entendia

Não desisti de ser feliz, só não insisto mais. E sabe ? Me sinto menos infeliz. Já não faz diferença se hoje manda ‘bom dia’ e amanhã não me procura. Eu cansei de esperar por alguém que somente a ausência se fez presente, irônico, não ? Nada fazia sentido em você, desde palavras à atitudes, haviam controvérsias. Confesso que não entendia seu jogo, mas aprendi a jogar. Precisei apenas esperar o game over para dar start na vida e tropeçar em um novo jogador.
—  Luciana Galhardo
Embora meu vocabulário simples e cheio de limitações, havia uma sintonia entre nós. Porque quando eu a olhava, meu olhos falavam mais do que minha boca poderia dizer. Quando eu sorria fitando seu rosto, meu sorriso conjugava os mais lindos verbos, que com palavras eu seria incapaz de expressar. E ela, com aquele jeitinho tímido, entendia tudo.
—  Multiversar
UNA MEDIOCRE VIDA - WIGETTA

Guillermo: Hola samuel, como te fue hoy en el trabajo? - escucho la voz de su animado novio a sus espaldas mientras cerraba la puerta de su apartamento intentando calmarse

Samuel: No muy bien - dijo enmedio de un gruñido

Guillermo: por que amor? Que sucede? - pregunto intentando acercarse al mayor

Samuel: Me despidieron del trabajo Guillermo - dijo alejandose del menor para ir a su habitacion

Guillermo: que? por que amor? - el menor entendia el mal humor del mayor y es que no era nada agradable el ser despedido

Samuel: NO LO SE GUILLERMO SOLO LO HICIERON - grito el mayor haciendo estremecer al menor y entrando a la habitacion que compartian, Guillermo lo siguio con cautela al darse cuenta que realmente estaba muy mal y molesto por no decir furico

Guillermo: y-yo solo quiero ayudarte - samuel aun molesto giro a ver a ver al menor

Samuel: quieres ayudar? Pues no veo que lo hagas!! , mientras yo trabajo todo el maldito dia tu te quedas aqui a que? Dormir? Con ese Supuesto trabajo por internet? Que apenas nos da para el alquiler de este estupido y mediocre apartamento para pasar nuestra estupida y mediocre vida - solto el mayor sin ningun cuidado en medio de gritos

Guillermo: y-yo …. tienes razon - dijo en medio de lagrimas aproximandose al cajon de la mesita de noche que se encontraba al lado de su cama sacando un sobre y arrogandoselo a samuel a sus pies - en eso pierdo el tiempo

samuel nisiquiera vio el sobre al ver como su pareja con ojos vidriosos se dirigia a la puerta de salida de su apartamento

Samuel: Guille no amor lo siento

Guillermo: si soy tan inutil por que no te buscas algo mejor

samuel: no cariño mirame - el mayor tomo a guillermo entre sus brazos acorralandolo contra la pared mientras el menor se removia para intentar soltarse del agarre del mayor- Chiqui lo siento, estaba furioso y dije cosas que no queria , jamas podria encontrar a alguien como tu, eres perfecto y no te meresco por favor perdoname- el menor mordio su labio inferior intentando reprimir sus sollozos y asintio levemente -cariño soy un idiota, pero te amo - samuel tomo los labios de su novio en un suave y delicado beso abrazando al menor por su cintura pegandolo mas a el

Guillermo: a-aun me amas? - pregunto el menor mordiendo su labio

samuel: oh bebe claro que te amo, cada dia te amo mas de lo que te puedes imaginar - dijo bajando sus besos al cuello del menor - dejame demostrartelo - dijo sin separar su boca de la sensible piel del cuello de menor provocando una leve risa en el

Guillermo: h-hazlo p-por favor - dijo rodeando el cuello del mayor con sus brasos

samuel: si que lo hare - dijo bajando sus manos al muy bien formado tracero de su novio y levantandolo hasta que el menor rodeo con sus piernas su cintura - oh guille te amo tanto - dijo uniendo nuevamente sus labios con los del menor mientras lo conducia hasta su habitacion y depositandolo lentamente en la cama que compartian- te amo guille - dijo mientras quitaba la camisa de su novio y miraba como este iba tomando un color carmi por todo su cuerpo - desde cuando no lo hacemos dime? - pregunto mientras dejaba un camino de besos y mordidas por todo el abdomen de su novio pero este no le contesto, guillermo ahora mismo se encontraba sumamente exitado sin poder formular una sola frase coherente debido al placer que le brindaba su novio con tan delicadas carisias y roces con su labios - eres perfecto Guille, todo tu eres perfecto - las palabras de samuel no hacian mas que elevar a Guillermo quien estaba a nada de gritar de placer por solo unas cuantas carisias y palabras - no dejes que nadie ni siquiera yo diga lo contrario, por que lo eres - dijo samuel mientras quitaba los pantalones y boxers del menor a quien su cuerpo se cubrio de un tono carmin por la exitacion y la verguenza

