do nascimento

4

Happy 24th birthday Rafael “Rafinha”Alcântara do Nascimento [12/02/1993]

“I always imagined myself as a goalkeeper. But for my height it was impossible ! Even though I’m almost two meters tall, eh!? No, I’m joking, but I would love to be! I’d love to be! If I was that tall I would like to be a goalkeeper. In fact, last year after training I stayed behind a bit and people shot at me. I remember the goalkeeper’s kits from when I was younger. The goalkeeping kits, damn! Those colours, the gloves… Everything seemed incredible.”

2

Happy birthday Rafael “Rafinha” Alcântara do Nascimento ! [12.02.1993]

“ I’m feeling confident – I’m in one of the biggest teams in the world and the most important thing is that I am learning from my teammates and continuing to grow. I’ve always been a midfielder, but I’ve even ended up playing at left back at Barça – the most important thing is to be playing, it doesn’t matter what position”. 

Uma fração de segundo e você perde seu mundo. Você se perde, perde a cabeça e perde a sua vida. A gente nunca pensa em como vamos acabar, qual será o ponto alto da vida ou qual será o fundo do poço. Na escola aprendemos que temos que ser positivos sobre tudo, mesmo sabendo que às vezes, positividade não é tudo. Eu concordo, nós comandamos nosso mundo. Nós o fazemos. É muito difícil ser adulto, temos que sonhar alto, mas temos que sonhar com consciência. Sabe quão difícil é ser consciente sobre o que você quer? Acreditamos numa força maior, seja em Deus ou em um próximo Big Bang, mas temos que saber que somente essa força maior não realizará nossos sonhos. Temos que crescer e nos tornamos adultos. Mas quem disse isso?! Ser adulto é uma droga, nossos pais sempre dizem que quando crescermos voltaremos a querer ser crianças e é verdade… Mas, crescer é tão bom. Se apaixonar, sair para uma balada e não se lembrar de nada no dia seguinte, errar e errar novamente, finalmente acertar e se sentir aliviado, escolher o que “queremos ser quando crescermos” e mudar a vida de alguém com isso ou mudar várias vidas. Você decide seu futuro, você cresce dia pós dia, é incrível ver com seus próprios olhos uma nova vida crescendo do momento do seu nascimento até os seus primeiros passos. Aí eu penso, ele ainda vai sofrer muito, mas a vida é como dar os primeiros passos não é mesmo? A gente vai cair várias vezes, mas uma hora vamos conseguir. Com a positividade que desde pequenos adquirimos e sequer percebemos. Conheço pessoas que são tão negativas que ficar perto é exaustivo, seu corpo se cansa só dessa proximidade, mas todos precisamos de ajuda, mas sinceramente, não podemos ajudar quem realmente não quer ser ajudado. Nas classes, aprendemos que 1°: Devemos manter o foco sobre nossos sonhos. 2°: Temos que ser positivos. E 3°: Ser conscientes se realmente vamos realizar esse sonho. Eu posso sonhar com o clichê de concursos americanos, a paz mundial. Mas eu, somente eu, irei realizar isso? Não. Mas ainda posso sonhar. A vida é uma constante bola de neve, pensar sobre o que fazemos e deixamos de fazer. Apenas uma decisão pode mudar nossa vida inteira e também pode nos levar a loucura. Por isso, nosso inconsciente trabalha por nós, às vezes, sonhar pode ser doloroso, mas quando você consegue o que tanto sonhou é como caminhar sob as nuvens, leve e macio.
—  Anna Paula Varella.
A gente fica esperando que a alegria haverá de chegar depois da formatura, do casamento, do nascimento, da viagem, da promoção, da loteria, da eleição, da casa nova, da separação, da morte do marido, da morte da mulher, da aposentadoria. E ela não chega porque a alegria não mora no futuro, mas só no agora.
—  Rubem Alves.
✿ Bios para Instagram ✿

