detalhado

enquanto você dormia liguei
os pontos sardentos das suas
costas na esperança de que
a caneta esferográfica revelasse
a imagem de algum ser mitológico
de nome proparoxítono o mapa
detalhado de algum tesouro
submerso formasse quem sabe
alguma constelação ruiva oculta
na epiderme e me deparei
com o contorno de um polígono
arbitrário que não me fornecia
metáforas não apontava direções
simplesmente dizia: você está aqui.

Gregório Duvivier, ligue os pontos.

Mesmo não olhando nos seus olhos, sei perfeitamente que estás ao meu lado, por que sinto a sua presença, perfeita demais para ser imaginação. Olho para o lado numa tentativa bem sucedida de ver que sim, você está ali, mesmo que não tão intensamente quanto eu. Deitas em meu colo, toca meus joelhos e sinto um breve choque, um leve tremor, uma pequena queimadura onde nos encontramos por um momento curto demais. Acariciar seus cabelos, tocar a pele de sua nuca, tudo tão simples mas o mesmo tempo tão significativo. Sim eu te amo muito mais do que tudo.
Simplesmente você:
Me faz acreditar que amar, vale a pena, dedicar a vida a alguém traria o sentido que eu nunca tive na minha vida.
Simplesmente você:
É a pessoa mais linda que eu já conheci, a mais perfeita, a mais tudo.
É simplesmente você:
Que eu quero pra toda minha vida, que eu descobri uma nova maneira de amar, que eu descobri que namorar é diferentemente do que dizem, e alias, isso é a melhor coisa do mundo.
Simplesmente você:
Me mostrou que é nos pequenos detalhes que devemos dar prioridade.
Simplesmente você:
Que trouxe a paz pro meu mundo, que me fez acreditar novamente no amor.
Simplesmente você: Que mostrou que eu posso amar.
E simplesmente eu não consigo ficar um segundo com raiva de você, porque você é tudo que eu mais quero, é tudo que eu preciso, é tudo que eu quero e amo. E toda vez que eu a sinto escorregando dos meus braços é como se meu mundo estivesse caindo, desmoronando, ficando sem razão, porque você é a razão da minha vida. Sim, podem achar que isso é clichê e tal, mas é exatamente o que você é, porque eu não sei mais como é a felicidade sem ter você do meu lado, sem sentir o seu amor. Mas o seu cheiro é o meu favorito. O seu sorriso é o mais perfeito de todos. Sem falar desse seu cabelo maravilhoso, sua risada é tão gostosa, e sua voz me acalma de uma forma que não sei te dizer. Seus defeitos de uma forma ou de outra acabam sendo qualidades para mim. Sua imperfeição é totalmente perfeita pra mim. Cada milímetro seu, quero que pertença a mim… Só a mim. Não é um simples eu te amo, não é apenas não sei viver em você. Mas sim um EU AMO VOCÊ, só você. Cada batida do meu coração pertence a você. Cada sorriso, o motivo é você. Cada brilho do meu olhar é só ao ver você. A cada um novo dia, o motivo é você por me dar motivos pra viver.  E acredite quando eu digo que não sei viver em você, porque sem você eu não sou nada, sem você não há motivos pra ser feliz, porque sem você meu mundo não tem cor, porque sem você não sei mais o que é o amor, porque sem você, não sei mais o que é viver. Eu já não consigo mais controlar essa vontade de você, esse desejo que tenho de ter você toda pra mim. Querer te fazer minha de todos os sentidos possíveis, te fazer feliz por vários e vários anos, isso é o que eu mais tenho pensado. Imagino detalhado, o jeito que eu vou estar com você, o jeito que vou te olhar e dizer no fundo dos teus olhos, eu te amo minha baixinha. Eu quero você, eu quero morar junto com você, eu quero dormir com você na nossa cama, fazer a nossa bagunça, eu quero muito de nós, eu quero viver com você pra sempre. Eu virei dependente de você. Por que? Ah eu dependo da sua felicidade para encontrar a minha, eu dependo do seu sorriso para gerar o meu, eu dependo do seu boa noite para dormir bem, do seu bom dia para acordar feliz, eu dependo do seu eu te amo para que meu dia fique completo. Você é uma parte de mim, a melhor ainda. Você não sabe como é enorme a minha vontade de ir ai lhe proteger, lhe abraçar e mostrar como você é importante para mim. E que não importam o que dizem, você é perfeita do jeito que é minha baixinha. Meu neném. Meu mais lindo amor. Meu universo. Minha razão. Meu fundamento. Meu princípio. Minha vida. Pulsar do meu coração. Minha noiva. Minha melhor amiga. Minha namoradinha. Minha mulher. Meu tesourinho. Minha gatinha. Minha paz. Minha perfeição imperfeita. Enfim, minha. E eu, enfim, seu. Enfim, “nós”. Para sempre. Obrigado por todas as vezes que me fizeste rir e chorar de felicidade, por me consolar nos momentos que eu mais precisava. Obrigado minha baixinha por fazer parte da minha vida. Eu prometo que vou estar do teu lado sempre. Por mais que a gente brigue. Por mais que eu seja um lerdo e um idiota. Eu quero que saibas que eu sei que és uma grande menina e mulher e eu te admiro e vou continuar admirando por muitos e muitos anos. O tempo passa rápido demais. Essa vontade que eu tenho de você só aumenta. É assim com a gente, vivemos cada um no seu lado, só querendo estar ao lado de quem amamos. Eu to te amando cada dia mais. É por isso também que a saudade e o aperto no peito aumentam a cada dia que eu não falo com você. Se for existir um para sempre na minha vida que seja ao seu lado. Te conquistarei todos os dias. Te farei sorrir sempre que possível. Te protegerei de todas as coisas. E no final, eu só quero estar ao teu lado eternamente.
—  UMA CARTA PARA O MEU AMOR ETERNO


Matt Oliveira

enquanto você dormia
liguei os pontos sardentos das suas costas
na esperança de que a caneta esferográfica
revelasse a imagem de algum ser mitológico de nome proparoxítono
o mapa detalhado de algum tesouro submerso
formasse quem sabe alguma constelação ruiva
oculta na epiderme
e me deparei com o contorno de um polígono arbitrário que não me fornecia metáforas  
não apontava direções
simplesmente dizia: você está aqui.

Gregório Duvivier

Anônimo: Poderia fazer um hot meu cm o harry , tipo eu virgem e ele tira a minha virgindade no meu aniversário ( idade que vc quiser ) e bem detalhado , obg desde já.

(Leiam com a idade que vocês vão fazer, ou fizeram!)

Eu havia acabado de completar meus xx anos e me lembro exatamente de quando Harry, meu melhor amigo, prometeu tirar minha virgindade no dia do meu aniversário, eu aceitei aquela promessa e enfim o dia chegou. 

Entrei no quarto junto com Harry sentindo meu coração bater mais forte. Cada passo que eu dava era um passo mais próximo de perder minha inocência com meu melhor amigo. 

— Tudo bem ? — ele perguntou olhando com delicadeza para mim 

— Sim — suspirei 

— Você tem certeza ? Não vou parar se eu começar — ele alertou

— Harry, não me faça esperar mais. 

Ele sorriu satisfeito com minha resposta e trancou a porta do quarto dele.
Um silêncio tomou conta do ambiente e eu sentia minhas pernas ficando bambas. 

— E agora ? — perguntei nervosa 

— Primeiro, se acalma — ele colocou uma mecha do meu cabelo atras da minha orelha e olhou nos meus olhos — Vai acontecer naturalmente, e eu vou fazer o possível para ser gostoso para você. Confia em mim. 

As enormes mãos dele foram parar na minha cintura segurando a mesma com precisão, nossos corpos se colaram e os lábios dele entraram em contato com os meus. 

Não nego que já havia beijado ele durante nossos anos de amizade, mas nenhum tipo de beijo que resultaria num sexo como o que estava por vir. 

Ele alisava minha pele com cuidado, explorando cada parte do meu corpo.
Seus lábios se afastaram dos meus e novamente seus olhos verdes voltaram a me encarar. 

Harry colocou as mãos na barra do vestido que eu usava e puxou para cima, me deixando seminua. 

— Uau — ele analisava meu corpo como um leão faminto olhando sua presa — Seu corpo é lindo, S/n. 

Corei quando percebi a forma que estava na frente dele e ele notou meu constrangimento. 

— Ei, não precisa ficar com vergonha, sou eu, Harry! — ele me acalmou

Ele desabotoou meu sutiã e meus seios ficaram a mostra. Logo seus lábios estavam em contato com meus mamilos já enrijecidos, me proporcionando um prazer que eu nunca havia sentido antes. Era tudo novo para mim.

— Ai, Harr… — me calei sentindo vergonha de gemer o nome dele 

— Pode gemer meu nome, baby, eu adoro — ele riu 

Harry foi beijando toda extensão da minha barriga chegando até o cós da minha calcinha de renda, onde ele deu um beijo por cima do tecido fino me fazendo contorcer. 

— Você é tão sensível — ele disse olhando minha intimidade — Você responde ao menor toque. 

Ele apertou minha bunda e abaixou minha calcinha, me deixando completamente nua na frente dele; nua e entregue a ele. 

— Deita, amor — ele pediu rouco 

Me deitei na cama e ele seguiu ajoelhado com o rosto entre minhas pernas.
Quando a língua dele entrou em contato com minha vagina, dei um gemido alto e contorci as pernas, as fechando. 

— Calma, neném — ele disse de um jeito fofo — Não vou te machucar, só quero beijar essa delicia que você tem. Posso ? 

Corei ao ouvir a forma que ele falou comigo mas assenti com a cabeça, dando permissão para que ele começasse o sexo oral em mim. 

— Abra as pernas, S/n — ele pediu delicado 

Abri minhas pernas e novamente a língua quente dele entrou em contato com a minha vagina. 

Eu sentia como se tivessem chamas ardentes dentro de mim. Ele passava a língua por toda extensão e dava alguns chupões fortes no meu clitóris. Minhas unhas estavam agarradas ao lençol branco da cama dele, fazendo alguns pequenos rasgos. 

Vez ou outra ele me encarava com aqueles olhos verdes incrivelmente lindos, o que me deixava ainda mais ofegante. 

— Harry… — eu sentia alguns tremores pelo meu corpo 

— Não vou deixar você gozar com meus lábios — ele disse parando de me chupar — Vem — me estendeu a mão 

Me levantei e Harry novamente voltou a me beijar, eu sentia meu próprio gosto devido aos lábios dele estarem molhados com meu prazer. Os braços fortes dele me colavam com força ao corpo dele, me fazendo sentir as batidas do coração dele. 

