deyoung

Mesmo que você pudesse entrar no céu sem possuir santidade, o que haveria de fazer? Que tipo de gozo você sentiria num lugar assim? Com que homem ou mulher santo de Deus você poderia se assentar para ter comunhão? Os prazeres dessas pessoas não seriam os seus prazeres. O caráter delas não seria o seu caráter. O que eles amam você não ama. Se você desgosta de um Deus santo agora, porque você haveria de querer passar a eternidade com ele? Se a adoração não lhe fascina agora, o que lhe faz pensar que lhe fascinará em algum futuro celestial? Se a impiedade é seu deleite aqui na terra, o que lhe agradará no céu, onde tudo é limpo e puro? Você não seria feliz lá se você não é santo aqui. Ou, como disse Spurgeon, “seria mais fácil um peixe viver numa árvore que um ímpio no Paraíso”.
—  Kevin Deyoung
Pecado sexual é terrível porque é um pecado contra seu próprio corpo e pecado contra o corpo de Cristo o qual você é membro. Se você não consegue conceber Jesus com uma prostituta ou curtindo pornografia, ou galinhando, então você não deve se imaginar em circunstâncias assim. Você pertence a Cristo. Mais do que isso, você foi unido com ele. Se o corpo dele é puro, o seu também deveria ser.
—  Kevin Deyoung
Questions for Our Pro-Abortion Friends.

What shall we call the unborn in the womb?

If the entity is a living thing, is it not a life? If your person began as a single cell, how can that fertilized egg be something other than a human being? Isn’t it more accurate to say you were an embryo than that you simply came from one?

So when does a human being have a right to life?

Shall we say size matters? Is the unborn child too small to deserve our protection? Are big people more valuable than little people? Are men more human than woman? Do offensive linemen have more rights than jockeys? Is the life in the womb of no account because you can’t hold him in our arms, or put him in your hands, or only see her on a screen?

Shall we make intellectual development and mental capacity the measure of our worth? Are three year-old children less valuable than thirteen year-olds? Is the unborn child less than fully human because he cannot speak or count or be self-aware? Does the cooing infant in the crib have to smile or shake your hand or recite the alphabet before she deserves another day? If an expression of basic mental acuity is necessary to be a full-fledged member of the human community, what shall we do with the comatose, the very old, or the fifty year-old mom with Alzheimer’s? And what about all of us who sleep?

Shall we deny the unborn child’s right to life because of where he lives? Can environment give us value or take it away? Are we worth less inside than outside? Can we be justly killed when we swim under water? Does where we are determine who we are? Does the eight inch journey down the birth canal make us human? Does this change of scenery turn “it’s” into persons? Is love a condition of location?

Shall we reserve human dignity only for those humans who are not dependent on others? Do we deserve to live only when we can live on our own? Is the four-month old fetus less than human because she needs her mom for life? Is the four-month old infant less than human when she still needs her mom for life? What if you depend on dialysis or insulin or a breathing apparatus? Is value a product of fully-functioning vitality? Is independence a prerequisite for human identity? Are we worth only what we can think, accomplish, and do on our own?

If the unborn life is human life, what can justify snuffing it out? Would it be right to take the life of your child on his first birthday because he came to you through sad and tragic circumstances? Would you push an 18 month old into traffic because she makes our life difficult? Does a three year-old deserve to die because we think we deserve a choice?

What do you deserve now? What are your rights as a human person? Did you have those same rights five years ago? What about before you could drive? Or when you used training wheels? Were you less than fully human when you played in the sandbox? When you wore a bib? When you nursed at your mother’s breast? When your dad cut your cord? When you tumbled in that watery mess and kicked against that funny wall? When your heart pounded on the monitor for the first time? When you grew your first fingernails? When you grew your first cells?

What shall we call the child in the womb? A fetus? A mystery? A mistake? A wedge issue? What if science and Scripture and common sense would have us call it a person? What if the unborn child, the messy infant, the wobbly toddler, the rambunctious teenager, the college freshman, the blushing bride, the first-time mother, the working woman, the proud grammy, and the demented old friend differ not in kind but only in degree? Where in the progression does our humanity begin and end? Where does life become valuable? When are we worth something? When do human rights become our rights? What if Dr. Seuss was right and a person’s a person no matter how small?

Why celebrate the right to kill what you once were? Why deny the rights of the little one who is what you are?

- Kevin DeYoung

Soa bastante espiritual dizer que Deus está interessado em relacionamentos, não em regras. Mas isso não é bíblico. Do início ao fim, a Bíblia está repleta de mandamentos. Eles não visam sufocar o relacionamento com Deus, mas sim protegê-lo, selá-lo e definí-lo. Jamais se esqueça: primeiro Deus livrou os israelitas do Egito, depois lhes deu a lei. O povo de Deus não foi redimido pelo observar da lei, mas foram redimidos para que pudessem observar a lei. “Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardarmos os seus mandamentos” (1 Jo 2.3). Podemos passar o dia falando de nosso amor por Deus, mas se não obedecermos os seus mandamentos somos mentirosos e a verdade não está em nós (v. 4). Se amarmos a Jesus, obedeceremos a sua Palavra (João 14.23). Semelhantemente, se você ama sua esposa, você manterá seu voto de fidelidade a ela enquanto ambos foram vivos. A exigência de fidelidade sexual não perverte o relacionamento matrimonial; antes, o promove e o realça. Da mesma forma, os mandamentos de Deus nos são dados como meios de graça de forma que possamos crescer em piedade de demonstrar amor a ele.
—  Kevin Deyoung
4

16 Wishes [2010]

I didn’t want to be an adult, I wanted to be treated like one.

Plot: A 16 year old girl prepares a list of 16 wishes for 8 years, hoping they will come true on her 16th birthday. A fairy comes to give her 16 candles that make the 16 wishes come true. Her wishes go the wrong way and are permanent when midnight comes. She has one final wish to reverse her previous wishes.

Director: Peter DeLuise

Actors: Debby Ryan (Abby Jensen), Jean-Luc Bilodeau (Jay Kepler), Anna Mae Wills (Celeste)

Writers: Annie DeYoung

Muitos cristãos têm a noção equivocada de que se simplesmente formos cristãos melhores, todos nos aplaudirão. Não percebem que santidade paga um certo pedágio. É claro que podemos nos concentrar nas virtudes que o mundo aprecia. Mas se você levar a sério a verdadeira religião que cuida dos órfãos e promove pureza (Tiago 1.27), você perderá amigos que lutou tanto para conquistar. Tornar-se sacrifício vivo, santo e aceitável a Deus exige que você resista ao mundo que deseja conformá-lo a seu molde (Rm 12.1-2). Guardar-se puro para o casamento, ficar sóbrio numa 6ª feira à noite, abrir mão de uma promoção só para poder continuar frequentando a igreja, recusar-se a dizer palavras parecidas com palavrões, desligar a televisão – esse é o tipo de coisa que o mundo não entende. Não espere que entendam. O mundo não fornece incentivadoras de torcida no caminho da santidade.
—  Trecho retirado do livro “Brecha em nossa Santidade”, de Kevin DeYoung.