el seco

youtube

Diego, erís el más seco 🤓 ( y el final jajajjaja)

y ahora una mala traducción:

L: Diego, one minute!
D: What happened?
L: A pleasure, Luis Romano from Uruguay
D: Ah, from Uruguay, nice to meet you
L: It’s for channel 10 from Uruguay
D: Greeting to Uruguay
L: Before anything I want to ask you, what did you do good to get to be jury
for the Berlinale?
D: I don’t know, they dont know me that well, rather. But no, what I did good? I dont know. Its an incredible gift to come see movies to a festival without pressure, to have the opportunity to celebrate the filmmakers and to meet this group of people whom im gonna be with 12 days, discussing cinema, Its a great gift.
L: Have you seen any movie already?
D: We have seen 1 movie, yes.
L: Which one?
D: mmm, I can’t tell you.
L: Ok, and i was gonna ask you one thing
D: Tell me.
L: So this is the most political Berlinale from the last years.
D: Well, its the world that’s changing and is urged for us to give our opinions and for us to be involved, and cinema is a reflection of the reality we live in, so not only this festival, I think all film festivals from this year, and in general in the opportunites where there are microphones to comunicate with the people they will be used to send messeges…
L: I wanna ask you a question, and i don’t wanna waste your time, later if you want we can speak longer, but I wanna ask you, you as a mexican, how do you see the situation between Mexico and the United States now with the subject of the wall?
D: It’s not a situation between Mexico and the United States, there are many United States, and theres a part in the United States with which I conect really good and I have family and I have friends. Theres a problem called Donald Trump, and we all have to face it, and confront it, sorry, not face it.
L: And how do you think the Seventh Art has to stand with regard to this types of politics?
D: The same thats it’s already doing, but cinema has always, I tell you,  been a reflection of the reallity and its a opportunity to comunicate us, to express us, to conect us, to put themes on the table that need to be discussed and to wake awareness. It always has been.
L: Well, before anything, thank you so much, and can you send a greeting to channel 10 from Uruguay?
D: Greeting to channel 10, I’m freezing, gotta go.
(he said actually: im shitting myself from the cold lmao)

REAÇÃO DO BTS quando entrasse no quarto e te pegasse em um momento íntimo.

Rap Monster (Kim Namjoon): Você apenas notaria a presença de Namjoon quando ele esbarrasse na porta e a abrisse por completo em um baque seco. Ele apertaria a ereção sem vergonha alguma e morderia o lábio enquanto olhava fixamente para sua imagem envergonhada.

“Isso ~apontaria para a calça~ é culpa sua, espero que esteja disposta a resolver seus problemas.”

Suga (Min Yoongi): Yoongi tinha acabado de acordar e estranhou o fato de não te encontrar ainda no sétimo sono, levantou ainda sonolento no intuito de te procurar pela casa, mas seus passos congelariam quando ele ouvisse suspiros baixos vindo do banheiro. Sem cerimônia ele abriria a porta dando de cara com você dentro da banheira e de olhos fechados.

“Eu também quero brincar babygirl..”

Jungkook (Jeon Jungkook): Jungkook não conseguiria dar um passo sequer e continuaria a observar tudo pela fresta da porta enquanto maltratava os próprios lábios ao ouvir seus gemidos. Jeon desejava estar no lugar de seus dedos, mas não ousaria interromper o “show” que você proporcionava.

Jin (Kim Seokjin): Jin tinha acabado de chegar em casa, largou suas coisas na sala e saiu a sua procura pela casa como de costume, só não contava que te encontraria na cozinha, inclinada sobre o mármore da ilha e com a mão dentro da calcinha clara. Ele não imaginava esse seu lado, já que nunca mostrava, mas assim que o choque passasse e você notasse sua presença ele te impediria de descer do balcão, iniciando a própria brincadeira.

Jimin (Park Jimin): A imagem de seu corpo rebolando contra os próprios dedos excitava o garoto que sem pensar duas vezes colocaria a mão dentro da calça, afim de te acompanhar. Seus gemidos o excitava e quando ele ouvisse o próprio nome ser chamado não ficaria apenas naquela brincadeira e invadiria o quarto.

“Chega! De quatro, agora.”

V (Kim Taehyung): Tae tinha conseguido sair mais cedo do estúdio e planejava te fazer uma surpresa, passou em uma floricultura e comprou o maior buque que poderia carregar. Abriu a porta com dificuldade e te chamou pelo apelido que apenas ele usava, mas assim que olhou ao redor e te viu no sofá as flores foram ao chão, ao ve-lo de boca aberta e te encarando intensamente você abaixaria a saia que usava e fecharia as pernas constrangida.

