda me estimulando em outros lugares… Parecia impossível não fazer som algum.

J-Hope parou do nada, sem aviso nenhum. Meu corpo se contorceu um pouco por conta própria, talvez por ter sido deixado tão de repente. Meus olhos se abriram e vi Hoseok sorrindo, limpando seus dedos em sua boca antes de ligar o carro.

-O que está fazendo? – Perguntei, ainda um pouco zonza.

-Foi um sacrifício ter que parar do nada, mas se eu te visse atingir o orgasmo, não iria conseguir sair daqui sem ter tirado a sua virgindade. E aposto que não quer perder ela dentro de um carro, não é? – O garoto piscou para mim, sorrindo e nos tirando dali.

Tive que ir o caminho todo de volta com as pernas firmemente pressionadas uma conta a outra, caso contrário não conseguiria não pular no colo de Hoseok e terminar aquilo logo. Pelo volume em sua calça e o jeito como apertava o volante, estava na mesma situação que eu. A música que tocava ainda não nos ajudava em nada.

Assim que estacionamos na garagem do prédio, nos apressamos para o elevador e a brincadeira começou ali mesmo. J-Hope me pressionou contra a parede do elevador, atacando minha boca com a sua, não hesitando em usar sua língua de uma maneira que me deixava maluca.

Subi minhas mãos pelas suas costas, sentindo-o se tensionar os músculos, mas logo relaxá-los. O elevador se abriu e nós saímos mais apressados do que nunca, quase correndo em direção ao apartamento. Hoseok me agarrou pela cintura, colocando-me mais próxima dele enquanto abria a porta.

Eu estava com medo. De tantas as sensações que me tomavam por completo agora, uma das mais presentes era o medo. Eu estava muito perto de perder a minha virgindade, coisa que pensei que fosse demorar anos para acontecer.

Assim que entramos, Hoseok me puxou pela mão delicadamente até o quarto, deitando-me na cama logo em seguida. Ele parecia ter se acalmado um pouco, mas pelo seu olhar, não. O menino estava me desejando mais do que jamais desejou.

-Vou ir com calma apenas porque é sua primeira vez, tudo bem? – Ele disse, sorrindo de leve e tirando o cabelo do meu rosto. Hope se aproximou do meu ouvido, colocando uma de suas mãos em minhas costas. – Mas pode ter certeza de que nas próximas vezes você vai ter dificuldades para se levantar da cama e a vizinhança toda vai saber quem eu sou.

-Seja gentil, mas ainda sim, quero que me deixe destruída, J-Hope. – Sussurrei contra os lábios do menino, que sorriu e deu uma risada leve e mais grossa.

-Tem certeza? – Assenti e ele beijou meu pescoço devagar, subindo e descendo a mão em minhas costas. Eu já sentia a umidade entre minhas pernas ficar maior a cada segundo que se passava.

Hoseok fazia minhas costas se erguerem ás vezes, fazendo nossas intimidades se tocarem. Respirei pesadamente, colocando minhas mãos em seus cabelos. Logo, o menino se afastou e tirou minha camisa, beijando o topo do meu seio, ainda sem tirar meu sutiã. Para meu azar, eu estava usando uma peça nem um pouco sexy, já que não tive muito tempo de me arrumar.

J-Hope deu uma risadinha ao ver meu rosto corando, então rapidamente tirou meu sutiã. Antes de continuar, ele ficou encarando meus seios, depois olhou-me nos olhos e sorriu.

-Eles são lindos… – Segundos depois, senti uma de suas mãos apertando meu seio direito enquanto sua boca trabalhava no esquerdo. Ele ficou um bom tempo naquele local, alternando entre sua mão e sua língua. Eu já estava molhada o suficiente para encher uma piscina, sinceramente.

-J-Hope, por favor… – O menino assentiu e desceu dando leves mordidinhas em minha barriga e cintura até o zíper da minha calça.

Mas antes de fazer qualquer coisa, ele se sentou e tirou a sua camisa e o cinto da sua calça. Depois arrumou seu cabelo, o jogando para trás e eu pude ver que já havia algumas gotas de suor em sua testa.

A noite estava quente e nós estávamos muito perto de esquentá-la ainda mais.

Respirei fundo, não acreditando que aquele homem era meu e somente meu. Era uma sensação tão boa pensar isso… Hoseok me viu encarando-o daquele jeito e sorriu um pouco, coçando sua nuca e me deitando de novo entre minhas pernas.

