empresaria

¿TRADUCCIÓN DEL MANGA THE ROYAL TUTOR?

Existe la pequeña posibilidad de que pueda traducir el manga de the royal tutor del japones mismo, solo si me tienen paciencia, pues empresaria desde el primer tomo y yo misma limpiaría y traduciría los textos. ¿LES PARECE?

→ [ ≣ Reading is fun ≣ ] ←

Lana sin duda había aceptado cuando la invitaron a participar en aquel evento relacionado con niños, y con diversas actividades, había muchas en las cuales le hubiera encantado participar por lo que escogió dos de ellas para realizarlas junto a los pequeños, la primera leer algunos cuentos, adoraba ver las expresiones en los niños cuando se les contaban historias, y la segunda era una actividad con pinturas, algo sencillo como pintar con sus manos, a Lana le encantaba todo aquello que ayudara a los mas pequeños a desarrollar su creatividad así como divertirse al practicarlo.

Estaba sentada al centro de varios niños algunos solos otros con sus padres quienes también estaban atentos al cuento que la castaña había elegido leer. ‘Los animales de la granja’. La empresaria comenzó a leer y para hacer mas entretenido el cuento para los niños comenzó a realizar algunos sonidos a medida que leía. “…Entonces el granjero comenzó a aplaudir diciendo ‘Todos a comer’…” La castaña soltó el libro colocandolo en sus piernas y comenzó a dar palmadas con sus manos. “Ahora ustedes, llamen a los animalitos a comer” Les dijo a los niños los cuales emocionados comenzaron a aplaudir imitando lo que hacia la mujer.  “…Primero va usted, señor pollito…” continuó, “Hola soy pollito, pio pio” Imitó el sonido que realizaban los animales. “Ahora usted señor rana…” Y señaló a un padre de familia para que hiciera el sonido de la rana Y así continuó con algunos animales y diferentes padres haciendo que tanto niños como adultos participaran. “Y después esta la señora vaca… quien hace así…” Señaló a la persona que visualizó cerca de ahí. “Si, si usted…” Dijo esperando que aquella persona hiciera el sonido de la vaca junto a todos los niños que lo miraban atentos.

A favor y contra mí:


A favor:

Soy independiente.

Soy creativa.

Cocino mejor que mi madre (y eso es hacerlo muy bien).

Para qué negarlo: no soy fea.

Tengo las manos bonitas.

Soy empresaria,

escritora

y bastante puta.

No me importa prestar cantidades elevadas de dinero.

Me encanta hacer regalos.

No me importa no recibirlos.

Sé escuchar.

Hablo sólo de lo que sé y lo justo.

Puedo hacer positiva la expresión ‘un castillo de un grano de arena’.

Sólo le digo que le quiero a quien quiero de verdad.

Quiero a muy poca gente.

Podría ir a buscar a un amigo a Groenlandia andando.

No me importa que los animales me besen en la boca.

Soporto cualquier tipo de música por amor (excepto el house).

Respeto el espacio personal ajeno.

Me gustan Los Planetas y Standstill, pero no me enfadaré si no te gustan.

No soy rencorosa.

Dejaría dormir a un enemigo en mi cama si le doliese algo una noche.

Mantengo el sentido del humor en los funerales.

Tengo la entereza de un ejército.

Sé conducir

y soy Irene.

En contra:

Soy una sociópata.

Y una criticona.

Mi imaginación llevada a un límite podría duplicarme.

Estoy loca.

No me gusta cocinar.

A veces necesito que me digan que estoy guapa.

No sé hacer nada bello con las manos si no hablamos de sexo.

Trabajo mucho.

Soy infiel

y mentirosa,

aunque no respecto a lo último.

Me gasto cantidades elevadas de dinero.

Confío en gente que nunca me hará un regalo.

Adoro el silencio.

Puedo hacer un desierto de un grano de arena.

Necesito estar sola.

Me cuesta querer a alguien.

Tiendo a querer a gente que no merece mi llanto.

No me gusta andar (no confundamos con pasear)

Castigo con pena de muerte la invasión de mi espacio personal.

Me gustan Despistaos y Vanesa Martín.

No olvido.

He pasado por funerales.

Soy frágil.

Conduzco a demasiada velocidad.

He sido politoxicómana.

Tengo 37 tatuajes y todos tienen significado.

Soy adicta a la química.

Consumo cierta droga a diario,

no me quiero

y además soy Irene X.

Perla Rosada - N. S. Luna

Sinopsis
1.- Perla Rosada

Emma es una exitosa empresaria de treinta y dos años, inteligente, hermosa, con una vida acomodada y gustos un poco peculiares.

Leo es un publicista de veinte y siete, creativo, talentoso, sensible, lleno de proyectos y ganas de empezar a vivir la vida. Juntos van a empezar una apasionada relación en la que la búsqueda de placeres ocultos, los hará explorar límites y fantasías que ni se imaginaban.

“Ojos azules claros. Esos labios rellenos que la besaban y sonreían. Su rostro tenso y agitado mientras se movía sobre ella. Sus hombros musculosos se contraían y relajaban. Sus manos. Sus manos por todas partes. Y esa sensación, que no se parecía a nada… Gemidos.

¿Los de ella? ¿Los de él? No parecía real. Todo parecía un sueño.”

 Descargar Libro Aquí!

1.5.- Perla Rosada - San Valentin

¿Se quedaron con ganas de leer un tanto más de Emma y Leo? ¿Extrañan la historia?

Aquí los dejo con un poco más de PERLA ROSADA. Una de mis novelas preferidas y que ocupa un sitio muy singular en mi corazón.

Llena de detalles, pasión, erotismo y amor, para proseguir viviendo un tanto en la vida de estos personajes.

¡Que la gocen!

Descarga Libro Aquí!

La gente nunca está contenta

Una cosa que he aprendido a lo largo de mi vida dibujística y empresaria al peo es que la gente nunca está conforme.
Es que SIEMPRE, Siempre hay algo que falta.
Siempre que pongo fotos de mis productos hay alguien que lo quiere, pero no el de la foto, sino con algo más, o algo menos.
Por ejemplo, subí unas fotos de algunas carcasas que quiero rematar, y copié y pegué muchas veces el texto: las carcasas a remate son sólo las de las fotografías. Y no falta quien me dice bajo la foto: Quiero esta pero para (y menciona otro modelo).
Una chica me dijo “ si hicieras una agenda personalizada la compraría si o si”
Really? es que cómo mierda le voy a personalizar una agenda?
O ven fotos de mis tazas, con un diseño en el que trabajé horas y me dicen: quiero este mismo diseño pero con el pelo de la niña rubio.
Y etc, un sin fin de requerimientos, que son imposibles de cumplir.

Yo siempre trato de complacerlos, cuando tenía tiempo siempre lo hacía, pero cada vez tengo menos tiempo y ahora mi política es: lo que hay es lo que hay.

Creo que esto me ha servido en parte como un experimento social.
Entender que siempre tenemos muchas cosas a la mano,
pero seguimos queriendo algo que quizás ni siquiera existe.

¿Qué tal si intentamos ser más simples?

• • •

La morena entra en el lugar sin quitarse los lentes de sol y dejandole a su chofer la libertad de poder dar una vuelta, distenderse y volver en cuanto ella le mandase un mensaje de texto. Helène conducía a la manera de Francia, por la izquierda, los ingleses se complicaban demasiado y además era nueva en el lugar, se perdería sin dudarlo. Buscaba a alguien que la pudiese guiar, encargado, encargada, dueño, dueña, otros clientes. Era una empresaria de renombre, no podía caer en las manos de la prensa sus actividades extracurriculares. Discreción, era lo que buscaba. Y quería ver qué tanto ese lugar le ofrecía.

Todos ellos tenían bebés y yo estoy soltera (no novio, no hijos, no chico de turno si quiera).

Acerca de una cena con mis amigos que son papás y de cómo me siento. Está divertida. Tengo 25 así que imaginen lo que puedo estar sintiendo… Original y real.

Texto único.

Es tan extraño que tus amigos sean padres, que estén en sus casas compartiendo una cena mientras tú sonríes con las conversaciones súper interesantes de ellos, pero por dentro estás entre “sería interesante tener bebés” y “¡auxilio, sáquenme de aquí!”.

He venido a visitar a un par de amigos, ellos están haciendo dormir a sus dos hijos. La otra pareja está terminándole de dar de comer al más pequeño y yo escribo en el blog para hacer tiempo. No sé si podré terminar de escribir esto antes de que regresen.

 

Keep reading

Devocional Semanal: "Los Diez Mandamientos del noviazgo" #TercerMandamiento

Tercer mandamiento: Te unirás en yugo igual.

En el mundo te podrán decir que lo opuesto atrae, y que cuando es prohibido, aún es más atrevido. Pero, nosotros los hijos de Dios, sabemos que lo prohibido, es prohibido y punto. Caminamos bajo las escrituras y las obedecemos. Pero, ¿qué pasa con ese amor prohibido con el cual queremos pasar aventuras? Enseguida, te mostraré las 5 formas de yugo desigual, más peligrosas.

1.- La relación misionera.
Esto no es de viajes misioneros o algo por el estilo. Te pondré un ejemplo: A ver, mujeres, creo que esto va más para nosotras que para los varones. ¿Han estado enamoradas de un muchacho, que no quiera ver nada con Cristo, y que ustedes, con oración y ayuno lo quieran convertir a los pies de Cristo? Aquí está el caso: Este muchacho hará todo lo posible para sorprenderte. Hablará en lenguas, se bautizará y hasta querrá ser líder de jóvenes, sólo por mantenerte sorprendida. ¿Es esto real? Claro que sí.

Millones de parejas han caído en este problema. El yugo desigual. Jovencita, jovencito, tu propósito con alguien del sexo opuesto, antes de enamorarse mutuamente, esa persona tendrá que amar más a Dios y no solamente amarlo, sino conocerlo. Enamorarse realmente. Si no, entonces, habrás pecado en salir con esta persona. No andes de misionero o misionera, tratando de que esa persona caiga a los pies de Cristo, sólo porque quieres formar una relación con el o ella.

2.- La relación “Madre Teresa”
¿Por qué se le llama “Madre Teresa”? En 1997, hubo una masacre terrible hacia las mujeres más santas: La madre Teresa. La cual se encargaba de consolar a los pacientes. Y así hay tipos de relaciones: Una persona enferma, y una persona que es el paciente. ¿Conoces alguna? Te pongo un ejemplo.

Pongamos de ejemplo un muchacho llamado Juan. Entonces Juan, se enamora de Betsabé (por ejemplo). Viven un noviazgo normal; y llegan al matrimonio. Hay problemas durante la relación de casados, y Juan decide contarle a Betsabé que es homosexual. Y que la había usado para que pudiera tener gustos heterosexuales. Betsabé algo emocionada y congojada, promete ayudar con su “amor” a Juan. Al cabo de los años, Betsabé se da cuenta que Juan había escapado de la casa, con otro hombre. Y al final de cuentas, se percató que nunca pudo curarlo con su amor. Ella era la enfermera. Juan fue el paciente.

Si te encuentras en una relación “tipo Madre Teresa”, no deberías estarlo. ¿Por qué? Porque mereces una pareja con el mismo nivel emocional para compartir contigo. No eres ninguna mamá, o alguna enfermera, o alguna psicóloga. Y si estás en una relación así, entonces debes seguir al pie de la letra el primer mandamiento: ¡Vivirás tu vida!