Guillermo : t-te amo tanto - dijo como pudo el menor al sentir los labios del contrario masturbando su miembro - oh Dios te amo tanto - dijo enmedio de un grito de placer, no podria mucho mas - oh joder, t-te amo samuel- dijo enmedio de gruñido ahogado mientras se corria en la boca del mayor

Samuel: yo tambien te amo - dijo entrando de una estocada en el cuerpo de su novio, callando con un beso el grito de su novio sintiendo al menor estremecerse - te amo chiqui - dijo mientras apartaba un mechon de cabello de la frente del menor, empezando a embestirlo con calma, muy despacio, escuchando los leves gemidos del menor quien escondia su rostro en el cuello del mayor mordiendolo ligeramente dejando pequeñas marcas- por favor guille, nunca me dejes, soy un idiota y tu eres perfecto, te nescesito en mi vida, siempre lo hare - el menor no hacia mas que gemir el efecto que tenian las palabras en el era increible

Guillermo: n-no eres idiota… eres l-lo mejor que me ha pasado… n-nunca lo olvides… p-para mi siempre s-seras el mejor- decia el menor mientras rasguñaba la espalda del mayor probocando con sus palabras que el mayor lo comenzara a embestir con mas velocidad y profundida

Samuel: o-oh Dios Guille - dijo abrazando al menor contra su cuerpo embistiendolo con fuerza mientras mordia su hombro

Guille: S-samu joder - dijo aferrandoce a la espalda del mayor tambien mordiendo el hombro del contrario

y asi ambos sintieron como eran arrastrados por una oleada de placer indiescriptible, un preciado e increible orgasmo cargado de amor y sentimientos sinceros dejandolos a ambos tendidos en la cama con sus respiraciones acceleradas, al fin samuel logro salir del cuerpo del menor y colocarse a su lado abrazandolo pegando la espalda del menor a su pecho mientras dinujaba circulos imaginarios en su pecho, sintiendo como el menor lograba regular su respiracion

Samuel: casate conmigo guille? - el menor giro su rostro enrojecido a ver a los ojos al mayor

Guillermo: q-que?

Samuel: casemonos, te dare la mejor vida, una vida que te mereces, buscare otro mejor empleo y nos mudaremos a una bella casa, aunque a decir verdad no me importa donde vivamos, siemlre y cuando lo hagamos juntos, asi que que dices chiqui, me harias el hombre mas feliz de mundo?

Guille: oh Dios!!! Si samuel si - dijo abrasando a su futuro esposo y besandolo apasionadamente

ambos se separaron, notando asi el brillo en los ojos del contrario, pero guillermo recordo algo de golpe- el sobre!! - grito alarmado, alarmando a samuel

samuel: que con el? - dijo recordando el sobre que guillermo le habia tirado

Guillermo: en el estan varios anuncios de casas muy bellas que podriamos ir a ver.., - samuel lo miro confundido - con mi “trabajo que solo nos da para el alquiler” - dijo imitando la voz del mayo haciendolo sonrojar por aquellas palabras que el mismo habia dicho antes- eh estado ahorrando y pues podriamos… ya sabes… mudarnos de este “ mediocre apartamento” - dijo molestando nuevamente al mayor

