e[57]

57, E.D

“Y/n! Over here!” Your best friends Grayson and Ethan yelled out. Motioning for you to sit next to them. You were currently meeting them at a Get together for their family, but as you were basically family to them, they invited you. Seeing the twins calling for you as you entered the backyard, you immediately headed toward them. “Where can I sit?” You asked seeing as no chairs, or spaces on the ground were currently available. “Oh, um, here! You can sit in my lap!” Ethan proposed, which you automatically obliged. “Won’t this be a little weird?” You asked as you took the seat in Ethans lap. “Nope! You’re my best friend, and I’m your seat whenever you need one!” He smiled out, as he check his phone. Well, this was when you realized, Ethan had the boniest knees alive, as they kept cutting into your thighs causing you to shift constantly. I mean, you couldn’t get comfortable! “Hey y/n, can you stop wiggling please?” Ethan asked kindly. “Oh yea sorry!” You said, as you stopped the movement for a while, beginning to engage in conversation with his parents. As the conversation continued, well you still couldn’t get comfortable wiggling once again every few seconds. And now, you could understand why Ethan needed you to be still, as you could now feel him hardening under your lap. But, deciding to play it innocently, to toy with the boy. You simply said, “Sorry! I can’t get comfortable, E.” which, by the tone in your voice, I think he was catching on to your little feed, as you began to grind your hips, slowly and subtly on his growing erection. “Y/n, i know what you’re doing. Please stop, you know I have a crush on you this is killing me!” He said, but you denied it. You knew he had a crush on you, I think everyone and their eleventh cousin did. He was that obvious, but you didn’t mind. He’s quite the catch himself. But not pursuing anything, as well, it’s never been mentioned. “Ethan, how about this. I’ll get up, and you can meet me in the guest bedroom.” You said. “But you can see my dick!” He whisper yelled, which was true, his hard on was extremely prominent. “How about, you just follow me in there.” You proposed. As no one would suspect you were going to fuck in there anyways, you two were just friends. Maybe not for long, anymore.

Originally posted by ethandolandaily

2017.05.07

Complete fics posted on AO3 this day

New Man by make_this_feel_like_home [?, 16.6k]

The one where Louis falls for his old man’s new man. 
Love triangle | POV: L | *punctuation

Our Sweet Creature by outerspaces | @sunnylesbian [?, 3k]

Harry Styles and Louis Tomlinson have been together for years now. They decide it’s time to add a third member to their family. Louis brings home a puppy. 
Fem Direction, established RS, fluff | POV: L

Promise Me by Mandriice | @mandriice [E, 57.3k]

A story about a promised love that has always existed and will last forever. 
Soulmates, A/B/O | POV: both | omega!L

Too good to be bad by Tita | @latitta [E, 24.1k]

Two spies, one mission, zero things left in common between them. 
Spy, colleagues, reconciliation | POV: L | bottom!H

When It’s Late At Night by Rearviewdreamer | @all-these-larrythings [M, 25.6k]

Louis has zero interest in an ex-boybander turned solo artist when his appearance on the show gets announced, but that’s exactly who he gets stuck with when Harry Styles shows up at the Late Late show to promote the release of his debut album. For an entire fucking week. 
Late show, assistant (L), famous (H) | POV: both | bottom!L

sinto saudade
de sentar na calçada
durante a madrugada
insuportavelmente quente
2h da manhã e 57 minutos
43 graus
previsão de tempestade
entre a gente
—  annelise

i’m just sayin’

Rodimus’ hips don’t lie :V *gETS SHOT MULTIPLE TIMES*

4

Super Moon tonight (13Nov16, the perigee will be on 14Nov16 at 5:52 am PST).  