-Você mal pode esperar por isso, não é? – Assenti, mordendo os lábios. J-Hope se apressou em tirar meu jeans e colocou minhas pernas em seu ombros, aproximando muito sua boca da minha intimidade.

Ele começou exatamente do jeito que imaginei que fosse começar. Beijando as partes de dentro da minha coxa, usando excessivamente a língua. Com suas mãos segurando firmemente minhas costas, finalmente sua boca encontrou minha intimidade.

Arqueei minhas costas, aquele contato era melhor do que jamais imaginei em toda a vida. E ele sabia como fazer aquilo perfeitamente. Hoseok acelerava os movimentos e diminuía-os do nada, me fazendo gemer mais do que pensei. As suas mãos apertavam minha bunda enquanto ele trabalhava na minha intimidade.

Meus músculos contraíram e minhas pernas se chocaram contra as laterais da cabeça de J-Hope. Arqueei minhas costas e fiz minhas unhas encravarem nas costas de Hoseok, gemendo alto demais. Minha respiração estava muito pesada e quando meus olhos encontraram os do menino, pude ver que ele se encontrava tão suado quanto eu.

Ele se sentou e virou um pouco as costas para mim e pude ver as marcas enormes que causei, ficando com um pouco de vergonha daquilo.

-Me desculpe… Te machucou? – Falei, sentindo o rosto corando. J-Hope riu de leve e colocou seu corpo sobre o meu, beijando-me lentamente.

-Eu realmente não me importo se você arranhar minhas costas desse jeito, sei que precisa de um lugar para se segurar quando chega no seu máximo. E me sinto melhor ainda sabendo que sou eu quem faz você atingir o ápice com toda essa… Força. – Ele deu uma risadinha e passou a mão pelo meu corpo, olhando-me profundamente. – Tem certeza de que quer fazer isso?

-Quantas vezes eu vou precisar dizer que sim?

-Eu só estou perguntando porque pode ser que vo-

-SIM, J-HOPE, EU QUERO QUE VOCÊ ME FODA ATÉ EU NÃO TER MAIS VOZ PARA GRITAR SEU NOME. – Falei em alto e bom tom, o que J-Hope rir um pouco, ainda de maneira sexy.

-Tudo bem, você que manda – O garoto sentou-se ao meu lado e começou a desabotoar a sua calça, mas imediatamente, quase que involuntariamente, coloquei minha mão sobre a dele. – Você quer fazer isso por mim? – Assenti, me sentando e o fazendo deitar.

-Se eu fizer qualquer coisa de errado, por favor, me diga, não quero estragar isso. – Falei, continuando a tirar a sua calça com cautela. Assim que vi o volume que sua roupa íntima estava escondendo, a excitação cresceu talvez até demais dentro de mim.

Fiz o que consegui lembrar dos vários vídeos que havia visto na internet nos meus momentos íntimos. Distribuí beijos ainda por cima da sua boxer, tirando-a sem muita pressa, evitando fazer algo errado. Não hesitei tanto quanto pensei que fosse hesitar para começar a trabalhar em Hoseok.

Fui indo aos poucos, mas consegui fazer J-Hope, aparentemente, ver estrelas. Óbvio que em alguns momentos cometi alguns erros, um deles era um que eu já sabia que iria acabar cometendo. Engasgar. Hoseok apenas dava uma risadinha leve, mas logo me ajudava a continuar.

J-Hope alcançou seu máximo mais rápido do que eu esperava, a sua voz rouca me lançou arrepios que não consigo nem descrever. Em um movimento ágil, Hoseok se colocou sobre mim e pegou a proteção que havia dentro da gaveta. Eu sabia que ela estava ali há alguns meses, ele provavelmente esteve planejando esta noite há dias.

Ele colocou a proteção e eu senti uma gota de suor escorrendo pela minha testa. Minha respiração estava pesada e meu corpo pesava de cansaço.

-Pronta? – Perguntou J-Hope, se colocando entre minhas pernas. Assenti, segurando em seus ombros e fechando os olhos.

Antes que eu pudesse fazer qualquer coisa, senti uma pressão ser aplicada na minha intimidade. Apesar de não doer tanto assim, ainda sim doía e me fazia um pouco desconfortável. Hoseok do nada parou, seus olhos encontraram os meus.