samuel: eres el mejor guille, mañana mismo busco trabajo para darte la mejor boda y la mejor vida… te amo chiqui

~~~~~~~~~ Y aqui una pequeña idea que tenia en mente desde hace un tiempo, seran dos parte y espero que les gusten

Ninguém entendia porque nós não contávamos para todo mundo a nossa história de amor. As pessoas não compreendia porque nós não divulgávamos fotos do nosso dia-a-dia nas redes sociais. O pessoal não entendia algo simples. A felicidade não pode ser exposta. A felicidade precisa ser protegida da inveja. 

-eusouaana

antes do fim do dia, eu me sento, fumo, penso e escrevo. sinto falta do que eu era e não posso mais voltar a ser, sinto falta de andar naquelas quadras um pouco longe da minha casa e mais próxima do centro. eu pegava dois ônibus no sábado, ia ao shopping, tomava milk shake e comprava algum cd. nada daquilo voltar, nem o amor nem minha inocência. amei um cara e dormi com outro, beijei uma menina e quis outra. tudo que eu quis veio quando eu mesmo querendo, não aceitei. não sei se compreende, meu ex-namorado não entendia uma metáfora minha e eu chorei tanto por querer ele de volta, mas ele não voltou e eu fui embora. sei lá qual direção tomei mas todo dia, antes do fim do dia, eu me sento, fumo e penso no que podia ser e não posso mais. faz tempo que eu esqueci o que quero e quem sou.

[Quarto do Lass - Noite]

Depois de deixar a cozinha, foi para seu quarto. Não correu, entretanto; apenas se escondeu nas sombras. Não queria que alguém - fora a maga - o seguisse. Não estava bravo, apenas incomodado pelo assunto que eles tinham em comum. Assuntos.

Sentia-se estranho e vez zangado por conta daquele sentimento de possessividade, não o entendia. Pensava sobre o assunto, diante do baú aberto aonde tinha feito o ninho de manta para o ovo.

Na porta, uma presença familiar. “Está aberto”, resmungou, sem tirar a atenção do ovo.

Você era minha melhor amiga. Você era a pessoa que eu procurava sempre que precisava. Você era a pessoa que ria comigo das coisas mais toscas. Você me defendia de tudo e de todos, me amava do jeitinho que eu era, me entendia de um jeito que ninguém conseguia. Mas você conheceu pessoas novas. Me deixou de lado e foi esquecendo de todas as promessas, os momentos e o tanto que eu precisava de você. É, você era minha melhor amiga.
—  madness-sin
Apollo Creed

Homem apaixonado é barril de pólvora. Explode. Tive um padastro negão quando era moleque. Da policia. Barra pesada. Linha de frente. Cara que ia pra trocação de tiros com a bandidagem nas décadas de 80/90. O chamavam de “Apollo Creed” na delegacia onde tirava plantão. Tratava minha mãe muito bem. Como rainha.Nunca tocou o dedo nela, mas pirava nos ciúmes. De chegar a bater cabeça na parede e chorar no meio da sala na frente de mim e da minha irmã. Não entendia muita coisa. Devia ter sete ou oito anos. Minha vida era ver desenho e chupar sorvete. A vida é tão simples quando a gente só se preocupa em ver desenhos e chupar sorvete. Acontece que certa vez o telefone tocou lá em casa e ele ficou puto. Botou uma camiseta havaiana e o revólver na cintura. “esse filho da puta não passa de hoje!”. Certeza que ele mataria alguém. Talvez um cara que tivesse na moita com a minha mãe. Dando em cima. Importunando. Ou só um vagabundo traficante ou assaltante de banco. Ele segurou minha mão com força e me colocou no banco de passageiro do carro velho dele e dirigiu até uma ladeira onde tava rolando uma banda de carnaval no bairro Educandos. Ficamos distante do frevo. Da muvuca. Acho que pra não dar manchete. A morte não faz alarde. A morte não gosta de enxame. “não sai daqui! Se eu demorar muito você corre naquele bar e fala que mataram seu pai”. E apontou com o braço preto para um barzinho chamado “dois irmãos”. Esse bar existe até hoje. Ele não era meu pai. Não tinha consideração nenhuma por ele. Só o respeitava por ser maior do que eu, mas no fundo o achava bobalhão. “a gente só chora quando é criança” era o que eu dizia para amigos do colégio. Então, ele acendeu um cigarro e saiu com todos os demônios na caçada de um cara e eu fiquei no carro escutando um hit qualquer. Tava com vontade de fazer xixi, mas fiquei segurando. E ele demorou, demorou tanto que tive que abrir a porta do Passat e urinar na rua mesmo. Uma mulher gorda e bêbada, muito gorda e bêbada, com olheiras, bafo de cerveja e estrias no peito começou a me chupar. Meu pintinho não levantou. Meninos tem pinto. Homens tem pau. Ela chupou e depois virou o rabo grande cheio de purpurina na minha cara “morde meu rabo. Dá um beijo bem gostoso no meu rabão”. Eu mordi com tanta força que fiz xixi na calça e ela saiu pulando carnaval. Meu padastro voltou com o nariz sangrando espalhando lodo vermelho na camiseta. Então comecei a chorar. Meus lábios começaram a arder muito. Acho que a gorda tinha passado pimenta no rabo. Chorei, chorei e meu padastro disse pra eu não me preocupar, mas não tava chorando por ele. O tempo passou. Assassinaram meu padastro com 8 tiros num motel da zona sul e hoje, já crescido, sei que o amor arde nos lábios por um tempo e depois some da vida da gente feito miragem. Feito uma gorda pedófila e bêbada que só quer pular carnaval.

Diego Moraes