3.- La relación exótica.
Llamamos una relación exótica a aquellas relaciones en donde son diferentes etnias, costumbres y hasta países. ¿Se te viene alguna a la mente? Yo te pongo un ejemplo.

María es una empresaria exitosa, que vive en Chile. Y conoce por internet o por cuestiones laborales a Pedro; un joven empresario exitoso, que vive en Guatemala. Después de largos coqueteos, deciden verse. Se la pasan bien y llevan una relación de larga distancia por diez meses. Después, una mañana, María se despierta y sabe que no hay algo bien. No está enamorada de Pedro; está enamorada el hecho de que tiene una relación con alguien de un país diferente al suyo.

¿Te ha pasado? ¿O conoces relaciones así? Será difícil poder mantener una relación sana con alguien de culturas y etnias diferentes. Porque estarás enamorado (a) de las costumbres, no de la persona.

4.- La relación “Viejo rico-Mujer joven”
Ah, las parejas con diferencia de edades. Creo que sabes de lo que estoy hablando. Son de esas parejas que, o el hombre es mayor por arriba de 15 años y la muchacha ni siquiera es mayor de edad, o viceversa. Este tipo de relaciones, no es lo mejor que se puedan tener. Porque si de por sí es difícil mantener una relación con personas de nuestra misma generación, ¿te imaginas generaciones más grandes o más chicas? Que vida.

Y te estarás preguntando: ¿Cuál es la diferencia de edades máxima que se puede estar en una relación? Te voy a decir que no hay un número determinado. Pero si me presionas, te diré que unos 10 años. Pero esto debe considerarse a personas menores de 30 años. Así que no te estoy diciendo que no esté permitido, te estoy diciendo que es difícil mantener una relación así. Tanto por cuestiones musicales, gastronómicos, históricos y familiares.

5.- La relación “Dennis Rodman”
Si no sabes quien es Dennis Rodman, te platico rápido de el. Es un atleta que practica el baloncesto como deporte profesional. Y es súper conocido y famoso por sus millones de tatuajes y sus actos de rebeldía. Este tipo de relaciones las llamamos así, porque hay noviazgos que simplemente quieren salir por cuestión de rebeldía, o llevarle la contraria a sus papás.

Hay millones de parejas que tienen este tipo de relación, pero no porque estén enamorados (as) de su pareja. Simplemente se quieren desafiar a sí mismas, y “demostrarle” a sus papás que pueden llevar una relación completamente diferente a la que deberían llevar. O si no quieren demostrarle a sus papás, simplemente se desafían a sí mismos, porque creen estar hartos de la monotonía.

¿Y tu? ¿Qué tipo de relación llevas, o qué tipo de relación te gustaría llevar? Recuerda: Únete en yugo igual.

Nos hemos vuelto extraños. Las pocas veces que tenemos conversaciones son sobre cosas tan triviales que realmente cuesta creer que estuvimos a dos meses y medio de casarnos. No sé qué nos pasó. Quizás es como siempre debió de ser: cada uno entró en la vida del otro para dejarle grandes lecciones. Aprendí mucho, pero el precio que pagué por ello fue muy caro. Perdí a quien alguna vez consideré el amor de mi vida. Ya ni siquiera puedo considerarte mi amiga. Te pasa igual, lo sé.

A veces extraño la cama donde solíamos dormir, los sueños que solíamos tener. La forma en la que tu aroma inundaba mis pulmones. Cielos, extraño tu cabello castaño oscuro al despertar. Jugar contigo los domingos por la mañana. Hacerte enojar al despertarte para después pelearnos y reconciliarnos. Hacer el amor de la misma delicada forma en la que las flores nacen. De verdad extraño besar tu cuello.

Creo que si nos topáramos en la calle ya no nos reconoceríamos. He estado tan triste últimamente que me dejé crecer la barba. Todavía uso la misma ropa, pantalón de mezclilla negro y playera blanca. Es en caso de que nos veamos puedas saber que soy yo. Pero creo que no podría saber si eres tú. Probablemente en este momento llevas el cabello teñido de un color que no es tu color natural pero que seguramente te sienta bien. A estas alturas del partido ya debes de ser una exitosa empresaria, como siempre quisiste. Seguro dejaste atrás los vestidos de verano y vas siempre muy formal al trabajo.

Fumo un cigarrillo por hora. Espero verte algún día de estos. Todavía me falta terminar la historia…

I Si de conocerse se trata.

Autora: DDC - 2016

Prólogo

Eran las 7 de la noche y no sabía si iba a llegar a tiempo o tarde. Para lo mucho que le importaba, era una salida con el amigo de su compañera de su ex universidad. Tenía 25 años, cumplidos en Mayo. Estaba desanimada emocionalmente y terminando su primera carrera. Aquella que decidió seguir después de dos fallidas, toda una indecisión adolescente del pasado; pero que a fin de cuentas, le sirvieron y nutrieron para la vida.

Azhúl suspiró cuando el carro se detuvo en su paradero. “Aquí vamos, a despejarnos un rato”, pensó con flojera. La verdad era que vivía con el drama del amor verdadero, o mejor dicho: no correspondido. En la antigüedad, por esos años de colegio, había gustado de un joven muy inteligente con quien no funcionaron las cosas; pero que como capricho del destino, volvió a ver en su adultez y, como “A” llama a “B”, todas las emociones volvieron a su cauce y la ilusión de antaño, resurgió sin permiso ni aviso. Pero para aquella historia, se puede ir con paciencia. Azhúl, estaba confundida por los actos y, al mismo tiempo, la ausencia.

Al llegar a la esquina acordada, suspiró porque su amiga aún no llegaba. Cuando la vio, frunció el ceño por el hombre que la acompañaba. Aquel chico no era para nada lo que ella denominaba “su tipo”. Azhúl no era una modelo, por el contrario, era una joven común y corriente de cabello castaño, de apenas metro y medio, estudiante de instituto, delgada y, si bien tenía talento, prefería el anonimato y el silencio. Lo que más le gustaba de ella misma eran sus ojos, no había persona que no le comentase lo bonito que eran. Almendrados, de unos negros profundos y, tan sinceros, que si se les prestaba atención, se podía adivinar cada uno de sus sentimientos.

-¿Madison? –preguntó en voz baja mientras tocaba el hombro de su amiga por la espalda. Ella giró y sonrió.

-¡Azhúl! ¡Creí que no ibas a venir! ¡Alejandro! –exclamó a su amigo-. Te presento a la pequeña, Azhúl. Azhúl, él es Alejandro.

-Hola… -medio sonrió ella.

-Hey, hi –respondió él con tranquilidad.

Alejandro acababa de llegar de Estados Unidos, después de 8 años de ausencia. Era un chico de peso, moreno, de piel trigueña y, para Azhúl, alto; no obstante, para Azhúl, la mayoría de personas eran de gran estatura. Ella observó con atención y no cabía duda que el hombre tenía sus orígenes orientales. Sorpresa fue cuando los vio con más cuidado, a la luz, al momento en que él se inclinó a darle un beso en la mejilla, y eran de un color marrón muy claro.

-Bueno –dijo él alegre- ¿A dónde vamos?

-¿A comer, no? –preguntó Madison como si fuese obvio. Miró a Azhúl de refilón y ella sólo se encogió de hombros.

-Sí, claro ¿por qué no? –respondió arrastrando las palabras-. Ahí debe de haber algo para mí.

Azhúl era de esas pocas personas que no se emocionaban con los restaurantes ni las reuniones sociales, simplemente iba y pedía lo que ella consideraba rico. Sus gustos no iban acorde a la mayoría. Al mundo entero le encantaba un pollo al horno, ella prefería la papa cocida y el queso. La gran mayoría no hubiese rechazado jamás un chocolate, ella hubiese pedido una manzana y yogurt de compañía, etc.  

Fueron al restaurante y más que hablar, ella se limitó a escuchar. Ambos amigos conversaban de su etapa de colegio. Madison y Alejandro habían acudido a la misma escuela desde pequeños debido a la cercanía de sus casas. Mencionaron nombres que Azhúl desconocía y aventuras a las que no les encontraba el sentido. Ella no había conservado amigas de esa época. Ella no solía conservar nada.

Respiró hondo y comió lo único que le había dado la gana de pedir: un poco de lechuga y una bebida natural de maíz.

El dialogo prosiguió y se pudo enterar de que Alejandro tenía su propio negocio y con felicidad contaba de que era prospero para haber comenzado hacía poco, de que estaba a punto de iniciar una dieta, de que pensaba en inversiones y en generar muchas más grandes utilidades para poder gozar de la vida como todo un buen hombre de negocios. Madison reía y celebraba el hecho cada cierto tiempo, ella era una empresaria también, había formado una pequeña asociación con una compañera de la universidad. Ambos proyectaban ambición, poder y ganas de crecer. En ese punto Azhúl se aburrió y desganó.

Otro hombre más. Otro que sólo busca lo mismo de todo. Fama y dinero.

Por un momento tuvo la esperanza de que aquel fuese diferente, pero para ella ya no valía el conocerle. La ideología de Azhúl era antigua y muy cavernícola para el año 2013; esto sin contar que amaba las artes, la libertad y, por el contrario, miraba con mala cara la vida monetaria. Para ella éste no era un conductor y mucho menos se traducía en felicidad. Necedad suya de ir contra la corriente. 

-¿Y qué me dices de ti? –preguntó Alejandro a Azhúl debido al silencio un tanto incómodo que se originó mientras comían.

-Nada, todo bien.

-Mmm… ¿estudias, verdad?

-Ajá.

-Y… -contrajo los labios en un pequeño puchero mientras pensaba. Esto a Azhúl le pareció algo divertido. Ponerlo en aprietos-. ¿Y qué te gusta hacer?

-Lo que hago mejor. -Madison carraspeó para que ella hablara con más ánimo y como de una niña regañada se tratase, siguió:- Escribo, estudio y trabajo en la empresa de mis padres.

-¡Oh! ¿Tienes empresa? –interrogó él con entusiasmo.

Azhúl enojada porque ninguna de las otras cosas habría llamado la atención del chico, frunció el ceño y a la defensiva, y con un tono poco amable, fue muy clara:

-No es mi empresa, es la de mis padres. La de mis padres. Ellos son los empresarios. Yo sólo escribo.

-Alejandro cree que las artes son una pérdida de talento –rió Madison.

¡Y para qué lo dijo! Si antes a Azhúl no le caía en gracia, con aquel comentario no sólo sabía que no aceptaría al chico como amigo ni conocido, si no que sería un enemigo declarado y un ser humano corrompido por el ego de lo material, lo plástico y efímero. Persona que no soñaba con el arte, no merecía ingresar en su mundo. Nunca. Jamás.

La noche prosiguió, pero ella no volvió a conversar. Uno que otro comentario de “ajá, normal, ya veo, comprendo, que bien, sí, no” y lo más extenso “buenas noches”.

-Tú sí conversas –dijo Alejandro divertido, un par de horas después, al finalizar la velada mientras se inclinaba para despedirse con un beso en la mejilla. Ella intentó girar la cabeza para que él besase su oreja, pero fue tan astuto que terminó dándole un beso en donde correspondía.

Madison asintió al costado:- Es sólo que Azhúl conversa cuando tiene mucha confianza. Es una persona muy especial –dijo con evidente incomodidad y cierta vergüenza. Azhúl pensaba que en esos momentos debía de estar arrepentida por haberla llevado. Nos vemos, pequeña.