1. 5:55 pm PST San Diego County, E by NE

2. 5:57 pm PST San Diego County, E by NE

3. 6:13 pm PST San Diego County, E by NE

4. 6:14 pm PST San Diego County, E by NE


Please do not edit or repost. Thank you

Sono le 23:57.
E sto scrivendo di te.
Okay forse non di te, ma di me.
Si , mancano 3 minuti a mezzanotte e io sto scrivendo di me e segretamente di te.
Sto ascoltando una canzone che si chiama demons ti sembra un caso? 
Forse nulla è per caso, amore mio.
Credi nel caso? io no.
Credo che tutto cio che ci accade è perche noi ce lo siamo creato.
Un passo alla volta noi ci scriviamo il “futuro”
che cazzo di brutta parola che è
“futuro”
Penso che non ci sia cosa piu brutta che farsi paranoie sul futuro.
Giocati tutto, amore mio.
Vivi la tua vita come se ogni giorno fosse l'ultimo e non rimandare mai a domani.
fai tutto cio che cazzo ti pare in una sola giornata.
Guarda chi lo sta scrivendo, è ironico da parte mia potresti dirmi..
ma non me lo dici perchè sei cosi amorevole nei miei confronti.
Sono le 23:57 e io sto pensando che sei amorevole quando in realta sei solo un fottutissimo lunatico del cazzo.
Credo anche che le parolacce amplificano tutti i concetti, tu no?
Si, sei molto lunatico.
E ti odio per questo perchè non riesco a starti dietro e mi fanno tanta paura le cose che non posso controllare lo sai?
Mi dispiace se starmi dietro è molto difficile ma tu non puoi immaginare quanta fatica io faccia con te.
Mi fa innervosire non avere la certezza che tu mi pensi sempre.
Mi fa dannare pensare che tu magari stai con lei.
Voglio essere strafottente come te, amore mio.
Voglio essere come te.
Voglio che i tuoi difetti del cazzo siano anche i miei.
Voglio che la gente guardandoci per strada dica “come stanno ancora insieme quei due?" 
Voglio piangere perche ci siamo fatti cose che nessuno si aspetterebbe da noi.
Voglio ridere con te e guardarti cadere per le scale quando torni alle 4 di pomeriggio strafatto.
Voglio fare l'amore con te.
Voglio fare anche sesso con te.
Voglio che mi baci disperatamente.
Voglio che hai bisogno di me.
Voglio stare con te per tanto tanto tanto tempo.
E voglio dimenticare tutto il giorno dopo.
E voglio che tu torni da me, chiedendomi un dettaglio di quando abbiamo fatto l'amore o di quando ci siamo baciati la prima volta e voglio non ricordarmelo.
Voglio farti vivere quello che ho vissuto io.
Magari capirai che vuol dire odiarti e volerti, amore mio.
—  astory
Quando alguém te tira o sono e você não liga