S/N: Tae… eu…

V: Não fale nada jagi, o daddy quer brincar também.

J-Hope (Jung Hoseok): Hoseok olhava tudo, estava escondido desde o começo e observava você se dando prazer enquanto a água do chuveiro escorria por seu corpo, ele se torturava mentalmente por ter um compromisso dali a algumas horas, mas sairia de casa prometendo a si mesmo que castigaria sua babygirl quando chegasse.

Twitter de reações: https://twitter.com/BTBOYSREACTION

Escribo desde el sabor agrio que me hayan amargado un dulce,
desde la esperanza abrasada del que cree que de las cenizas resurge el fuego,
desde la ventana que se ha abierto cuando te he cerrado la puerta en un quinto piso en el que mi número de la suerte ya no es más que un golpe seco contra el suelo.
A estas alturas el puedo suena a miedo, es el paladar ferrio que deja morderse la lengua cuando no quieres escupir más dolor en palabras.
Escribo mi mensaje de vete con la mirada del quédate y la luz de una llamada pérdida, desde un buzón de voz en el que nadie lo vuelve a intentar a los tres tonos de llamada, con esa sensación que tiene una anoréxica muerta de hambre, un infiel echando de menos a su pareja mientras se tira a su amante, escribo desde la rabia de un niño al que le prohíben pintar el cielo de rojo, desde la ignorancia del cojo al que pillamos después que al mentiroso.
Lo hago derribando cada muro que construimos dentro de nosotros, creyendo que así quizás la angustia que precede al dolor desaparecerá,
vivimos esperando trenes vacíos que no nos llevan a ninguna parte en lugar de construir hogares en cada una de las columnas vertebrales que son capaces de sostener cuerpos, almas, y mundos…y por eso también escribo desde una obra recitada sobre una tarta de cumpleaños que nadie se lo a comido porque engorda.
Los dos besos después de encontrarte con el amor de tu vida después de años, en cuento la injusticia en cada baldosa rota de la calle, y entre las grietas de estos espejos que tengo por ojos consigo escuchar a Maccarteny en ese let it be.
Tanto buscar respuestas y ni siquiera nos hemos planteado las preguntas.
¿Qué cojones estamos intentando averiguar? ¿Qué queremos corregirnos de más si la primera mancha en la camisa somos nosotros mismos…? Y cómo ese botón que cae del abrigo y nunca más vuelves a coser, porque lo pierdes.
Creemos que nos echarán de menos cuando abandonemos sus vidas, nos obligamos a mirar al frente como si fuésemos a saber a dónde vamos, pero si no sabemos cuál es el destino nos puede dar igual el horizonte.
Levanta la cabeza le decían al soldado, que estúpido el que lo hace y no se da cuenta que también en los charcos se ve reflejado al cielo, incendiamos los periódicos y gritamos a la televisión y enmudecemos a la radio, nos refugiamos en redes que dejaron de ser sociales hace mucho tiempo, para transformarse en trampas de cristal, pantallas que se convirtieron en máscaras en las que los niños juegan a ser adultos, los cobardes a valientes, y los cabrones encuentran un sitio en el que galopar al trote de la maldad.
Criticamos a los políticos, nos creemos que son estos denunciando a la corrupción y compartimos la foto de un niño muriendo abrazado por una playa griega. ¿Pero qué hacemos?
Nada, absolutamente nada…y por eso escribo, porque al final las lecciones de moral sólo te las da los máss imbéciles.
Porque he visto ignorantes poniéndose en pizarras y escribiendo con la misma tiza que se dibuja la silueta de un muerto, que su mar es recopilar números y se les olvida que uno más uno también es igual a nosotros,
que estoy harta de tanto escuchar el adjetivo joven para justificar mi rebeldía, es muy pronto para ti, para que vamos a oír…que me vais a enseñar si fui  yo la que alimentó a los cuervos para que me sacarán los ojos, para no ver un mundo tan cruel, tan gris, un mundo en el que ya no entrelazamos dedos sino cuchillos.
Atamos sueños y esperanzas, lo llamamos defensa, a mi no me vengáis con gilipolleces, a torear podéis iros a otras plazas aquí hemos venido a obsacar el toro a hombros, a bailar con los demonios, a posarnos en un cableado olor a muerte y tacto electricidad sólo para batir las alas y alzar el vuelo aunque sea por última vez y aunque no suelo escribir con un fuego en las palmas y mi madre me diría que la boca se me va a llenar de jabón.
Hoy no me importa, hoy lo digo, podéis iros a la mierda todos los que venís a morir porque os dejáis matar y no hacéis nada por luchar el cambio mientras yo escribiré incendiando letras únicamente para cambiar el nombre a la revolución y empezar a llamarla esperanza
—  Grito -Loreto Sesma.
REAÇÃO DO BTS quando você fizesse um lap dance.

