encoxando

QUINTA-FEIRA, 26 DE JANEIRO DE 2017

primeira vez dá esposa na casa de swing



Primeira vez no swing, meu marido me liberou.

Meu nome é Vanessa, tenho 33 anos sou muito bonita e casada à 14 anos com meu marido Cesar 35 anos eu amo muito ele, casamos cedo pois eu engravidei, até uns 3 anos atrás tinhamos uma vida sexual morna, algumas vezes ficavamos até 15 dias sem fazer sexo, mas as coisas mudaram quando eu desencanei de algumas coisas que nos atrapalhavam no sexo como sexo por exemplo deixar meu marido gozar com o sexo oral coisa que eu não podia nem pensar rsrs… Cesar sempre foi mais liberarl do que eu e tinha ideias “loucas” com o tempo fomos experimentando coisas novas que ele sempre trazia como cremes, fantasias e até um vibrador que no começo eu tinha muita restrição em utilizar pois achava desconfortável e frio mas que depois da primeira vez que consegui gozar com meu marido usando ele em mim passei a ter ele em quase todas as nossas transas… basta eu estar bem louca de tesão que falo para o Cesar buscar o nosso amigo e vou à loucura!!!

Bem!, a uns 6 meses uma amiga minha do tempo da escola me confidencializou pelo whatsapp que foi com o marido em uma casa de swing e eu contei para o Cesar que ficou maluco e passamos a fantasiar essa situação, até chegamos a ver pela internet algumas casas de swing e fantasiavamos estar lá quase sempre durante nossas transas até que em um dia durante o sexo onde eu já tinha gozado duas vezes com sexo oral e o Cesar estava quase me fazendo gozar com o vibrador enfiado em minha bucetinha me pediu para por o pau no meu cuzinho, eu já tinha dado para ele o cú algumas vezes e até sentia prazer nisso mas tive medo de fazer com o vibrador na buceta e disse não, mas tava tão bom e eu estava com tanto tesão que o Cesar safado foi me colocando de lado e foi me encoxando, passando o pinto dele na portinha do meu cú e isso tava tão bom, sentir o vibra da minha buceta, o pau dele na portinha do meu cú e junto a respiração ofegante dele e desesperado para entrar em mim que eu fui me libertando até deitar de costas sobre o peito dele, para facilitar um pouco mais o pinto dele roçando no meu cú e o vibrador atolado na minha buceta entrando e saindo até que quando percebi entrou o pau no meu cú, na hora tive um susto porque entrou de uma vez só mas quando percebi que não doeu gozei imediatamente e o Cesar gozou no meu cú…

Nossa aquilo foi maravilhoso, foi um dos orgasmos mais gostosos que eu tive na vida, depois daquilo ficamos na cama nos recuperando e conversando sobre isso e eu mesmo com medo da reação dele falei que tinha a fantasia de dar para ele e mais um homem e isso deixou o Cesar louco para minha surpresa, depois disso quase todas as vezes que faziamos sexo faziamos DP com o pau do Cesar e o vibrador ele adorava pois tinha mais oportunidades de comer meu cuzinho, faziamos ora com ele comendo meu cú e o vibrador na buceta, hora com o vibrador no meu cú e ele comendo minha buceta, aquilo era maravilhoso, compramos diversos tipos de vibradores em formatos diferentes e era tudo o máximo, mas com o passar do tempo aquilo foi ficando monotono pois deixou de ser novidade até que o Cesar me convidou para ir a uma casa de swing.

No começo eu relutei um pouco, na verdade eu tinha medo do que poderia acontecer lá, medo dele querer comer outra mulher ou de não saber o que isso iria provocar em nosso casamento, relutei por um tempo até que aceitei.

Combinamos um sábado, deixamos nossos filhos com minha mãe e fomos para um swing em outra cidade para não ter a possibilidade de sermos reconhecidos mesmo com mascara, saimos de casa umas 20h, estava uma noite bem agradavel, eu fui com uma blusa com pouco decote branca e saia não muito curtq preta e os cabelos presos, o Cesar foi de calça de sarja preta e camisa verde, eu estava nervosa um mix de tesão e medo, no caminho não conversamos muito pensei varias vezes em desistir, chegamos na cidade e antes de chegar na casa de swing o Cesar que já estava com tudo esquematizado parou em um barzinho bem aconchegante à duas quadras do swing para bebermos algo, descemos e tomamos uma taça de vinho branco, era um ambinete bem acolhedor, o Cesar ficou me elogiando, foi beijando minha nuca e me tocando sutilmente e me deixando com tesão, ele falou em meu ouvido, que duvidada que eu fosse ao banheiro e voltasse com a minha calcinha na mão e entregasse para ele, eu ouvi isso e contrai minhas coxas de tesão, senti que fiquei molhada mas resisti e disse: Ta louco?