— Clínica de aborto Criança Feliz. Como posso ajudar? — atendi, depois do meu coração voltar ao ritmo normal por causa do celular e depois de ficar encarando o “Alice” na tela e aquela foto que eu tirei dela quando desafiei ela a colocar sete chicletes na boca por um tempo.
Silêncio.
— Oi, Alice — usei a melhor voz que pude.
Nota mental: deixar o celular no silencioso. Nota mental dois: não atender, caso esqueça a nota mental um e depois mentir que não ouviu o celular tocando.
— Ei, você. Tava dormindo?
Sério mesmo, Alice? Jura? Esfreguei os olhos.
— Não, não — respondi, rabugento. Pior do que me acordar de manhã? Me acordar de madrugada. Mas, pela Alice, fiz um esforço. — Tava deitado na cama, pensando na vida, conversando com as corujas. Afinal, quem é que dorme às quatro da manhã de um domingo, né? Eu, com certeza, não…
— Tive um pesadelo — ela interrompeu, totalmente inconsciente do meu humor. — Desculpa por te acordar. Sei que teu toque do celular é alto e quase te mata de susto, mas…
Sentei na cama e cocei a cabeça, tentando pensar em algo coerente.
— Conta.
Ouvi a respiração dela pesando e ela se virando na cama.
— Só… Me distrai.
Fiz um som de reprovação.
— Depois. Antes me conta. Tu me acordou. Isso me dá direitos.
— Eu… Só… Tive esse sonho. Sonho ruim — não achei que ela tivesse noção disso, mas ela soava como uma criança de cinco anos, assustada, que se perdeu da mãe no shopping.
Ouvi-la falando desse jeito me fez sorrir. Não era muito comum essa “fragilidade” da parte dela. Na real, ela riria da minha cara se eu ligasse pra ela por esse mesmo motivo.
— E o sonho ruim era sobre?
— Não sei explicar muito bem. Era todo mundo que eu conheço se ajeitando na vida, se encaixando em algum lugar e eu… Sozinha. Completamente sozinha. Me, myself and I.
Revirei os olhos.
— Você…
— Sabe o que é mais triste ainda? — ela não me deixou falar. — Nem posso passar o resto da vida sozinha e amarga com 57 gatos porque eu tenho alergia a gatos. E eu não gosto de cachorros. Sabe, um cachorro grandão me mordeu quando eu tinha dez anos. Era gigante. Tinha um focinho comprido. Tem algo muito errado comigo, juro…
Quando o tom de voz dela começou a beirar o desespero, achei que era melhor interromper.
— Ei, ei, ei, coração, me escuta. Você não vai passar o resto da tua vida completamente sozinha e amarga, ok? Nem com vários animais.
— Não vou? — ela murmurou, com a voz extremamente dengosa.
— Não — respondi. — Ainda tem a sua mãe. Ela, tipo, pariu você. Você saiu de dentro da… De dentro dela. Isso é algo que marca. Laços maternos são fortes. Ela não vai te deixar. E, claro, você sempre tem o disk-sexo…
Ela soltou uma risada rouca. Era isso que eu queria.
— Cuzão.
— Olha só… Voltou a me xingar — sorri. — E sei que se eu estivesse aí levaria um tapa. O que significa que você tá no seu estado normal. Vai sobreviver. Foi só um pesadelo.
— É… Deve ser.
— Sabe — comentei —, nunca achei que você fosse assim.
— Defina “assim”.
— Sei lá. Não achei que no fundo você morresse de medo de ficar sozinha… Esse tipo não combina muito contigo.
— Não morro de medo de ficar sozinha, nem no fundo e nem no raso — resmungou.
— Claro que morre. Esse teu pesadelo foi só o modo que o seu subconsciente achou de expressar esse seu medo, já que falar sobre o problema não é o seu forte.
— Ah, valeu. Tô te pagando quanto mesmo pra ser a porra do meu psicólogo?
— Uhhhh… Toquei no ponto fraco.
Ela respirou fundo e devia estar contando até 10, sinal de que eu consegui a deixar irritada. Dei uma risadinha.
— Desculpa, amor… Desculpa — mordi o lábio.
Deitei de lado na cama e reparei que perdi o sono.
— Cê tá bem? — perguntei, porque ela ficou calada.
— Sei lá.
— “Sei lá” é o pior estado pra se estar. Estando bem, você sabe… Você tá bem, pronto, acabou. Estando mal, você tem que tentar melhorar. Mas estar “sei lá” não é legal. Então não diz pra mim que cê tá “sei lá”. Porque vou ter que tomar medidas sobre…
Ouvi o sorriso dela do outro lado.
— Sabia que você faz um barulhinho quando sorri? Dá pra notar — comentei.
— Faço?
— Faz. Tipo um “tic”.
— Cara.
— Que é?
— Isso é muito doente.
— O quê?
— Reparar no barulho que o sorriso da pessoa faz.
— Ah, cara… Me deixa — resmunguei.
Ela começou a rir do meu tom de voz, mas parou do nada.
— Tô com frio — ela disse.
— Vem pra cá — sugeri. — Deixo a janela destrancada e você entra. Minha cama tá quente. E eu também.
— Tentador. Mas não seria você que devia fazer isso?
— Você é o homem da relação — respondi.
O que eu disse?
— Tem cobertor ai?
— Tem eu.
— Como você vai me esquentar?
— Deitando por cima de você.
— Eu disse esquentar, não esmagar.
— Morra congelada. Fique com hipotermia.
— Uhhhh… Toquei no ponto fraco.
— Estúpida.
Ela riu da minha cara por uns cinco minutos.
— Parou? Acabou a graça? Tá satisfeita?
— Não, mas vou parar de rir em respeito a você.
Não respondi.
— Ei. Pietro.
Continuei sem responder.
— Pietro… Vai. Fala comigo. Tô te ouvindo respirar. Faz um barulhão. Parece um aspirador. É que seu nariz é grande. Quase
Eu ri baixo.
— Olha aí. Tá até rindo. Fala comigo.
Não respondi.
— Tá. Eu vou desligar, então. Um… Dois… Dois e meio…
— Oi.
— Parou o drama?
— Vai dormir.
— Olha que eu vou mesmo. Já são cinco da manhã — ela bocejou.
— Dorme, então.
— Tá bom.
— Vai mesmo?
— Você tá praticamente me expulsando.
— Do que? Telefone?
— Boa noite, Pietro.
— Boa noite, Alice.
Mas nenhum de nós desligou o telefone. Fiquei a ouvindo respirar e se mexer na cama.
— Não vai desligar? — perguntei;
— Não.
— Por que não?
— Porque quando sou eu quem desliga eu sinto que tô te rejeitando.
— A coisa que você mais ama no mundo é me rejeitar.
— Verdade. Mas só quando é de propósito e de um jeito bem cruel.
Eu ri.
— Quer que eu desligue? — perguntei.