— Tire minhas roupas, S/n — ele pediu

Encarei a fisionomia dele e comecei a despir o corpo dele. 

Primeiro tirei a camiseta branca que ele usava, seguindo para a calça e enfim, tirei a bóxer preta que ele usava, exibindo aquele membro grande e grosso, cheio de veias ao redor. 

Comecei a contornar as tatuagens dele que eu tanto amava, com minhas unhas e via ele dar alguns sorrisos espontâneos. 

Fiquei hipnotizada olhando aquele homem nu na minha frente. 

— Eu nunca vi um homem pelado na minha frente — eu disse encarando ele — E você é lindo! Eu posso tocar ? — perguntei olhando para o pau dele 

— Linda — ele acariciou meu rosto — Você pode fazer o que quiser comigo. 

Segurei o membro dele em minhas mãos e percebi o quanto ele estava quente e também estava latejando. 

Me lembrei de alguns vídeos pornográficos que eu assistia e me ajoelhei na frente de Harry, querendo chupar o pau dele assim como ele me chupou.

Quando olhei aquele membro na minha frente, fiquei receosa e travei. 

— Psiu — ele ergueu meu rosto para ele percebendo meu nervosismo com aquele ato — Você não precisa fazer nada que não queira. Só iremos fazer o que dá prazer! 

— Eu quero — eu disse convicta 

Respirei fundo, fechei meus olhos e coloquei a cabeça do membro do Harry na minha boca. Eu sentia um líquido estranho mas não era o gozo, era o pré-gozo dele que já escorria pelos meus lábios. 

Comecei com movimentos lentos de vem e vai e senti quando Harry tirou minha mão de seu membro, me fazendo usar somente a boca. 

Eu ouvia os gemidos baixos dele o que me fez acreditar que eu estava indo bem. 

Em nenhum momento ele tentou comandar os movimentos, ele deixou eu fazer tudo do meu jeito, no meu ritmo

— Baby, já pode parar — ele disse levantando meu corpo 

— Eu fiz algo de errado ? — perguntei apreensiva 

— Não, você foi ótima, nem parece que nunca chupou um pau mas eu não quero gozar na sua boca. Deita, agora vem a melhor parte. 

Me deitei na cama e vi Harry pegar um pacotinho do alumínio na gaveta do criado ao lado da cama. 

Ele colocou a camisinha no membro dele e foi por cima de mim. 

Ao invés de colocar o pau como eu estava imaginando, ele começou a acariciar meu clitóris, me masturbando e eu olhei sem entender. 

— Você precisa ficar molhadinha, amor, vai ser mais gostoso — ele explicou

Depois de alguns minutos sendo masturbada por Harry, ele parou e se posicionou entre minhas pernas. 

Ele começou a forçar a penetração e eu fechei os olhos imaginando a dor que viria a seguir. 

— S/n — ele me chamou baixo — Abra os olhos, olha pra mim… Não vai doer 

Abri meus olhos e encarei a fisionomia dele. Seus olhos esverdeados estavam mais escuros que o normal. 

Ele forçou a penetração mais uma vez e seu pau entrou em mim. 

Senti um ardume e uma sensação como se algo dentro de mim estivesse se rasgando. Ele ficou parado alguns minutos até eu me acostumar com o tamanho dele. 

— Posso ? — ele perguntou e passou o dedo abaixo do meu olho esquerdo limpando uma lágrima que escorreu 

— Sim — respondi rouca 

Harry fez o primeiro movimento de entra e sai e a dor já havia diminuído um pouco. Com muito cuidado ele continuava me penetrando e com as mãos acariciava meus seios. 

— Você é tão apertadinha, tão gostosa — a voz dele saiu falha 

— Você é um grosso Harry… Literalmente 

— Isso é a melhor coisa que um homem pode ouvir — riu

Ele continuava se movendo devagar se controlando ao máximo para não me machucar e nem me assustar. 

Minhas unhas passeavam pelas costas dele, e seus beijos eram intensos no meu pescoço. 

Eu puxava ele cada vez mais para perto, queria sentir cada vez mais Harry fundido em mim. 

Meus gemidos eram incontroláveis, e o cuidado que ele tinha comigo era maravilhoso. 

Ele deu um último gemido e mordeu de leve meu ombro. Harry havia gozado. 

Ele saiu de dentro de mim e eu ainda seguia ofegante com o que havia acabado de acontecer. 

Ficamos em silêncio por alguns minutos até nossas respirações se acalmarem. O suor escorria pela testa dele. 

Harry me olhou e acariciou meu rosto de forma afetuosa. 

— Foi bom para você ? 

— Foi incrível — respondi ainda vendo estrelas — E agora ? O que acontece ? 

— Bom — suspirou — Agora você deve consultar sua ginecologista

— Certo — respondi receosa pensando na hipótese de ir até uma ginecologista — Posso perguntar outra coisa ? 

— Claro — ele acariciava meus cabelos 

— Da próxima vez, vai doer também ? 

Harry me olhou assustado e respirou fundo. 

— Não vai. Da próxima vez será mais gostoso… Eu machuquei você ? — ele perguntou preocupado 

— Não. 

— Posso olhar ? 

Fiquei envergonhada ao ouvir aquela pergunta mas depois do que aconteceu naquela noite, não tinha mais motivos para eu sentir vergonha dele. 

— Pode — respondi 

Harry afastou minhas pernas e olhou para o meio delas. 

— Está tudo bem — ele riu — Você só precisa… ah, se lavar — ele disse sem jeito 

— Tudo bem — sorri — Obrigada Harry, foi uma noite incrível. 

— Foi ótimo transar com você, S/n — ele beijou minha bochecha 

— Da próxima, quero aprender novas posições! — admiti 

— Vou lhe ensinar todas, minha linda. 

Harry entrelaçou nossos corpos e colocou minha cabeça deitada sobre o peito dele. 

Ele começou a acariciar meus cabelos com delicadeza até eu pegar no sono. Aquele havia sido o melhor aniversário da minha vida!

Pedido: Faz um com o Zayn em que a s/n tem depressão e ele fica ajudando ela em tudo. E ela começa a melhorar e descobre que está grávida. Faz detalhado se puder bjjjss ♡

 

           Ter depressão não é como nos filmes, que no final tudo fica bem, ter depressão é bem mais profundo do que é retratado na televisão, livros e revistas é como se isso sempre fosse seguir você mesmo que anos se passe e você esteja ‘’curada’’, não é uma coisa fácil de livrar, pois mesmo depois de todos aqueles tratamentos e remédios o fantasma da depressão sempre vai seguir você, em todos os lugares possíveis.

           Não sabia o que estava sentindo, nem o porquê daquelas lagrimas, mas a solidão e a tristeza que eu estava sentindo são quase surreais e não tem nada que eu odeie mais do que me sentir fraca e sozinha. Levantei-me da cama sem fazer barulho algum. Esses remédios estão afetando meu sono e não só isso, meus cabelos estão caindo mais do que o normal, minhas unhas quebram sem motivo algum, meus lábios estão resecados e roxos, e manchas pretas estão começando a se formar ao redor dos meus olhos, eu sou a verdadeira imagem da depressão. Sentei-me no sofá e comecei a chorar, como me tornei tudo o que eu mais temia no mundo? Na onde foi parar aquela menina cheia de sonhos e todos elogiavam pela a beleza e pelo o corpo perfeito? O que está acontecendo comigo?

           Essas perguntas rondavam minha cabeça sem parar, e eu apenas queria ter respostas para elas. Passei as mãos nos meus cabelos e mais um bolo de fios foram parar em minhas mãos. Não era para ser assim, eu tenho a típica vida perfeita que todos queriam ter. Moro em um bairro privilegiado de New York, namoro com um cara perfeito e ainda tenho um trabalho incrível como cantora.

           Assim que vi meu namorado desce as escadas, tentei o mais rápido possível limpar minhas lagrimas, mas com certeza ele já tinha me visto chorando, o que é uma merda. Não quero preocupar ainda mais ele, Zayn não merece passar por isso junto comigo, ele é bom e alegre, gosta de está rodeado de pessoas a sua volta e eu sou totalmente o oposto disso, eu sou a tristeza e ele é a alegria.

           Suas mãos tocaram meu ombro e puxou meu corpo contra o dele, me fazendo tocar seu peitoral definido. É incrível como apenas o seu cheiro consegue me acalmar. – Você sabe que não precisa fazer isso. – Apertei os olhos tentando não deixar mais lagrimas escaparem pelo os meus olhos. – Zayn você não merece isso…

           Sentei seus lábios quentes e úmidos tocando os meus, suas mãos foram até a minha cintura e me puxou contra o seu corpo fazendo eu senti seu membro, suspirei fundo e o beijei, eu queria demonstrar através do nosso beijo tudo o que eu sinto por ele.

- Eu te amo e nós dois vamos sair dessa juntos, eu prometo. – Zayn beijou-me novamente, só que mais intensamente.

SEMANAS DEPOIS…

 

           Depois de um passeio pela a cidade de New York Zayn insistiu que iria fazer o nosso jantar, mesmo não gostando muito da ideia aceitei, ele nunca foi bom na cozinha. Hoje foi o dia que me senti mais viva, senti-me feliz pela a primeira vez em meses. Nós passeamos no Central Park junto com os seus amigos e os paparazzis nós seguiu por todo o passeio, mas não fiquei incomodada com isso, até gostei eu estava sentindo falta de tudo isso. Zayn me faz sentir tão sortuda e feliz por ter ele ao meu lado. Sentei-me na mesa olhando meu namorado preparar com delicadeza nossa comida, chega ser engraçado o fato de o ver dessa maneira.

           O cheiro da comida invadiu meu nariz fazendo meu estomago se revirar, parecia que estava acontecendo um terremoto dentro do meu corpo. Imediatamente levei a mão na boca para evitar que algo escapasse, corri o mais rápido possível até o banheiro e levantei a tapa do vaso sanitário e ajoelhei-me no chão e coloquei tudo para fora, desde nosso café da manhã, até o cachorro quente que comemos na rua. Zayn entrou no banheiro e olhou preocupado para mim, limpei a boca com papel higiênico e levantei-me.

- Não, nem pense em ver isso. – Fiquei na frente dele.

           Ele fez uma carreta por conta do cheiro e eu ri. – Deve ter sido algo que comi na rua… - Olhei para a minha nécessaire que estava encima da pia do banheiro e me aproximei dela e tirei um absorvente.

- O que foi? – Zayn perguntou.

           Olhei preocupada para ele. Okay, não poderia ser isso, não pode ser não tenho condições de ser mãe agora.

- É que eu estou atrasada há três semanas.

- E isso quer dizer que…

- Não, não sei ainda, pode ser apenas um atraso, acontece é normal.

