ela canta

Pra quê falar, se você não quer me ouvir? Fugir agora não resolve nada, mas não vou chorar se você quiser partir às vezes a distância ajuda e essa tempestade um dia vai acabar. Só quero te lembrar de quando a gente andava nas estrelas, nas horas lindas que passamos juntos, a gente só queria amar e amar e hoje eu tenho certeza, a nossa história não termina agora, pois essa tempestade um dia vai acabar. Quando a chuva passar, quando o tempo abrir, abra a janela e veja eu sou o sol, eu sou céu e mar, eu sou céu e fim e o meu amor é imensidão.
—  Ivete Sangalo.
Rapaz, ela é cheia de surpresas. Quem olhasse ela naquele salto agulha, dançando na pista de dança cheia de luzes, com o teor alcoólico já nas nuvens, nem imaginaria que ela é fã de Van Gogh, ela pinta, canta, sabe tocar violão. Aquele olho borrado de tinta preta não mostrava nada dela. Nada da verdadeira ela. Ela come de pernas cruzadas e não se arrisca à sair para um lugar sem saber, tin-tin por tin-tin, o caminho e todos os pontos próximos. Apesar dela ser uma caixinha de surpresas, ela detesta até mesmo que façam a brincadeira de fechar os olhos dela por trás, ela quer ter o controle de tudo. Ah, rapaz, o que ela quer é alguém para ser o curto circuito nesse controle todo dela. Ela é incrível, sabe? Ela sabe como resolver as coisas, ela sabe como fazer tudo parecer fácil, ela é… ELA! E talvez você esteja com medo, sem coragem, eu entendo, não é fácil se aproximar de uma garota assim, destemida, corajosa, eu sei o quanto é difícil terminar uma frase sem desviar o olhar, porque o olhar dela é de amedrontar qualquer um, não é? Mas o problema é que ela vale a pena, ela faz valer o frio na barriga que dá quando se aproxima. Esse olhar penetrante que se perde nas baladas, mas que não perde um detalhe nas ruas, é o olhar que ninguém quer deixar pra trás, esquecer, largar mão. Se é pra se arriscar na paixão, rapaz, pode arriscar nela. Vai sem medo de errar, arriscar e cair no chão ou aos pés dela se acaso você se apaixone, aí, meu amigo, não tem pra onde ir, se ela corresponder corre pros braços dela, porque é neles que você vai querer morar.
—  Escrito por Paula, Letícia B., Isadora M. e Amanda T.  em Julietário.
Caminhando e fumando

A solidão
É uma mulher má,
Como uma amante ela
Canta, dança e ama
Enquanto consome
Seu tempo
Sua energia
E ate sua alma em alguns casos.

Mas preciso dela
Preciso dela assim como preciso
De álcool, cigarro, amores e de
Minha mão direita para escrever.

Eu necessito dela.

Em minha loucura
Ela completa meu espírito.

Em meu êxtase
Ele me mantem vivo.

A solidão
É uma mulher má
Que delicia-se com
Nossa melancolia.

E acho que todos
Precisam, de tempos em tempos,
De uma mulher má
Para darmos valor
A alma.

Imagine Zayn Malik

Pedido: “Oii, adoro o tumblr de vocês. Bom eu queria um imagine com o Zayn em que ele é a s/n são casados e ela descobre que está grávida e o Zayn adora a notícia e quer que seja um menino, mas na ultrassom eles descobrem que é uma menina, aí ele fica bravo e rejeita, mas quando ele vê mãe e filha juntas ele se arrepende.” - Anônimo.

******


Quando eu contei para o meu marido que eu estava grávida foi a maior comemoração. Eu não imaginava que ele ia ficar tão feliz quanto ele ficou. Ele ficou super empolgado.

Mas tudo mudou no meu sétimo mês de gestação, quando finalmente conseguimos descobrir qual o sexo do bebê e vimos que é uma menina.

Zayn mudou dá água para o vinho. Ele passou a me ignorar, rejeitar a mim e a criança. O por que? Porque é uma menina, e não um menino; como ele sempre quis. 