Rap Monster (Kim Namjoon): Ficaria a dança toda pensando em como iria te mostrar que era “O Deus da Destruição” quando acabasse (se é que vocês me entendem).

Suga (Min Yoongi): Fingiria não se importar quando você sugerisse, exibindo um jeito preguiçoso apenas para te irritar, mas quando você sentasse em seu colo na cama onde ele está deitado ficaria o tempo todo mordendo os lábios e apertando sua cintura e bunda, rezando para aguentar esperar até o fim da música antes de “atacar”. BULTAOREUNE!

Jungkook (Jeon Jungkook): Ficaria envergonhado e corado quando sentisse que estava ficando excitado, você continuaria rebolando em seu colo até ele se soltar e aos poucos ele começaria a comandar sua dança.

Originally posted by jeonify

Jin (Kim Seokjin): Nossa princesa ficaria sem jeito e quando você o empurrasse em uma cadeira da cozinha ele engoliria seco, excitado antes mesmo de você começar. Alguém apagou o fogo da panela?

Originally posted by bwiseoks

Jimin (Park Ji-min): Muito provável que ele quem tenha dado a ideia, faria questão de exibir a ereção enquanto você dança em seu colo para mostrar o que realmente quer. Com certeza te castigaria pela tortura dos rebolados lentos.

Originally posted by sugutie

V (Kim Taehyung): Nosso alien continuaria sendo nosso alien e daria aquele sorriso misturado com olhos envergonhados. Tae morderia os lábios evitando qualquer gemido, mas no fundo está doido para ouvir os seus.

J-Hope (Jung Hoseok): Hobi riria de começo achando ser brincadeira, mas quando você o empurrasse até a cadeira mais próxima ele faria aquela carinha de safado. Imagina aquela boquinha sendo mordida o tempo todo enquanto você dança para seu bias.


Minha primeira reação, espero que gostem.

Eu quero deitar com você, discutir qual banda de rock é a melhor. Eu quero enrolar minhas pernas geladas nas suas pernas quentes. Eu quero dormir cheirando o teu cabelo molhado, juro que não me importo, sei que no dia seguinte ele estará seco e com aquela cor que eu amo. Eu quero escovar os meus dentes enquanto você faz xixi no boxe enquanto toma uma ducha gelada. Eu quero deitar com você enrolado feito caracol e assistir aquele programa de TV chato que passa aos domingos a tarde. Eu quero discutir com você essa noite, só pra ver quem vai lavar ou secar a louça do jantar. Eu quero a tua calcinha no chão do quarto, e a minha língua no teu corpo. Eu quero te foder de ladinho, de quatro e de todas as posições possíveis e impossíveis. Eu quero te amar de manhã seguinte em cima da mesa, seu corpo sendo o meu café. Eu quero tantas coisas com você, que se você soubesse de tudo, meu amor, você bateria agora na minha porta completamente nua para mim.
—  Andrew Xavier

One Shot Louis Tomlinson

  • Pedido - Eu queria um do Lou q ela é toda carinhosa cm ele e ele é seco cm ela e um dia o filho deles pergunta pq ele não é carinhoso cm a mãe
  • Eu fiz um pouco diferente do pedido… espero que não se importe :)

É de costume todo domingo Louis e (s/n) reservarem um tempo para passear no parque com a pequena Evelyn de seis anos.

Esse é um dos melhores dias para (s/n), ela pode passar a tarde inteira observando os dois amores de sua vida, mesmo que um não seja um doce de pessoa, ela ainda assim o ama intensamente.

Louis acha esse um dia chato, chato porque tem que aturar a sua mulher tentando agradá-lo e cheia de mimimi para o seu lado, a única parte boa desse dia é o sorriso no rosto de Evelyn, ele faz de tudo pela filha. Não que ele não ame sua esposa, longe disso, ele só não tem paciência.

A família Tomlinson desceu do carro e enquanto Evelyn corria para o parque sendo observada pelos olhos atentos de (s/n), Louis tirava a cesta de piquenique do porta malas.  