-Mmm sí y pocos ganan mi confianza. Cuídate, Madison, cuando llegues a tu casa, me avisas. Nos vemos –respondió tranquila antes de irse.

Al estar frente a la puerta principal de su casa y abrir las rejas negras, se detuvo, giró y enojada miró a Alejandro y entre dientes farfulló:

-Te deseo mucho oro para toda tu existencia.

Y más bajito, después de haber ingresado a su hogar haciendo poco ruido para no despertar a sus padres, musitó:

-Pero yo ni más vuelvo a hablar contigo.

Azhúl no tenía idea de lo mucho que se equivocaba en aquellos momentos.

Continuará…

Em Seus Olhos - Cap 11

Minha Semana continuou do mesmo jeito, e evitei ir ao escritório, Fui ate a construção duas vezes naquela semana, e tirando a chuva que atrasava um pouco, as obras estavam indo bem e em ritmo acelerado. Continuei mandando mensagens diárias para Vanessa, mas ela não respondia nenhuma.

Minha maior agonia era que Luis estava esperando o telefonema de uma pessoa que podia liberar as informações que eu tanto ansiava, mas a pessoa estava de férias e ninguém estava conseguindo entrar em contato, pelo que Luis havia me dito, ele já havia enviado mensagens e e-mail e telefonado varias vezes, agora só tínhamos que esperar ele retornar. Luis disse que ele devia favores a ele, então ele não estava fugindo, eu nem perguntei quais tipos de favores,pois conhecendo Luis eu que não queria star na pele de quem devia favores a ele.

No sábado eu resolvi sair um pouco, a chuva tinha parado, mandei minha mensagem matinal para Vanessa, eu sabia que era meio bobo isso, justamente porque ela não as respondia, mas eu me sentia um pouco melhor, era o que me dava um pouco mais de animo.

Quando passei na obra, fui informada que o prédio começaria a ser erguido na próxima semana. Quando estava saindo, vi Richard virando a esquina, obviamente ele estava indo para a obra.

- Bom dia, Clara! Eu estava passando por aqui e resolvi vir dar uma olhada para ver como esta ficando – eu respirei fundo, esse cara estava conseguindo me tirar do serio.

- Richard, creio que o Luis já tenha entrado em contato com você, esta terminantemente proibida a entrada de pessoas no loca que não estão relacionadas à obra.

- Sim, Luis entrou em contato, eu vim aqui outro dia mais não pude entrar. Eu acredito que por ter sido o dono deste terreno, eu poderia vir visitar, assim como já fiz inúmeras vezes cm outros compradores.

- A obra é um lugar perigoso e eu prefiro que somente os funcionários contratados entrem aqui e depois dos papeis assinado por ambos o terreno é meu, não complique as coisas Richard! – ele ergueu as sobrancelhas, ele já sabia disso tudo, eu sei que de sonso ele não tinha nada. Tinha algo nele alem dessa insistência toda que me incomodava profundamente.

- Claro, entendo,mas posso fazer uma pergunta a você Clara? – o que eu poderia falar?

- Sim.

- Você mudou seu comportamento, depois daquele dia em que eu questionei em qual site de acompanhantes aquela garota trabalhava, foi isso que a ofendeu? – eu devia ter imaginado que seria algo do tipo, respirei fundo.

- Eu aço que nós não deveríamos estar tendo esse tipo de conversa, nosso relacionamento Richard foi estritamente profissional, não temos mais negócios a tratar, se me der licença – me virei e fui para o carro.

Eu estava com fome, resolvi ir aquele restaurante que fui com Vanessa uma vez, onde conheci seu amigo Doug, assim que eu me sentei o próprio veio me recepcionar.

- Boa tarde senhorita, Oh! Estou lembrado de você! Amiga da Vanessa estou certo? – ele estava com um grande sorriso, como quando eu o conheço, vai ver ele era assim mesmo e não só quando a Vanessa estava presente.

- Sim, sou eu Doug, com vai?

- Estou bem, obrigado! A senhorita já se decidiu?

Fiz meu pedido, e aguardei. Olhei em volta, me lembrando daquele dia, das pessoas com que Vanessa havia almoçado. Um outro garçom me trouxe o vinho, mas poucos minutos depois vi Doug com as entradas e resolvi arriscar.

- Doug, você sabe me dizer o que houve com alguns moradores de rua que costumavam ficar aqui em frente?

- Eles vem para cá na hora do almoço quando eles conseguem dinheiro, são uma família senhora.

- Mmm, e você sabe algo mais? Eu já os vi com a Vanessa, eu só gostaria de saber se eu posso ajudá-los de alguma forma.

- Eles tem uma historia um pouco triste. Que eu saiba eles eram freqüentadores desse restaurante antes que eu começasse a trabalhar aqui. Me parece que o sócio deles roubou tudo que eles tinham. A senhorita Mesquita sempre sentava na praça e almoçava com eles, ela gostava da criança a pequena Star e da sua cachorrinha Sol, ela comprava jornais pra eles vissem as ações. Me parece que eles dormem em outro lugar, mas não sei dizer onde e isso é tudo que eu sei.

- Agradeço pelas informações Doug. Muito Obrigada! – ele acenou com a cabeça e saiu, comecei a comer a entrada, mas alguns minutos depois notei um movimento lá fora, eram eles, então sem pensar duas vezes chamei o garçom.

- Meu pedido, coloque-o para viagem sim? – deixei o dinheiro na mesa – Leve-o para mim lá fora, ok? – e eu apontei para a praça.

- Entendido senhorita.

Atravessei a rua, vi que a mulher olhava para mim sorrindo, como se já me conhecesse.


- Com licença, posso me juntar a vocês? – estavam os três mais a cachorrinha. O homem aparentava seus quarenta e poucos anos a mulher parecia ser um pouco mais nova e a pequena menina devia ter seus quatro anos.

- É claro que pode, você é amiga da Vanessa então pode se juntar. – a mulher disse gentilmente, a garotinha repetiu o nome Vanessa e a cachorrinha veio me cheirar, passei a mão em sua cabeça e ela abanou o rabo.

- Obrigada.

- Sou Marcelo Ribeiro, essa é minha esposa Angela, nossa filha Star e claro nossa cachorra Sol.

- Sou Clara.

- Nós sabemos! – eles disseram em uníssono, eu sorri.

- Você está bem? – o homem perguntou.

- Estou …bom.. estou levando a vida. – eles se olharam, então a mulher sorriu para mim.

- Ela gosta da senhorita também e também deve estar sentindo saudades. – isso fez meu coração acelerar, a conversar estava indo pra onde eu queria, e nem precisei me esforçar muito.

- Como você pode saber? Ela foi embora. – minha voz soou mais lamentável do que eu queria que tivesse soado.

- Esse é um dos motivos pelo qual eu tenho certeza que ela gosta de você. – a mulher disse pegando a garotinha no colo.

- Ela sempre falava muito de você para nós. – o homem disse.

- Ela tem seus problemas de passado não é? Que a bloqueiam. – eles se entre olharam de novo.

- Na verdade, não são tão do passado assim, são mais recentes. Olha nós não estamos autorizados a falar sobre isso, acho que a Vanessa não disse a senhora talvez tenha seus motivos, mas ela sempre falava de você com um sorriso no rosto. – O QUE? Eles sabiam qual era o problema dela, e eu não? Porque isso? Eu não era digna de saber o que a deixava tão triste? Isso me deu um grande desanimo.

- Posso perguntar como vocês a conheceram?

- Nós estávamos aqui nesse mesmo lugar, Sol saiu correndo atrás de uma pomba e Vanessa estava atravessando a rua, quando ela viu, voltou e saiu correndo atrás de Sol, então ela nos viu acenando e veio até nós. – eles sorriam lembrando da cena, a cachorrinha ainda estava sentada perto de mim, a mulher continuou – Então quando ela chegou aqui, Star saiu correndo para abraça - lá e isso deve tê-la tocado e sem mais nem menos ela se sentou onde a senhora está hoje e passou a tarde conversando conosco.

- Ela se despediu de vocês?

- Sim, ela veio ate aqui antes de partir, ela costumava nos ajudar, com comida e dinheiro, ela deixou uma quantia com meu esposo – e o homem então retirou de uma mochila um envelope branco parecido com o da carta que ela me deixou.

- Eu ia comprar ações hoje, mais achei melhor esperar o inicio da semana que vem.

- O senhor entende de ações? – ele abriu um grande sorriso.

- Sim, eu tinha uma empresa, e vivia no mundo das ações.

- Desculpe ser indiscreta, mas o que aconteceu.. para o senhor vir parar aqui?

- Não tem problema algum, a historia é simples, meu sócio achou que o dinheiro era mais importante que anos de amizade, mais importante do que minha família, então ele conseguiu autorização e comprou todas as minhas ações, quando eu descobri isso, já estava sendo expulso da minha própria empresa e depois foi só uma coisa atrás da outra, não tínhamos muito para onde ir, então acabamos aqui, Às vezes ficamos em um abrigo quando deixam a Sol entrar, se não, ficamos na rua mesmo.

O garçom chegou com o meu almoço.

- Por favor, peçam o almoço de vocês é por minha conta.

- Mesmo? – o homem perguntou um pouco receoso.

- Sim – o garçom voltou sua atenção ao homem que fez o pedido, deixei o meu almoço de lado, iria esperar o deles para comermos juntos.

- Eu gostaria de ajudar vocês, você tem acompanhado as ações? – ele fez que sim com a cabeça.

- Bom, eu gostaria que vocês tivessem um pouco mais de paciência, eu sou empresaria e estou trazendo para Miami mais um unidade da minha empresa, que já esta em construção, eu gostaria de empregá-los assim que a empresa estiver pronta. – eles sorriram um para o outro.

- A senhorita esta realmente falando serio? – o homem perguntou.

- Claro! Porque não estaria? Utilize com sabedoria o dinheiro que a Vanessa deixou com vocês, se precisarem de mais me falem, por favor. – dei um cartão a eles com o endereço da empresa e o telefone – assim que a empresa estiver pronta, o que vão levar alguns meses ainda, gostaria de ter vocês na minha equipe.

- Clara você não poderia nos dar uma noticia melhor, um emprego assim é tudo que precisávamos – Muito obrigada – a mulher disse, e eu vi lagrimas enchendo seus olhos, ela abraçou seu marido que também chorou e no meio do abraço deles, me olhou, e eu pude ver gratidão em seus olhos.

A pequena Star olhava para eles mas sem entender muito bem, ela deu um beijo em sua mãe e depois em seu pai, a cena me fez sentir um calor no peito, que me fez esquecer um pouco da dor de não ter mais Vanessa por perto.

Doug trouxe o almoço deles, alguns copos e bebidas e suco para Star, trouxe uma sobremesa por conta da casa para Star também. Eu abri meu almoço e começamos a comer juntos, a sensação era única, e eu comecei a entender de verdade as palavras e gestos de Vanessa, ela tinha me ensinado e mostrado tanto em tão pouco tempo.

A pequena Star estava brincando com uma boneca e estava alheia a tudo, às vezes ela levantava e pegava algumas roupinhas de boneca em uma mochila, ou às vezes ela sentava no colo do pai ou da mãe, me olhava envergonhada escondendo o rosto.

- Senhora Ribeiro, Vanessa disse para onde estava indo?

- Não, ela disse que precisava sair de Miami, o mais rápido possível. Nós estranhamos, ela disse que queria viajar pelo mundo quando a conhecemos, mas como ela foi ficando mais do que ela disse que ficaria nós imaginamos que a causa fosse à senhorita. – eu sorri por dentro, porque eu também achava isso.