Se tudo que é demais transborda. Então ame demais e transborde amor. 💙💭🙊

Inveja é doença, eu te desejo melhoras. 😉👌💊

Aqui é 8 ou 80, ou você aguenta ou nem tenta. 😉👌

O que for pra ser, será. 🌹🍃

Desapega que a vida leva. 👅

Sem neurose. 💥💫

Aceite-se. 🌸

Sendo feliz! 💢

Sem amor. Sem ilusões. ❌

Agradecer mais, pedir menos. 🌸

Que o vento leve, que a chuva lave, que a alma brilhe, que o coração acalme. 💙

Since (seu ano do seu nascimento). 🌻

Por um amor leve, que me leve. ☀

Valorizando a vida. 🔝😍

Caos em pessoa. 💛🔮

Escolhas conduzem a vida. 🌻

A felicidade me guia. 🌈💛

Por onde flor, floresça. 🌸

Sem limites pra viver. 🚫✔

Traficando amor. 🍁❤

Deixe ir. 🌺🍃

Ela é doce, sal, bala. 🔯🍬

One Shot Harry Styles

  • Pedido - Oii vc poderia fazer um com o Harry que eles são casados e ele é um empresário muitoo rico, so que ela não é feliz no casamento pq ele a trata com frieza e como esposa troféu e dai ela pede um filho pra ele e ele nega, so que acaba que ela engravida ( de um menino) e quando o bebe nasce ele percebe tudo que ele fazia com ela e se torna um ótimo marido, desde de ja obrigada, amo seu tumblr ❤❤


Os dias de (seu nome) se resumiam em ficar em casa lendo algumas revistas e raras vezes ela saia para comprar alguma coisa, não gostava de gastar um dinheiro que ela não ajudava a ganhar para que isso não fosse passado em sua cara sempre que o marido tivesse a oportunidade.

A casa que mora com o marido é bem grande, mas para ocupar seu tempo ela o pediu para dispensar os empregados e deixar que ela faça todas as tarefas domésticas. A princípio foi negado, mas depois o homem deixou contanto que ninguém mais soubesse sobre isso, ele não queria que as pessoas pensassem que ele não pode pagar empregados e que sua mulher serve de uma.

Sentada no sofá com uma revista de moda sobre o colo, (seu nome) assistiu Harry, seu marido, entrar em casa e caminhar até o sofá deixando o paletó de lado antes de se jogar com a cabeça apoiada no encosto do sofá.

— Temos um jantar beneficente hoje, eu ainda não sei explicar porque marcam essas merdas no meio da semana. — (seu nome) nada disse sobre o assunto. Ela achava uma causa nobre, mas não sabia se o marido fazia por gosto ou obrigação — Se arrume da melhor maneira que puder, terá pessoas importantes nesse jantar e eu quero você bem apresentável ao meu lado.

— Darei o meu melhor. — (seu nome) disse baixo sentindo-se como um produto ou troféu que Harry faz questão de exibir em festas e jantares. É sempre assim.

— Ótimo! — Harry se livrou da gravata e abriu os botões da camisa social.

Encarando a revista (seu nome) tentava se decidir se fala ou não para o marido o que tanto pensou durante a semana, sua mente trabalhou em diversas formas de abordar o assunto, mas nenhuma delas parecia boa o suficiente para ser apresentada ao Styles. Ele não era muito família e (seu nome) sabe muito bem disso ao ver como é tratada.

— Você pode conversar agora? Eu realmente gostaria de falar sobre um assunto com você. — decidida a falar, ela fechou a revista colocando sobre a mesinha.

— Se não for ocupar muito do meu tempo, pode dizer. — (seu nome) mordeu o lábio por alguns segundos antes de começar.

— Eu estava pensando… Essa casa é bem grande só para nós dois e eu passo os dias sozinha e fica ainda maior só comigo aqui dentro e-

— Sem rodeios, direto ao assunto. — Harry finalmente olhou a mulher.

— Eu queria saber se podemos tentar ter um bebê, seria ótimo ter companhia. — (seu nome) sorriu.

— Primeiro, você pediu para dispensar os empregados, então se está sozinha a culpa não é minha. — o sorriso da mulher murchou — Segundo, eu não quero ter um filho agora. A casa está ótima assim, não preciso de gritos em minha cabeça quando eu estiver tentando dormir.

— Mas Harry, eu não posso esperar para sempre… Mulheres não são férteis a vida inteira. — (seu nome) tentou argumentar.

— Mas homens são e eu não quero ter filhos agora. Assunto encerrado. — Harry se levantou do sofá e sumiu escada a cima deixando (seu nome) na sala perdida em pensamentos.