Quando íamos ao ultrassom, nunca conseguíamos ver o sexo, pois ela sempre estava com as perninhas fechadas. Quando eu completei meu sétimo mês, fomos ao médico e fizemos outro exame. E nesse, finalmente, conseguimos ver. O médico nos olhou sorrindo e disse as palavras que mudaram drasticamente minha vida: “Parabéns, vocês terão uma menina!”. Zayn fechou a cara e ficou bravo. Eu não entendi o motivo, e quando fui perguntar, ele brigou comigo. Como se a culpa fosse minha.

A partir dai ele começou a me evitar, ignorar e se afastou de mim. E não olhou mais na minha cara, não falou mais comigo. Simplesmente rejeitou a sua própria filha. Nem parecíamos um casal, e muito menos uma família.

Quando minha bolsa estourou, quando fui para o hospital quase morrendo com as contrações, quando fui para a sala de partos, quando minha filha nasceu, quando a peguei no colo pela primeira vez, quando a amamentei pela primeira vez ele não estava lá. Em nenhuma dessas ocasiões. 

Foi como se meu coração tivesse se despedaçado. Meu casamento foi para o lixo, junto com toda minha felicidade e empolgação de aumentar a minha família. 

E agora, Luma está com 3 meses. E como está a situação aqui? Do mesmo jeito, se não pior. Ela é linda, e lembra muito o pai. É um amor de bebê. Zayn nem ao menos chegou perto dela, nunca. Nunca a pegou no colo, nunca fez nada. 

Agora, sentada na minha casa e vendo uma foto do nosso casamento e pensando em tudo que está acontecendo, deixo as lágrimas escorrerem livremente; me perguntando o porquê disso estar acontecendo. 

Escuto um chorinho que me faz me recompor e correr até o quarto na frente do meu. 


***

Zayn Point Of View.

***


Escuto um choro de criança no andar de cima e sinto meu estômago embrulhar e eu reviro os olhos. Mas logo tudo fica silencioso novamente.

Ao ver que nada passa na TV, subo para tomar um banho. Ao passar pelo corredor dos quartos, escuto vozes vindo de um quarto e a porta está entreaberta. Para o olho para dentro. 

Meu coração dispara, eu fico ser ar, começo a tremer e meus olhos ficam marejados. Eu vejo S/N com Luma no colo. Essa é a cena mais linda que eu poderia ver na minha vida. S/N brincando com ela, conversando e sorrindo. E o bebê em seu colo está rindo, mostrando sua banguela. 

Eu fico admirado e espantado com a semelhança dela comigo. Ela é também parecida com a mãe. É a mistura perfeita entre eu e S/N. Ela é linda.

No mesmo instante que a alegria e comoção pela cena me consomem, o remorso toma conta de mim. Um ódio súbito de mim me domina, e me arrependo por ter feito tudo que eu fiz. Eu briguei com a S/N, mesmo ela não tenho culpa nenhuma. Eu a ignorei, eu a abandonei. Eu rejeitei minha própria filha. Deus, que merda que eu fui fazer. 

Lágrimas quentes escorrem pelo meu rosto e eu permaneço ali, quieto e parado admirando as duas juntas. S/N conversa, canta para ela, diz que a ama, que ela é a menina mais linda desse mundo. Diz que ela é a sua princesa. E nesse momento eu fungo alto, e acabo chamando a atenção dela. Ela me encara e permanece em silêncio. 

- Ela é linda! - digo entrando no quarto. - Por Deus, S/N, me perdoe. - vejo seus olhos se encherem d’água. - Você não sabe o quanto eu estou arrependido por tudo que eu fiz. - suspiro e ela coloca a criança no berço com uns penduricalhos. - Eu fui um idiota, infantil. Não deveria nunca ter te culpado, ter me afastado de você, principalmente no momento que você mais precisou; e nem ter rejeitado ela. Você não tem ideia do quanto eu estou me odiando e me culpando.

- Zayn… - ela secou uma lágrima. - Eu sei que quando não conseguimos uma coisa que queremos muito, nós ficamos decepcionados. Eu sei que você preferia que fosse um menino, mas a culpa não foi minha. - ela disse entre soluços.

Eu me bati mentalmente me culpei ainda mais. Eu a fiz sofrer. Eu a machuquei. Justo eu, que odeia vê-la chorar e sofrer, causei seu maior sofrimento. 

Me aproximei dela e a abracei com força.

