encapetados

anonymous asked:

Quem é Amanda?

É uma história meio longa, mas eu conto sim.
Eu faço o 1 ano do Ensino Médio numa escola educacional. Que pra quem não é de Brasília, é uma escola que vai da 7 série do Fundamental até o 3 ano do Ensino médio. Na minha escola a 7 e 8 série, e o 1 ano são a tarde. E a Amanda fazia (você vai entender o pq do fazia) a 8 série. Nunca falei com a Amanda. Não era amigo dela. Mas já a tinha percebido. Ela era uma menina linda. Um sorriso que chamava atenção, pelo menos minha. Algumas semanas atrás, eu tava na minha sala, e como sento no fundo, fico de frente pra porta.Quando olhei pra fora, vi a Amanda com uma cara triste, mas durou pouco. Uns 20 minutos depois, ela encontrou as amigas e começaram a tirar fotos e fotos. Era sorriso pra todo lado. Parece que a Amanda ia mudar, então eram fotos de despedidas. Até aí tudo bem. Eu sou um cara sentimental e fiquei feliz vendo elas sorrindo. Na minha escola tem dois intervalos, quando chegou no primeiro vi as amigas da Amanda chorando. Procurei saber o que era, e a Amanda tinha passado mal, teve uma forte dor de cabeça, que se agravou e ela estava tendo convulsão. Cara, nessa hora me deu um troço. Parecia que era alguém que eu conhecia, fiquei aflito. Teve burocracia demais, e demoraram pra leva-la ao hospital. No hospital descobriram que ela teve um AVC, o que era estranho, pois ela era nova demais, mas pelo que eu soube era algo genético, uma hora ou outra ela teria. Isso tudo foi numa quarta. Apartir desse dia, todo intervalo, se unia alunos e orava por ela. E velho, fazia séculos que eu não falava com Deus. Mas se criou um amor tão grande pela Amanda que eu comecei a clamar por ela tanto na escola como nas madrugadas. Na quinta-feira chegou a noticia de que ela tinha morrido, me desesperei mas depois souberam que algum encapetado fez essa brincadeira de mau gosto. Me acalmei mas continuei a clamar. Na sexta, chegou a noticia de que ela tinha acordado, pois estava em coma até ali. Fizemos um multirão e oramos em agradecimento a Deus. Só que aquilo durou pouco. No final da tarde ela veio a falecer. E cara como eu chorei. Como disse tava a muito tempo sem orar e comecei a orar pela Amanda, comecei a voltar a ter intimidade com Deus orando pela Amanda. A Amanda conhecia a Deus, já tinha aceito a Cristo, e isso me confortou em saber que ela foi pra glória. Mas gente, eu fiquei e a Amanda me fez refleti o que eu tô fazendo da minha vida. Uma hora posso está feliz tirando foto e sorrindo, mas ninguém manja do futuro, posso ter um avc a qualquer hora. Deus usou uma menina q eu nem conhecia pra me mudar. E criou um amor q eu nunca senti por ninguém, eu senti pela Amanda. A Amanda na hora da morte me fez dar valor a vida. E sou grato a Deus por isso. (chorei)

Pedido: “1s de aniversario de um ano de casamento (hot)”

Atenção: Esse imagine foi escrito por duas pessoas, pela Maya e por mim (Paula) ela começou e eu terminei e revisei.

Não se esqueçam de favoritar e olhem o tumblr dela vocês vão amar.

Obs: Obrigada Iris por me ensinar como recuperar um arquivo que foi apagado sem ser salvo, se não fosse por você não estaria postando esse imagine assim nessas palavras, e obrigada Maya pela ajuda com os pedidos.  

———————–

Estávamos no carro indo rumo a nossa casa, havíamos saído de um grande restaurante, onde nós comemoramos o nosso um ano de casamento, ele planejou tudo perfeitamente, mas Zayn me deixou ansiosa dizendo que as surpresas não haviam acabado. Não demorou muito e já havíamos chegado em casa, caminhamos para dentro da mesma, eu estava curiosa para saber o que ele iria fazer desta vez. O segui até o andar de cima me jogando em nossa cama, ele se sentou na beirada e suspirou dando uma leve risada em seguida, seu olhar parou em mim e ele negou. Ele ainda mantinha aquele sorriso no rosto. E eu sei que boa coisa não viria… Não mesmo.