Ele me falou, esquece que você é a Vanessa casada e mãe de família, hoje é dia de fazermos as loucuras que não fizemos antes e isso me excitou muito… bem na hora que ele falava isso ele me tocou levemente nos joelhos quase entrando dentro da minha saia e fiquei louca. Falei para ele que queria ser comida como nunca e que queria gozar 8 vezes e quando toquei a calça dele senti que o pau dele estava muito duro, quase falei para desistirmos do swing e irmos para um motel mas não queria estragar, quando estavamos terminando o vinho para ir ao swing eu falei para o Cesar que queria ir ao banheiro, chegando lá me olhei no espelho e pensei no que ele havia me falado sobre esquecer quem eu era e pensei que estava em outra cidade distante 100km de casa e pensei que talvez nunca mais teria outra oportunidade e então levantei minha saia e tirei minha calcinha fiquei com medo pois estava tão exitada que pensei que iria começar a escorrer pelas pernas tamanha a minha neura kkk, fui com a calcinha na mão e ao me aproximar o Cesar me falou: Vamos? E eu sutilmente dei um beijo nele, coloquei a calcinha na mão dele e falei vamos e fui para o carro…

O Cesar ficou louco, no estacionamento ele me encoxava e se esfregava enquanto não tinha ninguém por perto isso me deixava louca, entramos no carro e saimos, o carro andou alguns metros e parou em uma rua de comercio fechado e escura e o Cesar começou a me beijar, o calor foi subindo e quase transamos ali na rua, ele começou a me tocar por dentro da saia seus dedos passavam em minha coxa e virilha, ele foi me penetrando com a mão devagar e eu tava com tanto tesão que não aguentei muito e gozei ali na mão dele… O Cesar me olhou e falou já foi a primeira faltam 7 e saiu com o carro, nossa aquilo me fazia ferver por dentro, e fomos…

Chegando no lugar era uma casa grande fechada por muros altos onde um porteiro abria o portão para os carros e entregava um par de mascaras que ficavam apenas na altura dos olhos preta para os homens e branca para as mulheres o uso era opcional ele disse, o estacionamento estava com uns 16 carros, saimos do carro já com as mascaras e me lembrei que estava sem calcinha, eu a pedi para o Cesar e ele falou: “Não, hoje você é uma putinha que não usa calcinha”, fiquei um pouco incomodada pois tinha medo de escorrer minha buceta que já estava mais que molhada mas também fiquei com tesão e segui andando, alguns passos depois e eu já havia esquecido disso, na subida da escada para acesso a casa o Cesar me segurou e falou uma coisa no ouvido que nunca mais vou esquecer, ele falou “Hoje o que acontecer aqui, fica aqui…” aquilo me deu medo e vontade de falar que queria desistir mas já que estava lá não tinha outro jeito, tinha que entrar.

Ao entrar vi que era como uma casa, muito gostosa e bonita era como um bar na entrada, musica boa tocando não muito alta a ponto de podermos conversar sem que outras pessoas mais longe pudessem ouvir, mesas para 2 ou 4 pessoas, casais apenas bebendo e conversando alguns com mascaras e outros sem, fomos para o balcão e pedimos duas espumantes, o Cesar me pegou pela mão para conhecermos a casa e fomos andando, percebi que em todas as portas de entrada haviam uma caixa com preservativos e lenços, na próxima sala era tudo um pouco mais escuro, casais conversavam e se beijavam, passando perto de uma mesa uma mulher loira com mascara me segurou pela mão e pediu para sentarmos à mesa, eu estava com muita vergonha o Cesar quis aceitar e nos sentamos, era uma mesa em L com sofá bem aconchegante, começamos a conversar, durante a conversa percebi que a mulher era bem bonita embora estivesse de mascaras mas o marido dela era um pouco esquisito e meio viado, assim que pude falei ao Cesar que queria sair dali e saimos.