- Eu sei, eu sei. A culpa é minha. - suspirei. - Eu me arrependo muito de tudo que eu fiz. Não tem justificativa. Eu errei, e muito. Quando eu vi vocês duas juntas eu senti algo que nunca senti antes. Um sentimento estranho. Mas um sentimento bom, bonito. Vontade de entrar e abraças vocês, de voltar no tempo e fazer tudo diferente. Mas eu não posso, infelizmente. - a encarei. - Eu só quero o seu perdão, só quero uma chance. - acariciei seus rosto. - Me perdoa? - ela assentiu e eu beijei seus lábios com calma, coisa que não fazia há tempos. Céus, como eu senti falta. - Eu te amo!

- Eu também te amo! - ela sorriu. Encarei o berço ao nosso lado e vi a criança linda que estava ali. 

- Posso pegar? - S/N sorriu grandemente e assentiu. Peguei ela com delicadeza e ela sorriu pra mim. - Oi, filha! - falei e ela soltou um resmungo. Beijei sua bochecha gorda e puxei S/N para o abraço.

Um primeiro abraço em família. O primeiro de muitos.


[…]

anonymous asked:

as f(x) são legais com os fãs?? como elas são??

A Krystal é o maior bebê com os fãs, uma vez num fansign ela perguntou a um fã “qual seu maior vicio?” e o fã respondeu “f(x)” e ela “mesmo? ainda que estamos em hiatus?” e fez uma cara de “ai meu deus”. Eu pelo menos tenho a impressão que ela se subestima muito e sempre fica deslumbrada quando vê como é apreciada, como se não conseguisse acreditar. 

A Amber fala dos fãs como se fossem amigos dela, sabe? Ela zoa com eles, conversa sobre assuntos quando tem chance. Ela é muito simpática, e vê os fãs como companheiros/amigos de verdade dela. Mesmo quando um fã faz um comentario errado ela não hesita em falar “eu te amo mas para ai” tipo quando um meU fez comentários sobre a Sulli “ganhar peso” e a Amber disse que ganhar peso não é algo ruim e que ele não devia fazer esse tipo de comentário.

A Qian é esforçada de um jeito,,, vive indo pra china separada das meninas, e ela é tão completa, atua, dança, canta. Ela é do tipo que gosta de brincar, tanto com as meninas quanto com os fãs, é o maior bebê. 

A Luna ainda mais durante as promoçoes de free somebody, não parava de agradecer. Parece que ela acorda agradecendo, dorme agradecendo. No MAMA ela ao invés de ir ficou em casa e gravou luna’s alphabet…

A Sulli, mesmo não estando mais no f(x), ela tem uma personalidade incrível. Ela sabe o seu valor sabe? A Sulli sempre recebeu muito ódio dos netizens, parece que ela não pode respirar sem eles aparecerem chamando ela de louca. E ela já sofreu muito com isso, desativou o instagram por épocas e voltou arr%mbando. Posta fotos de arroz frito em forma de pênis e manda todos calarem a boca e olharem pro rosto lindo dela.

Todas elas se preocupam muito e são muito gratas as fãs, aqui alguns videos: x delas fazendo surpresa pras fãs na escola, esse que é a coisa mais preciosa do mundo, da Victoria “salvando” as fãs dos carros x.

Quanto a amizade delas entre si(ot4), eu acho maravilhosa. Elas se provocam muito, a Amber principalmente ama provocar as outras, ela é tão espontânea que vai na rua junto com outros idols pregar peças nos outros (x) E fica constantemente provocando as meninas com coisas idiotas (x). Teve uma vez que elas estavam fazendo um shoot e gravando um video ao mesmo tempo e a Luna perguntou se eles iam editar antes de postar e a Amber disse “claro que vão” e falou um palavrão (x) Elas são umas palhaças (x) comem juntas em remake de a dama e o vagabundo (x) e se desafiam a fazer coisas constrangedoras no meio da rua (x) e brincam de ser espiãs até a Krystal espirrar e estragar a brincadeira (x). E a Victoria é a maior MÃEZONA, como quando a Amber e Luna tavam fazendo guerra de travesseiro e ela chegou botando ordem (x)

E eu separei também alguns vídeos de apresentações (ou simplesmente cantando/dançando) porque meu serviço é completo.