“Ele disse que vai me deixar? Caso eu não possa mais ter filhos quando ele quiser, ele vai atrás de outra?“

A respiração de (seu nome) estava pesada, falar com Harry sempre a deixava assim por não ter como saber de que jeito ele reagirá e dessa vez foi do pior jeito. (Seu nome) se sentiu ainda mais usada, como se servisse apenas para ser levada de um lado para o outro em festas importantes onde Harry precisa estar bem acompanhado.

[…]

Já haviam se passado dois meses desde o jantar beneficente e (seu nome) não estava se sentindo bem há alguns dias, ela pensou em ir ao médico, mas achou que era apenas um mal estar e por isso desistiu da ideia, bem, pelo menos até o dia quase desmaiou no mercado.

Desviando o caminho depois de sair do mercado, (seu nome) pediu um táxi indo até o hospital para saber o que havia de errado, fez os exames pedidos pelo médico e esperou pelo resultado pacientemente na sala de espera até que seu nome fosse chamado.

— A senhora me disse que é casada, não é?! — o dr. Ackles perguntou enquanto olhava mais uma vez o exame de sangue.

— Eu disse sim…

— Bem, então acho que essa é uma ótima notícia… — ele disse sorrindo e entregou os exames a mulher — A senhora está grávida de dois meses.

Após a notícia, (seu nome) agiu no automático, desde agradecer ao médico quando ele lhe deu os parabéns, até chamar um táxi e voltar para casa. Ela não acreditava que estava grávida, isso aconteceu provavelmente na noite depois do jantar quando ela e Harry fizeram sexo quando estavam de volta em casa, ela sempre se esquecia de tomar o anticoncepcional alguns dias, mas não se preocupava com isso porque Harry sempre usava camisinha. Na última vez ele não usou e com certeza a culparia por ter engravidado.

O melhor a fazer seria adiar a reação de Harry, decidida, (seu nome) esconderia essa gravidez o máximo que pudesse, ela usaria roupas mais folgadas e passaria a deitar na beirada da cama para que Harry não a abraçasse durante a noite.

— Harry… Você pode, por favor, contratar novamente a empregada? Eu não estou conseguindo mais dar conta de tudo. — (seu nome) pediu enquanto estavam cada um sentado em um sofá. Já haviam se passado dois meses desde que (seu nome) recebeu a notícia e estava tendo sucesso em esconder de Harry, ele mal prestava atenção nela mesmo, ele deve achar que ela está acima do peso. Assim ela pensa.

— Por que você mesma não faz isso? Foi você que mandou eu dispensá-la, se sabia que não daria conta do serviço pensasse bem antes de vir ocupar meu tempo com besteiras.

— Tudo bem… Me desculpe. — a voz de (seu nome) quase não saiu enquanto ela se esforçava para manter as lágrimas em seus olhos.

— Eu só quero entender por que caralhos você não quer transar comigo. — Harry estava com seu tom de voz um pouco mais alterado que o normal de frente a mulher sentada na cama de cabeça baixa — Você é a merda da minha mulher e eu estou sem sexo há quase dois meses. Como você quer que eu não traia você quando minha secretária faz de um tudo para que eu foda com ela enquanto você fica aqui dentro dessas roupas horríveis me negando algo que eu preciso?

(Seu nome) estava chorando silenciosamente para não deixar o marido mais irritado, ela não podia mais fazer sexo com ele em seus cinco meses de gravidez porque ele perceberia as mudanças em seu corpo, ela não queria que ele soubesse mesmo ela que esteja ficando sem escapatória.

— Você está ficando com sua secretária? — (seu nome) perguntou com a voz completamente quebrada enquanto levantava seu rosto para encarar o marido sendo embaçado pelas lágrimas em seus olhos.

— Não! Eu ainda não a fodi sobre a minha mesa por mais que eu queira. — Harry disse esbanjando sinceridade — Eu estou casado com você e não vou te trair.

Soluçando de tanto chorar, (seu nome) passou os braços sobre a barriga de forma que abraçasse seu bebê, havia pego essa mania desde que começou a se sentir ainda mais sozinha para se lembrar que seu bebê estava ali com ela sempre. Após a declaração do marido, ela não sabia se ficava alegre ou triste. Alegre por saber que ele não irá traí-la ou triste por ele admitir que deseja foder a secretária sobre a mesa de seu escritório.

