devergente

– Você não é muito simpático – digo,
sorrindo.
– Olha quem está falando.
– Ah, posso ser simpática se eu
quiser.
– Hum. – Ele bate com o dedo no
queixo. – Então diga alguma coisa
simpática.
– Você é muito bonito.
Ele sorri, os dentes brilhando no
escuro.
– Gostei dessa história de
“simpática”.
—  Convergente