design brasileiro

CASA BRASIL 2011

Mês de agosto desse ano, em Bento Gonçalves, no Sul do país, aconteceu um dos maiores eventos de design e negócios do País: a Casa Brasil, mostra que acontece a cada dois anos com a proposta de se tornar referência para o mercado específico.

Com duração de cinco dias, o evento surpreendeu visitantes e expositores, apresentando  produtos contemporâneos de alto padrão.

Foi tudo muito bem planejado desde o começo! Bancos costumizados foram espalhados pelas calçadas para ajudar na divulgação, projeto que recebeu o nome de “Banco de Idéias”.  Desenvolvido pela Casa Brasil, participaram arquitetos, designers e artistas plásticos de todo o país como: Heloísa Crocco, Leonardo Lattavo, Bernardo Senna, entre outros.

Além disso, durante a mostra também foram lançados produtos criados por importantes

designers como os irmãos Fernando e Humberto Campana, José Marton, Jum Nakao e Carlos Motta.   Rolaram também exibições culturais, exposições de projetos premiados pelo Salão Design Casa Brasil 2011 e seminários com a participação de designers nacionais e internacionais como os cariocas Fred Gelli e Renato Imbroisi.

Não é à toa que, com apenas três edições, a Casa Brasil já está consolidada como principal feira para o lançamento de tendências do ramo mobiliário do país. O mais legal é que, cada vez mais nossos profissionais brasileiros encontram espaço no mercado para demonstrar uma incrível capacidade criativa!

   

Projeto da Abedesign e Apex-Brasil leva empresas líderes do design brasileiro ao Vale do Silício

Projeto da Abedesign e Apex-Brasil leva empresas líderes do design brasileiro ao Vale do Silício

Brasília – A Associação Brasileira de Empresas de Design (Abedesign), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), acaba de definir a programação da missão Innovation Diving Experience, no principal polo criativo dos Estados Unidos: a cidade de São Francisco e o Vale do Silício.

A viagem será realizada entre os dias 30 de maio e 6 de junho,…

View On WordPress

Um final de semana na Terra da Garoa

há 200 mil anos havia comprado uma passagem para ir a são paulo ver o show da manila luzon e acabou que ao checar a programação cultural tinha muita coisa pra ver. então fiz uma maratona que foi bem legal

  1. Túnel do Tempo do Design Gráfico Brasileiro. 

    Exposição baseada no livro do Chico Homem de Melo. Vale a visita para poder ver as peças. Algumas coisas tive a oportunidade de ver no mestrado, mas uma coisa é ver no livro impresso. Outra é ver a revista, livro, capa de disco, etc ao vivo. Também tinha uma oficina de mimeógrafo e aí aproveitei para matar as saudades desse equipamento! :)

  2. Design Dinamarquês 

    Já tinha visto há uns 4 anos uma exposição bem parecida no mesmo local, o Tomie Ohtake, mas algumas peças são tão bonitas, tão incríveis que vale a pena rever. Aproveitei e comprei o catálogo, coisa que não tinha da outra vez.

  3. File SP

    Esse foi o pior ano que fui do FILE. Costumo gostar, mas acho que a curadoria escolheu muita coisa pra agradar público, muita coisa que é legal pro público leigo, mas que acaba sendo meio obvio. Enfim passei meia hora lá e peguei o avião de volta mais cedo. 

Nesse meio tempo fui também no lançamento do livro do Elmo Francfort que é da PRO-TV e que tem um panorama bem interessante de 3 momentos da televisão brasileira e também dei uma passada na loja da LUSH que essa semana começou a vender os produtos online! Comprei uma base e uma manteiga para cutículas. Estou fã dos produtos! 

primeira câmera da tv brasileira que estava em exposição no lançamento do livro. 

Porque a profissão de designer não existe no Brasil

Esta semana, enquanto procurava alguma coisa interessante no site meio&mensagem, me deparei com um artigo que rapidamente me chamara a atenção pelo título “O pior design de embalagem do mundo”.

Nele o autor, Andre Porto Alegre, chama a atenção para o péssimo design de embalagem que encontramos nas terras tupiniquins, haaa, mas ai um monte de indivíduos com “bom senso” foram trucidar o autor nos comentários do post, um até afirmou que o design de embalagem brasileiro é reconhecido e premiado mundialmente - só se for no mundo dele, mas afinal até ai, os pontos de ônibus de São Paulo também ganharam o IF Products Awards, mas a grande questão é saber para que o Guto Indio da Costa projetou aquelas porcarias, se foi realmente para que os paulistas tomassem banho enquanto chove ou para serem torrados pelo calor estonteante da cidade, e é mesmo difícil saber se ele o 'projetor do projeto’ já esperou um ônibus num ponto de ônibus, enfim, assunto para outro post.

Mas teve um comentário em especial que me chamou a atenção, o de uma leitora, que afirmou que o designer muitas vezes não faz um bom serviço porque recebe pouco - bom mais se fosse assim, também os lixeiros, os operadores de telemarketing, os professores e tantos outros…

Porém a enxurrada de comentários dummies não para por ai, muitos outros afirmaram que a culpa era mesmo dos donos das empresas que não reconhecem o ‘valor do design’. 

Toda essa coisa porém, me fez pensar porque a profissão de 'designer’ não é regulamentada no país, certamente por inúmeros fatores, mas também porque grande parte dos designers não conseguem convencer os usuários, os empresários e o povo do valor do design, muitas vezes porque decidem fazer um 'mau design’ sob o pretexto de que ganham pouco, ou por não perguntarem para o usuário o que realmente ele precisa. E a máxima do Andre Porto Alegre é pertinente também:  "Ou os designers fazem design ruim propositalmente ou as escolas de design brasileiras, que não são poucas, são uma porcaria".