duas-colunas

live preview | code

  • 5 colunas | 5 Columns.
  • Rolagem infinita | Infinite scroll.
  • 5 links.
  • Links hover.
  • Appearance.

LIKE OR REBLOG THIS POST IF USING, please!
Dê like ou reblogue o post se usar, por favor.
Veja mais aqui | See more here

theme 175 ♡ 

live preview / code here

  • duas colunas
  • quotes 
  • appearence

se pegar avise por favor :D

                                         #

175 theme ♡ 

live preview / code here

  • two columns 
  • quotes 
  • appearence 

Please advise if you take: D

Theme #25 by Anyh S.

Dê like neste post se for usar o theme, não avise que pegou.
Clique aqui para visualizá-lo.

Keep reading

live preview code

  • 2 colunas | 2 Columns.
  • Rolagem infinita | Infinite scroll.
  • Até 4 links, palavras pequenas.
  • Back to top.
  • Appearance.

LIKE OR REBLOG THIS POST IF USING, please!
Dê like ou reblogue o post se usar, por favor.
Avise na ask se usar.

live preview | code.

  • 2 colunas | 2 Columns.
  • Rolagem infinita | Infinite scroll.
  • 3 links.

LIKE OR REBLOG THIS POST IF USING, please!
Dê like ou reblogue o post se usar, por favor.
Avise na ask se usar.

Eu, que me chamo poesia, ando dando voltas na mesa de compor do poeta. Ele não me percebe, o que não é ruim, pois os que me perceberam ou enlouqueceram ou se tornaram orgulhosos insuportáveis. Por isso me esgueiro e me escondo atrás do porta canetas. Às vezes, quando saio, vejo suas mãos cheias de tinta trabalharem habilmente em um desespero que só a composição é capaz de causar. Como um viciado em cafeína, ele prescreve medicamentos para matar as enfermidades de seus efusivos leitores, que rogam a ele, através de cartas em verso, pedindo cura para suas dores ou acalento para suas moléstias espirituais. Como não bastasse a demanda, ele ainda tem de escrever duas colunas diárias para o jornal local. Assim ganha a vida, de crônica em crônica, contando seus causos para meia dúzia de pessoas lerem e não entenderem mais do que devem. Eu? Eu, que me chamo poesia? O que faço? Nada, porquanto. Nada além de cochichar ao pé de seu ouvido que palavra casa melhor com o que ele quer dizer. Me escondo dentro do café, atrás da xícara, no nó da gravata, na tampa da caneta, dentro da meia, por trás do sapato, na sola, no laço. Estou lá e, enquanto ele não me descobrir, estarei. Eu, que me chamo poesia, não procuro outra coisa, mas um poeta que possa chamar de meu.
—  Theu Souza