           Zayn não parava de bater na porta por um segundo. Depois do que aconteceu ele foi correndo para a farmácia mais próxima comprar um teste, na verdade ele comprou de todos os tipos possíveis o que foi engraçado, pois nenhum de nós dois conhecíamos teste de gravidez. Assim que abri a porta do banheiro Zayn entrou rapidamente. – Então?

- Eu não olhei, não tenho coragem. – Apontei para os cinco testes que estavam sobre a pia.

           Zayn correu até o local e pegou todos na mão juntamente com a bula que vinha junto aos testes, ele leu cuidadosamente e olhou para os testes. – Um traço não e dois sim. – Zayn olhou sorridente para mim e pegou-me no colo.

- Não?  - Torcia para que essa felicidade fosse por conta que o teste deu negativo.

- Dois traços. – Zayn beijou-me

           Mesmo estando feliz por vê-lo assim eu temia o fato de ser mãe tão jovem e em um estado nada bom de saúde. – Olha. – Zayn se aproximou e colocou as mãos em cada lado do meu rosto. – Não importa o que está acontecendo, o mais importante de tudo é esse bebê que está dentro de você, nós vamos ama-lo e cuidar dele independente de tudo. – Ele beijou meus lábios.

- Eu já disse como eu sou sortuda de ter você? – Pulei no seu colo novamente.

Imagine - Harry Styles

Pedido da maytrindex, como era detalhado não reescrevi ele aqui… espero que goste, chuchu! Beijocas


- Oi, Harry! – Me joguei ao seu lado no sofá, beijando seu rosto em seguida. – Como está?

- Estou com saudade, sua fedorenta.- Ele beijou e em seguida mordeu minha bochecha.

Eu ri nervosa por conta de sua aproximação.

- Onde está meu irmão? – O procurei com o olhar. – Ele foi procurar um jogo para nós.

- Ah! Está bem. – Em seguida Diogo desceu do segundo andar.

- Oi, maninha! – Ele beijou minha testa. – Chegou um envelope para você! – Ele sorriu animado.

- Diz qual é o remetente? – Levantei, caminhando até o local onde deixávamos as correspondências.

- Diz! Só espero que seja coisa boa. – Ele mantinha o sorriso no rosto.

- Você está me deixando curiosa… – Murmurei, pegando um grande envelope nas mãos.

O emblema de Cambridge fez meu estomago embrulhar; rasguei o embrulho de qualquer maneira e abri os papeis com as mãos tremendo. O papel central dizia “Carta de Apresentação” e em seguida, no texto, dizia o quanto eles estavam felizes por me receber, ou seja, eu havia sido aprovada!

- Eu passei! – Comecei a chorar.

- Parabéns, maninha! – Diogo me abraçou com força.

- Oh, (S/A), não chora! – Harry me abraçou e em seguida limpou minhas lagrimas. – Estou muito feliz por você! – No momento em que ele foi beijar minha bochecha e virei o rosto e demos um selinho rápido.

- Me desculpe. – Sussurrei.

Nos mantivemos em silencio, enquanto Diogo gritava para Harry ir jogar com ele. Eu estava agitada, meu coração palpitava e eu sentia vontade de gritar. Muita coisa para uma noite só. Nossos pais chegaram de viagem no início da noite, e mamãe ansiosa como sempre, já queria ver as instalações da faculdade e onde eu poderia ficar, afinal estudaria em outra cidade.

*tempos depois*

- Diogo, se for você, temos que ter uma conversa bem séria! – Eu gritava de dentro do apartamento, depois de ouvir a campainha tocar. Só podia ser ele, bufei olhando a hora no relógio.

- Oi! – Harry disse segurando o riso e algumas sacolas na mão. – Cheguei em horário ruim?

- Oi! Você não me avisou que viria… – Suspirei. – Entra!

- E quando é que eu aviso que vou vir? – Ele sorriu.

- [Nunca. – Murmurei.

- O que você precisa conversa seriamente com seu irmão? – Ele arqueou a sobrancelha e fomos até cozinha, onde ele largou as sacolas sobre a mesa.

- Ele anda fazendo a limpa na minha turma. – Bufei. – Já perdi as contas de quantas foram… O que você trouxe? Está com um cheiro tão bom…

- Trouxe sua comida favorita. – Ele balançou as sobrancelhas me fazendo rir. – Que tal um Quarteirão do Mc, com fritas e um balde de refrigerante?

- Você, com certeza, tem passe livre no céu! – Ele riu e colocamos tudo em uma bandeja, levando para sala.

- O que vamos assistir? – Ele perguntou já ligando a televisão?

- O que você quiser… – Dei de ombros, atacando meu lanche.

- E ai, como está a faculdade? – Harry rompeu o silêncio.

- Está ótima! Eu estou amando todas as aulas… – Suspirei, de novo. – Está tudo melhor do que eu imaginava.

- Isso é ótimo! – Ele sorriu. – E ter você por perto também.

Subi meu olhar de vagar até ele que me encarava. Já tínhamos terminado de comer e agora estávamos em silencio, um encarando o outro.

- Por que você tinha que ser a irmã do meu melhor amigo? – Ele murmurou e beijou meus lábios, terminando com o espaço que nos separava.

- Harry, o que você… – Tentei pronunciar enquanto ele beijava meu rosto e mandíbula.

- Shii… – Harry me beijava com mais intensidade e eu sentia meu corpo ficando molinho com suas carícias. – Será que eu poço? – Ele perguntou passando a mão pela minha cintura, por baixo da camisa.

Sem mesmo responde-lo, passei a acariciar seu peito e ronronei contra seu pescoço. Os beijos de Harry me enlouqueciam de maneira inexplicável. Eu estava entregue a ele. Nossos corpos passaram a ficar mais quentes e Harry me tomou para si com calma e carinho. Eu dormi em seus braços, ouvindo seu coração e sentindo sua respiração tranquila.

- Mas você é uma dorminhoca mesmo, hm? – Ouvi a voz de Harry rouca, sussurrar em meu ouvido. Sorri.

- Você que acorda cedo demais. – Resmunguei.

- Já são onze horas, (S/A)… – Ele riu, fungando em meu pescoço e me fazendo cosquinha.

- Sério? – O olhei com os olhos arregalados e ele assentiu com a cabeça. – Ainda bem que é final de semana…

- E já tem café pronto! – Ele mordeu minha bochecha.

- Minha nossa! – Suspirei. – Sério mesmo?

- Seríssimo! – Ele se levantou e me pegou no colo. – Vamos lá!

- Não, Harry! – Eu quase gritei. – Me solta!

- Pronto! – Ele me pôs em uma das cadeiras que eu deixava na pequena varanda que tinha no apartamento.

- Só você mesmo. – Eu ri e prendi meu cabelo de qualquer maneira.

- Realmente, minha blusa ficou bem melhor em você. – Ele disse me encarando.

- Eu sei! – Fiz bico, que prontamente foi selado com os lábios de Harry.

- Agora que preciso é encarar a fera do seu irmão. – Ele disse atraindo minha atenção.

- Por que? Você sabe que…

- Eu preciso. Daqui um tempo vou chamar ele de cunhado…

- Isso quer dizer que…

- Poderá haver um pedido de namoro! – Ele suspirou. – Eu gosto de você, garota!

One Shot- Zayn Malik

“Pedido:Quero um do Malik que ela engravida e ele não aceita mas ficam separados na msm ksa e ele smp leva mulheres pra ksa e só finge transar com elas só pra fzr ciúmes nela ai um dia ela quer ir embora e ele não deixa e eles brigam e ela não vai embora mas nem se olham dentro de casa e um dia ela passa mal e grita ele e ele demora um pouco a aparecer e quase que ela o bebê ficam em risco mas aí a menina nasce e ele reconquista ela … Quero bem detalhado e bem emocionante … Bjs amo Tumb" 

mudei um pouquinho o final.

                                                          •••—••• 

 Onde tudo começou a virar de ponta cabeça ? Se alguém me contasse a alguns meses que estaria nessa situação que ia me encontrar, sozinha mesmo estando cheia de vida em não iria nunca acreditar. 

 -Mas que merda- gemi colocando meu pulso em baixo da água gelada

 -Você está bem ?- uma voz feminina invadiu a cozinha

 -Estou-me abaixei pegando a panela do chão

 -Eu não sabia que tinha alguém aqui..-elevei meu olhar e a encontrei usando a camisa que dei pra ele no seu ultimo aniversário

 -Sem problemas- me ajoelhei com um pano em mãos limpando o arroz doce-Os comprimidos estão na segunda gaveta do banheiro

 Suspirei aliviada ao perceber que a loira já havia sumido do meu campo de visão, era praticamente assim quase toda semana, uma mulher semi nua na minha casa zanzando atrás que comprimido pra dor de cabeça. Quando contei pro meu namorado que estava grávida causei um turbilhão de problemas,não podia voltar pra casa durante os primeiros meses de gravidez por ser de risco, nem nos últimos por ser impossível uma barriguda passar mais de 12 horas em um voo de volta pro Brasil.

 Acabei concordando em continuar morando na sua casa, já que não teria como trabalhar e meus pais concordaram em estar aqui nos últimos períodos de gestação. Mas o que não continuaria era o nosso relacionamento. 

 -Bom dia- Zayn entrou na cozinha apenas com uma calça de moletom com a garota já vestida ao seu lado

 Concentrei minha atenção na louça a minha frente, podia sentir a ardência no meu pulso mais meu desejo de limpar aquela bagunça superava o incomodo, os dois conversavam, na verdade ela falava e ele a ignorava completamente.

 -Podiamos combinar de ir na sexta- animadamente sentada em sua frente 

-Vamos ver- desconversou Zayn 

 -Onde tem uma caneca ?- a loira chamou a minha atenção 

 -Aqui- puxei uma do armário a minha frente a coloquei sobre o balção

 -O que é isso ?- sua mão segurou meu braço com força- O que aconteceu com seu pulso ?-

 -Foi só um acidente besta- puxei meu braço- Com licença- sai subindo as escadas em direção ao meu quarto. 

 Mesmo com todas as brigas que tivemos nesses últimos meses, em que ele não queria um filho, eu ainda era completamente apaixonada por ele, me sentia presa dentro dessa casa, mas era tudo o que me restou. 