Na próxima sala a coisa estava mais quente, numa grande cama redonda no centro diversos casas trocavam caricias e em sofás ao redor algunas até transavam, aquilo me deixou com as pernas bambas de tanto tesão, o Cesar estava duro como nunca, ficamos ali olhando até que puxei ele para um sofá vazio e começamos a nos beijar, aquilo era o extremo do tesão, eu pressionava minhas coxas com força que parecia que iria machucar e o Cesar começou a tocar meus seios e a beijar meu pescoço, começamos a nos esfregar, o Cesar estava com a respiração ofegante, ele tocava com os dedos os meus grandes labios e o meu grelinho aquilo me deixava com mais e mais tesão, até que vi em um sofá a poucos metros de nós uma mulher de quatro sendo penetrada por trás e ao mesmo tempo chupando um pau enorme de um mulato alto e forte de cabeça raspada, não pensei duas vezes, eu já estava sem calcinha, abri o ziper do Cesar, coloquei o pau dele para fora e sentei com toda força… Ia para frente e para trás como se fosse eu que estivesse no lugar da outra mulher, sendo comida, peguei a uma das mãos do Cesar e comecei a chupar os dedos como se fossem outro caralho e gozei forte duas vezes e pouco depois o Cesar gozou também, me senti até mal porque foi rápido demais e estava muito bom, queria que durace mais tempo. Fomos ao banheiro para nos recompormos e combinamos de nos encontrarmos na porta quando terminassemos, enquanto eu me limpava percebi que meu grelho estava enrome e duro de tanto tesão, minha buceta estava inchada, eu já havia gozado 3 vezes e ainda queria mais e estava louca de desejo, saindo do banheiro escutei em um quarto escuro e vermelho uma mulher gemendo e gritando e fui espiar, lá estavam um casal e um homem gordinho se esfregando, a mulher estava senta no pau de um deles e o outro estava por trás se esfregando e tocando seus seios, foi quando Cesar veio e me pegou por trás, já estava de pau duro de novo e começou a me encoxar e eu fui ficando mole, puxei o Cesar para dentro do quarto e nos sentamos em outro sofá e ficamos vendo os três transando e nos tocando, eu beijava o Cesar e socava uma punheta para ele, enquanto isso ele enfiava um dos dedos na minha buceta e com o outro ficava passando na beira do meu cuzinho, fazendo voltinhas me deixando pronta para dar novamente, foi quando um segundo casal entrou no quarto e se sentou ao nosso lado, era um casal lindo de ver, ambos mais altos do que nós de pele clara e cabelos loiros, ficamos ali próximos e inevitamente começamos as nos esbarrar, Cesar se abaixou e começou a me beijar nas coxas e a por seu dedo em mim, pouco depois estava me chupando gostoso, a mulher que estava sentada a meu lado trocou de lugar com seu parceiro que começou a tocar em mim, fiquei com muita vergonha e apreensiva mas deixei ele me tocar nos braços e depois nos seios, o homem peguou minha mão e colocou em seu pinto por cima da calça, pude perceber que era uma pau bem maior que o do Cesar, tirei minha mão pois fiquei com medo do Cesar perceber, o homem não desistiu e abriu seu ziper colocou o pau enorme para fora e puxou meu braço novamente, não resisti e comecei a punhetiar aquele pau enrome, nessa hora a mulher dele saiu de perto e foi com os outros três que transavam em nossa frente, eu não contava mais com nada e tentei me abaixar para chupar o pau do homem, foi quando olhei para o Cesar e vi que ao mesmo tempo que ele me chupava ele também estava me olhando fazer aquilo, ele não falou nada, continuou a me chupar mais e mais forte, então continuei e comecei a chupar o caralho enorme, enquanto fazia isso gozei na boca do Cesar mas minha vontade era sentar naquele pau grosso desconhecido, estava doida de tesão mas com medo daquilo e puxei o Cesar e falei me come agora e me come com força… O Cesar me respondeu, quem vai te comer é esse cara ai… Não acreditei no que ouvia, o Cesar me levantou e me aproximou do homem, ficamos de juelhos sobre o sofá e comecei a me esfregar nele, seu pau estava entre minhas pernas roçando a minha buceta ao mesmo tempo que estava latejando, ele baixou um lado de minha blusa e começou a me sugar, o Cesar saiu de perto por alguns segundos e quando voltou trouxe um preservativo e me deu, fui tentar colocar naquele pintão e tive até dificuldade de tão grosso que ele era, derrubei a camisinha no sofáe não conseguia achar, o tesão era tanto que não resisti e deixei o homem me penetrar sem camisinha, quando ele me penetrou soltei um grito de tesão pois nunca tinha sentido um pau tão grosso assim antes, era maravilhoso, eu me mexia ia para frente e para trás, subia e descia, o sexo estava maravilho e gozei intensamente mais uma vez, o homem não gozava fácil e continuava a me comer, me colocou de quatro e continuava mais e mais e eu via o Cesar sentado ao lado nos olhando, aquilo me deixava louca, queria retirbuir o que o Cesar fazia por mim, queria o pau dele no meu cú, pedi para ficar em cima do homem e puxei o Cesar, falei, venha me comer agora, quero seu pau no meu cú, Cesar levantou e começou a abaixar suas calças, e tocou seu pau na portinha do meu cú e começou a brincar de repente sem a menor cerimonia atolou tudo no meu cú… Nossa, eu gritei com aquele pau no cú, era uma dorzinha tão gostosa que eu estava adorando, os dois se movimentavam para me comer ao mesmo tempo, enquanto um pau entrava com tudo o outro saia um pouco e depois invertiam, era um sincronismo perfeito eu gozei novamente, comecei a falar que queria um pau para chupar e senti o Cesar gozando em meu cú… Aquilo era maravilhoso, eu estava cansada e suada mas o homem não parava de me comer, o Cesar saiu do meu cú e o homem falou que queria trocar de lugar, não deixei porque aquele pau era muito grosso, foi então que senti o Cesar me penetrando por trás novamente, parecia que estava mais duro do que antes, estava maravilho foi ai que vi um homem se aproximando com o pau duro na mão para eu chupar, eu olhei e para a minha surpresa era o Cesar, quando eu vi aquilo tomei um enrome susto, olhei para trás e percebi que quem me comia era o mulato que estava dando o pau para a outra mulher chupar na sala ao lado, nessa hora tudo estremeceu…. Só pensava que haviam dois estranhos me comendo e eu estava chupando o pinto do meu marido e então GOZEI com tanta intensidade que minhas pernas bambeavam, parecia que eu ia desmaiar, o gozo ia e vinha, eram orgamos multiplos, sem o menor controle de mim comecei a chorar e quando parecia que ia acabar senti o jato de porra na minha buceta e gozei novamente… Não me lembro muito de nada depois disso, só me lembro de estar deitada com Cesar a meu lado nós todos suados e cansados e os homens indo embora pela porta.