- Mas quando ela disse que ia embora, ela estava triste, realmente triste, ela não disse o motivo, mas eu sabia que era porque o que ela mais tinha medo havia acontecido… ela se apaixonou.. por você.

Eu parei de comer.

- Ela disse que tinha medo de que isso acontecesse?

- Não com essas palavras, mas uma vez ela me disse que o que ela menos queria na vida seria se relacionar com alguém, isso a faria triste e tiraria a paz dela, foi isso que ela disse. Eu me lembro de ter falado que amor faz bem as pessoas, mas então ela nos contou o que havia acontecido co ela e foi ai que juntei as peças apaixonar-se não faria bem a ela.

- Ela estava começando a falar freqüentemente de você para nós, eu não comentei com ela, mas com meu marido, Vanessa está se apaixonando pela senhora autoritária sem perceber.

Eu dei risada, era assim que ela me chama mesmo para eles.

- Ela me mostrou coisas que eu via, mas não enxergava, entendem? Ela abriu meus olhos para tanta coisa, eu aço que me apaixonei por ela no instante em que a vi. – tive que puxar ar para respirar, devido ao aperto no peito.

- Eu sabia que a senhorita gostava dela! Assim que a vi chegando e depois das suas palavras… Vanessa é uma garota apaixonante mesmo.

- Como vocês me conhecem?

- Vanessa tinha descrito a senhorita já, mas não seria fácil reconhecer, então um dia vocês almoçaram juntas aqui e nós vimos vocês.

- Entendi! – eu me lembrei daquele dia.

Quando olhei a hora, vi que já passava das cinco. Eu tinha passado a tarde toda com eles, fiz o que Vanessa fazia, e me senti feliz, respirei fundo e me levantei.

- Muito obrigado pela tarde, pela conversa e pela confiança. – dei minha mão a eles que se levantaram também.

- Fique tranqüila, as coisas irão se resolver! – a mulher disse com um sorriso e olhar sincero.

- Obrigada!

- Obrigado de novo senhorita Aguilar! – o homem disse segurando sua filha no colo, Sol acordou e pulou no meu joelho.

Fui para o meu carro, vi eles arrumando suas coisas, deviam estar voltando para onde dormiam. Eu liguei o som do carro e sai sem direção, o céu estava claro como a muito tempo não via em Miami, quando dei por mim estava na estrada. Eu estava com vontade de dirigir e digerir tudo continuei indo pela rodovia A2.

Ok, então eles eram os amigos, só podiam ser eles, bom tem o Doug também. O que será que ela estaria fazendo uma hora dessas? Olhei para o céu por um instante, o céu estava bem claro, entrei na A249.

Eu não tinha muita idéia de onde estava indo, mas, continuei dirigindo. Queira que ela tivesse aqui comigo, mas então pensei, será que se ela estivesse nós estaríamos viajando? Provavelmente não.

Meia hora depois vi uma placa, me lembrei que eu estava perto do mar, segui em frente forçando mais o motor. Haviam pequenas casa na encosta da rodovia, mas poucas pessoas nas ruas, que eram paralelas a ela, devia ser muito calmo por aqui. Cheguei no que parecia ser um pequeno centro da cidade, parecendo um pouco mais movimentado, ate que finalmente a estrada ficou menos movimentada de novo, algumas casas nas encostas, casa pequenas e trailers, muitos trailers

E então eu vi o mar, enchi o meu peito respirando aquela brisa, procurei um lugar e estacione o carro, desci as escadas de cimento que davam na areia e olhei para o horizonte, o cheiro de mar enchia meus pulmões, peguei meu celular, mandei uma mensagem pra ela.

Para: Garota da chuva

Tive uma tarde interessante, com amigos interessantes também, que estão com saudade de você, não sei se tanto quanto eu, queria que você estivesse aqui.

Capítulo 28 - O beijo mais gostoso

 No hotel.

- Você… é demais menina, sabia… sabia que seria assim desde que coloquei meus olhos  nessa boca gostosa – disse Maitê sorridente ainda ofegante, arrancando uma gargalhada da outra mulher.  

- Está fazendo meu ego subir sabia?

- Estou apenas sendo sincera, não sou muito chegada a mulheres, mas você definitivamente vale a pena… muito – beijo-a e voltaram a ação novamente.

Vanessa já tinha arrancado todas informações que precisava da mulher no almoço, nunca ia para cama com alguém para conseguir algo e mesmo se sentindo atraída pela elegante mulher de cabelos loiros e curtos, dessa vez não foi diferente, deixou a empresaria e diretora da revista  VIPS na porta do hotel e não pretendia nunca mas vê-la, mas sua breve conversa ao celular com Clara lhe vez mudar de ideia, precisava se acalmar e diminuir as sensações que a loirinha lhe causava, e foi atrás da mulher que tinha lhe deixado o número de seu quarto a poucos minutos atrás. Não serviu de muita coisa, de nada lhe acalmou, bom talvez tivesse funcionado como uma massagem no ego ao menos, tinha levado a mulher 3 vezes ao ápice e por realmente  ter se atraído por ela, se sentiu bem, mas o incomodo no seu peito não lhe permitiu gozar, o corpo travou graças aos pensamentos que estavam em outro lugar.

Já no flat.

- Isso foi… maravilhoso… como sempre – disse Jorge satisfeito.

- “Só se foi para você” É como sempre – mentiu.

Depois de deixar o cantor na gravadora, mesmo como ele insistindo em passarem o resto do dia juntos, foi correndo para casa do amigo.

- Não gozei – disse assim que entrou  no apartamento de William.

- Tá louca criatura?

- Fui para cama com o Lancelotti e não gozei, não adianta Will estou com tesão reprimido pela Vanessa e só vai passar com ela, já decidi, vou pra cima.

- EU MEREÇO. Espero que isso só tesão mesmo …

- Lógico que é, o que mais seria?  Não se lembra de como eu fiquei com a Bianca – riu.

- Verdade tinha esquecido que você só sossegou quando introduziu sua secretariazinha na lagoa das sapas ou meia sapas… bom pelo menos a Van é gostosona, não sei o que viu naquela água de salsinha da Bianca.

- MORTA – gargalhou – Lagoa das sapas ou meia sapas?! Mano de onde você tira essas coisas?

- Sou muito criativa meu amor – piscou para ela – Você é bi então é meia sapa só.

- Ai Will – continuou rindo – Eu já to indo, vou pegar o Max na escolinha quer ir? Ai, depois vamos lá pra casa para você ver sua “Van” – debochou imitando a forma que ele chamava ela.

- Hoje não minha diva tatuada, vou sair com um bofe ai. Escuta aqui você tá é com inveja que eu tenho intimidade pra chamar ela assim…  aposto que no seu sonho tava matando essa vontade “Ai Van, vai Van, aqui Van, mais forte Van” – disse zoando amiga.

- CALA BOCA – gargalhou – Eu ainda vou ter intimidade, muita intimidade se é que me entende.

- Ai que nojo!  

Clara foi para casa com o pequeno e se surpreendeu por ver que a segurança ainda não tinha chegado, pensou na possibilidade dela ter voltado em casa e só aparecer depois. Sua agonia aumentava a cada hora. O depois demorou e a morena só apareceu lá pelas 23:00, ainda com a mesma roupa de hoje cedo, o que deixou a loirinha levemente irritada mesmo sem saber o porque de se sentir assim.

- BMW? – disse Clara sentada no sofá da sala bebendo Whisky, viu através da janela a segurança chegando  de carro.

- É da empresa – sentou-se no sofá da frente.

- Hum.

- Clara dá próxima vez deixa o Vargas subir para verificar o flat, você quase não vai lá e em apartamento é mais fácil de entrar que em condomínios como esse aqui.  

- Simplesmente não dava, ou ele iria acabar vendo quase um filme pornô ao vivo – riu – enfim dá próxima vez me controlo.  E você – se levantou para pegar mais bebida – trabalhou bastante? Conseguiu arrancar alguma informação? Parece que teve bastante horas para isso.

A morena não entendia o tom de deboche vindo da DJ desde que chegou, mas resolveu relevar pela bebida.

- Acho melhor conversarmos sobre isso amanha, quando estiver… sóbria.

- Não, quero saber sobre isso hoje – disse seria.

- Ok… fui na mansão onde aconteceu a festa que tiraram as fotos sua com a Lívia Andrade, eu e Téo percebemos que a qualidade da fotos que foram vazadas era bem ruim, certamente não foi tirada de uma câmera profissional, começamos a trabalhar com a possibilidade de ter sido imagens congeladas das câmeras de seguranças do lugar e o anônimo ter conseguido entrar no sistema deles para pegar. Tive que ir até lá para ter uma ideia de onde eram todas as câmeras, se dava para realmente alguma delas ter te filmado naquela posição e a imagem ter sido tirada dela.

- E… foi tirada da câmera de vídeo?

- Não… você estava no jardim e as câmeras externas são viradas de uma forma que só filma as portas  e as do segundo andar também não chegam até o lugar que você estava. Resumindo quem tirou as fotos, só pode ter tirado elas do segundo andar. Téo vai dar um jeito de entrar de penetra na próxima festa lá e ir até a sala onde fica o computador que grava todas as câmeras de segurança, elas não gravaram você ficando com a Lívia, mas gravaram quem tirou as fotos do segundo andar.

- Ótimo, agora sim estamos andando – disse animada – mas e a tal mulher de hoje? Era a dona da mansão?

- Não, ela é diretora da VIPS.

- Essa é revista que publicou as fotos…

- Sim, eu pretendia me aproximar dela para arrancar alguma pista ou qualquer coisa que me desse pelo menos uma ideia de como funciona essas revistas de fofoca. Enfim, quanto estávamos no Rio consegui ir para uma festa que ela estava …

- Pera ai, como assim você saiu no Rio semana passada? Quando?

- Depois que você dormiu, enfim, conseguir chegar perto dela que estava bêbada, conversarmos bastante e consegui encaminhar a conversa para o assunto da revista e ela me disse coisas interessantes, trocamos números, hoje ela veio pra São Paulo para uma reunião e me chamou para almoçar, bom e graças a ironia do destino de você estar lá ela me soltou o que eu queria saber. Quem mandou as fotos para revista.

- Quem?

- Você, seu computador está hackeado no mínimo desde dezembro do ano passado quando a revista saiu, isso poderia explicar porque demoraram dois meses  pra vazar a foto, ele provavelmente estava tentando hackear seu computador.

- Que porra. Não vejo a hora do Téo pegar as filmagens e eu  ver a cara desse infeliz, mas quer saber? Estou confiante que isso vai acabar logo.

- Vai sim – deu meio sorriso, passando confiança pra loira.

- Cachorra – tacou uma almofada na morena depois de alguns minutos em silencio.

- Ham? Mano que isso? – disse rindo.

- Não acredito que você saiu  no Rio e não me chamou – gargalhou – Eu não quis sair com pena de você que tinha bancado a heroína e achei que tava cansada… e você indo pra farra… por isso que ficou gripada.  

- Você é doida – riu – Eu tava trabalhando não farreando, e como eu ia chegar na Maitê sendo sua segurança?  Ela nem poderia sonhar que sou sua segurança se não, não me contaria nada oras.

- Como você foi vestida para a festa?

- Ah, vestido vermelho e salto alto…

- Então certamente ela não acharia que era minha segurança… e sim minha namorada.