- Então, (S/n). Já que fazemos um ano de casados agora, e eu queria fazer algo de diferente. - confessou se virando para mim. Encarei-o confusa. - Estava pensado em um jeito de fazer você entender a matemática e bom, eu achei esse jeito. Juntei uma coisa que quero é uma coisa que você quase não sabe o útil ao agradável. - Enrugo minha testa. Sim, eu era péssima em matemática e Zayn era professor desta matéria, más qual era o motivo de tudo isso.

- Como assim? - Perguntei, ainda o olhando confusa. Seu sorriso aumentou e pude perceber que era um sorriso malicioso.

Ele ficou pensativo por alguns segundos e disse - Vai funcionar assim, irei lhe passar as contas e cada uma que você acertar, vai ter o direito de tirar uma peça de roupa minha e irá poder utilizar qualquer um daqueles itens do jeito que quiser.- Zayn apontou para a escrivaninha e meu queixo caiu, lá continha várias coisas, como velas, chocolate, morango, doces e outras coisas. Meu Deus como irei prestar atenção em matemática sendo que ele me proporciona uma coisa desta? – Confesso que isso é bem interessante…

- Oque achou, Babe? – Pergunta, percebo que seus olhos caramelados brilharam. Acenei positivamente com a cabeça.

- Mas… - Eu sabia que viria o “mas” por aí, ele sorria cada vez mais, já estava ficando com medo destes sorrisos. - Cada erro seu, eu irei tirar uma peça de roupa e usar aquelas coisas deliciosa ali… - disse ele com um sorriso totalmente malicioso, tirando qualquer sanidade que ainda estava presente em minha mente. - Ainda vai aceitar?

- Você sabe que eu adoro desafios. - Digo me sentando na cama. - Eu não irei recusar uma proposta tão tentadora como esta. - Ele sorri confiante e então pude perceber que ele não facilitaria nada para mim.

É (S/n), se você não aprender matemática hoje, nunca mais aprenderá…

- Vamos começar, então. Tem que ser algo fácil. - acenei com a cabeça e ele novamente ficou pensativo antes de me mandar a questão. - A raiz de vinte e cinco, vezes a raiz de cento e vinte um. Qual é a resposta?

Choque. Era o que minha cara deveria estar mostrando agora. Ele está jogando sujo! Pensei que seria no papel e tudo. Não oralmente…

- Zayn… – Choraminguei. Como ele queria que eu aprendesse assim?

- Ah (S/n), vamos você sabe.

Passei alguns segundos fazendo a conta de cabeça e o respondi incerta. - Cinquenta e cinco?

Ele sorriu. Um sorriso de contentamento e malicioso.

- É você acertou. – Falou e eu comemorei. - Agora faça o seu melhor. - Disse ficando de pé e abrindo os braços, me encarando ansioso.

Dei-lhe um sorriso malicioso e caminhei até ele. Nossos olhos sempre conectados. Dei um beijo em seus lábios vermelhos e os mordi. Em resposta recebi um suave gemido de seus lábios.

- Não me provoca… – Sussurra em meu ouvido sensualmente.

Reprimi um sorriso e mordi seu queixo. Levantei lentamente a barra de sua blusa a tirando por completo. Peguei uma vasilha com chocolate derretido e voltei até ele ficando frente a frente.

- Acho que fiz uma ótima escolha. - Sussurrei.

Passei o dedo no chocolate e o levo à sua boca. Ele arqueou uma das sobrancelhas enquanto aproximava nossas bocas. Quando o toquei, lambi seus lábios absorvendo o gosto, ele gemeu e eu aproveitei para morder seus lábios, sugando-os com urgência. Zayn não aguenta a provocação e cola nossos lábios furiosamente, o gosto de chocolate em sua língua era indecifrável. Totalmente sensual.