O dia estava radiante, o sol resolveu dar o ar da graça iluminando e aquecendo tudo e todos que entrem em contato com seus raios, as aves cantavam e pareciam brincar no céu, a grama verdinha deixava todo o cenário mais encantador.

(S/n) pegou a toalha xadrez, vermelha e branca, andando até estar debaixo da grande árvore a qual eles sentavam todo domingo.  

Era sempre a mesma coisa, arrumar a toalha xadrez e as comidas, observar Evelyn brincar e ficar com Louis debaixo da árvore, (s/n) não se importaria em repetir tudo todo domingo pelo resto de sua vida.

Assim que a toalha estava arrumada (s/n) e Louis se sentaram enquanto vigiavam Evelyn descer o escorregador.

— Como foi a semana no trabalho, querido?  

(S/n) realmente queria saber, ela infelizmente não pode o perguntar todos os dias como foi o trabalho porque ele chega tarde e somente quer dormir, Louis não permite conversas quando está na cama.

— Cansativo como sempre… Não sei por que ainda pergunta. — rude… Como sempre.

— Desculpe… — suspirou — Sabe, eu estava pensando em fazer uma viagem… Eu, você e Evelyn.  

— Você está cansada de saber que eu estou atolado de trabalho na empresa, não tenho tempo para viagens. — Louis olha para (s/n) irritado.

— Mas querido…  

— Pelo amor de Deus, (s/n), não me chame de querido, soa tão patético. — esbraveja Louis.

— Tudo bem… — (s/n) se aproxima mais do marido e pega um cacho de uva — Coma uma. — leva uma das uvas em direção a boca de Louis.

— Eu não quero! — vira um pouco o rosto.

— Uma só, Lou… — continua com a uva perto da boca do marido.

— Eu já disse que não quero! — fala mais alto e (s/n) apenas abaixa a mão suspirando.

(S/n) apenas queria chorar, ela se sente tão estúpida, Louis parece não a amar mais e isso é apenas culpa dela, segundo sua mente.

Louis não aceita mais seus carinhos ou a dá algum e ela fica desesperada por atenção puxando qualquer tipo de assunto para ele focar seus olhos pelo menos alguns segundos nela, mas ele é sempre rude e sem paciência.

Segurando a vontade de perguntá-lo se algo está errado com eles, (s/n) apenas guarda o cacho de uvas e se aproxima ainda mais de Louis encostando sua cabeça no ombro dele.  

Louis não a mandou se afastar, mas também não enlaçou sua cintura com seus braços.

Fechando os olhos, (s/n) se manteve imóvel sentindo o cheiro de seu marido, ela só pode senti-lo a noite quando dormem ou fazem sexo. A parte do sexo não acontece muitas vezes.

(S/n) se sente tão calma próxima a Louis, era como se seu mundo estivesse todo em suas mãos, não havia tempo para pensamentos ruins.

— Eu sinto a sua falta… — sem perceber (s/n) deixa escapar em um sussurro.

— Estamos todos os dias na mesma casa. — Louis diz sem dá muita importância olhando Evelyn se aproximar.

— Mas não ficamos muito tempo juntos. Quando você chega só quer ir dormir…  

— E o que você quer que eu faça? Quer que eu deixe meu emprego e fique em casa com você? Alguém tem que colocar comida na mesa. — Louis se irritou se afastando de (s/n).

A pequena Evelyn que estava a pouco tempo em pé em frente aos pais percebeu mais uma vez o clima e isso a deixou um pouco triste.

— Oi filha… — (s/n) sorriu forçado sentido seus olhos marejarem — Tem um carrinho de algodão ali, você quer? — ficou de pé olhando a menina.

— Quero sim, mamãe… — Evelyn respondeu sem ânimo e sentou-se sobre a toalha.

— Eu já volto…  

(S/n) sai apressada em direção ao carrinho de algodão doce, segurando ao máximo o choro, ela não queria chorar na frente de Louis e muito menos na frente da filha.

Evy se manteve sentada de cabeça baixa brincando com seu pequenos dedos, Louis sabia que ela estava triste já que ela é sempre tão ativa e estaria nesse momento correndo na frente da mãe.

— Papai?— a vozinha melodiosa da pequena soou aos ouvidos de Louis.

— Sim querida… — respondeu com um sorriso.

— Você não ama mais a mamãe? — ela o olhou com os olhinhos tristes.

— Claro que amo, meu amor… O que te faz pensar isso? — Louis se aproxima da filha e acaricia seu cabelo.