-Tudo bem… Agora vou ir muito devagar, pode me arranhar o quanto quiser. – Assenti, sorrindo um pouco e tentando afastar um fio de cabelo que estava grudado na minha testa. J-Hope começou a se mover muito devagar e aquilo machucava.

Depois de alguns minutos, ele aumentou a velocidade e eu já não sentia mais dor. Estava bom, a dor estava sendo substituída pelo prazer. Ambos gemíamos de leve, o rosto de J-Hope pressionado contra o meu pescoço me dava arrepios demais.

-Hoseok… Acho que você já pode ir mais rápido – Falei, um pouco sem ar. – Não estou sentindo tanta dor.

O menino assentiu e aumentou a velocidade, agora fazendo nossos corpos se chocarem. O som das nossas peles batendo era excitante. Jung continuou a aumentar a velocidade gradualmente e nossos gemidos acompanharam. Logo, estávamos mais barulhentos – mas não a ponto dos vizinhos escutarem – e sentia meu ápice chegando mais uma vez.

Não demorou muito para ele atingir o orgasmo antes de mim, mas eu ainda não tinha conseguido. Hoseok, apesar de também estar cansado, não parou até que ambos estivéssemos chegado.

Gritei seu nome alto, sentindo todo meu corpo amolecer e minha respiração pesar. Hoseok se deitou ao meu lado, acolhendo-me em seus braços. Ambos os nossos corações se encontravam acelerados, batendo forte.

-Tudo bem? – Ele perguntou, tirando o cabelo do meu rosto mais uma vez. Um sorriso satisfeito estava estampado em seus lábios.

-Tudo ótimo, maravilhoso, perfeito. Pensei que a minha primeira vez fosse ser horrível, todo mundo fala que é.

-Talvez tenha sido apenas um golpe de sorte, não acha? – Ambos rimos, logo enfiei meu rosto no peito nu de J-Hope. – Vamos descansar um pouco, estamos precisando.

//MinSuga

Il 21 luglio del 1936 a Toledo inizia una delle vicende più epiche e gloriose della guerra civile di Spagna: la città insorge contro il governo repubblicano spagnolo, così militari, falangisti, guardie civili e cittadini si preparano a combattere contro le forze comuniste del governo di Madrid. Asserragliati all’interno della fortezza dell’Alcazar e guidati dal colonnello Josè Moscardò, i rivoltosi si difendono eroicamente per settanta giorni, entrando nella storia. La straordinaria vicenda dell’Alcazar viene riproposta con un vecchio albo spagnolo franchista, salvato dall’oblio, restaurato e tradotto in italiano. Tributo di inchiostro all’incredibile epopea dell’Alcazar.

[CURIOSIDADE]

Você sabia que muitas músicas do álbum “Nightmare” tiveram seus nomes (e letras) modificados antes do lançamento do disco? Confira os nomes originais de algumas delas:

One (Buried Alive)
Total Nightmare (God Hates Us)
Military Death (Danger Line)
Bad Men (Save Me)
Avenged In Chains (Tonight The World Dies)
Reagan Blast (Natural Born Killer)
Death (Fiction)

Outras músicas que também tiveram os títulos (e letras) modificados, mas acabaram não entrando diretamente à track list do CD, foram:

Dirty Pop (4:00 AM)
Harvester (Lost It All)


from Avenged Brasil

Eu quero você, somente você, quero casar com você e ter uma vida como se fosse de sonhos. Quero ver você entrando na igreja toda linda com vestido branco maravilhoso e vindo em minha direção. E sentir meus olhos se encherem de lagrimas de emoção. Quero chegar numa noite de trabalho cansado e você olhar pra mim e dizer: “Tenho uma ótima notícia pra te dar!” E eu ficar feliz da vida por ver você sorrir. Eu me perdi tanto, até você me puxar pelo coração e me aceitar na sua vida. Independente dos trancos e barrancos, eu vou amar você, vou ser sua fortaleza para vencer. Eu vou estar aqui quando você precisar e quando não precisar também. Eu só quero te fazer sorrir, porque te ver sorrir, me faz sorrir, sorrir e sorrir.
—  Alef Santos.

¿Sabes cual es ese momento en el que la novia entra y todo el mundo la mira? Pues en ese momento yo no miro a la novia, por que ya se que va a estar brillante. Yo miro al novio, por que si a él se le cae aunque sea una pequeña lagrima, entonces se que van a ser felices, pues una hombre que mire así a su futura mujer, se lo merece todo con ella.