Eu não sabia o nome deles nem mesmo consigo hoje reconhecer os seus rostos, essa a noite mais louca de minha vida, no final perdi as contas de quantas vezes gozei mais foi mais de 10 vezes… Se eu contar ninguém acredita.
 

Preference - Natal

Harry:

Parei na cozinha olhando tudo em volta, eu estava um pouco inutil ali, praticamente todas as mulheres da familia estavam naquele ambiente, os homens espalhados na sala conversando e rindo mais alto que a música.

-Querida leva essa salada pra mim? - Anne me deu uma tigela sorrindo.

Entrei na sala e Harry estava gargalhando de algo, me viu do outro lado da sala e abriu os braços, totalmente bebado.

-GOSTO DE MULHER ASSIM - ele gritou pra mim - COZINHANDO PRA MIM.

Arregalei levemente os olhos indicando que ele calasse a boca mas isso o despertou, Harry correu até mim e me agarrou de lado beijando minhas bochechas.

-Que cheirinho gostoso - disse forçando a voz - voce ta cheirando peru.
-Chega de vinho pra voce - tirei sua taça.
-OHHHH - ele levantou a palma da mão - vai apanhar no bumbum.
-Pelo amor de deus - Gemma disse baixo com uma farofa nas mãos.
-Sai pra lá coisa ruim - ele gritava desgrenhado.

Harry estava tonto, cambaleando, seu cabelo bagunçado, a camisa aberta até o peito, a boca vermelha e um sorriso bobo nos lábios, seu hálito não podia ser mais forte.

-Voce não pode beber tanto assim amor - falei abotoando sua camisa.
-NAAAAAUM - ele tirou minhas mãos - eu to com calor.
-Então vamos tomar um ar, vem - eu estava vermelha de vergonha.
-Qué não - falou se sentando - EU QUERO COMER MÃE.

Seus primos riam de seu estado e eu tentava tapar sua boca a cada besteira que ele tentava dizer, encostei do seu lado na cadeira e observei todos se protarem para a ceia, assim que cada um foi assumindo seu lugar Harry pareceu impaciente.

-Cadeira dura - falou com uma careta.
-Babe - Anne chamou fazendo um sinal de silencio com os dedos.