 -(S/n)- a porta foi aberta-Precisamos conversar-seus passos foram se aproximando da cama

 -O que foi ?- me sentei olhando para a porta

 -Ela já foi- suas mãos pegaram meu pulso me examinando cuidadosamente- Vamos cuidar disso aqui primeiro

 -Isso ta doendo- gemi com a pomada sendo aplicada na queimadura

 -Você pode me contar o que aconteceu- seus olhos estavam fixos nos meus

 -Derrubei uma panela- dei de ombros com a sua repreensão ao suspirar

-Quando vai tomar juizo ?- abri minha boca e fechei algumas vezes- -Era sobre isso que vim aqui, você não se cuida 

 Depois de enfaixar o meu pulso voltei a me deitar na cama puxando a coberta felpuda, mas uma vez achei melhor ficar calada ao ter uma discussão com ele, era confuso ter toda essa atenção e não ser absolutamente nada mais dele.

 -Foi um acidente Zayn- mesmo com os olhos fechados sentia a sua presença-Eu só queria comer mingau 

 -Mingau?- a cama afundou aos meus pés -É um arroz doce com leite- levei minha mão a minha barriga-Minha mãe fazia pra mim quando era pequena 

-Você não pode fazer essas merdas enquanto ta na minha casa- me sentei o olhando perplexa 

 -Na sua casa ?-seus cotovelos estavam apoiados nas suas pernas e suas costas tensionadas

-E se não fosse só o seu pulso?- suas mãos seguravam sua cabeça-Quando eu chegasse na cozinha te encontrasse toda queimada ? O que ia falar pros seus pais ?

 -Você sempre manda suas vadias embora cedo- ri de leve- Ia dar tempo de me levar pro hospital

 -Isso não é brincadeira caralho- me levantei- Você é minha responsabilidade

 -Responsabilidade ?- parei na frente do seu corpo- Olha pra mim quando eu falo com você- grunhi 

 -Tive que te aceitar pra ficar aqui nessa condição-seus olhos estavam fixos na minha barriga -Me aceitar nessa condição ?- meus olhos estavam embaçando- Você me chamou pra morar aqui- respirei fundo- 

 -Como minha namorada- ele me observava aumentando o tom de voz- Isso foi antes de você

 -De nós- o corrigi- Não fiz essa criança sozinha- caminhei até o armário puxando uma mala 

 -O que foi agora? Não vai dar mais um show 

 -Eu sou a mãe do sei filho Zayn- apontei meu dedo no seu rosto- Mas você nunca mais vai me tratar assim 

 Comecei a puxar minhas roupas dos cabides, sua voz era firme atrás de mim, me mandando para a todo instante, mas não dei ouvidos, mal enxergava pelas lagrimas caindo pelo meu rosto, nunca tinha sido tão humilhada

 -Por favor para- suas mãos fecharam a mala- Olha pra mim-

 -Eu não quero te olhar- o empurrei para o lado- Nem te ouvir- voltei a guardar as roupas-Eu vou embora 

 -VOCÊ NÃO TEM PRA ONDE IR- a mala bateu na parede espalhando as roupas pelo chão Mal esperei ele se aproximar e caminhei até o banheiro me fechando lá dentro, não sei quantas horas passei lá dentro até que ele desistiu de bater na porta e me deixou sozinha.

Nos primeiros meses, fui ignorando cada vez mas cada tentativa de aproximação do Zayn, ele se descontrolou com o discurso que me amava mais que não estava pronto pra ser pai, mesmo com toda o amor que tinha por ele, saber que ele ainda tinha dificuldades em aceitar meu filho, nosso filho era demais pra mim. Dias atrás ele estava fazendo um discurso na minha porta de que eu não podia ir embora, depois me ignorou completamente e agora tinha saído pra passar a noite com uma qualquer.

-Zayn- levei a mão na minha barriga com a pontada de dor abri meus olhos e percebi que ainda estava de noite-zayn- o chamei mais uma vez e nada dele me responder

Apoiei minhas mãos na cama me auxiliando para levantar, caminhei em direção a porta a abrindo e podia ouvir a musica vindo da sala, ele estava em casa, minha respiração acelerava meus batimentos cardíacos que deixavam meu bebê inquieto me causando mais dor, olhei entre as minhas pernas e me desesperei com o sangue manchando minha calça do pijama

-ZAYN- gritei com todas as minhas forças antes de escorregar as costas na parede com a dor insuportável 

Movi meu corpo e meus braços latejou, abri meus olhos e encontrei um ambiente completamente estranho ao meu redor, levei minhas mãos até a minha barriga e respirei aliviada com o chute em resposta, virei minha cabeça para o lado e o encontrei dormindo todo torto em uma cadeira no quarto do hospital.

-Zayn- o chamei 

-(S/n)- suas mãos estavam segurando as minhas sobre a minha barriga- Graças a Deus vocês estão bem

-O que aconteceu ?- me remexi de leve na cama com o incomodo da agulha no meu braço

-Eu cheguei no quarto e te encontrei caída- sua testa estava no meu cabelo-Meu Deus te ver sangrando eu achei que ia te perder- sua voz embargada de choro

-O médico de disse o que aconteceu ?- acariciei minha enorme barriga

-Que foi um efeito colateral- seu polegar acariciava minha testa-Que provavelmente foi estresse- seus olhos estavam nos meus-A culpa foi minha-

-Não Zayn- o repreendi- Isso é normal em uma gravidez de risco-Meu Deus ela não para de se mexer com a sua voz

-Ela ?- seus olhos estavam fixos a minha barriga-Desde quando você sabe que é uma menina ?

-A dois meses- puxei a sua mão colocando sobre a minha barriga pra ele sentir o chute-Eu não achei que você ia se importar em saber

-Eu fui um idiota- sua mão segurou a minha a levando nos seus lábios-Eu surtei quando você me contou- meus olhos percorriam cada feição do seu rosto-Eu nunca pensei em ser pai antes (s/n)

-Não queria ser um trastorno pra você Zayn

-Você é minha mulher- seus lábios estavam na minha mão-Eu nunca devia ter te falado aquelas coisas- Eu inventei que estava com todas aquelas mulheres só pra te fazer ciumes- ele rio fraco-Queria te fazer brigar comigo pra ter certeza que você ainda me amava

-Como você é um bebezão Zayn- ri fraco-Porque não assumiu tudo isso antes ?- acariciei seus cabelos ao se deitar no meu colo-Eu ainda te amo muito, mas me magoei com toda essa história- sussurrei-Mas você vai ter que dar muito duro pra me fazer te considerar o pai dessa pequena e conquistar nós duas de volta

-Prometo que não vou te decepcionar- seus olhos estavam mais uma vez nos meus.

Eis que você faz um desenho tão caprichado,tão detalhado com cada traço com amor. sua arte fica tão perfeita. daí você marca seu senpai. ele nem se quer deu 5 segundos de atenção pra notificação. daí alguém sem nada pra fazer,faz um rascunho de 10 minutos sem esforço algum,e seu senpai sem ao menos conhecer a pessoa,já curti,comenta,segue,vira amigo só porque o presente veio de um artista famosinho que tem mais de 200 notas por poster.

 As vezes acho que tudo que falam sobre ela é verdade mesmo. Não vale a pena perder tempo com presentes pra quem finge que não existe artistas com menos de 300 seguidores.

Isso é ridículo. 

anonymous asked:

Hey, faz um em que ela é professora de ballet e ele está em turnê, ela acaba quebrando a perna em uma aula mas não conta nada pra ele, pra não deixar ele preocupado, porém o hospital liga para ele, mesmo contra a vontade dele, e ele cancela a turnê para ficar com ela. Queria bem detalhado se possível! Muito obrigada desde já.


Pronto!

N/A: Oi, tudo bom? Me desculpa pela demora, mas espero mesmo que você goste do que eu escrevi. Desculpa também por não ter feito com todos os detalhes que você pediu, é que não consegui desenvolver com os seus detalhes -se você quiser eu posso escreve-lo outra vez, acho que não detalhei o suficiente, mas se quiser alguma mudança é só falar- Me manda ask dizendo o que achou, isso é muito importante. 

Boa leitura!


     Estava um dia agradável lá fora, o Sol aparecia mesmo com as nuvens querendo o esconder. Um ventinho frio deixava o dia ainda mais gostoso, e uma sensação boa atravessou todo o corpo de S/N.

     Ela estava indo mais uma vez fazer o que mais gostava, fazia alguns anos que não sentia tanto orgulho de si mesma. Sabia que o que estava fazendo não lhe traria lucro algum, mas quando via o olhar de admiração de suas meninas todas as vezes que ela chagava, lembrava o porquê de estar ali.

     S/N era uma bailarina clássica, muito talentosa. Já se apresentou para críticos importantíssimos do mundo do ballet clássico, os elogios que eles teciam para ela só comprovavam o quanto ela era boa no que fazia.

     Ela ainda se apresentava, mas agora dividia seu tempo em: ser uma bailarina renomada e ser apenas uma professora de ballet clássico em uma ONG para meninas que estavam refugiadas em Londres por seus países estarem em conflito. Ela sempre sonhou em ensinar tudo que aprendeu com sua experiência que mesmo não sendo muita, valia muita coisa; mas nunca pensou que aos 21 anos, uma oportunidade como essa bateria em sua porta. Ela se quer hesitou em dizer sim.

     Eram 08:00h da manhã quando ela estacionou seu carro na frente daquela grande casa que ficava um pouco afastada do centro da cidade, ela saiu e logo entrou cumprimentando todos os voluntários que já estavam fazendo suas tarefas. Caminhou até o banheiro mais próximo para se vestir, hoje ela faria uma surpresa para suas pequenas bailarinas; ela iria apresentar um de seus solos para elas. Por isso se vestiu com um colant preto e uma saia de malha por cima dele, e claro suas amadas sapatilhas de ponta.

     Quando já estava pronta, ela caminhou até sua sala de aula para encontrar 12 garotinhas se alongando. Esse era o trato delas, elas chegam na sala já arrumadas e se alongavam mesmo se sua professora não estivesse ali. Quando elas percebem a mulher as observando, a encaram surpresas por suas roupas e logo se sentaram em circulo no chão como sempre faziam no inicio de cada aula.

 “Você vai se apresentar para nós hoje?” Aisha uma garotinha de 9 anos perguntou a S/N com euforia transbordando de sua voz. Aisha e sua família tinham saído da Síria, e estavam em Londres à alguns anos. Ela era sem duvidas uma das mais talentosas daquele grupo de garotas.

 “Acho que alguém estragou minha surpresa.” S/N disse sorrindo e fazendo todas as garotas rirem. “A algum tempo vocês me pedem para apresentar alguma coisa para vocês, e eu acho que todas já podem aprender alguma coreografia, até agora ensinei só o básico, mas hoje vou mostrar o meu primeiro solo.” Ela continuou, olhos brilhantes a encaravam ansiosos.