Sinto seus braços apertando-me com força contra seu corpo sem deixar nenhum espaço entre nós, afasto-me um pouco lançando meu melhor olhar malicioso para ele, com três dedos lambuzados de chocolate vou lambuzando todo o seu peito, faço uma caricia no mamilo esquerdo depois o mordo de leve, com ajuda da outra mão arranho seu abdome definido e passo a língua desde o botão de sua calça até seu pombo de adão no pescoço lentamente o torturando, nunca gostei tanto de chocolate.

- (S/n)… Você já aproveitou de mais. - Pude perceber o esforço dele para dizer isso, sem duvidas esta tão excitado quaro eu. Ele me empurrou delicadamente para longe de seu corpo delicioso. - Vamos para próxima questão. - Pega a vasilha em minhas mãos e a coloca novamente na escrivaninha.

- Bom, vejamos abre parênteses. – Faz sinal com as mãos como se estivesse abrindo parêntese. - Dois raiz quadrada de cinco mais oito fecha parênteses. – Faz novamente o mesmo sinal. - Dividido por abre parênteses. – Repete o sinal. - Raiz quadrada de cinco menos um. – Repete o sinal de fecha parênteses. - Fecha parênteses. Qual é a resposta?

- Sete mais dois raiz quadrada de cinco? - Perguntei ao invés de afirma.

- Não foi desta vez, amor. - ele Disse erguendo as sobrancelhas. - Minha vez.

Ele vai até a escrivaninha e pegou uma vasilha com morangos, me manda tirar minha blusa e deitar na cama obedeço sem questionar.

- Abra a boca. - Seu tom de voz é Sexy e sedutor. Olhei em seus olhos e ele ainda sorri, será que esse sorriso malicioso nunca saia de sua boca?

Ele pega um morango e mergulha na vasilha de leite condensado deixando que seus dedos sejam envolvidos pelo liquido branco. Retira o morango e o traz para minha boca, deixando um rastro doce que pingou por meu corpo e parte da colcha da cama.

Abro a boca e sinto o gosto doce do morando misturado com o leite condensado provocando uma explosão de sabores que junto ao momento transformava isso em um gesto totalmente erótico e seduzente.

Zayn lambuza ao redor dos meus lábios, estico a ponta da língua e passo na ponta de seu dedo, vejo seus olhos queimando de excitação, coloco lentamente seu dedo indicador na minha boca e chupo da bate até a pontinha lentamente fazendo aquilo que faria em seu pênis.

- (S/n)… - Sua voz não passa de um sussurro excitado.

Zayn não registe e ataca meus lábios, seguro seu cabelo com as duas mãos puxando a raiz e passo minhas pernas em volta de sua cintura fazendo-o se encaixar perfeitamente em mim.

- Que se dane o calculo! – Fala com pura excitação na voz.

- Esta na minha hora de te surpreender querido. – Puxo seu cabelo com força desgrudando nossas bocas, nos rolo o deixando por baixo ataco seu pescoço mordendo aquela região deliciosa.

- O que você tem em mente? – Bate com força em minha bunda.

- Você pode ser o professor de calculo, mas eu sou a aluna com experiência sexual que te deixa louco. – Mordo seu lóbulo e sinto outra tapa em minha bunda.

- Acho bom você caprichar se não vai ficar reprovada.

- Oh professor, por favor, não prometo ser uma boa aluna. – Levanto-me e o guio para ficar sentado no fim da cama, retiro sua calça junto com a cueca box. – Hora de realizar a minha fantasia. – Pego novamente a vasilha com chocolate e com uma mão lambuzo todo o pau do Zayn fazendo movimento de vai e vem em seu grande membro.

- Seu sonho é me ver cheio de chocolate?

- Não. – Olho em seus olhos enquanto despejo chocolate por todo o seu abdome direto da vasinha. – Meu sonho é te chupar todinho cheio de chocolate. – Dou-lhe uma ultima olhada ataco seu pau o cobrindo inteiro com minha boca, Zayn arfa e joga a cabeça para trás, não é sempre que o coloco por inteiro com a boca. – Zayn é bem grande. – Mas quando o faço ele delira de prazer.