Luna dançando “What’s Your Name” do Usher (x)

Victoria apagando velas enquanto faz a abertura (x)

Esse video predebut delas dançando “Disturbia” da Rihanna (x)

Dance break do Docking Station (x)

Victoria dançando ‘Love Sex Magic’ da Ciara (x)

[Docking Station] Toy (x)

[Docking Station] Dangerous (x)

f(x) debut Teaser Movie (x)

O ocean de f(x) que é a coisa mais linda (x)

Teaser do Docking Station (x)

Debut Stage (x)

[Predebut] Dance Practice de LA chA TA (x)

A flexibilidade da Victoria (x)

A flexibilidade da Victoria pt 2 (x)

Luna, Amber, e Kyrstal fazendo cover de The Boys do SNSD (x)

Krystal e Luna fazendo a cena do Titanic (x)

[Predebut] Victoria dançando (x

É lindo, não é? O jeito que a voz dele transmite a paz que um dia ela tanto procurou, e a forma que o brilho dos olhos dele cativa seu coração. É tão lindo aquele tom manhoso na voz dela quando o chama de amor, e a vontade que ele tem de sonhar com ela todas as noites ao deitar-se. Todas as vezes que ela põe a cabeça em seu travesseiro, é nele que ela está pensando. E todas as vezes que o coração dele aperta, é pela falta que ela lhe faz. Ela gosta quando ele canta. Ele gosta quando ela sorri. Ela acha fofo quando ele fica sem graça. Já ele, acha fofo quando ela fica brava. Ele é o seu algodão doce. Ela, o seu docinho de café. É tão lindo quando ele faz algo engraçado e suas risadas entram em sintonia; quando ela fica brava porque ele demorou, então ele pede desculpas com um tom de “me cuida”, e nessa hora ela cuida com todo amor; quando eles brigam feito dois idiotas e em menos de uma hora já querem se aninhar no colo um do outro. Mas é de dar dó, quando ela chora pela falta que ele faz por não estar ali coladinho nela. É de dar dó, quando ele chega com toda aquela insegurança, com medo de perdê-la. Ela precisa dele. E mesmo na distância ele cuida dela. É tão lindo, não é? Ela não sabe mais viver sem ele, e nem ele viver sem ela.
—  Jackelaine L. Pinto, Recitografar

Ela é de libra e não sabe como alguém pode ser mau humorado com um Sol desses do lado de fora, ela fala muito e fala sobre tudo, não sabe ser sucinta em explicações precisa contar todo o seu dia para finalmente chegar ao ponto do porquê brigou com a sua mãe, como se o frango que ela comeu no almoço tivesse alguma ligação com a discussão que ela teve depois sobre para onde ela iria viajar nas férias. Extremamente sociável costuma passar a impressão errada pros caras, ela dá atenção porque gosta de ouvir histórias e nada além, ela é contida e não é de se apaixonar facilmente.

Ela é arte, ela dança, ela pinta, ela escreve, ela toca, ela canta, ela encanta. Ela é fã de surpresas e desses pequenos prazeres que a vida pode nos dar, como comer, ela ama comer. Ela é sonhadora, sonha com seu casamento e tem em mente um marido ideal, mas se contenta com o mundo real. Ela precisa de alguém que ponha seus pés no chão e mostre que a vida pode ser amarga às vezes, mas por favor, nunca corte suas asas, lá em cima é onde ela se sente em casa.

Gosta de acordar cedo aos domingos para aproveitar o dia. Ela não sabe ser prática, quase sempre vai pelo caminho mais difícil para resolver os seus problemas, se a rua é reta, ela prefere a dar a volta no quarteirão e não, não tente entendê-la…

Pedido: amor faz um imagine com o liam que a sn ta com gripe e dor de garganta ai o liam cuida o dia todo dela e de noite fica cantando baixinho pra ela dormir

A música que o Liam canta é If I Could Fly

 

           Depois de mais um dia cansativo no trabalho e gravando meu novo CD eu apenas queria chegar em casa e dormir a noite inteira. Assim que abri a porta do meu apartamento estranhei o fato de que a minha namorada não estava na sala com um pote de doce ou cantando musicas antigas e pulando por toda a casa. Talvez ele tivesse saído ou poderia esta aprontando alguma comigo.

