educação fisica

Meus textos não tem sentido, minha mente não é decente, minha vida não é reta, meus olhos não são traiçoeiros. As ideias fluem, minhas mãos ganham vida, meu espirito se ergue, lembranças vem e vão embora. Observo, opino, mintos as vezes, falo a verdade também. 

Não tenho culpa se minha mente é perturbada ou você não me entende, não me sente.

Já fiz planos que não poderei cumprir, tive desejos que não serão realizados, por breves momentos eu criei uma fantasia romântica na ingenuidade de acreditar que eu seria o bastante para você.

Tento me fazer acreditar que não acredito em mais nada, que já perdi a esperança de ser seu e que já desisti dos meus planos precipitados, mas no minuto seguinte eu já estou fazendo planos para nós para mais dez anos. E vivo assim, uma luta diária com minha mente, uma guerra entre a razão e a emoção.

Me sinto envergonhado em ter deixado um beijo, uma noite de amor, ter-me feito isso, causado um infortúnio e até aonde vai esse infortúnio o seu bem me faz bem.

Para eles tudo se tornou perfeito, tudo ficou completo, as guerras acabaram. O amor que sentem é único, maravilhoso, perfeito, completo, sem complicações.
Os dois se uniram, dois seres de luz, que se amam, se completam e se entendem.
Para eles a vida é assim, não existe ódio e egoísmo, as guerras acabaram.
Nesse mundo existe apenas eles, seus olhares e suas caricias. O amor personificado e dividido em dois, porém, unidos.

Em cada curva dessas ruas eu estou correndo, ansioso para te encontrar. Cadê você que desapareceu sem nenhuma explicação? Me perdi no bairro aonde nossos momentos ficaram marcados, aonde deixamos uma energia que criamos durante anos, você partiu correndo por essas paredes cheias dessas energias e já não sentia mais nada.

Neste exato momento estou correndo, passando as mãos nas paredes e lembrando todos aqueles segundos que foram preciosos, ao menos pra mim. Corro na mesma velocidade que você correu, talvez, mas essa corrida é para te achar. Me sinto um idiota fazendo isso, mas preciso de uma explicação, um motivo para te esquecer, se é que há algum, e poder seguir em frente.

Non vedo l'ora di tornare a studiare 24 ore su 24 come una disperata e tornare ad avere occhieie profonde come l'oceano Atlantico, ma sopratutto non vedo l'ora di vedere quelle bellissime e dolcissime prof, che non scopano dall'epoca della pietra e che neppure a capodanno hanno avuto la loro porzione di goduria annuale. Di conseguenza saranno ancora più agguerrite e noi sempre più deperiti...

Você está vendo aquele cara? Aquele parado no poste, com os ombros tensos e rigidos. Ele está me esperando, dá pra perceber isso né? Presta atenção no brilho do olhar dele, olhos arregalados, ansiosos e felizes.
É aquele mesmo, aquele que eu quero fazer feliz, é a ele que eu quero mostrar todas a maravilhas que o amor tem a proporcionar.
Quero esperar ele adormecer antes de mim, ver a serenidade e tranquilidade que irei proporcionar a ele.
Ele será meu motivo para mudanças e decisões, melhor ainda, será meu motivo para amar loucamente e cegamente.

Eu sempre soube que eu iria sair dessa com uma mão atrás e a outra na frente, mais cedo ou mais tarde, tudo seria superado e uma nova vida recomeçaria.

Depois de tudo, o que sobrou de toda a alegria e tristeza foram aqueles cacos com palavras bonitas, todas quebradas, com suas sílabas separadas e suas letras ao meio.

A cor da mágoa, dessas tristes fases e momentos, me deu de volta a visão e quis que eu arrumasse tudo sozinho, desde o início.

Agora fico aqui apenas esperando que o forno aqueça e finalize seu trabalho com aqueles cacos remontados, traga de volta uma nova frase de uma nova fase.

Desde que vc se foi ninguém mais ocupou esse vazio. Nenhum toque conseguiu substituir a sensação do seu toque.
Ainda sonho com as noites de sexta-feira que passávamos juntos, sempre assistindo algum filme repetido, uma garrafa de uma bebida qualquer ao lado e fumando Lucky Strike.
Acordar e ver você jogado em meus braços em um de seus sonos mais profundos era o ápice da minha felicidade naquelas semanas.
Ainda tento me contentar com o que eu tenho hoje, tento me convencer que algum dia encontrarei, novamente, esse amor que tanto te dei, ou desejei te dar.