Ele bufou alto e alguns reprimiram uma risada, seu padrasto levantou e começou a agradecer pelas presenças dos familiares no natal.

-E o peru? - Harry disse sussurrando alto o bastanta pra mim.
-Harry - Anne falou num tom perigoso.
-UÉ eu não to vendo ele - ele disse levantando os ombros.

Mais uma vez o discurso recomeçou.

-Blá blá blááá - ele gritou e eu me levantei.
-Vamos tomar uma água? - sugeri pra ele que sorriu.

Segurei-o pelo braço e o levei para a cozinha, fiz o mesmo se sentar num banco e peguei a cafeteira servindo uma enorme xícara em seguida, Harry se jogou pra cima de mim me encoxando e eu pulei de susto.

-Oque acha amor, vamos FAZER?
-Fazer oque Harry? - falei me soltando de seu aperto.
-A-M-O-R - ele soletrou alto e eu dei um tapa em seu braço - ai, hum então quer um amorzinho selvagem hoje?
-HARRY - falei alto colocando ele no banco - toma logo esse café.

Ele fechou a cara e encostou na mesa olhando em volta.

-ACHEI O PERU!

Louis:

-DINGO BEL, DINGO BEL - ele cantava gritando pela janela do carro e depois gargalhava - viu a cara da velhinha?
-Pra que isso? - falei e ele deu de ombros.
-Voce é chata.

Louis dirigia rápido para chegarmos a tempo da ceia na casa de seus pais, viajavamos por mais de três horas e ele passou metade do caminho assustando pobre velhinhas nas ruas, agora a neva dificultava sua alta velocidade.

-Bosta - ele disse diminuindo.
-Aproveita e para ali um pouquinho, preciso usar o banheiro.
-Numero um ou dois? - ele disse me fazendo virar indignada.
-E porque voce quer saber?
-Demorou pra responder, é numero dois - e riu me fazendo dar outro tapa.

Louis estacionou em frente a um posto de gasolina e desceu pra abastecer.

-Não esquece - ele gritou me fazendo olhar - pra cima e pra baixo - imitou o ato de limpar-se.
-Idiota.

Corri na loja de conveniencia e um mini coral de crianças estava alojada lá dentro, cantando alto alguma canção de natal, sorri e corri para os fundos, depois de usar o banheiro voltei e sai de volta para a rua, parei olhando a cena de Louis do meio das crianças com a mesma pastinha verde delas cantando a plenos pulmões.

-O MENININHO JESUUUUUUS - ele finalizou fazendo uma dancinha.
-BRAVO - bati palmas e ele agradeceu.
-Valeu meninada - e assim tirou a carteira do bolso - agora façam fila que o titio vai dar dinheiro.
-Meu deus - falei rindo.

Liam:

Olhei no relógio da sala e percebi que eram quase meia noite, nossa ceia estava toda montada embaixo de um pano preto totalmente vedada, meus pais e os pais dele não estavam na cidade então decidimos passar nosso primeiro natal juntos, no nosso apartamento, Liam por sua vez inventou que queria cozinhar e fez tudo sozinho, passou o final de semana inteiro sem me deixar tocar na cozinha, e agora ele vinha da cozinha com uma enorme bandeja.

-E o prato principal - ele falou anunciando.
-Eu to morta de fome - falei feliz.
-Então se preprare benzinho - ele disse depositando a bandeja fechada na mesa - pronta?
-Muito - falei animada.

Liam segurou cada ponta da toalha que cobria nosso jantar e contou até três em silencio com os dedos.

-TCHANAAAAAAAM - ele gritou levantando a toalha.

Olhei ansiosa para a mesa e fiquei surpresa, pensei ver tudo murcho ou desgrenhado mas estava tudo tão lindo, grande, bonito e suculento que abri a boca totalmente chocada.

-EAAAIIII? - ele dizia ainda com seu avental sobre o corpo.
-Meu, deus.

Tinha desde torradas enfeitadas e desenhadas até o mais suculento frango recheado, doces, sucos, frutas, tudo bem enfileirado, bonito e decorado, Liam começou uma dancinha da vitória e eu ri.