— Agora eu que pergunto… Você por um acaso está me traindo? Se você estiver saib-

— Eu estou grávida! — (seu nome) usou toda a força para dizer o mais alto que podia.

— Você está o quê? — Harry perguntou incrédulo.

— Grávida… De cinco meses.

Sem acreditar que foi cego esse tempo todo, Harry se aproxima da mulher tirando os braços dela que estão em volta da barriga e levanta a blusa folgada que ela passou a usar há alguns meses e lá estava a barriga. Ele não podia entender como não notou isso antes, como pode ser tão cego em se deixar enganar por ela.

Sem dizer nada ele saiu do quarto deixando (seu nome) para trás chorando encolhida na cama.

“Por favor, não liga para o meu marido.“

Foi o que (seu nome) falou quando passou pela recepção sendo levada a sala de parto, agora ela já estava com o seu bebê em seus braços em um dos quartos do hospital, sorrindo enquanto admira o quão lindo e delicado é seu pequeno bebê. Nem as batidas na porta foram capazes de tirá-la do seu pequeno mundo, ela só percebeu que havia alguém no quarto ao ouvir a voz da enfermeira.

— Me desculpe, eu tive que comunicar o seu marido.

(Seu nome) virou o rosto para o lado vendo Harry parado na porta atrás da mulher que ainda a olhava e aos poucos o sorriso que estava em seu rosto foi sumindo ao que Harry começou a andar em sua direção. Em um ato instintivo, (seu nome) apertou o filho contra seu corpo - com cuidado para não machucá-lo - como se alguma ameaça estivesse por perto, como se Harry fosse arrancá-lo dela.

— Eu…

Harry começou a falar, mas desistiu sentindo seus olhos se encherem de lágrimas enquanto ele olhava nos olhos assustados da esposa, ela estava claramente com medo do que ele faria ou de como agiria e ele sabia disso. Ele sabia que ele era o único culpado, ela nem ao menos queria que ele fosse avisado sobre o nascimento do filho e não a culpa por isso, ele não foi capaz de dar o apoio necessário durante a gravidez dela, ele nem ao menos a deu segurança para contar seu estado antes dos cinco meses de gestação.

— Eu não vou fazer nada contra vocês… Não vou dizer nada que a machuque também… — ele disse enquanto sentia as lágrimas deixarem seus olhos e rolarem pelo seu rosto — Me desculpe por tudo… Por favor, me desculpe por não ser um bom marido. — ele ainda continuou a manter distância.

(Seu nome) não disse nada, ela ainda estava com medo de tudo voltar a ser o que era antes, medo de que esse pedido de desculpas fosse a esperança de hoje e a frustração de amanhã. Ela não queria acreditar que seriam uma família para que com o passar do tempo volte a ser somente ela e seu filho novamente. Deixando todo o medo e receio de lado, ela folgou o aperto do filho para que Harry pudesse vê-lo, mesmo depois de tudo ele ainda era o pai. Levantando a mão no ar, ela fez o sinal para que ele se aproximasse.

— Ele tem a sua boca… — ela comentou baixinho enquanto Harry se colocava de pé ao lado da cama olhando o bebê com sorriso no rosto coberto por lágrimas.

— Ele é tão lindo… Tão pequeno também. — Harry passou o polegar sobre a mãozinha minúscula comparada a sua — Eu estou tão feliz em tê-lo, agora eu posso sentir o quão bom é ter um filho… O sentimento é tão bom.

(Seu nome) se sentia da mesma forma, desde quando soube que o esperava, desde o primeiro chute, o primeiro movimento. Ela esteve experimentando esse sentimento há meses.

— Eu serei um marido melhor e um pai melhor, eu prometo. Só me dê a chance… Você ainda vai ficar? — Harry olhou nos olhos da mulher mostrando toda a sinceridade em seus olhos e palavras.

— Eu ainda estou aqui, não estou?! Eu teria ido embora antes de não fosse te dar outra chance.

(Seu nome) sorriu fraco, ela ainda estava cansada do parto que teve, mas ela estava aliviada como se uma carga muito pesada tivesse sido retirada de suas costas. Ela só espera que essa carga não volte com o tempo, mesmo que Harry esteja com os lábios dele sobre os dela nesse momento, ela não pode deixar de desejar que tudo tenha se acertado para sempre.