     S/N se levantou e foi até o micro system que ficava no canto daquela sala, a música suave que saiu do aparelho, sempre a fazia lembrar de quando tinha apenas 10 anos e sonhava em ser uma bailarina e viajar pelo mundo se apresentando para as mais variadas pessoas, e saber que agora que ela já tinha realizado seu sonho ela poderia ajudar outras garotas e se realizarem a deixava extremamente feliz.

     Ela se movimentava suavemente na posta de seus pés, perfeitas piruetas no ar, seus braços faziam movimentos graciosos, movimentos que significam mais para ela do que para qualquer um. Suas alunas a olhavam hipnotizadas, qualquer pessoa ficaria impressionada com a leveza e naturalidade dos movimentos de S/N, mas  para aquelas crianças era mais que isso, era a admiração, orgulho e felicidade de ver que seria possível ao menos chegar perto do que S/N representava para o ballet internacional.

     Mas aquele momento de encanto não durou muito tempo, um pouco antes de finalizar uma de suas apresentações mais especiais, S/N que estava com os olhos fechados sentindo toda a energia boa daquele momento, não pode ver a pequena bolça de uma das garotas no chão, ela tropeçou e caiu, as garotas se encaram sem entender nada mas logo foram tentar ajuda-la. No primeiro momento S/N não sentiu nada, foi quando tentou se levantar que uma dor aguda interrompeu sua ação. Ela gemeu e contorceu seu rosto com a dor.

 “Você está machucada? Quer que eu chame o tio Brian?” Nádia perguntou assustada. A mulher apenas assentiu com a cabeça e logo Brian, um dos voluntários, chegou.

 “O que foi? Dói muito?” Ele perguntou rápido vendo S/N sentada no chão, esfregando um de seus pés com as mãos.

 “S-sim.” Ela disse com a voz afetada pela dor.

 “Você consegue se levantar?”

 “Acho que consigo.” Ela disse e Brian a ajudou dando seu braço como apoio.

 “Vou leva-la até um hospital, acho que você pode ter quebrado.” Ele a encarou preocupado.

 “Tudo bem.”

    S/N se despediu brevemente de suas alunas e Brian a levou até seu carro sentando-a no banco do carona; o caminho até o hospital foi o mais longo de sua vida, em toda a sua carreira de bailarina ela nunca tinha se machucado assim. Dores no corpo, e dedos dos pés inchados eram normais pelos ensaios excessivos, mas nunca chegou a ter uma lesão.

    Quando chegaram até o hospital, Brian logo pediu uma cadeira de rodas para facilitar o caminho para a moça, eles foram a recepção e S/N logo foi atendida pelo ortopedista, fez alguns exames, e foi tudo que ela se lembrava quando acordou assustada em um quarto branco d hospital. 

 “S/N S/S?” O médico a chamou, quando abriu a porta. “Vejo que já está melhor, os analgésicos já fizeram efeito?” Ele perguntou.

 “Sim.” Ela disse suavemente.

 “Isso é bom.” Ele a encarou sorrindo. “Estou com seu Raio-X e como eu já desconfiava foi uma torção, nós vamos engessar seu pé esquerdo e em três ou quatro semas você já vai estar bem.”

 “É um alivio ouvir isso, então eu vou poder voltar ao ballet em algumas semanas, não é?” Ela perguntou com medo da resposta, estava muito longe do tempo de se aposentar. Ela pretendia dançar por muitos anos ainda.

 “Oh, claro.” S/N suspirou aliviada. “Em dois ou três meses já vai poder dançar tão bem quanto antes, mas para que se recupere mais rápido eu recomendo muito repouso. Apesar de não ter fraturado nenhum osso, não foi uma torção tão simples. O que mais ajudou foi que você não demorou para procurar atendimento médico.”

 “Tudo bem, vou repousar.” Ela disse sorrindo.

 “Antes de ir tenho que avisar que ligamos para seu contato de emergência, quando tomou um dos analgésicos você apresentou uma alergia a um dos componentes do medicamento, nós tivemos que administrar um outro, que foi o que fez você dormir. Então tivemos que seguir o protocolo do hospital.” O homem de meia idade falou devagar.

 “Oh, vocês falaram com Harry? Não era para isso ter acontecido, ele está viajando e vai se preocupar atoa.”

 “Não posso dizer que seja atoa, você ainda terá que ficar em observação até termos certeza que não vai manifestar mais nenhum indicio da alergia.” O médico olhou para prancheta em suas mãos. “Seu namorado disse que iria vir te ver, disse que hoje mesmo chega aqui.” Ele se despediu de S/N e saiu de seu quarto.

 “Merda.” Ela sussurrou logo que a porta se fechou, recostou sua cabeça no travesseiro e se culpou por ter incomodado seu namorado em um dos momentos mais importantes da vida dele. Harry tinha acabado de lançar um álbum solo, e sua primeira tuor internacional já tinha começado, ela estava extremamente orgulhosa de seu garoto, ele tinha trabalhado muito naquilo e todos os mínimos detalhes estavam perfeitos.

     Depois de alguns minutos de culpa, S/N adormeceu por conta do forte remédio que tinha tomado. O sono pegou-a desprevenida e ela apenas se entregou, estava cansada pelos exames e pelo dia nada comum em sua vida.


     S/N acordou com as caricias de Harry em seu rosto e cabelos, ela abriu os olhos devagarinho para ver ele melhor, ela ainda se sentia culpada por ele ter vindo, mas não podia negar que era ótimo vê-lo mais cedo. Ela sorriu delicada e levou sua mão até a dele que estava em seu rosto, agarrando-a e a levando até a boca para deixar um beijinho ali.

 “Oi.” Ele disse e apertou a mão dela mais forte.

 “Você não deveria estar aqui.” Ela disse baixinho olhando para suas mãos entrelaçadas.

 “Eu não poderia te deixar sozinha e machucada.” Um suspiro escapou da boca de Harry.

 “Mas amor… e a tuor?” Ela perguntou encarando suas íris verdes.

 “Não se preocupe, eu estava na Irlanda e o voo até aqui é bem curto.” Ele explicou. “Conversei com o seu médico e ele disse que você vai precisa de pelo menos um mês de repouso absoluto para você voltar mais rápido ao ballet.” Ela assentiu com a cabeça. “Eu já pedi para cancelarem alguns shows para ficar com você durante esse tempo.”

 “Harreh.” S/N choraminga. “Você não pode fazer isso, é apenas uma torção.”

 “S/N não há nada que você possa fazer, já está feito.” Ele disse sério e um pouco rude. “Eu não conseguiria fazer bons shows com você lesionada em casa, eu fiquei tão preocupado com você baby.”

 “Harry…”

  “Amor, só deixa eu cuidar de você.” Ele implorou, S/N sempre foi um pessoa muito delicada e desde que eles começaram a namorar, Harry começou a ter atitudes super protetoras quando se tratava dela. Cancelar um mês de shows para cuidar dela não era surpresa nenhuma para moça.

     Ela se sentia péssima por gostar da ideia de ter Harry um mês inteiro cuidando dela. Atitudes como essa é o que faz ela se apaixonar por ele cada dia mais, sua forma de cuida-la fazia com que ela se sentisse amada e protegida. Ela só queria receber os cuidados dele.

 “Só se você deitar comigo.” S/N sussurrou dando espaço na cama para ele, Harry riu e tirou seus sapatos para se deitar ao seu lado; mergulhou seu rosto no pescoço da garota para sentir o perfume que ele tanto sentia falta, ele deixou vários beijos ali, o que fez S/N rir um pouquinho.

 “Eu senti tanto a sua falta nesses meses fora, fiquei tão preocupado quando me ligaram dizendo da sua crise alérgica.” Ele disse enquanto sua grande mão fazia carinhos no cabelo dela. “Por que você tem que ter alergia a tantas coisas?” Ele brincou tirando uma gargalhada gostosa da garota, seu coração esquentando com o seu som favorito no mundo todo.

 “Estou bem, amor.”

 “Eu sou tão grato por isso.” Ele disse erguendo sua cabeça para beijar seus lábios. “Eu te amo.”

 “Eu também.” Ela disse e beijou sua bochecha.

 “Agora durma, você precisa.” Ele deitou outra vez e S/N se aconchegou em seu peito depois de deixar um beijo ali.

 “Seu coração está acelerado.” Ela disse.

 “Você deixa ele assim.” Ele disse rindo. Não demorou para ela dormir mais uma vez, Harry adormeceu logo em seguida.

     Pelo menos aquela torção matou a saudade que eles sentiam um do outro.

Pedido: Faz um beeeem fofo e detalhado do casamento da s/n com o Zayn. Mostra as dificuldades que eles enfrentaram pra chegar ate la e tlas - Anônimo

Obrigada por ter feito o pedido.❤

***

Imagine Zayn Malik:

O amor é uma coisa realmente incrível. Zayn chegou na minha vida sorrateiramente, nos conhecemos durante o verão, ele chegou na hora em que eu mais precisava dele e mais precisava de alguém para me fazer bem. Era um momento difícil, minha família estava desabando, meus pais estavam se separando e brigavam à todo instante, até que meu pai bateu em minha mãe, ele foi detido e eu e minha mãe nos mudamos, era adolescente ainda, jovem demais para tudo aquilo. Mas Zayn apareceu, meu vizinho, começamos apenas com uma conversa sobre cachorros, ele sorria de um jeito fofo e me fazia rir só por isso.
Depois descobrimos que éramos da mesma escola e da mesma sala, eu tinha muito medo de não conseguir me enturmar na escola e acabar sozinha a todo momento, mas Zayn ficou comigo virando meu amigo e me ajudando.

Quando Zayn me pediu em namoro, ele fez questão de preparar um jantar e se vestir com o terno que também usaria na formatura -para cortar custos- e pediu permissão a minha mãe para poder me namorar e só então ele preparou outro encontro, só com nós dois e me pediu em namoro com direito a anel de compromisso.

| Flashback |

-Meus Deus! Zayn, esse lugar é incrível.
Comentei impressionada com o enorme salão do restaurante.

-Queria que fosse especial. Muito especial.
Sorriu segurando em minha mão, entrelacei nossos dedos e nós caminhamos até nossa mesa.

É um lugar grande e bonito, é um tipo de restaurante vintage mas chique, as mulheres todas vestidas com vestidos longos, alguns simples e outros de pedraria ou renda. Já os homens todos de terno, de várias cores e modelos com gravatas elegantes e sapatos caros. Todos bem arrumados.

-Deve ter sido caro e difícil conseguir reservar uma mesa aqui.
Sussurrei para Zayn e o mesmo beijou minha testa.

-Confesso que foi um pouco, mas não se preocupe com isso. Eu dei meu jeito.
Piscou um olho sorrindo.