— Não…
— Por que não?
— Porque quando você desliga eu me sinto rejeitada.
Sorri.
— Eu não te rejeitaria. O que você quer?
— Não sei — ela respondeu, toda sonolenta.
— Quer que eu deixe o telefone ligado, então?
— Vai me ouvir dormir? — ela me zoou.
— Não sei… Vou?
— Isso é bem gay, até pra você, só pra tu saber…
— Tudo é bem gay pra você, Alice.
— É. Boa noite.
— Dorme bem — eu disse.
— Dorme bem você também.
— E sonha comigo.
— Escolhe só uma das duas coisas.
Eu sorri.
— Beijo na boca.
— Chupão no pescoço.
— Apertão na coxa.
— Hm…
Ouvi ela revirar na cama, se mexer, tossir, suspirar, fazer barulhos com a boca e depois de um tempo, só sobrou a respiração lenta.
— Alice — eu falei depois de uns 15 minutos de respiração, mas só porque tive a certeza que ela já tinha dormido. — Sabe, eu conclui que, depois de pensar e analisar os fatos… Rever a situação… Que, talvez, quem sabe, sei lá… Eu possa estar… Remotamente me apaixonando por você. Não apaixonado. Em processo de apaixonar. Mas não é certeza. Só tenho essa sensação às vezes. Talvez passe amanhã, mas acho que não.
“Tic”.

Alietro. 27-06. Vinícius Kretek

Diet: day one

Stamani 58.5 dopo l'abbuffata di ieri.
Venti minuti fa 57.8💪🏻
Sarebbe un kg e cinquecento grammi💪🏻💪🏻
Ma avevo bevuto un sacco, quindi in realtà domani potrei essere 57 e qualcosa o addirittura 56 e qualcosa😍😍😍😍

57

Come e respira.
Meio louca e sorridente.
Como o azul claro de uma noite de inverno.
Ela é doce como o sal do mar.
Mais calma que tempestade.
Ela é moça feito outras
Sonha e realiza.
O mundo a ajuda.
Dizem que pessoas boas atraem pessoas boas.
Ela é a complexa conta de matemática que ele nunca resolveu.
É o único calor humano que ele sente falta nesta vida.
É a voz rouca que o acorda na madrugada gemendo o nome dele.
Ele nunca reclama de despertar com a boca dela ao redor do corpo dele.
Ela é a única loucura que ele aceita em sua vida. A única linha fora do lugar que seu TOC pode suportar.
É a única moça que ganhou seu coração, e para isso, só precisou sorrir.

Paper Blue

4 ore e 57 minuti fa è iniziato un nuovo giorno, sono sveglia. vorrei non sentire il bisogno di dormire.vorrei non sentire il bisogno di cercare.