Vanessa não soube o que falar, viu a DJ levantar do sofá e caminhar até ela.

- Não seria uma má ideia, acharem isso – disse se aproximando ainda mais da segurança que continuava sentada – eu até gostaria…

As luzes piscaram logo depois se apagaram, o que não deixou a loirinha concluir seu plano de sentar no colo da morena e fazer o que sentia vontade. “Só pode ser brincadeira” pensou quando percebeu que Vanessa aproveitou a situação para fugir dali. As luzes da rua e do vizinho da frente voltaram o que indicava que só ali que não, seguiram pra casa de maquinas no subsolo para ver o que tinha acontecido.

- Ah só desarmou, isso já aconteceu, deixa que eu resolvo…

- Claro que não, esse filamento queimou, eu vou trocar.

- Vanessa não é isso…

- Você entende de eletricidade?

- Não, mas isso já aconteceu e …

- Então pronto, deixa que eu mexo.

 Vanessa gastou uns 35 minutos ali trocando varias coisas até desistir e se irritar.

- Droga, não entendo, mexi em tudo… vai ter que chamar um eletricista mesmo – disse quase bufando.

Clara nada respondeu apenas foi lá em fez uma coisa que fez a luz voltar, ano passado o mesmo problema tinha acontecido e o eletricista explicou o que fazer, apenas desligar e ligar um disjuntor que ficava escondidinho.  

Prontinho – riu – Fácil não? – o comentário deixou a segurança ainda mais emburrada – Uma vez você me chamou de menina mimada… e agora está agindo como uma – riu - Você não está acostumada não é mesmo?

- A que?

- A não ter a última palavra, talvez tenha sido por isso que escolheu ser segurança… poder mandar com a desculpa que é para o bem da outra pessoa. Não que eu ache que você não se preocupe mas tenho certeza que ama essa sensação de ter a palavra final.

- Virou psicóloga Clara? – falou debochada.  

- Não, apenas gosto de prestar atenção nas pessoas que me interessam – falou olhando dentro dos olhos da morena esperando algum sinal que aquilo dissesse mexido com ela, o sinal veio atrás dos pelinhos arrepiados – Ainda com febre Vanessa? – se aproximou da segurança que deu dois passos para trás e bateu com as costas na parede.

- Hum, um pouco – mentiu envergonhada pela reação.

- Talvez com um beijo passe.

Não queria se enganar mais, não tentaria se enganar mais, não era mulher de fugir de seus desejos e de sim correr atrás deles. Se aproximou ainda mais da morena até colar em seu corpo, colocou a mão na nuca e percebeu que ela estava completamente a seu mercê, trouxe sua boca de encontra a dela e beijo-a. Com vontade, com desejo, com fome e mesmo assim torturantemente com lentidão, de forma que só fazia aumentar as 3 primeiras características. Sentiu quando Vanessa passou a responder da mesma forma que ela, foi quando ela chupou sua língua de forma intensa e suas mãos, inertes até então, ganharam vida apertado sua cintura com força. O beijo começava a acelerar e ar começava a faltar, mas a DJ não deixava o contado das bocas e línguas terminar, suas mãos passavam pelos braços da morena apreciando os músculos tensionados, mas uma delas seguiu a caminho de um objeto de desejo em particular da loirinha, desceu até a barra da saia puxou a camisa social para fora, colocou as mão para dentro e  finalmente entrou em contado com a pele quente, não resistiu e arranhou os gominhos da barriga da outra mulher. O movimento parece ter feito a segurança se tocar no que estava fazendo e o que iria acontecer, empurrou a loirinha com certa força e saiu do subsolo atordoa.

- Que beijo gostoso – Clara mordeu o lábio como se prolonga-se a sensação do beijo na sua boca – Agora já era Vanessa… você vai ser minha.

Capitulo 65

Angelis:Clara você só precisa ir lá dentro e dizer tudo o que você sabe.

Chegava a ser engraçado eu entrar naquela delegacia para prestar depoimento sobre a morte de Fabian sendo que ele havia tentado me matar dias desses,é o mundo da mesmo voltas. Disse tudo o que sabia sobre Fabian até ele me sequestrar,me agredir, sumir do mapa e aparecer morto,depois de dar meu depoimento,que não acho ter ajudado muito,sai daquela sala com mais duvidas do que quando entrei.

Angelis:Bom agora é uma questão de espera,Claralá fora tá cheio de reportes,a Vanessa quase não consegue entrar e..

Clara:Vanessa tá aqui?(surpresa)

Angelis:Tá sim,vocês duas são as principais suspeitas.(tranquila)

Clara:E você fala nessa calma toda?(incrédula)

Angelis:Ué,porque eu me descabelaria?você não fez nada,não é?

Clara:Não,claro que não.

Angelis:Bom eu vou chamar algum policial para ajudar a gente a sair daqui sem falar com a imprensa.

Clara:Mas…e a Vanessa?

Angelis:Deve estar prestando depoimento agora.

Sol:Clara…(a chamando)

Clara:Oi tia Sol.(lhe dando um abraço)

Sol:Como você tá menina?e o Max?

Clara:Eu estou tentando entender ainda e dando graças a Deus pelo meu filho ser pequeno e não entender nada do que está acontecendo.

Angelis:Clara a gente precisa mesmo ir.

Clara:Ah,essa é a minha advogada,Angelis essa é a mão da Vanessa.

Sol:Solange,prazer!

Angelis:Prazer dona Solange.(sorrindo)

Clara:Bom tia Sol,eu realmente preciso ir.(lhe dando um abraço)

Sol:Dá um beijo no pequeno.

Clara:Pode deixar.

Angelis:Tchau dona Solange.

Pra sair daquela delegacia foi um inferno,a imprensa estava em preso no local,não estranhei,sendo filha de quem sou e de todos os problemas que já me envolvi,já era pra eu estar acostumada. Conseguimos passar por aqueles seres famintos por informação depois de muita luta,mas conseguimos sem eu precisar dizer uma só palavra,o meu pai havia me ligado,me proibindo de falar qualquer coisa que seja,entramos no carro e fomo direto pra casa.

May:Nossa,eu tô…(negando com a cabeça)

Lu:Pois é,todos estão assim.

May:E a Clara como tá?preciso falar com ela.(procurando o celular)

Lu:Ela foi prestar depoimento agora cedo,deve tá na delegacia.não te procuraram?

May:Não,quer dizer não sei,meu celular descarregou ontem e não tive como carregar.

Lu:Onde você estava ontem?

May:Fui no hospital com a Thata.

Lu:Como ela tá?deu pra ver o que é?

May:Deu sim…(sorrindo) é um…

Thais:Bom dia gente!(sentando ao lado de Lu)

May:Bom dia anjo.(lhe dando um selinho) dormiu bem?

Thais:Tirando o incomodo que estou sentido desde ontem,dormi sim.

Lu:Então gente o que é o beb…

Thais:Gente não é a Clara ali?(apontando para a tv)

repórter:A empresaria passou pela imprensa sem nada dizer,logo após sua namorada,a publicitária Vanessa Mesquita também passou por aqui,e a exemplo de Clara Aguilar não falou conosco.

Uma semana se passou e a policia não tinha nenhuma pista sobre quem matou Fabian,para a glória divina a noticia foi esfriando,já não estava mais aguentando ver meu nome nos jornais e canais de televisão,eu havia sido liberada pela policia,portanto já não estava mais na posição de principal suspeita,todos os depoimentos bateram com o meu,eu estava na França com Max,apesar de tudo o que havia aprontado,ele era um ótimo pai. Acompanhei toda a cerimonia funerária e no final de semana estava retornando ao Brasil.

May:Amiga…(a abraçando) e ai como foi de viagem?

Clara:Cansativa,Max não deu sossego.

May:E filho de peixe? (o pegando) Oi bebê da tia

Clra:Eu não sou assim…(dando de ombros) cadê a Thais?

May:Está em casa,achei melhor ela não vir,ela anda sentindo umas dores,estou preocupada.

Clara:E as coisas por aqui como estão?não acompanhei nada de lá.

May:O caso deu uma esfriada básica,o foco agora são as eleições.(revirando os olhos)

Clara:Bom pelo menos eles me deixam em paz.


May:Ai que você se engana loira.(receosa)

Clara:Ué mas porque?(confusa)

May:Seu pai está se candidatando Clarete,e parece que todo esse “escândalo” o ajudou nas campanhas.

Clara:Ai meu pai,e lá vamos nós de novo.(revirando os olhos)

May:Bom,isso a gente conversa em casa,vamos que eu já to com fome,seu voo demorou demais.(lhe entregando Max)

Clara:Vamos!

Fomos para a casa de Mayra,no caminho ela me contava tudo sobre essa história de politica envolvendo meu pai,queria saber de uma pessoa mas preferi não perguntar para evitar as piadinhas dela. Não demorou muito e chegamos,Thais estava a nossa espera,ficou um pouco sem graça quando me viu,hahahaha será que ela nunca vai mudar isso?

Lu:Chegoooou.(abraçando Clara) saudades loira.

Clara:Nem parece que conversamos todos os dias pelo what’s.

Lu:Não é a mesma coisa.(u.u)

Clara:Thais…(sorrindo) e ai como tá esse baby?

Thais:Ah tá bem…(sorrindo sem graça)

Clara:Já começou a mexer?

Thais:Não,ainda não senti nada.

Clara:sinal que vai ser uma criança tranquila,diferente do Max né filho?(rindo)

Thais:Talvez não né?! dizem que meninas mexem que é uma beleza.

Lu:Chega desse papo.(revirando os olhos) então Clarete como foi lá?

Clara:Ah gente foi…difícil.(suspirando) eu penso como contar pro meu filho quando ele crescer mais.

Lu:Antes de começar a sofrência será que a gente pode almoçar?

Conversamos mais um pouco e fomos almoçar,o clima estava agradável,apesar da minha cabeça estar longe,especificamente em Pirituba,era incrível,apesar de toda raiva que eu sentia por ela ter me traído,e todo o resto….eu sentia saudades.

A semana começou sem muitas surpresas para mim,o caso “A morte do francês"havia esfriado e eu estava começando em um novo emprego,com as recomendações que tinha e por ter trabalhado na maior empresa de marketing do Brasil,foi fácil conseguir algo rápido. A empresa não era grande,era de pequeno porte,estava começando no ramo,todos ali pareciam ser pessoas bem legais,eu estava sentindo muito a falta dela,todas as noticias que chegavam até mim,eram vindas pela Thais,mas no final eu sabia que era melhor assim.

Fabricia:(olhando os papeis) isso não é da Thais.

Clara:Imaginei…como pode um profissional fazer uma coisa assim?(irritada)

Fabrcia:Clara eles estão trabalhando da forma que eles acreditam que devem.(receosa)tá faltando liderança ali.

Clara:E o Patrick,eu não dei essa função pra ele?

Fabricia:Ele tá inseguro é difícil pra el…

Clara:Fabricia,pede pro Patrick vir a minha sala.

Fabricia:A Lu também não está conseguindo dar conta de tudo.

Clara:A Luana é outro caso,ela está em fase de aprendizado ainda.

Patrick:Com licença don…quer dizer…Clara!

Clara:Patrick,você quer me explicar o que é isso?

Patrick:Clara eu tentei reproduzir o que você me pediu.

Clara:(respirando fundo) quer me explicar o que tá acontecendo com a sua equipe?