Pegamos o cardápio e eu tentei escolher o prato mais barato dali, sabia que Zayn tinha feito algo para conseguir pagar a reserva, mas ainda assim não poderia esbanjar demais.

-Está gostando?
Zayn sorriu pegando minha mão por cima da mesa. Sorri também e beijei seus lábios, deixando-os manchados de batom.

-Eu estou adorando, você é incrível!

(…)

Ao fim do jantar, eu sabia bem o que estaria por vir, o motivo pelo qual viemos aqui.
Zayn pediu ao garçom que trouxesse a sobremesa e deu uma piscada suspeita ao mesmo.
Logo o garçom trouxe e junto dos pratos veio também a pequena caixinha de veludo. Zayn agradeceu e pegou a caixa logo olhando fundo nos meus olhos.

-Eu não sou muito bom com palavras e você sabe disso então…da forma mais sincera e romântica possível eu te pergunto, aceita ser minha namorada?
Sorriu da forma mais fofa que eu já vi na minha vida.

-Aceito!
Ataquei seus lábios e Zayn tentou as cegas encaixar o anel em meu dedo.

O resto da noite se resumiu em nós dois dançando e o meu coração batendo tão rápido que parecia que iria sair pela minha boca. Nunca estive tão feliz em minha vida.

| Flashback off |

Depois de começarmos a namorar, eu e Zayn estávamos vivendo o melhor momento de nossas vidas, como se o universo estivesse finalmente conspirando a nosso favor. Até que a notícia de que meu pai havia saído da prisão por ter pagado a fiança veio a tona, e ele queria me ver.
Eu não queria o ver, não queria mesmo. Mas minha mãe disse para o dar uma segunda chance, só porque é meu pai e talvez esteja realmente arrependido.
Mas tudo desandou. Eu pedi para que Zayn fosse comigo, afinal, apesar de ser meu pai eu ainda tenho medo de o encontrar sozinha, depois do que fez a minha mãe, quem me garante que não faria o mesmo comigo?

Mas meu pai nunca aceitou bem a idéia de eu namorar, nunca havia entrado em um relacionamento antes por conta disso, eu não podia nem sequer ter amigos meninos.
Quando chegamos no local que foi combinado, meu pai já ficou completamente enfurecido por ver Zayn me beijando no carro, isso porque ele ainda nem sabia que era meu namorado. E acabou batendo em Zayn o deixando com um olho roxo e alguns lugares muito doloridos por conta dos socos. Mas eu consegui fazer com que ele parasse, chamei uma ambulância e a polícia. Fui junto para o hospital com Zayn e meu pai voltou para a cadeia. Onde não deveria ter saído.

Depois de alguns meses de namoro, Zayn havia me levado para ver sua família, eu já os conhecia por sermos vizinhos mas foi a primeira vez que os vi como a namorada do filho deles. E eles são um amor, seus pais e suas irmãs são as melhores pessoas do mundo.

Passamos dois anos juntos daquele jeito. Zayn sempre indo na minha casa ou eu na dele, marcavamos de sair, passávamos um bom tempo juntos. Mas eu acabei recebendo uma oportunidade de emprego em Los Angeles na Califórnia, e era muito bom pois eu ganharia bem por algo que gosto e que me faria feliz.
Zayn e eu decidimos nos mudar, juntos, morar sozinhos. Foi difícil no começo, muitas coisas para comprar, mas aos poucos fomos conseguindo.

Zayn sempre escreveu algumas músicas e gostou muito de cantar, ele já me mostrou algumas que havia composto e principalmente uma que escreveu para mim. E eu nunca imaginaria que ele conseguiria realizar esse sonho mas, quando nos mudamos para Los Angeles, uma gravadora escutou uma das músicas que ele havia escrito e o chamou para assinarem um contrato juntos. E nós ficamos muito felizes.

Então, quatro anos foram se passando desde que começamos a namorar, Zayn só crescia cada vez mais na indústria da música, enquanto eu trabalhava como fotógrafa. Estávamos juntos e felizes. Mas a fama sempre gosta de estragar as coisas, Zayn havia feito uma amiga, Gigi, os dois eram apenas amigos mas os jornais e sites de fofoca haviam me convencido de que eles estavam tendo um “relacionamento quente”, só porque ela é modelo. Mas na época isso havia causado uma grande briga entre eu e Zayn, ele estava no começo de sua carreira e eu não sabia o tanto de mentiras e confusões estavam por trás da vida dos artistas. Mas no final eu descobri que aquilo era só para ganhar mais fama para ambos, e eu só o perdoei depois de muito tempo quando pensei que talvez não tivesse sido culpa dele mesmo. E não tinha.

Depois que voltamos Zayn redobrou o carinho que tinha comigo, ele deve ter ficado inseguro de me perder por causa das bobagens da mídia, mas eu nunca faria isso.

Até que um dia ele me pediu em noivado, em nossa viagem a Portugal, ele sabia o quanto eu queria conhecer aquele lugar e achou que seria legal eu ter dois motivos para amar lá.

E hoje estamos nos casando, depois das dificuldades mas também as conquistas.

-Você aceita S/n/c como sua legítima esposa?

-Aceito.

-Você aceita Zayn Javadd Malik como seu legítimo esposo?

-Aceito.

-Então eu os declaro, marido e mulher. Pode beijar a noiva.
E Zayn me beijou, ao som da banda que tocava sua música e as pessoas que aplaudiam e gritavam.

Assim que saímos da igreja onde ocorreu o matrimônio, vários fotógrafos e paparazzis nos esperavam do lado de fora, algumas repórteres e pessoas tentando nos perguntar coisas ou tirar fotos. Mas eu e Zayn passamos reto indo para a limousine.

-Eu te amo.
Zayn me beijou novamente.

-Eu também te amo.
Sorri assim que separamos nossos lábios.

***

Espero que tenha gostado.😘

Se possível, volte na ask e diga o que achou, é importante para mim e isso me incentiva a continuar.😊❤

Secretary 2° Temporada  - Parte 20

Parte 1 - Parte 2 - Parte 3 - Parte 4 - Parte 5 - Parte 6 - Parte 7 -Parte 8 -Parte 9 - Parte 10 - Parte 11 - Parte 12 - Parte 13 - Parte 14 - Parte 15 - Parte 16 - Parte 17 - Parte 18 - Parte 19

***

Até que ponto você poderia amar alguém? Todas as brigas bobas, todos os pedidos não atendidos, todos os abraços ou beijos não dados, todos os eu te amo’s guardado e não falados. Quando se tem alguém ao seu lado, você esquece de tudo isso e a ultima coisa que você poderia imaginar é que no outro dia esse alguém, não estaria lá. 

Harry pensava nisso toda noite desde o pior dia de sua vida, ter alguém e simplesmente não ter mais. Isso lhe atormentava com frequência e ele já não dormia direito, a culpa resolveu abraçar sua consciência mesmo que no fundo ele soubesse que tinha.

Três dias depois do acontecimento, S/N ainda se encontrava desacordada, segundo os médicos que após a transfusão, fizeram nela um exame mais detalhado, suspeitaram que ela teria batido a nuca em algum lugar pois foi declarado em um do exames traumatismo craniano. E isso lhe deixa em um estado grave e em coma. A policia ainda em está em fase de investigação mas para eles não há duvidas de quem teria feito ou mandado fazer. Ainda não foi divulgado a lista de suspeitos e isso deixava Harry ainda mais louco.

A notícia se espalhou pela cidade inteira, Niall não acreditava no que via nos jornais e Susan ficou ainda mais chocada. Ambos ficaram preocupado pois desde então Harry tinha desaparecido e não tinha divulgado o hospital onde seu amor estava internada. Porém Niall, com o pouco de experiencia que tinha em investigação resolveu procurar o lugar que (S/N) estava e com muito sucesso, mas antes ele passaria na casa de Harry, assuntos tinham que ser resolvidos.

- Que diabos faz aqui? - Harry cuspiu as palavras quase não acreditando que o cara que ele mais odiava no momento estava em sua sala, sem sua permissão.

- Precisamos conversar, irmão. Está tudo bem? - Niall não queria se exaltar, ele sabia o quanto Harry estava mal.

- Irmão? Vai se fuder, Niall e bem longe daqui. - Harry caminhou até o mini bar que tinha em um canto da sala e de lá ele conseguiu um copo generoso de Whisky. Isso lhe acalmaria.

- Estou querendo te ajudar, olha seu estado…- Enquanto Harry revirava o olhos, Niall reparou que seu ex-amigo não estava tão vaidoso como sempre, na verdade estava acabado. Visivelmente detonado.

- Sua ajuda? Está brincando comigo? - Harry sorriu sarcasticamente e tomou um belo gole de sua bebida antes de acabar com seu velho amigo. - Sabe, durante esse três terríveis dias eu estive pensando em todas as possibilidades de ter evitado o que aconteceu mas a unica que mexe comigo, é que se você não tivesse contado á ela que eu tinha me encontrado com Susan, isso não teria acontecido. Então Niall, eu nunca vou perdoar você. Suma daqui. - Harry falou calmamente mas seu tom era firme e empoderador.

- Não me culpe por isso Harry, você quem causou toda essa merda. Você e Susan - Niall sentiu o sangue ferver e decidiu não ficar quieto - Você nunca valorizou ela, Harry. Você é o culpado, está entendendo? Você! - Harry segurava o copo com tanta força que teve que se controlar para não joga-lo, Niall saiu dali rapidamente para não piorar a situação.

- Desgraçado!- Segundos depois o copo que estava em sua mão estava despedaçado no chão. - É guerra, Niall! 

***

- Oi. - Harry olhou em direção a voz e se assustou com o que viu. Esfregou os olhos algumas vezes mas a imagem a sua frente continuava lá. - O que foi? Não vai me dizer que andou bebendo? - Ela o olhou com um olhar de decepção - O que eu faço com você Sr Styles?- Harry ainda estava imóvel - Olhe só para você, parece que não toma banho a dias, e essa olheiras? Você anda dormindo direito? - Ela colocou a mão na cintura e ele só pode pensar que era tão típico dela, como sempre mandona. - Harry? Querido? Você está bem? - (s/n) estalava os dedos mas Harry ainda estava hipnotizado, alguns minutos depois ela conseguiu ver uma unica lagrima saindo de seus olhos. - Oh querido, eu amo você…- Antes que ela pudesse o abraçar, Harry desperta de seus sonhos com barulhos das maquinas que estava ligado em (S/N), elas apitavam com frequência e muito alto, ele pode ver que o peito dela estava subia e descia muito rápido, sua respiração estava ofegante. Assim que ele se levantou para pedir ajudar, algumas enfermeiras entraram no quarto e em questões de segundo já estavam lhe aplicado remédios.

