des afinado

vimeo

WOUIVRE & CAMPANAS TEMPLARIAS - MUSICA PARA EL ALMA 432MHZ from Regulus TV Foundation on Vimeo.

Covers de canciones famosas y producciones originales, todas en instrumentos afinados de origen en 432mhz y no en 440mhz.

CAMPANAS TEMPLARIAS ES LA RECOPILACION DE 7 ALBUNES DESDE 1997 A 2017 TODO RE MASTERIZADOS A NUEVO POR EL AUTOR, EN HONOR AL AFINADO QUE TENIAN LAS CAMPANAS DE LAS CATEDRALES TEMPLARIAS QUE ERA EN 432MHZ Y 8oz.

Esta frecuencia es la del cuerpo humano y la resonancia del propio planeta Tierra. Una experiencia y conocimiento ancestral que los Templarios inspiraron a cada construcción mística que edificaron como por ejemplo, CHARTRE en Francia como muchas otras catedrales mas.-

CAMPANAS TEMPLARIAS POR
CESAR IMBELLONE 20 AÑOS 432MHZ
NEIL

Eu fumaria, se ela gostasse do cheiro de nicotina e beberia, se ela preferisse álcool a suco Tang. Eu pularia da ponte se ela gostasse de esportes radicais e faria jornalismo, se ela dissesse que achava cronistas encantadores. Eu riria com tudo, se ela dissesse que minha risada lembrava o canto de uma cigarra bem afinado. Eu viajaria da mata ao mar, se ela quisesse conhecer o mundo. Eu roubaria as estrelas do céu, se ela acreditasse em poemas como acredita que a terra é redonda como uma laranja. Eu até beberia leite, mesmo sabendo que sou alérgico a lactose, e comeria queijo de cabra, mesmo não gostado nem de queijo, nem de cabra. Eu calaria as vozes do mundo só para ouvir a voz dela harmonizada com a minha e compraria alto falantes e gravadores para ter em todo lugar suas palavras fazendo carinho nos meus ouvidos acostumados ao som de carros, motos e batidas policiais. Eu sairia da cidade, moraria no campo, teria uma casa com jardim e uma horta com todos os legumes que ela gosta. Eu teria um coelho de estimação e, se ela quisesse, uma tartaruga chamada Caetana. Eu dormiria do lado esquerdo se ela preferisse o direito e leria meus poemas todas as noite até ela pegar no sono. Se ela dormisse, eu dormiria. Se ela acordasse, eu acordaria. Se ela quisesse, eu a amaria. Sim, amaria. Eu não aguento esses verbos conjugados assim. Iria. Seria. Poderia. Porque o amor quer mais fatos e menos argumentos.
—  Theu Souza 
Eles.

Eles se olham.
Se apaixonam.
Se amam.
Não assumem.
Por outros meios.
E meios.

Eles ficam juntos.
Se olham.
Se apaixonam.
Se amam.
Assumem!

Mas isso é como um violão.
Um violão desafinado.
Tocar? Ele toca,
Mas não faz um som perfeito.
Tem sempre erros.
Uma hora, ele terá de ser.. Afinado.

Comecei a compreender que, dentre todas as forças invisíveis a música estava fadada a ser aquela que mais firmemente me enlearia e dominaria. E dali por diante, tive meu próprio mundo, meu refúgio e meu céu, que ninguém poderia tirar de mim nem restringir (…) a cada momento, no entanto, havia uma melodia em meu coração ou nos meus lábios, um compasso e um ritmo no meu respirar e viver. Não se fazia mister que fosse Beethoven ou Bach: o simples fato de a música existir e de poder um ser humano ficar, por vezes, comovido, até o âmago por uns poucos compassos e inundado por harmonias, sempre significou, para mim, um profundo consolo e uma jusificação da vida. Oh música! Uma melodia nos vem à mente, que cantamos sem a voz, por dentro, e impregna o nosso ser, empolgando-lhe todas as forças e emoções - e, durante o momento em que vive em nós, apaga tudo o que em nós é acidental, mau, grosseiro, triste, faz o mundo ecoar do seu som, torna leve o que é pesado e dá asas ao que é imóvel. Tudo isso pode a simples melodia de uma cantiga popular (…) o soar conjunto de tons puros e afinados, como seja o de um repique de sinos, enche a alma com enlevo e deleite, que aumenta a cada novo som surperveniente e pode, às vezes, fazer o coração se inflamar e tremer de gozo, como não é dado a nenhuma outra volúpia. (…) Meus sonhos mais profundos e dourados beiraram isso: ouvir soar, num pulsar do coração, a estrutura do universo e o conjunto de todas as vidas, em sua secreta e congênita harmonia. Ah! Mas como pode a vida, então, ser tão tumultuosa, desafinada, refalsada, como pode, entre os homens, haver somente mentira, maldade, inveja e ódio, quando a menor cantilena e a música modesta pregam, de modo tão claro, que a pureza, a harmonia e o fraternal e afinado entoar das vozes abrem as portas do céu?
—  Hermann Hesse.