Patrick:Clara,vou ser sincero,aquilo tá uma bagunça,eu não consigo dirigir aquilo,sem a Vanes…

Clara:A Vanessa não trabalha mais aqui,portanto…pode ir Patrick.(desistindo de articular)

Patrick:Com licença.

Fabricia:Clara…ér…posso sugerir uma coisa?(assim que ele saiu)

Clara:Pode falar…(a observando)

Fabricia:Acho que será preciso contratar alguém.

Clara:Eu sei,mas não tenho ninguém em mente.pensativa) você conhece alguém?

Fabricia:A minha irmã,ela se formou em marketing o ano passado e ta vindo pra São Paulo…

Clara:Já trabalhou em algum lugar?preciso de referencias.

Fabricia:Sim,inclusive fora do Brasil.

Clara:Peça pra ela vir aqui assim que ela chegar.(olhando para o celular) agora eu preciso dar uma saída.

Fabricia:Ok,com licença.(saindo)

A semana foi corrida eu ainda estava enrolada com a história do Fabian,e mais algumas coisas da empresa,havia fechado o contrato com a irmã de Fabricia e as coisas pareciam começar a voltar ao normal. Falei com dona Solange,e combinamos de eu levar o Max para vê-la,afinal ela não tinha nada a ver com o nosso termino.

Diretor:Primeiramente Vanessa,estou impressionado com o seu desempenho,meus parabéns.(sorrindo)

Van:Ah…muito obrigada! Fico feliz.(sorrindo tímida)

Diretor:Em uma semana você conseguiu mostrar o que muitos aqui demoraram quase um ano.

Van:Eu fico feliz em saber.(sorrindo)

Diretor:A presidente da viva la vida não sabe a profissional que perdeu.(sorrindo)

O diretor da empresa havia me chamado em sua sala,para conversar,ele estava muito satisfeito com o meu desempenho dentro da empresa,eu estava feliz,mas não completa. O assunto daquela empresa era a Clara,por mais que eu tentasse esquece-la sempre tinha alguém me lembrando,o objetivo de todos que ali trabalhavam era chegar um dia a ser uma viva la vida ou até mesmo derrubar a mesma,e mesmo não chegando aos pés,tinham seus objetivos.

Van:Mas afinal o senhor me chamou aqui pra…?

Diretor:Graças ao seu desempenho conseguimos uma ótima promoção,e eu queria te fazer uma proposta.

Van:Que proposta?

Diretor:Inaugurar uma de nossas marcas na França.

Van:Hã…?(surpresa)

Diretor:Eu sei que tudo é novo,você está aqui a pouco mas não vejo em outro funcionário tanta competência quanto vejo em você.

Van: sair do Brasil agora?não está nos meus planos.

Diretor:Mas concorda comigo que seria uma oportunidade incrível para o seu crescimento profissional?

Van:Sim…disso eu sei,mas não é algo que penso por agora.

Diretor:Bom Vanessa,não quero que decida nada agora,até sexta feira que vem eu espero uma resposta sua,pode ser?

Van:Tudo bem,prometo pensar.

Diretor:Serão somente três meses,pense com carinho.(sorrindo)
Van:Com licença.(saindo)

Sair do país estava fora dos meus planos,prometi pensar para poder sair daquela sala,estava dando o meu horário e eu sabia que Clara iria na minha casa,com sorte eu conseguiria vê-la.

Sol:Nossa mas esse menino cresceu.(o pegando no colo) oi Clara!

Clara:Oi dona Solange.(a cumprimentando) desculpa pela demora.
Sol:Que isso minha filha,eu estava a espera de vocês.(sorrindo)

Fiquei um tempo conversando com dona Solange,enquanto Max brincava com um gatinho que lá estava,ou melhor o gato fugia dele,enquanto ele tentava puxar suas orelhas,conversa vai,conversa vem e ouvimos um barulho de buzina,meu coração acelerou eu sabia que era ela.

Van:Cheguei m…(surpresa) Clara.

Max:Vã…(correndo em sua direção)

Van:Oi pequeno.(o pegando) você tá bem?

Max:datinho..(apontando para o gato)

Van:É o gatinho,você gostou dele?(o colocando no chão)

Max correu novamente para brincar com o gatinho que eu havia pego na clinica da Dessa para ele,ela me encarava,não e lançava mais aquele olhar de magoa de um tempo atrás,seu olhar era igual ao meu,de saudade,assim que eu olhei ela desviou o olhar.

Sol:Bom eu vou preparar um suco pra vocês,já volto.(indo para a cozinha)

Van:Oi.(a cumprimentando com um beijo no rosto)

Clara:Tudo bem?(observando Max brincar)

Van:Tudo e vocês como estão?

Clara:Bem…(tímida) muito fofo o gatinho é seu?

Van:Eu fui pega-lo ontem na clinica da minha prima,como eu sabia que vocês viriam aqui,eu queria dar ele para o Max.

Clara:Nem preciso dizer que ele vai adorar né?(sorrindo)

Van:Então não tem problema?

Clara:Claro que não Van…essa.(pigarreando) já tava na hora de ele ter um bichinho.

Ficamos um bom tempo conversando,nada sobre nós,o clima estava ótimo,bom,pelo menos ela não estava me atacando,parecia um sonho,achei que quando chegasse em casa ela se levantaria e fosse embora,mas ela não fez,e isso me deu uma imensa alegria e uma ponta de esperança.

(Na casa de May)

Lu:mas que coisa,vocês não tem outra coisa pra fazer não?(entrando na sala)

Thais:Desculpa Lu.(parando o beijo)

May:Na verdade a gente até tinha,mas você acabou de atrapalhar…

Thais:Mayra…(lhe dando um tapa)

Lu:(revirando os olhos) que tédioo.(se jogando no sofá)

Thais:Segunda-feira né Lu,normal.(colocando a mão sobre barriga)

May:Tá com dor?

Thais:Desconforto,parece que tá mexendo mas não tá.(fazendo careta)

Lu:Vai ver é um mutante.(rindo)

May:Ha ha ha,como ela é engraçada.(lhe jogando uma almofada)

Lu:Mas falando sério,não é melhor você ir a um médico?

May:Também acho anjo.(a encarando)

Thais:Não gente,a Clara disse que é normal…

Lu:Não disse não,ela disse que sentia uns incômodos mas era leves e passageiros,você tá sentindo isso há dias.

May:É,a Lu tem razão,é melhor ir.

Thais:Nenem…daqui a pouco passa,e se não passar eu prometo que vou.(iniciando um beijo)

Lu:Não comecem.(observando as duas que não paravam) 

May:O que é isso?

Lu:Ah é um biscoito da sorte,ridículo.(revirando os olhos)

Thais:Eu acho legal,é tipo horoscopo.(rindo)

Lu:O futuro de ninguém vai estar escrito dentro de um biscoito japonês,acorda.

May:Vai saber…

Thais:Posso abrir pra você Lu?

Lu:Vai em frente!(lhe entregando)

Thais"O amor está mais próximo do que se imagina”(lendo)

Lu:Tá vendo?sem sentido o que isso pode significar? 

May:Que você vai se apaixonar por alguém próximo.(rindo)

Lu:Fica rindo ai engraçadinha,quem abriu o treco foi a Thais,ou seja a sorte ou azar é dela.

Thais:mas ele era seu,e a minha sorte eu já encontrei.(beijando Mayra)

Lu:Olha sinceramente…(indo para o quarto)

Estava ficando tarde,Max havia cochilado e infelizmente ela queria ir embora,minha mãe ainda insistiu para que ela ficasse um pouco mais,porém sem exito. Na hora de ir foi um sacrifício faze-la aceitar a minha carona,mas no final eu venci,fui o caminho todo em velocidade reduzida para poder ficar mais tempo ao lado dela,naquele clima sem brigas e acusações.

Van:Chegamos.(sorrindo fraco)

Clara:Obrigada Vanessa.(abrindo a porta)vou pega-lo lá trás.

Van:Quer ajuda?não dá para entrar com os dois.

Ela pegou Max e eu o gato,entramos em total silêncio na mansão,la subiu para deixar Max no quarto e eu esperei ela descer,na verdade tudo o que eu mais queria era prorrogar mais esse momento ao lado dela.

Clara:Obrigada,eu realmente não ia conseguir.(rindo)

Van:E ainda queria vir e táxi,teimosa desde de sempre,não é mesmo?!(rindo)

Clara:Eu queria te incomodar,afinal não fica bem você sair com sua ex-namorada da sua casa.

Van:Acho que nunca vou me acostumar em te ter como ex.(fazendo carinho em seu rosto)

Clara:Acredito que a sua namorada,não ia gostar de ouvir isso.(fechando os olhos)

Van:Ela não é minha namorada…(aproximando os rosto) e você sabe disso.

Clara:Na verdade,eu não sei de nada.(com a respiração acelerada)

Van:Deveria saber ao menos uma coisa…

Clara:Não faz isso..(entregue)

Van:Que eu quero você,e mais ninguém.(roçando os lábios)

==========Twitter:@ShowYourMiley==========

Em Seus Olhos - Cap 37

No outro dia mesmo peguei o primeiro vôo para Miami, não tinha mais nada o que fazer em Londres, afinal tudo ficava chato sem Vanessa, no avião eu não conseguia pensar em outra coisa se não fosse nela, e se ele a machucasse de novo? Se ele fizesse ela sofrer novamente? Eu jamais me perdoaria, no meio de tantos pensamentos eu adormeci.

                                                                                        ***

A caminho do hotel peguei meu celular, no visor tinha nossa foto juntas em Aberdeen na praia, entrei nos meus contatos e disquei o numero, torcendo para que a irmã dela falasse inglês, nunca perguntei a ela, duas chamadas depois uma voz feminina atendeu em inglês, Vanessa passou meu numero a ela.

- Thais? ..Isso pode me chamar de Clara, por favor.. Sim, o avião já saiu.. seria melhor se voce chegasse antes.. eu tentei  conversar, eu ofereci dinheiro a ele.. isso, mas não adiantou.. eu pedi que ela me ligasse quando chegasse ai, mas talvez ela não queira conversar com ninguém, então me ligue assim que você estiver com ela por favor.. sim, eu vou aguardar, e Thais, por favor, qualquer problema, qualquer coisa não pense duas vezes só me ligue.. obrigada -  eu ia desligar, mas ela me chamou – sim estou.. o que eu sinto?.. A única coisa que posso dizer a você é que eu amo sua irmã.. obrigada, eu vou aguardar sua ligação.

Era horrível ficar naquela suíte enorme sem ela, precisei tomar um pouco de Whisky para relaxar, eu acordei na sala e já estava escuro, foi quando vi o que tinha me acordado, meu celular tocando, puxei do meu bolso e atendi era Vanessa.

Vanessa? ..oi, você chegou bem? Sua irmã está com você? Aquele canalha ainda está com vocês? .. Desculpe, eu me empolguei.. sim.. entendo, então me ligue assim que vocês chegarem na casa dele.. Vanessa.. eu amo você.. ate daqui a pouco.

Mais tarde Vanessa me ligou e me contou que por sorte ela não foi sentada perto do ex no avião, o que o deixou bravo, ele tentou trocar de lugar com as pessoas a volta deles, mas ninguém quis, Vanessa disse que implorava com os olhos, e acho que todos entenderam, quando o avião pousou ela ligou para sua irmã e ela já estava esperando por ela no aeroporto com algumas amigas, ela disse que ele tentou para-la a força para conversar, mas um segurança percebeu e foi ajuda-la, eu passei mal ao ouvir isso, o que ele faria com ela se não estivessem em um lugar publico? Ela disse que quando ele viu a irmã dela e todas as amigas dela, o rosto dele ficou vermelho extintor, que ele cerrou tanto os dentes que provavelmente teria uma foto dele ao lado da palavra bruxismo no dicionário, ela sorriu um pouco, e isso fez bem ao meu coração.