- O que está acontecendo? - Harry falava ainda sonolento mais muito preocupado.

- Acalme-se, não é nada alarmante. Ela deve está sonhado ou algo do tipo e isso faz com que seus batimentos tomem ritmos mais rápidos. Por um lado isso é bom, seu subconsciente deve está trabalhando bem agora, estamos lhe dando um calmante na veia, logo os batimentos vão estabilizar.  

- Sonhando, huh? - Harry sorriu e segurou a mão do seu amor, nela se encontrava em brilhante anel. Assim que as enfermeiras saíram, Harry puxou a cadeira para mais perto da cama - Também estava sonhando, foi um sonho legal. Na verdade foi o melhor sonho que eu já tive com você. - Harry suspirou - Também amo você. - Depositou um beijo na testa de sua mulher.

***

Alguns dias se passaram, Susan se encontrava inquieta em seu apartamento. Ela guardava um segredo que se fosse revelado, sua vida estaria correndo grande perigo.

- Que se dane. - Ela se entregou e deixou a consciência falar mais alto. Assim saindo de casa rapidamente.

Harry caminhava até a maquina de café que havia no hospital, ele ia ali pelo menos umas 5 vezes por dia, era a unica coisa que o sustentava naquele momento. Mas antes de chegar a maquina, escutou uma voz conhecida vindo da recepção.

- Susan? - A moça virou o corpo indo ao encontro do chefe.

- Harry, que bom que te achei. Precisamos conversar…

- Não, não precisamos. Sai daqui, se você tem um minimo de respeito pela (S/n), sai daqui. 

- Não! Espere - ela segurou seu braço impedindo de dar as costas para ela. - Eu sei quem atirou nela…

#CONTINUA

Você é um daqueles mapas cheios de rotas, detalhado do começo ao fim, e tão difícil de se decifrar. Cada parte de você, é um pedaço de mim, você me da tudo que tem, que eu lhe darei tudo que tenho. Não era um casal perfeito, mais nós ajustamos com nossas imperfeições. Poderia citar aqui mil é uma frases românticas, escreve um livro dizendo tudo sobre nós, ou até mesmo lhe fazer centenas de serenatas ao longe do tempo, mais o que eu realmente posso te dar é algo simples, algo meu. O coração, por exemplo. Queria lhe dizer tanta coisa, mais ao mesmo tempo não tenho a fala. Acho que hoje eu não seja mas uma das coisas tão importantes na sua vida, e cada dia, hora, minuto, segundo que passa eu vou perdendo um pouco você. Eu queria tanto que isso desse certo, pelo menos dessa vez sabe? Não consigo desistir de você, de nós. Algo em você vive me puxando, querendo mais e mais. Você é a minha parte favorita. E quando você estiver pronta, eu estarei aqui por você. Pois eu e você, sabemos que nós pertencemos, mesmo negando, mesmo fingindo que não queremos.
—  Gabriella.
Curiosidades - Kim Seokjin

[Este post será constantemente atualizado]

1. Jin telefona para sua mãe todos os dias, todos os dias MESMO. Quando não é possível por algum motivo, ele manda mensagem.

2. A mãe de Jin escreve cartas para ele e envia para a BH, ela diz que assim ele pode guardar para sempre. Jin sempre chora com as cartas.

3. Na casa de seus pais, tem tanto Mario que ganhou, que sua mãe pediu que ele dissesse que não gosta mais, porque já não tem onde guardar.

4. Jungkook é o membro que Jin sente uma ligação mais forte, é o irmão mais novo que nunca teve e faria qualquer coisa para proteger ele.

5. Ainda sobre Jungkoook, ele é o membro com quem Jin conversa sobre animes e bonecos de ação. Jin se sente muito a vontade com o maknae.

6. Jin e Yoongi são os intermediadores do grupo, todas as vezes que uma brincadeira começa a passar dos limites, são eles quem intervem.

7. Por serem mais velhos, mais calmos e resolverem os conflitos, os membros dizem que Jin é como a mãe e Yoongi é como o avô/pai do BTS.

8. Todas as vezes que Jin está triste, Jimin é o membro que faz com que ele se sinta melhor quase que instantaneamente.

9. Jin sempre tem que ficar lembrando o Namjoon sobre seus pertences, porque ele é distraído e vive perdendo suas coisas.

10. Jin não gosta muito de chocolate em barra, prefere chocolate de outras maneiras,  como, por exemplo, achocolatados, coberturas e etc.  

11. Quando estão em hotel, Jin evita dividir o quarto com o Taehyung, porque ele prega peças no Jin a noite toda não o deixando dormir.

12. Jimin já levou Jin para andar de skate ao longo do Rio Han, Jin disse que se sentiu um adolescente e é uma de suas melhores lembranças.

13. Depois de quase 3 anos de BTS, Jin foi convidado pra um evento sem os outros. Foi na estreia do filme Pure Love em fevereiro de 2016. Jin ficou muito nervoso por estar indo sozinho, mas se sentiu honrado com o convite feito pelo Kyungsoo (integrante do EXO que fez o filme). Jin revelou que chorou muito assistindo e elogiou muito o Kyungsoo.

14. A meta de Jin para 2016 é que mais pessoas gostem dele, então, prometeu que vai treinar como nunca para levar alegria para as pessoas.

15. A primeira música do BTS que Jin ajudou a compor a letra foi a faixa “OUTRO: Propose”, presente no álbum Skool Luv Affair.

16. Jin é conhecido por cuidar de todo mundo no BTS, mas o membro que mais cuida dele é o Taehyung, principalmente, fazendo massagens.

17. Toda vez que Jin cozinha para os meninos, ele gosta de ouvir a opinião do Yoongi, porque ele faz comentários bem detalhados.

18. Sempre quando Jin cozinha, Jungkook e Jimin são seus ajudantes. Eles tem o hábito de ir fazer compras no supermercado juntos.

19. Jin e J-Hope já dividiram a mesma cama diversas vezes.

20. No começo do BTS, Yoongi não se alimentava direito, chegando a pular refeições, por isso, Jin começou a cuidar da alimentação dele.

Keep reading

anonymous asked:

Oi Dezza, tudo bem? Eu queria saber se você pode me dar algumas dicas de como organizar um "caderninho de ideias" e de como fugir do bloqueio criativo? Eu realmente amo escrever, mas estou com um bloqueio há uns 3 anos e tudo que escrevo parece péssimo. Agradeço desde já <3

Você me fez abrir meu caderno de anotações de Enigma agora e me bateu uma nostalgia daquelas. :’(

Cada folha do caderno, eu anotava um tópico diferente. O primeiro era um resumo muito mal feito da obra, que no final mudei várias coisas. 

O segundo era um tópico de ideias, o “banco de ideias”, cada linha da página eu acrescentava uma, aquelas bem aleatórias mesmo que surgem do nada e você não sabe ainda onde enfiar? Pois bem. Podia ser também anotações de coisas que deixei soltas na história e ainda não respondi, como por exemplo, “Por que fulano não era uma boa pessoa?” ou “Armar uma vingança contra beltrano”. Elas eram incríveis quando me batia o bloqueio; eu dava uma lidinha para ver qual serviria no capítulo atual, às vezes escolhia duas ou três, e depois riscava quando usava. Era uma página que eu atualizava constantemente, inclusive tive que criar outra dessa, porque a primeira acabou.

A terceira página era dedicado ao planejamento dos capítulos. Toda vez que eu finalizava um capítulo, voltava a essa página e planejava o próximo. Anotava as ideias em tópicos também, nada muito detalhado, e por vezes retirava as ideias do “banco de ideias” da página anterior, e de algumas outras que irei explicar mais pra frente.

A quarta página era para cenas futuras. A diferença dessa para o “banco de ideias”, é que no “banco de ideias” era a ideia solta. Já na página de cenas futuras eram relapsos de cenas totalmente prontas, diálogos que surgem na nossa mente, uma descrição de lugar ou pensamento… Algo mais elaborado que apenas um “Por que fulano não é uma boa pessoa?”. No caso, nessa página teria a cena exata que mostraria a maldade de fulano. Como na página dois, eu riscava depois de utilizar as cenas, era uma página que eu sempre atualizava e tive que criar outra, porque a primeira terminou.

A quinta página era o calendário cronológico da história. Eu pegava um resuminho das cenas e enfiava nos dias da semana que eu achava que elas tinham acontecido. Era mais para eu não me perder, lembrar do aniversário de alguém ou acompanhar quando algum dia especial estava próximo. Ajuda para bloqueios também, pois escrever um acontecimento para um dia de semana é bem diferente para um fim de semana, quando o personagem provavelmente estará com todo tempo livre para se meter em confusão.

A sexta página era sobre hipóteses para a resposta do mistério principal do livro. Como Enigma era um suspense e meu trabalho era basicamente fazer com que os leitores não descobrissem fácil o que tinha acontecido no acidente dos Schneider, eu tive que levantar várias pistas falsas para levá-los a lugares bem distantes da verdade. Basicamente, essa página me ajudava a não me perder nas minhas mentiras e mantê-las as mais verossímeis possíveis.

A sétima página era sobre os outros mistérios que eu precisava explicar. Essa página basicamente era onde eu anotava os furos da história, coisas que deixei no ar e não foram reveladas, os buracos mesmo.

Como criei alguns spin-offs e contos ao longo da história, havia páginas de planejamento deles, mas coisa básica mesmo. Depois disso, criei um monte de anotações aleatórias, e quando terminei o livro, criei o tópico “relatório da história”. Nele, eu lia capítulo por capítulo, e anotava as coisas que precisava mexer, mudar ou acrescentar. Era a etapa da revisão. Cada página um capítulo.

Criei algumas páginas também para fazer um resuminho dos personagens, quem eles eram, porque eram daquela forma, de onde vieram e para onde vão… Era minha ficha de personagens, no caso. Descobri que criei um tópico só para escrever sobre signos, a louca do zodíaco aqui, hahaha. Me ajudava a montar a personalidade dos personagens.

E fim. :D Pensando bem, eu não sou tão jardineira assim, tenho um pé em arquitetura, hahaha. Mas é que eu amava o livro, então eu passava muito tempo com esse caderno na mão, anotando tudo que eu pensava o tempo inteiro. Quando estava na rua e me vinha um insight de algo, eu anotava em um pedaço de papel ou no bloco de notas do celular e passava a limpo no caderno quando chegava em casa.

Bem, isso basicamente foi o que funcionou na época para mim. Espero que tenha lhe inspirado para que você possa criar o seu. :)))

Fotos das páginas do meu caderno de planejamento: I, II e III.