- Isso, assim gata segura só mais um pouco. – Segura meus cabelos. Solto seu membro com uma lufada de ar.

- Quanto ganho por isso professor?

- Cinco. – Sorri malicioso. – Faça por merecer seu dez.- Bate com força em minha bunda.

Retiro o resto da minha roupa e pego todo o leite condensado o jogando em meu corpo, passo uma quantidade generosa em meus seios.

- Oh, eu me melei toda, pode me ajudar com isso professor? – Soo como uma aluna que fez travessura.

- Que dana, acho que vou ter que te limpar todinha. – Me segura pela cintura. – Como sei que se sujarmos a cama inteira você vai brigar comigo. – Sinto um tapa forte em minha bunda que aumenta ainda mais o pulsar no meio das minhas pernas. – Vamos usar todo esse chão encapetado hoje.

- Adorei sua ideia professor.

Zayn deita-me no chão e sem perde tempo começa a lamber meu mamilo esquerdo, sinto uma sensação maravilhosa de prazer se espalhar por todo o meu corpo enquanto ele vai dando leves mordidinhas e lambendo todo o leite condensado.

- Vou te foder tão forte que te rasgarei em duas S/n. – Morde meu pescoço e tenho certeza que ganharei um hematoma roxo.

- Me parta ao meio se preciso. – Envolvo sua cintura com minhas pernas, sinto seu membro em minha intimidade, com uma mão Zayn o pega e começa a passar em meu clitóris fazendo uma massagem dos céus, como amo o pau desse homem.

- Chega de brincar. – Enfia tudo de uma vez e sinto grande parte da tensão se aliviando, seus movimentos são rápidos e fortes ele não esta para brincadeira, e quer saber eu adoro isso.

- Oh professor me fode.

- Você foi uma péssima aluna. – Bate em minha bunda. Um. Dois. Três tapas seguidos na mesma região isso envia ondas de prazer indescritíveis por todo o meu corpo.

- Isso me castiga eu mereço. – Começo a gritar e rebolar o quadril em direção do seu membro.

- Sua putinha, fica dando em cima do professor para conseguir nova alta, vai ver o que é castigo. – Zayn sai de dentro de mim em um único movimento me vira e fico de quatro para ele que segura minha cintura com força e enfia tudo de uma vez dentro de mim sem aviso, com uma mão ele segura minha cintura e com a outra começa a distribuir tapas em minha bunda conforme vai me fodendo cada vez mais, sinto toda a excitação se acumulando em meu vente, meus gemidos se transformaram em gritos e cada vez mais peço para que ele me foda sem piedade.

- Vamos lá S/n estou quase gozando, mas não se você merece isso. – Bate novamente em minha nadega que nesse momento deve está vermelha, mas a única coisa que sinto é um prazer enlouquecedor.

- Por favor, tenho sido uma ótima aluna, chupei seu pau do jeito que você gosta. – Grito quando o sinto tirando o pênis e introduzindo só uma parte, mas uma parte altamente prazerosa, pois Zayn começou a foder meu ponto G.

Enfio a cara no chão e grito de prazer quando sinto todo o meu corpo se derretendo sobre o carpete, Zayn segura minha cintura com força a mantendo no lugar enquanto estoca mais cinco vezes e se desmancha por inteiro dentro de mim, ele cai ao meu lado e puxa-me para o seu peito, nossos corpos ainda estão bêbados dos orgasmos poderosos que atingimos.

- Adorei a lição professor. – Beijo em baixo do seu lóbulo.

- E eu adorei o fato de você ser uma péssima aluna. – Bate em minha bunda novamente.

- Acho que não vou conseguir me sentar amanha depois dessa.

- E quem disse que acabou? – Arqueia uma sobrancelha.

- Assim você me mata.

- Mato, mas de prazer. – Beija meus lábios.