docward

Take a drink, I'll take you home // @Strard

         Quando o plantão de Howard acabou, era oficial, ele precisava de uma bebida. Porém, o Joe’s continuava com os danos desde o acidente, então, ele precisava encontrar um novo lugar que fosse tão bem frequentado quanto aquele. 

           Depois de sair do hospital, Howard passou em seu apartamento e tomou um banho rápido e se trocou, colocando uma camisa de botões cinza e uma calça jeans qualquer, calçou os sapatos e foi para seu carro, um Camaro preto que ele tinha comprado há não muito tempo. Queria ligar para Oliver ou para Thomas, mas, o celular dos dois estava dando ocupados “Filhos da puta, devem estar mofando em casa assistindo Star Wars”. Pensou em chamar Emily, Abby ou alguma das garotas do hospital para ir com ele, mas, naquela noite How queria sair para a noite com um parceiro, então nenhuma das damas seriam uma boa companhia, porque afinal, ele queria jogar conversa fora, ficar muito bêbado, falar de futebol, de mulheres e de como a última cirurgia que fizera foi incrivel. 

               Porém, no fim das contas, Howard acabou sem companhia nenhuma. Acabou também em um bar onde ele costumava ir na sua época de interno, antes de virar adepto do Joe’s, o lugar se chamava Circus, O lugar estava diferente desde a última vez que Howard estivera lá, parecia um pouco mais aconchegante, a entrada era como um verdadeiro picadeiro de circo, porém, internamente o espetaculo era ainda maior. Haviam algumas bailarinas fazendo uma dança em tecidos, voando pelo ar, uma banda grunge que Howard nunca tinha ouvido tocava em um pequeno palco, as mesas eram de madeira clara e o balcão do garçom era um pouco mais escuros. Os barman faziam malabares com as bebidas no ar, certamente o lugar tinha ficado bem mais requintado do que costumava ser, parecia um bom lugar para ele trazer uma garota, quando chamasse uma para sair. 

              O Strucker caminhou até o bar, sentando-se em um lugar qualquer, olhou para a bargirl ruiva que trabalhava com prontidão e abriu um sorriso de canto, aquele velho sorriso de quem quer algo mas, não entrega o jogo de cara, e então pediu um whisky. O clássico, o básico e o velho whisky. A garota retribuiu o sorriso de Howard e não demorou a trazer sua bebida. O homem pegou o corpo e se apoiou no balcão, virando-se para observar o movimento no bar, que diga-se de passagem, era muito bem frequentado. Fora ao se virar que ele avistou uma figura conhecida entrando no local, abriu um novo sorriso de canto e acenou sutilmente com uma das mãos.