Espero que tenham gostado… ❤

- Tay

Tenho muito para te falar antes do raiar sol, mas sei que as trevas noturnas recuarão à primeira eloquência e não me deixarão dizer-te o que há muito resguardo nas profundezas lúgubres de meu peito. Agora, sob a luz tímida de uma simples vela, escrevo delírios ininteligíveis ao restante do mundo, pois cada palavra, cada verso, cada linha deste amor latente, só é compreensível aos olhos quase fechados de nosso romance. Sinto imensa vontade de vê-la atravessar a porta que mantenho entreaberta e colocar cada coisa em seu devido lugar. Arrumar a bagunça, tirar a poeira das doces lembranças, acender as luzes de nossas carícias e colorir com teu sorriso as paredes pálidas de minha alma. Mas bem sei que estou envolto em quimeras… Tenho consciência de meu ar patético… Afinal, como posso ter fôlego para sonhar dentro do abismo? Se ao menos eu pudesse te ver agora… Eu seria mais que feliz. Seria intensamente feliz. Profundissimamente feliz! Porém, eu não te vejo além dos retratos corroídos pelas traças que me acompanham muito antes do nascimento de meus cabelos brancos. Eu não te tenho além de me minhas memórias, e se ainda te beijo com volúpia, é por não ter deixado que a vida corroesse o instante em que tua mão tocou a minha pela primeira vez. Lavínia… Chilenita… Remédios… Emma… Elisabeth… Não importa que personagem eu te atribua, eu sei que te amarei quando o primeiro raio de sol me atingir a face e eu sentir com os olhos ainda lassos que teu corpo não aquece mais o meu. Os cadernos já cansaram de minhas lamúrias, meus amigos já não dispõem seus tímpanos às minhas queixas… À tua partida, só me restaram saudade e dor e ainda que eu as deteste profundamente, sem nenhum impedimento as ofereço morada todas as vezes que releio os poemas que dediquei ao nosso amor. Oh, como eu daria tudo que tenho agora para encostar minha mão trêmula em tua face e mais uma vez te entregar todo o amor que resguardo em meu peito com apenas um olhar. Meu amor, volta. Pelo menos por um instante, divide a mesa comigo e me dá o prazer de tua delicadeza. E ainda que me doa… Ainda que meu coração se parta ao meio… Diz qual estação roubou teu sereno canto de mim.
—  Ítalo Jardim

One Shot Louis Tomlinson

  • Pedido -  Faz um do Louis que eles são casados mas ela n pode ter filhos, e ele traí ela e a menina acaba engravidando e eles se separam, e no dia do nascimento só tem a sn no hospital e ela acaba fazendo o parto! Se puder final feliz

(Parte I)


(Seu nome) não podia acreditar no que a mulher sentada à sua frente dizia, era como se ela estivesse em um programa de televisão especialista em pregar peças nas pessoas, ela se perguntava se Louis estaria filmando e se ele a qualquer momento sairia de algum lugar zoando a cara que ela fez ao ouvir as palavras que a fez estremecer. A mulher parecia séria demais para ser somente uma brincadeira, ela era uma ótima atriz se realmente estivesse atuando.

— Você pode repetir, por favor? — (seu nome) pediu apertando seus dedos em seu joelho completamente nervosa.

— Eu não quero acabar com o casamento de ninguém, eu não viria aqui se tivesse escolha… — a mulher - que mais parecia uma garota - olhou para seus pés sem jeito de ter que repetir o que já tinha dito — Foi só uma vez, mas eu fiquei grávida, eu não tenho condições para criar uma criança. — o choro era evidente na voz da mulher — Talvez eu pudesse dá-lo para vocês, eu não vejo problema em fazer isso.

(Seu nome) não criaria o fruto de uma traição para a mulher que o gerou ficasse livre para destruir outros casamentos. Tudo bem que a culpa maior foi de Louis, mas era humilhação demais, era muito para ela conseguisse aguentar quando ela sabia que nunca saberia a sensação que é ter uma vida dentro de você com um coraçãozinho e te fazendo ter desejos malucos.