Nós conversamos um pouco mais e ela disse que sua irmã tinha pedido comida pra elas, eu disse que ligaria mais tarde, eu tinha que fazer as contas por causa da diferença de horário, la tinha três horas a menos, Vanessa disse que ela iria comer e tomar um banho e antes de deitar ela me mandaria mensagem. Eu estava deitada na cama quando a mensagem chegou e eu liguei logo em seguida, s só assim eu consegui dormir ouvindo a voz dela, porque o efeito do álcool já tinha passado.

                                                                             ***

Recebi um e-mail do Luis naquela manha, em poucas semanas os documentos chegariam e ela teria o passaporte e um pouco depois a documentação de empresaria, agora só precisávamos dar um jeito no canalha do ex dela. Eu sabia que a Vanessa não o amava mais, mas durante a semana que se passou não pude evitar de pensar no tanto de tempo que eles passaram juntos e quantas vezes ela tinha voltado com ele, e se agora ele conseguisse de novo? Meu Deus, eu estava ficando louca só de pensar. Vanessa disse que aproveitaria para resolver uns negócios que ela tinha em São Paulo, ela não me disse exatamente o que era, mas disse que seria benéfico futuramente se ela quisesse sair do pais novamente, essas palavra dela me enchiam de esperanças. Eu tinha uma reunião hoje na hora do almoço com os investidores, agora que o prédio estava prestes a ser entregue, eu precisava ter foco aqui, Luis me ajudou com tudo, Amanda também foi a reunião, com a ajuda deles consegui dar um rumo e responder todas as perguntas esclarecendo todas as duvidas. Eu estaria perdida sem eles.

Junior resolveu vir me ajudar pessoalmente com Vanessa, ele chegaria essa semana, o escritório de Nova York estava indo bem, e ele já tinha sócios que estavam cuidando de tudo, e seria bom ter alguém comigo naquela suíte já que em sido um tormento esses dias sem ela comigo.

                                                                                       ***

- Oi mãe.. Estou bem.. eu tenho falado com ela todos os dias.. ainda não sei, ela tem evitado falar com ele, mas parece que ele tem sido bastante insistente, a irmã dela esta sempre de olho.. o Junior chega amanha vamos ver o que podemos fazer.. talvez um acordo não sei ainda.. estou tentando ser forte.. obrigada ..eu falo para ela sim, beijos,  boa noite.

Como de costume liguei para Vanessa, mas ela não atendeu, eu liguei no numero da irmã dela, mas caiu na caixa postal esperei mais um pouco e retornei a ligação, e novamente ela não atendeu, o que eu podia fazer estando a quilômetros de distancia? E se ela não estivesse bem? E se ele estivesse lá com ela? Minha cabeça começou a girar comecei a sentir uma dor insuportável, eu não podia beber agora, resolvi respirar um pouco de ar fresco, eu sai para ir até uma farmácia e comprar um analgésico. Quando estava pagando a conta meu celular vibrou no bolso, era ela.

Amor? .. eu fiquei preocupada.. e ele esta bem agora? Ah sim, sua irmã esta cuidando dele então? .. tudo bem, eu vim ate a farmácia.. dor de cabeça, mas já vou tomar o remédio… não, o Junior chega amanha, ele vai comigo ver o prédio.. eu também, essa cidade não é nada sem você, para falar a verdade poderia estar na Suíça, Japão, qualquer lugar do mundo,  problema é que eu não sou nada sem você.. eu sei, eu estou tentando ficar bem.. tudo bem, eu vou tomar um banho quando chegar no hotel.. me liga antes de dormir, e de um oi para sua irmã e melhoras para ela, eu te amo.. tchau.

A semana tinha sido tortuosa, eu estava no escritório quando Junior chegou, vi as mulheres do escritório se arrumando e apontando enquanto ele vinha para a minha sala, ele sabia o efeito que tinha com as mulheres, ele era todo sorrisinhos e piscada para elas.

- Hey irmãzinha! Que tal umas prostitutas enquanto Vanessa esta fora da cidade? – eu sorri para ele. – Eu sei que voce não esta bem, mas nós vamos sair hoje.. – não deixei ele terminar de falar.

- Nem pensar Junio, eu não estou com cabeça pra isso. E olha pra minha cara e veja se sou de quem paga prostituta?

- Terminou? – ele disse com uma sobrancelha erguida. – São ordens da Vanessa, e já que eu estou aqui nós vamos sair e fazer alguma coisa divertida nessa porra de cidade.

- Você falou com a Vanessa?

- Claro, sempre que posso falo com ela, afinal ela é minha cunhada, já é da família, uma pena que ela seja completamente apaixonada pela idiota da minha irmã, sortuda, filha da puta, com todo respeito a nossa mãe claro.

- Eu não sabia que vocês conversavam.

- Nós conversamos claro, esqueceu que eu estou tentando trazer ela pra cá de volta? E quem sabe ela não abre os olhos e enxerga o Junior aqui.

- Cala a boca – nós rimos.

- E aonde você quer ir?

- Eu não faço idéia, você que “mora” aqui – ele fez aspas com as mãos – mas podemos só ir há algum pub tomar algo e conversar, o que você acha?

- Tudo bem, vamos para a construção primeiro então.

- Eu quero passar no hotel para deixar essa mala.

- Nós vamos depois que voltarmos da construção, eu quero tomar um banho e trocar de roupa também.

O Prédio estava pronto por fora,algumas arvores estavam sendo plantadas, e um jardim sendo feito em volta, e a equipe de decoração estava dentro do prédio.

Nós fomos para o ultimo andar, onde ficaria o meu apartamento, eu tinha contratado uma decoradora para que decorasse meu escritório e meu apartamento, eu não fazia idéia que ela ainda estaria aqui.

Ela era muito bonita, estatura mediana, uma pele morena clara, quase no mesmo tom que dá Vanessa, mas Vanessa era mais clara, seus cabelos eram negros, e seus olhos verdes, assim que Junior viu Nora ele me deu um cutucão e foi em direção a ela antes de mim, eu revirei os olhos, mas sorri.

- Como vai senhorita Aguilar?

- Bem Nora, como estão as coisas por aqui?

- Tudo como planejado, tenho algumas perguntas sobre o banheiro da suíte principal, serão duas pias ou uma em tamanho maior?

- Duas, uma ao lado da outra, acho que vi uma foto no projeto.

- Já sei qual foto a senhorita se refere.

- A Vanessa, gosta de que cor? – Junior me perguntou olhando para os papeis sobre a mesa enquanto Nora me observava responder.

- Ela muda sempre, depende do humor dela, eu sei que ela gosta de tons acobreados, lilás, verde, esmeralda, dourado.

É, um banheiro com todas essas cores não ia ser legal, o que voce acha de um banheiro branco e cobre?

- Eu acho que é uma boa ideia Junior.

- Vanessa seria sua..? – Nora perguntou não tirando os olhos de mim, e agora ela parecia estar me devorando com eles, Junior percebeu e se virou para olhar a paisagem pela janela.

- Vanessa é minha namorada Nora, e espero que seja minha futura esposa também, se ela resolver aceitar meu pedido.

- Você pediu a Vanessa em casamento? – Junior estava com um sorriso de orelha a orelha e veio me abraçar.

- Sim, mas conversamos sobre o assunto mais tarde, acho melhor irmos para o hotel se você quiser sair hoje.

- Claro, vamos, foi um prazer conhecê-la Nora, faça um banheiro bem bonito para a minha cunhada – nora deu um meio sorriso, e se virou para me olhar, eu só acenei e fechei a porta.

- Você sabe que é só piscar e ela abre as pernas pra voce não é?

- Sei, mas eu prefiro ignorar, ela é uma boa decoradora e quero que ela termine o serviço.

- Quem diria? Há uns meses atrás voce teria agarrado ela ali mesmo -  Eu sabia que era verdade.

Nós nos arrumamos para sair, Junior ficou no outro quarto, o que seria um refugio para Vanessa, mas ela nunca precisou usa-lo, fomos para o mesmo pub que fui com Vanessa quando nos conhecemos, Junior selecionou algumas musicas na maquina e eu fiz os pedidos.

- Você não acha que esse vestido ta muito decotado Clara?

- Junior por favor..

- Ok, tudo bem, agora me fala sobre esse pedido de casamento.

- Eu a pedi em casamento no dia que ela foi embora.

- Como assim? Na hora do adeus, sem ajoelhar, sem anel, sem nada? Só pediu? – eu fiz que sim com a cabeça.

- E o que ela respondeu?

- Ela disse que não podia responder naquele momento, mas que ela me amava.

- Caramba Clara, você pode ser boa de cama, digo saber manusear os dedos e tudo mais, porem na hora do romantismo você faz uma dessas? – eu ia responder, mas meu celular vibrou era uma mensagem.

De: Garota da chuva

Se divertindo com o Junior? Beijos.

Para: Garota da chuva

Estou  levando bronca dele, mas me divertindo, beijos.

- Vou ao banheiro enquanto vocês conversam – Junior saiu e vi ele parando par conversar com algumas garotas que começaram a sorrir umas para as outras enquanto ele falava algo para elas.

De:  Garota da chuva

Bronca? O que você andou fazendo em senhorita?

Para: Garota da chuva

Além de pensar em você e trabalhar? Nada, eu contei a ele sobre o meu pedido na sua despedida, e ele achou que eu merecia uma bronca por isso.

De: Garota da chuva

Não liga pra ele, você ainda vai querer que eu te ligue antes de dormir?

Para: Garota da chuva

Se você não me ligar como vou conseguir dormir? PS: porque você não me contou que conversava com meu irmão.

De: Garota da chuva

Eu não sabia que precisava, mas se você quiser saber, eu converso com sua mãe e Luis também, conversar com eles tem me ajudado a passar por isso tudo, Junior e Luis tem me ajudado com a papelada toda e sua mãe, bem ela é uma fofa o que mais posso dizer?

Para: Garota da chuva

Não precisava, só não imaginava que vocês conversasse, eles gostam de voce, e eu fico feliz por  voces estarem conversando, me ligue antes de dormir sim? Eu te amo.

De: Garota da chuva

Tudo bem, eu te ligo, também te amo, ate mais tarde.


N/A: Tá acabando.. Acho que amanhã posto tudo :) comentem.

Cicatrices Clanessa - Capítulo 2

*Rio de Janeiro*

POV CLARA

Queria poder mudar, esquecer o passado e voltar a viver novamente, mas é tão difícil. Não posso esquecer o que passou, não posso simplesmente apagar tudo com uma borracha. Tenho uma cicatriz no peito, na alma e no coração. Desde aquela noite não sou a mesma, cada dia me afundo mais nessa tristeza que corrói todo o meu ser. Queria ter coragem de acabar com isso, mas nem para isso eu sirvo. Sempre penso em meus pais, nos meus irmãos e no resto de minha família que não tem culpa de nada.
Aquela noite foi a pior noite da minha vida, me senti suja. Eu só queria entender o porquê de tudo. O que eu fiz de tão grave? Sempre fui uma boa filha, uma boa amiga, e fui uma namorada apaixonada. Os meses após aquela noite foram os piores meses da minha vida, médicos, internações. Eu implorava a todo instante para morrer, queria acabar com a minha dor, já não suportava conviver com aquilo. Não me olhava no espelho, já não ia mais a escola com vergonha. Pedi em suplica aos meus pais para me tirarem do país, nada adiantou porque aquilo ainda estava comigo fazendo com que eu me lembrasse a todo tempo o que havia acorrido comigo naquela noite que eu jamais esquecerei.

