deusa atena

Oração a Deusa Atena

Atena peço-lhe por justiça em minha vida, a justiça material e espiritual,
Dai-me forças com tua lança de prata e protegei-me,
Deixa-me repousar a teus pés no Olímpo,
Refresca minha alma dos males do mundo,
Seja minha força, minha guia, luz proveniente de Zeus, a ti peço,
Faz reinar a tua justiça que está acima dos homens,
Faz reinar em mim a certeza da fortaleza que sou,
Onde nada me abala, atinge ou enfraquece,
Forja-me firme tal tua lança e com ela aplaca os males de minha vida,
Atua em mim livremente oh poderosa Deusa e faz-me sentir a segurança de lhe ter a meu lado!
Assim Seja, Assim se Faça!
Blessed Be!

A caracterização de Afrodite dentro do universo Saint Seiya

Depois de sua recente e bombástica participação em Soul of Gold, me peguei pensando em como o personagem foi trabalhado nas mais diversas obras em que esteve presente, e resolvi traçar um paralelo entre elas, pois vejo que muitos não percebem (ou entenderam) a essência sempre presente do personagem.

Inicialmente, Afrodite foi construído por Masami Kurumada como um guerreiro destemido, orgulhoso e muito preocupado com a paz na Terra. Ao ver em Saga a força necessária para manter esta paz, ele deixou de seguir a deusa Atena – até então uma menina fraca e desconhecida para os cavaleiros de ouro. Ele não hesita diante da ameaça inimiga e desde esse momento mostra-se um poderoso oponente para batalhas diretas e indiretas, sendo capaz de desacordar Seiya de Pégaso sem encostar um único dedo nele. Além disso, Afrodite demonstra uma enorme inflexibilidade contra os argumentos de Shun, não cedendo em momento algum e nem pestanejando sobre seus ideais de justiça. Ele morreria pelo que acreditava ser certo e deixou isso claro desde sua primeira participação na série.

“A força é a justiça, e o vencedor é o soberano absoluto”

“A paz tem estado com a gente graças ao mestre Ares”.

Vale lembrar que mesmo na enciclopédia a sua preocupação com a paz é exaltada.

A segunda obra em que ele veio a aparecer é o Episódio G, com um papel de menor destaque, mas que seguiu a mesma linha de luta anteriormente mostrada. Afrodite enfrenta e derrota com facilidade um Giga, enquanto protege e cura Aioria, demonstrando a mesma postura orgulhosa e altiva que vimos diante de Shun de Andrômeda, no virtual futuro desta saga. E mais uma vez se mostra extremamente inflexível diante do inimigo, tendo um objetivo diante de si e nada é capaz de desviá-lo de seu caminho até que o cumpra.

“Meu lado é e sempre será o mesmo. Sempre estarei ao lado da justiça mais bela, pois a beleza é a única justiça absoluta, incapaz de nos trair”.

(Reparem que, nesta saga, ele utiliza-se de eufemismos para falar de força. E aqui também podemos ver uma extensão de suas técnicas com rosas, onde ele se mostra capaz de criar trepadeiras imensas e controla-las livremente.)

Posteriormente ele é inserido na cronologia através de Saintia Sho. Nesta passagem, ficamos sabendo mais sobre sua personalidade do que sua força. Somos brindados com um ótimo e esclarecedor diálogo entre ele e Saori Kido, onde toda a sua posição é explicada e justificada. Mais uma vez, a razão para suas ações é a busca pela paz e pela proteção daqueles que são mais fracos.

“É preciso vencer para proteger”.

“Como cavaleiro que protege a Terra, jurar lealdade a um desconhecido pouco confiável seria o mesmo que trair as pessoas desse mundo… E isso é algo que não posso fazer de forma alguma”.

Afrodite era ciente de que a Terra corria riscos de ser invadida por outras entidades divinas, como Hades ou Poseidon, e diante de uma menina inexperiente e fraca, preferiu seguir Saga até que ela se mostrasse apta a defender aqueles que precisavam de proteção. Ela mesma compreende essa postura, e admite que é sensato esperar isso de alguém na posição que ele ocupa.

Sua participação no filme A Lenda do Santuário não toma um minuto, mas podemos ver em suas falas que ele estava ao lado de Atena dessa vez. Acreditava que ela estava no santuário e foi procurar o grande mestre para que a levasse para um local seguro.

(Este é o único filme da série que irei citar, uma vez que os outros não fazem o menor sentido para serem analisados e utilizados para qualquer embasamento sobre os personagens.)

Por último, temos Afrodite revivendo junto com seus companheiros na corrente saga Soul of Gold. Perspicaz, inteligente e altivo: foi assim que ele se mostrou até agora. Sua primeira ideia ao chegar em um território desconhecido, sem saber porque havia sido revivido, foi investigar diretamente no inimigo as razões para estarem ali e para todas as situações adversas que acometiam os cavaleiros de ouro. Nesta saga, ele demonstra uma habilidade desconhecida, até então: Afrodite pode comunicar-se com as plantas, e utilizando-se disso, chegou até o Guerreiro Deus Fafner. Sua postura foi a mesma que tivera em todos os combates sérios até então: Inflexível e determinado a cumprir seu objetivo. Afrodite extraiu de Fafner todas as informações que lhe eram necessárias, e imediatamente passou-as para Mu. Não havia hesitação, temor ou qualquer dúvida diante de todas as adversidades que encontrava: ele possuía um objetivo e iria cumpri-lo de qualquer jeito.

Nesta cena, ele ainda demostra novamente sua preocupação acima de tudo com o bem-estar das pessoas, dizendo a Fafner que não poderia perdoá-lo pelo sofrimento que causara aos habitantes de Asgard. Antes de ser aprisionado, vemos que – de alguma forma – ele passou por Andreas, libertou Helena e tratou de tirá-la do local, sacrificando-se para isso.

Após analisar minimamente cada uma de suas participações, posso concluir que Afrodite é e sempre foi caracterizado da mesma maneira. Em algumas sagas haviam eufemismos em suas palavras, em outras ele era mais bruto e até mesmo violento, mas no fim, ele sempre apresentou as mesmas características quando lutava com seriedade: Forte, destemido, altivo e extremamente focado em cumprir o seu objetivo. O fato de prezar a paz e o bem comum também é presente em todas as obras, e inclusive é destacado em todas elas, seja com falas ou atitudes do mesmo. Esse é Afrodite de Peixes, criado e trabalhado em diversas obras, mas que em todas elas manteve sua essência: a busca incansável pela paz e pela justiça.

A cria de Tique andava com a cabeça baixa e com os olhos fixos no chão. Seu rosto também estava muito vermelho e seus lábios se moviam com uma rapidez silenciosa. Quem visse Oliver daquele jeito incomum poderia até não saber o motivo, mas ele só ficava assim quando estava matutando alguma questão muito difícil ou… depois de fumar um de seus cigarros verdes bolorentos, só que esse último era segredo. Oliver se aproximou da cabine número 6, destinada aos filhos da deusa Atenas, e se sentou bem na entrada desta, com as pernas cruzadas sob o tronco. Mordiscava um dedo, pensativo, enquanto aguardava por @johnsonjosie e sua grande sabedoria. Confundiu a garota com outras três de suas irmãs inteligentes, sempre pegando-as desprevenidas com sua frase decorada de : - Não faz sentido! Preciso da sua ajuda.