Com o passar dos segundos o seu mundo foi se ruindo aos poucos, ela sabia que Louis não brincaria com aquele assunto, ele sabe mais que ninguém o quanto ela queria gerar um filho dele, o quanto ela sempre foi louca para ter um bebê dentro dela e o quanto ela sofreu sabendo que nunca geraria um por ser estéril. Se alguém fizesse essa brincadeira com ela, seria para destruí-la.

— Você… Você o conhece de onde mesmo? — (seu nome) perguntou depois de engolir o bolo que se formou em sua garganta com o passar dos minutos em silêncio.

— Nos conhecemos em um bar, creio que ele nem saiba meu nome… — a garota ainda olhava para baixo.

— Vocês não usaram camisinha ou ela estourou? — estava doendo, mas ela precisava saber de algumas coisas.

— Eu acho que não usamos, estávamos um pouco alterados para lembrar de usar.

— Você está com quantos meses de gestação?

— Um e meio…

— Meu Deus! — (seu nome) sussurrou.

(Seu nome) só havia reparado agora que foi idiota de não ter percebido que algo estava errado. Há um tempo Louis vinha sendo meloso demais, ele fazia o café da manhã, deixava flores pela casa, pedia comida nas noite que ela não tinha plantão, ele preparava a banheira para ela relaxar quando chegava após horas no hospital. Ele antes dessa época não fazia tudo isso, uma vez ou outra, mas não sempre. Claro que o remorso estava o consumindo, claro que ele estava com medo que ela soubesse, mas seus esforços de tentar tapar o sol com a peneira deu completamente errado porque agora tem uma mulher grávida sentada no sofá da sala deles.

Cortando a linha de pensamento de (seu nome), a porta principal abriu e só poderia ser Louis, outra pessoa não entraria na casa sem tocar a campainha. Nenhuma das mulheres olhou em direção a porta, o clima entre elas estava pesado demais, seria estranho se não fosse.

— Cheguei amor! Temos visita? —  Louis disse animadamente e entrou deixando seu tênis perto da porta para caminhar apenas de meia até as mulheres — Oi, amor! — ele se curvou para deixar um selinho nos lábios da esposa, mas ela virou o rosto. Louis imaginou que seria por conta da visita — Prazer sou Louis Tomlinson, o marido da (seu nome). — ele sorriu achando que era uma das amigas da esposa e quase engasgou ao ver a mulher levantar o rosto.

— Eu sei quem você é, eu me lembro. — a mulher sussurrou e Louis paralisou.

— O que está fazendo aqui? — ele perguntou exasperado depois de alguns segundos processando a presença daquela mulher.

— Por que a mulher que te deu o que você tanto queria não pode entrar nessa casa? — (seu nome) olhou para Louis o deixando confuso com suas palavras.

— Amor, eu posso explicar, me escuta e não escuta essa mulher, ela quer nos separar. — Louis ajoelhou na frente de sua esposa para ficar cara a cara com ela e foi empurrado para que mantivesse a distância.

— Você teve um mês e meio para fazer isso, sua chance acabou quando essa garota entrou pela porta. — era evidente que a mulher, ou garota, era mais nova.

— Eu não queria te perder, amor, foi um erro, um erro que nunca se vai se repetir. — os olhos azuis já brilhavam pelas lágrimas.

— Não vai mesmo porque você já me perdeu…

— Não… — Louis sussurrou com lágrimas banhando seu rosto.

— A data bate com a nossa briga, a que você jogou na minha cara que eu não podia te dar um filho e que nem queria adotar porque era orgulhosa demais para criar o filho dos outros… — (seu nome) começou, sua voz sempre calma — Você não entendeu que eu apenas não estava preparada, ainda doía em mim não poder te dar um filho biológico, eu ainda me sentia uma esposa inútil, uma mulher oca. — lágrimas correram lentamente pelo rosto da mulher — Eu me pergunto se você fez isso de caso pensado, me pergunto se você pensou que já que eu não queria criar o filho de outra pessoa, eu criaria o seu.

— Não foi isso, não foi. — Louis apoiou sua testa nas pernas da mulher, ele estava sentado em sua frente no chão.

— Isso dói, Louis… Você fez eu me sentir humilhada. Enquanto eu chorava por não ter poder realizar o seu sonho de ser pai, você estava com outra mulher fazendo sexo sem camisinha sem se importar se ela tinha ou não uma doença que você poderia me passar durante os longos anos que você pretendia esconder a traição. — (seu nome) passou as mãos sobre o rosto se livrando das lágrimas — O que você tanto queria estragou seus planos de me enganar… Parabéns papai!