Tomei uma decisão naquela época e tive o apoio da minha família que só queria o meu bem, e hoje me arrependo profundamente. Joguei a culpa de todo o meu sofrimento a quem não tinha culpa de nada, com minha tola ilusão de que me livrando desse mal voltaria a ser feliz novamente. Enganei as pessoas por certo tempo, aparentava uma falsa alegria, uma alegria que nunca existiu e que talvez nunca mais volte a existir enquanto eu recordar daquela noite e dos meses seguintes a ela. Terminei os meus estudos fora do Brasil e ingressei na faculdade de moda de Milan, transformei a minha dor em arte, descobri na moda uma paixão, uma maneira de me isolar do mundo e ser feliz momentaneamente. Agora tinha um motivo para o meu isolamento, a concentração para criar coleções, mas isso não bastava isso não aliviava a minha dor. A cada ano a angustia e a dor foram me consumindo, cheguei ao ponto de usar drogas para dormi, pois dormindo não sofria.

Hoje sou uma empresaria, além de estilista sou formada em administração e sou sócia de uma grande rede de roupas de nível internacional, mas não sou feliz. Aquela noite me atormenta, as lembranças me afligem, sinto que estou perdendo a guerra. Minha família sofre ao me vê triste. A Pequena Star tem me ajudado muito, sempre me liga para perguntar como estou. Tadinha! Tentei a todo custo me afastar dela, ser indiferente, mas ela sempre está ali com seus sorrisos e com a sua alegria tentando animar a madrinha querida dela. Sinto-me bem ao seu lado, mas tenho medo de fazê-la sofrer com os meus fantasmas do passado.
Sempre acabo machucando as pessoas que amo, tenho medo de fazer o mesmo com a Star.
Será que algum dia serei feliz?

***

Clara estava em seu quarto em posição fetal com lágrimas nos olhos pensando em seu passado, um passado que a persegue e a faz sofrer, um passado que a impede de viver.

Rosangela - Amor, eu estou tão preocupada com a nossa Clara.
Paulo - Eu também meu amor.
Rosangela - Será que falhamos como pais?
Paulo - Tudo que fizemos foi para o próprio bem dela.
Rosangela - Não seria hora de contar a verdade?
Paulo - As coisas não iriam mudar, talvez até piorassem. A Clara não entenderia os nossos motivos, talvez nos odiasse pelo resto da vida.
Rosangela - Eu não aguento mais vê-la assim.
Paulo - Eu também não.
Rosangela - Queria que ela encontrasse alguém que a completasse e que a salvasse dela mesma. Sinto que estamos perdendo nossa filha – fala chorosa.
Paulo - Você sabe que depois daquele crápula ela nunca mais se envolveu com ninguém. Creio que tem medo de amar novamente.
Rosangela - Isso não é verdade. Ela se envolveu, mas se envolveu com mulheres.
Paulo - Eu nunca entendi porque ela virou Lésbica.
Rosangela - Nossa filha não é lésbica, ela é bissexual. Ela pode se envolver tanto como homens como com mulheres, mas deu preferência a se envolver com mulheres. Ela tem medo dos homens, não consegue confiar neles.
Paulo - Será que deveríamos fazer com que ela voltasse para a terapia?
Rosangela - Creio que ainda não é necessário. A Clara se tornou uma verdadeira interrogação para mim, por mais que ela fale que está tudo bem eu sei que não está. Esta falsa alegria, sorrisos forçados, saídas com amigos não me enganam, nossa pequena está sofrendo e eu não sei como ajudá-la.
Paulo - Não chore meu amor, tudo que podemos fazer é dar todo o nosso amor a ela.

*São Paulo*

Não te amo mais.
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis.
Tenho certeza que
Nada foi em vão.
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada.
Não poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor.
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci!
E jamais usarei a frase
EU TE AMO!
Sinto, mas tenho que dizer a verdade
É tarde demais…
(Clarice Lispector)

Van - Devo concordar com você Clarice, nunca mais direi eu te amo para alguém, pois as pessoas que eu amei e dizia essa frase que hoje para mim não tem significado algum, me fizeram sofrer – diz para si mesma enquanto fechava um livro.

                          ====== Twitter: @NaretaPasamio ======

Cap 63


POV Vanessa


Assim que cheguei em NY tive crises, me sentia sozinha, isolada do mundo, longe dos meu amigos, da minha mãe, estava tudo muito ruim, a minha sorte que o pessoal na empresa foi super receptivo, acredite, pensei que ia ser um terror, mas acabei conhecendo gente bem legal, fiz amizades e me apresentaram a cidade, os lugares, com 3 semanas de Ny eu já conhecia a noite de lá, tinha feito vários amigos e minha vida ganhou outros ares, o famoso ‘levanta, sacode a poeira e da a volta por cima’ foi o que fiz, linda, nesse meio de amigos novos conheci Jordana, uma morena muito bonita, festeira que só ela, a gente começou apenas na zuação, mas acabou rolando e fomos vendo no que dava, já estou aqui há dois meses e a gente não se desgruda mais, ela me anima sempre, preferi ocultar minha triste historia de romance, chega de drama na minha vida neh? o bom era que Jordana era do meio dos meus amigos, mas nosso trabalho não tinha vinculo, como já se sabe, eu abomino qualquer relação em trabalho, to com trauma. Nem olho pro lado na minha empresa, mulheres bonitas eu so aprecio aquelas que não trabalhem no mesmo prédio que eu.

Eu não sei o que passou na minha cabeça pra já esta namorando serio, eu tinha que curtir, até porque, muito tempo enrolada, cheguei a morar com duas mulheres em muito pouco tempo, duas relações pouco saudáveis. Com Jordana era diferente, sei lá, ela não me dava dor de cabeça, a gente apenas se curtia, fazia um sexo gostoso todos os dias, morávamos perto uma da outra, mas evitávamos de dormir no mesmo apartamento durante a semana pra não perder nossa privacidade.


POV Clara

Seu eu pudesse voltar no tempo, eu voltaria até o dia em que eu escolhi Vanessa Mesquita pra trabalhar comigo, eu teria aceitado o que Thaís disse, não teria colocado ela no cargo, assim eu não teria feito sexo com ela no chão da minha sala e não teria perdido a minha paz. Se bem que eu podia voltar no tempo e parar ele no dia em que transamos mesmo, assim eu ficava transando com ela o resto da vida, sem nenhum problema. Sabe o que é isso? Abstinência de Vanessa Mesquita, to ficando louca.

Já disse que fazem 4 meses que ela foi embora? Nenhuma ligação, nem pra saber se eu tinha falecido, eu imagino ela nas noites de NY, deve ta pegando a cidade toda, mais os turistas…Clara? hahahaha ela deve rir de lembrar dessa época, fato. Eu aqui pulando de galho em galho, com o coração fechado, praga dela com certeza.

POV Vanessa

Felicidade de pobre dura pouco neh? hahaha meu chefe me avisa que eu já posso voltar pra minha vidinha, que os tempos em NY chegaram ao fim, pra ser sincera eu não queria voltar, eu não podia voltar. Foram os 4 meses mais legais da minha vida, eu relaxei, conheci uma pessoa legal, Jordana, ela estava sendo perfeita pra mim. Bem, em uma semana eu já tinha que colocar tudo em ordem, contei pra Jordana que tinha que voltar pro Brasil, ela ficou pra baixo, mas sabia que eu estava ali a trabalho, ela ate se animou em ir pro Brasil tocar em algum ‘antro’ sim, ela é Dj.

Enfim, na sexta eu peguei o vôo de volta, Jordana me levou no aeroporto, a gente ‘terminou’ numa boa, tipo, ela ia pro Brasil assim que tivesse uma folga, isso ia rolar nos próximos dias, bem sábado eu já estava lindamente almoçando com minha mamãe linda, a tarde já estava no meu apartamento devidamente limpinho e organizado que minha mãe não deixou de lado nenhum minuto.

Assim que entrei lembranças ruins na minha cabeça, lembrei da Clara ali dentro, aquela cena toda, mas logo tirei tudo da minha cabeça, arrumei minhas coisas e liguei pro Junior avisando da minha chegada. Marquei um jantar com ele e aproveitei pra convidar Thata e Edu.


POV Clara

Hoje a noite eu tinha marcado um jantar de negócios muito do chato, mas não tive tempo durante a semana e na próxima semana também vai ser impossível, sábado a noite virou dia de pegar no batente. Coloquei uma roupa simples, era uma coisa informal, maquiagem leve e fui pro restaurante que eles haviam combinado, eu não tinha nenhuma simpatia por esse restaurante, eu vinha muito com a Vanessa pra cá, me causava um certo arrepio em pensar que eu poderia um dia encontrar ela ali, hoje seria impossível, pelo que sei, na verdade não sei nada, ela esta em NY.

Na hora marcada estava eu lá, era umas oito da noite, já estava na mesa com os empresários, no meio tinha uma mulher, nunca vi tão seria, o clima estava mais descontraído por conta de um dos empresários ser bem novo, era o filho do velho chato, acho que ele estava jogando charme pra mim, coitado, pelo que sei a noticia de que eu sou lésbica já se espalhou tao rápido, ou ele é lento demais ou ta se fazendo de desentendido.

Tava tudo muito bom, até que meu olhar se perdeu na porta do restaurante, acho que eu fiquei pálida, minhas pernas tremeram, ainda bem que eu estava sentada, minhas mãos suavam, senti meu rosto queimar, meu coração ia sair pela boca, me senti uma idiota, uma adolescente… Vanessa estava divina, linda de morrer e na cidade, seus cabelos maiores, sua pele bem clara, vestia uma calça que deixava suas pernas ainda mais bonita e uma blusa lilás meio larga, ela brilhava, seu sorriso estampado no rosto, ela parecia muito feliz, entrou com Thaís e Junior, não me viram, foram andando pro outro lado do restaurante, parte dos não fumantes, estanho, já que todos ali fumavam, eu estava rodeada de pessoas fumando charuto… enfim meu transe foi cortado pela empresaria ali presente também, eu já não tinha a visão da mesa deles, mas eu não sabia o que fazer, só de pensar que ela estava ali tão perto de mim…logo depois vi chris entrar no restaurante…pedi licença na mesa e fui ate ele..

Edu – o que faz aqui linda?
Clara – estou com alguns empresários numa mesa ali (apontei) e você o que faz aqui?
Edu – se você me viu entrar por aqui, deve ter visto eles entrando também neh Clara? Haha
Clara – eh eu vi, eles tao numa mesa pra lá…
Edu – eu sei, vamos ate lá, você cumprimenta todo mundo e vê a Vanessa….
Clara – ela vai me chingar….
Edu – relaxa Clara, já passou, vamos lá.

Ele me pegou pela mão e fomos andando ate a mesa, Vanessa estava de costas e em sua frente estavam sentados Junior e Thaís que assim que me viram fizeram uma cara espantada, Vanessa logo olhou pra trás e ficou perplexa de vê me parada aqui em sua frente, me adiantei…