do mundo

Sabe, eu gosto de coisas incomuns. Chamam-me de antigo ou falam que eu tenho uma alma velha em um corpo jovem. Talvez seja verdade. É que eu gosto de Tom Jobim, Ray Charles e Elis Regina. Leio Lispector, Bukowski. Escrevo umas bobagens por aí e tem gente que gosta. Acabo me afogando no café, e ora ou outra no vinho, escutando um bom e velho Blues. Gosto de amar, e isso, você sabe como ninguém. Meu coração é nobre e estou sempre disposto à ajudar. Sou pensativo e gosto de estar sozinho, como também, clamo por um afago, um carinho. Enquanto a sociedade em que vivemos grita por desapego, eu grito por quem fica, mesmo sabendo que no fim, todos vão embora. Mesmo sabendo que o “ficar” é inquilino que acaba encontrando uma moradia melhor. Eu sou antigo, mas não estou por fora do que acontece no mundo. Eu sei muito bem, não sou cego, infelizmente. É exatamente por isso, que eu prefiro continuar com minha alma “velha”. Por enquanto que o mundo vai se modernizando, e se destruindo; eu vou virando relíquia, rabiscando poesias e acabando-me no café.
—  Kenedy Vinicios.
A vontade de ir embora não existe, a vontade de ficar mais um pouco sempre persistente, a vontade de ficar assistindo filme agarradinho existe e com o frio a vontade ainda mais insiste em assim nos manter, sempre sinto vontade de te ver, dá uma vontade de pertinho de mim sempre te ter, ainda mais porque é tão fácil nos seus braços me perder, dá até mesmo uma vontade absurda de te morder, e o meu objetivo de vida ainda vou alcançar e mancar você, sinto uma vontade imensa de mimar você de nos meus braços te prender, sinto vontade de sempre ter sua companhia na cozinha, porque não é a mesma coisa quando nela invento de cozinhar sozinha.
A vontade de dormir com você insiste e me faz te querer, me faz querer apertar você, me faz de mimos querer te encher, não é nada difícil me desligar do mundo ao ver seu sorriso, é como se de algum jeito eles se tornassem meu abrigo, e sim, é impossível não sorrir ao te ver sorrindo, posso estar num dia daqueles que ainda vejo o meu sorriso inesperado surgindo, porque você, até mesmo sem querer faz com que das coisas ruins eu venha a me esquecer, e o meu riso se torna fácil quando estou a falar com você.
O melhor de mim você foi capaz de ver, assim como me fez perceber, e assim sem querer, descobri mil coisas que me levam a não me esquecer de você.
—  Pamela Lima
– Por que eu?
– Hein? – ela resmunga, meio sonâmbula e debilitada.
– Por que você não ligou para seus pais ou uma amiga?
– Não sei – ela me responde. – Eu te atrapalhei, não é?
– Não! Não, não. Não é isso. Fiz o que fazem os amigos. E, você sabe, eu adoro estar contigo. Em pubs, em parques, em hospitais municipais, tanto faz. É só que…
– Sei lá. Nem pensei direito. Você foi a primeira que me veio à cabeça. Isso é ruim?
—  Gabito Nunes.