(Seu nome) se levantou empurrando Louis para que ela pudesse passar, não ficaria dentro daquela casa quando uma mulher e uma criança precisavam mais de um lar do que ela, até porque o que ela sentia sobre ter um lar e um casamento feliz - mesmo com alguns problemas - não existia mais.

— (Seu nome), por favor… — Louis implorou.

— Eu já tomei a minha decisão. — ela se virou subindo as escadas devagar porque suas pernas ainda tremiam.

— A CULPA É SUA! VOCÊ PODIA TER SUMIDO! ESTÁ FELIZ POR TER ESTRAGADO A MINHA VIDA?

(Seu nome) se virou vendo Louis de pé gritando com a mulher, que agora estava encolhida no canto do sofá, ela desceu os degraus que havia acabado de subir e caminhou apressadamente até o homem o puxando agressivamente pelo braço.

— Não seja um machista idiota se não quer que eu perca o pouco do respeito que restou por você! — (seu nome) falou, agora realmente nervosa, mas não chegou a gritar — A culpa não é dela, ela não me prometeu fidelidade na igreja na frente de um padre, da nossa família e dos nossos amigos. Você me prometeu ser fiel, Louis! Apenas você! Essa garota apenas me disse o que você não teve coragem de dizer, então se quer colocar a culpa em alguém coloque em si mesmo. — (seu nome) suspirou para retomar sua calma — Cuide dessa garota e do seu filho, não há nada que você possa fazer para que o nosso casamento continue, então pelo menos me faça esse favor… Sou eu que estou pedindo para que cuide deles.

[…]



Se essa parte chegar a 30 ❤ eu posto a parte dois ainda hoje.

Eu estou de mal com o Tumblr 😤:/

- Tay

Somos humanos e as vezes os sentimentos faz loucura dentro da gente, como quando nos apaixonamos pela primeira vez, é intenso, e pensamos que é para sempre, e quando descobrimos que não é, a dor é tanta que você pensa que talvez nunca vai passar. Ou quando você perde alguém amado e você pensa que a vida acabou pra você também, ou quando falamos coisas sem pensar e nos arrependemos no minuto seguinte. Somos feitos de loucos sentimentos. E tudo é tão intenso, tenso, quando eles resolvem se mostra, mas não se sinta mal, os loucos, as vezes, são as melhores pessoas do mundo.
—  Beatriz Nascimento
Deus escreveu a sua história. Ele viu o dia do teu nascimento, dos teus primeiros passos, do teu casamento. Deus viu esse teu sofrimento, que parece não ter fim. Ele viu e vê cada lágrima que você tem derramado, mas também viu o dia da tua vitória. O momento em que cada dia triste será lembrado apenas como um capítulo ruim nessa história tão bela que o Senhor escreveu. Não faça desse capítulo o seu fim, deixe que Deus continue escrevendo sua história, o próximo capítulo, eu creio, vai te surpreender.
—  Impercebida
South American Football v Europe the numbers:

We began this blog as a group of Argentineans who wanted to inform non- Argentineans on our league. Football world-wide seems to centered around Europe, but don’t be fooled that has much more to do with money and marketing than quality of football. However, people have the idea that the only large clubs and teams are in Europe. And so we would like to point out the numbers, because in comparison there is nothing that says Europe should be the center of attention anymore than South America. 

In Competitions:

Champions League v Copa Libertadores:

Most won Champions: Real Madrid 10

Most won Copa Libertadores: Independiente 7

Intercontinental Cups: 21-21 (What is now the Club World Cup)

Most Titles: Peñarol (URU), Nacional (URU), Milan (ITA), Real Madrid (ESP), Boca Juniors (ARG)

Most successful clubes in local tournaments:

Paraguay- Olimpia 40

Argentina- River Plate 35

España- Real Madrid 32

Italy- Juventus 31

Chile- Colo colo 30

Germany- Bayern Munich 24

Colombia- Atletico Nacional 15

France- Saint-Étienne 13

England- Manchester United 13

Brasil- Palmeiras 8

Club with the most international trophies (Europe and South America):

España- FC Barcelona: 20  

Argentina- Boca Juniors : 18

Italy- AC Milan: 18

España- Real Madrid: 18

Argentina- Independiente: 17

World League Ranking:

South America has never not had a team in the top ten (Since there has been a ranking 1991-2016)

Best positions: 1998, Brasil 2nd Best League in the World. 2008, Argentina 3rd Best League in the World. 2011, Brasil 3rd Best League in the World. 

