duas-colunas

anonymous asked:

quando vai ter mais themes novos?

Olá, acabei de postar meu último theme, que você pode ver AQUI.

Fiz também, um com mais colunas, como me pediram, pra poder usar em tumblr de fotos, mas podendo ser de uma ou duas colunas também, você pode ver AQUI, AQUI, AQUI e AQUI.

Por último, mas não menos importante, fiz um theme absolutamente lindo que eu to in love com ele <3 você pode ver ele AQUI. Caso se interesse por algum, pode usar a vontade.

O feedback de vocês é bem importante pra saber se estão gostando ou não dos themes. Desculpa a demora.

importa não deixar cair
a antiguidade

as flores

as colunas que seguram o rio

importa não morrer adormecido
porque mais pesa a noite sobre as cabeças derrotadas

importar alinhar a vista com a distância de barcos desancorados
com a silhueta de uma cidade branca

a árvore que não se esconde não cai
o poema que levita é poesia

o meu coração está tão perto do chão como de ti
mas importa não cair

sejamos a antiguidade de duas gregas colunas

se cairmos
cairemos já velhos

COMO FAZER PICSPAM por ~looksgreat

Aqui no Looksgreat já temos cinco tutoriais de como fazer picspam focando principalmente em efeitos diferentes e não em como de fato criar um porque isso é a parte mais fácil de fazer nesse tipo de edição. Se você quiser dar uma olhada neles aqui vai a listinha:

  1. picspam com efeito glow
  2. picspam com texturas
  3. picspam light/dark effect
  4. picspam com efeitos simples
  5. picspam rainbow

Bom, mesmo que eu já tenha explicado nesses tutoriais acima o básico de como criar um picspam, irei fazer esse como se não tivessem explicado anteriormente. E o foco desse tutorial é nos picspam visuais, feitos como edição e não apenas demonstração de coloring; colocando em passos o que você irá aprender aqui:

  1. Como criar - parte I
  2. Escolhendo screencaps
  3. Editando
  4. Como criar - parte II
  5. Organizando as peças

Esse tutorial tem muito texto e muita imagem de exemplo, espero que gostem e que ajude  ♡

Vamos lá!

Keep reading

Eu, que me chamo poesia, ando dando voltas na mesa de compor do poeta. Ele não me percebe, o que não é ruim, pois os que me perceberam ou enlouqueceram ou se tornaram orgulhosos insuportáveis. Por isso me esgueiro e me escondo atrás do porta canetas. Às vezes, quando saio, vejo suas mãos cheias de tinta trabalharem habilmente em um desespero que só a composição é capaz de causar. Como um viciado em cafeína, ele prescreve medicamentos para matar as enfermidades de seus efusivos leitores, que rogam a ele, através de cartas em verso, pedindo cura para suas dores ou acalento para suas moléstias espirituais. Como não bastasse a demanda, ele ainda tem de escrever duas colunas diárias para o jornal local. Assim ganha a vida, de crônica em crônica, contando seus causos para meia dúzia de pessoas lerem e não entenderem mais do que devem. Eu? Eu, que me chamo poesia? O que faço? Nada, porquanto. Nada além de cochichar ao pé de seu ouvido que palavra casa melhor com o que ele quer dizer. Me escondo dentro do café, atrás da xícara, no nó da gravata, na tampa da caneta, dentro da meia, por trás do sapato, na sola, no laço. Estou lá e, enquanto ele não me descobrir, estarei. Eu, que me chamo poesia, não procuro outra coisa, mas um poeta que possa chamar de meu.
—  Theu Souza