demarcar

Como fazer themes + THEME BASE COM E SEM APPEARENCE

TUTORIAL by britinpsds

Muitas pessoas tem dúvidas em questão de tags e como modificar um theme, e as vezes até muita vontade de aprender a fazer themes ou até mesmo editá-los. Porém com pequenos tutoriais espalhados pelos tumblrs, surgem as dificuldades. Não é difícil fazer um theme, é preciso gostar, querer aprender, e prestar bastante atenção.

Para essas pessoas, eu vou ensiná-las a fazer um theme do zero, explicando as tags necessárias e os recursos usados.

Keep reading

Você acaba de ser notificado sobre uma traição

Existem inúmeras formas de trair alguém.

Uma infinidade de aplicativos no celular, caso você queira um sexo casual e descomprometido, ou uma foda popular no horário do almoço. Depois – ao passo em que você recolhe as camisinhas utilizadas e as roupas espalhadas pelo chão – você desinstala os vestígios e excluí as conversas e *plim* isso quase não existiu.

Para algumas pessoas traição vai além disso. Traição é voltar alguns passos, caminhar do outro lado da calçada ou se distrair. Para cada pessoa no universo trair tem uma conotação diferente. Traição tem significados diferentes para pessoas diferentes.

Tai a “magia da coisa”.

Então, para um casal qualquer, trair é a consumação do ato. É quando os ossos se entrelaçam violentamente para depois adormecerem em posição fetal. Para algumas pessoas trair é antes. É no momento em que você digita a mensagem e aperta em enviar. E a foto que estampa a tela tem a mesma cor, textura e tamanho do desejo que invade o peito. Trair, para algumas pessoas, é desejar. É quando o órgão sexual pulsa na velocidade do coração e você confunde tesão com amor. É quando a libido chega no ápice e você se sente correspondido por outro alguém. Trair é a manifestação de um ego que nunca é satisfeito.

Em algumas culturas traição é a entrada para o inferno, em outras é considerada crime severo e cabível à pena de morte ou sacrifícios. Mas ainda assim consegue ser tema de filme e história para livros. Traição movimenta o mercado econômico e vira manchete de sites de fofoca.

Trair pode ser o tempo que você se dedica ao seu celular enquanto ela/ele conta como foi o dia. Trair, para algumas pessoas, pode ser você ter assistido ao filme antes e ter faltado com os planejamentos cruciais. Ou ter fingido que gostava muito de algo porque parecia adequado para aquele momento. Trair pode ser vestir as roupas do dia anterior, calçar os sapatos correndo, sair apressado do quarto e deixar um recado na secretária convidando para um café. Enquanto tenta se desfazer do cheiro que outro ser humano deixa no corpo de um outro ser humano quando quer demarcar vitória ou território. Como cães afobados que depois de acasalarem correm em outra direção.

Traição é ter o corpo presente, mas a alma intocável e distante. É não estar inteiro. É não entender quando o padre fala de entregar-se e doar-se a alguém porque acredita só no “algo”, no objeto concreto, naquilo que se pode tocar. Traição é não ter nada a dizer quando perguntam sobre amor.

Practica, práctica y más practica es lo que se necestita, en especial yo!

Mi hermana me dijo de que debería también subir cosas con las que practico en lugar de “hacer y borrar” porque dice que tambien borro mi tiempo al hacer eso y bue~

Estas son referencias de estilos de cabello que hice esta mañana~ Siempre hago más de chicas que de chicos porque en eso abundan más los estilos! Además todo es castaño porque hoy tenia ganas de pintar así, no hay ningún secreto sobre ello xD; en otros de seguro haga de pelinegros, rubios, pelirrojos, etc~ obviamente con otros estilos~!

P/D: Yo practico sin lineas para demarcar el cabello, osea que solo hago la cabeza y de ahí ya pinto OwO/

Mas, desta vez, pude sentir a magia do intenso.

Num vislumbro, senti a sensibilidade preenchendo cada canto sombrio de quem eu era, beijando até mesmo os poros de meu corpo à semelhança das flores com a terra, no anúncio de mais uma primavera. Foi a sua chegada, pequeno mistério, que a cada segundo parece me obrigar a desvendar o que trás por trás de seu sorriso em forma de nuances. Assim, quando seus lábios curvam-se ao ponto de me entregar um convite a galáxia escondida em seus olhos. Agora, a todo instante, fica o desejo puro da incapacidade de controlar o que sinto e digo a deixar tatuagens espalhadas por seu coração, mesmo que nas entrelinhas, desde que sempre sirvam para te lembrar de que tudo aqui dentro é real. A você, sou grata. Não só por mimar minhas feras e amansar minhas revoltas, mas também por esse pulsar no fundo do peito ao imaginar a quente sensação de seu toque a demarcar propriedade. Então que eu seja sua, que eu seja intensa, que eu seja amor, que eu seja mágica.