Average: Brasil & Argentina in mid table. 

Currently: Argentina 4th, Brasil 6th. 

Players: A very important point, South America has only South American Players for the most part. How about Europe?

Top Ten European Teams: 67 South American players 

Barcelona: 9 South Americans 

Real Madrid: 6 South Americans 

Bayern Munich: 3 South Americans 

Manchester United: 5 South Americans 

Chelsea: 5 South Americans 

Arsenal: 4 South Americans 

Porto: 7 South Americans (Plus 4 Mexicans)

Juventus: 8 South Americans 

Benfica: 13 South Americans 

Atletico de Madrid: 7 South Americans

Top Ten Teams in South America: 0 Europeans

River Plate: 0 Europeans (All South American)

Peñarol: 0 Europeans (All South American)

Boca Juniors: 0 Europeans (All South American)

Emelec: 0 Europeans (All South American)

Barcelona (Ecu): 0 Europeans (All South American)

Indepenidente del Valle: 0 Europeans (All South American)

Nacional: 0 Europeans (All South American)

San Pablo:  0 Europeans (All South American)

Bolivar:  0 Europeans (All South American)

Caracas FC:  0 Europeans (All South American)

The Best Players of All Time can be debated, however there are some that undoubtably are the biggest names in the sports history:

Diego Armando Maradona

Edson Arantes do Nascimento “Pele”

Alfredo Stéfano Di Stéfano

Leonel Andres Messi  

Garrincha, Cafu, Kempes, Enzo Francescoli ect.

What would the sport be like without these players? What would the sport be like without the clubes who form them? Or more importantly what would European clubes be like if they couldn’t import so many players?

Next time you hear, or say yourself, that South American clubes cannot compare to say Barcelona or Real Madrid, remember the numbers. There is more to say about our football, like the unforgettable matches and moments, the incomparable fans and support, and so on but lets just leave it at the tangible and comparable. 

Isabel é descrita por Lucas como uma mulher de integridade e obediência. Sendo filha e esposa de sacerdote, viveu uma vida reta, apesar de sofrer em silêncio por causa de sua impossibilidade de gerar filhos. Então, um milagre aconteceu. Seu marido, Zacarias, que servia no tempo de Jerusalém, foi a primeira pessoa em 400 anos a receber uma palavra vinda diretamente de Deus, registrada nas Escrituras. Enquanto ele queimava o incenso, um anjo lhe apareceu para anunciar que sua esposa, Isabel, teria um filho cujo nome seria João. Isabel foi a primeira a reconhecer Maria de Nazaré, como a mãe do Messias. Quando Maria foi visitar Isabel, que estava no sexto mês de gravidez, João pulou dentro do útero de Isabel ao ouvir a voz de Maria. Isabel compreendeu imediatamente a iminência do nascimento do Messias. Que momento alegre as duas gestantes devem ter desfrutado quando a devota Isabel compartilhou sua hospitalidade e sábio conselho com sua jovem prima! Sua interação com a jovem Maria claramente identifica Isabel como uma grande mentora. Maria partiu em depois de três meses, mas a alegria de Isabel continuou com o nascimento de seu próprio bebê. Não apenas Isabel concebeu miraculosamente estando em idade avançada, mas Deus também, mais uma vez, visitou seu povo a fim de cumprir séculos de expectativa. João Batista tornou-se um poderoso pregador da mensagem de arrependimento e o percursor do Messias. Jesus disse que não havia ninguém maior do que esse filho de Isabel. Isabel poderia ter enfrentado sua velhice com um sentimento de derrota e fé decadente, mas seu espírito vibrante serve para nos lembrar que Deus cuida de cada mulher com profundo amor. Isabel confiou em Deus e Ele a recompensou. Compartilhou liberalmente sua própria vida com Maria e, sem dúvida alguma, ensinou seu filho nos caminhos do Senhor pelo seu exemplo de fé.
—  Isabel: Uma Mentora Espiritual