enfats

Les enfants qui s'aiment s'embrassent debout
Contre les portes de la nuit
Et les passants qui passent les désignent du doigt
Mais les enfants qui s'aiment
Ne sont là pour personne
Et c'est seulement leur ombre
Qui tremble dans la nuit
Excitant la rage des passants
Leur rage, leur mépris, leurs rires et leur envie
Les enfants qui s'aiment ne sont là pour personne
Ils sont ailleurs bien plus loin que la nuit
Bien plus haut que le jour
Dans l'éblouissante clarté de leur premier amour
—  Jacques Prévert

Quer me deixar triste? Pra baixo? Me fazer chorar? Duvide de mim. Duvide do meu caráter. Duvide das minhas verdades. Duvide de quem eu sou, de quem eu me tornei. Duvide de tudo aquilo que eu digo. Duvide, mas duvide mesmo. Aponte o dedo na minha cara. Enumero todos os meus erros antigos. Diga e repita o quanto eu já errei. Enfatize a pessoa ruim que eu era. Diga o nome de todos aqueles que eu já machuquei. Fale com propriedade que me conhece, que sabe o que vou fazer. Aprendeu? É assim que eu me machuco, que eu me esfolo, que eu raspo a ferida no chão. Não tem nada que me deixe pior.
Porque só quem já errou muito sabe o quanto é ruim ser julgado pelos seus erros. Mas aqueles que julgam se esquecem de uma coisa, a gente errou, aprendeu, cresceu, mudou para melhor. A vida é uma eterna busca do ser melhor. E eu hoje eu sou melhor. Não duvide de mim. Por favor.