           Deixei meu casaco no sofá e fui para o banheiro que ficava no final do corredor, não estava muito a fim de ter que ir subir todas essas escadas para pegar minhas roupas. Após alguns minutos no banho sai apenas com uma toalha enrolada na cintura, subi as escadas, mas antes procurei s/n em todos os cômodos do andar de baixo, mas nem um sinal dela, confesso que já estou um pouco preocupado. Assim que entrei no quarto a vi deitada na cama com o nariz e os olhos vermelhos, ela apenas sorriu sem graça para mim, meu coração parecia que estava sendo partido ao meio, coloquei uma calça de moletom e deitei-me ao lado dela.

- Boa tarde meu anjo. – Beijei o topo da sua cabeça.

           Ela não disse nada apenas colocou a sua cabeça no meu peito e eu senti suas lágrimas escorrendo.

- Está doendo muito Liam. – Ela colocou a mão na cabeça e na garganta.

           Passei minha mão na sua cabeça e verifiquei a sua temperatura com um termômetro e estava muito alta. – Vai ficar tudo bem eu estou aqui com você. – A abracei delicadamente e beijei seu rosto.

           Coloquei na bandeja dois copos de cafés quentes e um remédio para dor de cabeça, já que ela não queria de maneira alguma ir ao medico, ela preferia ficar ao meu lado. Assim que entrei no quarto ela continuava deitada no mesmo lugar, isso já estava me dando uma agonia terrível, estava sentindo falta da minha garota brincalhona e sorridente de sempre. Sentei ao seu lado e dei a xícara na sua mão juntamente com o remédio, assim que ela tomou voltou a se deitar. Coloquei a bandeja no criado mudo e aproximei nossos corpos, ela tremia de frio.

- Canta para mim. – Ela disse com a voz tremula.

           Eu sabia o quanto ela amava me ouvir cantando só para ela. Sorri e aproximei minha boca do seu ouvido. – If I could fly, I’d be coming right back home to you. – Senti seus pequenos braços me apertando contra o seu corpo quente. - I think I might give up everything, just ask me to.

           Continuei cantando perto do seu ouvido enquanto o seus olhos iram se fechando, passei meu dedo na mecha de cabelo que caia sobre o seu rosto e seus lábios estavam entre apertos a sua respiração estava calma e lenta, beijei seu rosto e continuei cantando. - For your eyes only, I’ll show you my heart. - Minha voz estava calma assim como a sua respiração. Mesmo sabendo que ela já havia dormindo, continuei cantando, pois eu sabia que quando eu cantava para ela, s/n se sentia mais feliz e calma e eu amo essa sensação de poder trazer felicidade e calma para a mulher que eu amo.

           Sorri quando eu terminei de cantara a musica. Cobri o seu corpo e beijei seu rosto. - For your eyes only,

Ela veste as primeiras peças que encontra na gaveta. Ela ri o tempo todo como se alguém estivesse fazendo careta. Ela sonha acordada enquanto conta estrelas. Às vezes se isola, e se esconde do mundo. Ela acredita que existe solução para quase tudo. Ela canta as músicas mesmo sem saber a letra. Ela acredita no medo, teme, treme, mas não deixa de viver. Ela chora e tenta se esconder. Ela finge não ligar pro que os outros pensam. Ela sabe que existe alguém feito para ela; mas ainda não teve a chance de conhecer.
—  Kelvin Korzempa

minha doce mãe, tristeza

eu choro como quem sente a dor da vida, o desespero que odeio com todo meu corpo, toma conta de mim, tenho certeza que sou a tristeza na forma humana, sou a escuridão, a dor e a depressão que mora em mim, o sol não brilha mais como antes, ando confusa, pertenço a tristeza que faz questão de me acolher com um abraço materno, ela me embala e canta para mim todas as noites, sussurrando no meu ouvido “estarei sempre contigo meu bem”. eu a odeio apesar dela sempre me receber com tanta empolgação e estar sempre estar ao meu lado, minha tristeza não tem nome, mas já posso chamá-la de mãe, ela me acorda na madrugada para me alimentar de medo, ao longo do dia me leva pra passear e me dá a mão em meus pesadelos, ela me aninha em seu colo, dizendo que é bom estar comigo, que sou fruto dela, e todas as noite ela me beija e sussurra com sua voz cortante “obrigada por me deixar viver dentro de ti”, e eu digo “você é minha doença,mãe”.

fonte: @estreladelotus

sabe mallu magalhães, não sabe?

aquela que tem o mesmo nome do teu livro.
não é ela
eu sei

mas esse nome nos paira

porque ela canta:
eu
eu quero ficar com você

eu
eu quero grudar em você

eu
eu quero me bordar em você

quero tirar sua pele
quero fazer tua casa
quero tirar sua roupa

Me pega de jeito?