Em Seus Olhos - Cap 32

Passamos o resto da noite na sala, conversando, minha mãe falou de sua estufa, de como a vida continuava a mesma aqui, meu irmão contou sobre suas viagens, e de como estavam indo bem seus negócios, ele tem uma firma de advocacia, lembro quando ele disse que faria faculdade de advocacia, minha mãe e eu caímos na risada, ele também, mas depois disse que era serio, nós apoiamos ele claro, e deu certo.

- Amanha não vai dar tempo, por causa da festa, mas na quinta nós podíamos mostrar um pouco da cidade para Vanessa o que você acha?

- Se ela quiser, podemos sim – nós olhamos para ela.

- Claro, parece ser incrível.

- Tá bom, eu vou indo, nos vemos amanha, boa noite para vocês.

- Até mais Junior – Vanessa se despediu dele ainda sorrindo.

Minha mãe se despediu de nós dizendo que estava cansada e iria deitar, nós acabamos subindo também.

- Eu gostei do seu irmão, bom eu gostei dele e da sua mãe.

- Sim, eles são pessoas fáceis de gostar.

- Assim como você. – ela disse passando a mão na minha cintura enquanto subíamos as escadas.

- Eu? Bom eu não sei se posso concordar com isso, você é a primeira que me fala isso – eu deu um beijo em sua cabeça.

Minha noite não tinha sido muito tranqüila, eu acordei cedo, Vanessa estava dormindo ainda, peguei meu celular e abri a porta com cuidado para que ela não acordasse, disquei o numero, três toques depois, ouvi a voz de Luis.

-Bom dia! ..não eu não liguei para saber do Richard, e eu sei que você já falou com os sócios, Amanda me passou os relatórios, e todo o resto… sim, eu preciso de um favor. Vanessa, é do Brasil, eu preciso que você veja meios de conseguir um passe livre para estadias… Sim eu não sabia que ela era de lá, tudo bem isso não vem ao caso, eu acho que ela tem seis ou sete meses.. preciso de algo o mais rápido possível.. ela está de acordo.. América e Europa.. eu agradeço Luis.

Consegui respirar mais aliviada, Luis daria um jeito, ele tinha que dar um jeito, ouvi um barulho na cozinha era minha mãe, mexendo em algumas panelas.

- Perdeu o sono também dona Rosangela.

- Oi filha, bom dia, é acho que a agitação toda, Junior não para de falar dessa festa. Bom você o conhece bem, e você?

- É pode se dizer que perdi o sono.

- Preocupada.

- Agora não mais.

- Vanessa e a estadia eu imagino. -  me sentei no banco da bancada da cozinha, e fiz que sim com a cabeça.

- Vou fazer um chá para nós duas – ela estava colocando a chaleira no fogão – Clara, não se precipite, as coisas se ajeitam, eu acredito nisso.

- Eu realmente espero que sim mãe.

- Filha, eu nunca vi você assim, focada em alguma coisa que não fossem seus estudos ou seu trabalho, essa moça.. ela parece ter virado o seu mundo, eu vejo que você fica feliz a lado dela, com um brilho único nos olhos, mas você esta bem realmente? Esse relacionamento está te fazendo bem?

- Melhor do que eu jamais pensei. Ela realmente virou meu mundo, mas de uma forma boa, ela me fez enxergar quem eu sou, e me fez ver a vida.. todo os dias de uma forma única, só de estar ao lado dela, eu já me sinto mais viva.

- Clara – e minha mãe veio para o meu lado, ela passou seu braço na minha cintura, e beijou meu rosto. – Você a ama, as palavras que você usou, eu estou tão feliz por você Clara, não se preocupe, vocês irão conseguir dar um jeito nisso, você demorou tanto tempo para encontrar alguém que fizesse seu mundo virar, que desse um sentido as batidas do seu coração;; Ela vai bater descoordenado as vezes eu sei, assim como o meu batia pelo seu pai- eu abracei-a, e dei um beijo em sua cabeça.

- Então é assim mesmo mãe? – ela fez que sim com a cabeça, a chaleira começou a apitar, minha mãe sorriu olhando para porta, me virei, e Vanessa estava lá, linda, usando uma calça cinza colada ao seu corpo e um moletom preto.

- Bom dia! – ela disse me dando um beijo no rosto e sentando ao me lado.

- Bom dia, chá? – Minha mãe perguntou.

- Por favor.

- Bom dia a todos! – era Ana, demos bom dia a ela, minha mãe pegou uma xícara, elas tinham uma relação de amizade e não de chefe e empregado, e sempre foi assim desde sempre, minha tia Dora achava isso um absurdo, eu me levantei e dei um beijo nas duas, e beijei Vanessa suavemente.

- Eu já volto, eu só preciso ver umas coisas do trabalho no computador.