Minha primeira Art Raffle de 113 seguidores YAAAAASSS!!! >:3

Para poder participar, seja um seguidor, curta e reblogue este post.

Vão ter três ganhadores, cada um deles pode pedir um personagem corpo pela metade colorido detalhado e fundo fodão

Ou

Dois personagens pela metade coloridos detalhados e fundo simples.

Boa sorte a todos e muito obrigada!! >//u//

5 Mitos Feministas.

1- “Voto feminino no Brasil” 
A todo momento as feministas jogam na cara de todas as mulheres o fato do movimento ter conseguido todos os direitos que temos hoje, por isso, temos que nos curvar ao movimento, sendo que isso é uma completa falácia. O que mais se comenta, é sobre o Feminismo ter possibilitado o acesso das mulheres ao voto, mas você ao menos sabe o nome da mulher responsável por isso? Ou melhor, sabia que grande parte desse mérito, foi dado por um HOMEM?
Sim, o voto feminino no Brasil, teve grande colaboração de um homem, os mesmos que são considerados “opressores”. Simone Guimarães lutou pelo direito das mulheres ao voto com a ajuda de seu marido, que era advogado, e disse que sem a ajuda do mesmo, isso nunca seria possível. Simone não era Feminista, e seu mérito não deve ser atribuído ao movimento. Por mais que já tenha ouvido milhões de mimimi, falando que “Só por ela ter esse pensando de igualdade, isso já foi uma atitude Feminista”, a única coisa que eu consigo pensar, é como o movimento é oportunista.

2- “Diferença Salarial”
Não, mulheres não recebem menos. Isso mesmo que você leu, mulheres NÃO recebem menos. O que você vê, são resultados feitos de formas tendenciosas, onde o que é levado em conta, é apenas o salário em si, e não o cargo, número de horas trabalhadas, ocupação etc. Isso tudo feito, para que você acredite que mulheres recebem menos.
Se fossemos levar isso em consideração, ninguém mais contrataria homens para trabalhar, apenas mulheres, já que você pode pagar menos para que a pessoa realize o mesmo trabalho. Está previsto na CLT, o direito à salários iguais, ou seja, se uma empresa faz isso, é MULTA.
Além de quem, a maioria das CLTs beneficiam as mulheres, nunca ao contrário. 

O que explica essa “diferença salarial”, é o fato das mulheres escolherem cargos menos rentáveis, como pedagoga, psicóloga, professora etc. Não por falta de incentivo à cargos mais altos, mas pelo fato de estar na natureza feminina, a se atraírem por profissões que tenham ligações com educação, cuidado e disciplina. (Isso não é uma regra, e não estou dizendo que as mulheres tenham que escolher cargos assim, somos livres para nos dedicarmos àquilo do que nós gostamos, mas a grande maioria das mulheres optam por trabalhar com coisas que tenha essa ligação, e não há nada de errado com isso.)

3- “Aborto é Direito”
Partindo do pressuposto, de que aborto é o direito de tirar o direito de alguém, aborto em caso da criança ser uma mulher, é privar as mulheres de seu principal direito, a vida.
Aborto, em circunstância alguma é um direito, tanto para a mulher, como para o filho. Não vou negar que deve ser uma situação de desespero, você se ver grávida, sem amparo, sem dinheiro, sem nada. E é justamente por isso, que o aborto nunca deve ser um direito. Onde está o direito, quando as mulheres que resolvem abortar, estão em situação de desespero, estão sem saída, sem opções? O direito não é aquilo que se faz, por não ter outro caminho, o direito é aquilo que se dá, para que a pessoa saia dessa situação desesperadora, e consiga lidar com aquilo da melhor forma possível.
Quando se pensa em direito das mulheres, temos que pensar em dignidade, oportunidades, salvação… Dar o direito para a mulher ter seu útero perfurado e matar seu próprio filho, além de perverso, não é pensar na saúde e no bem estar da mulher. Pensar no bem estar da mulher, é pensar em cuidado, investir em ONGs pró-vidas, que deem todos os cuidados necessários para que essa mulher tenha amparo, tenha uma condição digna tanto para ela, como para seu filho. É pensar em acompanhamento psicológico, médico e estrutural, para que ela não fique à deriva de pessoas, que as instrua à “acabar com seus problemas” matando seu filho.
Além de que, todos os dados feitos sobre mortes de mulheres em realização de aborto, são falsos, e senão falsos, adulterados (clique aqui para ler o texto que fiz mais detalhado sobre o assunto).

4- “Mulheres Ocidentais Oprimidas”
Essa todo mundo já ouviu muito, mas isso é uma completa mentira. Nós, mulheres ocidentais somos as mulheres mais livres em toda a história. Temos direito ao voto, direito de exercer a profissão que quisermos, liberdade sexual, leis que nos protegem, etc, etc, etc.
O que grande parte dos grupos Feministas não param pra pensar, são nas mulheres Islâmicas, que sofrem com uma verdadeira opressão, que tem seus direitos privados, são injuriadas… Ninguém pensa nessas mulheres, e no quando elas sofrem.
Aqui no ocidente, quando uma mulher é estuprada, a primeira reação da população, é linchar o estuprador, agredi-lo, tortura-lo, porque a nossa sociedade NÃO tolera esse tipo de crime, nem bandidos da pior espécie toleram isso.
Mulheres têm CLTs específicas que nos beneficiam, nos aposentamos anos mais cedo, é facultativo para nós, o alistamento militar, cota para mulher ingressar na política… Dentre outros benefícios, que mulheres do oriente, nem chegam perto de ter.
Mas o movimento feminista, se preocupa mesmo com a “liberdade” de andar sem sutiã na rua, e outras coisas, que são extremamente fúteis, comparada com o direito que nós MULHERES (e não o movimento feminista) conquistamos. Claro que houve tempos em que a mulher tinha seus direitos restritos, mas isso é só mais uma prova, de que não precisamos de movimento feminista algum, para lutarmos pelo o que é nosso.

5- “Simone de Beauvoir é Ídolo”
Pode ser um ídolo para o feminismo, mas por que? O que ela fez? A maioria das feministas não fazem a menor ideia de quem foi Simone de Beauvoir, mas insistem em colocá-la como uma pessoa importante que merece tal reconhecimento.
Simone foi uma escritora, que reforça toda essa ideia de “ideologia de gênero” em suas obras, onde acreditam que você não nasce mulher, torna-se, também foi uma ativista política que gritou em nome do feminismo.
Mas além de todo esse discursinho Feminista dela, as pessoas se esquecem de pontos que ninguém sequer comenta. Simone de Beauvoir era porta-voz de uma rádio nazista, sim, nazista. Além disso, ela enquanto lecionada, foi afastada do cargo por corrupção de menores, em outras palavras, pedofilia. E eu me pergunto, como alguém com toda essa carga negativa, pode ser considerado ídolo para alguém? Talvez por falta de informação, alteração de fatos e falácias, algo que é típico do Feminismo e qualquer outro movimento de esquerda.


BÔNUS- “O movimento Feminista é Apartidário”
Em primeiro lugar, o movimento nem se quer luta pelas mulheres, luta apenas pelas mulheres de esquerda. O movimento está inteiramente associado à derrubada do sistema capitalista, seria uma impossibilidade existir uma feminista de direita, visto até mesmo, pela intolerância ao conservadorismo que elas mesma propagam. Existem vertentes marxistas dentro do movimento, e uma das principais pautas, é a destruição das bases sociais vigentes, como a família, a religião e o famigerado Patriarcado (o que são pautas completamente de Esquerda), o Feminismo já chegou aqui no Brasil por partidos da esquerda, então nem na “raiz” do feminismo aqui em nosso país, foi em algum momento apartidário.

Esse seu olhar penetrante.
Esse seu sorriso bobo e encantador.
Esses seus lábios tão macios.
Esse seu cabelo bagunçado.
Essa sua voz marcante e intensa.
Essa sua pele incrivelmente morena.
Esses seus abraços aconchegantes.
Essas suas mãos delicadas.
Esse seu corpo bem detalhado e definido.
Detalhes esses que fizeram de você o meu lar, o meu abrigo, o meu pouso seguro, a minha segurança, e o mais importante, fizeram de você, o meu amor.
—  Oliver Gurfinkel.
Escrevendo um personagem engraçado!

Olá pessoal, depois de muito tempo eu (Lua) estou de volta! 
Respondendo a pergunta do nosso anony… Não é difícil descrever um personagem engraçado, mas também não diria que é fácil shauh

Primeiro passo: Escolha o nome do seu personagem!
Só por que você vai criar um personagem engraçado, não significa que ele precisa de um nome engraçado, certo? 
Exemplo: Imagine que você está lendo um romance e se depara com um personagem chamado “Jucielton” ou “Viscleide”. Sua história perde todo o sentido de romantismo!
Então escolha um bom nome!

Segundo passo: Reações engraçadas do seu personagem!
Vejamos, o que ele irá fazer para ser o personagem mais engraçado de sua história? Geralmente, esses personagens tem sempre falas engraçadas em momentos inesperados que fazem a maioria rir. Entenda que, nem todos irão rir. 
Exemplo: Stilinski: Eu deveria cortar o cabelo.
Stiles: Na sua idade, você deveria estar feliz por ainda ter cabelo.

Exemplo 2:
Scott: Talvez seja o meu sangue na porta.
Stiles: Pode ser de algum animal. Talvez pegou um coelho ou algo assim.
Scott: E fiz o que?
Stiles: Comeu.
Scott: Cru?
Stiles: Não, parou pra assar no seu forninho de lobisomem. 
Forçar algo engraçado é extremamente ruim. A chance de ser engraçado é quase zero. Tente ser o mais natural possível. 

Terceiro passo: Personagens engraçados também tem problemas!
Não o faça ser um palhaço 24h, com certeza esse personagem tem problemas e geralmente usa a comédia para disfarçar alguma situação ruim. Coloque isso em pratica! Saiba que isso pode transformar sua história em algo ainda mais interessante (não que ela não seja), mas o que eu digo é, que muitos irão se identificar com o personagem. Não precisa um “problemão”, mas algo comum do dia-a-dia. Um atrito de família, um relacionamento ruim e etc…

Quarto passo: Se inspire em alguém!
É o truque mais simples. Como podemos ver, no segundo passo eu usei o “Stiles” como exemplo, pois ele é uma grande inspiração para quem quer um personagem realmente engraçado e que abusa de qualquer situação. Claro que você pode escolher até uma pessoa próxima para se inspirar. Estude essa pessoa ou personagem e coloque tudo em prática!

É isso pessoal, eu farei um novo post sobre esse mesmo tema, um pouco mais detalhado, com algumas dicas diferentes.
Espero que seja útil! 
Lua ♥