-Então, voce fez tudo?
-Elementar minha cara - ele disse orgulhoso - seu namorado além de muito gostoso, cozinha bem.
-E jogou as embalagens fora? - falei desviando o olhar.
-Que embalagens?! - disse chocado apoiando-se na mesa - oque voce sabe dona senhorita?
-Oque eu sei?? - falei falsamente indignada e gargalhei.
-AAAAAH SAFADA - ele apontou pra mim - então voce sabe.
-Padaria North Salt, encomende sua ceia conosco - eu disse abrindo os braços no ar e ele abaixou a cabeça.
-Droga.

Niall:

-O senhor esta me devendo um dinheiro - o primo de Niall dizia desconfiado.
-Oque? - ele disse supreso - eu não lembro desse dinheiro.
-Ih caloteiro - falei cutucando sua barriga de lado .
-Esse moleque que é mentiroso, cada vez que venho pra casa inventa um dinheiro diferente.

Estavamos reunidos na sala de estar da casa dos pais dele, meus pais também estavam juntos, todos rindo e conversando depois da ceia de natal, Niall estava conversando com seus primos e eu estava ao lado.

-Toma pega seu dinheiro - eu peguei a carteira dele no bolso e joguei para o garoto.
-Perdeu - o menino gritou mostrando a lingua e eu ri.

Niall levou a mão ao rosto.

-EU TE PEGO CANALHA - ele gritou mas o garoto correu.
-Perdeu - falei baixo.
-E voce é uma trairinha né - ele disse me segurando pela cintura - merece apanhar.
-Que isso - falei ofendida - meu pai ta aqui viu.
-Manda ele vir aqui falar comigo - ele falou alto com cara de bravo - faço ele chorar em dois tempos.
-AAAAAAATA - falei e rimos.

Niall me beijou e minutos depois sua mãe cruzou a sala com o rosto vermelho e cara fechada.

-Niall James - ela chamou nervosa.
-Que que foi? - ele disse emburrado quando ela quase o derrubou.
-Isso é coisa de se mostrar pros seus primos?

E então ela estendeu uma foto minha só de biquini, uma cartela de camisinhas, dois cartões premiun de motel e um folheto de sex shop, levei a mão a boca e Niall deu um gritinho agudo.

-JESUS - ele disse pegando tudo - desculpa mãe.
-Caramba viu - ela disse dando um tapa em seu ombro e saindo.
-Como voce faz isso?! - falei tapando o rosto.
-ahh voce que deu a carteira pra ele caramba - ele disse quase roxo.

Seu primo voltou correndo depois e sorriu pra Niall mostrando um jóinha.

-Ai ó, ta sabendo oque é bom desde cedo, to nem ai.

Zayn:

-E oque eu devo levar exatamente? - gritei do closet.
-Meu pai - ele disse bufando - já falei.
-Eu nunca passei o natal com as pessoas da sua religião - eu falei nervosa.
-Até parece que a gente mata uma virgem e come ela na mesa - ele disse grosso.

Sai só de sutiã e parei no batente da porta abrindo a boca em indignação.

-Eles sabem que eu não sou mais virgem né?
-Eu vou dar um tapa na sua cara - ele disse depois de pensar que eu diria algo sério e eu gargalhei.
-Branco pode né? - gritei voltando ao closet.
-NÃO - ele gritou.
-Porque??! - falei franzindo a testa.
-Porque voce não é mais virgem ué.

E assim quem gargalhou foi ele, revirei os olhos e peguei meu vestido verde escuro, curto mais lindo, vesti na mesma hora e fui mostra-lo.

-TA LOUCA DE IR DE VERDE? - ele gritou se levantando da cama.
-Porque?! - falei assustada.
-Essa é a cor da negatividade e acharam que voce esta trazendo más energias.
-É sério? - falei encarando o vestido - é tão lindo.
-Troca (S/n) - ele falou sério.
-É sério mesmo Zayn? - encarei desconfiada e ele se manteve sério.
-É muito sério.
-Mas eu já vi voce usando verde - falei franzindo os olhos.
-No natal? - ele cruzou os braços.

Parei e pensei, ele manteve me encarando.

-Tá eu troco - falei e voltei, segundos depois ouvi sua gargalhada alta.
-Besta - ouvi ele dizer.
-EU VOU PELADA - gritei nervosa.
-VAI MESMO - ele gritou de volta - meu pai te assa na grelha com molho.

Horas depois eu estava pronta, de vermelho, Zayn disse que essa era a cor das oferendas a seus deuses no país de sua familia mas eu ignorei fazendo ele fechar logo a porta, fui na sua frente e caminhei até o carro.

-VAI OFERENDA - ele gritou rindo e eu virei o fuzilando - destrava o carro amorzinho?