Da biblioteca eu tinha visão do jardim, e eu vi quando minha mãe foi para a estufa com Vanessa ao seu lado. Luis tinha me mandando um e-mail com a confirmação dos sócios, cada um daria seu relato, Simon também me passou as informações dos investidores, e Amanda me encaminhou o contrato assinado com os japoneses. No e-mail de Luis havia um PS, onde ele contava que já estava correndo atrás do necessário para a estadia permanente de Vanessa, mandei a respectiva resposta para cada um, e desliguei o computador.

O dia foi uma correria, um pouco depois do almoço a equipe do Buffet chegou e começou a montar tudo, eu Vanessa e Junior ajudamos a organizar, enquanto Ana levou minha mãe para dar umas voltas pela cidade, eu já estava perdendo a paciência com um garoto do Buffet que insistia em não sair perto de Vanessa, Junior ainda brincou com o garoto, oferecendo um guardanapo como babador, o que fez com que ele ficasse sem graça e parasse um pouco com o assedio, mas porque algumas queimaram Vanessa estava ajudando Junior a arrumar as luzes da tenda, então eu fui sozinha, quando voltei lá estava a droga do garoto muito próximo a Vanessa, eu larguei a caixa com lâmpadas em cima de uma das mesas e fui ate ela, eu não disse nada, eu só a peguei pela cintura e a beijei, eu não sei se o garoto ainda estava ali ou se alguém estava olhando, mas eu são queria continuar beijando-a

- Arranjem um quarto – era Junior, e ele me deu um tapa na nuca de leve -  Isso é saudade ou você esta demarcando território? – ela disse sorrindo, droga é lógico que ela sabia, eu não respondi.

- Falta muito?

- Não, só as luzes das mesas, mas o pessoal do Buffet vai arrumar isso, acho que já podemos nos arrumar agora -  Vi o garoto do outro lado da tenda nos olhando, mas assim que ele viu meu olhar, ele disfarçou.

- Acho que vamos nos arrumar um pouco mais tarde dona Vanessa -  eu disse sussurrando em seu ouvido, os olhos dela estavam cheios de desejo, peguei sua mão e fomos para dentro da casa.

- Você estava com ciúmes não estava? – estávamos na cama, enroladas no lençol pele com pele nos recuperando ainda.

- O garoto não saia do seu lado.

- Você é boba, você ainda não percebeu?

- Perceber o que?

- Clara, eu não queria ninguém, você travou praticamente uma batalha dentro de mim, trouxe a tona meu pior medo, me apaixonar por alguém novamente e cá estou eu, e já dizendo eu te amo.

- Não é com você que me preocupo, é muito irritante ver outros homens cobiçando você. – passei a mão em seus cabelos e beijei suavemente seus lábios.

- Eu faço isso todos os dias, vejo como as mulheres, até os homens queriam estar no meu lugar, eu sei o que você quer dizer, mas eu não posso demarcar você e arrastar você para um lugar e fazer sexo toda vez que alguém te cobiçar. Não que isso seja uma má idéia, mas provavelmente nós viríamos transando -  nós duas ficamos olhando enquanto sorriamos uma para o outra, eu vi o desejo nos olhos dela de novo, e ela podia ver nos meus também, mas ela se mexeu na cama e começou a falar.

- Eu acho que se não levantarmos agora, eu não vou conseguir mais deixar você sair dessa cama, eu não sei.. Mas pode ser que sua mãe note nossa ausência

Estabelecer limites, descondicionar, permitir-se mudar de narrativa, direção, respirar. Para isto escolher: Ir embora ou ficar? Antes de qualquer coisa, entender-se dentro do contexto ou do conflito. Perceber quão desconfortável ou aconchegante. Se extrai luz ou esvazia. Se há troca e parceria. Saber receber para doar-se sem doer. Estar tão complemente confortável na própria pele que o Outro jamais será uma invasão, mas uma possibilidade de ajuste ou a necessidade de dizer um doloroso ou convicto ‘não’. Preservar sua individualidade para respeitar a alheia. Desvencilhar-se da necessidade de controle para que se estabeleça a intimidade. Descobrir se a relação é feita de reciprocidade. Demarcar certos espaços para que duas pessoas inteiras se entrelacem. Trabalhar-se arduamente para que haja independência, a que preza pela disponibilidade afetiva. E não se acomodar na dependência da carência quando tudo o que se quer é, simplesmente, viver uma história bonita.
—  Marla de Queiroz

o tempo todo
só falo de amor
e amor não vale nada

só escrevo poema
atrás de poema
atrás de poema
só falo d'ocê
e nada disso
vale a pena

não tem rima
não tem métrica
e não tem quem
aguente

não tem estrutura
poética
argumento
que sustente

mas eu insisto
continuo a escrever
e se no fim
não valer nada
nem intelectualmente
nem academicamente
nem pra rasgar em pedaços
e demarcar a estrada

pelo menos
vou ter um poema
onde absolutamente tudo
é completamente nada

Julianna Motter