E eu o vi entrando cada vez mais na minha vida. Primeiro com palavras bonitas, segundo com sorrisos sinceros, com olhares penetrantes e com gestos carinhosos, até chegar ao meu coração, cujo lugar não quero que saia.
—  Esse cara é você.
Tienes razón en lo que dices, yo maduré, tú no. Qué lástima. Porque si lo hubieras hecho como me tenías prometido, habrias realizado menos cosas sin pensar y estoy segura que en estos momentos no te arrepentirías de tus actos. Creo ya es tiempo de hacerme a la idea de que si esto nos pasó, es porque estaba destinado a suceder, y sea como fuere, iba a pasar, por cualquier cosa, todo lo que tuvimos, debía acabar. Porque he abierto los ojos, ya contigo he aprendido que nada es para siempre y las promesas son de lo más banales. La realidad es que ahora dudo mucho que nos volvamos a ver de nuevo algún día, porque cada quien ha ido tomando sus decisiones y cada una va por lados muy distintos. Sé que no te arrepientes de nada, ya eres feliz. Y te voy a ser sincera, ya que esto será lo último que sabrás de mi persona, quiero que sepas que a pesar de TODO lo que ha sucedido, para mi serás hasta el momento lo mejor de mi vida, a pesar de TODO, te recordaré como la persona que eres: mi primer amor, el primer hombre al que me entregué en cuerpo y alma, el amor de mi vida. Mi antes y después. Te juro que me hubiera encantado que fueras de igual forma mi último amor, pero bien sé que no todo se puede, lo entiendo. Siempre tendrás una parte de mi alma, algo sumamente cursi, pero nada es más cierto. Lo que sucedió entre nosotros no es algo que se olvida de la noche a la mañana, y tú más que nadie te has dado cuenta, por eso hasta ahora aquí seguimos, hablándonos por este medio, te aseguro que será dificil olvidarte. Estos años que nos brindamos fueron los mejores, te conocí de una manera que jamas pensé llegar a conocer a alguien. Te vi en todos tus momentos, en tu felicidad, en tus tristezas, en tus enojos, en tus decepciones, en los momentos más cursis y chuscos que se pueda imaginar. Podría jurar que nadie más te conocerá a tal grado, porque estuvimos tan compenetrados que fuimos uno solo. ¿Sabes? Te aseguro que cuando te recuerde en algún momento lejano de mi vida, lo haré con una gran sonrisa porque no mereces nada menos. Contigo conocí lo que era el amor y la felicidad de pareja, la plenitud, el significado de confianza y apoyo mutuo. Fuiste todo para mi, te lo agradezco, haberme brindado ese tiempo en tu vida. Y así como un día lo platicamos, por mi parte cumpliré y si en algún momento de mi vida llego a tener hijos, sabrán de ti, nuestra historia es digna de ser contada, sabrán como fue el primer amor de su madre, ya que me hiciste muy feliz, y te estaré eternamente agradecida por ello. Nuestro amor fue de esa clase de amores que sólo existen una vez en la vida, algo que todos quisieran vivir. Ojalá en algún futuro lejano tenga la oportunidad de volverte a ver, me gustaría reencontrarte, saber que fue de tu vida. Pero ahora, por favor, ya no me busques más, si es que en algún momento pensabas hacerlo, porque yo no te buscaré, para mí es mejor mantener distancia. Cuídate, y se feliz.
Então eu me cansei de usar máscaras. Porque na verdade, o sorriso estampado meu rosto, nada mais era que uma máscara, uma máscara mostrando uma pessoa feliz, inabalável, que sorri independente de como está se sentindo, que não gosta que ninguém veja seu verdadeiro eu. Mas o verdadeiro eu, é aquele que já não sabe se encontrar, que na verdade, se perdeu de si mesma, que se olha no espelho e não se reconhece mais, que sente falta de uma parte dela que ela não sabe se existe, que chora quando o coração aperta, quando a realidade bate na cara, quando o medo sufoca. É, essa sim sou eu, uma pessoa com tudo pra ser feliz, porém, infeliz. Felicidade vem de dentro, e felicidade, até o momento, era uma coisa que meu coração não havia conhecido.
—  Os segredos de Louíse.