“Me pega de jeito?
Não não!
Me pega com jeito!
Ela não é botão
Não é chiclete pra mascar e puxar
Meus seios não são buzina pra apertar sem parar.
Me pega com jeito!
Saiba tocar, sentir, excitar!
A pressa não me faz gozar
Essa força toda ta me fazendo querer parar
Vai e vem devagar
Ás vezes é legal um olho no olho
Um puxão de cabelo e um beijo
Não to afim de tapa na cara
Tenho sim mais dias de tara
Mas tudo tem que ser com respeito
E se estiver satisfazendo só o teu desejo
Eu saio de cena e nem mando beijo
Eu faço do melhor jeito se você souber me respeitar
Cara, tu pode ter uma vara
Mas o teu machismo broxa
Nem a melhor bombada me faz gozar
Tem que parar, escutar, observar
Se a mana pedir pra parar
Nem adianta acelerar
Ela canta a música
E quando a música para
Você não deve mais dançar
Pra levar uma mulher pro céu
Não precisa pagar o mais caro motel
Basta fazer diferença na hora da pegada
E não é pegada com força e sarrada
É pegada na alma
Tocar, ouvir e admirar
Respeitar e se preocupar
Isso sim faz uma noite de tirar o ar”
- Um poema para Helena

Vou te falar sobre ela…

Ela tem aquele sorriso, sabe? Um sorriso lindo que me faz sorrir de volta. E também tem aqueles olhos que fazem eu me perder, aquele olhar que me encara e me faz viajar, como se eu pudesse ver as coisas mais lindas do mundo naquelas telas brilhantes. Tem a voz dela, eu amo a voz dela, amo quando ela fala meu nome, quando ela canta pra mim antes de dormir ou quando ela me acorda com um bom dia. Eu amo a inocência dela, mas não é a falta de malícia, porque isso ela tem. Ela tem a malicia de uma mulher e a inocência de uma criança de uma só vez. Uma criança que me faz dar a mais gostosa gargalhada, uma mulher que me encanta, que me seduz, que me devora a alma. Eu amo o teu ciúme bobo, o teu mau humor inexplicável, as tuas manias sem sentido. E não, ela não é perfeita, mas eu amo até os seus defeitos. E são suas imperfeições que fazem com que ela seja perfeita pra mim. Pois ela não me completa, ela me transborda. Ela não é minha metade, ela me envolve. Ela faz parte de mim. Ela não é o que eu sonhei um dia, ela é muito mais do que eu pensei que teria.

─ Ô, linda! O que é que você faz pra ser assim tão linda? 


De Pão de Mel para Pão de Queijo.

A minha poesia
Tem olhos, e tem alma.
Ela grita, quando sente necessidade de gritar.
Ela chora, quando preciso desabafar.
Ela canta, quando experimento a liberdade.
E adormece nas entrelinhas do amor,
Quando provo um instante de serenidade.
A minha poesia não é supérflua,
E nem é composta de palavras inconsistentes.
Ela reclama sentimentos,
E se compõe dos reflexos de minha amoção.
E através de linhas retas,
Tortas, ou pontilhadas.
Preenche espaços vazios,
Em corações solitários,
E faz sentir um pouco de alegria,
Àqueles que vivem descontentes.
—  Chão de folhas.

Ouvi mamãe Oxum cantando na cachoeira
Dançando toda faceira
Tão linda como ela faz.

E quando ela canta
Xangô senta na pedreira
Oxossi lá na ribeira
Nem vento não venta mais

Ayê ayê minha mãe
Ayê ayê mamãe Oxum
Ayê ayê moça bonita demais.

Canta Oxum
Alivia meu coração
Me tira da solidão
Me trás paz. (2x)

—  Ora iê iê ô mamãe Oxum.