— Você sempre briga com a mamãe e faz ela ficar triste.

— Eu não brigo com ela, nós só conversamos. — a voz de Louis se mantém calma.

— Mas ela fica triste, eu sei…

— Desculpe o papai, ok?! — ele beija a cabeça da pequena — O papai vai ser melhor com a mamãe.

— Não faz ela triste, eu fico triste também…

Louis se sente um pouco envergonhado, precisou uma criança de seis anos para que ele percebesse que estava sendo um péssimo marido.  

Com todo o estresse da empresa, ele descontou sua irritação na pessoa errada, ele se sente tão mal ao perceber isso.

Se Evelyn se sente mal imagine (s/n)… Apenas isso se passava em sua cabeça.

Alguns minutos de silêncio depois, (s/n) voltou com um algodão doce cor de rosa e o entregou a Evy, quando estava quase sentando-se ao seu lado, Louis segurou sua mão a puxando para o seu lado a fazendo sentar de costas em seu colo.

A principio (s/n) estranhou, ele foi tão rude a não muito tempo a trás e agora a abraçou pela cintura e a beijou na nuca.

— Me desculpe por ter sido tão estúpido com você. — Louis beija a têmpora de (s/n) — Saiba que eu amo você e nossa filha mais que tudo no mundo e quando eu agir como um animal indomado apenas puxe minha orelha e me dê um sermão com cara de brava como a que você faz quando dou doces a Evy antes do jantar. — riu fazendo com que (s/n) risse também — Você também pode me chamar de querido sempre que quiser. — diz virando (s/n) de frente para ele.

— Tudo bem… Eu também amo você e nossa filha, querido.

(S/n) sorri e fecha os olhos assim que Louis coloca as mãos em sua nuca e aproxima seus rostos, selando seus lábios, Louis inicia um beijo calmo e sem pressa, suas línguas brincam em suas bocas.

Algumas palminhas podem ser ouvidas fazendo os dois rirem durante o beijo sabendo ser Evelyn, alguns segundos depois o beijo é encerrado com vários selinhos. Evelyn corre até os pais e se joga no meio deles os abraçando.

— Eu amo vocês! — Louis sorri beijando a testa das mulheres da sua vida.



Espero que tenham gostado e logo, logo postarei os outros pedidos :)

- Tay

Ah! La angustia, la abyecta rabia, la desesperación
De no yacer en mí mismo desnudo
Con ánimo de gritar, sin que sangre el seco corazón
En un último, austero alarido!

Hablo -las palabras que digo son nada más un sonido:
Sufro -Soy yo.
Ah, extraer de la música el secreto, el tono
De su alarido!

Ah, la furia -aflicción que grita en vano
Pues los gritos se tensan
Y alcanzan el silencio traído por el aire
En la noche, nada más allí!

—  Fernando Pessoa.
Escribo desde aquí, desde las invendibles, las torcidas, las que llevan la cabeza rapada, las que no saben como vestirse, las que tiene miedo de oler mal, las que tienen los dientes podridos, las que no saben cómo montárselo, ésas a las que los hombres no les hacen regalos, ésas que follaróan con cualquiera que quisiera hacérselo con ellas, las más zorras, las putitas, las mujeres que siempre tienen el coño seco, las que tienen tripa, las que querrían ser hombres, las que se creen hombres, las que sueñan con ser actrices porno, a las que les dan igual los hombres pero a las que sus amigas interesan, las que tienen el culo gordo, las que tienen vello duro y negro que no se depilan, las mujeres brutales, ruidosas, las que lo rompen todo cuando pasan, a las que no les gustan las perfumerías, las que llevan los labios demasiado rojos, las que están demasiado mal hechas como para poder vestirse como perrita calentonas pero se mueren de ganas, las que quieren vestirse como hombres y llevar barba por la calle, las que quieren enseñarlo todo, las que son púdicas porque están acomplejadas, las que no saben decir que no, a las que se encierra para poder domesticarlas, las que dan miedo, las que dan pena, las que no dan ganas, las que tienen la piel flácida, la cara llena de arrugas, las que sueñan con hacerse un lifting, una liposucción, con cambiar de nariz pero no tienen dinero para hacerlo, las que están desgastadas, las que no tienen a nadie que las proteja excepto ellas mismas, las que no saben proteger, esas a las que sus hijos les dan igual, esas a las que les gusta beber en los bares hasta caerse al suelo, las que no saben guardar apariencias..
—  Virgine Despentes, Teoría King Kong